José Antonio Gabriel y Galán

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
José Antonio Gabriel y Galán
Nascimento 1940
Flag of Spain.svg Espanha, Plasencia
Morte 1993 (53 anos)
Flag of Spain.svg Espanha, Plasencia
Parentesco neto do poeta José María Gabriel y Galán
Ocupação poeta, escritor, tradutor, editor e jornalista
Causa da morte cancro

José Antonio Gabriel y Galán (Plasencia, 1940 — Plasencia, 1993) foi um poeta, escritor, tradutor, editor e jornalista espanhol. Era neto do poeta José María Gabriel y Galán.

Nascido em Plasencia, na Estremadura, foi viver para Madrid na infância, embora tivesse mantido muito ligado à Estremadura natal durante toda a infância e juventude, tanto sentimentalmente como culturalmente. Além das suas atividades de escrita, foi o promotor de diversas iniciativas de divulgação da cultura estremenha.

Estudou Direito em Madrid e Jornalismo em Paris. Foi um viajante incansável na juventude, tendo regressado a Espanha em 1966, onde inicia a sua carreira de jornalista. Colaborou em revistas e jornais, chegando a ocupar cargos importantes no El Europeo e na revista cultural Cuadernos para el Diálogo. Teve também uma coluna fixa no El País. Foi fundador e diretor da revista literária El Urogallo (O tetraz-grande).

O seu primeiro romance, Punto de referencia, foi publicado em 1972. Tendo a memória como fio condutor, é uma crónica social e romance amoroso, que conta as peripécias de um jornalista na Madrid do final do anos 1960, que se envolve num triângulo amoroso em torno do qual sucedem os acontecimentos.

O seu primeiro livro de poesia, Descartes mentía, publicado em 1977, é um conjunto de poemas de forma e métrica livre, quase prosa poética, em que o tema principal é o amor doloroso que aglutina outros temas. Cada poema é encabeçado com um trecho do Tratado das Paixões de Descartes.

Dentre a sua obra cabe destacar:

  • Descartes mentía, de 1977
  • Un país como este no es el mío, de 1978
  • Poesías, entre 1970-1985
  • Razón del sueño
  • Punto de referencia, de 1981
  • La memoria cautiva, de 1981
  • A salto de mata, de 1983
  • El bobo ilustrado, de 1986
  • La grandeza de Tito, de 1988
  • Muchos años después, de 1992

Notas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Espanha é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.