Teorias conspiratórias maçônicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O olho que tudo vê, alegoria do poder oculto atribuído a Maçonaria.
Parte de uma série de artigos sobre
Maçonaria
Maçom
Artigos principais

Maçonaria · Grande Loja · Loja Maçônica · Venerável Mestre · Graus maçônicos · Lojas Simbólicas · Loja de Perfeição

História

História da Maçonaria · Manuscritos Maçônicos · Constituição de Anderson ·CLIPSAS · SIMPA · União Maçónica Internacional CATENA · C.I.MA.S.

Teorias conspiratórias maçônicas são teorias conspiratórias envolvendo a Maçonaria; centenas de tais teorias conspiratórias têm sido descritas desde o final dos anos 1700.[1] Geralmente, essas teorias podem ser classificadas em três categorias distintas: políticas (normalmente envolvendo alegações de controle do governo, especialmente nos EUA e Reino Unido), religiosas (normalmente envolvendo acusações de anticristianismo ou crenças e práticas satânicas) e culturais (normalmente envolvendo o entretenimento popular). Muitos escritores de teorias conspiratórias têm ligado os maçons (e os Cavaleiros Templários) com a adoração do diabo, essas ideias foram baseadas em interpretações erradas das doutrinas das referidas organizações.[2]

Entre as alegações de que Maçonaria exerce controle sobre a política, talvez o exemplo mais conhecido é a teoria da Nova Ordem Mundial, mas existem outras. Estes envolvem principalmente aspectos e agências do governo dos Estados Unidos, mas também eventos reais fora dos EUA (tais como o escândalo na Itália da Propaganda Dois) são frequentemente utilizados para dar credibilidade a essas reivindicações.

Outro conjunto de teorias tem a ver com a maçonaria e religião, nomeadamente no que diz respeito ao envolvimento da Maçonaria com o "oculto". Estas teorias têm suas origens na Fraude de Taxil.[3] [4] Para além destas, existem várias teorias que incidem sobre a incorporação de símbolos em outros itens ordinários, tais como padrões de rua, selos nacionais, etc.

Existem teorias conspirativas maçônicas que lidam com todos os aspectos da sociedade. A maioria destas teorias são baseadas em um ou mais dos seguintes pressupostos:

  • Que a Maçonaria é a sua própria religião e requer uma crença no "deus" maçônico que é diferente dos princípios da crença cristã.
  • Que o 33º grau do Rito Escocês é mais do que um grau honorário, juntamente com a crença de que a maioria dos maçons não têm conhecimento dos segredos ocultos ou corpos prejudiciais dentro de sua organização que governam eles, conduzem-os ao ritual oculto, ou o controle de vários cargos de poder governamentais.[5]
  • Que existe um órgão centralizado a nível mundial que controla todos os maçons das Grandes Lojas, e assim, todos os atos da Maçonaria mundial em uma forma unificada.

Lista de teorias de conspiração associadas com a Maçonaria[editar | editar código-fonte]

As teorias de conspiração mais notáveis que envolvem a Maçonaria incluem:

Políticas[editar | editar código-fonte]

Religiosas[editar | editar código-fonte]

A Igreja Católica acusou a Maçonaria de praticar o satanismo e adorar Baphomet.

Cultural[editar | editar código-fonte]

Filiação[editar | editar código-fonte]

  • Os membros da maçonaria fazem um pacto de sangue na cerimônia de iniciação onde também são presenciados supostos ferimentos provocados com armas brancas. Há também relatos de tiros de armas de fogo. Os templos maçons são construídos sob sigilo absoluto e com isolamento acústico para evitar que gritos e cânticos entoem para o ambiente externo da loja.
  • Os membros da maçonaria são vigiados e tem suas famílias vigiadas; sigilos telefônico e postal são quebrados pela loja.
  • Evitam entrar numa Igreja ou templo de adoração a Cristo e só se retiram andando de costas (nunca dar as costas ao inimigo).
  • Não são aceitos pobres na maçonaria, para ser candidato é preciso ter uma ficha limpa, boa imagem e sobretudo já estabelecido socialmente e financeiramente; Tendem a ser escolhidos homens de cargos gerenciais, profissionais liberais e que exerçam funções chave na sociedade (delegados, médicos, juízes, governantes).
  • Se um Maçom revelar segredos da Maçonaria, ele e seus parentes de 1º grau são perseguidos e mortos; caso haja tentativa de fuga, também serão incluídos os parentes de 2º grau. Pessoas que sabem dos segredos passam a ser perseguidas e chantageadas, há relatos de esposas e filhos que enriqueceram após a morte do marido/pai maçon que teriam supostamente feito um acordo com a loja.

Outras[editar | editar código-fonte]

Coruja de Minerva; suposto símbolo maçônico (também considerado símbolo da bruxaria) que a Maçonaria é acusada de adorar.

Alegações de infiltração maçônicas[editar | editar código-fonte]

Na Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Pier Carpi, em seu livro As profecias de João XXIII, diz que no ano 1935 o futuro Papa João XXIII, Angelo Roncalli, foi convidado para participar de uma sociedade iniciática herdeira da maçonaria com ensinamentos tipo Rosacruz a que pertenceu, no passado Louis Claude de Saint-Martin, o Conde de Cagliostro e do Conde de St. Germain. Além disso, menciona a existência de provas documentais da iniciação na Turquia de Angelo Roncalli.[43] Jacques Duchaussoy escreveu em seu livro Mystère et Mission des Rose+Croix que Pier Carpi provocou reações de medo em alguns círculos por que na semana seguinte após a sua saída de venda, o livro foi retirado de todas as bibliotecas da França e o editor respondeu que não estava disponível na venda.[44] O Professor Maçon Alfonso Sierra Partida explica em seu livro La Masonería Frente al Mundo Contemporáneo, que tentou publicar, em jornais da Cidade do México, uma cópia de um alegado ato administrativo de iniciação em uma Loja Maçônica, em Paris, onde é dito que Angelo Roncalli (João XXIII) e Giovanni Montini (Paulo VI) "tinham sido levados no mesmo dia para serem iniciados em agosto nos Mistérios da Maçonaria." [45] O autor Franco Bellegrandi indica a existência de uma discussão entre os cardeais na época do Concílio Vaticano II, onde apareceu uma publicação circunstancial acusando de ilegitimidade a eleição de João XXIII, porque ele tinha sido querido pela Maçonaria, e indicando Roncalli como pertencente à Maçonaria a partir do ano da sua nunciatura na Turquia.[46] Piers Compton, em seu livro "The Broken Cross", afirma que existe uma infiltração da Igreja Católica pelos maçons e pelos Illuminati.[47] O Marquês de Franquerie indica em um livro que o Cardeal Pietro Gasparri tinha feito uma política perto dos círculos maçônicos e lhe delatou em vários artigos e na hierarquia católica.[48] Algumas revistas católicas tradicionalistas indicaram estas alegações [49] [50] e também foram mencionadas, como por exemplo, num artigo do Journal de Genève de 1966, quando o Papa João XXIII citou uma frase de tendência maçônica.

Nas Testemunhas de Jeová[editar | editar código-fonte]

Charles Taze Russell fundador das Testemunhas de Jeová foi acusado de pertencer a Maçonaria pelos escritores Lady Queenborough (Edith Star Miller) no seu livro "Occult Theocrasy" e Fritz Springmeier em 1990. Em seguida, foi indicado que seu túmulo com uma pirâmide com o símbolo da cruz e da coroa, é a prova da filiação maçônica.[51] As fontes com relação à maçonaria não colaboram com esta tese [52] assim como fontes com relação às testemunhas.[53] Um estudo de CESNUR (Centro Studi sulle Nuove Religioni com sede em Turim) [54] concluiu que a adesão da Maçonaria por Russell não foi provada.

Nos Mórmons[editar | editar código-fonte]

Desde o início do movimento Santo dos Últimos Dias, notou-se alguma ligação entre a maçonaria e o mormonismo. A Maçonaria desempenhou um papel considerável no estabelecimento de alguns rituais e na doutrina de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e consequentemente nos rituais e doutrinas de outras igrejas que, em um momento ou em outri vieram a separar-se desta. Em 6 de abril de 1840 foi fundada a Grande Loja Maçônica de Illinois, pelo juiz e patriarca mórmon James Adams, com sede em Nauvoo. A nova Grande Loja imediatamente estabeleceu laços estreitos com a comunidade religiosa fundada por Joseph Smith Jr., profeta e presidente da Igreja Mórmon. Em pouco tempo, a cidade de Nauvoo, então sede da Igreja, teve três alojamentos maçons, além de mais dois no estado de Iowa, onde, devido à grande adesão e membros da Igreja à maçonaria, passaram a ser conhecidas como "as lojas mórmon". A loja de Nauvoo cresceu rápidamente, passando a ter cerca de 1.550 irmãos afiliados em poucos meses. O próprio profeta Joseph Smith Jr. foi iniciado como um aprendiz maçon em 15 de março de 1842. Seu pai, Joseph Smith Sr., então Patriarca da Igreja, e seu irmão, Hirum Smith, futuro Patriarca da Igreja, eram ambos maçons. O episódio de filiação do profeta Joseph Smith à maçonaria foi documentado na ata da Loja de Nauvoo nessa mesma data, onde é dito que Joseph Smith Jr. e Sidney Rigdon "foram devidamente iniciados como aprendizes maçons no mesmo dia." [55] Os primeiros cinco presidentes da Igreja, Joseph Smith, Jr., Brigham Young, John Taylor, Wilford Woodruff e Lorenzo Snow foram todos iniciados como Maçons na Loja de Nauvoo. Alega-se que alguns ritos de A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias ajustam ou são baseados em rituais maçônicos. Joseph Smith provavelmente usou símbolos e sinais maçonicos para ilustrar passagens da ordenança (ritual) mórmon da Investidura (ou Endowment, em inglês), a fim de facilitar o aprendizado dos membros da Igreja dos ensinamentos a serem aprendidos nesse ritual. Por algum tempo, especulou-se que entre aqueles que compunham a turba que assassinou Joseph Smith e Hirum Smith, estavam proeminentes maçons não-mórmons de Illinois, alguns iniciados na Loja de Nauvoo. Essa especulação fez com que membros da Igreja Mórmon não pudessem se unir à maçonaria e maçons não pudessem batizar-se na Igreja Mórmon por muitos anos (Brigham Young, após ter discutido com o então Grão-Mestre da Loja Maçônica de Salt Lake City, teria lhe dito que nenhum mórmon seria admitido na maçonaria, fazendo com que o Grão-Mestre dissesse que nenhum maçon poderia ser mórmon). Por muitos anos, era comum interpretar que membros da Igreja Mórmon que se unissem à maçonaria uniam-se a organizações não compatíveis com a vida de um membro da Igreja. Nos anos 2000, Gordon B. Hinckley, 15º Presidente da Igreja visitou a Grande Loja de Utah e, após conversar com o Grão-Mestre, afirmou que não há problema em um mórmon ser maçom. Desde então, os maçons não mais discriminaram os mórmons que pertenciam a seu meio ou que desejassem juntar-se a eles. Nos últimos quinze anos, é cada vez mais notória a participação de mórmons na maçonaria, tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil e em outros países lusófonos.

Na Revolução[editar | editar código-fonte]

Há relatos que maçons se infiltraram em partidos revolucionários de esquerda no Brasil durante a Ditadura Militar e entregaram a identidade de membros. É atribuido aos maçons o vazamento de planos de ação ao DOPS e a consequente emboscada à Carlos Lacerda. Também há indícios que a Maçonaria se infiltrou em Cuba e planejou o assassinato de Fidel Castro.

Outras[editar | editar código-fonte]

As seguintes organizações foram fundadas por maçons e reconhecidas e denunciadas como tal:

"Supostas" intervenções da Maçonaria na história[editar | editar código-fonte]

Supostos crimes maçônicos[editar | editar código-fonte]

Tese de uma conspiração judaico-maçônica[editar | editar código-fonte]

A expressão "conspiração judaico-maçônica" foi cunhada no famoso panfleto anti-semita Os Protocolos dos Sábios de Sião publicado no começo do século XX, alegando uma conspiração judaico-maçônica para alcançar a dominação mundial. Foi usado como propaganda pelo regime nazista e do regime de Vichy que combinou em uma expressão dois princípios: o antissemitismo e a antimaçonaria.

Tese de uma conspiração visando uma Nova Ordem Mundial maçônica[editar | editar código-fonte]

Em 1912, Émile Flourens, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, rejeitou a premissa da criação da Liga das Nações e do Tribunal Permanente de Justiça Internacional, em um livro,[56] indicando a influência maçônica para criar um governo mundial, a justiça global e uma religião em uma Nova Ordem Mundial onde o papado seria excluído.[57] Ele expressou a suposição de que os círculos maçons queriam eliminar o direito à autodeterminação dos povos e substituí-lo com o direito internacional.[58]

Hoje, Gary H. Kah considera que a Maçonaria é a força que organiza a agenda para a Nova Ordem Mundial com um governo único mundial.[59]

Supostos símbolos secretos maçônicos em ruas e monumentos[editar | editar código-fonte]

Mapa do complexo dos terrenos do Capitólio, com a coruja no topo da pirâmide formada pelas ruas ao redor do Capitólio
  • Aeroporto de Denver: O Aeroporto Internacional de Denver tem sido apontado por seus símbolos maçônicos e gárgulas por vários teóricos de conspiração.[69] [70] após a publicação do livro de Alex Christopher [71] sobre o assunto.
  • Paris: Dominique Setzepfandt afirma em seus livros que em vários monumentos inspiração maçônica e imitação da arquitetura religiosa utilizando a geometria sagrada na cidade de Paris, como na pirâmide do Museu de Louvre.[72]
  • Bruxelas: Os livros de Paul de Saint-Hilaire [73] e de Adolphe Cordier [74] indicam um caráter urbanístico maçônico em vários locais da cidade belga de Bruxelas, o que foi criticado por Jean van Win, autor belga sobre a maçonaria.[75]
  • Barcelona: O peixe dourado de Frank Gehry no Porto Olímpico de Barcelona foi identificado como parte do simbolismo hermético. De fato tem sido sugerido que a loja maçônica de Barcelona poderia estar por trás da construção do Porto Olímpico.[76]

Vários autores [31] [77] , por exemplo David Icke,[78] sugerem que as empresas utilizam um simbolismo e numerologia maçônicas discreta ou secretamente em seus logotipos. A bandeira da Organização das Nações Unidas contem 33 segmentos, o número de graus no Rito Escocês Antigo e Aceito.[31]

Teorias de conspiração maçônicas na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • No filme A Lenda do Tesouro Perdido da Disney.
  • No romance de Matthew Reilly Seven Ancient Wonders.
  • Na música de Marilyn Manson King Kill 33 ° do álbum Holy Wood (In the Shadow of the Valley of Death) que é uma referência a um livro antimaçônico de conspiração de James Shelby Downard e Michael A. Hoffman King-Kill 33° .
  • Em Farabato, o mágico um romance esotérico que Franz Bardon alega que algumas lojas maçônicas praticam rituais de homicídio e de satanismo.
  • No livro de Dan Brown O Símbolo Perdido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hodapp, Christopher; Alice Von Kannon. Conspiracy Theories & Secret Societies For Dummies. [S.l.]: For Dummies, 2008. 174,178 pp. ISBN 0470184086
  2. Addison, Charles G.; David Hatcher Childress. The History of the Knights Templars: The Temple Church and the Temple. [S.l.]: Adventures Unlimited Press, 1997. 19-20 pp. ISBN 0932813402
  3. S. Brent Morris, The Complete Idiot's Guide to Freemasonry (2006), pp. 171-172; ISBN 1592574904
  4. Christopher Hodapp, Freemasons for Dummies (2005), pp. 160-161; 298-299; ISBN 0764597965
  5. Freemasonry - Conspiracy Within
  6. Why the NSA tried to recruit me by James Casbolt in St Ives, UK – October 31 2006
  7. "The Road to Heart Mountain? Rumors, FEMA and the Future"
  8. [1]
  9. United States Presidents and The Illuminati / Masonic Power Structure
  10. United States Presidents and The Illuminati / Masonic Power Structure Pt.4
  11. Freemasons at Freedomdomain.com
  12. World Order at Freedomdomain.com (hosted at Internet Archive)
  13. Berlet, Chip; Matthew Nemiroff Lyons. Right-wing Populism in America: Too Close for Comfort. [S.l.]: Guilford Press, 2000. p. 258. ISBN 1572305622
  14. a b Pugh, Joye Jeffries. Eden: The Knowledge of Good and Evil 666. [S.l.]: Tate Publishing,, 2006. p. 244. ISBN 1598862537
  15. Hitler, Adolf. Mein Kampf: Volume One - A Reckoning. Chapter XI: Nation and Race.
  16. Hitler, Adolf. Mein Kampf Volume Two - The National Socialist Movement. "Chapter XIII: German Alliance Policy after the War", 1924, trans. 1943.
  17. 'The Covenant of the Islamic Resistance Movement (HAMAS)-Palestine', articles seventeen, twenty-two and twenty-eight, 18 Aug 1988.
  18. Bohemian Grove Exposed!
  19. Freemasons, Illuminati and Associates
  20. Robinson, John. A Pilgrim's Path: Freemasonry and the Religious Right. M. Evans, 1993. ISBN 087131732X
  21. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Hodapp2008
  22. Freemasonry The worship of Lucifer, SATAN Part 1 of 5
  23. DO FREEMASONS WORSHIP SATAN/LUCIFER ?
  24. The Masonic Fairy Tale Known As The Leo Taxil Confession
  25. Freemasonry: Midwife to an Occult Empire
  26. G.A.O.T.U.
  27. Freemasonry is a Non-Christian Occult Religion
  28. Islamic Party of Britain: What then is Freemasonry
  29. Satanic Voices: UNMASKING JEHOVAH JAH-BUL-ON
  30. Name of Deity (MasonicInfo.com)
  31. a b c Corporate Logos
  32. George Washington
  33. Masonic Symbols in Washington
  34. Hodapp, Christopher L., Solomon's Builders: Freemasons, Founding Fathers and the Secrets of washington D.C., Ulysses Press, 2007, ISBN 1569755795
  35. United States Presidents and The Illuminati / Masonic Power Structure.
  36. "NASA Masonic Conspiracy - Apollo Missions Masonic Symbols"
  37. Jack the Ripper, Masonic conspiracy
  38. Freedomdomain.com
  39. Trosch - Masonry exposed
  40. "Who's the Enemy: -- The End of Days Begun?" "What is not commonly known is that the roots of modern Freemasonry extend far beyond the mid-eighteenth Century, all the way back to ancient Egypt, and more importantly; through a Middle Ages movement commonly known as the "Knight's[sic] Templar. It is, we now suspect, the remnants of this Templar/Masonic/American axis that were the true target of these attacks -- in other words, September 11th was a direct thrust at the heart of the American Revolutionary Experiment … in the critical year of 2001."
  41. United States Presidents and The Illuminati / Masonic Power Structure. Pt3
  42. Unfolding the Masonic Bombing of Christian Nagasaki – 1945 A.D., por Lowell Ponte
  43. Pier Carpi, Las Profecías de Juan XXIII, ediciones Martínez Roca (España)
  44. Jacques Duchaussoy, Mystère et Mission des Rose+Croix
  45. Alfonso Sierra Partida, La Masoneria Frente al Mundo Contemporáneo, México: Editorial Masónica Menphis, 1972. Wraps. 222 p. 3000 ejemplares
  46. Franco Bellegrandi, Nichitaroncalli. Controvita di un papa, Editions Eiles, Roma, 1994, p. 176)
  47. Piers Compton, The Broken Cross
  48. Marqués de la Franquerie, Lucifer et le pouvoir occulte, p.16, 1984. Texto en línea en francés
  49. Revista Medio Día en Punto, marzo-abril 1978
  50. Sous la Bannière, nº 22, marzo-abril 1989 pp. 23-24
  51. Argumentos en francés en el sitio web de M. Leblanc
  52. Buscar "C.T. Russel" en el artículo en inglés Anti-masonry Frequently Asked Questions de la Grand Lodge of British Columbia (consultado el 15 de marzo 2008)
  53. Argumentos en francés en el sitio web de M. Chasson
  54. La massoneria e le origini dei testimoni di Geova de Don Ernesto Zucchin Massoneria e religioni, y Massimo Introvigne, CESNUR, Elle Di Ci, Leumann (Torino) 1994
  55. Mervin B. Hogan, Mormonism and Freemasonry: The Illinois Period, Springfield, Illinois, 1980, p. 308-13
  56. Émile Flourens, Un fiasco maçonnique à l'aurore du vingtième siècle de l'ère chrétienne, (1912), Texte en ligne
  57. Émile Flourens, Un fiasco maçonnique à l'aurore du vingtième siècle de l'ère chrétienne, p.33, (1912), Texte en ligne
  58. Émile Flourens, Un fiasco maçonnique à l'aurore du vingtième siècle de l'ère chrétienne, p.55, (1912), Texte en ligne
  59. Gary H. Kah, En Route to Global Occupation, Huntington House Publishers, diciembre 1996
  60. D'où la signification du phallus, ou de son inoffensif substitut, l'obélisque, dressé comme un emblème de la sortie du tombeau et de la résurrection de la Divinité Albert Pike, Morals and Dogma, p. 393
  61. Michael Baigent y Richard Leigh, The Temple and the Lodge, 1989.
  62. Charles L. Westbrook Jr. Ph.D America’s Oldest Secret: The Talisman of the United States - The Mysterious Street Lines of Washington D.C. - Signature Of The Invisible Brotherhood, 123 p., 1990.
  63. Sitio internet Wake Up America, Artículo Secret Societies
  64. Sitio internet The Forbiddenknowledge, Artículo por Robert Howard United States Presidents and The Illuminati / Masonic Power Structure
  65. David Ovason, The Secret Architecture of our Nation's Capital : The Masons and the Building of Washington, D.C., 1999
  66. David Ovason,THE SECRET ZODIACS OF WASHINGTON DC : WAS THE CITY OF STARS PLANNED BY MASONS, 1999
  67. - Washington, DC A secret satanic plot revealed? - Sandusky, Ohio
  68. California Freemason, Summer 1972, Volume 19 No, 3. ed. Dewey H. Wollstein. p. 105.
  69. En un sitio internet conspiracionista: What on earth is going on at Denver International Airport? Or should we be asking what is going on UNDERGROUND there ?
  70. Denver Airport, En un sitio internet masónico
  71. Alex Christopher, Pandora's box: The ultimate "unseen hand" behind the new world order
  72. Dominique Setzepfandt, Paris maçonnique : à la découverte des axes symboliques de Paris, Paris, Faits & Documents, 1996. ISBN 2-909769-04-6
  73. Paul de Saint-Hilaire, Histoire secrète de Bruxelles, Albin Michel, 4.11.1981, ISBN 2226013057
  74. Adolphe Cordier, Histoire de l’Ordre maçonnique en Belgique, Mons, 1854
  75. Jean van Win, Bruxelles maçonnique, faux mystères et vrais symboles, éditions Cortext, 2008, ISBN 978-2-87430-047-9
  76. Más allá de la Ciencia, n° 234, Barcelona Hermética, por Olga Canals y Carlos G. Tutor, p.20
  77. Reptilian Watch, a repository of images related to Reptilian/Masonic symbolism
  78. David Icke, The Biggest Secret: The Book That Will Change the World, UK, Bridge of Love Publications, 1999. ISBN 0-9526147-6-6