Reciclagem de alumínio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Símbolo da reciclagem de alumínio.

A reciclagem de alumínio é o processo pelo qual o alumínio pode ser reutilizado em determinados produtos, após ter sido inicialmente produzido. O processo resume-se no derretimento do metal, o que é muito menos dispendioso e consome muito menos energia do que produzir o alumínio.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O alumínio líquido (700 °C) demora até duas horas e meia para atingir o estado sólido, dependendo do volume de metal assim como temperatura ambiente, local de armazenagem, etc.
  • Um quilo de alumínio reciclado evita a extração de cinco quilos de bauxita.
  • O ciclo médio de vida de uma lata de alumínio é de 30 dias, desde sua colocação na prateleira do supermercado até seu retorno reciclada.
  • A reciclagem de uma única lata de alumínio pode economizar a energia necessária para manter um televisor ligado durante 3 horas ou uma lâmpada de 100 watts por 20 horas.
  • Em média um quilo equivale a 74 latas.

Benefícios[editar | editar código-fonte]

  • Econômicos
    • Fonte de renda para diversos tipos de mão-de-obra.
    • Injeção de recursos na economia local.
    • Grandes investimentos não são necessários.
    • Economia considerável de energia elétrica.
  • Sociais
    • Diminuição da quantidade de lixo nos aterros sanitários.
    • O meio ambiente é menos agredido.
    • Colaboração com o crescimento da consciência ecológica.
    • Estímulo da reciclagem de outros materiais.
    • Áreas carentes são beneficiadas com o aumento de renda.
  • Políticos
    • Ajuda na composição do lixo urbano.
    • Colaboração no estabelecimento de políticas de destino de resíduos sólidos.
    • Adaptável a realidades de diferentes tipos e tamanhos de cidades.

Reflexos Ambientais e Sociais[editar | editar código-fonte]

A reciclagem de alumínio cria uma cultura de combate ao desperdício. Difunde e estimula o hábito do reaproveitamento de materiais, com reflexos positivos na formação da cidadania e no interesse pela melhoria da qualidade de vida da população. O alto valor agregado do alumínio desencadeia um benefício indireto para outros setores, como o plástico e o papel. A valorização do alumínio para o sucateiro torna atraente sua associação com coletas de outros materiais de baixo valor agregado e grande impacto ambiental. Além disso, a perspectiva de reaproveitamento permanente chama a atenção da sociedade por produtos e processos limpos, criando um comportamento mais renovável em relação ao meio ambiente no Brasil.

Números da reciclagem[editar | editar código-fonte]

  • O Brasil é (em 2005) pentacampeão na reciclagem de latas de alumínio em países onde a reciclagem de embalagens não é obrigatória por lei. O país reciclou, em 2005 96,2% das latas disponíveis no país, o que equivale a 127,6 mil toneladas de latas. Desde então, o país vem sendo seguido pelo Japão, Argentina e Estados Unidos embora existam países no mundo que possuam índices de reciclagem maiores que o brasileiro.
  • Embora este índice seja alto, não podemos nos esquecer de que ele é tão expressivo graças ao 1 milhão de pessoas catando sucatas nas ruas do Brasil. Graças ao processo de reciclagem essas pessoas tem acesso a renda, pois em geral não possuem formação suficiente para se adequar ao mercado de trabalho.
  • Entre 2000 e 2004, subiu de 10% para 24%, a participação de clubes e condomínios na coleta de alumínio, mostrando um maior engajamento da classe média.