Vida extraterrestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um homem observando a Via Láctea e o universo a partir do deserto do Atacama, no Chile.

Vida extraterrestre é a vida que não se origina a partir do planeta Terra. É também chamada de vida alienígena. Estas formas de vida, ainda hipotéticas, podem variar de organismos simples, como bactérias, até seres muito mais complexos do que os humanos. Também foi proposta a possibilidade de que vírus podem existir em meios extraterrestres.[1]

O desenvolvimento e a pesquisa de hipóteses sobre vida extraterrestre é conhecido como "exobiologia" ou "astrobiologia", embora a astrobiologia também considere a vida baseada na Terra, em seu contexto astronômico. Muitos cientistas consideram que a vida extraterrestre é plausível, mas ainda não há nenhuma evidência direta de sua existência.[2]

Desde meados do século XX, houve uma contínua busca por sinais de vida extraterrena, desde radiotelescópios usados ​​para detectar possíveis sinais de civilizações extraterrestres, até telescópios usados ​​para procurar planetas extra-solares potencialmente habitáveis​​. O tema também desempenhou um papel importante em obras de ficção científica.

Ciência[editar | editar código-fonte]

A hipótese de formas de vida alienígena, tais como bactérias, foi levantada a existir no Sistema Solar e em todo o universo. Esta hipótese baseia-se na vasta dimensão e nas leis físicas consistentes do universo observável. De acordo com este argumento, feito por cientistas como Carl Sagan e Stephen Hawking, seria improvável que a vida não existisse em algum lugar fora do planeta Terra.[3] [4] Este argumento é incorporado no princípio de Copérnico, que afirma que a Terra não ocupa uma posição única no universo, e no princípio da mediocridade, que sugere que não há nada de especial sobre a vida na Terra.[5] A vida pode ter surgido de forma independente em muitos lugares em todo o Universo. Alternativamente a vida também pode se desenvolver com menos frequência, mas se espalhar entre planetas habitáveis ​​através da panspermia ou exogênese.[6] Em qualquer caso, as moléculas orgânicas complexas necessárias para a formação da vida podem ter se formado no disco protoplanetário de grãos de poeira ao redor do Sol antes da formação da Terra com base em estudos de modelos computacionais.[7] De acordo com estes estudos, este mesmo processo também pode ocorrer em torno de outras estrelas que mantêm um sistema planetário.[7] Entre os locais sugeridos em que a vida pode ter se desenvolvido no passado estão os planetas Vênus[8] e Marte, em Europa, uma das luas de Júpiter,[9] e em Titã e Encélado, duas das luas de Saturno.[10] Em maio de 2011, os cientistas da NASA informaram que Encélado "está emergindo como o local mais habitável além da Terra no Sistema Solar para a vida como a conhecemos."[11]

Desde os anos 1950, os cientistas têm promovido a ideia de que "zonas habitáveis​​" são os locais mais prováveis ​​para a vida ser encontrada. Várias descobertas nesse tipo de zona desde 2007 têm estimulado estimativas sobre a frequências de habitats semelhantes à Terra, com números que chegam em muitos milhares de milhões.[12] [13] Até 2013, no entanto, apenas um pequeno número de planetas foram descobertos nestas zonas.[14] Não obstante, em 4 de novembro de 2013, astrônomos relataram, com base em dados da missão espacial Kepler, que poderia haver cerca de 40 bilhões de planetas do tamanho da Terra que orbitam em zonas habitáveis ​​das estrelas semelhantes ao Sol e anãs vermelhas apenas na Via Láctea,[15] [16] sendo que 11 bilhões deles podem estar orbitando estrelas semelhantes ao Sol.[17] O planeta deste tipo mais próximo pode estar a 12 anos-luz de distância, de acordo com cientistas.[15] [16] Astrobiólogos têm também considerado "seguir a energia" de "potenciais habitats".[18] [19]

Bases bioquímica e morfológica[editar | editar código-fonte]

Toda a vida na Terra é baseada em 26 elementos químicos. No entanto, cerca de 95% desta vida é construída sobre apenas seis desses elementos: carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre, abreviados como CHONPS. Estes seis elementos formam os "blocos de construção" básicos de praticamente toda a vida na Terra, enquanto a maioria dos elementos restantes são encontrados apenas em quantidades vestigiais.[20]

A vida na Terra requer água como solvente em que as reações bioquímicas ocorrem. Quantidades suficientes de carbono e outros elementos, juntamente com a água, pode permitir a formação de organismos em outros planetas com uma composição química e uma faixa de temperatura semelhante à da vida na Terra.[21] Os planetas rochosos, tais como Terra, são formados num processo que permite a possibilidade de que tenham composições semelhantes à da Terra.[22]

Devido à sua abundância relativa e utilidade na manutenção da vida, muitos têm a hipótese de que as formas de vida em outros lugares do universo iriam utilizar estes mesmos materiais básicos para se formar. No entanto, outros elementos e solventes podem proporcionar uma base para a vida. Formas de vida baseadas em amônia (em vez de água) já foram sugeridas, embora esta solução pareça pior do que a água.[23]

Do ponto de vista químico, a vida é fundamentalmente uma reação auto-replicante, mas que poderia surgir sob um grande número de condições e com vários ingredientes possíveis, embora carbono-oxigênio dentro da faixa de temperatura com água líquida pareça um ambiente mais propício. Sugestões foram feitas mesmo que as reações de auto-replicação de algum tipo pudessem ocorrer dentro do plasma de uma estrela, apesar de que isso seria muito pouco convencional.[24] A vida na superfície de uma estrela de nêutrons, com base em reações nucleares, também foi sugerida. No entanto, a comunicação com tais criaturas seria difícil porque as escalas de tempo envolvidas são muito mais rápidas.[25]

Várias idéias pré-concebidas sobre as características da vida fora da Terra têm sido questionadas. Por exemplo, um cientista da NASA sugere que a cor de pigmentos fotossintetizantes de vida hipotética em planetas extrasolares pode não ser verde.[26]

A tentativa de definir características limitadas desafia certas noções sobre necessidades morfológicas. Esqueletos, que são essenciais para grandes organismos terrestres de acordo com os especialistas do campo da biologia gravitacional, são quase certos de que são replicados em outros lugares do universo, de uma forma ou de outra. A suposição da diversidade radical entre extraterrestres putativos ainda não está assentada. Enquanto muitos exobiólogos afirmem que a natureza extremamente heterogênea da vida na Terra prenuncia uma variedade ainda maior no espaço exterior, outros apontam que a evolução convergente pode ditar similaridades substanciais entre a vida na Terra e a extraterrestre. Estas duas escolas de pensamento são chamados de "divergionista" e "convergionista", respectivamente.[24]

Pesquisa direta[editar | editar código-fonte]

A sonda espacial Kepler, da NASA, que tem o objetivo de encontrar exoplanetas.

Os cientistas estão procurando diretamente bioassinaturas dentro do Sistema Solar, com a realização de estudos sobre a superfície de Marte e de meteoros que caíram na Terra. No momento, não existe nenhum plano concreto para a exploração de Europa em busca de vida. Em 2008, uma missão conjunta da NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA - sigla em inglês) foi anunciada que teria estudos que incluíam Europa.[27] No entanto, em 2011 a NASA foi forçada a despriorizar a missão devido a uma falta de financiamento e é possível que a ESA vá assumir a missão sozinha.[28]

Há alguma evidência limitada que vida microbiana pôde possivelmente existir (ou ter existido) em Marte.[29] Uma pesquisa informal conduzida na conferência em que a Agência Espacial Europeia apresentou as suas conclusões sobre o metano na atmosfera de Marte e indicou que 75% das pessoas presentes concordaram que as bactérias já viveram em Marte.[30] Em novembro de 2011, a NASA lançou a sonda Mars Science Laboratory (MSL), que é projetada para procurar evidências passadas ou presentes de habitabilidade em Marte, usando uma variedade de instrumentos científicos. A MSL pousou em Marte na cratera Gale, em agosto de 2012.[31] [32] [33]

Micrografia eletrônica do meteorito marciano ALH84001, que mostra estruturas que alguns cientistas acreditaram que poderiam ser bactérias fossilizadas.

A hipótese de Gaia estipula que qualquer planeta com uma população robusta de seres vivos terá uma atmosfera em desequilíbrio químico, que é relativamente fácil de determinar a distância pela espectroscopia. No entanto, avanços significativos na capacidade de encontrar pequenos mundos rochosos perto de suas estrelas são necessárias antes que tais métodos espectroscópicos podem ser usados ​​para analisar planetas extrasolares.

Em agosto de 2011, as descobertas da NASA, com base em estudos de meteoritos encontrados na Terra, sugere componentes de DNA e RNA (adenina, guanina e moléculas orgânicas relacionadas), os "blocos de construção" para a vida como a conhecemos, podem ser formados em ambientes extraterrestres no espaço sideral.[34] [35] [36] Em outubro de 2011, os cientistas relataram que a poeira cósmica contém matéria orgânica complexa ("sólidos orgânicos amorfos com uma estrutura aromática-alifáticos mista"), que podem ser criados naturalmente e rapidamente por estrelas.[37] [38] [39] Um dos cientistas sugerem que estes compostos podem ter sido relacionados com o desenvolvimento da vida na Terra disse que, "se este for o caso, a vida na Terra pode ter começado mais fácil, visto que estes produtos orgânicos podem servir como ingredientes básicos para a vida."[37]

Em agosto de 2012, os astrônomos da Universidade de Copenhague relataram a detecção de uma molécula de açúcar específica, glicolaldeído, em um planeta localizado em um sistema de estrelas distantes. A molécula foi encontrada em torno das protoestrelas binárias IRAS 16293-2422, que estão localizadas a 400 anos-luz da Terra.[40] [41] O glicolaldeído é necessário para formar o ácido ribonucleico, ou RNA, que tem função semelhante ao DNA. Esta constatação sugere que moléculas orgânicas complexas podem se formar em sistemas estelares antes da formação dos planetas e, eventualmente, entrar no planetas jovens no início de sua formação.[42]

Em setembro de 2012, os cientistas da NASA informaram que hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs - sigla em ingês), submetidos às condições do meio interestelar, são transformados, através de hidrogenação, oxigenação e hidroxialquilação, em produtos orgânicos mais complexos - "um passo no caminho para aminoácidos e nucleotídeos, as matérias-primas de proteínas e do DNA, respectivamente."[43] [44] Além disso, como um resultado destas transformações, os PAH perdem a sua assinatura espectroscópica, o que pode ser uma das razões para a "falta de detecção de PAH mo gelo da poeira cósmica, em especial as regiões exteriores frias, com nuvens densas ou nas camadas moleculares superiores de discos protoplanetários."[43] [44]

Em 21 de fevereiro de 2014, a NASA anunciou um banco de dados bastante atualizado para acompanhar os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos no universo. De acordo com os cientistas, mais do que 20% do carbono no universo pode ser associados com os PAHs, possíveis materiais de partida para a formação de vida. O PAHs parecem ter sido formadas logo após o Big Bang, estão espalhados por todo o universo e estão associados a novas estrelas e planetas extrasolares.[45]

Pesquisa indireta[editar | editar código-fonte]

Se houver uma sociedade extraterrestre avançada, não há garantia de que ela está transmitindo informações na direção da Terra, ou que essa informação possa ser interpretada como tal pelos seres humanos. O período de tempo necessário para que um sinal viaje por toda a vastidão do espaço significa que qualquer sinal detectado, ou não detectado, viria de um passado distante.

No início de 1990, a NASA foi convidada a participar do projeto SETI, com uma pesquisa orientada planejada para vasculhar todo o universo. No entanto, o senador Richard Bryan, de Nevada, cortou o financiamento para o projeto e nenhuma pesquisa semelhante ocorreu desde então.[46] O fracasso do programa SETI em detectar um sinal de rádio inteligente depois de décadas de esforços, tem esmaecido, pelo menos parcialmente, o otimismo predominante do começo da era espacial na busca por vida alienígena. Nas palavras de Frank Drake, do SETI, "tudo o que sabemos com certeza é que o céu não está repleto de poderosos transmissores de microondas". Drake observou que é perfeitamente possível que os sinais de tecnologias de comunicação mais avançadas pode estar sendo ativada de alguma outra forma além da transmissão de rádio convencional. O programa SETI não é o resultado de uma busca contínua e dedicada, mas utiliza os recursos e mão-de-obra que pode e quando pode. Além disso, o programa SETI só procura por uma gama limitada de frequências.[47]

Alguns levantaram a hipótese de que civilizações muito avançadas podem criar buracos negros artificiais como fonte de energia ou como método de eliminação de resíduos. Assim, eles sugerem que a observação de um buraco negro com uma massa inferior a 3,5 massas solares, o limite mínimo teórico de massa para que um buraco negro ocorra naturalmente, seria uma evidência de uma civilização alienígena.[48]

Exoplanetas[editar | editar código-fonte]

Astrônomos procuram exoplanetas (ou planetas extrassolares) que podem ser propícios à vida, estreitando a busca para planetas rochosos que orbitem dentro da zona habitável de suas respectivas estrelas.[49] [50] Desde 1992, centenas de planetas em torno de outras estrelas na Via Láctea foram descobertos. Em 14 agosto de 2014, o Extrasolar Planets Encyclopaedia identificou 1 815 planetas extrassolares. Os planetas extrassolares variam muito em tamanho e vão desde a planetas rochosos semelhantes à Terra, até gigantes gasosos maiores do que Júpiter..[51] Espera-se que o número de exoplanetas observados aumente consideravelmente nos próximos anos. Como a sonda Kepler precisa ver três trânsitos estelares por cada exoplaneta antes de identificá-lo como candidato a planetas, até agora ela apenas foi capaz de identificar planetas que orbitam sua estrela a uma taxa relativamente rápida. A missão deverá continuar pelo menos até 2016, tempo em que se espera que muitos mais candidatos a exoplanetas sejam encontrados.[52]

Concepção artística de Gliese 581 c, o primeiro planeta extrassolar rochoso descoberto na zona habitável de sua estrela.

Em 24 de abril de 2007, os cientistas do Observatório Europeu do Sul em La Silla, no Chile, disseram que tinham encontrado o primeiro planeta parecido com a Terra. O planeta, conhecido como Gliese 581 c, orbita dentro da zona habitável de sua estrela, a Gliese 581, uma anã vermelha que está a 20,5 anos-luz (194 trilhões de km) da Terra. Pensou-se inicialmente que este planeta poderia conter água líquida, mas simulações computacionais recentes do clima em Gliese 581 c feitas por Werner von Bloh e sua equipe no Instituto Alemão para Pesquisa do Impacto Climático sugeriram que o dióxido de carbono e o metano na atmosfera criariam um aumento do efeito estufa. Isso aqueceria o planeta bem acima do ponto de ebulição da água (100 graus Celsius), o que desestimula as esperanças de encontrar vida.[53]

Como resultado de modelos de efeito estufa, os cientistas estão agora voltando sua atenção para Gliese 581 d, que fica fora da zona habitável tradicional da estrela. Em maio de 2011, os pesquisadores previram que Gliese 581 d, não só está na "zona habitável", onde a água pode estar presente sob a forma líquida, mas é grande o suficiente para ter uma atmosfera de dióxido de carbono estável e "quente o suficiente para ter oceanos, nuvens e precipitação ", segundo o Centro Nacional de França para a Investigação Científica.[54] Em dezembro de 2011, a NASA confirmou que Kepler-22b, distante 600 anos-luz, tem 2,4 vezes o raio da Terra e é, potencialmente, o planeta mais próximo da Terra em termos de tamanho e temperatura.[55] [56]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

A Anunciação, de Vittore Carpaccio.

Crenças budistas e hindus de ciclos infinitos repetidos de vida chamado Samsara levaram a descrições de mundos múltiplos na existência e seus contatos mútuos (palavra sânscrita sampark (सम्पर्क) significa "contato", como em Mahasamparka (महासम्पर्क) = "o grande contato"). De acordo com escrituras budistas e hindus, existem inúmeros universos. O Talmud judaico afirma que existem pelo menos 18 mil outros mundos, mas fornece pouca elaboração sobre a natureza desses mundos, ou sobre se são físicos ou espirituais. Com base nisso, no entanto, o Sefer HaB'rit, do século XVIII, postula que existem criaturas extraterrestres e que algumas podem possuir inteligência. Acrescenta que os seres humanos não devem esperar que as criaturas de outro mundo se assemelhem com a vida terrestre, assim como as criaturas do mar não se assemelham com os animais terrestres.[57] [58]

De acordo com a Ahmadiyya uma referência mais direta do Corão apresentada por Mirza Tahir Ahmad como uma prova de que a vida em outros planetas pode existir de acordo com o livro sagrado islâmico. Em seu livro, Revelation, Rationality, Knowledge & Truth, ele cita o versículo 42:29: "E entre os Seus sinais está a criação dos céus e da terra, e de todas as criaturas vivas (da'bbah) ..."; de acordo com este verso há uma vida nos céus. De acordo com o mesmo verso: "E Ele tem o poder de reuni-los (jam-'i-him), quando Ele o fará"; indica a aproximação da vida na Terra com a vida em outros lugares do Universo. O verso não especifica o tempo ou o lugar desta reunião, mas afirma que este evento certamente vai acontecer quando Deus assim o desejar. Deve-se salientar que o termo árabe Jam-i-him, usado para expressar o evento do encontro, pode implicar em um encontro físico ou um contato através da comunicação.[59]

Quando o cristianismo se espalhou por todo o Ocidente, o sistema ptolomaico tornou-se amplamente aceito e, embora a Igreja nunca tenha emitido qualquer pronunciamento formal sobre a questão da vida extraterrestre, pelo menos tacitamente, a ideia era aberrante. Em 1277, o bispo de Paris, Étienne Tempier, retrucou Aristóteles em um ponto: Deus poderia ter criado mais de um mundo (dada sua onipotência). Notavelmente, o cardeal Nicolau de Kues especulou sobre alienígenas na Lua e Sol.[60]

Desde a década de 1830, os Santos dos Últimos Dias acredita, que Deus criou e vai criar muitos planetas, como a Terra em que os seres humanos vivem.[61] Eles acreditam que todas esses povos são filhos de Deus. Joseph Smith, o fundador da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, ensinou que Deus revelou esta informação a Moisés e que o relato da Criação escrito por Moisés correspondia apenas a "nossa" terra.[62] Não há nenhuma doutrina oficial relacionada com o local desses planetas habitados.[63]

História[editar | editar código-fonte]

Na antiguidade, era comum a assumir um cosmos que consiste de "muitos mundos" habitados por formas de vida inteligentes, não-humanas, mas estes "mundos" eram mitológicos e criados sem a compreensão heliocêntrica do sistema solar, ou a compreensão da o Sol como uma entre incontáveis ​​estrelas.[64]

Giordano Bruno, De l'Infinito Universo et Mondi, 1584

Houve uma mudança dramática no pensamento iniciado pela invenção do telescópio e pela desconstrução feita por Copérnico da cosmologia geocêntrica. Uma vez que ficou claro que a Terra era apenas mais um planeta entre inúmeros corpos no universo, a teoria de vida extraterrestre começou a se tornar um tópico na comunidade científica. O proponente do início da era moderna mais conhecido de tais ideias foi o filósofo italiano Giordano Bruno, que defendeu no século XVI a ideia de um universo infinito em que cada estrela é cercada por seu próprio sistema planetário. Bruno escreveu que outros mundos "não têm menos força, nem uma natureza diferente da nossa terra" e, como a Terra, "contém animais e habitantes".[65]

As especulações sobre a vida em Marte aumentaram no final do século XIX, após a observação telescópica por alguns observadores de canais marcianos aparentes - que foram, contudo, rapidamente considerados ilusões ópticas. Apesar disso, em 1895, o astrônomo norte-americano Percival Lowell publicou seu livro Mars, seguido por Mars and its Canals de 1906, uma proposta de que os canais eram obra de uma antiga civilização marciana há muito desaparecida.[66] Uma análise espectroscópica da atmosfera de Marte começou em 1894, quando o astrônomo americano William Wallace Campbell mostrou que nem água nem oxigênio estavam presentes na atmosfera do planeta vermelho.[67]

O gênero de ficção científica, embora não fosse chamado assim na época, se desenvolve durante o final do século XIX. Júlio Verne, em sua obra Autour de la Lune (1870), apresenta uma discussão sobre a possibilidade de vida na Lua, mas com a conclusão de que o corpo celeste é estéril. Histórias envolvendo extraterrestres são encontrados em Edison's Conquest of Mars (1897), de Garrett P. Serviss. Em A Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, publicado em 1898, está o início da ideia popular da "invasão marciana" da Terra, que teve destaque na cultura pop do século XX. A transmissão radiofônica do romance de Wells, feita em 1938 por Orson Welles na rede CBS Radio Network, levou à indignação porque supostamente sugeria a muitos ouvintes que uma invasão alienígena por marcianos estava realmente em andamento.[68] [69]

Em 2000, o geólogo e paleontólogo Peter Ward e o astrobiólogo Donald Brownlee publicaram um livro intitulado Rare Earth: Why Complex Life is Uncommon in the Universe. Na obra, eles discutiram a Hipótese da Terra rara, em que reivindicam que a vida como a que existe na Terra é um fenômeno raro no universo, enquanto que a vida microbiana é mais comum. Ward e Brownlee estão abertos à ideia da evolução em outros planetas que não é baseada em características semelhantes às essenciais na Terra (como DNA e carbono).[70]

Em novembro de 2011, a Casa Branca divulgou uma resposta oficial a duas petições pedindo ao governo dos Estados Unidos reconhecesse formalmente que os extraterrestres têm visitado a Terra e divulgasse qualquer evidência de interação intencional do governo com seres extraterrestres. De acordo com a resposta: "O governo dos Estados Unidos não tem nenhuma evidência de que qualquer vida existe fora do nosso planeta, ou que uma presença extraterrestre tenha contactado ou engajado qualquer membro da raça humana."[71] [72] Além disso, de acordo com a resposta, "não há informação credível que sugira que qualquer evidência está sendo escondida dos olhos do público."[71] [72] A resposta observou ainda que esforços, como o SETI, o telescópio espacial Kepler e o rover Mars Science Laboratory da NASA, continuam à procura de sinais de vida extraterrestre. A resposta, referiu que "as probabilidades são muito altas" de que pode haver vida em outros planetas, mas "as chances de nos fazermos contato com qualquer uma delas, especialmente as que são inteligentes, são extremamente pequenas, dadas as distâncias envolvidas."[71] [72]

Em 2010, o famoso físico teórico Stephen Hawking advertiu que os seres humanos não deveriam tentar entrar em contato com formas de vida alienígenas. Ele alertou que civilizações extraterrestres podem saquear Terra por recursos naturais. "Se os alienígenas nos visitarem, o resultado seria muito parecido como quando Colombo desembarcou na América, o que não deu muito certo para os nativos americanos", disse ele.[73] Jared Diamond também manifestou preocupações similares.[74] Cientistas da NASA e da Universidade Estadual da Pensilvânia publicaram um artigo em abril de 2011 abordando a questão: "Será que entrar em contato com extraterrestres seria algo benefício ou prejudicial para a humanidade?" O documento descreve os cenários positivos, negativos e neutros para esse contato.[75]

Em 9 de maio de 2013, uma audiência congressional feita por dois subcomitês da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos discutiu o tema "Exoplanet Discoveries: Have We Found Other Earths?", que foi motivada pela descoberta do exoplaneta Kepler-62f, junto com o Kepler-62e e o Kepler-62c. Uma edição especial relacionada da revista Science, publicada anteriormente, descreveu a descoberta dos exoplanetas.[76] Em 17 de abril de 2014, a descoberta de um exoplaneta com um tamanho semelhante ao da Terra, o Kepler-186f, distante 500 anos-luz, foi anunciada publicamente e foi a primeira descoberta de um planeta do tamanho da Terra que orbita dentro de uma zona habitável e que, hipoteticamente, pode conter água em sua superfície.[77]

OVNIs[editar | editar código-fonte]

Não há qualquer evidência amplamente aceita que corrobore a existência de vida extraterrestre; no entanto, várias reivindicações controversas já foram feitas.[78] A crença de que alguns objetos voadores não identificados (OVNIs) podem ter origem extraterrestre,[79] junto com alegações de abdução alienígena,[80] é rejeitada pela maior parte da comunidade científica. A maioria dos avistamentos de OVNIs podem ser explicados como avistamentos de aeronaves humanas ou de objetos astronômicos conhecidos, ou como hoaxes.[81]

Após o Caso Roswell, ocorrido em 1947 na localidade de Roswell, no Novo México, várias teorias conspiratórias sobre a presença de seres extraterrestres no planeta Terra se tornaram um fenômeno generalizado nos Estados Unidos durante a década de 1940 e no início da era espacial na década de 1950, acompanhado por uma onda de relatos de OVNIs.[82] O termo "OVNI" foi cunhado em 1952, no contexto da enorme popularidade do conceito de "discos voadores", logo após o avistamento de um OVNI pelo piloto tKenneth Arnold em 1947, em Washington. Os documentos Majestic 12, publicados em 1982, sugerem que houve um interesse genuíno em teorias da conspiração envolvendo OVNIs dentro do governo dos Estados Unidos durante os anos 1940.[83]

No Brasil, casos envolvendo OVNIs ou supostas aparições de seres extraterrestres também tornaram-se mais frequentes. O Incidente de Varginha, em 1996, é famoso pelo relato de que três seres alienígenas supostamente teriam sido avistados por moradores do município de Varginha, Minas Gerais. E que pelo menos um dos seres teria sido avistado ainda com vida por três jovens da cidade.[84] Outro caso famoso no país é o da "Operação Prato", o nome dado a uma operação realizada pela Força Aérea Brasileira (FAB) em 1977 e 1978, através do Comando Aéreo Regional em Belém, para verificar a ocorrência de fenômenos desconhecidos que envolviam luzes que supostamente tinham um comportamento hostil e que foram relatados pela população do município de Colares, no norte do estado do Pará.[85] [86]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Griffin, Dale Warren. (14 de agosto de 2013). "The Quest for Extraterrestrial Life: What About the Viruses?". Astrobiology (journal) 13 (8): 774–783. DOI:10.1089/ast.2012.0959. Bibcode2013AsBio..13..774G.
  2. Davies, Paul. "Are We Alone in the Universe?", New York Times, 18 de novembro de 2013. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  3. Other Worlds, Other Universes. [S.l.]: Health Research Books, 1986. p. 3. ISBN 0-7873-1291-6
  4. Filkin, David; Hawking, Stephen W.. In: David. Stephen Hawking's universe: the cosmos explained. [S.l.]: Basic Books, 1998. p. 194. ISBN 0-465-08198-3
  5. Rauchfuss, Horst. Chemical Evolution and the Origin of Life. [S.l.]: Springer, 2008. ISBN 3-540-78822-0
  6. Gonzalez, Guillermo; Richards, Jay Wesley. In: Guillermo. The privileged planet: how our place in the cosmos is designed for discovery. [S.l.]: Regnery Publishing, 2004. 343–345 pp. ISBN 0-89526-065-4
  7. a b Moskowitz, Clara (29 de março de 2012). Life's Building Blocks May Have Formed in Dust Around Young Sun Space.com. Página visitada em 30 de março de 2012.
  8. Redfern, Martin. "Venus clouds 'might harbour life'", BBC News, 25 de maio de 2004. Página visitada em 5 de dezembro de 2007.
  9. (14 de dezembro de 2005) "Projects: Europa Mission Campaign". The Planetary Society.
  10. (March 2009) "TandEM: Titan and Enceladus mission". Experimental Astronomy 23 (3): 893–946. DOI:10.1007/s10686-008-9103-z. Bibcode2009ExA....23..893C.
  11. (31 May 2011) "Enceladus named sweetest spot for alien life". Nature. Nature. DOI:10.1038/news.2011.337.
  12. Wethington, Nicholos. "How Many Stars are in the Milky Way?", UniverseToday, 16 de setembro de 2008. Página visitada em 21 de abril de 2013.
  13. New Estimate for Alien Earths: 2 Billion in Our Galaxy Alone Space.com (21 de março de 2011). Página visitada em 24 de abril de 2011.
  14. Torres, Abel Mendez (26 de abril de 2013). Ten potentially habitable exoplanets now Habitable Exoplanets Catalog. University of Puerto Rico. Página visitada em 29 de abril de 2013.
  15. a b Overbye, Dennis. "Far-Off Planets Like the Earth Dot the Galaxy", New York Times, 4 de novembro de 2013. Página visitada em 5 de novembro de 2013.
  16. a b (31 de outubro de 2013) "Prevalence of Earth-size planets orbiting Sun-like stars". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. DOI:10.1073/pnas.1319909110. Bibcode2013PNAS..11019273P.
  17. Khan, Amina. "Milky Way may host billions of Earth-size planets", Los Angeles Times, 4 de novembro de 2013. Página visitada em 5 de novembro de 2013.
  18. (2007) "A "Follow the Energy" Approach for Astrobiology". Astrobiology 7 (6): 819–823. DOI:10.1089/ast.2007.0207. ISSN 1531-1074. Bibcode2007AsBio...7..819H.
  19. (2010) "To What Extent Does Terrestrial Life "Follow The Water"?". Astrobiology 10 (3): 349–361. DOI:10.1089/ast.2009.0428. ISSN 1531-1074. Bibcode2010AsBio..10..349J.
  20. Mix, Lucas John. In: Lucas John. Life in space: astrobiology for everyone. [S.l.]: Harvard University Press, 2009. p. 76. ISBN 0-674-03321-3 Página visitada em 2011-08-08.
  21. Pace, Norman R.. (January 20, 2001). "The universal nature of biochemistry". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 98 (3): 805–808. DOI:10.1073/pnas.98.3.805. PMID 11158550. Bibcode2001PNAS...98..805P.
  22. (Junho de 2010) "The Compositional Diversity of Extrasolar Terrestrial Planets. I. In Situ Simulations". The Astrophysical Journal 715 (2): 1050–1070. DOI:10.1088/0004-637X/715/2/1050. Bibcode2010ApJ...715.1050B.
  23. Ammonia-based life daviddarling.info.
  24. a b extraterrestrial life, variety of daviddarling.info.
  25. Goldsmith, Donald; Owen, Tobias. The Search for Life in the Universe. 2 ed. [S.l.]: Addison-Wesley, 1992. 247 pp. ISBN 0201569493
  26. "NASA Predicts Non-Green Plants on Other Planets", Goddard Space Flight Center, NASA, 4 November 2007. Página visitada em 18 de fevereiro de 2011.
  27. "Outer Planet Flagship Mission" , "Jet Propulsion Laboratory"
  28. "New approach for L-class mission candidates", "ESA"
  29. Berger, Brian. "Exclusive: NASA Researchers Claim Evidence of Present Life on Mars".
  30. Spotts, Peter N.. "Sea boosts hope of finding signs of life on Mars", The Christian Science Monitor, 2005-02-28. Página visitada em 18 de dezembro de 2006.
  31. NASA's Next Mars Rover To Land At Gale Crater NASA JPL (22 de julho de 2011). Página visitada em 22 de julho de 2011.
  32. NASA's Next Mars Rover to Land at Huge Gale Crater Space.com (22 July 2011). Página visitada em 22 de julho de 2011.
  33. "Mars rover aims for deep crater", BBC News, 22 de julho de 2011. Página visitada em 22 de julho de 2011.
  34. Carbonaceous meteorites contain a wide range of extraterrestrial nucleobases PNAS (11 August 2011). Página visitada em 15 de agosto de 2011.
  35. Steigerwald, John (8 de agosto de 2011). NASA Researchers: DNA Building Blocks Can Be Made in Space NASA. Página visitada em 10 de agosto de 2011.
  36. ScienceDaily Staff (9 de agosto de 2011). DNA Building Blocks Can Be Made in Space, NASA Evidence Suggests ScienceDaily. Página visitada em 9 de agosto de 2011.
  37. a b Chow, Denise (26 de outubro de 2011). Discovery: Cosmic Dust Contains Organic Matter from Stars Space.com. Página visitada em 26 de outubro de 2011.
  38. ScienceDaily Staff (26 de outubro de 2011). Astronomers Discover Complex Organic Matter Exists Throughout the Universe ScienceDaily. Página visitada em 27 de outubro de 2011.
  39. (26 October 2011) "Mixed aromatic–aliphatic organic nanoparticles as carriers of unidentified infrared emission features". Nature 479 (7371). DOI:10.1038/nature10542. PMID 22031328. Bibcode2011Natur.479...80K.
  40. Than, Ker. (29 de agosto de 2012). "Sugar Found In Space". National Geographic.
  41. Staff (29 de agosto de 2012). Sweet! Astronomers spot sugar molecule near star AP News. Página visitada em 31 de agosto de 2012.
  42. Jørgensen, J. K.. (2012). "Detection of the simplest sugar, glycolaldehyde, in a solar-type protostar with ALMA".
  43. a b Staff (September 20, 2012). NASA Cooks Up Icy Organics to Mimic Life's Origins Space.com. Página visitada em 22 de setembro de 2012.
  44. a b (September 1, 2012) "In-Situ Probing Of Radiation-Induced Processing Of Organics In Astrophysical Ice Analogs—Novel Laser Desorption Laser Ionization Time-Of-Flight Mass Spectroscopic Studies". The Astrophysical Journal Letters 756. DOI:10.1088/2041-8205/756/1/L24. Bibcode2012ApJ...756L..24G.
  45. Hoover, Rachel (21 de fevereiro de 2014). Need to Track Organic Nano-Particles Across the Universe? NASA's Got an App for That NASA.. Página visitada em 22 de fevereiro de 2014.
  46. Ray Villard, "The Search for Extraterrestrial Civilizations Comes of Age", "Discovery News"
  47. SETI: Search For Extra-Terrestrial Intelligence
  48. Ray Villard, "Super-Civilizations Might Live Off Black Holes", "Discovery News"
  49. Discovery of OGLE 2005-BLG-390Lb, the first cool rocky/icy exoplanet IAP.fr. (25 January 2006).
  50. SPACE.com – Major Discovery: New Planet Could Harbor Water and Life
  51. Schneider, Jean (10 de setembro de 2011). Interactive Extra-solar Planets Catalog Extrasolar Planets Encyclopaedia.. Página visitada em 30 de janeiro de 2012.
  52. Mike Wall, "NASA's Kepler Observatory to continue hunt for strange new worlds", "The Christian Science Monitor"
  53. Than, Ker. "Hopes dim for life on distant planet", USA Today, 18 de junho de 2007. Página visitada em 2 de maio de 2010.
  54. View all 26 comments Leave a comment (18 de maio de 2011). Scientists ID 'Habitable' Exoplanet — New model suggests Gliese 581D a likely candidate for life Newser.com. Página visitada em 13 de junho de 2012.
  55. "Kepler 22-b: Earth-like planet confirmed", BBC, 5 de dezembro de 2011. Página visitada em 5 de dezembro de 2011.
  56. "NASA's Kepler Confirms Its First Planet In Habitable Zone", NASA Press Release, 5 de dezembro de 2011.
  57. Star Struck, a letter to a Rabbi ohr.edu.
  58. Kaplan, Rabbi Aryeh. Extraterrestrial life torah.org.
  59. Revelation, Rationality, Knowledge & Truth, by Mirza Tahir Ahmad. Chapter; The Quran and Extraterrestrial Life
  60. Dengrove, Richard. "The Man Who Invented Extraterrestrials: Nicholas of Cusa", Challenger 29, Inverno de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  61. Doctrine and Covenants 76:23-24
  62. Moses 1:33
  63. Neal A. Maxwell, Our Creator's Cosmos
  64. Who discovered that the Sun was a Star? Stanford Solar Center.
  65. Giordano Bruno: On the Infinite Universe and Worlds (De l'Infinito Universo et Mondi) Introductory Epistle: Argument of the Third Dialogue
  66. Is Mars habitable? A critical examination of Professor Percival Lowell's book "Mars and its canals.", an alternative explanation, by Alfred Russel Wallace, F.R.S., etc. London, Macmillan and co., 1907.
  67. Chambers, Paul. Life on Mars; The Complete Story. [S.l.]: Blandford, 1999. ISBN 0-7137-2747-0
  68. Campbell, W. Joseph. Getting It Wrong: Ten of the Greatest Misreported Stories in American Journalism. [S.l.]: University of California Press, 2010. ISBN 978-0-520-26209-6
  69. The spoof in Georgia: Evocative of the ‘War of the Worlds? wordpress.com. Página visitada em 23 de maio de 2010.
  70. Amazon.com: Rare Earth: Why Complex Life is Uncommon in the Universe: Books: Peter Ward, Donald Brownlee
  71. a b c Larson, Phil (5 de novembro de 2011). Searching for ET, But No Evidence Yet Casa Branca. Página visitada em 6 de novembro de 2011.
  72. a b c Atkinson, Nancy (5 November 2011). No Alien Visits or UFO Coverups, White House Says UniverseToday. Página visitada em 6 de novembro de 2011.
  73. "Hawking warns over alien beings", BBC News, 25 de abril de 2010. Página visitada em 2 de maio de 2010.
  74. Diamond, Jared. "The Third Chimpanzee", Harper Perennial, 2006, Chapter 12.
  75. Baum, Seth; Haqq-Misra, Jacob; Domagal-Goldman, Shawn. "Would Contact with Extraterrestrials Benefit or Harm Humanity? A Scenario Analysis", Acta Astronautica, 2011, 68 (11-12):2014-2129, 22 de abril de 2011, acessado em 18 de agosto de 2011.
  76. (3 de maio de 2013) "Special Issue: Exoplanets". Science.
  77. Chang, Kenneth. "Scientists Find an 'Earth Twin', or Maybe a Cousin", New York Times, 17 de abril de 2014.
  78. "Top 10: Controversial pieces of evidence for extraterrestrial life", New Scientist, 4 de setembro de 2006. Página visitada em 18 de fevereiro de 2011.
  79. Cross, Anne. (2004). "The Flexibility of Scientific Rhetoric: A Case Study of UFO Researchers". Qualitiative Sociology 27 (1): 3–34. DOI:10.1023/B:QUAS.0000015542.28438.41.
  80. Clancy, Susan A.. Abducted: how people come to believe they were kidnapped by aliens. [S.l.]: Harvard University Press, 2005. 4–6 pp. ISBN 067402401X
  81. Ailleris, Philippe. (Janeiro-Fevereiro de 2011). "The lure of local SETI: Fifty years of field experiments". Acta Astronautica 68 (1–2): 2–15. DOI:10.1016/j.actaastro.2009.12.011. Bibcode2011AcAau..68....2A.
  82. "New Mexico 'Disc' Declared Weather Balloon and Kite", 9 de julho de 1947, p. 1. Página visitada em 5 de fevereiro de 2013.
  83. Allan, Christopher D. "Wilbert Smith and MJ-12." UFO Brigantia 44&45 (Julho/Setembro de 1990): 32-38.
  84. IstoéA história oficial do ET de Varginha. (15 de outubro de 2010). Página visitada em 24 de agosto de 2014.
  85. Portal TerraFAB cria normas para pilotos em caso de contato com ovnis (10 de agosto de 2010). Página visitada em 24 de agosto de 2014.
  86. IstoÉA história oficial dos ÓVNIS no Brasil (22 de julho de 2009). Página visitada em 24 de agosto de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vida extraterrestre