Gertrude Baniszewski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gertrude Baniszewski
Gertrude Baniszewski ouve a decisão do júri após o julgamento
Nome completo Gertrude Nadine Baniszewski
Nascimento 19 de Setembro de 1929
Nacionalidade estadunidense

Gertrude Nadine Baniszewski (19 de Setembro de 192916 de Junho de 1990), também conhecida como Gertrude Wright e Nadine van Fossan, foi uma conhecida mulher do Estado de Indiana que, junto com os filhos e outras crianças da região, torturou até a morte Sylvia Likens, uma garota de dezesseis anos. Pelo crime, Gertrude foi condenada a prisão perpetua no caso conhecido "como o mais terrível crime cometido a uma pessoa no estado da Indiana.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nascida como Gertrude Nadine van Fossan, ela era filha de Hugh e Mollie van Fossan, a terceira de seis irmãos. Cinco anos apos a morte de seu pai, ela abandonou a escola e se casou aos dezesseis anos com John Baniszewski, com quem ela teve quatro filhos. Após dez anos o casamento teve fim, e Gertrude se casou com Edward Guthrie, ela se casou novamente e teve mais dois filhos, vindo a se separar novamente em 1963. Então quando contava com a idade de 34 anos, Gertrude se casou com Dennis Lee Wright, de vinte e três anos, que segundo se conta a agredia. Eles tiveram um filho, Dennis Jr, mas logo apos isso Wright a abandonou e desapareceu.

Sylvia Likens[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1965, Lester e Betty Likens, dois atores circenses, deixaram suas duas filhas - Sylvia Marie Likens, 16, e Jenny Faye Likens, 15 - na casa de Gertrude por 20 dólares por semana enquanto eles viajavam pelo país. As duas garotas conheciam as filhas de Gertrude e frequentavam a mesma escola e igreja que elas. Porem , quando o primeiro pagamento atrasou, Gertrude bateu nas duas garotas.Apos isso ela as acusou de ter roubado doces, o que na verdade era mentira.A partir dai os abusos contras as meninas, em especial contra Sylvia , começaram.

Abusos[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1965, Baniszewski começou a ofender e a bater em Sylvia Likens, alem de deixar que seus filhos e outras crianças batessem nela. . Baniszewski acusava as garotas de serem prostitutas, e dava sermões sobre esses assuntos para as crianças sempre usando as Likens como exemplo. Apos as duas Likens espalharem pelo colégio que duas das filhas de Gertrude, Paula e Stephanie eram prostitutas,segundo a versão de Gertrude, o namorado de Stephanie, Coy Hubbard, e outros colegas da dele foram convidados para assistir Gertrude agredir Sylvia.A própria Irma de Sylvia, Jenny, era obrigada a bater na irmã. 1

Logo Sylvia foi tirada da escola, e os abusos aumentaram ainda mais. Certa vez, apos acusar a menina novamente de ser uma prostituta, Gertrude chamou os meninos da vizinhança e obrigou Sylvia a enfiar uma garrafa de coca cola na vagina.2

Porão[editar | editar código-fonte]

Apos o incidente com a coca cola, Sylvia urinou na cama, e como conseqüência foi trancafiada no porão da casa. Baniszewski começou a banhar Likens com água quente, segundo ela para limpar seus pecados. Ela ficava nua no porão, e poucas vezes era alimentada.De tempos em tempos, o Gertrude e seus filho John fazia Sylvia comer suas próprias fezes. Nessa época, Jenny escreveu uma carta para irmã mais velha, Diana, contando o Horror que ela e Sylvia passavam, pedindo para que ela chamasse a policia. Diana Likens não acreditou em Jenny, pois achava que ela havia feito algo na casa de Gertrude e estava querendo sair de lá para ficar com ela em sua casa. Diana ficou nas proximidades ate ver Jenny fora e abordá-la. Tempos depois, Diana veio visitar as irmãs, mas Baniszewski se negou a deixar-la entra na casa. Diana ficou nas proximidades ate ver Jenny fora da casa e abordá-la. Jenny disse a irmã mais velha que não estava autorizada a falar com ela e depois fugiu.Preocupada, Diana ligou para o serviço social.Quando a assistente social foi na casa dos Baniszewski ,Gertrude ameaçou Jenny, dizendo que se ela falasse algo iria ocorrer o mesmo que ocorria com Sylvia. Assustada com isso, Jenny disse a Assistente que Sylvia tinha fugido de casa.

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Em 21 de outubro, Baniszewski pediu para que seu filho John Jr., Coy, e Stephanie Baniszewski trouxessem Sylvia para uma cama. Sylvia urinou novamente, e como conseqüência Gertrude a fez enfiar de novo uma garrafa de coca cola na vagina,2 antes de começar a grafar a frase "I'm a prostitute and proud of it" no estomago da garota.Quando Gertrude não conseguiu mais tatuar a frase , ela pediu que Ricky Hobbs a terminasse.No dia seguinte ela obrigou Sylvia escrever uma carta para os pais a qual afirmava que havia fugido de casa. Apos isso ela começou a elaborar um plano para deixar Sylvia em algum local ermo para que ela morresse. Quando Sylvia ouviu isso, ela tentou fugir, mas foi pega por Gertrude e foi jogada novamente no porão.

Em 24 de outubro, Coy Hubbard bateu violentamente com um cabo de vassoura na cabeça de Sylvia. Na manhã do dia 26, Gertrude disse que daria um banho em Sylvia e pediu que Stephanie Baniszewski e Richard Hobbs trouxessem a menina para cima.Porem os dois perceberam que ela não respirava, e tentaram ressuscitar la com respiração boca-a-boca, porem Sylvia já estava morta. Stephanie ficou em pânico, e pediu que Hobbs chamasse a polícia. Quando eles chegaram, Gertrude mostrou a carta que havia obrigado Sylvia escrever, nesse período, Jenny teria abordado um dos policias e sussurrado que ele a tirasse de La que ela contaria tudo o que tinha acontecido. O depoimento dela, combinado com o descobrimento do corpo de Sylvia, fez os policiais prenderem Gertrude, Paula, Stephanie e John Baniszewski, Richard Hobbs, e Coy Hubbard por assassinato. Outras crianças da vizinhança Mike Monroe, Randy Lepper, Judy Duke, e Anna Siscoe também foram levados.

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Baniszewski, seus filhos, Hobbs, e Hubbard foram presos sem direito a fiança, até o julgamento. Um exame de autopsia feito depois revelou que Sylvia tinha diversas queimaduras, contusões musculares e inúmeras lesões físicas. perto da morte , os lábios de Sylvia estavam quase que separados um do outro.Sua cavidade vaginal estava inchada, mas os exames provaram que ela ainda era virgem, sendo que seu hímen estava intacto. A causa oficial da morte foi hemorragia cerebral, alem de lesões prolongadas em sua pele.

Gertrude Baniszewski foi acusada de assassinato em primeiro grau. Ela foi sentenciada a prisão perpetua sem direito a condicional.

Vida e morte[editar | editar código-fonte]

Gertrude sai da prisão em 4 de dezembro de 1985

Apos apelar, Baniszewski ganhou um novo julgamento, mas foi novamente condenada. Ao longo dos 18 anos em que ficou presa, Gertrude foi uma prisioneira modelo, trabalhando na oficina de costura, se tornando uma mãe para as outras detentas. Quando foi anunciado que ela iria sair em condicional da prisão, houve uma grande polêmica na comunidade de Indiana. Jenny Likens e sua família apareceram na TV para protestar contra a libertação, grupos de proteção a pessoa também se manifestaram, sendo que no decorrer de dois meses um grupo coletou assinatura de moradores de Indiana contra Gertrude. Apesar de tudo, ela conseguiu a liberdade, e se declarou culpado sobre tudo que havia ocorrido com Sylvia. Baniszewski saiu da prisão em 4 de dezembro de 1985 e viajou para Iowa, onde morreu de câncer no pulmão cinco anos depois, em 16 de junho de 1990, com 60 anos.2

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • A Feminista Kate Millett escreveu uma história semi-ficcional sobre o incidente, The Basement: Meditations on a Human Sacrifice. Millett afirmou em um entrevista que o assassinato de Sylvia Likens "é a história da repressão feminina. Gertrude parece querer administrar uma justiça terrível verossímil na garota: isso é que é ser uma mulher."3
  • O autor Natty Bumppo (antigamente John Dean) escreveu um ensaio sobre o assassinato, The Indiana Torture Slaying.3
  • O livro de Jack Ketchum The Girl Next Door é uma história fictícia baseada no assassinato, e um filme baseado no livro foi lançado em 2007, com Blythe Auffarth no papel principal.3
  • O livro de Patte Wheat, By Sanction of the Victim é um história ficcional baseada no incidente.[carece de fontes?]
  • Um peça chamada Hey, Rube, escrita por Janet McReynolds, foi produzida, mas nunca foi publicada. 4
  • O filme An American Crime estrelando Catherine Keener como Baniszewski, Ellen Page como Likens, e Jeremy Sumpter como Coy Hubbard estreou no Sundance Film Festival em 2007.3 and was released nation-wide in 2008.5
  • O livro Let's Go Play at the Adams' é baseado no assassinato.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "The Torturing Death of Sylvia Marie Likens." Crime Library.
  2. a b c Library Factfiles: The murder of Sylvia Likens. The Indianapolis Star. Access date: November 14, 2007.
  3. a b c d Broeske, Pat H. "A Midwest Nightmare, Too Depraved to Ignore." New York Times. 14 January 2007.
  4. Regensberg, Pam. "Santa actor being investigated in Ramsey case", 'Longmont, Colorado Times-Call', March 8, 1997. Página visitada em 2008-08-25.
  5. Broeske, Pat H. A Midwest Nightmare, Too Depraved to Ignore. The New York Times. 14 January 2007.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dean, John Edwin. The Indiana Torture Slaying: Sylvia Likens Torture and Death. 1999. ISBN 0-9604894-7-9.
  • Millett, Kate. The Basement: A True Story of Violence in an American Family. 1979. ISBN 0-671-72358-8.
  • New York Times. May 20, 1966. "5 Are Convicted In Torture Death; Mother and 4 Teen-Agers Guilty in Girl's Slaying". Indianapolis, May 19, 1966 (UPI) A Criminal Court jury today found Mrs. Gertrude Baniszewski, 38-year-old mother of seven, guilty of first degree murder in the torture slaying of Sylvia Likens, 16. Four teenage defendants were convicted on lesser charges.
  • New York Times. May 25, 1966. "2 in Torture Death of Girl Are Sentenced for Life". Indianapolis, May 24, 1966 (AP). Two defendants in the torture slaying of Sylvia Likens got life sentences today in the Indiana Women's Prison. Three others were sentenced to the Indiana Reformatory for terms of 2 to 21 years.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]