Temporada de furacões no Atlântico de 1978

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Temporada de furacões no Atlântico de 1978
1978 Atlantic hurricane season map.png
Primeiro sistema1 formado: Tempestade subtropical 1 - 18 de janeiro
Sistemas ativos1: Temporada encerrada
Total de tempestades nomeadas: 12
Total de furacões: 5
Grandes furacões (Cat. 3+): 3
Tempestade mais forte: Greta - 215 km/h, 947 mbar
Número de sistemas1 que atingiram terras emersas: 4
Danos totais: 45 milhões de dólares (valores em 1978)
ECA Total:
Fatalidades confirmadas: 37
1Inclui depressões tropicais e depressões subtropicais

A temporada de furacões no Atlântico de 1978 foi um evento no ciclo anual de formação de ciclones tropicais. A temporada começou em 1 de junho e terminou em 30 de novembro de 1978. No entanto, a formação da tempestade subtropical Um marcou o início bem antecipado da temporada ao se formar em 18 de janeiro. Estas datas delimitam convencionalmente o período de cada ano quando a maioria dos ciclones tropicais tende a se formar na bacia do Atlântico.

A atividade da temporada de furacões no Atlântico de 1978 ficou pouco acima da média, com um total de 12 tempestades dotadas de nome e cinco furacões, sendo que dois destes atingiram a intensidade igual ou superior a um furacão de categoria 3 na escala de furacões de Saffir-Simpson.

No final de julho e início de julho, a tempestade tropical Amelia formou-se ao largo da costa do Texas, Estados Unidos, atingindo a costa poucas horas depois. Amelia causou mais de 20 milhões de dólares em prejuízos e 30 fatalidades. No final de agosto, a tempestade tropical Debra atingiu a costa do golfo dos Estados Unidos, causando duas fatalidades. Em meados de setembro, o furacão Greta afetou o norte da Venezuela e atingiu com severidade a América Central, e causou cinco fatalidades e 75 milhões de dólares em prejuízos.

Nomes das tempestades[editar | editar código-fonte]

Os nomes abaixo foram usados para dar nomes às tempestades que se formaram no Atlântico Norte em 1978. Essa foi a última vez que apenas nomes femininos foram usados para dar nome a sistemas tropicais no Atlântico. A partir de 1979, nomes masculinos foram introduzidos em uma série de seis listas, sendo que cada lista é usada a cada seis anos.

  • Amelia
  • Bess
  • Cora
  • Debra
  • Ella
  • Flossie
  • Greta
  • Hope
  • Irma
  • Juliet
  • Kendra
  • Louise (sem usar)
  • Martha (sem usar)
  • Noreen (sem usar)
  • Ora (sem usar)
  • Paula (sem usar)
  • Rosalie (sem usar)
  • Susan (sem usar)
  • Tanya (sem usar)
  • Vanessa (sem usar)
  • Wanda (sem usar)

Devido à relativa ausência de impactos, nenhum nome foi retirado da lista.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Furacão Catrina Portal da
meteorologia

Referências

  1. 1991 Atlantic hurricane season (em Inglês) Centro Nacional de Furacões (17/12/2002). Visitado em 13/01/2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.