Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Indiano)
Ir para: navegação, pesquisa
भारत गणराज्य
Bhārat Gaṇarājya

República da Índia
Bandeira da Índia
Brasão de armas da Índia
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Satyameva Jayate" (Sânscrito)
सत्यमेव जयते  (Devanāgarī)
"A verdade, só, triunfa"[1]
Hino nacional: জন গণ মন (Jana Gana Mana)
("És o soberano das mentes de todos")
[2]
Canção nacional: वन्दे मातरम् (Vande Mātaram)
("Curvo-me a ti, Mãe")[3]
Gentílico: Indiano(a)

Localização da Índia

Localização da Índia (em verde escuro) e reivindicações territoriais na disputada região da Caxemira (em verde-claro).
Capital Nova Deli
Cidade mais populosa Bombaim
Língua oficial Hindi, inglês
e mais 21 línguas nacionais
Governo República federal[4]
Democracia parlamentar[5]
 - Presidente Pranab Mukherjee
 - Vice-presidente Mohammad Hamid Ansari
 - Primeiro-ministro Narendra Modi
Independência do Reino Unido 
 - Declarada 15 de agosto de 1947 
 - República 26 de janeiro de 1950 
Área  
 - Total 3 287 590 km² (7.º)
 - Água (%) 9,56
 Fronteira Paquistão, República Popular da China, Nepal, Butão, Myanmar e Bangladesh
População  
 - Estimativa de 2011 1 210 193 422[4] hab. (2.º)
 - Censo 2001 1 027 015 248 hab. 
 - Densidade 329 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 5 425 trilhões * [6]  (3.º)
 - Per capita US$ 4 307[6]  (133.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 1 996 trilhões *[6]  (10.º)
 - Per capita US$ 1 584[6]  (143.º)
IDH (2013) 0,586 (135.º) – médio[7]
Gini (2004) 36,8
Moeda Rupia indiana (Indian Rupee symbol.svg) (INR)
Fuso horário IST (UTC+5:30)
Org. internacionais ONU (OMC), G5
Cód. Internet .in
Cód. telef. +91
Website governamental india.gov.in

Mapa da Índia

Índia, oficialmente República da Índia, (em hindi: भारत गणराज्य, Bhārat Gaṇarājya), é um país da Ásia Meridional. É o segundo país mais populoso, sétimo maior em área geográfica e a democracia mais populosa do mundo. Delimitada ao sul pelo Oceano Índico, pelo mar da Arábia a oeste e pela Baía de Bengala a leste, a Índia tem uma costa com 7 517 km de extensão.[8] O país faz fronteira com Paquistão a oeste;[nota 1] República Popular da China, Nepal e Butão ao norte e Bangladesh e Mianmar a leste. Os países insulares do Oceano Índico — Sri Lanka e Maldivas — estão localizados bem próximo da Índia.

Lar da Civilização do Vale do Indo, de rotas comerciais históricas e de vastos impérios, o subcontinente indiano é identificado por sua riqueza comercial e cultural de grande parte da sua longa história.[9] Quatro grandes religiõeshinduísmo, budismo, jainismo e sikhismo — originaram-se no país, enquanto o zoroastrismo, o judaísmo, o cristianismo e o islamismo chegaram no primeiro milênio d.C. e moldaram a diversidade cultural da região. Anexada gradualmente pela Companhia Britânica das Índias Orientais no início do século XVIII e colonizada pelo Império Britânico a partir de meados do século XIX, a Índia tornou-se uma nação independente em 1947, após uma luta social pela independência que foi marcada pela extensão da resistência não violenta.[10]

A Índia é uma república composta por 28 estados e sete territórios da união com um sistema de democracia parlamentar. O país é a décima maior economia do mundo em Produto Interno Bruto (PIB) nominal, bem como a terceira maior do mundo em PIB medido em Paridade de Poder de Compra. As reformas econômicas feitas desde 1991 transformaram o país em uma das economias de mais rápido crescimento do mundo;[11] no entanto, a Índia ainda sofre com altos níveis de pobreza,[12] analfabetismo, doenças e desnutrição. Uma sociedade pluralista, multilíngue e multiétnica, a Índia também é o lar de uma grande diversidade de animais selvagens e de habitats protegidos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Índia é derivado de Indus, que por sua vez é derivado da palavra Hindu, em persa antigo. Do sânscrito Sindhu, a denominação local histórica para o rio Indus.[13] Os gregos clássicos referiam-se aos indianos como Indoi (Ινδοί), povos do Indus[14] A Constituição da Índia e o uso comum em várias línguas indianas igualmente reconhecem Bharat como um nome oficial de igual status.[15] Hindustão (ou Indostão), que é a palavra persa para a “terra do Hindus” e historicamente referida ao norte da Índia, é também usada ocasionalmente como um sinônimo para toda a Índia.[16]

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Os primeiros restos de humanos anatomicamente modernos encontrados na Ásia Meridional datam de aproximadamente 30 mil anos atrás.[17] Sítios arqueológicos com arte rupestre do período Mesolítico foram encontrados em muitas partes do subcontinente indiano, como nos abrigos na Rocha de Bhimbetka, em Madhya Pradesh.[18] Por volta de 7 000 a.C., os primeiros assentamentos neolíticos conhecidos apareceram no subcontinente em locais como Mehrgarh e outros no Paquistão ocidental.[19] Estes locais gradualmente desenvolveram a Civilização do Vale do Indo,[20] a primeira cultura urbana da Ásia Meridional;[21] essa civilização floresceu entre 2 500 e 1 900 a.C. no Paquistão e na região oeste da Índia.[22] Centrada em torno de cidades como Mohenjo-daro, Harappa, Dholavira e Kalibangan, e contando com variadas formas de subsistência, a cultura desenvolveu uma produção robusta de artesanatos e um amplo comércio.[21]

Durante o período de 2000-500 a.C, culturas de muitas regiões do subcontinente fizeram a transição do Calcolítico para a Idade do Ferro.[23] Os Vedas, as escrituras mais antigas do hinduísmo,[24] foram compostas durante esse período[25] e os historiadores têm conectado os textos à cultura védica, localizada na região do Panjabe e na Planície Indo-Gangética.[23] A maioria dos historiadores também considera que este período abrangeu várias ondas migratórias indo-arianas no subcontinente, de norte a oeste.[26] [24] [27] O sistema de castas, que criou uma hierarquia de sacerdotes, guerreiros e camponeses livres, mas excluiu os povos indígenas ao rotular suas ocupações como "impuras", surgiu durante este período.[28] Sobre o planalto do Decão, evidências arqueológicas deste período sugerem a existência de um estágio patriarcal de organização política.[23] No sul da Índia, uma progressão para a vida sedentária é indicada pelo grande número de monumentos megalíticos que datam deste período,[29] bem como por vestígios de agricultura, tanques de irrigação e de tradições de artesanato.[29]

Pinturas nas Grutas de Ajanta em Aurangabad, Maharashtra, do século VI

No período védico, por volta do século V a.C., as pequenas tribos do Planalto do Ganges e de regiões do noroeste haviam se consolidado em 16 grandes oligarquias e monarquias que eram conhecidas como os mahajanapadas.[30] [31] A urbanização crescente e as ortodoxias desta época também criaram os movimentos de reforma religiosa do budismo e do jainismo,[32] sendo que ambos se tornaram religiões independentes.[33] O budismo, com base nos ensinamentos de Gautama Buda, atraiu seguidores de todas as classes sociais, com exceção da classe média; as narrações da vida de Buda foram fundamentais para o início do registro da história indiana.[32] [34] [35] O jainismo entrou em destaque na mesma época durante a vida de seu "Grande Herói", Mahavira.[36] Em uma época de crescente riqueza urbana, ambas as religiões levantaram a renúncia aos bens materiais como um ideal[37] e estabeleceram monastérios de longa duração.[30] Politicamente, por volta do século III a.C., o Reino de Mágada tinha anexado ou reduzido outros Estados para emergir como o Império Máuria.[30] Já se acreditou que esse império controlou a maior parte do subcontinente com exceção do extremo sul, mas agora acredita-se que as suas regiões centrais eram separadas por grandes áreas autônomas.[38] [39] Os reis máurias são conhecidos tanto pela construção do seu império e determinação na gestão da vida pública, quanto pela renúncia de Asoka do militarismo e de sua promoção do darma budista.[40] [41]

A literatura sangam, escrita em tâmil, revela que entre 200 a.C. e 200 d.C. o sul da península estava sendo governado pelas dinastias Cheras, Cholas e Pandyas, que comercializavam extensivamente com o Império Romano e com o Sudoeste e o Sudeste da Ásia.[42] [43] Nesse período o território do país também se tornou parte da Rota da Seda, uma rede de rotas comerciais que ligava o Extremo Oriente à Europa. Por essas estradas os comerciantes indianos vendiam tecidos e especiarias para mercados da Ásia Central, enquanto monges e peregrinos budistas vinham da China, até o período das Grandes Navegações, quando ligações comerciais marítimas foram criadas entre o Ocidente e o Oriente.[44] No norte da Índia, o hinduísmo afirmou controle patriarcal familiar, o que levou ao aumento da subordinação das mulheres.[45] [30] Até os séculos IV e V, o Império Gupta havia criado um complexo sistema fiscal e de administração nos grandes planaltos do Ganges, que se tornou um modelo para reinos indianos posteriores.[46] [47] Sob os governos dos Guptas, um hinduísmo renovado baseado na devoção ao invés da gestão ritualística começou a se estabelecer.[48] A renovação se refletiu em um florescimento da escultura e da arquitetura, que encontrou patronos entre uma elite urbana.[47] A literatura sânscrita clássica floresceu e ciência, astronomia, medicina e matemática indianas tiveram avanços significativos.[47]

Idade média[editar | editar código-fonte]

A grande gopura de granito no Templo de Brihadisvara em Thanjavur foi concluída em 1010 d.C. por Raja Raja Chola I

A idade medieval indiana, de 600 d.C. a 1200 d.C., é definida por reinos regionais e pela diversidade cultural.[49] Quando o imperador Harsha de Kannauj, que governou grande parte da Planície do Ganges de 606 a 647 d.C., tentou expandir seu território para o sul, ele foi derrotado pelo governante Chalukya do Decão.[50] Seu sucessor, na tentativa de expandir para o leste, foi derrotado pelo rei Pala de Bengala.[50] Quando os Chalukyas tentaram se expandir para o sul, eles foram derrotados pelos Pallavas, que por sua vez se opunham aos Pandyas e aos Cholas, de ainda mais ao sul.[50] Nenhum governante desse período foi capaz de criar um império unificado e os territórios sob seu controle geralmente não passavam muito além de sua região central.[49] Durante este tempo, povos de pastoreio cujas terras tinham sido liberadas para abrir caminho para a crescente economia agrícola foram acomodados dentro do sistema de castas, assim como as novas classes dominantes não tradicionais.[51] O sistema de castas, consequentemente, começou a mostrar as diferenças regionais.[51]

Nos séculos VI e VII, os primeiros hinos devocionais foram criados na língua tâmil.[52] Eles foram imitados por toda a Índia e levaram ao ressurgimento do hinduísmo e ao desenvolvimento de todas as línguas modernas do subcontinente.[52] A realeza indiana, grande e pequena, e os templos por ela frequentados, atraíram cidadãos em grande número para as principais cidades, que tornaram-se também importantes centros econômicos.[53] Templos em cidades de vários tamanhos começaram a aparecer em todos os lugares ao mesmo tempo que a Índia passava por outra era de urbanização.[53] Pelos séculos VIII e IX, os efeitos disso foram sentidos no Sudeste da Ásia, conforme os sistemas culturais e políticos do sul da Índia eram exportados para terras que se tornaram parte dos atuais Myanmar, Tailândia, Laos, Camboja, Vietnã, Malásia e Java (Indonésia).[54] Comerciantes, estudiosos e às vezes exércitos indianos envolveram-se nesta transmissão cultural; os asiáticos do sudeste do continente também tomaram a iniciativa e organizaram muitas peregrinações para os seminários indianos, além de terem traduzido os textos budistas e hindus para os seus respectivos idiomas.[54]

Após o século X, clãs nômades muçulmanos do centro da Ásia usaram cavalaria de guerra e organizaram vastos exércitos unidos pela etnia e religião para invadir repetidamente as planícies do noroeste da Ásia Austral, levando à criação do islâmico Sultanato de Déli em 1206.[55] O sultanato controlou grande parte do norte da Índia e fez muitas incursões ao sul do subcontinente. Embora tenha sido perturbador para as elites indianas, o sultanato deixou a vasta população não muçulmana sujeita às suas próprias leis e costumes.[56] [57] Ao repelir repetidamente os invasores mongóis no século XIII, o sultanato salvou a Índia da devastação experimentada pela Ásia Central e Ocidental, criando o cenário para séculos de migração de soldados, homens instruídos, místicos, comerciantes, artistas e artesãos que vinham em fuga daquelas regiões para o subcontinente indiano, criando assim uma cultura indo-islâmica sincrética no norte do país.[58] [59] A invasão do sultanato e o enfraquecimento dos reinos da região do sul da Índia abriram o caminho para o Império Vijayanagara.[60] Abraçando uma forte tradição xivaísta e construído sobre a tecnologia militar do sultanato, o império passou a controlar a maior parte da Índia peninsular[61] e foi influente na sociedade do sul do país por muito tempo.[60]

Era moderna[editar | editar código-fonte]

Taj Mahal, em Agra, construído entre 1632 e 1653 pelo imperador Shah Jahan. O edifício é uma das mais belas expressões arquitetônicas do Império Mogol.

No início do século XVI, o norte da Índia, na época sob domínio principalmente muçulmano,[62] caiu novamente para a superioridade da mobilidade e do poder de fogo de uma nova geração de guerreiros da Ásia Central.[63] O subsequente Império Mogol não erradicou as sociedades locais que passou a governar, mas as equilibrou e pacificou através de novas práticas administrativas[64] [65] e de elites dominantes diversas e inclusivas,[66] levando a uma lei mais sistemática, centralizada e uniforme por todo o império.[67] Evitando sua identidade tribal e islâmica, especialmente durante o governo de Akbar, os mogóis uniram seus reinos distantes através da lealdade, expressa através de uma cultura influenciada pela Pérsia e de um imperador que tinha importância quase divina.[66] As políticas econômicas do Estado Mogol tiravam a maior parte das receitas do império do setor agrícola[68] e determinavam que os impostos deviam ser pagos em moedas de prata oficiais,[69] o que causou a entrada de camponeses e artesãos em mercados maiores.[67] A relativa paz mantida pelo império durante grande parte do século XVII foi um dos fatores que ajudaram na expansão econômica da Índia nesse período,[67] o que resultou em investimentos maiores em pintura, além de obras literárias, têxteis e de arquitetura.[70] Novos grupos sociais homogêneos no norte e no oeste da Índia, como os marathas, os rajputs e os sikhs, ganharam ambições militares e de governo durante o domínio mogol, que, através da colaboração ou da adversidade, deu-lhes reconhecimento e experiência militar.[71] A expansão do comércio durante o governo mogol deu origem à novas elites comerciais e políticas ao longo das costas do sul e do leste do país.[71] À medida que o império se desintegrou, muitas dessas elites foram capazes de manter seus negócios sob controle.[72]

Em 1498 o navegador português Vasco da Gama chega a Calecute, na costa ocidental do subcontinente indiano, o marco inicial de uma relação luso-indiana que duraria cerca de 500 anos.[73] Em 1510, o explorador português Afonso de Albuquerque amplia os territórios portugueses com a conquista de Goa, que rapidamente se tornaria a capital do Estado Português da Índia (uma entidade política parte do Império Português). A Índia Portuguesa, como a colônia lusitana também era conhecida, inicialmente abrangia todos os territórios conquistados pelos portugueses no Oceano Índico, mas depois ficou restrita à Costa do Malabar, em territórios como Goa, Damão, Diu, Ilha de Angediva, Dadrá e Nagar Haveli, Simbor e Gogolá.[74] No início do século XVIII, com a linha entre a dominação comercial e política cada vez mais tênue, uma série de empresas comerciais europeias, como a Companhia Britânica das Índias Orientais, haviam estabelecido postos nas regiões costeiras do país.[75] [76] O controle dos mares, maiores recursos, treinamento militar e tecnologia mais avançados levaram a Companhia Britânica das Índias Orientais a flexionar cada vez mais a sua força militar e tornar isso atraente para uma parcela da elite indiana; esses dois fatores foram cruciais para permitir que a Companhia Britânica ganhasse o controle sobre a região de Bengala em 1765 e marginalizasse as outras empresas europeias concorrentes[77] [75] [78] [79] O acesso maior às riquezas da Bengala e o subsequente aumento da força e do tamanho de seu exército permitiram à Companhia das Índias Orientais anexar ou subjugar a maior parte do subcontinente indiano durante os anos 1820.[80] A Índia então parou de exportar bens manufaturados e, em vez disso, passou a abastecer o Império Britânico com matérias-primas. Esse momento é considerado por muitos historiadores o início do período colonial no país.[75] Por esta altura, com seu poder econômico severamente restringido pelo parlamento britânico, a Companhia começou a entrar mais conscientemente em áreas não econômicas, como educação, reforma social e cultura.[81]

Era contemporânea[editar | editar código-fonte]

Gravura da Índia Britânica de uma edição de 1909 da The Imperial Gazetteer of India. As áreas diretamente governadas pelos britânicos estão sombreadas em rosa; os principados sob suserania britânica estão em amarelo.

Os historiadores consideram que a era contemporânea da Índia começou em algum momento entre 1848 e 1885. A nomeação, em 1848, de James Broun-Ramsay, Lord Dalhousie, como governador-geral do Companhia das Índias Orientais preparou o palco para alterações essenciais na transição do país para um Estado moderno. Estas mudanças incluíram a consolidação e a demarcação da soberania, a vigilância da população e a educação dos cidadãos. Mudanças tecnológicas — como as ferrovias, os canais e o telégrafo — foram introduzidas no país não muito tempo depois de sua introdução na Europa.[82] [83] [84] [85] No entanto, a insatisfação com a Companhia também cresceu durante este período e definiu a Revolta dos Sipais, em 1857. Alimentada por diversos ressentimentos e percepções entre a população, como as invasivas reformas sociais ao estilo britânico, altos impostos sobre propriedades e o tratamento sumário de alguns príncipes e fazendeiros ricos, a revolta abalou muitas regiões do norte e do centro da Índia e sacudiu os alicerces do governo da Companhia.[86] [87] Embora a rebelião tenha sido reprimida em 1858, ela levou à dissolução da Companhia das Índias Orientais e a administração da Índia passou a ser exercida diretamente pelo governo britânico. Além de proclamarem um Estado unitário e um sistema parlamentarista limitado, inspirado pelo parlamento britânico, os novos governantes também protegeram príncipes e aristocratas como uma salvaguarda contra uma possível agitação feudal futura.[88] [89] Nas décadas seguintes, a vida pública emergiu gradualmente em toda a Índia, levando à fundação do partido Congresso Nacional Indiano, em 1885.[90] [91] [92] [93]

A corrida tecnológica e a comercialização da agricultura na segunda metade do século XIX foi marcada por muitos contratempos econômicos — muitos pequenos produtores tornaram-se dependentes dos caprichos de mercados distantes.[94] Houve um aumento no número de grandes crises de fome[95] e, apesar dos riscos do desenvolvimento de uma infraestrutura suportada pelos contribuintes indianos, pouco emprego industrial foi gerado para a população.[96] Houve também efeitos salutares: cultivos comerciais, especialmente na região recém-canalizada do Punjabe, levaram a um aumento da produção de comida para o consumo interno.[97] A rede ferroviária, desde o alívio da crise de fome,[98] ajudou a reduzir o custo dos bens móveis[98] e auxiliou a nascente indústria indiana.[97]

Jawaharlal Nehru (esquerda) se tornou o primeiro primeiro-ministro da Índia, em 1947. Mahatma Gandhi (direita) liderou o movimento pela independência.

Após a Primeira Guerra Mundial, onde alguns milhares de indianos serviram,[99] um novo período começou. Ele foi marcado por reformas britânicas, mas também por uma legislação mais repressiva; pelas reivindicações cada vez mais estridentes da população indiana por independência e pelo começo de um movimento não violento de não cooperação, do qual Mohandas Karamchand Gandhi se tornaria o líder e símbolo de resistência.[100] Durante os anos 1930, uma lenta reforma legislativa foi promulgada pelos britânicos e o Congresso Nacional Indiano saiu vitorioso nas eleições seguintes.[101] A década posterior foi cheia de crises: a participação indiana na Segunda Guerra Mundial, o impulso final do Congresso para a não cooperação com os britânicos e uma onda de nacionalismo muçulmano. Todos foram coroados com o advento da independência em 1947, mas ao custo de uma sangrenta divisão do subcontinente em dois Estados: Índia e Paquistão.[102]

Vital para a auto-imagem da Índia como uma nação independente foi a sua constituição, concluída em 1950, que colocou no lugar da antiga colônia britânica uma república secular e democrática.[103] Nos 60 anos seguintes, a Índia teve um resultado misto de sucessos e fracassos.[104] Manteve-se uma democracia com liberdades civis, uma Suprema Corte ativista e uma imprensa, em grande parte, independente.[104] A liberalização econômica, que teve início na década de 1990, criou uma grande classe média urbana e transformou a Índia em uma das economias de mais rápido crescimento no mundo, o que aumentou a influência geopolítica do país. Filmes, músicas e ensinamentos espirituais indianos desempenham um papel cada vez maior na cultura mundial.[104] No entanto, o país também tem sido oprimido por uma pobreza aparentemente inflexível, tanto no meio rural quanto no urbano;[104] pela violência religiosa e entre castas;[105] por grupos insurgentes de inspiração maoista chamados naxalitas;[106] e pelo separatismo em Jammu e Caxemira e no Nordeste da Índia.[107] O país tem disputas territoriais não resolvidas com a China, que se deterioraram até a guerra sino-indiana de 1962;[108] e com o vizinho Paquistão, em guerras travadas em 1947, 1965, 1971 e 1999.[108] A rivalidade nuclear entre a Índia e o Paquistão veio à tona em 1998.[109] As liberdades democráticas sustentadas da Índia são únicas entre as novas nações do mundo; no entanto, apesar de seus sucessos econômicos recentes, a liberdade de sua população desfavorecida continua a ser um objetivo a ser alcançado.[110]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Índia ocupa a maior parte do subcontinente indiano, encontrando-se por cima da placa indiana, uma placa tectônica que faz parte da placa indo-australiana.[111] Os processos geológicos que definiram a atual situação geográfica da Índia começaram há 75 milhões de anos, quando o subcontinente indiano, então parte do sul do supercontinente Gondwana, começou a se mover para nordeste através do que posteriormente se converteria no Oceano Índico.[111] A colisão superior do subcontinente com a placa euro-asiática e a subducção debaixo dela deram lugar à cordilheira do Himalaia, o sistema montanhoso mais alto do planeta, que atualmente é a fronteira da Índia a norte e a noroeste.[111] O antigo leito marinho que emergiu imediatamente ao sul do Himalaia fez com que o movimento da placa criasse uma grande depressão, que foi sendo levada pouco a pouco por sedimentos propagados por rios,[112] o que atualmente constitui a Planície Indo-Gangética.[113] A oeste desta planície encontra-se o deserto do Thar, separado pela cordilheira Avaralli.[114]

A placa original indiana corresponde hoje ao subcontinente indiano, sendo também a parte mais antiga e estável da Índia, que se estende desde o norte, com as cordilheiras Satpura e Vindhya no centro. Estas cordilheiras paralelas vão desde a costa do mar Arábico, no estado de Gujarat, até o planalto de Chota Nagpur, no estado de Jharkhand.[115] No sul, o planalto do Decão contém à esquerda e à direita os Gates Ocidentais e Orientais;[116] o planalto contém as formações rochosas mais antigas do território, algumas com mais de um bilhão de anos de idade. Os pontos extremos do país se localizam a 6° 43' e 39° 26 'de latitude norte[c] e 68°7' e 89°25' de longitude leste.[117]

O Kangchenjunga, na fronteira entre a Índia e o Nepal, na cordilheira do Himalaia, é o ponto mais alto do país, com 8 586 metros de altura.

A Índia tem 7 517 quilômetros de litoral; destes, 5 423 pertencem ao subcontinente indiano e 2 094 pertencem aos arquipélagos de Andamão e Nicobar e Laquedivas. A costa indiana tem 43% de praias arenosas, 11% de costas rochosas (incluindo falésias) e 46% de marismas ou costas pantanosas.[8] Os principais rios têm sua origem na cordilheira Himalaia, como o Ganges e o Brahmaputra, que desembocam no golfo de Bengala.[118] Entre os afluentes mais importantes do Ganges encontram-se os rios Yamuna e o Kosi, cuja pendente extremamente baixa provoca inundações catastróficas quase todos os anos. Os rios peninsulares mais importantes cujas pendentes evitam inundações são o Godavari, o Mahanadi, o Kaveri e o Krishna, que também desembocam no golfo de Bengala;[119] e os rios Narmada e Tapti, que desembocam no mar Arábico.[120] Na costa oeste, encontram-se também os pântanos do Rann de Kutch, enquanto no leste há a área protegida de Sundarbans, que a Índia divide com Bangladesh.[121] A Índia possui dois arquipélagos: Laquedivas, atóis de corais na costa sudoeste indiana, e as ilhas de Andamão e Nicobar, cadeias de ilhas vulcânicas no mar de Andamão.[122]

O clima indiano é fortemente influenciado pelo Himalaia e pelo deserto do Thar, os quais favorecem o desenvolvimento das monções.[123] O Himalaia barra a entrada de ventos catabáticos frios, vindos da Ásia Central, mantendo a maior parte do subcontinente indiano mais quente do que a maioria das localidades que se localizam em latitudes similares.[124] [125] O deserto do Thar desempenha um papel crucial para atrair ventos de monção carregados de umidade desde o sudoeste, os quais entre junho e outubro proporcionam a maioria das precipitações do país.[123] As zonas climáticas principais que predominam em território indiano são o tropical úmido, tropical seco e o subtropical úmido.[126]

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

O território indiano se encontra dentro da biorregião himalaia, que apresenta grande biodiversidade. Acolhendo 7,6% de todos os mamíferos, 12,6% de todas as aves, 6,2% de todas os répteis, 4,4% de todos os anfíbios, 11,7% de todos os peixes e 6% de todas as espermatófitas do mundo, a Índia é um dos dezoito países megadiversos.[127] Em muitas regiões indianas existem altos níveis de endemismo; em geral, 33% das espécies indianas são endêmicas.[128] [129]

O pavão-indiano (Pavo cristatus), a ave nacional do país
Elefante-asiático no Parque Nacional de Bandipur, em Karnataka.

Os bosques da Índia variam de florestas úmidas nas ilhas de Andamão, Gates Ocidentais e noroeste indiano, até florestas temperadas de coníferas do Himalaia. Entre esses extremos encontram-se os bosques caducifólios da Índia Oriental; o bosque caducifólio no centro-sul e o bosque xerófito do Decão central e a planície ocidental do Ganges.[130] Estima-se que menos de 12% da massa da Índia Continental esteja coberta por densos bosques.[131]

Muitas espécies da Índia são descendentes de táxons originários de Gondwana, do qual a placa tectônica indiana se separou. O movimento posterior da placa do subcontinente indiano e a sua colisão com a massa de terra da Laurásia deu início a um intercâmbio massivo das espécies. Entretanto, o vulcanismo e as mudanças climáticas registradas há vinte milhões de anos provocaram uma extinção em massa de espécies originárias de Gondwana.[132] A partir de então, mamíferos ingressaram ao subcontinente a partir da Ásia por meio de dois passos zoogeográficos em ambos os lados emergentes do Himalaia.[130] Em consequência, apenas 12,6% dos mamíferos e 4,6% das aves são espécies endêmicas, em contraste com 45,8% dos répteis e 55,8% de anfíbios endêmicos.[127] Na Índia existem 172 espécies ameaçadas, ou 2,9%.[133] Entre elas encontram-se o leão-asiático, o tigre-de-bengala e o abutre-indiano-de-dorso-branco (Gyps bengalensis), que está quase ameaçado de extinção devido à ingestão de carne de gado tratada com diclofenaco.[134]

Nas últimas décadas, a invasões humanas generalizadas e ecologicamente devastadoras criaram uma ameaça crítica à vida silvestre da Índia. Em resposta, o sistema de áreas protegidas e parques nacionais, estabelecido pela primeira vez em 1935, foi ampliado consideravelmente. Em 1970, o governo indiano decretou a Lei de Proteção da Vida Silvestre[135] e o "Projeto Tigre", para proteger o habitat crucial destes animais, além de em 1980 ter sido decretada a Lei de Conservação dos Bosques.[136] A Índia tem mais de quinhentos santuários de vida selvagem e treze reservas da biosfera,[137] quatro das quais fazem parte da Rede Mundial de Reservas da Biosfera. Vinte e cinco zonas de umidade estão registradas na Convenção sobre as Zonas Úmidas.[138]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Mapa da densidade populacional e da rede ferroviária da Índia. A já densamente povoada Planície Indo-Gangética é o principal motor de crescimento da população do país.

Com uma população de mais de um bilhão de habitantes,[139] a Índia é o segundo país mais populoso do mundo. Desde os anos 1960, o país tem vivido um rápido aumento em sua população urbana devido, em grande parte, aos avanços médicos e aos aumentos massivos da produtividade agrícola devidos à "revolução verde".[140] [141] A população urbana da Índia no fim do século XX era onze vezes superior à do início do século e vem se concentrando cada vez mais nas grandes cidades. Em 2001, 35 cidades indianas tinham população igual ou superior a um milhão de habitantes. Cada uma das três cidades mais populosas (Bombaim, Déli e Calcutá) tinham então mais de dez milhões de habitantes. Porém, nesse mesmo ano, 70% da população indiana vivia em áreas rurais.[142] [143]

A Índia é a segunda entidade geográfica com maior diversidade cultural, linguística e genética do mundo, depois da África.[144] O país é o lar de duas grandes famílias linguísticas: a indo-ária (falada por aproximadamente 74% da população) e a dravídica (falada por aproximadamente 24%). Outras línguas faladas na Índia provêm das línguas austro-asiáticas e tibeto-birmanesas. O hindi (ou híndi) conta com o maior número de falantes[145] e é a língua oficial da república.[146] O inglês é utilizado amplamente em negócios e na administração e tem o status de "idioma oficial subsidiário", sendo também importante na educação, especialmente no ensino médio e superior.[147]

Um peregrino siquista com o Harmandir Sahib (Templo Dourado) em Amritsar, ao fundo.

Cada estado e território da união tem seus próprios idiomas oficiais e a constituição reconhece outras 21 línguas, que são faladas por um importante setor da população ou são parte da herança histórica indiana, e que são denominadas "línguas clássicas". Enquanto o sânscrito e o tâmil têm sido consideradas como línguas clássicas por muitos anos,[148] [149] o governo indiano também concedeu o estatuto de língua clássica ao kannada e ao telugu.[150] O número de dialetos na Índia chega a mais de 1 652.[151]

Mais de 800 milhões de indianos (80,5 % da população) são hindus. Outros grupos religiosos com presença importante no país são muçulmanos (13,4 %), cristãos (2,3 %), siquistas (1,9 %), budistas (0,8 %), jainistas (0,4 %), judeus, zoroastristas (parsis), entre outros.[152] Os adivasi constituem 8,1 % da população.[153] A Índia tem a terceira maior população muçulmana do mundo e a maior população muçulmana para um país de maioria não muçulmana.[154]

A taxa de alfabetização no país é de 64,8% (53,7% para as mulheres e 75,3% para os homens)[4] O estado com o maior índice de alfabetização é Kerala, com 91%, enquanto Bihar tem a menor taxa, com apenas 47%.[155] [156] A razão sexual é de 944 homens para cada mil mulheres, enquanto que a taxa de crescimento demográfico anual é de 1,38%; a cada ano são registrados 22,01 nascimentos para cada mil pessoas.[4] Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano morrem novecentos mil indianos por beberem água imprópria e por inalarem ar contaminado.[157] A malária é endêmica na Índia.[158] Existem cerca de 60 médicos para cada 100 mil pessoas no país.[159]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

A Índia é a democracia mais populosa do mundo.[161] O país é uma república parlamentarista com um sistema multipartidário[162] com seis partidos nacionais credenciados, como o Partido do Congresso Nacional Indiano (em inglês: Indian National Congress - INC ou simplesmente Congresso) e o Partido do Povo Indiano (Bharatiya Janata Party - BJP), além de mais de 40 partidos regionais.[163] O Partido do Congresso é considerado de centro-esquerda ou "liberal" dentro da cultura política indiana, enquanto o BJP é de centro-direita ou "conservador". Durante a maior parte do período compreendido entre 1950 — quando a Índia se tornou uma república pela primeira vez — e o final dos anos 1980, o Congresso manteve maioria no parlamento indiano. Desde então, no entanto, o partido cada vez mais divide o palco político com o BJP[164] e com poderosos partidos regionais que muitas vezes forçam a criação de coalizões multipartidárias.[165]

Interior do Sansad Bhavan durante uma sessão parlamentar em 2010

Nas três primeiras eleições gerais da República da Índia — em 1951, 1957 e 1962 — o Congresso, liderado por Jawaharlal Nehru, teve uma série de vitórias fáceis. Com a morte de Nehru em 1964, Lal Bahadur Shastri tornou-se rapidamente o primeiro-ministro; ele foi sucedido, após a sua morte inesperada em 1966, por Indira Gandhi, que levou o Partido do Congresso a vitórias eleitorais em 1967 e 1971. Após o descontentamento público causado pela declaração de estado de exceção em 1975 pela primeira-ministra, o Congresso perdeu as eleições em 1977; o então novo Partido Janata, que se opôs ao estado de exceção, ganhou e seu governo durou pouco mais de três anos. Ao voltar ao poder em 1980, o Congresso viu uma mudança em sua liderança em 1984, quando Indira Gandhi foi assassinada e então foi sucedida por seu filho, Rajiv Gandhi, que conquistou uma vitória fácil nas eleições gerais no final daquele mesmo ano. O Congresso foi eleito novamente em 1989, quando a coalizão Frente Nacional, liderada pelo Janata Dal (um partido recém-criado), em aliança com a Frente de Esquerda, venceu as eleições; esse governo também foi relativamente curto: durou pouco menos de dois anos.[166] Novas eleições foram realizadas em 1991, mas nenhum partido obteve a maioria absoluta no parlamento. O Congresso, no entanto, por ser o maior partido único do país, conseguiu formar um governo de minoria liderado por P. V. Narasimha Rao.[167]

Entre 1996 e 1998, ocorreu um forte período de agitação no governo federal com várias alianças de curta duração, tentando estabilizar a Índia. Brevemente, o BJP chegou ao governo em 1996, seguido por uma coalizão de frente unida que excluiu tanto o BJP quanto o INC. Em 1998, o BJP formou com outros partidos menores a Aliança Democrática Nacional, que obteve vitória e se converteu no primeiro governo não congressista por um mandato completo de cinco anos.[168] Nas eleições gerais de 2004, o INC ganhou a maioria das cadeiras no Lok Sabha (câmara baixa do parlamento) e formou um governo de coalização denominada de Aliança Progressista Unida (UPA), apoiada por diversos partidos de esquerda e membros de oposição ao BJP. A UPA chegou novamente ao poder nas eleições gerais de 2009, entretanto, a representação dos partidos de esquerda dentro da coalizão foi reduzida significativamente,[169] Manmohan Singh foi convertido em primeiro-ministro, sendo reeleito após completar um mandato de cinco anos desde as eleições de 1962, onde Jawaharlal Nehru foi eleito no seu cargo.[170]

Governo[editar | editar código-fonte]

O Rashtrapati Bhavan, em Nova Deli, a residência oficial do presidente do país.

A constituição indiana, maior do que a de qualquer outra nação do mundo, entrou em vigor em 26 de janeiro de 1950.[171] O seu preâmbulo define a Índia como uma república soberana, secular e democrática.[172] O parlamento indiano é bicameral, regido pelo sistema Westminster. Sua forma de governo foi tradicionalmente descrita como "quase federalista", com uma forte tendência à centralização, tendo os estados relativamente pouco poder.[173] Desde finais da década de 1990, o federalismo tem crescido cada vez mais, como resultado de mudanças políticas, sociais e econômicas.[174] [175]

O presidente da Índia é o chefe de estado[176] e é eleito indiretamente por um colégio eleitoral[177] para um mandato de cinco anos.[178] [179] O primeiro-ministro é o chefe do governo e exerce a maioria das funções do poder executivo.[176] Nomeado pelo presidente,[180] o primeiro-ministro é geralmente próximo do partido ou aliança política que conta com a maioria das cadeiras da câmara baixa do parlamento.[176] O poder executivo consiste no presidente, o vice-presidente, o conselho de ministros (sendo o gabinete seu comitê executivo), encabeçado pelo primeiro-ministro. Qualquer ministro do conselho deve ser membro de qualquer câmara parlamentar. No sistema parlamentarista indiano, o poder executivo está subordinado ao poder legislativo, o primeiro-ministro e seu conselho são diretamente vigiados pela câmara baixa do parlamento.[181]

Edifício-sede do Supremo Tribunal da Índia, em Nova Déli

O poder legislativo da Índia está representado pelo parlamento bicameral, que consiste na câmara alta, chamada Rajya Sabha (conselho dos estados) e a câmara baixa, chamada Lok Sabha (conselho do povo).[182] A "Rajya Sabha" é um órgão permanente, que conta com duzentos e quarenta e cinco membros que servem por um período de seis anos.[183] A maioria deles é eleita indiretamente pelas legislaturas estatais e territoriais, mediante representação proporcional.[183] Dos 545 membros do Lok Sabha, 543 são eleitos diretamente pelo voto popular para representarem determinados grupos sociais por um período de cinco anos.[183] Os outros dois membros são nomeados pelo presidente entre a comunidade anglo-indiana.[183]

A Índia conta com um poder judiciário de três níveis, que consistem na Suprema Corte de Justiça, encabeçada pelo chefe de justiça, vinte e um tribunais superiores e um grande número de tribunais de primeira instância.[184] A suprema corte é um tribunal de primeira instância para casos relacionados com os direitos humanos fundamentais e um tribunal de apelação acima dos tribunais superiores.[185] É judicialmente independente,[184] tendo o poder de declarar e elaborar leis e revogar leis nacionais ou estaduais que violem a constituição.[186] A função de intérprete último da constituição é uma das funções mais importantes da suprema corte.[187]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Narendra Modi em um encontro com Vladimir Putin na Sexta cúpula do BRICS. Índia e Rússia compartilham laços econômicos, militares e tecnológicos.

Desde a sua independência, em 1947, a Índia mantém relações cordiais com a maioria das nações. Na década de 1950, apoiou fortemente a descolonização da África e da Ásia e desempenhou um papel de liderança no Movimento Não Alinhado.[188] No final da década de 1980, o exército indiano interveio duas vezes no exterior, a convite de países vizinhos: uma operação de manutenção da paz no Sri Lanka entre 1987 e 1990 e uma intervenção armada para impedir uma tentativa de golpe de Estado nas Maldivas. A Índia tem relações muito tensas com o vizinho Paquistão; as duas nações já entraram em guerra quatro vezes: em 1947, 1965, 1971 e 1999. Três dessas guerras foram travadas no território disputado da Caxemira, enquanto a quarta, em 1971, começou depois do apoio da Índia à independência de Bangladesh.[189] Depois de travar a guerra sino-indiana em 1962 e a guerra com o Paquistão em 1965, a Índia estreitou seus laços militares e econômicos com a União Soviética; no final dos anos 1960, os soviéticos eram os maiores fornecedores de armas dos indianos.[190]

Além das atuais relações estratégicas com a Rússia, a Índia tem relações de defesa de grande alcance com Israel e França. Nos últimos anos, tem desempenhado um papel-chave na Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional (SAARC) e na Organização Mundial do Comércio. A nação indiana disponibilizou 100 mil militares e policiais para servir em 35 operações de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) em quatro continentes. O país participa da Cúpula do Leste Asiático, do G8+5 e de outros fóruns multilaterais.[191] A Índia tem estreitos laços econômicos com América do Sul, Ásia e África; desde 1991 que prossegue a política "Look East" ("olhar para oriente"), que visa a fortalecer parcerias com os países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Japão e Coreia do Sul, e que gira em torno de muitas questões, mas especialmente aquelas que envolvem investimento econômico e segurança regional.[192] [193]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

INS Vikramaditya, a maior embarcação da Marinha da Índia.
O HAL Tejas, um caça supersônico desenvolvido pela Agência de Desenvolvimento Aeronáutico da Índia e produzido pela Hindustan Aeronautics Limited, sediada na cidade de Bangalore.

O teste nuclear de 1964, feito pela China, e as repetidas ameaças do governo chinês de intervir em apoio ao Paquistão na guerra de 1965, convenceram a Índia a desenvolver armas nucleares.[194] O país realizou seu primeiro teste nuclear em 1974 e realizou mais testes subterrâneos em 1998. Apesar das críticas e sanções militares, a Índia não assinou o Tratado de Interdição Completa de Ensaios Nucleares, nem o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, por considerar os acordos falhos e discriminatórios.[195] O país mantém a política nuclear de "não usar primeiro" (em inglês: no first use) e está desenvolvendo uma capacidade tríade nuclear, como parte de sua doutrina de "dissuasão credível mínima".[196] [197] ​​O governo indiano está desenvolvendo um escudo de mísseis balísticos de defesa e, com colaboração da Rússia, de um avião caça de quinta geração.[198] Outros projetos militares indianos envolvem a concepção e implementação dos porta-aviões da classe Vikrant e dos submarinos nucleares da classe Arihant.[198]

Desde o fim da Guerra Fria, a Índia tem aumentado a sua cooperação econômica, estratégica e militar com os Estados Unidos e a União Europeia.[199] Em 2008, um pacto nuclear foi assinado entre a Índia e os Estados Unidos. Embora a Índia já possuísse armas nucleares na época e não fosse um membro do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, o acordo recebeu isenção da Agência Internacional de Energia Atômica e do Grupo de Fornecedores Nucleares, acabando com as restrições anteriores sobre tecnologia e o comércio nuclear do país. Como consequência, a Índia se tornou o sexto Estado com armas nucleares de facto do mundo.[200] Posteriormente o país assinou acordos de cooperação em energia nuclear civil com Rússia,[201] França,[202] Reino Unido[203] e Canadá.[204]

O Presidente da Índia é o comandante supremo das forças armadas do país; com 1,6 milhão de soldados ativos, eles compõem o terceiro maior exército do mundo.[205] As forças armadas compreendem o exército, a marinha e a força aérea; organizações auxiliares incluem o Comando de Forças Estratégicas e três grupos paramilitares: os Assam Rifles, a Força Especial de Fronteira e a Guarda Costeira.[206] O orçamento de defesa oficial indiano para 2011 foi de 36,03 bilhões * de dólares, ou 1,83% do seu PIB.[207] Para o ano fiscal que abrange 2012-2013 foram orçados para essa área 40,44 bilhões de dólares.[208] De acordo com um relatório de 2008 do SIPRI, a despesa militar anual da Índia em termos de poder de compra foi de 72,7 bilhões de dólares.[209] Em 2011, o orçamento anual de defesa do país teve um aumento de 11,6%,[210] embora isso não inclua os fundos que chegam aos militares através de outros ramos do governo.[211] Em 2012, o país era o maior importador de armas do mundo; entre 2007 e 2011, a Índia foi responsável por 10% dos fundos gastos em compras internacionais de armas.[212] Grande parte das despesas militares é voltada para a defesa contra o Paquistão e para combater a crescente influência chinesa no Oceano Índico.[210]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Índia se subdivide em vinte e oito estados e sete "territórios da União".[144] Todos os estados e os dois territórios da União de Pondicherry e o território da capital nacional elegem suas legislaturas e governos por meio do modelo de Westminster. Os outros cinco territórios união são regidos de forma direta pelo governo federal, através de várias administrações designadas. Em 1956, em virtude da Lei de Reorganização dos Estados, o território indiano foi dividido baseando-se em aspectos linguísticos.[213] A partir de então, esta estrutura permaneceu sem mudanças. Cada estado ou território da união se divide em distritos administrativos.[214] Por sua vez, os distritos se dividem em tehsils e finalmente em aldeias.

Estados

  1. Andhra Pradesh
  2. Arunachal Pradesh
  3. Assam
  4. Bihar
  5. Chhattisgarh
  6. Goa
  7. Gujarat
  8. Haryana
  9. Himachal Pradesh
  1. Jammu e Caxemira
  2. Jharkhand
  3. Karnataka
  4. Kerala
  5. Madhya Pradesh
  6. Maharashtra
  7. Manipur
  8. Meghalaya
  9. Mizoram

  1. Nagaland
  2. Orissa
  3. Punjabe
  4. Rajastão
  5. Sikkim
  6. Tamil Nadu
  7. Tripura
  8. Uttar Pradesh
  9. Uttarakhand
  10. West Bengal

Territórios da união

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro comercial UB City, em Bangalore, construído pelo Grupo UB
Um mercado de varejo em Tamil Nadu. Mias de 95% da indústria de varejo na Índia é informal.

A Índia, com um produto interno bruto nominal estimado em 1,843 trilhões * de dólares,[215] ocupa o 10ª lugar na lista de maiores economias do mundo por PIB nominal, enquanto sua paridade de poder de compra calculada em 2011 em 4,4 trilhões de dólares,[215] é a terceira maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China. Contudo, ainda é um país muito pobre, com uma renda per capita nominal de apenas 1 530 dólares e renda per capita PPC de 3 705 dólares em 2011.[215]

No período compreendido entre as décadas de 1950 e 1980, a economia indiana seguia tendências socialistas. A economia se manteve paralisada por regulamentos impostos pelo governo, o protecionismo e a propriedade pública, o que levou a uma corrupção generalizada e a um lento crescimento econômico.[216] [217] [218] Em 1991, a economia nacional se converteu em uma economia de mercado.[217] [218] Esta mudança na política econômica em 1991 se deu pouco depois de uma crise aguda no balanço de pagamentos, pelo que desde então se pôs ênfase em fazer do comércio internacional e do investimento estrangeiro direto um setor primordial da economia indiana.[219]

Durante as últimas décadas a economia indiana tem tido uma taxa de crescimento anual do produto interno bruto ao redor de 5,8%, convertendo-se em uma das economias de mais rápido crescimento no mundo.[220] A Índia conta com a maior força de trabalho do mundo, com mais de 513,6 milhões de pessoas. Em termos de produção, o setor agrícola representa 28% do PIB; o setor de serviços, 54% e a indústria, 18%. Os principais produtos agrícolas e de gado incluem arroz, trigo, sementes oleaginosas, algodão, juta, chá, a cana-de-açúcar, ovinos, caprinos, aves de curral e pescados.[144]

As principais indústrias são a têxtil, maquinaria, produtos químicos, aço, transportes, cimento, mineração e software.[144] Em 2006, o comércio indiano havia alcançado uma proporção relativamente moderada de 24% do PIB, crescendo à taxa de 6% desde 1985.[217] O comércio da Índia representa um pouco mais de 1% do comércio mundial. As principais exportações incluem os derivados de petróleo, alguns produtos têxteis, pedras preciosas, software, engenharia de bens, produtos químicos, peles e couros.[144] Entre as principais importações estão o petróleo cru, maquinarias, joias, fertilizantes e alguns produtos químicos.[144]

Apesar de seu notável crescimento econômico nas últimas décadas, a Índia contém a maior concentração de pessoas pobres do mundo e tem uma alta taxa de subnutrição em crianças menores de três anos (46% em 2007).[221] [222] A porcentagem de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza segundo o Banco Mundial, vivendo com menos de um dólar por dia (PPA, em termos nominais Rs. 21,6 ao dia nas zonas urbanas e Rs. 14,3 nas zonas rurais) diminuiu de 60% em 1981 para 42% em 2005.[223] Apesar de nas últimas décadas a Índia ter evitado a carestia, a metade das crianças tem um peso inferior à média mundial, uma das taxas mais altas do mundo e quase o dobro da taxa da África subsaariana.[224]

Um relatório em 2007 da Goldman Sachs previa que entre 2007 e 2020 o PIB indiano quadruplicaria e que poderia superar o PIB dos Estados Unidos antes de 2050, mas que a Índia continuaria sendo um dos países com habitantes mais pobres do mundo durante várias décadas, com renda per capita abaixo dos seus companheiros "BRIC" (Brasil, Rússia, Índia e China).[225]

Apesar de nos últimos decênios a economia indiana ter aumentado de forma constante, este crescimento tem ocorrido de maneira desigual, em especial quando se compara à qualidade de vida nos diferentes grupos sociais, econômicos, em diversas regiões geográficas, zonas rurais e urbanas.[226] Em 2008, o Banco Mundial afirmava que as prioridades mais importantes para o governo indiano deveriam ser a reforma do setor público, a construção de infraestruturas básicas, o desenvolvimento agrícola e rural sustentável, a eliminação das normas de trabalho, a reforma nos estados mais atrasados e a luta contra a AIDS.[227]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

O satélite indiano INSAT 1B sendo preparado para ser enviado a bordo da missão STS-8. O satélite é parte do Sistema Nacional de Satélites da Índia.

Jawaharlal Nehru, o primeiro primeiro-ministro da Índia, que governou de 15 de agosto de 1947 a 27 de maio de 1964, iniciou reformas para promover a educação superior e a ciência e tecnologia no país.[228] O Instituto Indiano de Tecnologia — concebido por uma comissão de 22 membros de estudiosos e empresários com o objetivo de promover o ensino técnico — foi inaugurado em 18 de agosto de 1951, em Kharagpur, Bengala Ocidental, pelo então ministro da educação, Abul Kalam Azad.[229] Nos anos 1960, laços mais estreitos com a União Soviética permitiram à Organização Indiana de Pesquisa Espacial desenvolver rapidamente o seu programa espacial e avançar em energia nuclear, mesmo após o primeiro teste nuclear da Índia ter sido realizado em 18 de maio de 1974, em Pokharan.[230]

A Índia responde por cerca de 2,9% de todas as despesas em pesquisa e desenvolvimento do mundo em 2012 e o número de publicações científicas do país é crescente.[231] No entanto, de acordo com o ministro de ciência e tecnologia indiano, Kapil Sibal, o país está ficando para trás em ciência e tecnologia em comparação aos países desenvolvidos.[232] A Índia tem apenas 140 pesquisadores para cada milhão de habitantes, em comparação com 4 651 nos Estados Unidos.[232] O país investiu 3,7 bilhões de dólares em ciência e tecnologia entre 2002 e 2003. Em comparação, a China investiu cerca de quatro vezes mais, enquanto os Estados Unidos investiram cerca de 75 vezes mais do que os indianos em ciência e tecnologia.[233] Apesar disso, cinco Institutos Indianos de Tecnologia foram listados entre as dez melhores escolas de ciência e tecnologia da Ásia, pela Asiaweek.[234] O número de publicações de cientistas indianos é caracterizada por algumas das taxas de crescimento mais rápidas entre os principais países. A Índia, juntamente com China, Irã e Brasil são os únicos países em desenvolvimento que fazem parte dos 31 países que juntos são responsáveis por 97,5% da produção científica do mundo.[235]

Educação[editar | editar código-fonte]

Torre do relógio do campus da Universidade de Mumbai, fundada em 1857.

A educação no país é fornecida e mantida pelos setores público e privado, com controle e financiamento proveniente de três níveis de governo: central, estadual e local. Na cidade antiga de Taxila foi encontrado o primeiro centro de ensino superior registrado da Índia, datado do século V a.C., mas é discutível se ele pode ser considerado uma universidade. A Universidade de Nalanda, fundada em 470, foi o mais antigo sistema educacional universitário de todo o mundo, no sentido moderno de "universidade".[236]

A educação ocidental enraizou-se na sociedade indiana com o estabelecimento do Raj britânico. O sistema educacional indiano está sob o controle do Governo da União e, com alguma autonomia, dos estados. Vários artigos da constituição indiana classificam a educação como um direito fundamental. A maioria das universidades no país é controlada pela União ou pelos governos dos estados. O país tem feito progressos em aumentar a taxa de frequência no ensino primário e na expansão da alfabetização para cerca de três quartos da população.[237] A melhora no sistema de ensino indiano é frequentemente citada como um dos principais contribuintes para o crescimento econômico do país nos últimos anos.[238] Grande parte do progresso, especialmente na educação superior e na pesquisa científica, foi atribuído a várias instituições públicas. O mercado educacional privado indiano movimentou 40 bilhões de dólares em 2008 e aumentou esse valor para 70 bilhões em 2012.[239]

No entanto, o país continua a enfrentar severos desafios nessa área. Apesar do crescente investimento educacional, 25% de sua população ainda é analfabeta, apenas 15% dos estudantes indianos chegam à escola secundária e apenas 7% à pós-graduação.[240] A qualidade da educação, seja no ensino fundamental ou no superior, é significativamente baixa em comparação com a das principais nações em desenvolvimento. Em 2008, as instituições de ensino superior ofereciam vagas suficientes para apenas 7% da população em idade universitária do país, 25% dos cargos de ensino em todo a Índia estão vagos e 57% dos professores universitários indianos não tinham mestrado ou doutorado.[241] Em 2011, existiam 1 522 faculdades de engenharia, com um total anual de 582 mil estudantes,[242] além de 1 244 politécnicos, com um total anual de 265 mil estudantes. No entanto, estas instituições enfrentam problemas, como a escassez de professores e preocupações têm sido levantadas sobre a qualidade do ensino oferecido.[243]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Voluntários vacinam moradores contra a poliomelite no estado de Orissa.

A Índia tem um sistema de saúde universal mantido pelos seus estados e territórios constituintes. A constituição cobra de cada estado "elevar o nível da nutrição e da qualidade de vida de seu povo e da melhoria da saúde pública como entre suas funções primárias". A Política Nacional de Saúde foi aprovada pelo Parlamento da Índia em 1983 e atualizada em 2002.[244] Paralelo ao setor de saúde pública, e de fato mais popular, é o setor médico privado. Famílias indianas urbanas e rurais tendem a utilizar o setor médico privado com mais frequência do que o setor público, como refletido em pesquisas.[245]

A Índia tem uma expectativa de vida de 64/67 anos (m/f) e uma taxa de mortalidade infantil de 61 por mil nascidos vivos.[246] 42% das crianças indianas abaixo de três anos de idade são desnutridas, taxa maior que a encontrada em estatísticas da região subsaariana da África, que é de 28%.[247] Embora a economia do país tenha crescido 50% entre 2001 e 2006, a taxa de desnutrição infantil caiu apenas 1%, ficando atrás de países com taxas de crescimento similares.[157] A desnutrição impede o desenvolvimento social e cognitivo das crianças, além de reduzir seus níveis de escolaridade e renda quando adultas.[157] Estes danos irreversíveis resultam em uma menor produtividade para o país.[157] Como mais de 122 milhões de famílias sem banheiros e 33% sem acesso à latrinas, mais de 50% da população do país (638 milhões de pessoas) defecam ao ar livre todos os dias.[248] Esta taxa é consideravelmente maior do que as de Bangladesh e Brasil (7%) e da China (4%).[248] Apesar de 211 milhões de pessoas terem ganho acesso a sistemas de saneamento básico entre 1990 e 2008, apenas 31% utilizam os recursos oferecidos.[248]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Trem da Indian Railways cruzando uma ponte sobre o Rio Damodar, em Bengala Ocidental

Desde a liberalização econômica dos anos 1990, o desenvolvimento da infraestrutura no país progrediu a um ritmo rápido e hoje há uma grande variedade de meios de transporte por terra, água e ar. No entanto, o PIB per capita relativamente baixo da Índia fez com que o acesso a estes modos de transporte não tenha sido homogêneo. A penetração de veículos motorizados é baixa para os padrões internacionais, com apenas 103 milhões de carros nas estradas indianas.[249] Além disso, apenas cerca de 10% dos lares do país possuem uma motocicleta.[250] Ao mesmo tempo, a indústria automobilística indiana está crescendo rapidamente, com uma produção anual de mais de 4,6 milhões de veículos[251] e o volume de veículos deverá aumentar significativamente no futuro.[252] Nesse contexto, porém, o transporte público continua a ser o principal meio de locomoção da maioria da população e os sistemas de transporte públicos do país estão entre os mais utilizados no mundo.[253]

Apesar das melhorias em curso na área, vários aspectos do setor de transportes ainda estão cheios de problemas devido à infraestrutura precária e à falta de investimento em regiões menos economicamente ativas do país. A demanda por infraestrutura e serviços de transportes tem vindo a aumentar em cerca de 10% ao ano,[253] já que a infraestrutura atual é incapaz de atender às demandas econômicas crescentes. De acordo com estimativas de 2008 da Goldman Sachs, a Índia teria que gastar 1,7 trilhão de dólares em projetos de infraestrutura ao longo da década seguinte para impulsionar seu crescimento econômico, do qual 500 bilhões de dólares estão orçados para serem gastos durante o Décimo Primeiro Plano Quinquenal.[254]

A rede ferroviária indiana é uma das maiores do mundo (com 63 465 quilômetros de extensão[255] ) e é o sistema mais utilizado do planeta,[253] transportando 651 milhões de passageiros e mais de 921 milhões de toneladas de carga em 2011.[256] O sistema ferroviário indiano, introduzido em 1853 pelos britânicos, é fornecido e mantido pela estatal Indian Railways, sob a supervisão do Ministério das Ferrovias.[257]

O Porto Jawaharlal Nehru, em Navi Mumbai ,está classificado no 25º lugar no mundo por movimentação de contêineres.[258]

A Índia tem uma rede de estradas nacionais que ligam todas as principais cidades e capitais estaduais, formando a espinha dorsal econômica do país. Em 2010, o país tinha um total de 79 443 km de estradas nacionais, das quais 200 km eram classificadas como autoestradas. A rede de estradas estaduais totalizava no mesmo ano 131 899 km e o total da rede rodoviária indiana cerca de 3 300 000 km.[259] De acordo com Projeto de Desenvolvimento Rodoviário Nacional (PNDS), a intenção é equipar algumas das principais estradas nacionais com quatro pistas de rodagem, além de também existir um plano de converter alguns trechos dessas estradas em seis pistas.[260] A Autoridade Nacional de Estradas estima que cerca de 65% da carga e 80% do tráfego de passageiros do país seja transportado por rodovias. As estradas nacionais indianas transportam cerca de 40% do total do tráfego rodoviário, embora apenas cerca de 1,7% da rede de estradas esteja coberta por essas estradas principais. O crescimento médio do número de veículos tem sido em torno de 10,16% ao ano nos últimos anos.[259]

Em 2012 hvia 352[261] aeroportos civis na Índia, dos quais 251 com pistas pavimentadas. Há mais de 20 aeroportos internacionais. O Aeroporto Internacional Indira Gandhi, em Nova Déli, e o Aeroporto Internacional de Chhatrapati Shivaji, em Bombaim, lidam com mais de metade do tráfego aéreo do sul da Ásia.[262] [263] [264]

Os portos são os principais centros para o comércio. No país, cerca de 95% do comércio exterior em quantidade e 70% em valor ocorre através de portos marítimos.[265] A Mumbai Port & JNPT (Navi Mumbai) controla 70% do comércio marítimo na Índia.[266] Há doze portos principais nas seguintes cidades: Navi Mumbai, Bombaim, Kochi, Calcutá (incluindo Haldia), Paradip, Visakhapatnam, Ennore, Chennai, Thoothukudi, Nova Mangalore, Mormugão e Kandla. Além destes, existem 187 portos menores e intermediários, 43 dos quais lidam com cargas.[267]

Energia[editar | editar código-fonte]

Construção da usina nuclear de Kudankulam, em Tamil Nadu, que terá capacidade de produzir 1260 MW de energia.

A política energética da Índia está em grande parte definida pelo crescente déficit energético do país[268] e pelo maior foco no desenvolvimento de fontes alternativas de energia,[269] particularmente energia nuclear, solar e eólica.[270] Cerca de 70% da capacidade de geração de energia do país provém de combustíveis fósseis, sendo o carvão o responsável por 40% do consumo total de energia indiano, seguido pelo petróleo bruto e pelo gás natural com 24% e 6%, respectivamente.[268] O país é em grande parte dependente de importações de combustíveis fósseis para atender suas demandas de energéticas; em 2030, a dependência da Índia de importações de energia deverá ultrapassar 53% do consumo total do país.[268] Em 2009-10, o país importou 159,26 milhões de toneladas de petróleo bruto, que equivale a 80% do seu consumo interno, e 31% do total das importações indianas são provenientes do petróleo.[268] [271] O crescimento da geração da eletricidade na Índia tem sido dificultado pela escassez de carvão nacional[272] e, como consequência, as importações de carvão para a produção de eletricidade aumentaram 18% em 2010.[273]

Devido à sua rápida expansão econômica, o país tem um dos mercados de energia que crescem mais rapidamente no mundo e espera-se que se torne o segundo maior contribuinte no aumento da demanda energética global até 2035, sendo responsável por 18% do aumento do consumo mundial.[270] Dada a crescente demanda de energia e as limitadas reservas de combustíveis fósseis no mercado interno, o país tem planos ambiciosos para expandir suas indústrias de energia renovável e nuclear. A Índia tem o quinto maior mercado de energia eólica do mundo[274] e tem planos de adicionar cerca de 20 gigawatts de capacidade de energia solar até 2022,[270] além de também prever aumentar a contribuição da energia nuclear para a capacidade total de geração de eletricidade de 4,2% para 9% em 25 anos.[275] O país tem cinco reatores nucleares em construção e planeja construir outros dezoito até 2025.[276]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cidade de Varanasi, às margens do rio Ganges, é uma das mais antigas do mundo e um dos sete locais mais sagrados do hinduísmo e do jainismo.

A história cultural indiana se estende por mais de 4 500 anos de história.[277] Durante o período védico (ca. 1 700-500 a.C.), os fundamentos da filosofia, mitologia e literatura hindu foram estabelecidos e muitas crenças e práticas que ainda existem atualmente, tais como dharma, karma, yoga e moksha, foram consolidadas.[278] A Índia é notável por sua diversidade religiosa, sendo hinduísmo, sikhismo, islamismo, cristianismo e jainismo as principais e mais populares religiões do país.[279] A religião predominante, o hinduísmo, foi moldada por várias escolas históricas de pensamento, como os upanixades,[280] os yoga sutras, o movimento bhakti[279] e a filosofia budista.[281]

A cultura indiana está marcada por um alto grau de sincretismo[282] e pluralismo. Os indianos têm conseguido conservar suas tradições previamente estabelecidas, enquanto absorvem novos costumes, tradições e ideias de invasores e imigrantes, ao mesmo tempo que estendem a sua influência cultural a outras partes da Ásia, principalmente Indochina e Extremo Oriente.[283]

A sociedade tradicional da Índia está definida como uma hierarquia social relativamente restrita. O sistema indiano de castas descreve a estratificação e as restrições sociais do subcontinente indiano; também define as classes sociais por grupos endogâmicos hereditários, que a princípio se denominam jatis ou castas.[284] A Índia declarou a "intocabilidade" ilegal em 1947 e, desde então, promulgou outras leis antidiscriminatórias e iniciativas para o bem-estar social, embora relatórios sugiram que muitos dalits ("ex-intocáveis​​") e outras castas mais baixas em áreas rurais continuam a serem segregadas e enfrentam perseguição e discriminação.[285] [286] [287] No local de trabalho das grandes cidades e nas principais empresas indianas ou internacionais, o sistema de castas praticamente perdeu a sua importância.[288] [289]

Indianos celebrando o Holi, conhecido como Festival das Cores, em Adoor, no estado de Kerala.

Os valores tradicionais das famílias indianas são muito respeitados e o modelo patriarcal tem sido o mais comum durante séculos, ainda que recentemente a família nuclear esteja se convertendo no modelo seguido pela população que vive na zona urbana.[216] A maioria dos indianos tem seus casamentos arranjados por seus pais e por outros membros da família respeitados, com o consentimento da noiva e do noivo.[290] O matrimônio é planejado para toda a vida,[290] a taxa de divórcio é extremamente baixa.[291] O casamento na infância é ainda uma prática comum, e metade das mulheres indianas se casa antes dos dezoito anos.[292] [293]

Muitas celebrações indianas são de origem religiosa, ainda que algumas independam da casta ou credo. Alguns dos festivais mais populares do país são: Diwali, Holi, Durga Puja, Eid ul-Fitr, Eid al-Adha, Natal e Vesak.[294] Além destas, a nação tem três festas nacionais: o dia da República, o dia da independência e o Gandhi Jayanti, em homenagem a Mahatma Gandhi. Uma outra série de dias festivos, variando entre nove e doze dias, são oficialmente celebrados em cada estado nacional. As práticas religiosas são parte integral da vida cotidiana e são um assunto de interesse público. A roupa tradicional varia de acordo com as cores e estilos segundo a região e depende de certos fatores, incluindo o clima. Os estilos de vestir incluem prendas simples como o sári para as mulheres e o dhoti para os homens; calças e camisas de estilo europeu também são populares entre os homens.[295] O uso de joias delicadas, modeladas em flores reais usados ​​durante a Índia antiga, faz parte de uma tradição que remonta a cerca de 5.000 anos; pedras preciosas também são usadas ​​na Índia como talismãs.[296]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Especiarias indianas no mercado de Mapuçá, em Goa

A culinária indiana apresenta uma forte dependência de ervas e especiarias, com pratos muitas vezes apelando para o uso sutil de uma dúzia ou mais de condimentos diferentes;[297] a gastronomia do país também é conhecida por suas preparações tandoori. No tandoor, um forno de argila usado na Índia há quase 5 000 anos, as carnes ficam com uma "suculência incomum" e é possível produzir o pão sírio inchado conhecido como naan.[298] Os alimentos básicos são o trigo (principalmente no norte do país),[299] arroz (especialmente no sul e no leste) e lentilhas.[300] Muitas especiarias populares no mundo todo são nativas do subcontinente indiano,[301] enquanto o pimentão, que é nativo das Américas e foi introduzido pelos portugueses, é amplamente utilizado pela população local.[302] O ayurveda, um sistema de medicina tradicional, usa seis rasas e três gunas para ajudar a descrever os comestíveis.[303] Ao longo do tempo, conforme os sacrifícios de animais feitos pelos védicos foram suplantados pela noção de sacralidade inviolável da vaca, o vegetarianismo foi associado a um alto nível religioso e tornou-se cada vez mais popular,[304] uma tendência auxiliada pelo aumento de normas budistas, jainistas e bhaktis hindus.[305] A Índia tem a maior concentração de vegetarianos do mundo: uma pesquisa realizada em 2006 constatou que 31% dos indianos eram lactovegetarianos e outros 9% eram ovovegetarianos.[305] Entre os costumes alimentares mais tradicionais e comuns estão refeições feitas perto ou no próprio chão, refeições segregadas por casta e gênero e uso da mão direita ou de um pedaço de roti (tipo de pão) no lugar dos talheres.[306] [307]

Artes e arquitetura[editar | editar código-fonte]

Grande parte da arquitetura indiana, incluindo o Taj Mahal e outras obras da arquitetura mogol e do sul da Índia, combina antigas tradições locais com estilos importados de outras nações.[308] A arquitetura vernacular, no entanto, é altamente regionalizada. A Vastu Shastra, literalmente "ciência da construção" ou "arquitetura" e atribuída a Mamuni Maia,[309] explora como as leis da natureza afetam as habitações humanas,[310] além de empregar geometria precisa e alinhamentos direcionais para refletir construções cósmicas.[311]

A arquitetura dos templos hindus é influenciada pelos Shastras Shilpa, uma série de textos fundamentais cuja forma mitológica básica é a mandala Vastu-Purusha, uma praça que encarna o conceito de "absoluto".[312] O Taj Mahal, construído na cidade de Agra entre 1631 e 1648 por ordem do imperador Shah Jahan e em memória de sua esposa, é descrito na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO como "a joia da arte muçulmana na Índia e uma das obras-primas universalmente admiradas da herança do mundo".[313] A arquitetura neo-indo-sarracena, desenvolvida pelos britânicos no final do século XIX, baseou-se em arquitetura indo-islâmica.[314]

Artes cênicas[editar | editar código-fonte]

Músicos folclóricos em Hyderabad

A música indiana varia através de várias tradições e estilos regionais. A música clássica abrange dois gêneros e suas diversas ramificações populares: o hindustai, do norte, e escolas carnáticas, do sul.[315] Entre as formas populares regionalizadas incluem-se o filmi e músicas folclóricas; a tradição sincrética dos bauls é uma forma bem conhecida desta última. A dança indiana também tem formas clássicas e diversas. Entre as danças folclóricas mais conhecidas estão o bhangra do Punjabe, o bihu de Assam, o chhau de Bengala Ocidental e Jharkhand, o sambalpuri de Odisha, o ghoomar do Rajastão e o lavani, de Maharashtra. Oito formas de dança, muitas com formas narrativas e elementos mitológicos, têm sido reconhecidas como danças clássicas pela Academia Nacional de Música, Dança e Teatro da Índia. São elas: bharatanatyam, do estado de Tamil Nadu, kathak,de Uttar Pradesh, kathakali e mohiniyattam, de Kerala, kuchipudi, de Andhra Pradesh, manipuri, de Manipur, odissi, de Orissa, e o sattriya, de Assam.[316] O teatro indiano mescla música, dança e diálogos improvisados ou escritos.[317] Muitas vezes baseado na mitologia hindu, mas também inspirado em romances medievais ou eventos sociais e políticos, o teatro indiano inclui o bhavai de Gujarat, o jatra de Bengala Ocidental, o nautanki e o ramlila do Norte da Índia, o tamasha de Maharashtra, o burrakatha de Andhra Pradesh, o terukkuttu de Tamil Nadu e o yakshagana de Karnataka.[318]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Representação da batalha de Kurukshetra em uma página Mahabharata

As primeiras obras literárias da Índia, compostas entre 1 400 a.C. e 1200 d.C., foram escritas no idioma sânscrito.[319] [320] Obras proeminentes desta literatura sânscrita incluem épicos, como o Mahābhārata e o Ramayana, e dramas de Kālidāsa, como o Abhijñānaśākuntalam (O Reconhecimento de Sakuntala), e poesias, como o Mahākāvya.[321] [322] [323] O Kamasutra, o famoso livro sobre relações sexuais, também se originou no país. Desenvolvida entre 600 a.C. e 300 d.C. no sul da Índia, a literatura sangam compôs 2 381 poemas e é considerada como uma antecessora da literatura tâmil.[324] [325] [326] [327] Do século XIV ao XVIII, as tradições literárias indianas passaram por um período de drástica mudança por causa do surgimento de poetas devocionais (movimento bhakti) como Kabir, Tulsidas e Guru Nanak. Este período foi caracterizado por um espectro variado e amplo de expressão e correntes de pensamento e, como consequência, obras literárias medievais indianas diferem significativamente da tradição clássica.[328] No século XIX, os escritores indianos tomaram um novo interesse pelas questões sociais e descrições psicológicas. No século XX, a literatura indiana foi influenciada pelas obras do poeta e romancista bengali Rabindranath Tagore.[329]

Cinema e mídia[editar | editar código-fonte]

A indústria cinematográfica indiana é a maior do mundo.[330] Bollywood, bairro localizado na cidade de Bombaim onde são feitos os filmes e comerciais em hindi, foi recentemente convertido no centro da indústria cinematográfica mais prolífica do mundo, igualando sua importância com Hollywood.[331] Também são feitos filmes tradicionais e comerciais em zonas onde o bengali, canarês, malayalam, marathi, tâmil e telugu são idiomas oficiais.[332] O cinema do sul da Índia atrai mais de 75% da receita do cinema nacional.[333]

A radiodifusão televisiva começou na Índia, em 1959, como um meio estatal de comunicação e teve expansão lenta por mais de duas décadas.[334] O monopólio estatal na transmissão da televisão terminou em 1990 e, desde então, canais por satélite têm se tornado cada vez mais populares na cultura popular da sociedade indiana.[335] Hoje, a televisão é a mídia com maior alcance na Índia; estimativas da indústria indicam que em 2012 havia mais de 554 milhões de consumidores de TV, 462 milhões de satélite e/ou conexões por cabos, em comparação com outras formas de mídia de massa, como a imprensa (350 milhões), o rádio (156 milhões) ou a internet (37 milhões).[336]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Sachin Tendulkar celebra seu 38º test century durante um jogo de críquete contra a Austrália em 2008. Tendulkar já alcançou diversos recordes mundiais no esporte.

Na Índia, vários esportes tradicionais permanecem bastante populares, como o kabaddi, kho kho, pehlwani e gilli-danda. Algumas das primeiras formas de artes marciais asiáticas, como kalari payattu, mushti yuddha, silambam e marma adi, se originaram na Índia. O Rajiv Gandhi Khel Ratna e o Prêmio Arjuna são as mais altas formas de reconhecimento do governo para a realização atlética; o Prêmio Dronacharya é concedido pela excelência em treinamento. O xadrez, que acredita-se que originou-se na Índia como chaturanga, está a recuperar popularidade com o aumento do número de mestres indianos nesse esporte.[337] [338] O tradicional jogo de tabuleiro indiano chamado pachisi foi jogado em uma quadra gigante de mármore pelo imperador Akbar.[339]

Os bons resultados conquistados pela equipe indiana de Copa Davis e outros tenistas indianos no início de 2010 fizeram o tênis se tornar cada vez mais popular no país.[340] A Índia tem uma presença relativamente forte no tiro esportivo e já ganhou várias medalhas no Jogos Olímpicos, nos Campeonatos do Mundo de tiro e nos Jogos da Commonwealth.[341] [342] Outros esportes em que os indianos têm sido bem sucedidos internacionalmente incluem o badminton,[343] o boxe[344] e o wrestling.[345] O futebol é popular em Bengala Ocidental, Goa, Tamil Nadu, Kerala e em estados do nordeste.[346]

O hóquei em campo na Índia é administrado pelo Hockey India. A seleção nacional de hóquei venceu a Copa do Mundo de Hóquei sobre a Grama de 1975 e, até 2012, tinha oito medalhas olímpicas de ouro, uma de prata e duas de bronze, o que a torna a equipe mais bem sucedida dessa prática. A Índia também tem desempenhado um papel importante na popularização do críquete, sendo o esporte mais popular do país. O críquete indiano ganhou a Copa do Mundo de Críquete de 1983 e de 2011, ICC Mundial Twenty20 de 2007 e dividiu o troféu do ICC Champions de 2002 com o Sri Lanka. O Conselho Nacional de Controle do Críquete na Índia (BCCI) realiza uma competição Twenty20 conhecida como Indian Premier League. A Índia já hospedou ou co-organizou vários eventos esportivos internacionais; os Jogos Asiáticos de 1951 e de1982, as Copas do Mundo de Críquete de 1987, 1996 e 2011, os Jogos Afro-Asiáticos de 2003, o ICC Champions Trophy de 2006, a Copa de Hóquei Masculino de 2010 e os Jogos da Commonwealth de 2010. Grandes eventos esportivos internacionais realizados anualmente na Índia incluem o Chennai Open (tênis), a Maratona de Bombaim, a Meia Maratona de Deli e o Indian Masters (golfe). O primeiro Grande Prêmio da Índia aconteceu no final de 2011.[347] O país tem sido, tradicionalmente, dominante nos Jogos Sul-Asiáticos. Um exemplo dessa dominação é a competição de basquete, onde seleção nacional indiana de basquete venceu três dos quatro torneios até a data.[348]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Data Nome em português Nome local Observações
Fevereiro-março Holi - Festival das cores
26 de janeiro Dia da República भारतीय प्रजासत्ताक दिन
15 de agosto Dia da Independência
Agosto-setembro Festival de Ganexa
2 de outubro Aniversário de Mahatma Gandhi
Outubro-novembro Diwali - Festival das Luzes

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O governo da Índia também considera o Afeganistão como um país fronteiriço. Isso ocorre porque os indianos consideram todo o estado de Jammu e Caxemira como parte da Índia, incluindo a porção que faz fronteira com o território afegão. Um cessar-fogo promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948 congelou as negociações sobre o território reivindicado pelo Paquistão e pela Índia. Como consequência, a região que faz fronteira com o Afeganistão é administrada pelo governo paquistanês.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «India».

Referências

  1. State Emblem -Inscription. IC.
  2. National Anthem - Know India portal. National Informatics Centre (NIC) (2007). Página visitada em 2007-08-31.
  3. National Song - Know India portal. NIC (2007). Página visitada em 20 de maio de 2013.
  4. a b c d CIA Factbook: India. CIA Factbook. Central Intelligence Agency (CIA).
  5. India at a Glance. Know India Portal. NIC]].
  6. a b c d Report for Selected Countries and Subjects. Fundo Monetário Internacional (FMI) (9 de abril de 2014). Página visitada em 20 de maio de 2014.
  7. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 25 de julho de 2014.
  8. a b Kumar, V. Sanil; K. C. Pathak, P. Pednekar, N. S. N. Raju. (2006). "Coastal processes along the Indian coastline" (PDF). Current Science 91 (4): 530–536.
  9. Oldenburg, Phillip. 2007. "India: History," Microsoft Encarta Online Encyclopedia 2007. Archived 2009-11-01.
  10. written by John Farndon.. Concise Encyclopedia. [S.l.]: Dorling Kindersley Limited, 1997. p. 455. ISBN 0-7513-5911-4
  11. Serviço de Investigações Econômicas (2009). Briefing Room - India (em inglês). USDA.gov. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  12. Poverty estimates for 2004-05, Planning commission, Government of India, March 2007. Accessed: 25 de agosto de 2007.
  13. "India", Oxford English Dictionary, second edition, 2100a.d. Oxford University Press
  14. The Wonder That Was India. [S.l.: s.n.], 2000. ISBN 0-283-99257-3
  15. Official name of the Union. Courts Informatics Division, National Informatics Centre, Ministry of Comm. and Information Tech. Página visitada em 8 de agosto de 2007. "Name and territory of the Union- India, that is Bharat, shall be a Union of States."
  16. Hindustan. Encyclopædia Britannica, Inc. (2007). Página visitada em 18 de junho de 2007.
  17. Singh 2009, p. 64.
  18. Singh 2009, pp. 89–93.
  19. Possehl 2003, pp. 24–25.
  20. Kulke & Rothermund 2004, pp. 21–23.
  21. a b Singh 2009, p. 181.
  22. Possehl 2003, p. 2.
  23. a b c Singh 2009, p. 255.
  24. a b Singh 2009, pp. 186–187.
  25. Witzel 2003, pp. 68–69.
  26. Kulke & Rothermund 2004, p. 31.
  27. Stein 2010, p. 47.
  28. Kulke & Rothermund 2004, pp. 41–43.
  29. a b Singh 2009, pp. 250–251.
  30. a b c d Singh 2009, p. 319.
  31. Kulke & Rothermund 2004, pp. 53–54.
  32. a b Kulke & Rothermund 2004, pp. 54–56.
  33. Thapar 2003, p. 166.
  34. Stein 1998, p. 21.
  35. Stein 1998, pp. 67–68.
  36. Singh 2009, pp. 312–313.
  37. Singh 2009, p. 300.
  38. Stein 1998, pp. 78–79.
  39. Kulke & Rothermund 2004, p. 70.
  40. Singh 2009, p. 367.
  41. Kulke & Rothermund 2004, p. 63.
  42. Stein 1998, pp. 89–90.
  43. Singh 2009, pp. 408–415.
  44. Aventuras na HistóriaRota da Seda: Infinita Highway (1 de outubro de 2005). Página visitada em 24 de maio de 2013.
  45. Stein 1998, pp. 92–95.
  46. Kulke & Rothermund 2004, pp. 89–91.
  47. a b c Singh 2009, p. 545.
  48. Stein 1998, pp. 98–99.
  49. a b Stein 1998, p. 132.
  50. a b c Stein 1998, pp. 119–120.
  51. a b Stein 1998, pp. 121–122.
  52. a b Stein 1998, p. 123.
  53. a b Stein 1998, p. 124.
  54. a b Stein 1998, pp. 127–128.
  55. Ludden 2002, p. 68.
  56. Asher & Talbot 2008, p. 47.
  57. Metcalf & Metcalf 2006, p. 6.
  58. Ludden 2002, p. 67.
  59. Asher & Talbot 2008, pp. 50–51.
  60. a b Asher & Talbot 2008, p. 53.
  61. Metcalf & Metcalf 2006, p. 12.
  62. Robb 2001, p. 80.
  63. Stein 1998, p. 164.
  64. Asher & Talbot 2008, p. 115.
  65. Robb 2001, pp. 90–91.
  66. a b Metcalf & Metcalf 2006, p. 17.
  67. a b c Asher & Talbot 2008, p. 152.
  68. Asher & Talbot 2008, p. 158.
  69. Stein 1998, p. 169.
  70. Asher & Talbot 2008, p. 186.
  71. a b Metcalf & Metcalf 2006, pp. 23–24.
  72. Asher & Talbot 2008, p. 256.
  73. Teschke, Jens. 1498: Vasco da Gama chega a Calecute. Deutsche Welle. Página visitada em 5 de junho de 2013.
  74. Universidade PortucalenseA chegada à Índia. Projeto final da disciplina de Descobrimentos e Expansão Portuguesa, dos alunos do Curso de Pós-Graduação em História e Geografia. Página visitada em 24 de maio de 2013.
  75. a b c Asher & Talbot 2008, p. 286.
  76. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 44–49.
  77. Robb 2001, pp. 98–100.
  78. Ludden 2002, pp. 128–132.
  79. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 51–55.
  80. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 68–71.
  81. Asher & Talbot 2008, p. 289.
  82. Robb 2001, pp. 151–152.
  83. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 94–99.
  84. Brown 1994, p. 83.
  85. Peers 2006, p. 50.
  86. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 100–103.
  87. Brown 1994, pp. 85–86.
  88. Stein 1998, p. 239.
  89. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 103–108.
  90. Robb 2001, p. 183.
  91. Sarkar 1983, pp. 1–4.
  92. Copland 2001, pp. ix–x.
  93. Metcalf & Metcalf 2006, p. 123.
  94. Stein 1998, p. 260.
  95. Bose & Jalal 2011, p. 117.
  96. Stein 1998, p. 258.
  97. a b Metcalf & Metcalf 2006, p. 126.
  98. a b Metcalf & Metcalf 2006, p. 97.
  99. Metcalf & Metcalf 2006, p. 163.
  100. Metcalf & Metcalf 2006, p. 167.
  101. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 195–197.
  102. Metcalf & Metcalf 2006, p. 203.
  103. Metcalf & Metcalf 2006, p. 231.
  104. a b c d Metcalf & Metcalf 2006, pp. 265–266.
  105. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 266–270.
  106. Metcalf & Metcalf 2006, p. 253.
  107. Metcalf & Metcalf 2006, p. 274.
  108. a b Metcalf & Metcalf 2006, pp. 247–248.
  109. Metcalf & Metcalf 2006, pp. 293–295.
  110. Metcalf & Metcalf 2006, p. 304.
  111. a b c Jonathan C. Aitchison. Greater India (em inglês). [S.l.]: Earth-Science Reviews, 2005. 170–173 p.
  112. Schwartzberg, p. 7
  113. Prakash. Holocene tectonic movements and stress field in the western Gangetic plains (em inglês). [S.l.]: Current Science, 2000. 438–449 p. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  114. Dikshit; Schwartzberg, p. 11
  115. Dikshit; Schwartzberg, p. 8
  116. Dikshit; Schwartzberg, pp. 9–10
  117. Governo da Índia, p. 1
  118. Dikshit; Schwartzberg, p. 15
  119. Dikshit; Schwartzberg, p. 16
  120. Dikshit; Schwartzberg, p. 17
  121. Dikshit; Schwartzberg, p. 12
  122. Dikshit; Schwartzberg, p. 13
  123. a b Chang, pp. 391–394
  124. Posey, p. 118
  125. Wolpert, p. 4
  126. Heitzman; Worden, p. 97
  127. a b Dr S.K.Puri. Biodiversity Profile of India (em inglês). IISC Ernet.in. Página visitada em 16 de dezembro de 2007.
  128. Flora and Vegetation of India — An Outline. [S.l.]: HowrahGuía botánica de la India (ed.). 24 p.
  129. Thapar. Land of the Tiger: A Natural History of the Indian Subcontinent. [S.l.: s.n.]. ISBN 978-0520214705
  130. a b Tritsch, M. E.. Wildlife of India. Londres: Harper Collins (ed.). 192 p. ISBN 0007110626
  131. Dhananjay Mahapatra (2007). Deforestation to blame for early summer (em inglês). Time of India. Página visitada em 16 de diciembre de 2009.
  132. K. Praveen Karanth. (2006). Out-of-India Gondwanan origin of some tropical Asian biota (em inglês). Current Science. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  133. The 1994 IUCN Red List of Threatened Animals. Gland (Suíça) e Cambridge: IUCNGroombridge, B. (ed.). 286 p.
  134. Buitre bengalí (Gyps bengalensis) (em espanhol). Animais em Extinção (2008). Página visitada em 9 de março de 2010.
  135. The Wildlife Protection Act, 1972 - Introduction (em inglês). Help in Law.com (2008). Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  136. (Conservation) Act, 1980 Forest (Conservation) Act, 1980: AdvocateKhoj- India's Dedicated Case Post System For Consumers (em inglês). Advokate Khoj.com (2007). Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  137. CPREEC (2007). Biosphere Reserves of India (em inglês). CPREEC.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  138. Secretariado da Convenção de Zonas Úmidas (2007). The List of Wetlands of International Importance (em inglês). Ramsar.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  139. CIA (2009). The World Factbook -- India (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  140. BBC News (2006). South Asia - The end of India's green revolution? (em inglês). BBC.co.uk. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  141. Lessons from the Green Revolution - Food First/Institute for Food and Development Policy (em inglés). Food First.org (2000). Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  142. Tim Dyson, Robert Casses e Leela Visaria. Twenty-first century India: population, economy, human development, and the environment. [S.l.]: Oxford University Press, 2004. 115-129 p. 0199243352
  143. Ratna e Undit. City, Society, and Planning: Planning Essays in honour of Prof. A.K. Dutt. [S.l.]: Concept Publishing Company, 2007. 271-272 p. 8180694615
  144. a b c d e f Country ProArchivo: India (em inglês). Library of Congress.gov (2004). Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  145. Instituto Central de Idiomas Indios (2005). Central Institute of Indian Languages (em inglês). CIIL.com. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  146. B. Mallikarjun (2004). Language in India (em inglês). Language in India.com. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  147. Ministério de Assuntos Internos (1960). DOL (em inglês). Notification No. 2/8/60-O.L.. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  148. Sanford B.. The Dravidian Languages. [S.l.]: Taylor and Francis, 1998. 436 p. 0415100232
  149. Ramanujan, p. 329
  150. Departamento de Prensa (2008). PIB Press Release (em inglês). PIB.nic.in. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  151. Matthew. Manorama Yearbook 2003. [S.l.]: Malayala Manorama, 2006. 524 p. 81-89004-07-7
  152. India at a Glance : Religion Compositions (em inglês). Census India.gov.in (2007). Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  153. Ministério de Assuntos Tribais (2003). Introduction [ligação inativa]. Tribal.nic.in. Página visitada em 17 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 23 de junho de 2008.
  154. Folha de S. PauloMuçulmanos passam de 1,5 bi e são quase 25% da população mundial (8 de outubro de 2009). Página visitada em 24 de maio de 2013.
  155. Departamento de Relações Públicas de Kerala (2007). Education (em inglês). Kerala.gov.in. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  156. Governo de Bihar (2002). Census Statistics for Bihar. Bihar.nic.in. Página visitada em 17 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 24 de maio de 2008.
  157. a b c d Robinson 2008
  158. Shiv Lal, G.S. Sonal, P.K. Phukan (1999). tatus of Malaria in India (em inglês). Med Ind.nic.in. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  159. Doctors per 100,000 people in India (em inglês). India Reports.in (2007). Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  160. World Gazetteer (2010). India: largest cities and towns and statistics of their population (em inglês). Página visitada em 31 de março de 2011.
  161. United Nations Population Division.
  162. Burnell & Calvert 1999, p. 125.
  163. Election Commission of India.
  164. Sarkar 2007, p. 84.
  165. Chander 2004, p. 117.
  166. Bhambhri 1992, pp. 118, 143.
  167. The Hindu 2008.
  168. Patrick Dunleavy, Rekha Diwakar, Christopher Dunleavy (2007). The effective space of party competition (em inglês). LSE.ac.uk. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  169. Hermann, Kulke; Dietmar Rothermund. A History of India. [S.l.]: Routledge (ed.). 384 p. ISBN 978-0415329194
  170. Second UPA win, a crowing glory for Sonia's ascendancy (em inglês). Bussiness-Standard.com (2009). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  171. Moolamattom Varkey. Constitutional Government in India. 2ª ed. [S.l.]: S. Chand (ed.). Capítulo: The Longest Constitutional Document. , 4 p. ISBN 8121922038
  172. Sagarika. Identities and the Indian state: An overview (em inglés). [S.l.: s.n.]. 411–434 p. vol. 19.
  173. K.C.. Federal Government. 4ª ed. [S.l.]: Oxford University Press (ed.). 28 p.
  174. John. Quickening the Pace of Change. India Briefing ed. Londres: M.E. SharpeAlyssa Ayres y Philip Oldenburg (ed.). 19–53. p. ISBN 076560812X
  175. Aseema. The Changing Political Economy of Federalism in India (em inglês). [S.l.: s.n.]. 25–63 p. vol. 3.
  176. a b c Ram. Cabinet Government in India (em inglês). [S.l.: s.n.]. 116–126 p. vol. 4.
  177. The President and Vice-President (em inglês). Constituição da Índia (2009). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  178. Alan. The Republic of India: The Development of Its Laws and Constitution. 2ª ed. [S.l.]: Stevens and Sons (ed.). 112 p.
  179. Tenure of President's office (em inglês). Constituição da India (2009). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  180. Appointment of Prime Minister and Council of Ministers (em inglés). Constituição da Índia (2009). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  181. K.M.. Manorama Yearbook 2003. [S.l.]: Malayala Manorama (ed.). 524 p. ISBN 8190046187
  182. Alan. The Republic of India: The Development of Its Laws and Constitution. 2ª ed. [S.l.]: Stevens and Sons (ed.). 127 p.
  183. a b c d NIC (2008). Parliament (em inglês). India.gov.in. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  184. a b Burt. The Supreme Court of India (em inglês). [S.l.: s.n.]. 476–510 p. vol. 1.
  185. NIC (2007). Supreme Court of India - Jurisdiction (em inglês). Supreme Court of India.nic.in. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  186. Vuayashri. Toward Fifty Years of Constitutionalism and Fundamental Rights in India: Looking Back to See Ahead (1950–2000) (em inglês). [S.l.: s.n.]. 413–496 p. vol. 14.
  187. Moolamattom Varkey. Constitutional Government in India. 2ª ed. [S.l.]: S. Chand (ed.). Capítulo: The Union Judiciary: The Supreme Court. , 314 p. ISBN 8121922038
  188. Rothermund 2000, pp. 48, 227.
  189. Gilbert 2002, pp. 486–487.
  190. Sharma 1999, p. 56.
  191. Alford 2008.
  192. Ghosh 2009, pp. 282–289.
  193. Sisodia & Naidu 2005, pp. 1–8.
  194. Perkovich 2001, pp. 60–86, 106–125.
  195. Kumar 2010.
  196. Nair 2007.
  197. Pandit 2009.
  198. a b The Hindu 2011.
  199. Europa 2008.
  200. The Times of India 2008.
  201. British Broadcasting Corporation 2009.
  202. Rediff 2008 a.
  203. Reuters 2010.
  204. Curry 2010.
  205. Ripsman & Paul 2010, p. 130.
  206. Central Intelligence Agency.
  207. Behera 2011.
  208. Behera 2012.
  209. Stockholm International Peace Research Institute 2008, p. 178.
  210. a b Miglani 2011.
  211. Shukla 2011.
  212. Stockholm International Peace Research Initiative 2012.
  213. STATES REORGANISATION ACT 1956 (em inglês). Lei de Reorganização dos Estados (1956). Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  214. NIC (2009). Gateway to Districts of India on the Web (em inglês). Districts.nic.in. Página visitada em 15 de dezembro de 2009.
  215. a b c Fundo Monetário Internacional (FMI): Report for Selected Countries and Subjects. Página visitada em 21 de maio de 2013.
  216. a b Eugene M. Makar. An American's Guide to Doing Business in India. [S.l.: s.n.].
  217. a b c OCDE (2007). Economic survey of India 2007: Policy Brief (em inglês). OECD.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  218. a b Astaire Research (2006). The India Repor (em inglês). UK IBC.com. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  219. Jalal Alamgir. India's Open-Economy Policy: Globalism, Rivalry, Continuity. [S.l.]: Routledge (ed.).
  220. Achin Vanaik (2006). The Puzzle of India's Growth (em inglês). The Telegraph. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  221. Banco Mundial (2006). India Inclusive Growth and Service delivery: Building on India’s Success (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  222. Jeremy Page (2007). Indian children suffer more malnutrition than in Ethiopia (em inglês). The Times. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  223. Banco Mundial (2009). India - New Global Poverty Estimates (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  224. Banco Mundial (2009). India: Undernourished Children: A Call for Reform and Action (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  225. Microsoft Word - Draft of Global Econ Paper No 152.doc (PDF). Página visitada em 7 de junho de 2013.
  226. Banco Mundial (2006). Inclusive Growth and Service delivery: Building on India's Success (em inglês). World Bank.org. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  227. Banco Mundial (2009). India Country Overview 2008 (em inglês). World Bank.org.in. Página visitada em 16 de dezembro de 2009.
  228. Nanda 2006
  229. Vrat 2006
  230. Khan 2006
  231. R&D Magazine: 2012 Global R & D Funding Forecast: R & D Spending Growth Continues While Globalization Accelerates (16 de dezembro de 2011). Página visitada em 7 de junho de 2013.
  232. a b India lagging behind in S&Tt: Govt.
  233. India lagging in science and technology, says official. scidev.net (29 de agosto de 2006).
  234. Asia's Best Science and Technology Schools.
  235. SciDev.net: China, Brazil and India lead southern science output (16 de julho de 2004). Página visitada em 19 de maio de 2013.
  236. "Really Old School," Garten, Jeffrey E. New York Times, 9 Dezembro de 2006.
  237. Education in India. World Bank.
  238. India achieves 27% decline in poverty, Press Trust of India via Sify.com, 12 de setembro de 2008
  239. Indian education: Sector outlook. Acessado em 19 de maio de 2013.
  240. India still Asia's reluctant tiger, by Zareer Masani of BBC Radio 4, 27 de fevereiro de 2008
  241. SPECIAL REPORT: THE EDUCATION RACE, by Newsweek, 18–25 de agosto de 2011 issue
  242. Science and Technology Education. Press Information Bureau. Página visitada em 19 de maio de 2013.
  243. How To Save The World's Back Office, by Sramana Mitra of Forbes. Acessado em 19 de maio de 2013.
  244. Jugal Kishore. National health programs of India: national policies & legislations related to health. [S.l.]: Century Publications, 2005. ISBN 978-81-88132-13-3 Página visitada em 2 de setembro de 2012.
  245. International Institute for Population Sciences and Macro International (Setembro de 2007). National Family Health Survey (NFHS-3), 2005–06 (PDF) pp. 436–440. Ministry of Health and Family Welfare, Government of India. Página visitada em 5 de outubro de 2012.
  246. Organização Mundial da Saúde. Acessado em 19 de maio de 2013.
  247. Rieff, David. "India’s Malnutrition Dilemma", Source: The New York Times 2009, 11 de outubro de 2009. Página visitada em 2011-09-20.
  248. a b c Water, Environment and Sanitation. Source: UNICEF India. Página visitada em 2011-09-20.
  249. Randeep Ramesh. "India gears up for mass motoring revolution with £1,260 car", The Guardian, 11 de janeiro de 2008. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  250. Bicycle Ownership in India. Bike-eu.com. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  251. World Motor Vehicle Production by Country: 2008-2009. OICA.
  252. S. Kalyana Ramanathan. "India to top in car volumes by 2050", Rediff.
  253. a b c India Transport Sector. Banco Mundial.
  254. Shobana Chandra. "U.S. Pension Funds May Invest in Indian Road Projects, Nath Says", Bloomberg, 17 de setembro de 2009.
  255. India Yearbook 2007. [S.l.: s.n.]. 817 p. ISBN 81-230-1423-6
  256. Indian Railways Yearbook 2010–11 (PDF). Ministry of Railways, Government of India. Página visitada em 3 de abril de 2013.
  257. compiled and edited by Research, Reference and Training Division.. India Yearbook 2011. [S.l.]: Publications Division, Ministry of Information & Broadcasting, Govt. of India, 2011. ISBN 978-81-230-1674-0
  258. World Port Rankings 2007 (XLS). American Association of Port Authorities (AAPA) (2009-04-22). Página visitada em 2009-06-03.
  259. a b Indian Road Network. National Highways Authority of India. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  260. National Highways. Portal of Government of India. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  261. CIA —The World Factbook -- India. Central Intelligence Agency (2008). Página visitada em 20 de maio de 2013.
  262. Saurabh Sinha. "Delhi beats Mumbai to become busiest airport", Online edition of the Times of India, dated 2008-07-10, 10 de julho de 2008. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  263. Delhi's IGIA edges ahead of Mumbai's CSIA as country's busiest airport. Domain-b.com (1 de setembro de 2008). Página visitada em 20 de maio de 2013.
  264. Mumbai airport gets ready for new innings. Travel Biz Monitor (24 de dezembro de 2007). Página visitada em 20 de maio de 2013.
  265. Discover Opportunity: Infrastructure in India (PDF). India Brand Equity Foundation (IBEF), An initiative of the Ministry of Commerce & Industry, Government of India. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  266. 10 worst oil spills that cost trillions in losses : Rediff.com Business. Business.rediff.com. Página visitada em 20 de maio de 2013.
  267. Manorama Yearbook 2009. [S.l.]: Malayala Manorama. p. 606. ISBN 81-89004-12-3 Página visitada em 20 de maio de 2013.
  268. a b c d India’s Widening Energy Deficit. Acessado em 20 de maio de 2013.
  269. “Energy resources in India”. Acessado em 20 de maio de 2013.
  270. a b c India Raises Renewable Energy Target Fourfold. Acessado em 20 de maio de 2013.
  271. India Energy Profile - EIA. Acessado em 20 de maio de 2013.
  272. India Electricity Output Misses Target. Acessado em 20 de maio de 2013.
  273. Indian Power Plants Boost Coal Imports 18%, Market Watch Says. Acessado em 20 de maio de 2013.
  274. Wind energy in India: Chinese company sold 125 wind turbines of 2 MW. Acessado em 20 de maio de 2013.
  275. Slowdown not to affect India's nuclear plans. Business-standard.com (21 de janeiro de 2009). Página visitada em 20 de maio de 2013.
  276. Going nuclear. The Economist. Acessado em 20 de maio de 2013.
  277. Kuiper 2010, p. 15.
  278. Kuiper 2010, p. 86.
  279. a b Heehs 2002, pp. 2–5.
  280. Deutsch 1969, pp. 3, 78.
  281. Nakamura 1999.
  282. N. K.. Cultural Diversity, Religious Syncretism and People of India: An Anthropological Interpretation (em inglês). [S.l.: s.n.]. 1 p. vol. 3. ISSN 1819-8465
  283. Saraswati. Interface of Cultural Identity Development. 1ª ed. Nova Délhi: Indira Gandhi National Centre for the Arts (ed.). Capítulo: Cultural Pluralism, National Identity and Development. , xxi+290 pp p. ISBN 81-246-0054-6
  284. India - Caste (em inglês). Encyclopædia Britannica (2009). Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  285. World Bank 2011.
  286. Rawat 2011, p. 3.
  287. Wolpert 2003, p. 126.
  288. Messner 2009, p. 51-53.
  289. Messner 2012, p. 27-28.
  290. a b Medora, Nilufer. Mate Selection Across Cultures. [S.l.]: SAGERaeann R. Hamon y Bron B. Ingoldsby (ed.). Capítulo: Mate selection in contemporary India: Love marriages versus arranged marriages. , 209–230 p. ISBN 0761925929
  291. Divorce Rate in India : divorce rates in india (em inglês). Divorce Rate.org (2009). Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  292. Alastair Lawson (2001). South Asia - Child marriages targeted in India (em inglês). BBC.co.uk. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  293. UNICEF (2009). State of the World’s Children-2009 (em inglês). UNICEF.org. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  294. Festivals of India - Indian Festivals (em inglês). Indo-Base.com (2005). Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  295. Tarlo 1996, pp. xii, xii, 11, 15, 28, 46.
  296. Eraly 2008, p. 160.
  297. Bladholm 2000, p. 64–65.
  298. Raichlen 2011.
  299. Kiple & Ornelas 2000, pp. 1140–1151.
  300. Yadav, McNeil & Stevenson 2007.
  301. Raghavan 2006, p. 3.
  302. Sen 2006, p. 132.
  303. Wengell & Gabriel 2008, p. 158.
  304. Henderson 2002, p. 102.
  305. a b Puskar-Pasewicz 2010, p. 39.
  306. Schoenhals 2003, p. 119.
  307. Seymour 1999, p. 81.
  308. Kuiper 2010, pp. 296–329.
  309. Silverman 2007, p. 20.
  310. Kumar 2000, p. 5.
  311. Roberts 2004, p. 73.
  312. Lang & Moleski 2010, pp. 151–152.
  313. United Nations Educational, Scientific, and Cultural Organisation.
  314. Chopra 2011, p. 46.
  315. Massey & Massey 1998.
  316. Encyclopædia Britannica b.
  317. Lal 2004, pp. 23, 30, 235.
  318. Karanth 2002, p. 26.
  319. Hoiberg & Ramchandani 2000.
  320. Sarma 2009.
  321. Johnson 2008.
  322. MacDonell 2004, pp. 1–40.
  323. Kālidāsa & Johnson 2001.
  324. Zvelebil 1997, p. 12.
  325. Hart 1975.
  326. Encyclopædia Britannica 2008.
  327. Ramanujan 1985, pp. ix–x.
  328. Das 2005.
  329. Datta 2006.
  330. BBC News (2009). India country profile (em inglês). BBC.co.uk. Página visitada em 17 de dezembro de 2009.
  331. Dissanayake (2004).
  332. Rajadhyaksha; Willemen (1999).
  333. The Economic Times.
  334. Kaminsky & Long 2011, pp. 684–692.
  335. Mehta 2008, pp. 1–10.
  336. Media Research Users Council 2012.
  337. Wolpert 2003, p. 2.
  338. Rediff 2008 b.
  339. Binmore 2007, p. 98.
  340. The Wall Street Journal 2009.
  341. British Broadcasting Corporation 2010 b.
  342. The Times of India 2010.
  343. British Broadcasting Corporation 2010 a.
  344. Mint 2010.
  345. Xavier 2010.
  346. Majumdar & Bandyopadhyay 2006, pp. 1–5.
  347. Dehejia 2011.
  348. Basketball team named for 11th South Asian Games. Nation.com.pk. Página visitada em 21 de maio de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Visão geral

Etimologia

História

Geografia

Biodiversidade

Política

Relações exteriores e forças armadas

Economia

Demografia

Cultura

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage