Américo Vespúcio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Américo Vespúcio
Nascimento 9 de março de 1454
Florença
Morte 22 de fevereiro de 1512 (57 anos)
Sevilha
Ocupação Navegador

Américo Vespúcio (em italiano: Amerigo Vespucci;[1] Florença, 9 de março de 1454[2]Sevilha, 22 de fevereiro de 1512) foi um mercador, navegador, geógrafo, cosmógrafo italiano e explorador de oceanos ao serviço do Reino de Portugal e de Espanha que viajou pelo, então, Novo Mundo, escrevendo sobre estas terras a ocidente da Europa. Como representante de armadores florentinos, o mercador e navegador Vespúcio encarregou-se em Sevilha do aprovisionamento de navios para a segunda e a terceira viagens de Cristóvão Colombo.

Supõe-se que tenha participado de incursões pelo Atlântico desde 1497. Em meados de 1499 passou ao largo da costa norte da América do Sul, acima do rio Orinoco, como integrante da expedição espanhola de Alonso de Ojeda, a caminho das Índias Ocidentais.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do que pensam,não foi o terceiro filho de Nastagio Vespucci, foi o segundo. Um notário e acomodado comerciante florentino e de Lisa di Giovanni Mini.[3] Seu tio foi o ilustrado frade dominicano Giorgio Antonio Vespucci, dono de uma das principais bibliotecas da cidade, que teve um importante papel na educação do jovem.[4] . Diz dele o historiador britânico Hugh Thomas em «Rivers of Gold», 2003, traduzido em espanhol como «El Imperio español - De Colón a Magallanes»:[5]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Américo Vespúcio

Em 13 de Maio de 1501, a serviço do rei D. Manuel I de Portugal, partiu de Lisboa na expedição de Gaspar de Lemos constituída por três naus, cujo objetivo era investigar as potencialidades económicas e explorar a recém descoberta costa do Brasil. Em Agosto avistaram terra firme e continuaram a percorrer a costa sul até entrar a 1º de Janeiro de 1502 na baía do Rio de Janeiro.

Outros historiadores dizem que em 1501 a armada era comandada por André Gonçalves, estando encarregada de explorar a costa brasileira. Saindo de Lisboa a 17 de agosto, alcançou o cabo de São Roque e provavelmente desceu o litoral até a Patagônia.

As falsificações e o nome "América"[editar | editar código-fonte]

Diz Hugh Thomas na obra acima citada, página 379: «Quando Vespúcio regressou do Brasil, declarou que o território frente ao qual havia navegado estendia-se demasiadamente para o sul para se tratar da Índia. De Lisboa escreveu a Pier Francesco dei Medici: ´Chegamos a uma nova terra que, por muitas razões que enumero a seguir, observamos tratar-se de um continente.´Estava seguro de ter descoberto um território completamente novo, não simplesmente um prolongamento para leste da Ásia. O que Colombo tinha descoberto era um continente que bloqueava o caminho para a Ásia pelo oeste, a menos que se descobrisse uma passagem que tornasse desnecessário rodeá-lo. A assombrosa observação se fez pela primeira vez em Lisboa, e a corte, os cartógrafos e os comerciantes da cidade, não tardaram em levá-la muito em conta. O excelente mapa portulano, que data de 1502, mostra o novo continente em duas partes não unidas.»

Vespúcio regressou a Sevilha. Seu amigo florentino, o empresário Bartolomeu Marchionni, escreveu que «tinha tido duro trabalho e recolhido escasso benefício». Posteriormente, se disse que Vespúcio escreveu então duas outras cartas: uma, intitulada Mundus Novus, dirigida a Lorenzo de Medicis, que foi publicada em janeiro de 1504. Trata-se de um cúmulo de inexatidões e falsas afirmações, dirigida a alguém que ele sabia ter morrido há algum tempo. Em setembro de 1504 foi publicada outra falsificação, uma carta supostamente endereçada a Piero Soderini, novo confaloniero de Florença, logo publicada como Quatuor Americi Vesputti Navigationes - em que a primeira e a quarta viagens são falsas...

Pormenor do mapa de Waldseemüller de 1507 onde pela primeira vez foi escrito o nome "América" para nomear o continente.

A carta está também, como a anterior, cheia de inexatidões, absurdos, erros gramaticais, embora tenha tido um destino extraordinário, presenteada em 1505 a René ou Renato II, duque de Lorena, o qual fez dela presente a um grupo de sábios conhecidos como Ginásio Vosgiano, em Saint-Dié, aldeia daquelas montanhas dos Vosges - entre os quais se contava Martin Waldseemüller. Este já tinha decidido publicar nova versão da Cosmografia de Ptolomeu: escreveu uma introdução, que intitulou Cosmographia Introductio, na qual inseriu as Navegationes de Vespúcio, traduzidas para o latim. Waldseemüller escreveu: «Na atualidade as partes da Terra, Europa, Ásia e África, já foram completamente exploradas, e outra parte foi descoberta por Amerigo Vespuccio, como se pode ver nos mapas adjuntos. E como a Europa e Ásia receberam nomes de mulher, não vejo razão pela qual não possamos chamar a esta parte Amerige, isto é, a terra de Amérigo, ou América, em honra do sábio que a descobriu.» E assim neste mapa o novo hemisfério situado do outro lado do mar Oceano foi chamado «América» por primeira vez.

A primeira viagem que teria realizado Vespúcio em 1497 jamais existiu , e Colombo descobriu efetivamente o continente sul-americano em sua terceira viagem, em 1498. Em outra edição da Cosmografia, de 1513, Waldseemüller concedia maior crédito a Colombo. Mas, apesar de tudo, o cartógrafo Mercator, em seu primeiro mapa mundi, o chamado «Orbis Imago» de 1538, deu também o nome de batismo de Américo ao continente setentrional, ou América do Norte. A fraude só se percebeu em 1879 e em 1926 Alberto Magnaghi, catedrático de Milão, demonstrou em um estudo a evidência.

De novo o relato de sua vida[editar | editar código-fonte]

Em 1503 Vespúcio retornou ao Brasil, desta vez comandando um navio da frota de Gonçalo Coelho, armada por cristãos-novos associados a Fernão de Noronha. Perdendo-se do resto da armada, carregou o navio de pau-brasil ao sul da baía de Todos os Santos e desembarcou em Lisboa em 18 de junho de 1504. Afirmou então haver estado em um novo mundo, ao qual chamaria Novus Orbis porque os antigos o desconheciam. Disse também, segundo o historiador Hugh Thomas, que desejava retornar e chegar ao oriente pelo sul, aproveitando-se dos ventos austrais. Mas nunca o fez.

Em 1505, em Sevilha, naturalizou-se espanhol. De 1508 até a morte, foi o piloto-mor da Casa de Contratação das Índias. Integrava, com Juan de la Cosa, Vicente Yáñez Pinzón e Juan Díaz de Solís, a comissão de conselheiros reais que se reuniu em Burgos em 1505 e decidiu fundar a Casa de Contratação, criando os cargos de piloto mor, geógrafo e cartógrafo. A nomeação de piloto-mor recaiu nele próprio que, como desejava o rei, deveria dividir seus conhecimentos com os pilotos espanhóis e convencê-los a usar métodos astronómicos para determinar a longitude quando no mar, em vez de estimativas vagas. Como tal, ninguém poderia pretender pilotar naves nem cobrar salário de piloto, nem patrão algum poderia aceitá-lo a bordo, até que fosse examinado por Vespúcio, que lhe expediria ou não um certificado de aprovação. O piloto-mor deveria portanto ser uma espécie de professor que dirigisse uma escola de capitães de barco em sua casa de Sevilha.

A popularidade trazida pelas narrativas de suas viagens converteu-o num dos autores mais vendidos à época. Como se viu acima, foi o cartógrafo Martin Waldseemüller quem primeiro nomeou o novo continente América, em sua homenagem.

Mundos Novos[editar | editar código-fonte]

Diz o autor de "Brasiliana da Biblioteca Nacional" em sua página 33: "É pela mão de Américo Vespúcio que as gentes brancas e nuas, bondosas e pacíficas, serão inicialmente apresentadas, pelos tipográficos europeus, aos curiosos de relatos fantásticos acontecidos nas Índias Ocidentais, mediante o primeiro texto impresso em Portugal, "Mundus Novus", publicado em torno de 1503-1504, em que o autor nos relata, maravilhado:

E se no mundo existe algum paraíso terrestre, sem dúvida não deve estar muito longe destes lugares.

Morreu em 1512 em Sevilha por malária e foi enterrado em hábito franciscano. Foi sepultado na Abadia de Ognissanti,em Florença, na Toscana.[6]

Referências

  1. Existe uma antiga tese exposta por Alexander von Humboldt e outros, que pretende demonstrar que o verdadeiro nome do navegador era "Albérico", e que após descobrir em mapas com toponímia pré-colombiana que o novo continente era chamado Amérika, que na língua tolteca significaria "país com montanhas no centro", mudou de nome para "Américo" a fim de se apropriar do mérito da descoberta. Contrariamente a esta especulação, no seu registo oficial de nascimento, o seu nome figura como "Amerigho"
  2. A Enciclopédia Católica consigna 1451, baseando-se no Ufficio delle Tratte, preservado no Reale Archivio di Stato de Florencia, onde reza: "Amerigo, filho de Ser Nastagio, filho de Ser Amerigo Vespucci, no dia IX de Março de MCCCCLI" (1451)
  3. Wills:35
  4. Pohl:14
  5. Planeta. 2006, página 377/378
  6. Américo Vespúcio (em inglês) no Find a Grave.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Amerigo Vespucci
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Américo Vespúcio