Sátira dos ofícios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Sátira dos ofícios, também chamada Instruções de Dua-Kheti, é uma obra literária de tipo didático do Antigo Egito,[1] datada circa 2400 a.C.[2] Pertence ao gênero Sebayt, e foi escrita pelo escriba Dua-Kheti para o seu filho Pepi. Pensa-se que o autor pôde ter sido guiado pelas Instruções de Amenemhat.[3]

Descreve um certo número de profissões com uma luz exageradamente negativa, ressaltando as vantagens da do escriba:

Cquote1.svg (…) Por outro lado, não há nenhum ofício melhor do que aquele do escriba: ninguém pode dar-lhe ordens porque ele é quem manda. Não há escriba pobre (…); portanto, agradece a teus pais que te encaminharam para os livros.[4] Cquote2.svg

É considerada geralmente uma sátira, embora Helck acredite que reflete a verdadeira atitude dos escribas para outros profissionais.[5]

O texto sobreviveu na íntegra no papiro Sallier II escrito durante a XIX dinastia. O papiro encontra-se no Museu Britânico, o qual também guarda outros fragmentos, bem como no Louvre, a biblioteca Morgan Library e outras instituições. Era um dos textos mais frequentemente copiados pelos estudantes durante as dinastias XIX e XX[6]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lichtheim, Miriam (1980), Ancient Egyptian Literature volume I, pág. 184-193

Referências

  1. Bard, Katheryn A. (1999), Encyclopedia of the Archaeology of Ancient Egypt, pag. 886
  2. Ocho variaciones sobre el tema de la cultura, pag. 12 Sociologia de la Cultura. Visitado em 2008.
  3. Edwards, I. E. S.; Hammond, N. G. L.; Gadd C. J. (1975), The Cambridge Ancient History, pág. 527
  4. pág 86 de Federico A. Arborio Mella, O Egito dos Faraós. ISBN 8528900401
  5. Helck, W. (1970), Die Lehre des DwA-xtjj
  6. pág 85 de Federico A. Arborio Mella, O Egito dos Faraós. ISBN 8528900401