Nova Ordem Mundial (teoria conspiratória)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde janeiro de 2013)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Nota: Para outros significados de Nova Ordem Mundial, ver Nova Ordem Mundial (desambiguação)
IAO-logo.png

A Nova Ordem Mundial (NOM), é uma teoria conspiratória, na qual um grupo poderoso e secreto está planejando dominar e escravizar o mundo através de um governo mundial único. A Nova Ordem Mundial seria um plano com o objetivo de derrubar governos de todo o mundo, bem como erradicar em todo o mundo todas as religiões e crenças, para unificar a humanidade sob uma “nova ordem”, que seria baseada em uma ideologia extremamente uniforme, uma moeda única e uma religião universal.

Nesta teoria, ocorrências significativas são ditas que são causadas por um grupo extremamente poderoso e secreto ou de vários grupos interligados. Acontecimentos históricos e atuais são vistos como passos de um curso planejado para governar o mundo principalmente através de uma combinação de políticas financeiras, corrupção política, engenharia social, controle mental, e o medo à base da propaganda (cultura do medo).

Uma das variantes da moderna teoria conspiratória da Nova Ordem Mundial seria um plano concebido pelos Illuminati, que segundo os teóricos ainda existem e continuam a perseguir a implementação desta nova ordem. O chamado "processo de globalização" iniciado em finais do século XX a nível mundial, seria uma das muitas facetas do estabelecimento progressivo dessa nova ordem. "Nova Ordem Mundial" refere-se ao período pós-Guerra Fria, ou seja, de 1989 aos dias de hoje. O motivo de acontecer é devido à divisão (feita pelos historiadores e geógrafos) dos períodos da história,como a Ordem da Guerra Fria e a Ordem da Revolução Industrial. Basicamente,a Nova Ordem Mundial foi proposta para mostrar que havia um rompimento com o período antecedente,que era de bipolarização política,militar e ideológica entre os EUA e a URSS. Assim,na Nova Ordem Mundial,temos a polarização econômica e militar dos EUA.

A teoria de Conspiração da Nova Ordem Mundial pode ser apresentada por qualquer pessoa ou grupo de pessoas que temem a perda da sua liberdade ideológica e liberdades religiosas, sejam eles da extrema-direita ou de extrema-esquerda, bem como por cristãos fundamentalistas, grupos de conservadores e liberais. Essa Teoria conspiratória do final do século XX e início do século XXI permitiu a fusão de muitas ideias que tem aberto a mente das pessoas sobre a natureza da conspiração da Nova Ordem Mundial e da identidade dos seus conspiradores que existem desde a antiguidade.[1] [2] [3] [4] [5] .

Alegados sinais de uma conspiração[editar | editar código-fonte]

Proponentes da teoria oferecem diversas observações que eles consideram como sendo de apoio à teoria:

Teóricos da conspiração afirmam que existem símbolos judaico-maçônicos no Grande Selo dos EUA.
O 'Olho da Providência' flutuando acima de uma pirâmide inacabada no verso do Grande Selo dos Estados Unidos. Influência dos Illuminati?.
O Olho da Providência (Olho que tudo vê) suposto símbolo dos Illuminati na nota de um dólar.

Eles apontam para diversos sinais e símbolos maçônicos que se encontram embutidos nos murais no Aeroporto Internacional de Denver[6] ou esculpidos em edifícios públicos (particularmente em Washington DC) ; símbolos supostamente dos Illuminati incorporados no Grande Selo dos Estados Unidos com as palavras “Novus Ordo Seclorum” que em latim significa "nova ordem dos séculos”, ou que foi impresso na nota de um dólar americano a partir de 1935 pelo secretário do Tesouro dos EUA, Henry Morgenthau Jr., sob demanda do então Secretário de Agricultura e futuro Vice-presidente dos Estados Unidos, Henry A. Wallace, sob a influência de Nicholas Roerich. Alguns veem pentagramas e outras formas supostamente ocultas concebidas no planejamentos de cidades.[7] [8]

Alegam que os sinais e os símbolos têm sido encontrados em ,[9] templos Mórmons da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias,[10] e sobre a roupa de vários clérigos. Os Cavaleiros de Colombo e da Ordem Soberana e Militar de Malta, como na Maçonaria, utilizam muitos desses rituais e símbolos complexos.

Os defensores desta teoria afirmam que algumas pessoas fazem parte da conspiração. A maioria das famílias proeminentes, tais como os Rothschild, os Rockefeller (a família de banqueiros que comandam o mundo), a família Bush,[11] os Morgan, os Warburg e os Du Pont, monarcas europeus e da família real saudita, o Vaticano e os sionistas estão alegadamente entre os importantes membros. Alguns modernos papas e membros hierarquia da Igreja Católica Romana são também citados e estariam a desempenhar um papel e têm utilizado a expressão Nova Ordem Mundial, em seus discursos: João XXIII,[12] Paulo VI,[13] João Paulo I,[14] [15] João Paulo II,[16] e Bento XVI.[17]

Os defensores desta teoria afirmam que muitas organizações internacionais como o Banco Mundial, o FMI, a União Europeia, as Nações Unidas e a OTAN são fundamentais para as organizações da NOM. Presidentes e primeiros-ministros de nações, como Barack Obama, também estão incluídos na teoria (ver: Teorias conspiratórias sobre a cidadania de Barack Obama). Uma versão alternativa da teoria da Nova Ordem Mundial afirma que essas famílias e as pessoas estão todas relacionadas à mesma linhagem de sangue.

Seguidores da teoria da NOM incluem os seguintes grupos suspeitos, de tentar criar uma nova ordem mundial, estes grupos são vistos como parte da frente organização (ões): Comissão Trilateral, Conferência Bilderberg, Council on Foreign Relations, Clube de Roma, Nações Unidas, Projeto para o Novo Século Americano, Federal Reserve Bank, Maçonaria, G8, Caveira e Ossos, Ordem de Malta, CIA.

Cronograma[editar | editar código-fonte]

Há vários eventos que são considerados fundamentais para o estabelecimento da Nova Ordem Mundial:[18]

Ideologias[editar | editar código-fonte]

Há um número de diferentes ideologias relacionadas com esta crença:[27]

Teoria da “Nova Ordem Mundial Benevolente”[editar | editar código-fonte]

H.G. Wells aconselhou em 1940 no seu trabalho A Nova Ordem Mundial, que:

"… quando a luta parece estar definitivamente derivando para um mundo da social-democracia, não podem ainda ser muito grandes os atrasos e decepções antes de se tornarem um eficiente e beneficente sistema mundial. Inúmeras… pessoas vão odiar a nova ordem mundial e irão morrer … e protestar contra ela. Quando se tenta avaliar a sua promessa, não [se deve] ter em mente o perigo de uma geração ou mais de malcontentes, muitos deles de pessoas de aparência bastante animosas e graciosas. "[28]

Ele uniu o esforço de organizar proeminentes intelectuais por trás da ideia de estabelecer um governo mundial, nos seus escritos, que seria de esperar para ter um papel instrumental, na "Conspiração Aberta" (benevolente), seu livro publicado sob esse nome, em 1928.[29]

Teorias conspiratórias não negam necessariamente que existe um movimento bem-intencionados de cidadãos globais que apóia o estabelecimento de um sistema mundial federal para reforçar e democratizar as instituições globais, com a sessão do poder constitucional responsável perante os cidadãos do mundo e uma divisão da autoridade internacional entre distintas agências mundiais. No entanto, eles acreditam que este movimento tenha ou venha a ser cooptados pelos comunistas ou pela conspiração dos fascistas para criar uma nova ordem mundial totalitária.

Teoria da "Comunidade de Deus"[editar | editar código-fonte]

Lionel Curtis escreveu em 1938 um livro chamado A Comunidade de Deus em que ele defendia que os Estados Unidos e o Império Britânico conjuntamente devem impor um governo mundial que seria apresentado como sendo a obra de Deus:

"Eu sinto que, quando uma vez que a igrejas protestantes tinham aprendido a respeito da criação de uma comunidade mundial como um todo-importante aspecto de seu trabalho na realização do Reino de Deus, uma comunidade internacional no mundo de língua Inglesa viria a ser, em algumas gerações. "[30] [31]

Curtis fundou o Instituto Real de Assuntos Internacionais, em Junho de 1919. Um ano mais tarde a sua organização irmã, o Council on Foreign Relations, foi formado na América. Alguns teóricos conspiração encontram um significado sinistro no presente.

Teoria da “Nova Ordem Mundial Anti-semita”[editar | editar código-fonte]

Alice A. Bailey, uma teosofista, uma vez que formou seu próprio grupo, a Escola Misteriosa, em 1923, previu em 1940 a vitória dos aliados da Segunda Guerra Mundial sobre o Eixo e depois o estabelecimento pelos Aliados de uma "Nova Ordem Mundial "- considerado por ela (como por H.G. Wells) - como uma conspiração benevolente por políticos progressistas que traria a humanidade a um nível mais elevado de civilização.[32] No entanto, em 1997, o Rabino Yonassan Gershom, em um artigo intitulado " Estereótipos Anti-semita nos Escritos de Alice Bailey ", assinalou que o " Plano para a Nova Ordem Mundial " de Bailey apelou " a progressiva dissolução - se novamente, de qualquer maneira possível – da dos judeus ortodoxos", que, segundo ele, indicou que "o seu objetivo é nada menos do que a destruição do judaísmo em si."[33]

Teoria “Conselho de Relações Exteriores”[editar | editar código-fonte]

Patrick J. Buchanan um Paleoconservativo afirma o Conselho de Relações Exteriores – Council on Foreign Relations (que alegava ser uma frente de banqueiros internacionais, bem como, alega-se, a inspiração para a fundação do Clube de Bilderberg, Comissão Trilateral, e Organização Mundial do Comércio) está por trás da conspiração. Ele alega que o interesse de bancos internacionais estão planejando para eventualmente subverter a independência dos Estados Unidos da América por subordinar a soberania nacional para as Nações Unidas.[34] [35] Esta tese concorda com o parecer da ala-direita libertária,[36] A conspiração seria substituir uma economia de mercado livre a uma economia planificada monopolista capaz de racionamento de recursos, convertendo populações em propriedade pública.[37] Isso inevitavelmente levaria ao coletivismo burocrático: o Estado controla os meios de produção e da repartição dos recursos, enquanto o excedente ("lucro") é distribuído entre uma classe dirigente de burocratas, e não entre a classe trabalhadora. Assim, o sistema não seria verdadeiramente capitalista, mas também não é socialista. A sua habitual imagem é de uma igualitária escravidão sob uma ditadura científica mundial.

A teoria Conselho de Relações Exteriores é a mais recente versão da conspiração, opinião teorizadora de que os anglo-americanos de 1900 no Estabelecimento conspiraram para ganhar dominação mundial. Os resultados da investigação do historiador Carroll Quigley, um perito sobre o estabelecimento, foram tomadas pelos escritores de direita para fundamentar este ponto de vista, apesar de ele negar que a Constituição era uma conspiração visando dominação mundial.[38]

Os críticos argumentam o Council on Foreign Relations é, de fato, um mero fórum de debate político. Possui cerca de 3.000 membros, muitos dos planos secretos para ser mantida no seio do grupo. Todo o município faz é patrocinar grupos de discussão, debates e oradores. No que diz respeito de ser secreta, emite relatórios anuais e permite o acesso a seus arquivos históricos. Estudos históricos do município mostram que ela tem um papel muito diferente em toda a estrutura do poder de que é alegado pelos teóricos de conspiração. .[39]

Teoria Apocalíptica cristã baseada no Livro do Apocalipse[editar | editar código-fonte]

Alguns teólogos cristãos evangélicos incluem um elemento religioso baseado em profecias da Bíblia, incluindo, mas não se limitando a, o livro do Apocalipse, o Livro de Daniel e do Evangelho de João, sobre a vinda do Anti-Cristo à implementação da Nova Ordem Mundial, assim como a subsequente batalha do Armagedom e a Segunda vinda de Cristo. Afirmam que os agentes de Satanás estão envolvidos em enganar a humanidade a aceitar uma ordem internacional demoníaca que Satanás e a Trindade Irreligiosa ( que representa Satanás, anticristo, e o falso profeta na escatologia cristã), no centro de culto. Estas crenças incluem muitas vezes o Milenarismo explícito. Os Illuminati apregoam a iminência da vinda do Anti-Cristo e o fim do mundo.

Para os fundamentalistas cristãos tanto o Antigo como o Novo Testamento advertem que o ponto culminante da história seria marcado pela reunião das nações do antigo Império Romano na Europa; a restauração do estado de Israel (e a crescente hostilidade de todas as nações dirigida a ele); a implementação de um sistema governamental mundial-único; a imposição de um sistema monetário mundial sem dinheiro; o desenvolvimento de uma religião mundial sincretística, baseada no homem, e presidida por um falso profeta; a ascensão ao poder de um ditador mundial benigno, que (uma vez firmemente no controle eliminaria as liberdades individuais, demonstraria ferocidade e crueldade ferrenhas, e faria de si mesmo objeto de adoração); e a apostasia mundial, juntamente com a perseguição e execução ativa de cristãos fiéis.

Outras ideologias, entretanto, não têm um componente religioso, e vêem o conceito de "serviço Satanás" metaforicamente. Os cristãos preteristas e os críticos argumentam que algumas ou todas as profecias bíblicas relativas ao Juízo Final referem literalmente ou metaforicamente para eventos que já aconteceram no primeiro século depois de Jesus nascer. Em sua opinião, o conceito da "hora final" refere-se ao fim da aliança entre Deus e Israel, e não o fim dos tempos, ou o fim do planeta Terra. Eles argumentam que profecias sobre o Arrebatamento, a contaminação do Templo, a destruição de Jerusalém, o Anticristo, a tribulação, a Segunda vinda de Cristo, e a Última Sentença foram cumpridas no momento ou durante o ano 70 quando os romanos (e futuro imperador) Tito saquearam Jerusalém e destruíram o templo judaico, colocando um fim permanente aos sacrifícios de animais diários. De acordo com esses críticos, muitas passagens do Novo Testamento indicam aparente com certeza que a segunda vinda de Cristo, e ao final do tempo previsto na Bíblia deviam ter lugar no seio da vida dos discípulos de Jesus: Mat. 10:23, Mat. 16:28, Mat. 24:34, Mat. 26:64, Rom. 13:11-12, 1 Coríntios. 7:29-31, 1 Coríntios. 10:11, Fel.4:5, Tiago 5:8 -9, 1 Ped. 4:7, 1 Jo. 2:18.

Teorias envolvendo "Os Protocolos dos Sábios de Sião"[editar | editar código-fonte]

Os Protocolos dos Sábios de Sião são um documento, publicado em 1903, alegando uma conspiração judaico-maçônica para alcançar a dominação mundial. Responsável pela alimentação de teorias antimaçônicas do século XX, Os Protocolos propagaram a ideia de que um grupo influente de pessoas, a qual tem como braço um a Maçonaria que pratica cabala judaica, está conspirando governar o mundo em nome de todos os judeus, porque eles acreditam ser o povo escolhido de Deus.[40]

Os Protocolos é amplamente considerado como influente no desenvolvimento de outras teorias conspiratórias e reaparece várias vezes na literatura de conspiração contemporânea. Por exemplo, os autores do controverso livro The Holy Blood and the Holy Grail de 1982, concluiram que Os Protocolos é o elemento mais persuasivo de prova para a existência das atividades do Priorado de Sião. Eles especularam que esta sociedade secreta esta trabalhando nos bastidores para estabelecer um teocrático "Estados Unidos da Europa" (país política e religiosamente unificado através do culto imperial de um rei sagrado Merovingio, que ocuparia o trono tanto da Europa e da Santa Sé), que irá tornar-se a hiperpotência do século XXI.[41]

Teorias Anti-maçônicas que centram-se na frase "Novus Ordo Seclorum"[editar | editar código-fonte]

Teóricos de Conspiração acreditam que os maçons têm conexão com a Nova Ordem Mundial, principalmente porque seus membros se referem a si próprios como ‘Iluminados’. Outros já até acusaram o grupo de uma organização oculta. Rumores como estes provavelmente surgem devido à natureza secreta da sociedade.[42] A frase Novus ordo seclorum, que figura no verso do Grande selo dos Estados Unidos da América e na parte de trás da nota de um dólar americano desde 1935, significa "Nova Ordem das Idades", mas é, por vezes, impropriamente traduzida como "Nova Ordem Mundial " ou " Nova Ordem Secular. "[43] Anti-Maçons que acreditam que os maçons estão envolvidos na conspiração para criar um ordem mundial, alegam que o lema é inspirado pela maçonaria, e note que um determinado Maçom (Benjamin Franklin) e um possível Maçom (Francis Hopkinson) estiveram envolvidos na concepção do selo. Alguns afirmam que o lema é uma pista para os verdadeiros donos do mundo. Teóricos conspiracionistas reivindicam que alguns dos Pais Fundadores dos Estados Unidos, tais como George Washington e Benjamin Franklin, entrelaçaram o simbolismo maçônico à sociedade americana, especialmente no Grande Selo dos EUA, na nota de um dólar, na arquitetura de marcos da Alameda Nacional, e nas ruas e rodovias de Washington, DC, a fim de comemorar seu planeamento de um governo em conformidade com a vontade do Grande Arquiteto do Universo, a quem eles acreditam ter encarregado os Estados Unidos com o eventual estabelecimento de um hermético "Reino de Deus na Terra"[44]

Defensores da teoria conspiratória também afirmam que imagens no Grande selo dos Estados Unidos da América são maçônicas, tais como a águia (representando uma Fênix que alegam ser um símbolo maçônico), bem como diversos elementos do Selo aparecendo em séries de 13, que afirmam significa algo para pedreiros. Estes incluem os 13 passos que sobem a pirâmide, os 72 blocos visíveis na parte dianteira, a águia que segura um ramo de oliveira com treze azeitonas e 13 folhas em uma garra, e 13 flechas na outra, e 13 estrelas acima da águia. Defensores frequentemente apontam que, se você circunscrever seis linhas irregulares elas apontaram um hexagrama, (muitas vezes descrita pelos defensores como uma Estrela de Davi – símbolo do judaismo), sobre a pirâmide no Selo, cinco dos seis vértices (o sexto será o “Olho que tudo vê”) , apontam perto das letras SMONA, que podem ser reorganizadas para soletrar Mason; pedreiro (ou a palavra hebraica “omã", o que significa artesão ou operário qualificado, portanto, uma outra possível referência à Maçonaria).

Os Maçons refutam muitas dessas alegações de conspiração maçônicas. Afirmam que a Maçonaria, que promove racionalismo, coloca nenhum poder em símbolos próprios. Não é uma parte de a Maçonaria ver o desenho de símbolos, não importa o qual, como um ato de consolidação ou controle do poder. Além disso, não há informações publicadas maçônicas que institui a adesão dos homens responsáveis pela concepção do Grande Selo ou o plano na Rua de Washington, DC[45] [46] Em termos mais gerais, maçons afirmam que uma longa regra dentro maçonaria regular, é uma proibição sobre a discussão de política em Lojas Maçônicas. A Maçonaria não tem nenhuma política, mas ensina seus membros a serem cidadãos ativos. A acusação que a maçonaria tem uma agenda escondida para estabelecer um governo maçônico ignora vários fatos. Embora concordando, que em certas Grandes Lojas Maçônicas, os muitos independentes e soberanos agem como tal, e não concordam em muitos outros pontos de fé e prática. Além disso, como pode ser visto a partir de um levantamento dos maçons que foram grandes homens, tomem crenças individuais maçonicas que abrangem ao espectro da política. O termo “governo maçônico” não tem sentido uma vez que cada maçon possui muitas opiniões diferentes sobre o que constitui um bom governo, e a Maçonaria como um organismo não tem qualquer opinião sobre o tema.[47] Em última análise, maçons alegam que, mesmo se fosse comprovado que indivíduos influentes têm utilizado e estão usando lojas maçônicas para empenhar-se na política de criptografia, como foi o caso da Propaganda Due, isso representaria um cooptação da Maçonaria, em vez de provas da sua agenda oculta.

Teoria do "Quarto Reich"[editar | editar código-fonte]

Jim Marrs argumenta que alguns membros sobreviventes do Terceiro Reich da Alemanha Nazi juntamente com simpatizantes dos Estados Unidos e noutros países, deram refúgio seguro a organizações como ODESSA e Die Spinne, que têm vindo a trabalhar nos bastidores desde o final da II Guerra Mundial, pelo menos, a promulgar alguns dos princípios do nazismo (por exemplo, militarismo, o fascismo, o imperialismo, difundido a espionagem sobre cidadãos, empresas e da utilização de propaganda para controlar os interesses nacionais e ideias) na cultura, no governo e em empresas em todo o mundo, mas principalmente nos Estados Unidos. Ele cita como exemplo a aquisição e a criação de conglomerados pelos nazistas e seus simpatizantes após a guerra, na Europa e nos EUA. Isto é visto como o primeiro passo para o plano mestre dos neonazistas para estabelecer progressivamente o "Western Imperium" ( “Império Ocidental”) ou o Quarto Reich, um império pan-ariano mundial abrangendo terras com laços arianos proeminentes (Europa, a Rússia, a América Anglo-Saxônica, Austrália, Nova Zelândia e Sul da América do Sul), que permitiria que o Ocidente ganhasse o "choque de civilizações".[48]

Teoria da "Megacorporação"[editar | editar código-fonte]

Muitos teóricos de conspiração de esquerda argumentam que a última consequência da convergência do tecnocapitalismo, do neoliberalismo e da globalização será a ascensão de megacorporações - corporações multinacionais que são enormes conglomerados, de exploração monopolista ou quase-monopólio sobre controle de vários mercados (apresentando, assim, um monopólio horizontal tanto verticais). Megacorporações seriam tão poderosas que poderiam ignorar a lei, possuir os seus próprios exércitos privados fortemente armados (muitas vezes de dimensão militar) , esperar um território 'soberano' e, possivelmente, até mesmo atuar como definitivos governos. Eles, muitas vezes exerceriam um grande grau de controle sobre os seus colaboradores, tendo a ideia de "cultura corporativa" para um extremo. Megacorporações iriam exercer uma manipulação da procura dos consumidores tão potente que tem um efeito coercivo, no montante de partida de um capitalismo de livre mercado, e tem um efeito negativo de pacificar a sociedade mundial em geral para reprimir o desejo de mudança social.

Teoria conspiratória envolvendo OVNIs e extraterrestres[editar | editar código-fonte]

Teoria conspiratória do final do século XX e início do século XXI permitiu a adição de muitas ideias que, no passado, poderiam ter sido pensadas como ficção científica. Seres Extraterrestres (quer os "Reptilianos" ou "Greys", ou ambos) foram incluídas na conspiração da Nova Ordem Mundial, em papéis mais ou menos dominante, como na teoria avançada por David Icke. O tema comum em tais teorias é que os extraterrestres têm estado entre nós durante décadas, séculos ou milênios, mas um governo mundial encobre os fatos e tem protegido o público de tal conhecimento. A raça alienígena tem planos de dominar a Terra através de uma manipulação dos acontecimentos históricos e figuras ilustres. Em algumas teorias, alienígenas invasores tomaram forma humana e circulam livremente em toda a sociedade humana, mesmo ao ponto de assumir o controle de posições de comando. Uma agência governamental disfarçada sob o nome de código Majestic 12 (ou “Homens de Preto”) é muitas vezes citado como sendo o governo sombra, que colabora com a invasão alienígena. O aparecimento deste tipo de teoria conspiratória coincide com a era da desconfiança generalizada dos governos e da crença na hipótese de existência de vida extraterrestre para explicar os OVNIS (objeto voador não identificado).

Teorias sobre os casos de manipulação histórica[editar | editar código-fonte]

Os conspiradores provavelmente responsáveis para a nova ordem mundial, de acordo com teóricos da conspiração, são suspeitos igualmente de encenar muitos eventos históricos tais como guerras mundiais e ataques de terroristas. Os teóricos da conspiração da nova ordem mundial dizem que os líderes do mundo ao longo da História manipularam com sucesso seus povos em guerras usando operações de falsa bandeira. Para suportar estas afirmações mencionam o que consideram serem exemplos precedentes de tais manipulações:

Outros teóricos de conspiração da nova ordem mundial vêem a conspiração como um trabalho da globalização, ou nos diversos movimentos intelectuais que evoluiu de marxismo, variando da social democracia a Escola de Frankfurt. Estes são pensados para ser destinado a homogeneizar culturas e valores de normalização política, como o esquema gradual de “construção comunitária” da União Europeia e a União Africana a quadro econômico e jurídico comum.

Execuções Postuladas[editar | editar código-fonte]

Assim como existem várias teorias conspirativas sobrepostas e mesmo teorias conflitantes sobre a natureza da Nova Ordem Mundial, de modo que existem várias crenças sobre a forma como os seus arquitetos irão programá-la. Para cada teoria, não existe outra que afirma que já aconteceu:

Gradual aquisição econômica através do colonialismo[editar | editar código-fonte]

Uma teoria conspiratória afirma que a Nova Ordem Mundial está a sendo implementada gradualmente, citando a fundação do Banco de Reserva Federal (Federal Reserve Bank); o imperialismo americano e colonialismo econômico, a formação das Nações Unidas; a constituição da Organização Mundial da Saúde, do Banco Mundial e da Organização Mundial do Comércio (OMC), a formação da União Europeia e do euro, as formações da União Norte Americana e da moeda Amero, o Zona de Livre Comércio do Oriente Médio, a União Africana, a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC) e os processos de paz no Oriente Médio como principais marcos.

Em particular, Alex Jones afirma em seu filme Endgame: Blueprint for Global Enslavement[49] que a União Europeia, a União da América do Norte e outras associações econômicas semelhantes são implementações da Nova Ordem Mundial, orquestrada pelo grupo Bilderberg.[50]

Golpe Militar e Lei Marcial[editar | editar código-fonte]

A compreensão de alguns teóricos de conspiração é que a Nova Ordem Mundial será criada por uma lei marcial após um golpe militar, orquestrado pela ONU e, possivelmente, com apoio de tropas americanas, contra todas as nações do mundo para trazer um governo mundial único. Antes do ano 1999 alguns conspiracionistas acreditavam que este processo estaria ajustado no movimento pela qual poderia ser iniciado com a prevista crise generalizada dos computadores Y2K (bug do milênio ou problema do ano 2000) causando uma desordem social.[51] Após os atentados de 11 de setembro, alguns tornaram-se convictos de que um incidente terrorista mais catastrófico será responsável para desencadear esse processo.

Vigilância pelo complexo industrial[editar | editar código-fonte]

Alguns teóricos de conspiração da comunidade cristã fundamentalista acreditam que a Nova Ordem Mundial será feita com a vigilância pelo complexo militar-industrial pelo Anti-Cristo, muitas vezes chamado de "Big Brother", que identifica a vinda do reino de Satanás na Terra com a marca da besta mencionado especificamente no livro do Apocalipse (ver Apocalipse 13:16 ). Porque o sinal da besta está ligado ao ato de "compra e venda", a marca tem sido por diversas vezes considerados idênticos com a cobrança de imposto sobre as vendas, o uso de cartões de Segurança Social, e de código de barras de mercadorias de varejo com marcações UPC (Universal Product Code – Código de Produto Universal). Defensores dessa ideia veem três guias que representariam 666 (Número da Besta) nos códigos de barra e cogitam que as pessoas começariam a ter códigos de barra tatuados na pele, confirmando as profecias. Entretanto, os três guias realmente equivalem a 666. O guia da esquerda significa 6, o do meio 6 e o da direita vale 6. O código não é diferente para as barras da direita e à esquerda, e a posição relativa é muito importante. O número da besta é 666, ele está no código de barras, pelo menos do ponto de vista técnico. O código de barras representa os número de 0 a 9, e como são dois códigos diferentes para cada lado, existem 20 combinações significativas no código UPC. Destas 20, apenas uma segue o padrão "barra, espaço, barra" (101) das barras longas e esta é justamente a que equivale a 6.[52]

Teóricos Atuais têm implicado marcação RFID (Radio-Frequency Identification) também. Afirmam que o Verichip foi desenvolvido como um dispositivo para uso global para identificação de humanos para o propósito do comércio econômico global: a implementação da sociedade global sem dinheiro. Segundo eles, o projeto que usará satélites espiões e também outros aparatos eletrônicos, que serão usados para o policiamento de um estado global totalitário, que foi idealizado para monitorar todos os civis, que usarão o biochip Verichip implantados e programados por um software biométrico universal.[53] Temas relacionados incluem escatologia (último caso) e dispensacionalismo.[54] [55] [55] [56]

Chip RFID para implante em pessoas comparado a um grão de arroz..
Mão com a posição planejada para a implantação do microchip da RFID
…Situação da mão imediatamente após o término da operação que introduziu o microchip da RFID. Segundo alguns evangélicos, o Verichip seria a Marca da Besta mencionada no Apocalipse.

"A externalização da Hierarquia"[editar | editar código-fonte]

Nas teorias de conspiração de Alice Bailey (veja acima), um grupo chamado a Grande Fraternidade Branca trabalha nos "planos internos" para supervisionar a transição da humanidade para a Nova Ordem Mundial. Atualmente, os membros deste Hierarquia Espiritual só são conhecidos por poucas pessoas, com quem se comunicam telepaticamente, mas como a necessidade de seu envolvimento pessoal no plano aumenta, haverá um "externalização da Hierarquia" e todas as pessoas que irão saber da sua presença na Terra

Criticas e ceticismo[editar | editar código-fonte]

Céticos duvidam, entretanto, que a Nova Ordem Mundial seja possível porque todo governo tem seus próprios interesses, além de ser muito egoísta para organizar um grupo único para controlar todas as nações. Críticos das teorias de conspiração da Nova Ordem Mundial, também acusam seus defensores de conspiracismo, isto é, ter uma visão paranoica do mundo que coloca teorias de conspiração centralmente no desenrolar da história, ao invés de forças sociais e econômicas.[57]

Além disso, os céticos e criticos, apontam vários erros e contradições nessa teoria:

  • Afirmam que os teóricos de conspiração negligenciam informações, como as que os Illuminati foram dissolvidos pelo governo da Baviera, em 1785. Não só isso, mas um dos chefes da sociedade, Barão Knigge, era um cristão. Também, é improvável que os objetivos dos Illuminati teriam continuado até aos nossos dias ou que tenham sido anticristãos. De vez em quando grupos vêm tona chamando a si mesmos, ou pretendendo serem, os Illuminati. No entanto, não existem necessariamente conexões entre esses grupos com os originais, os Illuminati de Weishaupt, apenas porque compartilham este nome;
  • No que diz respeito aos maçons, eles são muitas vezes acusados de ser uma sociedade secreta com conexões ocultistas. E realmente, alguns dos maiores escritores da maçonaria, como Albert Pike e Manly p. Hall, afirmam em seus livros categoricamente que o deus verdadeiro não é o deus Adonai, mas sim Lúcifer. No livro "Moral e Dogma" de Albert Pike, no capítulo 19, ele diz:
"LÚCIFER, o portador da Luz! Nome estranho e misterioso para dar ao Espírito da escuridão! Lúcifer, o Filho da Manhã! É ele que traz a Luz, e com seus esplendores intoleráveis cega as almas fracas, sensuais ou egoístas? Não duvide!".

Em outro trecho do mesmo livro, no capítulo 28, podemos ler:

"Todas as religiões verdadeiramente dogmáticas surgiram da Cabala e retornam a ela: tudo que é científico e grandioso nos sonhos religiosos de todos os illuminati".[58]
  • Uma das principais fontes de evidência (para os teóricos da conspiração) de que as sociedades secretas estão conectadas com o governo americano são suas alegações do simbolismo que se acha sobre o dólar americano e o Grande Selo dos Estados Unidos da América. O problema é que alguns símbolos são altamente subjetivos. O símbolo de um único olho-em-um-triângulo (Olho que tudo vê) sobre o dólar americano, oficialmente é dito ser o "olho de Deus" e "para significar ou orientação divina Providência, o símbolo tem suas origens na arte renascentista. No entanto, hoje, esse símbolo parece estar associado ao ocultismo. É usado pelo Ordo Templi Orientis (OTO), um grupo oculto, e aparece no livro escrito por um dos mais famosos ocultistas, Aleister Crowley. Os antigos egípcios utilizavam um símbolo de um só olho para representar o deus Hórus. Por isso, cristãos fundamentalistas acusam este símbolo de ser satânico e afirmam que Horus é análogo ao Diabo. Entretanto, segundo a mitologia egípcia Hórus não era equivalente do Diabo, mas na verdade lutava contra seu equivalente.
  • Os conspiracionistas afirmam que os pais fundadores dos EUA foram todos os membros da Maçonaria ligada aos Illuminati e simpatizantes da conspiração da NOM: Benjamin Franklin, John Adams e Thomas Jefferson, que tiveram a tarefa de projetar o Grande Selo, assim, participaram da incorporação dos símbolos "ocultos". No entanto, isto é irrelevante como as suas sugestões foram rejeitadas e símbolos para a concepção final foi realmente contribuído por William Barton ou Charles Thomson em 1782. A pirâmide é utilizada para representar força e resistência e está inacabada, porque os EUA têm vontade contínua de crescimento completo. Trata-se, também, de aludir à fuga dos Israelitas da tirania do Faraó, a quem os pais fundadores comparam simbolicamente a si. "Novus Ordo Seclorum", o escrito em latim sob o pé da pirâmide, traduz como "um novo mundo das idades", e representa o número treze do original treze Colônias da União. Não é, como se afirma, "Nova Ordem Mundial", ou para designar feitiçaria, com o número 13, respectivamente.
  • A Grande Pirâmide que aparece na parte de trás do dólar americano é acusada de ser um símbolo ocultista, mas é absurdo usar a afirmação de que a pirâmide é um símbolo oculto como uma base sobre o argumento de que o governo americano também está relacionado com ocultismo e sociedades secretas.[59]

Para os céticos, os teóricos conspiracionistas possuem uma maneira peculiar de pensar por seu treinamento religioso, em particular pelo seu estudo da Bíblia.[carece de fontes?] Na medida em que se torna cada vez mais difícil ver este mundo como projetado para qualquer coisa, as teorias se tornam cada vez mais absurdas para manter viva a ilusão teológica e escatológica.[carece de fontes?]

"Na mente dos paranoicos, os Illuminati tiveram sucesso em seus objetivos e já se infiltraram em todos os governos e todos os aspectos da sociedade. Eles são responsáveis por todo o mal e todo ato injusto onde quer que ocorra; o fato de que absolutamente nenhuma evidência de sua existência possa ser encontrada apenas serve para torná-los mais fortes e mais assustadores. Eles são o demônio oculto, e provavelmente nunca irão desaparecer do mundo das fantasias paranoicas dos teóricos conspiracionistas da direita." - New England Skeptical Society[60]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Barkun, Michael. 2003. A Culture of Conspiracy: Apocalyptic Visions in Contemporary America. Berkeley: Univ. of California.
  2. Goldberg, Robert Alan. 2001. Enemies Within: The Culture of Conspiracy in Modern America. New Haven: Yale University Press.
  3. Pipes, Daniel. (1997). Conspiracy: How the Paranoid Style Flourishes and Where it Comes From. New York: The Free Press.
  4. Camp, Gregory S. 1997. Selling Fear: Conspiracy Theories and End-Times Paranoia. Grand Rapids, Mich.: Baker Books.
  5. Fenster, M. 1999. Conspiracy theories: Secrecy and power in American culture. Minneapolis: Univ. of Minnesota Press.
  6. Denver Westword (August 30, 2007). DIA Conspiracies Take Off. Retrieved on 2008-09-28.
  7. O documentário 'Riddles In Stone: The Secret Architecture of Washington D.C. investiga várias peculiaridades das ruas e edifícios do Distrito de Colúmbia.
  8. [1]
  9. WorldWide Religious News Official Website - "Anglicans Wary On 'Satanic Symbols'", "The Nation" - From December 9, 2004 - Retrieved on October 22, 2008
  10. - Masonic Symbols and the LDS Temple - By Sandra Tanner - Retrieved on October 19, 2008
  11. a b c From The New York Times - Bush to Host World Economic Summit - Retrieved on October 18, 2008
  12. PACEM IN TERRIS - ENCYCLICAL OF POPE JOHN XXIII ON ESTABLISHING UNIVERSAL PEACE IN TRUTH, JUSTICE, CHARITY, AND LIBERTY - From April 11, 1963 - Retrieved on October 22, 2008
  13. Carta encíclica Populorum Progressio de Sua Santidade o Papa Paulo VI sobre o desenvolvimento dos povos. Aos bispos, sacerdotes, religiosos, féis e a todos os homens de boa vontade 26 de março de 1967
  14. «URBI ET ORBI» RADIOMESSAGE OF HIS HOLINESS JOHN PAUL I - From August 27, 1978 - Retrieved on October 22, 2008
  15. Conspiracies and Myths - Famous People - Retrieved on October 22, 2008
  16. Pope calls for a new world order - From January 1, 2004 - Retrieved on October 21, 2008
  17. Vatican Official Website - From Christmas 2005 - Retrieved on October 21, 2008
  18. A Chronological History: The New World Order - D.L. Cuddy, Ph.D - Koinonia House
  19. The European Illuminati by Vernon L. Stauffer, hosted on the Grand Lodge of British Columbia & Yukon website (hereafter BC&Y).
  20. A Bavarian Illuminati Primer Compiled by Trevor W. McKeown hosted BC&Y
  21. John Spargo, "The Jew and American Ideals." Harper & Brothers Publishers New York 1921 p. 20-40.
  22. WTO | Understanding the WTO - The GATT years: from Havana to Marrakesh at www.wto.org
  23. Index Subdermal microchip ID at www.cybertime.net
  24. VeriChip Microchip Implants Cause Fast-Growing, Malignant Tumors in Lab Animals. Will this end the Mark of the Beast?
  25. Beware of the unholy North American Union
  26. [1] White House Official Document
  27. Johnson, George (1983). Architects of Fear: Conspiracy Theories and Paranoia in American Politics. Los Angeles: Jeremy P. Tarcher, Inc.. ISBN 0-87477-275-3.
  28. The New World Order by H. G. Wells
  29. H. G . Wells, The Open Conspiracy for World Government
  30. Curtis, Lionel. Civitas Dei: The Commonwealth of God London (1938) - MacMillan & Sons
  31. Lionel Curtis: why the US must re-join the British Empire at users.cyberone.com.au
  32. Bailey, Alice A. The Externalisation of the Hierarchy New York: 1957--Lucis Publishing (a compilation of earlier prophecies) Pages 185-192 "The New World Order".
  33. Alice Bailey'S Antisemitism
  34. Buchanan, Patrick J. Where the Right Went Wrong New York: 2004--Thomas Dunne Books, an imprint of St. Martins Press
  35. WorldNetDaily – A Free Press for a Free People at www.wnd.com
  36. The United Nations: One World United Under One Global Dictatorship at www.unisevil.com
  37. Property Rights at www.getusout.org
  38. Carroll Quigley: Theorist of Civilizations
  39. a b Domhoff, G. William (2005), There Are No Conspiracies , http://sociology.ucsc.edu/whorulesamerica/theory/conspiracy.html , retrieved on 30 January 2009
  40. Soviet Jewry: Hearing before the Subcommittee on Human Rights and International Organizations, United States Congress. House. Committee on Foreign Affairs. Commission on Security and Cooperation in Europe. 1984. p.56
  41. Henry Lincoln, Michael Baigent, Richard Leigh, The Holy Blood and the Holy Grail, Corgi, 1982. ISBN 0-552-12138-X.
  42. [2]
  43. Lewis and Short, A Latin Dictionary: Founded on Andrews' Edition of Freund's Latin Dictionary: Revised, Enlarged, and in Great Part Rewritten by Charlton T. Lewis, Ph.D. and Charles Short, LL.D. The Clarendon Press, Oxford, 1879, s. vv.
  44. Barbara Aho, "The Masonic Foundations of the United States", watchpair.com, 1997. Retrieved on 2009-01-24.
  45. Anti-masonry Frequently Asked Questions: Is the eye and pyramid a masonic symbol?
  46. Anti-masonry Frequently Asked Questions: Doesn't the satanic design of Washington, DC’s streetplan prove that there’sa masonic conspiracy?
  47. Anti-masonry Frequently Asked Questions: Does Freemasonry have a secret political agenda?
  48. Marrs, Jim (2008). The Rise of the Fourth Reich: The Secret Societies That Threaten to Take Over America. William Morrow. ISBN 9780061245589.
  49. IMDB Endgame: Blueprint for Global Enslavement (Video 2007) - acessado em 12/08/2011.
  50. Endgame : Blueprint for Global Enslavment
  51. BBC News Special Report (1998-10-05). "Death to the New World Order". http://news.bbc.co.uk/1/hi/special_report/1998/09/98/conspiracy_-_radio_5_live/185161.stm. Retrieved on 2006-06-24.
  52. [3]
  53. [4]
  54. Albrecht & McIntyre (2006). The Spychips Threat: Why Christians Should Resist RFID and Electronic Surveillance, Tennessee: Nelson Current ISBN 1595550216
  55. a b Gilbert, Alorie (2006). "is RFID the mark of the beast?". News.com. http://archive.is/20130425112014/http://news.com.com/2061-10786_3-5579795.html. Retrieved on 2006-12-18.
  56. Baard, Mark (2006). "RFID: Sign of the (End) Times?". Wired.com. http://www.wired.com/news/culture/0,70308-0.html. Retrieved on 2006-12-18.
  57. [5]
  58. pdf em inglês
  59. [6]
  60. [7]

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • Cuddy. Secret Records Revealed: The Men, The Money and The Methods Behind the New World Order. [S.l.]: Hearthstone Publishing, Ltd., 1999. ISBN 1-57558-031-4
  • Abraham, Larry. Call it Conspiracy. [S.l.]: Double a Publications, 1988. ISBN 0-9615550-1-7
  • Still, William T.. New World Order: The Ancient Plan of Secret Societies. [S.l.]: Huntington House Publishers, 1990. ISBN 0-910311-64-1
  • Cooper, Milton William. Behold a Pale Horse. [S.l.]: Light Technology Publications, 1991. ISBN 0-929385-22-5
  • Robertson, Pat. The New World Order. [S.l.]: W Publishing Group, 1992. ISBN 0-8499-3394-3
  • Wardner, James. The Planned Destruction of America. [S.l.]: Longwood Communications, 1994. ISBN 0-9632190-5-7
  • Keith, Jim. Black Helicopters over America: Strikeforce for the New World Order. [S.l.]: Illuminet Press, 1995. ISBN 1-881532-05-4
  • Jones, Alan B.. Secrecy or Freedom?. [S.l.]: ABJ Press, 2001. ISBN 0-9640848-2-1
  • Gray, John. False Dawn: The Delusions of Global Capitalism. [S.l.]: New Press, 2000. ISBN 1-56584-592-7
  • Bearden, Tom. Energy from the Vacuum: Concepts & Principles. [S.l.]: Cheniere Press, 2004. ISBN 0-9725146-0-0
  • Feitosa, Osnes. Always has a Conspiration in the Middle of Dangles. [S.l.]: Caico Press, 2013. ISBN 0-9725146-0-9
  • Marrs, Jim. Rule by Secrecy: The Hidden History That Connects the Trilateral Commission, the Freemasons, and the Great Pyramids. [S.l.]: HarperCollins, 2001. ISBN 0-06-093184-1
  • Lina, Jüri, "Under the Sign of the Scorpion: The Rise and Fall of the Soviet Empira", Stockholm, 2002 (Second, Enlarged Edition).
  • Lina, Jüri. Architects of Deception: the Concealed History of Freemasonry. Stockholm, 2004, originally written in Swedish, title "Världbyggarnas bedrägeri: frimurarnas dolda historia".
  • Madisson, Tiit. New World Order: The Concealed Acting of Judaists and Freemasons at Subdueing the World's Nations and Countries, written in Estonian, original title: "Maailma Uus Kord: judaistide ja vabamüürlaste varjatud tegevus rahvaste ning riikide allutamisel". Lihula, 2004.
  • Wilson, Robert Anton. Everything is Under Control: Conspiracies, Cults, and Cover-Ups. New York: 1998, Harper-Perennial.
  • Bollier, David. Brand Name Bullies: The Quest to Own and Control Culture. [S.l.]: Wiley, 2005. ISBN 0471679275
  • Tedford, Cody. Powerful Secrets. Hannover, 2008. ISBN 1-4241-9263-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]