Mochila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Mochila

Uma mochila é, em sua forma mais simples, um saco de lona ou tecido sintético resistente que é carregado nas costas de uma pessoa, e apoiada através de duas alças que se estendem acima dos ombros e debaixo das axilas. Utilizada por soldados, excursionistas, escolares, etc. para transportar artigos de uso pessoal, provisões, material e itens variados.

Foi criada originalmente na África antiga em um formato um tanto quanto diferente do usual. Eram feitas de emendas de peles de animais considerados poderosos ou dignos de respeito.[carece de fontes?] Era utilizada para carregar água, comidas em geral, filhos raramente, etc.

Na indústria é denominada mochila uma caixa de chapa soldada a uma tubagem ou conduta, cheia com betão ou outro material, com o objectivo de prolongar a vida da conduta na sua resistência ao desgaste e/ou ao calor; neste caso muito usada na indústria cimenteira com betão refratário.

Uso escolar[editar | editar código-fonte]

Segundo especialistas, o ideal é que os estudantes (crianças e adolescentes) carreguem até 10% do próprio peso. “A mochila deve ter duas alças, estar acima da linha da cintura e ser levada sempre nas costas”, alerta Luiz Eduardo Carelli, especialista do Centro de Tratamento das Doenças da Coluna do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Nesta semana, antes de voltar às aulas, teste se você vai carregar muito peso. No Brasil, nos Estados de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul e nas capitais São Paulo e Rio de Janeiro há leis que determinam que os estudantes não carreguem muito peso. A lei paulista limita o estudante a carregar até 10% de seu peso corporal. A carioca[1] estipula um peso máximo de acordo com a idade do aluno. Em Minas, a legislação determina a proporção máxima de 5% de carga em relação ao peso total do estudante com até 10 anos. A proporção sobe para 10% quando a criança tem mais de 10 anos. No Rio Grande do Sul, o limite é de 5% do peso do aluno da educação infantil e de 10% do peso do aluno do ensino fundamental.

Mas se há recomendações e regras, por que crianças continuam a carregar mochilas pesadas? A fisioterapeuta Susi Fernandes levanta algumas hipóteses. A primeira delas está relacionada ao material carregado a mais, que não faz parte da vida escolar, mas é levado pelo estudante, como equipamentos eletrônicos, brinquedos e roupas. O peso da própria mochila, que sozinha pode chegar a cinco quilos, também deve ser considerado. E o armário na escola, apontado como uma boa solução para evitar a sobrecarga, pode ser um vilão se alunos e professores não se organizarem. “De que adianta ter armário se o aluno precisa levar material para casa para estudar?”, questiona.

Para compreender o que professores sabem e pensam, a fisioterapeuta pesquisou o assunto. Dentre as conclusões consta que os mestres têm conhecimentos satisfatórios sobre a questão postural, mas baseados em empirismo, na experiência própria de vida. Sem preparo, não levam em conta a questão peso na hora de escolher o material didático, por exemplo. E a escola também não organiza o horário de forma mais sensata, que proporcione aos estudantes a possibilidade de carregar menos peso.

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. Nativo do Rio de Janeiro