Sincretismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde maio de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Um dos exemplos de sincretismo é a Lavagem do Bonfim, que ocorre anualmente em Salvador, Bahia.

O sincretismo religioso é um fenômeno que consiste na absorção de influências de um sistema de crenças por outro. Isto ocorreu, por exemplo, quando o cristianismo absorveu e adaptou conceitos das religiões pagãs da Europa, moldando-os de acordo com os interesses da Igreja. Mais recentemente, na América Latina, escravos africanos adaptaram suas crenças e ritos, estabelecendo uma correspondência entre santos católicos e divindades africanas ou adaptando alguns rituais à tradição cristã (a exemplo da incorporação da Lavagem do Bonfim à cerimônia das Águas de Oxalá). Podiam assim manifestar publicamente sua religiosidade - o que normalmente não era permitido -, mantendo todavia suas crenças ancestrais.

As formas assumidas por adaptação variam de acordo com a região, com a época. Muitas religiões menos estruturadas acabam por sucumbir mas muitas vezes as influências mútuas.

Sincretismo no Brasil[editar | editar código-fonte]

Nas religiões afro-brasileiras cada orixá "corresponde" a um santo católico, mas, de fato, não se trata de um amálgama. As figuras não se confundam.

Muitos dos santos Católicos são cultuados também no candomblé e em outras religiões. Na época da escravatura no Brasil, os escravos africanos criaram uma maneira criativa e inteligente de enganar os senhores de Engenho. Invocavam os seus deuses, Oxóssi como São Sebastião, Ogum com São Jorge e Oxalá como Deus, e os negros bantos identificaram Cosme e Damião como os orixás Ibejis em um sincretismo religioso. E fizeram o mesmo com outros santos também, como Santa Barbara, entre outros.

Sincretismo religioso católico-germânico[editar | editar código-fonte]

Durante o periodo de decadência Romana, os germânicos começaram a entrar em seus territorios, de forma pacífica (e armada) misturando as culturas (cristã romana com a mitologia germânica). Roma se tornara cristã em certo tempo e tentou cristianizar os germânicos, mas estes estavam muito ligados a sua própria cultura.

Influências[editar | editar código-fonte]

O sincretismo também é comum na literatura, música, artes de representação e outras expressões culturais. (Compare com o conceito de ecleticismo). Letristas como Dorival Caymmi, Vinícius de Moraes e Jorge Ben Jor retrataram o tema em diversas canções, enquanto Dias Gomes levou-o para o teatro com a peça O Pagador de Promessas que, mais tarde, foi levada para o cinema, conquistando uma Palma de Ouro no Festival de Cannes e uma indicação ao prêmio Oscar de melhor filme estrangeiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

[1]

http://formacao.cancaonova.com/igreja/santos/a-verdadeira-historia-de-sao-cosme-e-sao-damiao-martires/

  1. A verdadeira história de São Cosme e São Damião, mártires (SEXTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2014, 7H00).