Os Protocolos dos Sábios de Sião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antissemitismo
Judenstern

Antissemitismo e Antijudaísmo
História  · Linha do tempo  · Bibliografia

Manifestações de antissemitismo
Movimentos de antiglobalização  · Árabes  · Cristianismo  · Islamismo  · Nation of Islam e antissemitismo  · Novo antissemitismo  · Antissemitismo racial  · Antissemitismo religioso  · Antissemitismo secundário  · antissemitismonas universidades  · Antissemitismo ao redor do mundo

Alegações
Deicídio · Libelos de sangue · Assassinatos rituais
Envenenamento de poços · Dessacramento de hóstias
Lobby judaico · Bolchevismo judaico · Imposto kosher
Caso Dreyfus
Governo de Ocupação Sionista
Negação do Holocausto

Publicações antissemitas
Sobre os judeus e suas mentiras Os Protocolos dos Sábios de Sião
O Judeu Internacional
Mein Kampf
A Cultura da Crítica

Perseguições
Expulsões · Guetos · Pogroms
Chapéu judeu · Judensau
Estrela amarela · Inquisição Espanhola
Segregação · Holocausto
Nazismo · Neonazismo

Oposição ao antissemitismo
Anti-Defamation League
Community Security Trust
Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia  · Instituto Stephen Roth
Wiener Library · SPLC · SWC
UCSJ · SKMA · Yad Vashem

Categorias
Antissemitismo · História judaica

Os Protocolos dos Sábios de Sião ou Os Protocolos de Sião [1] (russo:"Протоколы Сионских мудрецов" ou "Сионские Протоколы"), é um texto forjado surgido, originalmente, em idioma russo, redigido em 1897 pela Okhrana (polícia secreta do Czar Nicolau II), que descreve um alegado projeto de conspiração por parte dos judeus e maçons de modo a atingirem a "dominação mundial através da destruição do mundo Ocidental". O texto foi traduzido do original para vários idiomas.

  • História dos protocolos

Segundo os historiadores, o seu propósito era político: reforçar a posição do Czar Nicolau II da Rússia, apresentando alguns de seus oponentes como aliados de uma gigantesca conspiração para a conquista do mundo.

O texto tem o formato de uma ata, que supostamente teria sido redigida por uma pessoa num Congresso realizado a portas fechadas, numa assembleia em Basileia, no ano de 1898, onde um grupo de sábios judeus e maçons teriam-se reunido para estruturar um esquema de dominação mundial. Nesse evento, teriam sido formulados planos como os de usar uma nação europeia como exemplo para as demais que ousassem se interpor no caminho dessa dominação, controlar o ouro e as pedras preciosas, criar uma moeda amplamente aceita que estivesse sob seu controle, confundir os "não-escolhidos" com números econômicos e físicos e, principalmente, criar caos e pânico tamanhos que fossem capazes de fazer com que os países criassem uma organização supranacional capaz de interferir em países rebeldes.

Capa da edição de 1912

Numerosas investigações repetidamente provaram tratar-se de um embuste, especialmente uma série de artigos do The Times of London, de 16 a 18 de agosto de 1921,[2] , o que leva a crer que muito do material utilizado no texto era plágio de Serge Nilus ou Serguei Nilus de sátiras políticas existentes (principalmente do livro "O diálogo no Inferno entre Maquiavel e Montesquieu", do escritor Maurice Joly[3] , publicado em 1865), que não tematizavam a questão antissemita. Em 1920, Lucien Wolf publicara "The Jewish Bogey and the Forged Protocols of the Learned Elders of Zion" (London: Press Committee of the Jewish Board of Deputies.

Segundo estas investigações, a base da história dos Protocolos, como circula desde então, foi criada por um novelista alemão antissemita, chamado Hermann Goedsche que usou o pseudônimo de Sir John Retcliffe. A contribuição original de Goedsche consistiria na introdução dos judeus como os conspiradores para a conquista do mundo. O jornal The New York Times republicou os textos, a 4 de Setembro de 1921[4]

Os Protocolos foram publicados nos EUA no Dearborn Independent, um jornal de Michigan, cujo proprietário era Henry Ford, que ao mesmo tempo publicaria uma série de artigos coligidos mais tarde num livro intitulado O Judeu Internacional. Mesmo após as denúncias, por parte de toda a imprensa, de fraude, o jornal continuou a citar o documento. Adolf Hitler e seu Ministério da Propaganda citaram os Protocolos para justificar a necessidade do extermínio de judeus mais de 10 anos antes da Segunda Guerra Mundial. Segundo a retórica nazista, a "conquista do mundo pelos judeus", descoberta pelos russos em 1897, estava obviamente sendo ainda levada a cabo 33 anos depois.

No Brasil, Gustavo Barroso, advogado, professor, político, contista, folclorista, cronista, ensaísta e romancista brasileiro, diretor do Museu Histórico Nacional, presidente da Academia Brasileira de Letras por duas vezes e membro do movimento nacionalista Ação Integralista Brasileira, publicou pela Editora Civilização Brasileira a primeira tradução em português.

Paulo Coelho,[5] por sua vez, recorda que o Protocolos foi publicado simultaneamente na Inglaterra (Eyre & Spottiswoode Publishers) e na Alemanha (Verlag Charlottenburg), transcrevendo, de forma grosseira, determinadas ideias difundidas por Serge Nilus (ainda que o livro, em momento algum, pregue qualquer tipo de agressão física ou moral ao povo semita) ("O grande no pequeno e o Anti-Cristo como possiblidade imediata". São Petesburgo, 1902).

O franciscano Maximiliano Kolbe, martirizado pelo nazis num campo de concentração, teve-o como um dos seu alvos principais por acreditar que era “o verdadeiro livro fundamental da Maçonaría[6] [7] .

Em 1931, Anton Idovsky, um velho e desencantado monarquista, disse ter forjado os Protocolos, simplesmente porque um judeu, gerente de um banco, lhe havia recusado um empréstimo. Idovsky afirmou ter copiado as ideias centrais do livro de Joly.

A história teria-se encerrado aí, caso, dois anos mais tarde, em 1933, Adolf Hitler não tivesse subido ao poder, na Alemanha, uma vez que foi esta obra que os nazistas utilizaram, perante o meio intelectual alemão, para justificar a postura antissemita então pretendida de ser adotada pelo Terceiro Reich alemão.

A utilização dos Protocolos por Hitler pode ser vista nesta tradução do Mein Kampf (1925-1926), capítulo XI, Nação e Raça: "… até que ponto toda a existência desse povo é baseada em uma mentira continuada incomparavelmente exposta nos Protocolos dos Sábios de Sião, tão infinitamente odiado pelos judeus. Eles são baseados num documento forjado, como clama o jornal Frankfurter Zeitung toda semana: é a melhor prova de que eles são autênticos. O que muitos judeus fazem inconscientemente, aqui é exposto de forma consciente. E é isso o que importa. É completamente indiferente de qual cérebro judeu essa revelação se originou; o importante é que, com uma certeza positiva e terrível, eles revelam a natureza do povo judeu e expõem seus contextos internos bem como seus objetivos finais. Todavia, a melhor crítica aplicada a eles é a realidade. Qualquer um que examine o desenvolvimento histórico dos últimos 100 anos, do ponto de vista deste livro, vai entender de uma vez os gritos da imprensa judaica. Agora que este livro se tornou uma propriedade do povo, a ameaça judaica é considerada como interrompida (pgs 307-308)"

León Poliakov, aponta que tal texto é uma falsificação da polícia secreta do Czar Nicolau II da Rússia, sendo seu mais duradouro legado intelectual.[8]

Will Eisner (1917-2005), filho de imigrantes judeus-americanos, conhecia desde pequeno a história do panfleto Protocolos dos sábios de Sião: "por bastante tempo o releguei à biblioteca da literatura perversa, ao lado do Mein Kampf (Minha luta, de Hitler)" escreveu na apresentação do seu livro, que também ilustrou, O complô (Companhia das Letras), sobre a história secreta dos Protocolos. Na introdução, o escritor e acadêmico italiano Umberto Eco se pergunta como tal livro resiste às provas de que é falso. E responde: "Não são os Protocolos que geram antissemitismo; é a profunda necessidade das pessoas de isolarem um inimigo, que as leva a acreditar nos Protocolos".[9]

”Protocolos” e “Diálogo no Inferno”[editar | editar código-fonte]

Conforme demonstrou Philip Graves em seus artigos no The Times em 1921, os “Protocolos” 1 a 19 seguem, a mesma sequência e conteúdo muito semelhante à obra dos “Diálogos” de Maurice Joly, o que mostra um claro plágio ou senão uma segunda versão. Aqui se apresentam alguns exemplos:

Diálogos no Inferno entre Maquiavel e Montesquieu Os Protocolos dos Sábios do Sião
Como são feitos os empréstimos? Pela emissão de obrigações que impliquem ao Governo na obrigação de pagar juros proporcionais ao capital que tenha sido tomado. Assim, se um empréstimo é de 5%, o Estado, depois de 20 anos, pagou uma quantia igual ao capital emprestado. Quando 40 anos houverem passado terás pago o dobro, após 60 anos triplo: no entanto, permanece devedor do capital inteiro.
Montesquieu
Diálogos, p. 209
Um empréstimo é uma emissão de papel do Governo que implica numa obrigação de pagar juros no valor de uma percentagem da soma total do dinheiro emprestado. Se um empréstimo é de 5%, então em 20 anos, o Governo teria desnecessariamente pago uma soma igual ao do empréstimo, a fim de cobrir os percentuais. Em 40 anos, teria pago duas vezes, e em 60 três vezes quantia que, mas o empréstimo ainda permanecem como uma dívida não paga.
Protocolos, p. 77
Como o deus hindu Vishnu, minha imprensa teria um centena de braços e esses braços darão as mãos a diferentes nuances de opiniões através do país.
Maquiaveli
Diálogos, p. 141
Esses jornais, como o deus hindu Vishnu, sera provido de centenas de braços, cada um sentindo o pulso de variáveis opiniões públicas.
Protocolos, p. 43
Agora eu entendo a figura do deus Vishnu, você tem uma centena de braços, como o ídolo indiano, e cada um de seus dedos toca uma engrenagem.
Montesquieu
Diálogos, p. 207
Nosso governo será semelhante ao deus hindu Vishnu. Cada uma de nossas cem mãos orá segurar uma engrenagem da máquina social do Estado. Protocolos, p. 65


Estrutura e conteúdo[editar | editar código-fonte]

Os Protocolos se propõem a documentar as minutas de uma reunião ocorrida ao final do século XIX por parte por Lideranças Judias Mundiais (os Anciãos de Zion), que conspiram para dominar o mundo. As informações atribuíam aos judeus uma variedade de planos, a maioria das quais originadas de antigas notícias sensacionalistas fabricadas. Como exemplo, os Protocolos incluíam planos para subverter os valores morais do mundo não-Judeu, planos dos banqueiros Judeus para controlar a economia mundial, dos Judeus em geral para controlar a imprensa, tudo isso visando a Destruição da Civilização. São vinte e quatro Protocolos, que foram analisados por Steven L. Jacobs e Mark Weitzman, os quais documentaram diversos temas recorrentes e repetitivos que são expostos nesses Protocolos, conforme tabela a seguir:

Protocolo Título (Cf. Jacobs) Temas (Cf. Jacobs)
1 A Doutrina Básica: "O direito repousa no Poder" Liberdade e ser liberto; Autoridade e Poder; Ouro = Dinheiro
2 Guerra Econômica E Desorganização levam a um Governo Internacional Conspiração econômina e Política Internacional; Imprensa e Informação como ferramentas
3 Métodos de Conquista Povo Judeu, arrogante e corrupto; Escolhas/Eleições; serviços públicos
4 A Destruição da Religião pelo Materialismo Negócios Frios e sem Coração; Gentios como escravos
5 Despotismo e Progresso Moderno Ética Judia; Relações do Povo Judeu com uma Sociedade Maior
6 Aquisição de terras, Encorajamento à especulação Posse da terra
7 Profecia de uma Guerra Mundial Inquietação e discórdias internas (vs. Sistema Judiciário) levando a Guerra vs “Shalom”/Paz
8 O Governo de Transição Elemento Criminal
9 Propaganda ampla e total Lei; educação; Maçonaria/Livre Maçonaria
10 Abolição da Constituição; Advento da Autocracia Políticas; Governo pela maioria; Liberalismo; Famíla;
11 A Constituição da Autocracia e Regra Universal Gentios; Envolvimento politico dos Judeus; Maçonaria
12 O Reino da Imprensa e do Poder Libertade; Censura da Imprensa; Publicidade
13 Motivar pensamentos do public sobre Essencial e Não essencial Gentios; Negócios; Escolhas/Eleições; Imprensa e Censura; Liberalismo
14 A Destruição da Religião como um prelúdio da ascensão do Deus Judeu. Judaismo; Deus; Gentios; Liberdade; Fornografia
15 Utilização da Maçonaria: Supressão sem clemência dos Inimigos Gentios; Maçonaria; Sábios de Israel; Poder Político e Autoridade; Rei de Israell
16 Nulificação da Educação Educação
17 O destino dos Advogados e do Clero Advogados; Clero; Cristianismo e Autoridade não-Judia
18 A Organização da desordem O Mal; a Palavra;
19 Entendimento mútuo entre o Governante e o Povo Intrigas/Martírio
20 O Programa Financeiro e a Constituição Taxas e Taxação; Empréstimos; Obrigações; Empréstimo em Moeda corrente
21 Empréstimos Domésticos e Crédito Governamental Mercado de Ações e Bolsa de Valores
22 A Beneficência do Governo Judeu Ouro = Dinheiro; Escolhas/Eleição
23 Inculcação da Obediência Obediência à Autoridade; Escravatura; Escolhas/Eleição
24 O Governante Judeu Monarquia; Documento como Ficção

Referências

  1. ver origem de Sião (Jerusalém)
  2. In 1921 Philip Graves Exposed the "Protocols of Zion" as a Phony por Jared Israel e Samantha Criscione
  3. Que, por sua vez, possivelmente teve contato com o texto antissemita La Isla de los Monopantos, do espanhol Francisco de Quevedo. Vide PRAAG, J. A. van. Los Protocolos de los Sabios de Sión y la Isla de los Monopantos de Quevedo. in Bulletin Hispanique, ano 1949, volume 51, numero 51-2, p. 169-173.
  4. The New York Times, 4 de setembro de 1921. Página frontal, Secção 7
  5. COELHO, Paulo. Conspiração segundo Márcio Bontempo. São Paulo: Revista Planeta. Edição 236, Ano 20, N° 5, Maio 1992. p. 8.
  6. San Maximiliano Kolbe sobre la judería y la masonería – (Revista Cabildo), Profecias y Revelaciones, 3 de Fevereiro de 2014
  7. El Libro de Cabecera de San MaximilianoO Kolbe, Augusto Padilla, Catapulta, 28 de febrero de 2009
  8. [1] Terra.com.br - Educação, O assassinato dos Romanov
  9. Entre Livros, nº15, 2006, Editora Duetto.

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Os Protocolos dos Sábios de Sião

Em inglês[editar | editar código-fonte]

  • [[Will Eisner] (em inglês)], The Plot: The Secret Story of the Protocols of the Elders of Zion. ISBN 0-393-06045-4
  • [[Norman Cohn] (em inglês)], Warrant for Genocide, 1967 (Eyre & Spottiswoode), 1996 (Serif) ISBN 1897959257
  • (em inglês) Hadassa Ben-Itto, The Lie That Wouldn’t Die: The Protocols of the Elders of Zion, 2005 (Vallentine Mitchell). Review
  • (em inglês) Steven Leonard Jacobs, Mark Weitzman, Dismantling the Big Lie: The Protocols of the Elders of Zion. (2003) ISBN 0-88125-785-0
  • [[Danilo Kis] (em inglês)] presents a narrative history of the "Protocols" as The Book Of Kings And Fools in The Encyclopedia of the Dead, 1989 (Faber and Faber)
  • [[Richard S. Levy] (em inglês)], A Lie and a Libel: The History of the Protocols of the Elders of Zion (A translation of Binjamin W. Segel's 1926 book) (1996), University of Nebraska Press. ISBN 0803292457.
  • [[Kenneth R. Timmerman] (em inglês)], Preachers of Hate: Islam and the War on America (2003), Crown Forum. ISBN 1400049016
  • (em inglês) Stephen Eric Bronner, A Rumor About the Jews: Reflections on Anti-semitism and the Protocols of the Learned Elders of Zion (Oxford University Press, 2003) ISBN 0195169565
  • [Cesare G. De Michelis G. De Michelis] (em italiano)], The Non-Existent Manuscript. A Study of the Protocols of the Sages of Zion (Translated by Richard Newhouse; University of Nebraska Press, 2004) ISBN 0-8032-1727-7
  • (em inglês) United States Congress, Senate. Committee on the Judiciary. Protocols of the Elders of Zion: a fabricated "historic" document. A report prepared by the Subcommittee to Investigate the Administration of the Internal Security Act and Other Internal Security Laws (Washington, U.S. Govt. Printing Office, 1964)
  • (em inglês) Isaac Goldberg, The so-called "Protocols of the Elders of Zion": a Definitive Exposure of One of the Most Malicious Lies in History (Girard, Kansas, Haldeman-Julius Publications, 1936).
  • (em inglês) Lucien Wolf, The Myth of the Jewish Menace in World Affairs or, The Truth About the Forged Protocols of the Elders of Zion (New York, The Macmillan company, 1921).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Contestando os Protocolos dos Sábios de Sião - Dicionário do Cético

Protocolos dos Sábios de Sião no Brasil, muitas capas de vários países, referência em alemão no Mein Kampf


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.