Título de capitalização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Um título de capitalização é um título de crédito comercializado por empresas de capitalização, com o objetivo de formação de uma aplicação, mas também com um caráter lotérico, de sorteio de prêmios de capitalização.

Neste produto, o capitalizador concorre a prêmios de sorteio,[1] recebendo ao final da aplicação seu dinheiro acrescido de reajustes e subtraido taxas de administração e cota para sorteio. Os títulos de capitalização são desvantajosos em relação a rentabilidade de outros investimento, inclusive em relação à poupança, porém com o diferencial de concorrer a prêmios sorteados. A maiorias dos contratos também estipula prazo de carência para resgate e parte do valor capitalizado fica com o banco no caso de resgate anterior ao prazo estipulado no contrato.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Os valores aportados pelo capitalizador são geralmente divididos entre a parte a ser capitalizada, a parte de sorteio e a parte referente a administração. Ao fim do plano, ou após o período de carência, o capitalizador só terá direito a resgatar a parte capitalizada. A parte de sorteio é destinada ao pagamento dos prêmios de sorteio e a taxa de administração é destinada a remunerar a empresa que administra o título.

Em razão disso, a capitalização é visto por alguns como uma operação desvantajoso ao cliente, pois geralmente o valor do saque ao final do plano é pouco ou nada maior que a soma de todos os pagamentos feitos ao longo do tempo. Em função disso os títulos de capitalização não devem ser considerados como uma aplicação financeira ou uma poupança, pois não se enquadram nem como de renda fixa, já que tendem a render quase nada, nem como de risco.

Utilizações[editar | editar código-fonte]

Além de ser uma forma de poupança forçada que visa criar disciplina financeira e uma reserva econômica ao capitalizador, os títulos de capitalização possuem outras utilizações.

Essa modalidade securitária foi típica do primeiro sistema de previdência aplicada no Brasil, que não garantia o retorno atuarial do valor depositado compulsoriamente (chamadas de quotas previdenciárias) pelos segurados. É conhecido como regime de capitalização previdenciária.

Visando atrair um maior número de pessoas para esse produto, empresas de capitalização têm buscado inovar com a criação de títulos que garantem a quitação de empréstimos ou que sirvam como garantia de aluguel.

Vantagens para o consumidor[editar | editar código-fonte]

Título de Capitalização é um produto altamente desvantajoso para o cliente além de altamente lucrativo para a instituição financeira. Os bancos visam principalmente pessoas que são atraídas pelos sorteios e geralmente não tem muito conhecimento sobre o valor do dinheiro e aplicações financeiras. Abaixo, a lista das razões que este produto levam o consumidor ao prejuízo.

- Título de capitalização não é investimento é um jogo: É mais barato apostar na loteira que comprar este produto[2] .

- O rendimento é inferior ao da poupança: A maior parte de dos bancos corrigem o valor aplicado a uma taxa diminuta (TR). Além disto, cobram taxas como de carregamento, administração e cota para sorteito reduzindo ainda mais o a retabilidade.

- O dinheiro do cliente fica “preso”: Os bancos estabelecem um prazo de carência aonde o cliente não pode retirar o dinheiro antes de um prazo. Se o cliente deseja retirar antes é cobrado uma multa.

Em suma, os bancos tem um grande lucro com esse tipo de produto em cima dos seus correntistas. Conseguém recursos a taxas extremamente baixas e somente repassam uma diminuta correção aos seus clientes. Por este motivo, tentam empurrar a todo momento este produto para os seus correntistas.

Comercialização[editar | editar código-fonte]

No Brasil, para trabalhar com capitalização, a empresa deve ter registro na Susep, órgão que normatiza e fiscaliza o setor.

Há duas formas de comercialização desses títulos, de pagamentos periódicos ou único. No Brasil são chamados de PM (Pagamento Mensal) e o PU (Pagamento Único).

O PM é um plano em que os pagamentos dos prêmios são periódicos, geralmente mensais. É possível que após o último pagamento o plano ainda mantenha-se em vigor, pois seu prazo de vigência pode ser diferente do que seu prazo de pagamento. Os planos PU são aqueles em que o pagamento é único e sua vigência fica estipulada na proposta.

As empresas responsáveis por essa comercialização estão reunidas na Fenacap - Federação Nacional de Capitalização.

Notas e referências

  1. A utilização da palavra prêmio em títulos de capitalização por vezes causa confusão. A parcela paga pelo contratante é denomina prêmio, assim como o prêmio de seguro, mas a palavra é comumente utilizada de forma errónea, para denominar o bem que é sorteado, que deve ser chamado de prêmio de sorteio ou prêmio de capitalização.
  2. 7 razões para não comprar um título de capitalização.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Capitalização: histórico, conceitos e perspectivas - Edmilson Gama Silva; Marcos Eduardo Carvalho e Ryvo Matias Pires Santos - Funenseg - 2006
Ícone de esboço Este artigo sobre ciência atuarial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.