Moral e Dogma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Parte de uma série de artigos sobre
Maçonaria
Maçom
Artigos principais
Maçonaria · Grande Loja · Loja Maçônica · Venerável Mestre · Graus maçônicos · Lojas Simbólicas · Loja de Perfeição
História
História da Maçonaria · Manuscritos Maçônicos · Constituição de Anderson ·CLIPSAS · SIMPA · União Maçónica Internacional CATENA · C.I.MA.S.
Albert Pike (29 de dezembro de 1809, Boston2 de Abril de 1891, Washington) foi um advogado, militar e escritor dos Estados Unidos

Moral e Dogma do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria, ou simplesmente Moral e Dogma, é um livro de ensinamentos maçônicos publicado pelo Conselho Supremo, Trigésimo Terceiro Grau, do Rito Escocês, Jurisdição do Sul dos Estados Unidos. Foi escrito por Albert Pike e publicado primeiramente em 1872. Houve diversas edições subseqüentes, mas a posse era exclusiva ao maçom, não sendo distribuído, ou vendido, ao não iniciado.

O livro é composto por orientações e ensaios de Pike, que recopilou e estabeleceu as bases filosóficas, sociológicas, históricas, políticas, simbólicas e religiosas do Rito Escocês Antigo e Aceito.

Elabora ensinamentos para os 33 graus do Rito Escocês. Pretende ser um guia para os que incorporam o Rito Escocês, e explica a compreensão de Pike sobre o simbolismo e a alegoria dos graus maçônicos.

Trata-se de uma obra imponente pelo volume e pelos ensinamentos compilados, 861 páginas de textos e ensinamentos e mais um índice de referências com 218 páginas, possuindo trinta e dois capítulos, cada um que discute o simbolismo filosófico de cada grau da maçonaria em detalhes.

No prefácio da edição de 1950, os editores escreveram sobre Pike:

Cquote1.svg Ao preparar esta obra, o Grande Comendador foi quase Autor e Compilador, igualmente; uma vez que extraiu uma metade inteira de seu conteúdo das obras dos melhores escritores e dos pensadores mais filosóficos ou eloquentes. Talvez tivesse sido melhor e mais aceitável se tivesse extraído mais e escrito menos. Cquote2.svg

O prefácio dessa edição afirmava:

Cquote1.svg Todos estão completamente livres para rejeitar e discordar de qualquer coisa aqui que possa lhes parecer falsa ou insalubre. Cquote2.svg

Embora discuta as minúcias dos rituais maçônicos em muitos detalhes, escreve-se de com linguagem arcana para não revelar os segredos maçônicos. Os movimentos rituais e os objetos são nomeados, mas não descritos.

Em algumas edições mais antigas, a página de título do livro declara em grandes letras de imprensa:

Cquote1.svg LIVRO ESOTÉRICO, PARA O USO SOMENTE DO RITO ESCOCÊS; PARA SER DEVOLVIDO NA SAÍDA OU NA MORTE DO SEU DETENTOR Cquote2.svg

Uma cópia de Moral e Dogma era dada a cada membro novo da Jurisdição do Sul até 1974, quando o membro atingia o 14°. O livro foi substituído inicialmente pelo Comentário de Clausen Sobre Moral e Dogma, escrito por Henry C. Clausen, 33°, Grande Comandante Soberano, e mais tarde pelo livro Uma Ponte para a Luz, do Dr. Rex Hutchens, 33°, G.'.C.'., sendo o livro recente que o Novo Rito Escocês da Jurisdição do Sul recebe hoje.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]