Olavo de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Olavo de Carvalho
Carvalho em 2006.
Nascimento 29 de abril de 1947 (67 anos)
Campinas
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação Jornalista
Influências
Prêmios Medalha do Pacificador[1]
Medalha Tiradentes[2]
Medalha do Mérito Santos-Dumont[3]
Ordem Nacional do Mérito da Romênia[3]
Escola/tradição Realismo filosófico
Escolástica
Fenomenologia
Conservadorismo
Principais interesses Metafísica
Epistemologia
Política
Religião
História
Simbologia
Astrologia
Página oficial: Olavo de Carvalho.org

Olavo Luiz Pimentel de Carvalho (Campinas, 29 de abril de 1947)[4] é um conferencista[3] , ensaísta[5] [6] e autor, atuando nas áreas do jornalismo e filosofia.[7] [3] É considerado um dos articulistas mais abertamente de direita do país em atividade.[8]

Biografia

Filho de Luiz Gonzaga de Carvalho e Nicéa Pimentel de Carvalho, nasceu em Campinas onde viveu por volta de um ano e meio.[9] Atualmente, é casado com Roxane Andrade de Souza e pai de oito filhos, dos quais um deles, Luiz Gonzaga de Carvalho Neto, segue a vocação do pai, e promove cursos de filosofia.[10]

Olavo de Carvalho foi na juventude um militante comunista[11] . Colaborou no primeiro curso de extensão universitária em astrologia na PUC de São Paulo para os formandos em psicologia em 1979.[12] Aproximadamente na mesma época, realizava consultas astrológicas e lecionou na Escola Júpiter, escola de astrologia em São Paulo que chegou a receber 140 alunos.[13]

Seu primeiro livro foi lançado em 1980 e chama-se "A imagem do homem na astrologia". Em 1996, publicou o livro que o tornou conhecido, "O imbecil coletivo: atualidades inculturais brasileiras", no qual critica duramente o meio cultural e intelectual brasileiro. Trabalhou em revistas e periódicos tais como Planeta, Bravo!, Primeira Leitura, O Globo, Época, Zero Hora, Jornal do Brasil e Jornal da Tarde, tendo sido demitido destes cinco últimos.[14] [15] [16]

Olavo de Carvalho declarou em seu programa que em dezembro de 2009 recebeu do governo dos Estados Unidos o visto especial de residência EB-1,[17] o qual é concedido a estrangeiros com "habilidades extraordinárias" na área educacional, artística, científica ou de negócios ou a "professores ou pesquisadores notáveis". Esse visto dá ao estrangeiro o direito de residência permanente nos Estados Unidos.[18]

Além da manutenção periódica da página pessoal com novos artigos e ensaios, Carvalho ministra, com frequência, cursos à distância e presenciais de Filosofia, e realiza palestras e conferências. Manteve entre 2006 e 2013 um programa periódico semanal de rádio em streaming pela internet denominado True Outspeak, com a participação do público por telefone, VOIP ou correio eletrônico. Olavo é também o presidente do Inter-american Institute.[19]

Seus leitores são, pejorativamente, chamados de "olavetes" por seus desafetos. Demonstrando senso de humor e de oportunidade, Olavo de Carvalho lançou uma marca de produtos com esse mesmo nome, cuja venda ajuda a custear seus trabalhos.[20]

Oposição e críticas

Olavo é alvo de críticas e elogios em diversas ocasiões, como por exemplo quando debateu com o ativista russo Aleksandr Dugin.[21] [22] Outros opositores foram Janer Cristaldo,[23] jornalista e ex-colaborador de seu website Mídia Sem Máscara, e Rodrigo Constantino,[24] [25] economista e liberal, com quem se reconciliou recentemente, que afirmou que "Olavo foi alçado ao patamar de “líder iluminado” por seus seguidores, e isso o cegou". Nessa lista poderia incluir-se também os jornalistas Mário Augusto Jakobskind[26] e Sebastião Nery (que nota a falta de formação acadêmica em filosofia de Olavo, o que o impediria de lecionar a matéria em âmbito acadêmico e acrescenta que "Isso tem nome: falsidade ideológica. E está no Código Penal"),[27] [28] e o engenheiro José Colucci Jr.[29]

Em virtude de críticas realizadas em seus Artigos e Talk Show, Olavo foi acionado judicialmente em 2007 pelo professor aposentado de filosofia da Unicamp João Carlos Kfouri Quartim de Moraes,[30] [31] em conjunto com a Editora J.B. S/A e a Associação Comercial de São Paulo, por afirmações que fez sobre o assassinato do oficial do exército norte-americano Charles Chandler, em 1968.[32] Em sentença de 28 de novembro de 2012 somente as empresas foram condenadas a indenizar Quartim por danos morais, constando ainda que Olavo deixou de fazer parte do processo, em virtude da desistência posterior do autor do prosseguimento da ação em relação a ele, por este residir em local incerto, fora do país. A decisão ainda não transitou em julgado.[33]

Condecorações

Olavo de Carvalho recebeu os seguintes prêmios e medalhas honoríficas: Medalha do Pacificador (1999),[1] Medalha Tiradentes (2012),[2] Medalha do Mérito Santos-Dumont (citação?), distinção honorífica da Ordem Nacional do Mérito da Romênia (citação?), e Primeiro Prêmio no concurso de ensaios sobre história islâmica (instituído pela Embaixada do Reino da Arábia Saudita).[3] (citação? circularidade)

O pensamento de Olavo de Carvalho

De acordo com o próprio Olavo de Carvalho, a tônica de seu pensamento é "a defesa da interioridade humana contra a tirania da autoridade coletiva, sobretudo quando escorada numa ideologia 'científica'".[4]

Os alvos de críticas

Entre indivíduos já criticados por Olavo estão Barack Obama[34] [35] (ver: Teorias da conspiração envolvendo Barack Obama), George Soros,[36] Al Gore, Bill Clinton,[37] Che Guevara,[38] Leandro Konder,[39] e Chico Buarque,[40] [41] além de Marilena Chauí[42] e Emir Sader.[43] Poder-se-ia citar ainda entidades como o Foro de São Paulo, que teve seu funcionamento camuflado pela mídia durante 15 anos; o MST, que recebe verbas do governo deferal; o Partido dos Trabalhadores, partido da atual Presidente da República; a CNBB (como divulgadora nacional da teologia da libertação). Também critica duramente o ateísmo antirreligioso radical que, segundo ele, foi a maior causa de violência ao longo da história do mundo[44] (ver: Antiteísmo e Ateísmo Marxista-leninista).

Marxismo e Capitalismo

Olavo de Carvalho afirma que o capitalismo foi criado por religiosos protestantes, baseados na ideia da prática coletiva de valores cristãos no comércio.[45]

Afirma ainda que o marxismo não surgiu de nenhum estudo econômico científico e que a maior parte da obra de Karl Marx, incluindo os conceitos de luta de classes, revolução, ditadura do proletariado, socialização dos meios de produção e missão da vanguarda revolucionária, já teriam sido antecipados pelas mesmas doutrinas protestantes e reformistas. Afirma também que as ideias de Lênin e de Gramsci foram originadas por John Wyclif, John Huss, Thomas Münzer, entre outros.[46]

Globalismo e socialismo

O comunismo e suas variantes são alvos recorrentes das críticas filosóficas de Olavo de Carvalho – aqui o autor aparece sentado sobre uma estátua de Vladimir Lênin no Leste Europeu.

Olavo critica fortemente o chamado movimento globalista, que em sua visão não se trata apenas da simples defesa de abertura de mercados, mas sim da "introdução de regulamentações em escala mundial, que transferem a soberania das nações para organismos internacionais", procurando o estabelecimento de uma "Nova Ordem Global". Tal ordem estaria associada à uma "uniformização econômica do planeta", e traria "no seu bojo as sementes de uma neo-religião híbrida, meio ecológica, meio ocultista (...) e cuja implantação resulta pura e simplesmente na destruição completa do cristianismo e do judaísmo". Os principais agentes do globalismo seriam as fundações Ford, Rockefeller e MacArthur, como também George Soros e seus associados, o Clube Bilderberg, o Council on Foreign Relations, a Comissão Trilateral, como também, politicamente, o "Partido Democrata, Diálogo Interamericano, os Clintons, os Kennedys e uma multidão de Carters". Segundo Olavo esses chamados agentes globalistas financiam a esquerda política latino-americana visando obter um "instrumento para enfraquecer a resistência americana, facilitando a implantação do governo mundial que a ONU já declarou ser seu objetivo prioritário para as próximas décadas".[47] [48]

Afirma ainda que essa elite globalista nada tem a ver com o capitalismo liberal. "Ao contrário: tudo fez para promover três tipos de socialismo: o socialismo fabiano na Europa Ocidental e nos EUA, o socialismo marxista na URSS, na Europa Oriental e na China e o nacional-socialismo na Europa central. Gastou, nisso, rios de dinheiro. Criou o parque industrial soviético no tempo de Stálin, a indústria bélica do Führer e, mais recentemente, a potência econômico-militar da China (...)".[49]

Olavo aponta que o chamado socialismo fabiano ("terceira via, keynesianos, sociais-democratas"[50] ) "distingue-se do marxista porque forma quadros de elite para influenciar as coisas desde cima em vez de organizar movimentos de massa. Seu momento de glória veio com a administração keynesiana de Roosevelt, que, a pretexto de salvar o capitalismo, estrangulou a liberdade de mercado e criou uma burocracia estatal infestada de comunistas (...). No poder, os fabianos dão uma maquiada na economia capitalista enquanto fomentam por canais aparentemente neutros a disseminação de ideias socialistas, promovem a intromissão da burocracia em todos os setores da vida (não necessariamente os econômicos) e subsidiam a recuperação do socialismo revolucionário. Quando este está de novo pronto para a briga, (...) novamente eles fingirão salvar a pátria enquanto salvam, por baixo do pano, o socialismo".[51] "O fabianismo nunca foi inimigo do socialismo marxista: adora-o e cultiva-o, porque a economia marxista, incapaz de progresso tecnológico, lhe garante mercados cativos, e também porque sempre considerou o comunismo um instrumento da sua estratégia global. Os comunistas, é claro, respondem na mesma moeda, tentando usar o socialismo fabiano para seus próprios fins e infiltrando-se em todos os partidos socialistas democráticos do Ocidente".[49]

Com essa linha de raciocínio, afirma que a Guerra Fria "foi, em grande parte, puro fingimento: a elite Ocidental concorria com o comunismo sem nada fazer para destruí-lo. Ao contrário, ajudava-o substancialmente. (...) A concorrência entre “capitalismo” e “socialismo” foi um véu ideológico para uso das multidões, mas a luta entre Oriente e Ocidente é para valer".[49]

Nesse sentido Olavo enxerga como atuantes três grandes "projetos de dominação global":[52] além do movimento acima mencionado (globalismo stricto sensu ou ocidental), estariam em ação os "globalistas islâmicos" que visariam a unificação de Estados muçulmanos em um "grande projeto do Califado Universal" (ver: Irmandade Muçulmana), como também um bloco "russo-chinês" cuja classe dominante seria oriunda da "Nomenklatura comunista" e composta "essencialmente de burocratas, agentes dos serviços de inteligência e oficiais militares", classe essa que, uma vez que teria admitido "a derrota do comunismo, (...) reagiu e criou do nada uma nova estratégia independente, o eurasianismo, mais hostil a todo o Ocidente do que o comunismo jamais foi".[49]

Direita ideológica

Olavo define o conservadorismo como a "política que se constitui da síntese inseparável de economia de livre mercado, democracia parlamentar, lei e ordem, moral judaico-cristã e predomínio da cultura clássica na educação".[53]

Ainda afirma que "é uma farsa monstruosa situar nazismo e fascismo na extrema-direita, subentendendo que a democracia liberal está no centro, mais próxima do socialismo. Ao contrário: o que há de mais radicalmente oposto ao socialismo é a democracia liberal. Esta é a única verdadeira direita. É mesmo a extrema-direita: a única que assume o compromisso sagrado de jamais se acumpliciar com o socialismo. Nazismo e fascismo não são extrema-direita, pela simples razão de que não são direita nenhuma: são o maldito centro, são o meio-caminho andado, são o abre-alas do sangrento carnaval socialista".[54]

Sobre o golpe militar de 1964, Olavo afirma que os militares "não eram conservadores de maneira alguma, eram indivíduos formados na tradição positivista – forte nos meios militares até hoje – que abomina o livre movimento das idéias na sociedade e acredita que o melhor governo possível é uma ditadura tecnocrática". "O positivismo nada tem de conservador: é, com o marxismo, uma das duas alas principais do movimento revolucionário. Compartilha com sua irmã inimiga a crença de que cabe à elite governante remoldar a sociedade de alto a baixo, falando em nome do povo para que o povo não possa falar em seu próprio nome".[55] "E, na concorrência de poder e prestígio, eles eliminaram alguns políticos de direita da mais alta qualidade, como Carlos Lacerda. A Arena era ideologicamente inócua. De lá para cá, a classe política, que era de maioria direitista, acabou sendo marginalizada e deixando um espaço vazio. Esse espaço foi preenchido pelos políticos de esquerda que voltavam do exílio. Quando veio a Constituição de 1988, a esquerda já era praticamente hegemônica".[56]

Nesse mesmo sentido, diz que o governo militar "se ocupou de combater a guerrilha, mas não de combater o comunismo na esfera cultural, social e moral. Havia a famosa teoria da panela de pressão, do general Golbery do Couto e Silva. Ele dizia: 'Não podemos tampar todos os buraquinhos e fazer pressão, porque senão ela estoura'. A válvula que eles deixaram para a esquerda foram as universidades e o aparato cultural. Na mesma época, uma parte da esquerda foi para a guerrilha, mas a maior parte dela se encaixou no esquema pregado por Antonio Gramsci, que é a revolução cultural, a penetração lenta e gradual em todas as instituições de cultura, mídia etc". "O período militar foi a época de maior progresso da indústria editorial de esquerda no Brasil. Nunca se publicou tanto livro de esquerda".[56]

Segundo ele "o povo brasileiro é profundamente conservador. Sobretudo no aspecto social (ver: Conservadorismo social). É maciçamente contra o aborto, o feminismo radical, as quotas raciais, o gayzismo organizado. No entanto, não há político que fale em nome do povo". "O Brasil não tem uma direita há muito tempo. Nas últimas eleições presidenciais, os discursos de todos os candidatos eram semelhantes. O Partido Democratas foi inspirado na esquerda norte-americana. Portanto, não pode ser considerado exemplo de partido conservador".[57] Acrescenta que "o PSDB é que não é [de direita]. O PSDB é um partido da Internacional Socialista que está comprometido com o globalismo de esquerda, com todos esses valores politicamente corretos. É a direita da esquerda. No Brasil, infelizmente, a política ficou reduzida a isso: uma luta entre a esquerda da esquerda e a direita da esquerda. Quem é conservador mesmo não se deixa enganar por PSDB".[58]

Olavo também é crítico do liberalismo. "O conservadorismo é a arte de expandir e fortalecer a aplicação dos princípios morais e humanitários tradicionais por meio dos recursos formidáveis criados pela economia de mercado. O liberalismo é a firme decisão de submeter tudo aos critérios do mercado, inclusive os valores morais e humanitários. O conservadorismo é a civilização judaico-cristã elevada à potência da grande economia capitalista consolidada em Estado de direito. O liberalismo é um momento do processo revolucionário que, por meio do capitalismo, acaba dissolvendo no mercado a herança da civilização judaico-cristã e o Estado de direito".[59]

Ciência

Olavo criticou fortemente a figura de Isaac Newton, vendo-o como uma fonte de "uma burrice formidável", e procurou refutar aspectos da mecânica newtoniana com argumentos filosóficos.[60] Segundo ele, ainda, "a ciência de Galileu e Newton fazia pouco caso da observação da natureza, preferindo a construção de modelos matemáticos sem equivalência na realidade sensível".[61]

Acrescenta, ainda, que "um fundo de charlatanismo parece já ter sido introduzido na física por Galileu, quando proclamou ter superado a noção da ciência antiga, segundo a qual um objeto não impelido por uma força externa permanece parado — uma ilusão dos sentidos, segundo ele. Na realidade, pontificava, um objeto em tais condições, permanece parado ou em movimento retilíneo e uniforme. E, após ter assim derrubado a física antiga, esclarecia discretamente que o movimento retilíneo e uniforme não existe realmente, mas é uma ficção concebida pela mente para facilitar as medições. Ora, se o objeto não movido de fora permanece parado ou tem um movimento fictício, isto significa, rigorosamente, que ele permanece parado em todos os casos, exatamente como o dizia a física antiga, e que Galileu, mediante um novo sistema de medições, conseguiu apenas explicar por que ele permanece parado. Ou seja, Galileu não contestou a física antiga, apenas inventou um modo melhor de provar que ela tinha razão, e que o testemunho dos sentidos, sendo verídico o bastante, não tem em si a prova da sua veracidade — coisa que já era arroz-com-feijão desde o tempo de Aristóteles. Foi este episódio que inaugurou a mania dos cientistas modernos de tomarem simples mudanças de métodos como se fossem “provas” de uma nova constituição da realidade".[62]

Olavo defende que a Inquisição não promoveu um atraso no desenvolvimento científico. "Basta examinar o Index Librorum Prohibitorum para verificar que nele não consta nenhuma das obras de Copérnico, Kepler, Newton, Descartes, Galileu, Bacon, Harvey e tutti quanti. A Inquisição examinava apenas livros de interesse teológico direto, que nada poderiam acrescentar ao desenvolvimento da ciência moderna". O processo de Galileu teria sido uma "farsa concebida pelo Papa, padrinho de Galileu, para que seu protegido se livrasse de um grupo de inquisidores fanáticos mediante uma simples declaração oral sem efeitos práticos, após a qual ele pôde continuar divulgando suas ideias sem que ninguém voltasse a incomodá-lo". "Giordano Bruno não fez nenhuma descoberta (...). Nem sequer estudou as ciências modernas, física, astronomia, biologia ou matemática. Ele não foi condenado por defender teorias científicas, mas por prática de feitiçaria, que na época era crime".[62]

Olavo opõe-se a astrônomos e cientistas em geral que recusam a possibilidade da astrologia de tornar-se um ramo de estudo científico, vendo isto como uma postura partidária. "Existe uma correspondência estrutural entre a figura dos astros no céu na hora do nascimento e o caráter do indivíduo. Isso é comprovável".[63] Olavo enxerga como referência na área o trabalho de Michel Gauquelin, cuja obra principal residiu na proposição e análise do suposto efeito Marte.[64]

Ele também faz críticas ao heliocentrismo e à teoria da relatividade. Segundo ele o heliocentrismo não seria uma teoria científica superior ao geocentrismo: "No confronto entre geocentrismo e heliocentrismo não existe nenhuma prova definitiva de um lado nem do outro". A experiência de Michelson-Morley, na visão de Olavo, não trata-se de um forte indício da constância da velocidade da luz, e sim de uma evidência em favor do geocentrismo: estando a Terra parada em relação ao éter, não seria esperada variação na velocidade da luz. A teoria da relatividade seria uma teoria com "noções estranhas" e que "nunca foram provadas", mas "intelectualmente elegantes", feita justamente para "salvar as aparências" do heliocentrismo. "O cidadão chamado Albert Einstein achou que era preferível modificar a física inteira só para não admitir que não havia provas do heliocentrismo".[65]

Outro alvo de crítica é o darwinismo. Segundo Olavo, "tudo o que ele (Darwin) fez foi arriscar uma nova explicação para essa teoria (teoria da evolução) – e a explicação estava errada. Ninguém mais, entre os autoproclamados discípulos de Darwin, acredita em 'seleção natural'. A teoria da moda, o chamado 'neodarwinismo', proclama que, em vez de uma seleção misteriosamente orientada ao melhoramento das espécies, tudo o que houve foram mudanças aleatórias. (...) O 'design inteligente' não é apenas um complemento final da teoria darwinista, mas a sua premissa fundamental, espalhada discretamente por todo edifício argumentativo de A Origem das Espécies". Adiciona, ainda, que "o darwinismo é genocida em si mesmo, desde a sua própria raiz. Ele não teve de ser deformado por discípulos infiéis para tornar-se algo que não era".[66]

Também é crítico do trabalho de Georg Cantor a respeito de números transfinitos, acusando-o de confundir "números com seus meros signos", vendo seu trabalho como um "jogo de palavras" e uma "falsa lógica".[62] [67]

Discorda que o aquecimento global seria causado pela ação humana, expressando a seguinte opinião: "Se algum dia houve algo como um "crime intelectual hediondo," foi esse".[68] Sobre o escândalo de fraude científica conhecido como Climategate: [69] "Dois hackers invadiram o servidor da Universidade de East Anglia e copiaram e-mails nos quais eminentes cientistas revelavam ter apelado às trapaças mais abjetas para impingir ao mundo a balela do "aquecimento global" e as legislações draconianas alegadamente destinadas a "salvar o planeta" desse mal fantasmagórico".[68] Afirmou que alguns dos objetivos desta fraude eram: "orquestrar ataques a todos os cientistas adversários, questionando suas credenciais acadêmicas" e "boicotar sistematicamente as revistas científicas que publicassem estudos adversos à causa aquecimentista" [68] (ver: Painel Não Governamental Internacional sobre Mudanças Climáticas).

Quanto à resistência que suas idéias sofreram dentro da comunidade científica, chegou a afirmar: "Não conheço fanáticos mais irracionais do que os adeptos de teorias científicas".[70]

Livros publicados

  • A imagem do homem na astrologia. São Paulo: Jvpiter. 1980.
  • O crime da Madre Agnes ou A confusão entre espiritualidade e psiquismo. São Paulo: Speculum. 1983.
  • Questões de simbolismo astrológico. São Paulo: Speculum. 1983
  • Universalidade e abstração e outros estudos. São Paulo: Speculum. 1983.
  • Astros e símbolos. São Paulo: Nova Stella. 1985.
  • Astrologia e religião. São Paulo: Nova Stella. 1986.
  • Fronteiras da tradição. São Paulo: Nova Stella. 1986.
  • Símbolos e mitos no filme "O silêncio dos inocentes". Rio de Janeiro: Instituto de Artes Liberais. 1992.
  • Os gêneros literários: seus fundamentos metafísicos. 1993.
  • O caráter como forma pura da personalidade. 1993.
  • A nova era e a revolução cultural: Fritjof Capra & Antonio Gramsci. Rio de Janeiro: Instituto de Artes Liberais & Stella Caymmi. 1994.[nota 1]
  • Uma filosofia aristotélica da cultura. Rio de janeiro: Instituto de Artes Liberais. 1994.
  • O jardim das aflições: de Epicuro à ressurreição de César - Ensaio sobre o materialismo e a religião civil. Rio de Janeiro: Diadorim. 1995.[62]
  • Aristóteles em nova perspectiva: Introdução à teoria dos quatro discursos. Rio de janeiro: Topbooks. 1996.[71]
  • O imbecil coletivo: atualidades inculturais brasileiras. Rio de Janeiro: Faculdade da Cidade. 1996.
  • O futuro do pensamento brasileiro. Estudos sobre o nosso lugar no mundo. 1998.
  • O imbecil coletivo II: A longa marcha da vaca para o brejo e, logo atrás dela, os filhos da PUC, as quais obras juntas formam, para ensinança dos pequenos e escarmento dos grandes. Rio de Janeiro: Topbooks. 1998.
  • O Exército na História do Brasil. Edição bilíngue (português / inglês). 4 Vols. Rio de Janeiro/Salvador: Biblioteca do. Exército e Fundação Odebrecht, 1998.
  • Coleção história essencial da filosofia. São Paulo: É Realizações. 2002-2006.
  • A Dialética Simbólica - Ensaios Reunidos São Paulo: É Realizações. 2006.
  • Maquiavel ou A Confusão Demoníaca São Paulo: Vide Editorial. 2011.[72]
  • A filosofia e seu Inverso, São Paulo: Vide Editorial. 2012.
  • Os EUA e a nova ordem mundial (coautor Alexandre Dugin), São Paulo: Vide Editorial, 2012.
  • Apoteose da vigarice, São Paulo: vide Editorial, 2013
  • Visões de Descartes entre o gênio mal e o espírito da verdade. Vide Editorial, 2013
  • O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota, Felipe Moura Brasil (org.), 467 páginas, Rio de Janeiro: Record, 2013.
  • O mundo como jamais funcionou - Cartas de um terráqueo ao planeta Brasil (Volume II). Vide Editorial, 2014.
Como autor secundário
  • Arthur Schopenhauer - Como vencer um debate sem precisar ter razão: em 38 estratagemas (dialética erística). Introdução, notas e comentários de Olavo de Carvalho. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.
  • Otto Maria Carpeaux - Ensaios reunidos, 1942-1978. Organização, introdução e notas de Olavo de Carvalho. Rio de Janeiro: UniverCidade & Topbooks. 1999.
  • Émile Boutroux - Aristóteles. Introdução e notas de Olavo de Carvalho. Rio de Janeiro: Record. 1999.
  • René Guénon - A Metafísica Oriental. Tradução de Olavo de Carvalho.
  • Mário Ferreira dos Santos - A Sabedoria das Leis Eternas. Introdução, edição de texto e notas de Olavo de Carvalho. São Paulo: É Realizações. 2001.
  • Paulo Mercadante - A coerência das incertezas: símbolos e mitos na fenomenologia histórica luso-brasileira. Introdução, edição de texto e notas de Olavo de Carvalho. É Realizações, 2001.
  • Wolfgang Smith - O Enigma Quântico. Prefácio à Edição Brasileira: Olavo de Carvalho. Vide Editorial, 2011.
  • Andrew Lobaczewski - Ponerologia: Psicopatas no Poder. Com prefácio de Olavo de Carvalho. Vide Editorial, 2014.

Ver também

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Olavo de Carvalho

Referências

  1. a b Medalha do Pacificador (almanaque de consulta). Port nº 391-Cmt Ex, de 21 Jul 99; BE nº 32, de 06 Ago 99. Secretaria-Geral do Exército (1999). Página visitada em 18-06-2013.
  2. a b Dep. Marcus Vinícius (relator); Dep. Taquigrafia (responsável) (15 de dezembro 2011). Ordem do Dia. Projeto De Resolução 537/2011. Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Página visitada em 18-06-2013.
  3. a b c d e Poder Legislativo; Dep. Flávio Bolsonaro (30/11/2011). Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ). Projeto de Resolução Nº 536/2011 pp. 3. JusBrasil. Página visitada em 18-06-2013. "Projeto de Resolução Nº 536/2011 concede a Medalha Tiradentes e o respectivo diploma ao filósofo, escritor, jornalista e conferencista Olavo Luiz Pimentel de Carvalho. (...) Foi homenageado com a Medalha do Pacificador, Medalha Mérito Santos Dumont, Comendador da Ordem Nacional do Mérito da Romênia e Primeiro Prêmio em concurso de ensaios sobre história islâmica instituído pela Embaixada do Reino da Arábia Saudita."
  4. a b Roxane Andrade de Souza. Dados Biográficos. Olavo de Carvalho. Página visitada em 17-06-2013.
  5. Márcio Rocha Andrade, Dilva Guimarães Frazão, Luciana Aguiar (01/08/2012). Biografia de Olavo de Carvalho. E-Biografias. Página visitada em 17-06-2013.
  6. TPM Magazine, November 2005. Vol. 4, Nº 49. ISSN 1519-4035. Trip.
  7. Wilson Espíndola (novembro 2012). O enigma Olavo de Carvalho. Jornal Opção. Página visitada em 17-06-2013.
  8. Reinaldo Azevedo (01/06/2008). Uma entrevista com Olavo de Carvalho. Veja Online (Blogs e Colunistas). Abril. Página visitada em 17-06-2013.
  9. True outspeak 31, março 2011
  10. Luiz Gonzaga de Carvalho Neto
  11. Época Online - Chat - Arquivo
  12. Dados biográficos e da obra de Juan Alfredo César Müller
  13. "Alto astral", artigo da revista Veja de 9 de abril de 1980. Disponível no acervo digital Arquivo Veja.
  14. Cartas a O Globo e a Olavo de Carvalho.
  15. Escolha desgraçada.
  16. Nota ao Zero Hora
  17. Olavo de Carvalho, 2009, True Outspeak
  18. Employment-Based Immigration: First Preference EB-1, US Citizenship and immigration services
  19. The Inter-american Institute
  20. Zazzle - Página visitada em 15-10-2013.
  21. Dugin's Conclusion
  22. Olavo de Carvalho debates Alexandr Dugin
  23. Quem financia o astrólogo?, artigo de Janer Cristaldo.
  24. A Desonestidade de Olavo, artigo de Rodrigo Constantino.
  25. A Vaidade de Olavo, artigo de Rodrigo Constantino.
  26. Olavo de Carvalho no banco dos réus, artigo de Mário Augusto Jakobskind.
  27. Tribuna (processo)
  28. O "filósofo" Olavo de Carvalho, por Sebastião Nery
  29. O fantasma de Darwin, artigo de José Colucci Jr.
  30. Entrevista: Quartim de Moraes – Aspectos da formação do Exército desde a abolição da escravatura. A Nova Democracia. Página visitada em 17-06-2013.
  31. Ricardo Setti (29/12/2011). João Quartim de Moraes. Veja Online (Política & Cia). Editora Abril. Página visitada em 17-06-2013.
  32. Olavo de Carvalho (8 de fevereiro de 2007). Apagando o passado. Jornal do Brasil.
  33. Consulta de Processos do 1ºGrau. processo 0217565-43.2007.8.26.0100 (583.00.2007.217565). Portal e-SAJ – Peticionamento no TJSP - Tribunal de Justiça (29/08/2007). Página visitada em 17-06-2013.
  34. Site oficial, Radiografia do caso Obama
  35. Milagres da fé obâmica, Mídia sem máscara
  36. In Pensando com a cabeça de George Soros
  37. In Clinton, a guerra e a China
  38. In Intriga criminosa 2
  39. In O Brasil tem filósofo.
  40. In Coisas Sérias.
  41. In A fonte da eterna ignorância.
  42. In O Brasil tem filósofo.
  43. In Emir Sader existe.
  44. World News - Olavo De Carvalho Ateísmo. Página visitada em 10-09-2013.
  45. Profetas do capitalismo global
  46. O inimigo é um só
  47. Automacumba semântica
  48. Salvando o triunvirato global
  49. a b c d O que está acontecendo
  50. O mal é o que sai da boca do intelectual de esquerda, por Alceu Garcia
  51. A mão de Stálin está sobre nós
  52. Debate com Duguin - I
  53. Baita democracia
  54. A verdadeira direita
  55. A falsa memória da direita
  56. a b Olavo de Carvalho: esquerda ocupou vácuo pós-ditadura!. Entrevista concedida a Gabriel Castro para a Veja Online, publicada em 3 de abril de 2011.
  57. O PT já nasceu corrompido
  58. O povo brasileiro é maciçamente de direita. Entrevista dada a Folha de São Paulo, publicada em 15 de fevereiro de 2006.
  59. Por que não sou liberal
  60. Nas origens da burrice ocidental.
  61. Raízes da Modernidade.
  62. a b c d Olavo de Carvalho. O jardim das aflições: de Epicuro à ressurreição de César (ensaio sobre o materialismo e a religião civil). 2ª ed. [S.l.]: E Realizações/Indiana University, 2000. p. 335. (digitalizado 23 de set. 2008)
  63. Entrevista de Olavo de Carvalho a Pedro Bial na GNT em 1996.
  64. "Demolindo Otávio de Ramalho". Página visitada em 16 de julho de 2012.
  65. Seminário em evento do lançamento do livro "O Enigma Quântico", de Wolfgang Smith.
  66. Por que não sou um fã de Charles Darwin.
  67. Deus acredita em você?.
  68. a b c Olavo de Carvalho.org - A mãe de todas as fraudes. Diário do Comércio, 3 de dezembro de 2009. Página visitada em 13/02/2014.
  69. Climategate - Climategate Anthropogenic Global Warming, history's biggest scam. Página visitada em 13/02/2014.
  70. Cinismo pedagógico.
  71. Olavo de Carvalho. Aristóteles em nova perspectiva: introdução à teoria dos quatro discursos. [S.l.]: Topbooks, 1996. p. 200. ISBN 858806233X, 9788588062337
  72. Olavo de Carvalho. Maquiavel ou A Confusão Demoníaca. [S.l.]: Vide Editorial. p. 93. ISBN 8562910031, 9788562910036

Notas

Ligações externas