Climatologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A climatologia é um ramo das Ciências naturais que é estudado tanto pela geografia, quanto pela meteorologia. Nos ensinos fundamental e médio (Brasil), é estudada nas matérias de Ciências, Física e Geografia. No tempo histórico, os primeiros estudos foram feitos por viajantes europeus - sendo Sant'Anna de Neto o mais lembrado - rumo à América, e consequentemente ao Brasil, com as seguintes preocupações: vinda da coroa portuguesa para o Brasil, preocupações com saúde pública por problemas causados pela umidade excessiva e pela altíssima temperatura, se comparada aos padrões europeus.

Clima é o nome que se dá às condições atmosféricas que costumam ocorrer num determinado lugar.

Os primeiros estudos tiveram como foco a distribuição geográfica dos elementos meteorológicos, levando-se em conta sua variabilidade temporal. Tinham a intenção de explicar regimes climáticos regionais. Nos anos 60, foi dado um enfoque mais dinâmico nas relações com o espaço, protagonizado por Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro e Edmom Nimer, na leitura de Max Sorre (1951).

A análise dos episódios climatológicos é fundamento básico da climatologia geográfica e tenta explicar os processos naturais que causam influência nas ocupações humanas.

Tempo e clima são popularmente considerados a mesma coisa, mas na verdade, possuem diferenças importantes para a Climatologia. O tempo pode ser cronológico e meteorológico, podendo o primeiro ser observado a partir do espaço geográfico e o segundo, momentâneo, dependendo da atmosfera de determinado local.

Clima é uma noção criada pelo homem, formada por informações coletadas a partir das noções de clima. Pode ser compreendido a partir de noções matemáticas e numéricas, ou a partir de informações qualitativas, de natureza mais descritiva. Os dois focos de estudo pressupõem uma sucessão de tipos de tempo.

É importante o estudo dos diferentes fluxos de energia: horizontal e vertical. O vertical reflete diretamente os resultados da radiação solar, tendo essa, influência direta sobre os fluxos de energia horizontal: massas de ar, frentes quentes e frias, centros de ação.

A radiação solar determina todo o sistema, podendo ser analisado pelos seus elementos: temperatura, pressão e umidade, tendo grande influência sobre as características biogeográficas, fenômenos geomorfológicos, hidrológicos etc.

Os estudos climáticos estão atraindo muito mais a atenção da população em geral, sendo divulgados largamente pelos meios de comunicação de massa. Também têm tido atenção em estudos dirigidos e gestões de políticas ambientais. Devem estar atentos ao problema da água, contaminação, desmatamento, sem esquecer dos elementos tradicionais.

  • O problema da água está relacionado com fatores ambientais e climáticos;
  • A contaminação atmosférica tem relação íntima com a ação destrutiva do homem, sendo de suma importância estudos como, por exemplo, o da chuva ácida;
  • O desmatamento não é causado por fatores climáticos, mas acaba tendo influência direta sobre a população, no que se refere a inundações causadas por ele, e a diminuição da evapotranspiração, que é feita pelas plantas, o que conseqüentemente diminui a quantidade de água na atmosfera.

O clima é um resultado complexo de diversas variáveis definidas a partir de fatores climatológicos.

A Climatologia é um ramo da Geografia, sendo matéria e assunto pertinente à grade dos cursos de geografia de todo o mundo. A Meteorologia estuda mais diretamente o tempo, e a Climatologia o clima.

Ao geógrafo interessa os três quilômetros inferiores da atmosfera, que sofre influência mais direta da litosfera, dos oceanos, da radiação solar, e é de grande interesse para as populações humanas. Cabe a ele também isolar os elementos a fim de entender melhor o conjunto deles.

Existe um confronto ideológico entre a Geografia e a Meteorologia, mas a Climatologia faz parte de ambas as áreas.

É importante compreender a noção de ritmo para entender a mudança de enfoque da climatologia - introduzida por Monteiro, em 1971 -, que busca análises, ao menos diárias, do tempo, para assim considerar a análise geográfica de um lugar.

Ver também[editar | editar código-fonte]