Partido Liberal (Brasil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Partido Liberal
Número no TSE 22
Presidente Valdemar Costa Neto
Fundação 1985
Ideologia Liberalismo social
Conservadorismo
Centro-direita
Sucessor PR (em fusão com o PRONA)
Cores Vermelho, branco e azul
Site www.pl.org.br

Partido Liberal (PL) foi um partido político brasileiro, fundado pelo falecido deputado federal Alvaro Valle, de orientação politicamente liberal social.

História[editar | editar código-fonte]

Foi criado em 1985, participando logo das eleições municipais, tendo como candidato o então deputado federal Ruy Côdo, em São Paulo, e Álvaro Valle, que tinha sido preterido por Rubem Medina como candidato pelo PFL no Rio de Janeiro. Nas eleições de 1986, ainda tinha o registro provisório, e elegeu vários deputados na Assembleia Constituinte. Seu número eleitoral era o 22 e obteve registro permanente em 25 de fevereiro de 1988. Nesse ano, lançou como candidatos as prefeituras de São Paulo, e Rio de Janeiro, respectivamente, João Mellão Neto, ex-secretário do então prefeito Jânio Quadros, e Álvaro Valle, presidente da legenda, que novamente obteve grande votação.

No ano de 1989, o partido lança Guilherme Afif Domingos como candidato à presidência, com uma plataforma neoliberal, com sua famosa frase "Juntos, chegaremos lá!". Quando começou a crescer nas pesquisas, o candidato da coligação PL-PDC passou a ser atacado pelos adversários que acusavam o candidato de ligações com o malufismo e com a ditadura militar. Ficou em sexto lugar, ao final da eleição.

Nas eleições de 1994, a legenda quase lançou como candidato o empresário potiguar Flávio Rocha, deputado federal pela legenda. Mas escândalos de corrupção o tiraram do pleito. Assim, restou ao PL, que já nesta época defendia a idéia de Imposto Único, apoiar o senador tucano Fernando Henrique Cardoso, ex-ministro de Itamar Franco, eleito em primeiro turno. O PL elegeu seu primeiro senador, o paulista Romeu Tuma, que, mais tarde iria para o PSL, PFL, DEM e PTB. Mas o PL rompeu com FHC e, em 1998, apoiou o ex-governador do Ceará e ex-Ministro da Fazenda Ciro Gomes, então no PPS. A coligação Brasil Real e Justo (PPS, PL, PAN) ficou em terceiro lugar. FHC foi reeleito. O PAN foi incorporado ao PTB em 2006.

Em 2000, o PL reelegeu o prefeito de Manaus, Alfredo Nascimento, ex-aliado do governador Amazonino Mendes. Em 1996, Alfredo estava no extinto PPB, como Amazonino. Distante do Governo de FHC, em 2002, o PL apóia o petista Luiz Inácio Lula da Silva, tendo como vice o megaempresário mineiro José Alencar, senador eleito pelo PMDB em 1998, na chapa de Itamar Franco governador e Newton Cardoso vice. Lula ganha a eleição de 2002.

Eleições de 2002[editar | editar código-fonte]

O Partido Liberal se coligou nas eleições brasileiras de 2002 junto ao PT, PCB, PC do B e PMN no pleito que elegeu Luís Inácio Lula da Silva (do PT) como presidente da República e José Alencar (do PL) como vice-presidente.

Escândalo do Mensalão[editar | editar código-fonte]

Envolvido, em 2005, nas denúncias que ficaram conhecidas como Escândalo do Mensalão, o partido negou ter participado de tal esquema durante certo tempo. No entanto, no dia 1º de agosto, seu presidente, Valdemar Costa Neto, renuncia ao cargo de deputado federal, admitindo em seguida estar envolvido em tal forma de corrupção. Seu líder na Câmara, Deputado Sandro Mabel (GO) também se viu envolvido, mas escapou da cassação, na votação do Plenário.

Fusão[editar | editar código-fonte]

Em 21 de dezembro de 2006 é anunciada a fusão do PL com outra sigla, o Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA), liderado por Enéas Carneiro, que morre logo em seguida, formando uma nova sigla, que passa a manter o número eleitoral do PL (22). Assim foi criado o Partido da República (PR).

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos  % Colocação
2002 Luiz Inácio Lula da Silva (PT) José Alencar (PL) PT, PL, PC do B, PMN e PCB 52.793.364 61,27
1998 Ciro Gomes (PPS) Roberto Freire (PPS) PPS, PL e PAN 7.426.190 10,97
1989 Guilherme Afif Domingos (PL) Aluísio Pimenta (PDC) PL e PDC 3.272.462 4,53

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.