Cartografia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa antigo de 1627
Mapa da América do Sul de 1750

Cartografia (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. O vocábulo foi pela primeira vez proposto pelo historiador português Manuel Francisco Carvalhosa, 2.º Visconde de Santarém, numa carta datada de 8 de Dezembro de 1839, de Paris, e endereçada ao historiador brasileiro Francisco Adolfo de Varnhagen, vindo a ser internacionalmente consagrado pelo uso. Das muitas definições usadas na literatura, colocamos aqui a atualmente adaptada pela Associação Cartográfica Internacional (ACI):

Conjunto dos estudos e operações científicas, técnicas e artísticas que intervêm na elaboração dos mapas a partir dos resultados das observações directas ou da exploração da documentação, bem como da sua utilização.

A cartografia encontra-se no curso de uma longa e profunda revolução, iniciada em meados do século XX, e certamente a mais importante depois do seu renascimento, que ocorreu nos séculos XV e XVI. A introdução da fotografia aérea e da detecção remota, o avanço tecnológico nos métodos de gravação e impressão e, mais recentemente, o aparecimento e vulgarização dos computadores, vieram alterar profundamente a forma como os dados geográficos são adquiridos, processados e representados, bem como o modo como os interpretamos e exploramos.

Os primeiros mapas[editar | editar código-fonte]

A função dos mapas é prover a visualização de dados espaciais e a sua confecção é praticada desde tempos pré-históricos, antes mesmo da invenção da escrita. Com esta, dispomos de mapas em placas de argila sumérias e papiros egípcios. Na Grécia antiga, Aristóteles e Hiparco produziram mapas com latitudes e longitudes. Em Roma, Ptolomeu representou a Terra dentro de um círculo.

A cartografia grega[editar | editar código-fonte]

Na cartografia grega podemos destacar Erastótenes de Cirene, que fez um experimento para comprovar a esfericidade da terra. Ele colocou um gnomon em Siena no Egito e outro em Alexandria. As 12 horas do solstício de verão pode perceber que não havia sombra em Siena, entretanto em Alexandria havia sombra projetada, sendo a primeira comprovação que a terra não era plana como se pensava, servindo de base para a projeção de mapas.[1]

No poema Odisseia e Ilíada, de Homero o autor faz uma descrição gráfica do mundo conhecido na época. Em Ilíada Homero descreve o escudo de Aquiles que representa o primeiro mapeamento cósmico.[1]

Anaximandro de Mileto construiu o primeiro mapa-múndi gravado em pedra, também é atribuído a ele a medição das estrelas e o cálculo de sua magnitude. Já Hecateu de Mileto fez uma descrição sistemática dos lugares, essa obra chama-se Periegesi, sendo considerado a primeira obra geográfica. Demócrito de Abdera introduz os termos latitude (latu = largura) e longitude (longo = alongado) indicando as medidas de distâncias no sentido vertical e horizontal, respectivamente. Erastótenes foi o primeiro a determinar com precisão científica o tamanho da Terra. No seu mapa-múndi desenhou sete linhas paralelas que passavam por lugares conhecidos da época.[1]

Claúdio Ptolomeu escreveu por volta de 150 a.C a sua famosa obra Geographike Syntaxis (Síntese da Geografia) que era composta de oito volumes de pergaminhos manuscritos e ilustrados por um mapa-múndi, além de 26 mapas regionais que apresentavam detalhes continentais. O volume I dissertava sobre a construção do globo de Crates e a técnica de projeção de mapas. Do volume II ao VII era guias com uma extensa relação de aproximadamente 8000 nomes de lugares com coordenadas geográficas, latitude e longitude. O volume VIII contém os princípios da cartografia, geografia e matemática. Ensinava a construir e desenhar um mapa em projeção cônica. O mundo conhecido por Ptolomeu tinha 180º de longitude, 63º de latitude norte e 180º de latitude sul.[1]

A cartografia medieval[editar | editar código-fonte]

Na Idade Média as representações cartográficas perdem as concepções que os gregos tinham, passando a representar o mundo com um conceito religioso e os explicando conforme os ensinamentos bíblicos.[2]

Em geral esses mapas apresentavam um quadro conceitual com as seguintes linhas:

1ª Linha: O mundo era representado em forma retangular dentro de um tabernáculo chamado de mundo tabernáculo, do tratado Topografia Cristã de Cosme Indicopleustes. No tratado Topografia Cristã ele nega a ideia de esfericidade da Terra e dos Céus. Indicopleustes tem uma visão de mundo fechado e finito, em que a terra está inserida dentro de uma caixa fechada semelhante a um tabernáculo.

Mapa T-O de Isidoro de Sevilha

2ª Linha: São os mapas isidorinos com o famoso mapa "T" sobre "O", que se originam no século VII d.C, com o bispo de Sevilha, St. Isidoro (560-636) o qual publica na sua enciclopédia “Etymologiarum Libri XX” (Etimologias), considerada como a primeira grande enciclopédia cristã. Nesta linha a representação foi baseada no mapa Orbis Terrarun dos romanos, adaptado a teologia cristã. Esta representação define uma forma de mapas tripartido, na maioria circulares, com Jerusalém ocupando o centro da representação e a Ásia na parte superior do mapa, onde estava representado o paraíso, a Europa fica a esquerda e a África fica a direita. Estes continentes eram rodeados por um oceano representado pela letra circular "O", já a letra "T" tinha o seu pé formado pelo Mar Mediterrâneo e os braços pelo Mar Vermelho e os Canais do rio Don e o Mar de Azov. Esta representação era baseado em interpretações bíblicas como em Isaias - Is 40:22, “Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar”, que fundamentou a representação de uma Terra circular plana. Bem como na representação de Jerusalém como centro da representação, pois, segundo a tradição bíblica era a posição original da sua representação, pois assim está escrito: “Esta é a Jerusalém; no meio das nações eu a coloquei, e suas terras ao redor dela”, bem como os três continentes conhecidos, Europa, Ásia e África eram tidos como herança deixada por Noé os seus filhos. A Ásia para os povos semitas descendentes de Sem, a África para os povos camitas, descendentes de Cã, e finalmente a Europa para os povos descendentes de Jafé.[2]

3ª Linha: São mapas manuscritos conhecidos como Beatos que tiveram origem nos escritos do "Comentário sobre o Apocalipse” atribuído a Beato de Liébana, na Espanha. Estas representações vão trazer o mundo representado de forma retangular readequando o Orbis Terrarun dos romanos a teologia cristã. Nesta representação além de aparecer os continentes, europeu, asiático e norte-africano, irá trazer a representação da existência de um quarto continente, uma terra antípoda para mostrar que haviam seres monstruosos nesse lugar.[2]

4ª Linha: São os mapas anglo-normandos que aparecem durante a Idade Média Clássica (entre os anos de 1000 à 1300) - desenvolvidos pelas escolas de origem francesa e inglesa. Estes mapas parecem muito ecléticos e interessante, pois, representam a Terra como parte do corpo de Cristo. Entre este podem ser citados os mapas-múndi, circular do Saltério de Psalter, datado de 1225 d.C, o mapa Ebstorf de 1234, com 4m de diâmetro e o mapa de Hereford de 1290, com 1,62 m de diâmetro.[2]

Na Idade Média Clássica São Tomás de Aquino embute na ciência as obras de Aristóteles defendendo a esfericidade da Terra, mas Jerusalém não poderia ser o centro da Terra como a Igreja queria. O raciocínio Aristotélico exigia que a Terra fosse esférica e ocupava o centro do universo o que agradava os teólogos.[2]

No mundo árabe, ao contrário, desde 827 o califa Al Mamum havia determinado traduzir do grego a obra de Ptolomeu, Geographike Syntaxis e Almagesto. Desse modo, através do Império Bizantino, os árabes resgataram os conhecimentos greco-romanos, aperfeiçoando-os. Foram eles que levaram para a Europa a bússola.[2]

A cartografia da Idade Moderna[editar | editar código-fonte]

Com a reabertura comercial do Mar Mediterrâneo, especialmente a partir do século XI, os mapas ganharam mais importância, particularmente entre os árabes, que prosseguiram com o seu desenvolvimento.

Globo com representação polar. Incluso no Livro de Marinharia, assinado por João de Lisboa em 1514.

Em poucos séculos, os mapas de navegação marítima, que passaram a ser grandemente valorizados na região mediterrânica, associados aos progressos técnicos representados pela bússola, pelo astrolábio e pela caravela, permitiram o processo das grandes navegações, marcando a passagem para a Idade Moderna. Os portulanos introduziram a rosa-dos-ventos e motivos temáticos passaram a ilustrar as lacunas do conhecimento geográfico.

A cartografia moderna conhece um progresso imenso com os Descobrimentos portugueses, de que são exemplo os primeiros mapas a escala mundial, de Pedro Reinel, João de Lisboa, Lopo Homem, entre outros conhecidos cartógrafos do início do Século XVI. A compilação Portugaliae Monumenta Cartographica contém mais de 600 mapas desde 1485 até 1700. Essa capacidade foi progressivamente exportada para outros países, nomeadamente Itália, França ou Holanda, de que nos chegaram muito mais cópias. Mercator introduz uma projeção não cilíndrica, que irá influenciar a cartografia seguinte.

Nessa época, ocorre uma mudança de concepção, com mapas em projeção cônica, sendo o maior marco da geografia. Essa representação apresentava contornos bem definidos e abrangia 180º de longitude 63º de latitude norte e 18º de latitude sul. O meridiano 0º passava pelas Ilhas Canárias e os paralelos e meridianos sendo equidistantes.[2]

Os mapas atuais[editar | editar código-fonte]

Moderno mapa ilustrado.

Os mapas, antiga e tradicionalmente feitos usando material de escrita, a partir do aparecimento dos computadores e dos satélites conheceram uma verdadeira revolução. Atualmente são confeccionados utilizando-se software próprio (SIG, CAD ou software especializado em ilustração para mapas). Os dados assim obtidos ou processados são mantidos em bases de dados. A tendência atual neste campo é um afastamento dos métodos analógicos de produção e um progressivo uso de mapas interativos de formato digital.

O departamento de cartografia da Organização das Nações Unidas é o responsável pela manutenção do mapa mundial oficial em escala 1/1.000.000 e todos os países enviam seus dados mais recentes para este departamento.

A cartografia histórica no Brasil[editar | editar código-fonte]

Os estudos de cartografia histórica, no Brasil, estão ligados ao processo histórico de confecção de mapas descritivos do seu território. Entre as instituições que se destacam neste segmento de estudo apontam-se:

A cartografia temática[editar | editar código-fonte]

Na cartografia temática temos convenções e símbolos cartográficos que são símbolos e cores utilizados para representar os elementos desejados. Existe uma padronização internacional de símbolos e cores para facilitar a leitura e interpretação dos mapas, em qualquer parte do mundo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ROBINSON, A. H.. Elements of Cartography (6th. ed.). New York: John Wiley & Sons, Inc., 1995.
  • DREYER-EIMBCKE, O. O descobrimento da Terra: história e histórias da aventura cartográfica. São Paulo: Ed. Melhoramentos EDUSP. 1992.
  • HARLEY, J. B. A nova história da cartografia. O Correio da Unesco, 19 (8): 4-9, 1991.
  • LIBAULT, C. O. A. Geocartografia. São Paulo: Ed. Nacional/EDUSP. 1975.
  • LOCH, R.E.N. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Florianópolis: Editora da UFSC. 2006.
  • MARTINELLI, M. Mapas da Geografia e Cartografia Temática. São Paulo: Contexto. 2003. 112p.
  • OLIVEIRA, C. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro: Ed. IBGE. 1988.
  • OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE. 1983.
  • QUEIROZ FILHO, A. P. A escala nos trabalhos de campo e laboratório. In: VENTURI, L.A.B. Praticando Geografia. São Paulo: Oficina de Texto. 2005, p. 55-67.
  • RAISZ, Erwin - Cartografia geral. Rio de Janeiro: Ed. Científica. 1969.
  • ROBINSON, A.H,; MORRISON, J.L.; MUEHRCKE, P.C.; KIMERLING. A.J.; GUPTILL, S.C. Elements of Cartography. 6ª edição. New York: John Wiley & Sons, 1994.
  • HARLEY, J. B. A nova história da cartografia. O Correio da Unesco, 19 (8): 4-9, 1991.
  • LIBAULT, C. O. A. Geocartografia. São Paulo: Ed. Nacional/EDUSP. 1975.
  • LOCH, R.E.N. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Florianópolis: Editora da UFSC. 2006.
  • MARTINELLI, M. Mapas da Geografia e Cartografia Temática. São Paulo: Contexto. 2003. 112p.
  • OLIVEIRA, C. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro: Ed. IBGE. 1988.
  • OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE. 1983.
  • QUEIROZ FILHO, A. P. A escala nos trabalhos de campo e laboratório. In: VENTURI, L.A.B. Praticando Geografia. São Paulo: Oficina de Texto. 2005, p. 55-67.
  • RAISZ, Erwin - Cartografia geral. Rio de Janeiro: Ed. Científica. 1969.
  • DREYER-EIMBCKE, O. O descobrimento da Terra: história e histórias da aventura cartográfica. São Paulo: Ed. Melhoramentos EDUSP. 1992.
  • HARLEY, J. B. A nova história da cartografia. O Correio da Unesco, 19 (8): 4-9, 1991.
  • LIBAULT, C. O. A. Geocartografia. São Paulo: Ed. Nacional/EDUSP. 1975.
  • LOCH, R.E.N. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Florianópolis: Editora da UFSC. 2006.
  • MARTINELLI, M. Mapas da Geografia e Cartografia Temática. São Paulo: Contexto. 2003. 112p.
  • OLIVEIRA, C. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro: Ed. IBGE. 1988.
  • OLIVEIRA, C. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE. 1983.
  • QUEIROZ FILHO, A. P. A escala nos trabalhos de campo e laboratório. In: VENTURI, L.A.B. Praticando Geografia. São Paulo: Oficina de Texto. 2005, p. 55-67.
  • RAISZ, Erwin - Cartografia geral. Rio de Janeiro: Ed. Científica. 1969.
  • ROBINSON, A.H,; MORRISON, J.L.; MUEHRCKE, P.C.; KIMERLING. A.J.; GUPTILL, S.C. Elements of Cartography. 6ª edição. New York: John Wiley & Sons, 1995.

Referências

  1. a b c d Ricobom, 2008, p. 35 à 50 - "Introdução ao histórico da Cartografia e das concepções da forma da Terra. vol. 1, Dpto Geografia, UFPR, Curitiba, 2008".
  2. a b c d e f g Ricobom, 2008, p. 03 à 14 - "Introdução ao histórico da Cartografia e das concepções da forma da Terra. vol. 2, Dpto Geografia, UFPR, Curitiba, 2008".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cartografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Alfabetização cartográfica. Página da revista Escola a respeito da Cartografia. Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • Cartografia. Página de Cartografia do Instituto Geográfico do Exército de Portugal (IGeoE). Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • Cartografia. Página de Cartografia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • Cartografia Náutica. Página do Instituto Hidrográfico da Marinha de Portugal. Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • Instituto Geográfico e Cartográfico (IGC). Website oficial do IGC (São Paulo, Brasil). Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • Instituto Geográfico Português (iGeo). Página de dados abertos disponibilizados pelo iGeo. Visitado em 12 de outubro de 2014.
  • United Nations Cartographic Section (em inglês). Página da Organização das Nações Unidas (ONU) que apresenta mapas de diversas regiões do mundo e de diversas áreas de atuação das missões de paz. Visitado em 12 de outubro de 2014.