Big Rip

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Astronomia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Janeiro de 2014.

Uma animação de uma galáxia sujeita ao Big Rip

Big Rip (em português: Grande Ruptura) é uma teoria, apresentada inicialmente em 20031 , que diz que se a velocidade de expansão do universo atingir uma velocidade acima do nível crítico, isto causará o deslocamento de todos os tipos de matéria, e então as galáxias se isolariam, e depois de alguns bilhões de anos os próprios átomos se desintegrariam.

A chave desta hipótese é a quantidade de energia escura no Universo. Se o Universo contém suficiente energia escura, poderia terminar tendendo a uma desagregação de toda a matéria.

O valor chave é w, a razão (quociente) entre a pressão da energia escura e sua densidade energética, variável fundamental nas equações de estado do universo e seu comportamento no futuro.2 Para w < -1, o Universo acabaria por se desagregar.3 Primeiro, as galáxias se separariam entre si, logo a gravidade seria demasiado fraca para manter integrada cada galáxia. Aproximadamente três meses antes do "fim", os sistemas solares perderiam sua coesão gravitacional. Nos últimos minutos, se dissipariam estrelas e planetas, os átomos e mesmo os bárions (formados pelos quarks) não compensariam com suas interações internas a expansão do universo e seriam destruídos uma fração de segundo antes do "fim do tempo".

Diferentemente do Big Crunch, na qual tudo se condensa em um só ponto, no Big Rip o Universo se converterá em partículas subatômicas mínimas dispersas que permaneceriam para sempre separadas, sem coesão gravitacional nem energia alguma.

Os autores desta hipótese, entre eles Robert Caldwell do Dartmouth College, calculam que o fim do Universo, tal como conhecemos, ocorreria em aproximadamente 3,5 × 1010 anos (35 bilhões de anos) depois do Big Bang, ou dentro de 2,0 × 1010 anos (20 bilhões de anos).4

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. Robert R. Caldwell, Marc Kamionkowski, Nevin N. Weinberg; Phantom Energy and Cosmic Doomsday; Phys.Rev.Lett. 91 (2003) 071301 (em inglês)
  2. H. Štefančić; Generalized phantom energy; Physics Letters B; Volume 586, Issues 1-2, 22 April 2004, Pages 5-10 (em inglês)
  3. R. R. Caldwell; A phantom menace? Cosmological consequences of a dark energy component with super-negative equation of state; Physics Letters B; Volume 545, Issues 1-2, 3 October 2002, Pages 23-29
  4. 'Phantom menace' may rip up cosmos - www.newscientist.com (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]