René Guénon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
René Guénon
René Jean Marie Joseph Guénon em 1925, aos 38 anos
Nascimento 15 de Novembro de 1886
Blois, Loir-et-Cher, França
Morte 7 de Janeiro de 1951 (64 anos)
Cairo, Egito
Nacionalidade França francês
Ocupação metafísico, esoterista e crítico social
Influências
Influenciados

René Guénon (Blois, 15 de novembro de 1886Cairo, 7 de janeiro de 1951) foi um metafísico, esoterista e crítico social francês.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Foi o pioneiro e o principal porta-voz, juntamente com Frithjof Schuon, da Escola Perenialista, baseada na Filosofia Perene. Autor universalista, esposava a tese da "unidade transcendente das religiões", ou seja, que as diversas tradições religiosas mundiais têm um fundamento metafísico e espiritual convergente. A partir de 1930, viveu no Cairo, onde praticou o Islã como sua religião pessoal e onde era conhecido como cheique `Abd al-Wahid Yahya[1] . Ao lado da prática do esoterismo islâmico, ou Sufismo, Guénon prosseguiu expondo a doutrina da universalidade da verdade, como se pode verificar em livros como "Símbolos Fundamentais da Ciência Sagrada" e "O Reino da Quantidade e os Sinais dos tempos".

O termo filosofia perene geralmente é usado como sinônimo de Sanatana Dharma (sânscrito para "Verdade perene ou eterna"). Leibniz o utilizou para designar a filosofia comum e eterna que é subjacente a todas as grandes religiões mundiais, em particular suas místicas ou esoterismos.

Intelectuais em todo o mundo, de variadas origens culturais e religiosas, saudaram o aparecimento da obra guénoniana. Entre os católicos, os britânicos Angus Macnab, Bernard Kelly e William Stoddart. Walter Shewring foi outro reputado acadêmico católico, mestre de Ampleforth College, que prestou tributo à função seminal de Guénon: “René Guénon foi um dos raros escritores de nosso tempo cuja obra é realmente importante... Ele sustenta a primazia da pura metafísica sobre todas as outras formas de conhecimento.... Os escritos de Guénon enfatizam o declínio intelectual do Ocidente desde a Renascença e expõem as superstições da ciência e do 'progresso'. A maior parte de suas teses mostra maior concordância com a autêntica doutrina tomista do que muitas opiniões de cristãos pouco instruídos.” (The Weekly Review, Londres, 1942).

O metafísico anglo-indiano Ananda Coomaraswamy assim se referiu a Guénon:

Não existe nenhum autor na Europa contemporânea mais importante do que René Guénon, cuja tarefa tem sido expor a tradição metafísica universal que sempre foi o fundamento essencial de todas as culturas anteriores, e que representa a base indispensável para qualquer civilização digna desse nome.[2]

A vasta e influente obra de René Guénon foi classificada em três categorias principais.[3]

  1. A primeira é a da exposição da metafísica tradicional, como veiculada em Shânkara (filósofo hindu do século IX DC), Platão ou Plotino.
  1. A segunda é a da crítica da mentalidade materialista, evolucionista e relativista da modernidade.
  1. A terceira categoria é a da explicação do simbolismo tradicional, seja o cristão, o islâmico, o hindu, o taoísta ou o universal.

Ainda segundo Mateus Soares de Azevedo, "foi no Oriente que Guénon encontrou inspiração e suporte intelectual para sua vasta obra (27 livros, já publicados nas principais línguas), especialmente no Vedanta não-dualista da Índia, na sabedoria chinesa e no Sufismo, cujos princípios universais tratou de re-elaborar em estilo acessível aos ocidentais. (...) Ele foi o mentor e pioneiro do método “perenialista” de estudo dos legados intelectuais das diferentes civilizações. Foi um dos primeiros a apontar para a solidariedade substancial dos patrimônios das distintas tradições religiosas e para seus fundamentos filosóficos comuns, por trás das diferenças de doutrinas, ritos, moralidades e formas artísticas. Ao mesmo tempo, foi um crítico severo do exclusivismo religioso e de todo “comunalismo” e fundamentalismo extremista. Foi também um pioneiro da crítica da mentalidade materialista e individualista de nossos tempos. Para ele, o moderno Ocidente vive em profunda crise de valores e de sentido porque se separou de suas raízes espirituais e esqueceu as dimensões mais profundas da existência."[4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Obras traduzidas ao português[editar | editar código-fonte]

  • A Crise do Mundo Moderno (Lisboa, Editorial Vega, 1977, e São Paulo, Irget, 2009)
  • O Reino da Quantidade e os Sinais dos Tempos (Lisboa, Dom Quixote, 1989, e S. Paulo, Irget, 2009)
  • Os Símbolos da Ciência Sagrada (São Paulo, Pensamento, 1989, e S. Paulo, Irget, 2010)
  • Oriente e Ocidente (S. Paulo, Irget, 2009)
  • Introdução Geral ao Estudo das Doutrinas Hindus (S. Paulo, Irget, 2010)
  • O Rei do Mundo (S. Paulo, Irget, 2008)
  • Esoterismo de Dante e São Bernardo (S. Paulo, Irget, 2011)
  • O Homem e seu Devir Segundo o Vedanta (S. Paulo, Irget, 2010)
  • O Simbolismo da Cruz (S. Paulo, Irget, 2011)
  • Considerações Sobre a Iniciação (S. Paulo, Irget, 2008)
  • Os Estados Múltiplos do Ser (S. Paulo, Irget, 2009)
  • Princípios do Cálculo Infinitesimal (S. Paulo, Irget, 2010)
  • O Erro Espírita (S. Paulo, Irget, 2008)
  • O Teosofismo (S. Paulo, Irget, 2008)
  • Autoridade Espiritual e Poder Temporal (S. Paulo, Irget, 2011)
  • Iniciação e Realização Espiritual (S. Paulo, Irget, 2010)
  • Estudos Sobre a Franco-Maçonaria e o Companheirismo (S. Paulo, Irget, 2009)
  • Formas Tradicionais e Ciclos Cósmicos (S. Paulo, Irget, 2012)

Títulos em francês[editar | editar código-fonte]

  • Aperçus sur l'Initiation. Paris: Éditions Traditionnelles. ISBN 2-7138-0064-1.
  • Autorité spirituelle et pouvoir temporel. Paris: Guy Trédaniel/Éditions de la Maisnie. ISBN 2-85-707-142-6.
  • Introduction générale à l'étude des doctrines hindoues. Paris: Guy Trédaniel/Éditions de la Maisnie.
  • L'Erreur spirite. Paris: Éditions Traditionnelles, 1923. ISBN 2-7138-0059-5.
  • L'Homme et son devenir selon le Vêdânta. Paris: Éditions Traditionnelles. ISBN 2-7138-65-X.
  • La Crise du monde moderne. Paris: Gallimard. ISBN 2-07-023005-8.
  • La Grande Triade. Paris: Gallimard. ISBN 2-07-023007-4.
  • La Métaphysique orientale. Paris: Éditions Traditionnelles. Sem ISBN.
  • Le Règne de la Quantité et les Signes des Temps. Paris: Gallimard. ISBN 2-07-023003-1.
  • Le Roi du Monde. Paris: Gallimard. ISBN 2-07-023008-2.
  • Le Symbolisme de la Croix. Paris: Guy Trédaniel/Éditions de la Maisnie. ISBN 2-85-707-146-9.
  • Le Théosophisme, histoire d'une pseudo-religion. Paris: Éditions Traditionnelles. Sem ISBN.
  • Les États multiples de l'Être. Paris: Guy Trédaniel/Éditions de la Maisnie. ISBN 2-85-707-143-4.
  • Les Principes du Calcul infinitésimal. Paris: Gallimard. ISBN 2-07-023004-X.
  • Orient et Occident. Paris: Guy Trédaniel/Éditions de la Maisnie. Sem ISBN.
  • Saint Bernard. Paris: Éditions Traditionnelles. Sem ISBN.

Coletâneas póstumas de artigos de René Guénon[editar | editar código-fonte]

  • Aperçus sur l'ésotérisme chrétien, Éditions Traditionnelles. Sans ISBN.
  • Aperçus sur l'ésotérisme islamique et le taoïsme, Gallimard, Paris, ISBN 2-07-028547-2.
  • Comptes rendus, Éditions Traditionnelles. Sans ISBN.
  • Études sur l'Hindouisme, Éditions Traditionnelles, Paris. Sans ISBN.
  • Études sur la Franc-maçonnerie et le Compagnonnage, t. 1, Éditions Traditionnelles, Paris. ISBN 2-7138-0066-8.
  • Études sur la Franc-maçonnerie et le Compagnonnage, t. 2, Éditions Traditionnelles, Paris. ISBN 2-7138-0067-6.
  • Formes traditionnelles et cycles cosmiques, Gallimard, Paris. ISBN 2-07-027053-X.
  • Initiation et Réalisation spirituelle, Éditions Traditionnelles, Paris. Sans ISBN.
  • Mélanges, Gallimard, Paris. ISBN 2-07-072062-4.
  • Symboles de la Science sacrée, Gallimard, Paris. ISBN 2-07-029752-7.

Obra traduzida ao inglês[editar | editar código-fonte]

  • Introduction to the Study of the Hindu Doctrines (1921)
  • Theosophy: History of a Pseudo-Religion (1921)
  • The Spiritist Fallacy (1923)
  • East and West (1924)
  • Man and His Becoming according to the Vedanta (1925)
  • The Esoterism of Dante (1925)
  • The Crisis of the Modern World (1927)
  • The King of the World (1927)
  • Spiritual Authority and Temporal Power (1929)
  • The Symbolism of the Cross (1931)
  • The Multiple States of the Being (1932)
  • The Reign of Quantity and the Signs of the Times (1945)
  • Perspectives on Initiation (1946)
  • The Great Triad (1946)
  • The Methaphysical Principles of the Infinitesimal Calculus (1946)
  • Initiation and Spiritual Realization (1952)
  • Insights into Christian Esoterism (1954)
  • Symbols of Sacred Science (1962)
  • Studies in Freemansory and the Compagnonnage (1964)
  • Traditional Forms and Cosmic Cycles (1970)
  • Insights into Islamic Esoterism and Taoism (1973)
  • Reviews (1973)
  • Miscellanea (1976)

Referências

  1. Quem foi René Guénon - Shaykh `Abd Al Wahid Yahya? (em inglês). Página visitada em 18 Fev 2011.
  2. Citado em Roger Lipsey: "Coomaraswamy, His Life and Work". Princeton University Press, 1977, p.170.
  3. AZEVEDO, Mateus Soares, René Guénon, entre o Loire e o Vedânta, Gazeta Mercantil, 28 de dezembro de 2001. Reproduzido em Sapientia: http://www.sapientia.com.br/rg.htm).
  4. "René Guénon, entre o Loire e o Vedânta", op. cit.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]