Venezuela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
República Bolivariana de Venezuela
República Bolivariana da Venezuela
Bandeira da Venezuela
Brasão de armas da Venezuela
Bandeira da Venezuela Brasão das Armas
Lema: Dios y Federación ("Deus e Federação")
Hino nacional: Gloria al bravo pueblo
("Glória ao bravo povo")
Gentílico: venezuelano

Localização  Venezuela

Localização da Venezuela em verde escuro; área reivindicada pelos venezuelanos no território da Guiana em verde claro.
Capital Caracas
Cidade mais populosa Caracas
Língua oficial Espanhol
Governo República presidencialista
 - Presidente Nicolás Maduro
 - Vice-presidente Jorge Arreaza
 - Presidente da Assembleia Nacional Diosdado Cabello
Independência da Espanha 
 - Iniciada 19 de Abril de 1810 
 - Declarada 5 de Julho de 1811 
 - Reconhecida 30 de Março de 1845 
Área  
 - Total 916 445 km² (33.º)
 - Água (%) 0,3
 Fronteira Brasil a sul, Colômbia a oeste, Guiana a leste.
População  
 - Estimativa de 2010 28 892 735[1] hab. (43.º)
 - Densidade 30 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 545,704 bilhões*[2]  
 - Per capita US$ 17 917[2]  
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 209,226 bilhões*[2]  
 - Per capita US$ 6 869[2]  
IDH (2013) 0,764 (67.º) – elevado[3]
Gini (2010) 39[4]
Moeda Bolivar Venezuelano (VEF)
Fuso horário (UTC−4:30)
Clima Tropical, semiárido, equatorial
Cód. Internet .ve
Cód. telef. ++58
Website governamental www.gobiernoenlinea.ve

Mapa  Venezuela

A Venezuela, oficialmente República Bolivariana da Venezuela (em espanhol: República Bolivariana de Venezuela), é um país tropical, na costa norte da América do Sul. O país possui várias ilhas fora de seu território continental situadas em sua costa no mar do Caribe (português brasileiro) ou mar das Caraíbas (português europeu). A república é uma antiga colônia espanhola que conquistou a sua independência em 1821.

A Venezuela tem fronteiras com a Guiana a leste, com o Brasil ao sul e com a Colômbia a oeste. Os países Trinidad e Tobago, Granada, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia e Barbados, além de Curaçao e Aruba, que são países constituintes do Reino dos Países Baixos, e a municipalidade neerlandesa de Bonaire, estão a norte, ao largo da costa venezuelana. Sua área territorial é de 916 445 km², sendo o 32º maior país no mundo em território. Sua população é estimada em 28 892 735 habitantes[1] e a capital nacional é Caracas. As cores da bandeira venezuelana são o amarelo, azul e vermelho, nessa ordem: o amarelo representa a riqueza da terra, o azul o mar e o céu do país, e o vermelho o sangue derramado pelos heróis da independência.[5]

Venezuela tem disputas territoriais com a Guiana (ex-colônia do Reino Unido), principalmente sobre a área de Essequibo, e com a Colômbia sobre o golfo da Venezuela. Em 1895, após anos de tentativas diplomáticas para resolver a disputa fronteiriça na Venezuela, a disputa sobre a fronteira do rio Essequibo deflagrou-se e então foi submetida a uma comissão "neutra" (composta por representantes do Reino Unido, Estados Unidos e da Rússia e sem representante direto da Venezuela), que, em 1899, decidiu-se contra a reivindicação territorial da Venezuela.[6] A Venezuela é amplamente conhecido pela sua indústria de petróleo, pela diversidade ambiental do seu território e por seus recursos naturais. A nação é considerada um dos 17 países megadiversos do mundo,[7] com uma fauna diversificada e uma grande variedade de habitats protegidos.

A Venezuela está entre os países mais urbanizados da América Latina;[8] [9] a grande maioria dos venezuelanos vivem nas cidades do norte, especialmente na capital Caracas, que é também a maior cidade do país. Outras cidades importantes incluem Maracaibo, Valência, Maracay, Barquisimeto, Mérida, Barcelona-Puerto La Cruz e Ciudad Guayana.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Jasmar Sanchez, Américo Vespúcio e Juan de la Cosa foram os primeiros a explorar a costa da Venezuela em 1499. No dia 24 de Agosto desse ano chegaram ao que é hoje o lago de Maracaibo, onde encontraram nativos cujas casas estavam construídas sobre estacas de madeira fixas no lago (palafitas). Vespúcio, que era italiano, achou aquelas construções semelhantes às da cidade de Veneza e por isso chamou a região de Venezuela, ou seja, "Pequena Veneza".

Por outro lado, Martín Fernández de Enciso, um geógrafo que acompanhava a expedição, afirma na sua obra Summa de Geografia (1519) que junto ao lago existia uma grande rocha plana, em cima da qual havia um povoado indígena conhecido como Veneciuela. Assim, o nome Venezuela pode ser nativo, e não estrangeiro. No entanto, a primeira versão permanece como a mais divulgada e aceita.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros povos e colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos europeus, a Venezuela era habitada por vários povos dos quais se destacam os índios caribes, os aruaques e os cumanagatos.

Em 1498 Cristóvão Colombo chegou à costa da Venezuela durante a sua terceira viagem ao continente americano. A colonização espanhola iniciou-se em 1520, incidindo nas ilhas e na região costeira. Em 1567 foi fundada a cidade de Caracas, que se tornaria o centro mais importante da região.

O território que é hoje a Venezuela esteve dividido entre o Vice-Reino do Peru e audiência de Santo Domingo até ao estabelecimento do vice-reino de Granada em 1717. Em 1776 a Venezuela tornou-se uma capitania-geral do Império Espanhol.

Grã-Colômbia e independência[editar | editar código-fonte]

Mapa da antiga Grã-Colômbia.
A assinatura da Independência da Venezuela, de Martín Tovar y Tovar.

Com as crises institucionais na Espanha, por volta de 1808, começaram movimentos pela libertação das colônias espanholas nas Américas. Em 20 de julho de 1810, acontece a primeira tentativa de proclamação da independência. Uma longa guerra pela independência liderada principalmente por Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander, terminou em 7 de agosto de 1819, após a Batalha de Boyaca. Neste ano, o Congresso de Angostura fundou a República da Grã-Colômbia.

O país era formado no momento por Nova Granada e Venezuela, tendo o Equador sido incorporado posteriormente. Pouco depois, houve falta de consenso entre federalistas e unionistas. Após vitórias dos primeiros, Venezuela e Equador se separam do país e constituem duas repúblicas separadas. As divisões internas, políticas e territoriais levaram à secessão da Venezuela e de Quito (atual Equador) em 1830.

Em 1809 ocorreu a primeira insurreição independentista encabeçada pelo general Francisco de Miranda. A independência foi proclamada em 5 de Julho de 1811, mas Miranda foi preso e foram necessários dez anos de luta contra as forças espanholas até a decisiva batalha de Carabobo (1821).

A Venezuela integrou então a República da Grande Colômbia, junto com a Colômbia, Equador e Panamá. Após a morte de Simón Bolívar, o grande herói da independência, a Venezuela retirou-se da Grande Colômbia.

Entre 1830 e 1848 o país foi governado por uma oligarquia conservadora até passar para a mão dos ditadores Monagas (1848–1858). A revolução de 1858 encabeçada por Julián Castro conduziu o país a um período de instabilidade, agravado pela guerra civil entre conservadores e liberais que se desenvolveu entre 1866 e 1870, após a introdução no país de uma constituição federalista (1864).

De 1870 a 1888 o liberal Antonio Guzmán Blanco governou a Venezuela de forma autoritária, exercendo uma política de obras públicas, de luta contra o analfabetismo e contra a influência da Igreja Católica. Ao seu governo sucederam-se períodos de pequenas ditaduras militares. Cipriano Castro apoderou-se da presidência em 1899 e pôs em prática uma política externa agressiva que provocou em 1902 o bloqueio e ataque dos portos da Venezuela pela Inglaterra, Alemanha e Itália.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Juan Vicente Gómez governou a Venezuela por 27 anos (1908–1935).

Em 1908 Castro foi deposto por Juan Vicente Gómez, ditador durante os vinte e sete anos seguintes. Foi durante o seu governo, em 1922, que se iniciou a exploração das jazidas de petróleo da Venezuela.

Em 1945, após a queda da ditadura do general Isaías Medina Angarita, Rómulo Betancourt, fundador do partido Acción Democrática, tornou-se presidente provisório até as eleições livres de finais de 1947 que levaram o escritor Rómulo Gallegos à presidência. Uma revolta militar retirou-o do poder; em 1953 instalou-se a ditadura de Pérez Jiménez.

O ditador militar Pérez Jiménez foi forçado a deixar o poder em 23 de janeiro de 1958.[10] Em um esforço para consolidar a jovem democracia, os principais partidos políticos (com a notável exceção do Partido Comunista da Venezuela) assinaram o Pacto de Punto Fijo. O Ação Democrática e o COPEI iriam dominar o cenário político do país por quatro décadas.

Em 1960 houve movimentos guerrilheiros substanciais, como as Forças Armadas de Libertação Nacional e o Movimento da Esquerda Revolucionária, que havia se separado de Ação Democrática em 1960. A maioria desses movimentos depuseram as armas sob a presidência de Rafael Caldera (1969-1974); Caldera tinha ganhado a eleição 1968 pelo COPEI, sendo a primeira vez que um partido diferente do Ação Democrática assumia a presidência através de uma eleição democrática.

A eleição de Carlos Andrés Pérez, em 1973, coincidiu com a crise do petróleo de 1973, que viu a renda da Venezuela explodir quando os preços do petróleo subiram, enquanto as indústrias petrolíferas foram nacionalizados em 1976. Isto levou a aumentos maciços nos gastos públicos, mas também ao aumento da dívida externa, que continuou até a década de 1980, quando o colapso dos preços do petróleo na década de 1980 prejudicou a economia venezuelana. À medida que o governo começou a desvalorizar a moeda em fevereiro de 1983, com o objetivo de cumprir com as suas obrigações financeiras, o nível de vida real dos venezuelanos caiu drasticamente. Uma série de políticas econômicas fracassadas e o aumento da corrupção no governo levaram ao aumento da pobreza e do crime, o agravamento dos indicadores sociais e aumento da instabilidade política.[11]

A crise econômica na década de 1980 e 1990 levou a uma crise política que deixou centenas de mortos nos distúrbios de "Caracazo" em 1989; duas tentativas de golpes de Estado em 1992 e o impeachment do presidente Carlos Andrés Pérez (reeleito em 1988) por corrupção em 1993. O golpista Hugo Chávez foi perdoado março 1994 pelo presidente Rafael Caldera, quando seus direitos políticos foram restabelecidos.[12]

Revolução Bolivariana[editar | editar código-fonte]

Hugo Chávez, o presidente de 1999 até sua morte em 2013.

O colapso da confiança nos partidos existentes acabou ajudando Chávez a se eleger presidente em 1998 e a lançar a subsequente "Revolução Bolivariana", que começou com uma Assembleia Constituinte de 1999 a escrever uma nova Constituição da Venezuela. Em abril de 2002, Chávez foi brevemente expulso do poder no golpe de 2002, após manifestações populares de seus opositores,[13] mas ele voltou ao poder depois de dois dias como resultado de protestos de seus partidários e ações militares.[14]

Chávez também se manteve no poder depois de uma greve geral nacional, que durou mais de dois meses (de dezembro de 2002 a fevereiro de 2003), além de uma greve na companhia estatal de petróleo PDVSA. Os movimentos grevistas produziram um problema econômico grave, sendo que o PIB do país caiu 27% durante os primeiros quatro meses de 2003 e custou à indústria petrolífera 13,3 bilhões de dólares.[15] A fuga de capitais, antes e durante a greve, levou à reinstituição de controles cambiais (que tinha sido abolida em 1989), gerido pela agência CADIVI. Na década seguinte, o governo foi forçado a várias desvalorizações da moeda.[16] [17] [18] [19] [20] Estas desvalorizações têm feito pouco para melhorar a situação do povo venezuelano, que conta com produtos importados ou produtos produzidos localmente mas que dependem de insumos importados, enquanto as vendas de petróleo representam a grande maioria das exportações da Venezuela.[21]

Chávez sobreviveu a vários testes políticos adicionais, incluindo um referendo revogatório em agosto de 2004. Ele foi eleito para um novo mandato em dezembro de 2006 e reeleito para um terceiro mandato em outubro de 2012. No entanto, ele nunca foi empossado para seu terceiro período, devido a complicações médicas. Chávez morreu no dia 5 de março de 2013, depois de uma luta de quase dois anos contra um câncer.[22] A eleição presidencial, que aconteceu em 14 de abril de 2013, foi a primeira vez desde que Chávez assumiu o poder, em 1999, em que o seu nome não aparecia na cédula de votação.[23]

Nicolás Maduro tem ocupado o cargo de presidente da Venezuela desde 14 de abril de 2013, depois de vencer a segunda eleição presidencial após a morte de Chávez, com 50,61% dos votos, contra o candidato da oposição Henrique Capriles Radonski, que teve 49,12% dos votos. O partido Mesa da Unidade Democrática contestou a sua nomeação como uma violação da constituição. No entanto, a Suprema Corte da Venezuela decidiu que, segundo a constituição nacional, Nicolás Maduro é o presidente legítimo e foi investido como tal pelo congresso venezuelano.[24] [25] [26]

Em fevereiro de 2014, centenas de milhares de venezuelanos protestaram contra os cada vez mais altos níveis de violência criminal, inflação e pela escassez crônica de produtos básicos devido às políticas do governo federal.[27] [28] [29] [30] [31] manifestações e tumultos deixaram mais de 40 mortes nos distúrbios entre os dois chavistas e manifestantes da oposição,[32] além de terem levado à prisão de líderes da oposição, como Leopoldo López.[32] [33]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa topográfico da Venezuela. Em vermelho está a Guiana Essequiba, território da Guiana reivindicado pela Venezuela.

A Venezuela é um país localizado no norte da América do Sul, na fronteira com o mar do Caribe. É delimitada ao sul pelo Brasil, a oeste pela Colômbia e a leste pela Guiana. O país tem uma área total de 916 445 km² e uma área terrestre de 882 050 km², cerca do dobro do tamanho do estado da Califórnia, nos Estados Unidos. A forma de seu território se assemelha aproximadamente à de um triângulo invertido e o país tem um total de 2 800 km de litoral.

Com 2 800 km de costa, o país possui uma variedade de paisagens. As extensões da cordilheira dos Andes vão do extremo nordeste até o noroeste da Venezuela e continuam ao longo da costa norte do Caribe. O Pico Bolívar, o ponto mais alto da nação com 4 979 m de altura, encontra-se nesta região. O centro do país é caracterizado pelos llanos, que são extensas planícies que se estendem desde a fronteira colombiana ao extremo oeste do delta do rio Orinoco, no leste.

Salto Ángel, a mais alta queda de água do planeta.

No sul, a região Guayana contém a região norte da Bacia Amazônica e o Salto Ángel, a maior cachoeira (queda de água, em Portugal). O Orinoco, com seus ricos solos aluviais, se liga ao maior e mais importantes sistema de rios, que se origina em uma das maiores bacias hidrográficas da América Latina. O Caroni e o Apure são outros grandes rios.

A Região Insular inclui todas as ilhas da Venezuela: Nueva Esparta e as várias Dependências Federais. Do sistema deltaico, que forma um triângulo cobrindo o Delta Amacuro, projeta-se para o nordeste em direção ao Oceano Atlântico.

O país pode ainda ser dividido em dez zonas geográficas, correspondentes a algumas regiões climáticas e biogeográficas. No norte são os Andes venezuelanos e a região Coro, uma área montanhosa no noroeste, tem vários vales e serras. No leste estão as planícies adjacentes ao lago de Maracaibo e ao golfo da Venezuela. A Cordilheira Central é paralela à costa e inclui as colinas que rodeiam Caracas, a Cordilheira Oriental, separada da Cordilheira Central pelo golfo de Cariaco, abrange o Sucre e o norte de Monagas.

Clima[editar | editar código-fonte]

Neve no Pico Bolívar, o ponto mais alto da Venezuela.

Embora a Venezuela esteja inteiramente situada nos trópicos, o clima varia de planícies úmidas de baixa altitude, onde as temperaturas médias anuais variam de tão elevados como 28 °C, às geleiras e regiões montanhosas com uma temperatura média anual de 8 °C. A precipitação anual varia entre 430 mm na porção semiárida do nordeste até 1 000 mm no delta do rio Orinoco do extremo oriente do país. A maioria das quedas de precipitação entre junho e outubro (época das chuvas ou "inverno"); o restante mais seco e mais quente do ano é conhecido como "verão", embora a variação da temperatura ao longo do ano não é tão pronunciada como em latitudes temperadas.[34]

O país divide-se em quatro zonas de temperatura horizontais baseadas principalmente na elevação, tendo os climas tropical, seco, temperado com invernos secos e polar (tundra alpina), entre outros.[35] [36] [37] Na zona tropical as temperaturas são quentes, com médias anuais variando entre 26 e 28 °C. A zona temperada varia entre 800 e 2 000 m de altura, com médias de 12–25 °C, muitas das cidades da Venezuela, incluindo a capital, encontram-se nesta região. As condições mais frias com temperaturas de 9–11 °C são encontrados na zona fria entre 2 000 e 3 000 m de altura, especialmente nos Andes venezuelanos, onde há pastagem e campo de neve permanentes com médias anuais abaixo 8 °C.

Visa panorâmica da ilha de Margarita, no mar do Caribe.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Vista aérea do delta do rio Orinoco.

A Venezuela se encontra dentro da região neotropical, e grandes porções do país são originalmente cobertas por florestas úmidas de folhagem larga. Isso classifica a Venezuela como um dos dezessete países megadiversos.[38] [39] [40] No país, os habitats vão desde as montanhas dos Andes até o oeste da Bacia Amazônica, através de extensas planícies e a costa do Caribe, no centro e no delta do rio Orinoco, no leste. Estes incluem cerrados no extremo noroeste e litoral e florestas de mangue no nordeste.[41] Suas florestas de baixa altitude e tropicais são particularmente ricas.[42]

A fauna da Venezuela é diversa e inclui espécies pouco conhecidas como o peixe-boi, preguiça de três dedos, preguiça-de-coleira, boto-cor-de-rosa e crocodilo-do-orinoco, que foram relatados atingir até 6,6 metros de comprimento. A Venezuela abriga um total de 1.417 espécies de aves, 48 das quais são endémicas.[43] Aves importantes incluem o íbis, diversos tipos de águias, maçaricos e o turpial, a ave nacional da Venezuela.[42] Os ​​mamíferos mais notáveis são o tamanduá-bandeira, onça-pintada e a capivara, o maior roedor do mundo.[44] Mais de metade das espécies de aves e mamíferos venezuelanos são encontradas nas florestas da Amazônia e ao sul do rio Orinoco.[45]

Sobre a flora presente na Venezuela, mais de 25.000 espécies de orquídeas são encontradas nas florestas do país e nos ecossistemas da floresta de várzea.[42] Estas incluem a flor de mayo (Cattleya mossiae), que é tida como a flor nacional venezuelana. A árvore nacional da Venezuela é o Ipê amarelo (ou araguaney, como é chamado no país) cuja característica exuberante após o período chuvoso levou o romancista Rómulo Gallegos a nomeá-la de "a primavera de oro de los araguaneyes" (a primavera de ouro dos araguaneyes).[44]

O Ipê-amarelo (ou araguaney) é a Árvore Nacional da Venezuela.

Se tratando de fungos, uma conta foi fornecida por R.W.G. Dennis, sendo digitalizada e os registros disponibilizados online como parte do banco de dados do Cybertruffle Robigalia.[46] [47] Este banco de dados inclui cerca de 3.900 espécies de fungos registrados na Venezuela, mas está longe de ser completa, e é provável que o número total de espécies de fungos já conhecidos no país seja maior, dada a estimativa geralmente aceita de que apenas 7% de todos os fungos em todo o mundo foram descobertos, catalogados e estudados até o momento.[48]

O país está entre os vinte melhores em termos de endemismo.[44] Entre os seus animais, 23% dos répteis e 50% das espécies de anfíbios são endémicas.[44] Embora a quantidade de informação disponível ainda é muito pequena, um primeiro esforço foi feito para estimar o número de espécies de fungos endêmicos para a Venezuela: Aproximadamente 1.334 espécies de fungos foram identificados como possíveis endemias do país. Cerca de 38% dos mais de 21 mil espécies de plantas conhecidas da Venezuela são exclusivas do país.[44] A Venezuela é atualmente o lar de uma reserva da biosfera, o Alto Orinoco-Casiquiare, que faz parte da Rede Mundial de Reservas da Biosfera, além de cinco zonas úmidas que estão registradas nos termos da Convenção de Ramsar. Em 2003, 70% das terras do país estavam sob a gestão da conservação em mais de 200 áreas protegidas, incluindo 43 parques nacionais. Nas últimas décadas, a exploração madeireira, mineração, agricultura itinerante e outras atividades humanas têm servido como ameaça para a biodiversidade venezuelana. Entre 1990 e 2000, 0,40% da cobertura florestal foi desmatada anualmente. No mesmo período, foram implementadas medidas de proteções federais, como a proteção de 20% a 33% da área florestal venezuelana.[44]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Densidade populacional da Venezuela em 2001;

Cerca de 85% da população vive em áreas urbanas na parte norte do país. Apesar de metade da área terrestre da Venezuela se situar ao sul do rio Orinoco, esta região contém apenas 5% da população. A língua nacional e oficial é o espanhol, mas existem também numerosas línguas indígenas e as línguas introduzidas pelos imigrantes.

O povo venezuelano inclui uma rica combinação de heranças. Com o processo de colonização espanhola, houve uma miscigenação entre ameríndios, africanos e europeus (principalmente espanhóis). A maioria da população hoje tem ascendência em um ou mais grupos citados anteriormente.[49] A população se identifica da seguinte forma: 49,9 %: multirracial (de qualquer tipo); 42,2 % como descendentes de europeus; 3,5 %como descendentes de africanos; e 2,7% como ameríndios[50] .

De acordo com um estudo genético de DNA (ADN, em Portugal) autossômico, realizado em 2008, pela Universidade de Brasília (UnB) a composição da população da Venezuela é a seguinte: 60,60% de contribuição europeia, 23% de contribuição indígena e 16,30% de contribuição africana.[51]

Historicamente o catolicismo romano é a religião predominante na Venezuela, situação que se mantém, uma vez que 85,7% da população identifica-se pelo menos nominalmente com esta denominação. A liberdade religiosa está consagrada na constituição da Venezuela, sendo o país tolerante face a outras religiões. A seguir ao catolicismo, destacam-se várias igrejas protestantes (12%) e pequenos grupos de judeus (sobretudo em Caracas e Maracaibo) e muçulmanos. Alguns índios ainda praticam as suas religiões ancestrais.[52] À semelhança do que acontece em outros países da América Latina praticam-se na Venezuela cultos sincrétios que são uma fusão de elementos das religiões indígenas, da religião dos descendentes dos escravos africanos e do catolicismo, como o culto de María Lionza.

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Nicolás Maduro, o atual presidente da Venezuela, que assumiu o cargo após a morte de Hugo Chávez em 2013.
Imagem aérea da sede da Assembleia Nacional da Venezuela.

A Venezuela é uma república federal e presidencialista governada pela Constituição de 1999. Esta constituição consagrou a existência de cinco poderes: executivo, legislativo, judiciário, cidadão e eleitoral.

O poder executivo recai sobre o presidente da República, eleito por sufrágio universal para um mandato de seis anos, podendo ser reeleito infinitamente, depois de referendada a emenda constitucional, por voto popular. Ele é simultaneamente chefe de Estado e chefe de governo. É também o Comandante Supremo das Forças Armadas. Nomeia o vice-presidente da República (cargo ocupado desde janeiro de 2007 por Jorge Rodríguez Gómez) e os ministros.

O poder legislativo reside na Asamblea Nacional (Assembleia Nacional), parlamento unicameral composto por 167 membros, 3 dos quais representantes dos povos indígenas. Os membros da assembleia são eleitos para um período de 5 anos, podendo ser reeleitos para mais dois mandatos. Entre as funções da Assembleia Nacional encontram-se para aprovar as leis e o orçamento e designar os embaixadores. Antes da aprovação da constituição de 1999 a Venezuela tinha um parlamento bicameral, composto pelo Senado e pela Câmara dos Deputados. As últimas eleições para a Assembleia Nacional tiveram lugar em Dezembro de 2005.

O Supremo Tribunal de Justiça, órgão máximo do poder judiciário, é constituído por 36 membros eleitos para um mandato único de doze anos, sendo designados pela Assembleia Nacional.

Cada estado possui um governador (eleito para um período de quatro anos) e um Conselho Legislativo; o Distrito Capital tem um governador (eleito para um período de quatro anos). O alcalde (prefeito, presidente da Câmara Municipal), é a principal figura do poder municipal, sendo eleito também para um mandato de quatro anos.

Os principais partidos políticos venezuelanos são a Acción Democrática (AD, fundado em 1941 por Rómulo Gallegos e Rómulo Betancourt), o Partido Social Cristiano (COPEI, fundado em 1946 por Rafael Caldera), o Movimiento V República (MVR, liderado desde a sua fundação em 1997 por Hugo Chávez), Un Nuevo Tiempo, (fundado em 2000 por Manuel Rosales), Primero Justicia, (fundado em 2000 por Julio Borges), Moviemento al Socialismo (MAS) e Convergencia (fundado em 1993). Em 2007 Hugo Chavez criou o Partido Socialista Unificado Venezuelano (PSUV), o qual conquistou mais de 5 milhões de inscritos em poucos meses, tornando-se o principal partido.

A população venezuelana atua diretamente na política através dos conselhos comunais. Estes conselhos são comunidades de aproximadamente 200 famílias que moram próximos e possuem laços em comum. Através de assembleias populares os cidadãos decidem quais obras deverão ser executadas naquela comunidade. Estes grupos participam da política chegando a propor e aprovar leis, como por exemplo, a Lei de Terras, leis contra o açambarcamento em supermercados e a própria lei dos conselhos comunais.

Segundo a ONU, o país se encontra em 'estado de exceção', com o governo sendo acusado de ameaçar e torturar opositores. Em contrapartida, José Rangel Avalos, vice-ministro do Interior, afirma que: "A tortura não faz parte da realidade política da Venezuela" e que a população tem a garantia de seus direitos.[53]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

O ex-presidente Hugo Chávez com o presidente da Rússia Vladimir Putin.

Durante a maior parte do século XX, a Venezuela manteve relações amistosas com os países latino-americanos e ocidentais. As relações entre a Venezuela e o governo dos Estados Unidos pioraram após o golpe de Estado na Venezuela de 2002, durante a qual o governo estadunidense reconheceu a presidência interina de Pedro Carmona. Do mesmo modo, laços com vários países da América Latina e do Oriente Médio que não são aliados dos Estados Unidos foram fortalecidos.

A Venezuela busca alternativas de integração hemisférica, através de propostas como a Aliança Bolivariana para as Américas e a recém-lançada rede de televisão pan-latino-americana, TeleSUR. A Venezuela é uma das quatro nações no mundo, juntamente com a Rússia, a Nicarágua e Nauru, que reconheceu a independência da Abecásia e da Ossétia do Sul. A Venezuela foi um defensor da decisão da Organização dos Estados Americanos para adotar a sua Convenção Anti-Corrupção e está trabalhando ativamente no Mercosul para pressionar o aumento do comércio e da integração energética. Globalmente, buscando a formação de um mundo "multipolar", baseado no fortalecimento dos laços diplomáticos entre os países do Terceiro Mundo.

Toda a região a oeste do rio Essequibo (quase 60% do território da Guiana) é reivindicada pela Venezuela como sendo parte de seu território subtraído no século–XIX pela Inglaterra, então potência colonial que administrava a antiga Guiana Britânica. A disputa está em moratória. A região é denominada pela Venezuela de Guiana Essequiba.

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Caça Sukhoi Su-30 da Força Aérea da Venezuela.

A Força Armada Nacional da República Bolivariana da Venezuela (Fuerza Armada Nacional, FAN) são as forças armadas da Venezuela. Ela inclui mais de 129 150 homens e mulheres, nos termos do artigo 328 da Constituição, em cinco componentes de terra, mar e ar. Os componentes das Forças Armadas Nacionais são: o Exército venezuelano, a Marinha venezuelana, a Força Aérea venezuelana, a Guarda Nacional Venezuelana e a Milícia Nacional da Venezuela.

Em 2008, cerca de 600 000 soldados foram incorporados em um novo ramo, conhecido como Reserva Armada. O presidente da Venezuela é o comandante-em-chefe das forças armadas do país. As principais funções das forças armadas são defender o território nacional soberano da Venezuela, o espaço aéreo, as ilhas, a luta contra o narcotráfico, busca e salvamento e, no caso de um desastre natural, a proteção civil. Todos os homens que são cidadãos da Venezuela têm o dever constitucional de se inscrever nas forças armadas na idade de 18 anos, que é a idade de maioridade na Venezuela.

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

Estados[editar | editar código-fonte]

A Venezuela é uma república federal dividida em 23 estados, um Distrito Capital (que compreende a cidade de Caracas e a sua área metropolitana), as Dependências Federais (formada por 72 ilhas e ilhotas na sua maioria sem população humana) e um território em reivindicação com a Guiana (Guayana Esequiba).

Os 23 estados da Venezuela são os seguintes (entre parênteses figura o nome da capital de cada estado):

Estados da Venezuela
  1. Amazonas (Puerto Ayacucho)
  2. Anzoátegui (Barcelona)
  3. Apure (San Fernando de Apure)
  4. Aragua (Maracay)
  5. Barinas (Barinas)
  6. Bolívar (Ciudad Bolívar)
  7. Carabobo (Valencia)
  8. Cojedes (San Carlos)
  9. Delta Amacuro (Tucupita)
  10. Falcón (Coro)
  11. Guárico (San Juan de Los Morros)
  12. Lara (Barquisimeto)
  1. Mérida (Mérida)
  2. Miranda (Los Teques)
  3. Monagas (Maturín)
  4. Nueva Esparta (La Asunción)
  5. Portuguesa (Guanare)
  6. Sucre (Cumaná)
  7. Táchira (San Cristóbal)
  8. Trujillo (Trujillo)
  9. Yaracuy (San Felipe)
  10. Vargas (La Guaira)
  11. Zulia (Maracaibo)

Regiões[editar | editar código-fonte]

Os estados da Venezuela encontram-se agrupados em nove regiões administrativas, que foram criadas a partir de um decreto presidencial de 1980. As regiões e os estados que as compõem são as seguintes:

Nome Estados
Venezuela Regiones Administrativas.svg
  Andes
Mérida, Trujillo, Barinas
Miranda, Vargas, Distrito Capital
Aragua, Carabobo, Cojedes
Falcón, Lara, Portuguesa, Yaracuy
Bolívar, Amazonas, Delta Amacuro
Nueva Esparta, Dependências Federais
  Llanos
Apure (excluindo o município Páez), Guárico
Anzoátegui, Monagas, Sucre
Zulia
Táchira, Município Páez de Apure

Economia[editar | editar código-fonte]

Gráfico das principais exportações do país (em inglês).

O Banco Central da Venezuela é responsável pelo desenvolvimento da política monetária para o bolívar venezuelano, que é usado como moeda. A moeda é impresso principalmente em papel e distribuídos por todo o país. O presidente do Banco Central da Venezuela é atualmente Eudomar Tovar, que também atua como representante do país no Fundo Monetário Internacional. De acordo com a Heritage Foundation e o The Wall Street Journal, a Venezuela tem os direitos de propriedade mais fracos do mundo, marcando apenas 5,0 em uma escala de 100; a expropriação sem indenização não é algo incomum no país. A Venezuela tem uma economia mista baseada no mercado dominado pelo setor do petróleo, que responde por cerca de um terço do PIB, cerca de 80% das exportações e mais da metade do orçamento do governo. O PIB per capita em 2009 foi de 13 mil dólares, ocupando o 85º lugar no mundo.[10] A Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo, porque o preço ao consumidor é fortemente subsidiado pelo governo.

Mais de 60% das reservas internacionais da Venezuela estão em ouro, oito vezes mais do que a média para os países da região. A maioria do ouro da Venezuela detido no exterior está localizado em Londres. Em 25 de novembro de 2011, a primeira das barras de ouro de 11 bilhões de dólares foi repatriada e chegou em Caracas; Chávez chamou a repatriação do ouro um passo "soberano", que irá ajudar a proteger as reservas internacionais do país da turbulência nos Estados Unidos e a Europa.[54] No entanto as políticas governamentais rapidamente gastaram este ouro e em 2013, o governo foi forçado a adicionar o reservas em dólar de empresas estatais que os do banco nacional, a fim de tranquilizar o mercado internacional de títulos.[55]

Complexo Parque Central Torre, na cidade de Caracas.
Favela em Caracas.

A indústria contribuiu com 17% do PIB em 2006. As fábricas e exportadores do país produzem produtos como aço, alumínio e cimento, com a produção concentrada em torno de Ciudad Guayana, perto da Hidrelétrica de Guri, um dos maiores do mundo e o provedor de cerca de três quartos da eletricidade da Venezuela. Outras indústrias notáveis incluem eletrônicos e automóveis, bem como bebidas e alimentos. A agricultura responde por cerca de 3% do PIB, 10% da força de trabalho e pelo menos um quarto da área terrestre do país. A Venezuela exporta arroz, milho, peixe, frutas tropicais, café, carne bovina e carne de porco. O país não é autossuficiente na maioria dos setores agrícolas. Em 2012, o consumo total de alimentos foi de mais de 26 milhões de toneladas, um aumento de 94,8% em relação a 2003.[56]

Desde a descoberta de petróleo no início do século XX, a Venezuela tem sido um dos principais exportadores mundiais do produto e é um membro fundador da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Anteriormente um exportador subdesenvolvido de commodities agrícolas, como o café e o cacau, o petróleo rapidamente passou a dominar as exportações e as receitas do governo. A superabundância de petróleo dos anos 1980 levou a uma crise da dívida externa e a uma crise econômica de longa duração, que viu pico da inflação em 100% em 1996 e as taxas de pobreza subirem para 66% em 1995[57] Em 1998 o PIB per capita caiu para o mesmo nível de 1963, uma queda de um terço de seu pico de 1978.[58] A década de 1990 também viu a Venezuela experimentar uma grande crise bancária em 1994. A recuperação dos preços do petróleo a partir de 2001 impulsionou a economia venezuelana e facilitou os gastos sociais. Em 2003, o governo de Hugo Chávez implementou controles cambiais após a fuga de capitais que levou a uma desvalorização da moeda. Isto levou ao desenvolvimento de um mercado paralelo de dólares nos anos seguintes, com a taxa de câmbio oficial a menos de um sexto do valor do mercado negro. As consequências da crise financeira global de 2008 aprofundaram a desaceleração econômica.

No início de 2013, a Venezuela desvalorizou sua moeda, devido à falta crônica de produtos básicos no país,[59] como papel higiênico, leite e farinha.[60] O pânico subiu a níveis tão altos devido à escassez de papel higiênico que o governo ocupou uma fábrica de papel higiênico.[61] Os bônus da Venezuela também diminuíram várias vezes em 2013 devido a decisões do presidente Nicolás Maduro. Uma de suas decisões foi a de forçar lojas e seus armazéns a vender todos os seus produtos, o que podia levar a uma escassez ainda maior no futuro.[62] A classificação de crédito da Venezuela também foi considerada negativa pela maioria das agências de classificação.[63]

Com os programas sociais, como as missões bolivarianas, a Venezuela fez progressos no desenvolvimento social na década de 2000, particularmente em áreas como saúde, educação e pobreza. Muitas das políticas sociais prosseguidos por Chávez e seu governo foram tiradas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, oito metas que a Venezuela e 188 outras nações concordaram em cumprir perante as Nações Unidas em setembro de 2000.[64]

Petróleo e outros recursos[editar | editar código-fonte]

A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo e gás natural do mundo, além de ser classificada consistentemente entre os dez maiores produtores mundiais de petróleo.[65] Em comparação com o ano anterior, outros 40,4% em reservas de petróleo bruto foram comprovados em 2010, permitindo que a Venezuela superasse a Arábia Saudita como o país com as maiores reservas desse tipo.[66] As principais jazidas de petróleo do país estão localizadas em torno e abaixo do lago Maracaibo, no Golfo da Venezuela (ambos em Zulia) e na bacia do rio Orinoco (Venezuela leste), onde maior reserva do país está localizada. Além das maiores reservas de petróleo convencional e a segunda maior reserva de gás natural do Hemisfério Ocidental,[67] o país também possui depósitos não convencionais de petróleo (óleo bruto extra-pesado, betume e areias betuminosas) aproximadamente iguais às reservas mundiais de petróleo convencional.[68] O sistema elétrico na Venezuela é um dos poucos a usar principalmente a energia hidrelétrica, e inclui a Hidrelétrica de Guri, uma dos maiores do mundo.

Vista de parte do Complexo de Paraguaná, da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), uma das maiores refinarias do mundo.

Na primeira metade do século XX, as empresas de petróleo dos Estados Unidos estiveram fortemente envolvidas na Venezuela, inicialmente interessadas apenas em comprar concessões.[69] Em 1943, um novo governo introduziu uma divisão 50/50 nos lucros entre o governo e a indústria do petróleo. Em 1960, com um governo democrático recém-instalado, o ministro de hidrocarbonetos, Juan Pablo Pérez Alfonso, liderou a criação da OPEP, o consórcio de países produtores de petróleo com o objetivo de apoiar o preço do petróleo.[70]

Em 1973, a Venezuela votou a nacionalizar sua indústria petrolífera, a partir de 1 janeiro de 1976, com a Petróleos de Venezuela (PDVSA) assumido e presidindo uma série de empresas subsidiárias; nos anos seguintes, o país construiu um vasto sistema de refino e comercialização na Europa e nos Estados Unidos.[71] Na década de 1990, a PDVSA tornou-se mais independente do governo e presidiu uma abertura, na qual convidou em investimentos estrangeiros. No governo de Hugo Chávez, uma lei de 2001 estabeleceu limites ao investimento estrangeiro.

A empresa estatal de petróleo, a PDVSA, desempenhou um papel fundamental em dezembro de 2002, durante a greve nacional que terminou em fevereiro de 2003, e que buscava a renúncia do presidente Chávez. Gestores e técnicos qualificados bem pagos da PDVSA fecharam as plantas e deixaram os seus postos e, de acordo com alguns relatos, sabotaram equipamentos, fazendo com que a produção e o refino de petróleo PDVSA quase parasse. As atividades foram lentamente reiniciadas e os trabalhadores do petróleo substituídos. Como resultado da greve, cerca de 40% da força de trabalho da empresa (cerca de 18 mil trabalhadores) foram demitidos por "abandono do dever" durante a greve.[72] [73]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A taxa de alfabetização da população adulta já foi de 91,1% da população em 1998.[75] Em 2008, 95,2% da população adulta era alfabetizada.[75] A taxa líquida de matrícula na escola primária era de 91% em 2005, enquanto a taxa líquida de escolarização secundária estava em 63% em 2005.[75] A Venezuela também tem várias universidades, das quais a mais prestigiosa são da Universidade Central da Venezuela (UCV), fundada em Caracas em 1721, a Universidade de Zulia (LUZ), fundada em 1891, a Universidade dos Andes (ULA), fundada no estado de Mérida, em 1810, e a Universidade Simón Bolívar (USB), fundada no estado de Miranda, em 1967.

Atualmente, um grande número de graduados venezuelanos procuram um futuro em outro lugar devido a economia conturbada e a taxa de criminalidade pesada no país. Em um estudo intitulado "Comunidade Venezuelana no Exterior", da Universidade Central da Venezuela, mais de 1,35 milhão de graduados universitários venezuelanos deixaram o país desde o início da Revolução Bolivariana.[76] [77] Acredita-se quase 12% dos venezuelanos vivem no exterior, sendo que a Irlanda tem se tornando um destino popular para os estudantes.[78] De acordo com Claudio Bifano, presidente da Academia Venezuelana de Física, Matemática e Ciências Naturais, mais da metade dos médicos formados em 2013 havia deixado o país.[79]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital Central Dr. Urquinaona, em Maracaibo.

A mortalidade infantil na Venezuela estava em 16 mortes a cada 1 000 nascimentos em 2004, muito mais baixo do que a média da América do Sul.[80] [81] Má nutrição de crianças atinge 17%, com Delta Amacuro e Amazonas tendo os piores índices.[82] De acordo com as Nações Unidas, 32% dos venezuelanos não possuem saneamento adequado, principalmente aqueles vivendo em áreas rurais.[83] As doenças variam desde febre tifoide, febre amarela, cólera, hepatite A, hepatite B e hepatite D, presentes em todo o país.[84] Apenas 3% dos doentes são tratados; a maioria das grandes cidades não tem instalações de tratamento suficientes.[85] 17% dos venezuelanos não possuem acesso a água potável.[86]

Turistas que vão para a Venezuela são avisados para obterem vacinação para as várias doenças do país.[84] Em uma epidemia de cólera nos anos de 1992 e 1993 no delta do Orinoco, os líderes políticos da Venezuela foram acusados de colocar a culpa na raça dos doentes (como se alguma característica da raça tenha feito eles ficarem doentes) para retirar a culpa das instituições do país, e assim agravando a epidemia.[87]

O governo está tentando criar um sistema de saúde nacional e universal que seja gratuito.[88] [89]

Vinte e cinco mil médicos cubanos estão atuando na Venezuela. Estes muitas vezes moram e atendem em comunidades carentes. Além dos atendimentos, estes médicos estão dando formações em saúde para pessoas destas comunidades. O programa Barrio Adentro construiu diversos hospitais e postos de saúde em comunidades carentes da Venezuela.

Transportes[editar | editar código-fonte]

A Venezuela está ligada ao mundo principalmente por via aérea (os aeroportos venezuelanos incluem o Aeroporto Internacional Simón Bolívar em Maiquetía, perto de Caracas, e Aeroporto Internacional de La Chinita, perto de Maracaibo) e pelo mar (com os principais portos marítimos em La Guaira, Maracaibo e Puerto Cabello). No sul e no leste, na região da floresta amazônica, o transporte transfronteiriço é limitado; no oeste, há uma fronteira montanhosa de mais de 2.213 quilômetros compartilhada com a Colômbia. O rio Orinoco é navegável por navios de até 400 km no interior do país e se conecta a principal cidade industrial de Ciudad Guayana no Oceano Atlântico.

A Venezuela tem um sistema ferroviário nacional limitado, que não tem ligações ferroviárias ativas para outros países. O governo de Hugo Chávez tentou investir na expansão, mas o projeto ferroviário da Venezuela está em espera devido ao país não ser capaz de pagar os 7,5 bilhões de dólares devidos a China Railway.[90] Várias grandes cidades têm sistemas de metrô; o Metrô de Caracas está em funcionamento desde 1983; o Metrô de Maracaibo e de Valencia foram abertos mais recentemente. O país tem uma rede rodoviária de cerca de 100 mil quilômetros de extensão, a 45ª maior rede do mundo,[91] sendo que cerca de um terço das estradas são pavimentadas.

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cultura da Venezuela é um mistura que inclui, essencialmente, três famílias diferentes: os ameríndios, os africanos e os espanhóis. As duas primeiras culturas eram, por sua vez, diferenciadas de acordo com as tribos. A aculturação e assimilação, típica de um sincretismo cultural, causou impacto na cultura venezuelana atual, similar em muitos aspectos ao resto da América Latina, embora haja diferenças importantes.

A influência indígena é limitado a algumas palavras de vocabulário e gastronomia e a muitos nomes de lugares. A influência africano da mesma forma, além de instrumentos musicais como o tambor. A influência espanhola foi predominante (devido ao processo de colonização e da estrutura sócio-econômica que foi criada) e, em particular, das regiões de Andaluzia e Extremadura, os locais de origem da maioria dos colonos no Caribe durante a era colonial. Um exemplo disso inclui edifícios, música, a religião católica e o idioma espanhol.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O beisebol é o esporte mais popular da Venezuela, sendo que a Liga Venezuelana de Beisebol Profissional existe desde 1945.[92] Além do beisebol, outros esportes populares no país são o basquete e o futebol.[93] Venezuela sediou o Mundial Pré-Olímpico de Basquete de 2012 e a Copa América de Basquetebol Masculinode 2013, que aconteceu no Poliedro de Caracas. O futebol, liderado pela Seleção Venezuelana de Futebol está ganhando popularidade também.

Venezuela também é o lar de piloto de Fórmula 1, Pastor Maldonado. No Grande Prêmio da Espanha de 2012, ele conquistou sua primeira vitória e se tornou o primeiro e único venezuelano ter feito isso em toda a história da Fórmula 1. Maldonado tem aumentado a popularidade da Fórmula 1 na Venezuela e agora está inspirando milhares de jovens crianças venezuelanas a seguir carreira no esporte.

Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, venezuelano Rubén Limardo conquistou o ouro na esgrima.

Feriados[editar | editar código-fonte]

Data Nome local Nome em português Notas
1 de Janeiro Día de Año Nuevo Ano Novo
6 de Janeiro Día de Reyes Dia de Reis Dia no qual as crianças recebem presentes
Segunda e terça-feira antes da quarta-feira de Cinzas Carnaval Carnaval -
do Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa Semana Santa Semana Santa
19 de Março Día de San José Dia de São José
19 de Abril 19 de abril Começo do movimento pela independência em 1810
1 de Maio Día del Trabajador Dia do Trabalhador -
24 de Junho Batalla de Carabobo Batalha de Carabobo Conquista da independência. Também se comemora o Dia do Exército.
5 de Julho 5 de julio Dia da Independência Assinatura da Declaração de Independência
3 de Agosto Día de la bandera Dia da Bandeira
12 de Outubro Día de la Resistencia Indígena Dia da Resistência Indígena Anteriormente este dia era chamado "Día de la Raza" e celebrava a chegada de Cristóvão Colombo à América
1 de Novembro Día de Todos los Santos Dia de Todos os Santos
1719 de Novembro Feria de la Chinita Féria de La Chinita Apenas na região de Zulia; celebra o milagre de Nossa Senhora do Rosario de Chiquinquirá.
8 de Dezembro Inmaculada Concepción Imaculada Conceição
24 de Dezembro Nochebuena Véspera de Natal Nascimento de Jesus (Divino Niño).
31 de Dezembro Nochevieja Noite de São Silvestre Último dia do ano

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Población total, por sexo, 1990-2015 (em Espanhol) Instituto Nacional de Estadística de Venezuela. Visitado em 04/01/2009.
  2. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  3. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 25 de julho de 2014.
  4. Gini coefficient for the Bolivarian Republic of Venezuela Instituto Nacional de Estadística (2011).
  5. "Los Símbolos Patrios", Conservation International, Consulado General de Venezuela en Canarias. Página visitada em 27 de janeiro de 2010. (em Spanish)
  6. Venezuela Boundary Dispute, 1895–1899.
  7. "South America Banks on Regional Strategy to Safeguard Quarter of Earth's Biodiversity", Conservation International. Página visitada em 29 June 2007.
  8. "South America".. Encarta. Consultado em 13 March 2007. 
  9. Annex tables (PDF) World Urbanization Prospects: The 1999 Revision United Nations. Visitado em 13 March 2007.
  10. a b Venezuela The World Factbook CIA (1 de julho de 2010). Visitado em 23 de julho de 2010.
  11. Schuyler, George W.. (2001). "Health and Neoliberalism: Venezuela and Cuba".
  12. "Profile: Hugo Chavez", BBC News, 5 de dezembro de 2002. Página visitada em 5 de junho de 2007.
  13. "Profile: Pedro Carmona", BBC, 27 May 2002. Página visitada em 6 de fevereiro de 2009.
  14. López Maya, Margarita (2005) "Venezuela 2002–2003: Polarisation, Confrontation, and Violence", p. 16 in Olivia Burlimgame Goumbri (ed.), The Venezuela Reader, Epica Task Force, Washington, D.C., ISBN 0918346355.
  15. Jones, Bart (2008), Hugo! The Hugo Chavez Story From Mud Hut to Perpetual Revolution, London: The Bodley Head, p386
  16. "Venezuela devalues currency against US dollar". Aljazeera.com (9 de fevereiro de 2013). Retrieved on 20 April 2013.
  17. Cardenas, Jose R. (26 de fevereiro de 2013) "CARDENAS: Hugo Chavez's legacy of economic chaos". Washingtontimes.com. Retrieved on 20 April 2013.
  18. "The bill for years of mismanagement is coming due". Ft.com (12 de fevereiro de 2013). Acessado em 20 de abril de 2013.
  19. "Venezuela The homecoming". Economist.com (23 de fevereiro de 2013). Acessado em 20 de abril de 2013.
  20. Farzad, Roben. (15 de fevereiro de 2013) "Venezuela's Double-Edged Devaluation". Businessweek.com. Acessado em 20 de abril de 2013.
  21. Mander, Benedict. (10 February 2013) "Venezuelan devaluation sparks panic". Ft.com. Acessado em 20 de abril de 2013.
  22. Neuman, William (5 de março de 2013) "Chávez Dies, Leaving Sharp Divisions in Venezuela". New York Times.
  23. Venezuelan Politics and Human Rights. Venezuelablog.tumblr.com. Acessado em 20 de abril de 2013.
  24. "Venezuelan opposition challenges Nicolás Maduro's legitimacy", The Guardian, 9 de março de 2013.
  25. TSJ sobre Art.233: Nicolás Maduro es presidente encargado con todas las atribuciones. vtv.gob.ve (8 de março de 2013).
  26. Asamblea Nacional tomó Juramento a Nicolás Maduro como Presidente Encargado (+Video). vtv.gob.ve (9 de março de 2013)
  27. Lopez, Linette. "Why The United States Has Done Nothing About Venezuela", 11 de abril de 2014. Página visitada em 12 April 2014.
  28. "Protesters in Venezuela Press Government", 23 February 2014. Página visitada em 12 de abril de 2014.
  29. "Venezuelans protest en masse in rival rallies", 24 de fevereiro de 2014. Página visitada em 12 de abril de 2014.
  30. "Venezuela's Maduro says 2013 annual inflation was 56.2 pct", 30 de dezembro de 2013. Página visitada em 19 January 2014.
  31. "Venezuela Inflation Hits 16-Year High as Shortages Rise", 7 de novembro de 2013. Página visitada em 16 February 2014.
  32. a b "Venezuela's Lopez says ready for arrest at Tuesday march", Thomson Reuters, 16 February 2014. Página visitada em 16 de fevereiro de 2014.
  33. Venezuela HRF Declares Leopoldo Lopez a Prisoner of Conscience and Calls for his Immediate Release Human Rights Foundation.
  34. Country Profile: Venezuela (PDF) Library of Congress (Federal Research Division) (2005).
  35. Tundra. [S.l.: s.n.], 2006. ISBN 9780761421931. Visitado em 27 de janeiro de 2010. . p. 65.
  36. Gobierno en Línea: Geografía, Clima gobiernoenlinea.ve (2009). Visitado em 27 de janeiro de 2009.
  37. The Alpine Biome Maritta. Visitado em 19 de dezembro de 2009.
  38. Venezuela entre los 17 países megadiversos del mundo (em espanhol) Unet. Visitado em 5 de maio de 2014.
  39. Venezuela, país Megadiverso, celebra la biodiversidad (em espanhol) Código Venezuela. Visitado em 5 de maio de 2014.
  40. Países megadiversos concentram a maior parte da fauna e flora da Terra Globo Ecologia (4 de agosto de 2012). Visitado em 5 de maio de 2014.
  41. Country Profile: Venezuela (PDF) (em inglês) Library of Congress – Federal Research Division (março de 2005). Visitado em 5 de maio de 2014.
  42. a b c Faia, C. e Dydynski, K. (2004) Venezuela , Lonely Planet, p. 42, ISBN 174104197X .
  43. Lepage, Denis (2007). Avibase - Bird Checklists of the World: Venezuela (em inglês) Avibase. Visitado em 5 de maio de 2014.
  44. a b c d e f About Venezuela rainforest basin, nature travel ideas (em inglês) Latintrails. Visitado em 6 de maio de 2014.
  45. Bevilacqua, M; Cardenas, L; Flores (2002). State of Venezuela's forests: A case study of the Guayana Region (em inglês) World Resources Institute. Visitado em 5 de maio de 2014.
  46. Dennis, R.W.G. "Fungus Flora of Venezuela and Adjacent Countries". Her Majesty's Stationary Office, London, 1970
  47. CYBERTRUFFLE'S ROBIGALIA - Observations of fungi and their associated organisms (em inglês) Cybertruffle. Visitado em 6 de maio de 2014.
  48. Kirk, P.M., Cannon, P.F., Minter, D.W. and Stalpers, J. (2008 ) "Dictionary of the Fungi". 10th ed., CABI, ISBN 0-85199-826-7
  49. Pacievitch, Thais (27 de maio de 2008). População da Venezuela InfoEscola. Visitado em 1 de agosto de 2012.
  50. [1]
  51. Godinho, Neide Maria de Oliveira (2008). O impacto das migrações na constituição genética de populações latino-americanas Universidade de Brasília. Visitado em 1 August 2012.
  52. International Religious Freedom Report 2008: Venezuela. United States Bureau of Democracy, Human Rights and Labor (21 de dezembro de 2008)
  53. http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,venezuela-atua-como-se-vivesse-em-estado-de-excecao-diz-onu,1588876
  54. Venezuela: Gold Returns to the Country, The Euphoria in the Streets (26 de novembro de 2011).
  55. "Venezuela Ogles Chavez’s Hidden Billions as Reserves Sink", BLOOMBERG L.P., 9 de agosto de 2013. Página visitada em 19 de outubro de 2013.
  56. Pearson, Tamara (9 January 2013). Venezuelan Government Meets with Private Industries to Combat Food Shortages. Venezuelanalysis.com.
  57. McCaughan, Michael. The Battle of Venezuela. [S.l.]: Seven Stories Press, 2011. p. 32. ISBN 978-1-60980-116-8.
  58. Kelly, Janet and Palma, Pedro (2006) "The Syndrome of Economic Decline and the Quest for Change", p. 207 in McCoy, Jennifer and Myers, David (eds, 2006), The Unraveling of Representative Democracy in Venezuela, Johns Hopkins University Press, ISBN 0-8018-8428-4.
  59. "Venezuela Slashes Currency Value", 9 de fevereiro de 2013. Página visitada em 14 de dezembro de 2013.
  60. Lopez, Virginia. "Venezuela food shortages: 'No one can explain why a rich country has no food'", 26 de setembro de 2013. Página visitada em 14 de dezembro de 2013.
  61. "Facing shortages, Venezuela takes over toilet paper factory", 21 de setembro de 2013. Página visitada em 14 December 2013.
  62. Bases, Daniel. "UPDATE 2-S&P cuts Venezuela debt rating to B-minus", 14 de dezembro de 2013. Página visitada em 14 December 2013.
  63. Rating: Venezuela Credit Rating. Visitado em 14 de dezembro de 2013.
  64. "The Millennium Development Goals Report 2011."[ligação inativa] United Nations. 2011. Web. 2 de abril de 2012.
  65. Arquivado em dezembro 15, 2010 no Wayback Machine, Energy Information Administration
  66. Venezuela oil reserves topped Saudis in 2010:OPEC. Market Watch. 18 de julho de 2011
  67. "Venezuela: Energy overview", BBC, 16 de fevereiro de 2006. Página visitada em 10 de julho de 2007.
  68. Bauquis, Pierre-René (16 de fevereiro de 2006). What the future for extra heavy oil and bitumen: the Orinoco case World Energy Council. Visitado em 10 de julho de 2007. Cópia arquivada em 2 de abril de 2007.
  69. Yergin, Daniel (1990) The Prize: The Epic Quest for Oil, Money, and Power, Simon and Schuster, pp. 233–236, 432, ISBN 1439110123.
  70. Yergin, pp. 510–513
  71. Yergin. p. 767
  72. McCaughan, Michael. The Battle of Venezuela. [S.l.]: Seven Stories Press, 4 de janeiro de 2011. p. 128. ISBN 978-1-60980-116-8.
  73. López Maya, Margarita. (2004). "Venezuela 2001–2004: actores y estrategias". Cuadernos del Cendes 21 (56): 109–132. ISSN 1012-2508.
  74. Ciudad Universitaria de Caracas World Heritage List.
  75. a b c Human Development Report 2009 – Venezuela (Bolivarian Republic of) Hdrstats.undp.org. Visitado em 25 de abril de 2010.
  76. "Venezuela agobiada por la fuga masiva de cerebros", 28 de agosto de 2014. Página visitada em 28 August 2014.
  77. "El 90% de los venezolanos que se van tienen formación universitaria", 23 de agosto de 2014. Página visitada em 28 de agosto de 2014.
  78. Goodman, Joshua. "Venezuela's Best and Brightest Camp on Sidewalks", 31 de janeiro de 2014. Página visitada em 9 de fevereiro de 2014.
  79. (12 June 2014) "Capacity building: Architects of South American science". Nature 510. DOI:10.1038/510209a.
  80. UNDP. Human Development Report 2006: Venezuela. Accessed March 8, 2007.
  81. Population, Health, and Human Well-Being—Venezuela (PDF) EarthTrends Country Profiles World Resources Institute (2003). Visitado em 2007-03-10.
  82. FAO. Venezuela. Accessed September 20, 2006.
  83. Unicef. Venezuela. Accessed September 20, 2006.
  84. a b Venezuela Guardian. Accessed September 20, 2006.
  85. Chapter 5. Site Visits Appropriate Technology for Sewage Pollution Control in the Wider Caribbean Region The Caribbean Environment Programme (1998). Visitado em 1 August 2012.
  86. UNICEF. Safe Drinking Water. Accessed September 20, 2006.
  87. Stories in the Time of Cholera by Charles L. Briggs
  88. Health Care for All: Venezuela's Health Missions at Work Venezuela Information Office (2007). Visitado em 2008-01-18.
  89. Castro, Arachu (2008). BARRIO ADENTRO A Look at the Origins of a Social Mission David Rockefeller Center for Latin American Studies, Harvard University. Visitado em 29 January 2009.
  90. Han Shih, Toh. "China Railway Group's project in Venezuela hits snag", 11 de abril de 2013. Página visitada em 14 de dezembro de 2013.
  91. Country Comparison :: Roadways. The World Factbook. cia.gov
  92. UOLPetrodólares turbinam esporte venezuelano (2007). Visitado em 23 de setembro de 2014.
  93. World's Most Popular Sports – Most Popular Sports in Venezuela Acessado em 20 de janeiro de 2013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Venezuela


Flag-map of Venezuela.svg Venezuela
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens