Dez Mandamentos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Moisés com as Tábuas da Lei, por Rembrandt

Os Dez Mandamentos ou o Decálogo é o nome dado ao conjunto de leis que segundo a Bíblia, teriam sido originalmente escritos por Deus em tábuas de pedra e entregues ao profeta Moisés (as Tábuas da Lei). As tábuas de pedra originais foram quebradas, de modo que, segundo Êxodo 34:1, Deus teve de escrever outras. Encontramos primeiramente os Dez Mandamentos em Êxodo 20:2-17. É repetido novamente em Deuteronômio 5:6-21, usando palavras similares.

Decálogo significa dez palavras (Ex 34,28). Estas palavras resumem a Lei, dada por Deus ao povo de Israel, no contexto da Aliança, por meio de Moisés. Este, ao apresentar os mandamentos do amor a Deus (os quatro primeiros) e ao próximo (os outros seis), traça, para o povo eleito e para cada um em particular, o caminho de uma vida liberta da escravidão do pecado.

De acordo com o livro bíblico de Êxodo, Moisés conduziu os israelitas que haviam sido escravizados no Egito, atravessando o Mar Vermelho dirigindo-se ao Monte Horeb, na Península do Sinai. No sopé do Monte Sinai, Moisés ao receber as duas "Tábuas da Lei" contendo os Dez Mandamentos de Deus, estabeleceu solenemente um Pacto (ou Aliança) entre YHWH (ou JHVH) e povo de Israel.

Os dez mandamentos[editar | editar código-fonte]

Placa indicando os Dez Mandamentos em Araxá, Minas Gerais, Brasil.

O texto bíblico[editar | editar código-fonte]

O Segundo Livro de Moisés Chamado ÊXODO;

CAPÍTULO 20: 1 a 17

  • Os Dez Mandamentos
  • 1 ENTÃO falou Deus todas estas palavras, dizendo:
  • 2 Eu sou o SENHOR teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
  • 3 Não terás outros deuses diante de mim.
  • 4 Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
  • 5 Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.
  • 6 E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.
  • 7 Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
  • 8 Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.
  • 9 Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
  • 10 Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.
  • 11 Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou.
  • 12 Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá.
  • 13 Não matarás.
  • 14 Não adulterarás.
  • 15 Não furtarás.
  • 16 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
  • 17 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o escravo, nem a sua escrava, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo."

Os dez mandamentos repetem-se em Dt 5:1-21.

Torá[editar | editar código-fonte]

Os Dez Mandamentos foram entregues no Monte Sinai ao povo hebreu, por Deus, através de Moisés, separadamente do restante da Torá (ensinamentos). De acordo com a Bíblia, os Mandamentos escritos nas duas tábuas da Lei, foram escritas pelo dedo do próprio Deus sendo que os demais foram ditados e escritos em pergaminhos por Moisés e ambos falados diretamente ao povo. Em hebraico (língua original dos Mandamentos), o número de letras dos Dez Mandamentos é equivalente a 613, o número total dos mandamentos da Torá.

Divisão dos mandamentos[editar | editar código-fonte]

Os versículos 2 a 17 são a divisão natural dos Dez Mandamentos. Flávio Josefo separa o versículo 3 como o primeiro Mandamento, os versículos 4 a 6 como o segundo mandamento, o versículo 7 é o terceiro mandamento, os versículos 8 a 11 são o quarto mandamento (o mais longo), e os versículos 12 a 17 são o quinto ao décimo mandamento (um versículo para cada mandamento) (Antigüidades Judaicas, Vol. 3, Cap. 5 §5). Outros, inclusive Agostinho, consideravam os versículos 3 a 6 como 1 só mandamento, ignorando o versículo 4, mas dividiam o versículo 17 em dois mandamentos, o nono a respeito da cobiça da mulher alheia e o décimo contra cobiçar os seus pertences. A divisão de Agostinho foi adotada pela Igreja Católica Romana.

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

Os cristãos reconhecem no Decálogo uma importância e um significado basilares. Algumas igrejas ordenam a sua completa observância. Outros enfatizam a importância de seguir seus princípios, pois creem que Cristo resumiu todos os mandamentos no amor a Deus e ao próximo.

Jesus interpreta a Lei do Amor da seguinte maneira: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento." E o segundo, semelhante a este, é: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." É importante ressaltar que esse verso é uma citação de Jesus referindo-se ao capítulo 6 verso cinco de Deuteronômio.

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

Os Dez Mandamentos (ou Decálogo) é a síntese da Antiga Lei de Deus . A Nova Lei ou Lei de Cristo exposta no Sermão da Montanha é a base e fundamental da moral católica, a Igreja Católica exige aos seus fiéis o cumprimento obrigatório destas regras.[1] Segundo as próprias palavras de Jesus, quem ouve os seus mandamentos e os coloca em prática "tem a vida eterna" (Mt 19,16-21); Quem ama a Cristo guarda os seus mandamentos e o maior de todos é o Amor:"o povo mostra a sua presença com Deus com gratidão à sua iniciativa de amor" : "Amai-vos uns aos outros assim como eu vos Amei; nisto reconhecerão que sois meus discípulos se vos amardes uns aos outros".[2] Além dos novos mandamentos da Lei de Cristo, existem também os mandamentos da Igreja Católica Romana,; estes mandamentos encontram-se no Catecismo da Igreja Católica e foram inspirados nos 10 Mandamentos e "enunciam deveres fundamentais do homem para com Deus e para com o próximo e para com a Igreja",[1] e, que ao todo, são dez:

  • 1º - Amar a Deus sobre todas as coisas.
  • 2º - Não usar o Santo Nome de Deus em vão.
  • 3º - Santificar Domingos e festas de guarda.
  • 4º - Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
  • 5º - Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo)
  • 6º - Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º - Não roubar. (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8º - Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo).
  • 9º - Guardar castidade nos pensamentos e desejos.
  • 10º- Não cobiçar as coisas alheias.

Segundo o judaísmo a transgressão de apenas um dos 613 mandamentos da Lei infrige toda a Lei, porque é um "conjunto orgânico e indissociável", e a pessoa que o infrigiu cometeu pecado, como está escrito em Tiago capítulo 2, versículo 10: "Qualquer que guardar toda a Lei mas tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos". .[3] Por isso a diferença dos dois pactos: na Antiga Aliança firmada na Lei não havia perdão da culpa e na Nova Aliança através do Sangue de Cristo temos o perdão dos pecados através da graça de Cristo que resgatará o pecador da maldição da Lei.

Tabela comparativa[editar | editar código-fonte]

A passagem dos mandamentos no Êxodo contém mais que dez afirmações, totalizando 14 ou 15 no total. Enquanto a própria Bíblia assina a contagem de "10", usando a frase hebraica aseret had'varim— traduzida com as 10 palavras, afirmações ou coisas, essa frase não aparece nas passagens usualmente apresentadas como sendo "os Dez Mandamentos". Várias religiões dividem os mandamentos de modo diferente. A tabela abaixo aponta essas diferenças.

Divisão dos Dez Mandamentos por religião/denominação
Mandamento Judaico Anglicano, Presbiteriano e demais protestantes. Ortodoxa Católico romano, Luterano* Adventista do sétimo dia.
Amar a Deus sobre todas as coisas 1 Prefácio 1 1 Baseia-se do 1º ao 4º****
Não terás outros deuses além de d'Ele 2 1 1
Não farás para ti nenhum ídolo 2 2 2
Não dirás em vão o nome do SENHOR, o teu Deus 3 3 3 2 3
Lembra-te do dia de sábado para o santificar 4/sábado 4/domingo** 4/domingo** 3/domingo** 4/sábado
Honra teu pai e tua mãe 5 5 5 4 5
Não matarás 6 6 6 5 6
Não adulterarás 7 7 7 6 7
Não furtarás*** 8 8 8 7 8
Não darás falso testemunho contra o teu próximo 9 9 9 8 9
Não cobiçarás (a mulher do teu próximo) 10 10 10 9 10
Não cobiçarás (nada do que pertença a teu próximo) 10

Notas:

* Algumas igrejas luteranas usam uma divisão levemente diferente entre o Nono e o Décimo Mandamentos (9. Não cobiçarás a casa do teu próximo; 10. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seus servos ou servas, nem seu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença.[4] )
** Desde o cristianismo primitivo a tradição apostólica fixou o domingo como dia de adoração a ser observado como dia de descanso.[5]
*** O Judaismo afirma que essa é uma referência ao seqüestro, enquanto para o Cristianismo Levítico 19:11 é a referência bíblica ao furto de propriedade. Esse entendimento se baseia nas Hermenéuticas Talmudicas conhecidas por דבר הלמד מעניינו/davar ha-lamed me-inyano, (literalmente: algo provado pelo contexto), pelo qual isso deve referir-se a uma ofensa capital, sendo que os dois mandamentos anteriores se referem a ofensas capitais.[6]
**** Para os cristãos quando Jesus diz: "Amar a Deus sobre todas as coisas" - Mateus 22:37 [7] ele refere-se ao 1º, 2º, 3º e 4º mandamentos (pois tem a ver com o nosso amor com Deus), quando ele diz "Ame aos outros como você ama a você mesmo." [8] ele refere-se ao 5º, 6º, 7º, 8º, 9º e 10º mandamentos (pois tem a ver com o nosso amor para com o próximo). Em Mateus 22:40 Jesus diz: "Toda a Lei se resume nesses dois mandamentos."[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b IGREJA CATÓLICA. Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (em português). Coimbra: Gráfica de Coimbra, 2000. N. 438 e 440 p. ISBN 972-603-349-7
  2. Ibidem; n. 434 e 437
  3. Ibidem, n. 439
  4. Catechism Christian Doctrine of the Evangelical Lutheran Church of Finland (Evangelical Lutheran Church of Finland Church Council Helsinki 2000) [1]PDF (126 KiB)
  5. In: Alexander Roberts, D.D. & James Donaldson, LL.D.. Chapter LXVII.—Weekly worship of the Christians. (Nela o autor expôe a prática de cristãos primitivos por volta de 150 que já guardavam o domingo).. [S.l.: s.n.]. Página visitada em 2007-01-13.
  6. Commentary of Rashi a Êxodo 20:13
  7. "Amar a Deus sobre todas as coisas" - Mateus 22:37
  8. "Ame aos outros como você ama a você mesmo." - Mateus 22:39b NTLH
  9. Mateus 22:40 NTLH

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Dez Mandamentos
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.