Pidyon haben

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: esta página contém alguns caracteres especiais e é possível que a impressão não corresponda ao artigo original.

Torah2.jpg
Este artigo é parte da série sobre
religiosidade judaica
Nascimento

Brit milá | Zeved habat
Nome hebraico | Pidyon Haben

Maturidade

Upsherin | B'nai Mitzvá
Bençãos | 613 Mitzvot

Casamento

Shiduch | Nidá | Mikvá
Ketubá | Chupá
Tzeniut | Guet

Itens religiosos

Tzitzit | Talit | Tefilin | Quipá
Menorá | Peiot | Sidur
Mezuzá | Shofar

Morte

Chevra kadisha | Shivá
Kadish | Yizkor

Ver também
Série Judaísmo
Pidyon Haben

Pidyon haben (em hebraico פדיון הבן) ou redenção do primogênito é o nome dado ao ritual judaico onde cada judeu (exceto cohen ou levi) deve redimir seu filho primogênito nascido de parto natural (sem cesariana, nem aborto anterior) de mãe judia (linhagem matrilineal, e que também não seja cohen nem levi). Como lembrança de que todo primogênito é santificado à Deus, resgata-se este filho pagando cinco shekalim (que eram moedas de prata pura) ou objeto de valor semelhante, entregues ao cohen durante a cerimônia. Se por algum motivo a criança não foi resgatada no tempo correto, isto deve ser feito na primeira oportunidade, mesmo que o menino já seja adulto (onde ele mesmo deve resgatar-se diante do cohen).[carece de fontes?]

Origem[editar | editar código-fonte]

A tradição judaica explica que os primogênitos dos filhos de Israel foram escolhidos para o sacerdócio para com o Criador, devido ao fato de terem sido poupados da última das 10 pragas do Egito. No entanto, quando os israelitas pecaram ao sacrificar ao bezerro de ouro, os cohanim assumiram o dever do sacerdócio. Pidyon haben foi então instituído como forma de resgatar um filho (não levi e não cohen) desta obrigação ao sacerdócio.[carece de fontes?]

Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.