Facebook

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Facebook
Facebook Inc.
Logotipo do Facebook
Slogan Facebook is a social utility that connects you with the people around you
No Facebook você pode se conectar e compartilhar o que quiser com quem é importante em sua vida
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação NASDAQ: FB
Indústria Internet
Fundação 4 de fevereiro de 2004 (10 anos)
Cambridge, Massachusetts
 Estados Unidos
Fundador(es) Mark Zuckerberg
Eduardo Saverin
Dustin Moskovitz
Chris Hughes
Sede Menlo Park, Califórnia,
 Estados Unidos
Áreas servidas Estados Unidos (2004–05)
Mundo (2005–presente)
Pessoas-chave Mark Zuckerberg (CEO)
Sheryl Sandberg (COO)
David Ebersman (CFO)
Donald Graham (Chairman)
Empregados 6,818 (março de 2014)[1]
Subsidiárias Instagram
WhatsApp
Oculus VR
Receita Aumento US$7.87 bilhões (2013)[1]
Lucro Aumento US$4.90 bilhões (2011)[2]
LAJIR Aumento US$2.80 bilhões (2013)[1]
Renda líquida Aumento US$1.50 bilhões (2013)[1]
Página oficial www.facebook.com
Posição no Alexa Estável 2º (04 de outubro de 2014)[3]

Facebook é um site e serviço de rede social que foi lançado em 4 de fevereiro de 2004, operado e de propriedade privada da Facebook Inc..[4] Em 4 de outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos.[5] Em média 316.455 pessoas se cadastram, por dia, no Facebook, desde sua criação em 4 de fevereiro de 2004. Os usuários devem se registrar antes de utilizar o site, após isso, podem criar um perfil pessoal, adicionar outros usuários como amigos e trocar mensagens, incluindo notificações automáticas quando atualizarem o seu perfil. Além disso, os usuários podem participar de grupos de interesse comum de outros utilizadores, organizados por escola, trabalho ou faculdade, ou outras características, e categorizar seus amigos em listas como "as pessoas do trabalho" ou "amigos íntimos". O nome do serviço decorre o nome coloquial para o livro dado aos alunos no início do ano letivo por algumas administrações universitárias nos Estados Unidos para ajudar os alunos a conhecerem uns aos outros. O Facebook permite que qualquer usuário que declare ter pelo menos 13 anos possa se tornar usuário registrados do site.[6]

O Facebook foi fundado por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes.[7] A criação do site foi inicialmente limitada pelos fundadores aos estudantes da Universidade de Harvard, mas foi expandida para outras faculdades na área de Boston, da Ivy League e da Universidade de Stanford. O site gradualmente adicionou suporte para alunos em várias outras universidades antes de abrir para estudantes do ensino médio e, eventualmente, para qualquer pessoa com 13 anos ou mais. No entanto, com base em dados de maio de 2011 do ConsumersReports.org, existiam 7,5 milhões de crianças menores de 13 anos com contas no Facebook, violando os termos de serviço do próprio site.[8]

Um estudo de janeiro de 2009 do Compete.com classificou o Facebook como a rede social mais utilizada em todo o mundo por usuários ativos mensais.[9] A Entertainment Weekly incluiu o site na sua lista de "melhores de", dizendo: "Como vivíamos antes de perseguirmos os nossos ex-namorados, lembrarmos dos aniversários dos nossos colegas de trabalho, irritarmos os nossos amigos e jogarmos um jogo empolgante de Scrabulous antes do Facebook?"[10] A Quantcast afirma que o Facebook teve 138,9 milhões de visitantes únicos mensais nos Estados Unidos em maio de 2011.[11] De acordo com o Social Media Today, estimava-se que em abril de 2010 cerca de 41,6% da população estadunidense tinha uma conta no Facebook.[11] No entanto, o crescimento de mercado do Facebook começou a estabilizar em algumas regiões, sendo que o site perdeu 7 milhões de usuários ativos nos Estados Unidos e no Canadá em maio de 2011.[12] O Facebook entrou com pedido de uma oferta pública inicial em 1 de fevereiro de 2012.[2]

Funcionamento

Sede do Facebook, Inc em Palo Alto, Califórnia

O website é gratuito para os usuários e gera receita proveniente de publicidade, incluindo banners, destaques patrocinados no feed de notícias[13] e grupos patrocinados (cujas cotas seriam de mais de 1,7 milhão de dólares por semana em abril de 2006, segundo rumores).[14] Usuários criam perfis que contêm fotos e listas de interesses pessoais, trocando mensagens privadas e públicas entre si e participantes de grupos de amigos. A visualização de dados detalhados dos membros é restrita para membros de uma mesma rede ou amigos confirmados. De acordo com o TechCrunch, 85% dos membros dos colégios suportados têm um perfil cadastrado no website e, dentre eles, 60% fazem login diariamente no sistema, 85% o faz pelo menos uma vez por semana e 93% o faz pelo menos uma vez por mês. De acordo com Chris Hughes, porta-voz do Facebook, as pessoas gastam em média 19 minutos por dia no Facebook.[14] Em um estudo conduzido em 2006 pela Student Monitor, uma empresa especializada em pesquisas de mercado relacionadas a estudantes universitários de Nova Jérsei, concluiu que o Facebook foi o segundo nome mais "in" entre os estudantes, empatado com cerveja e sexo e perdendo apenas para iPod.[15]

A decisão do Facebook de remover algumas fotos de amamentação enraiveceu alguns usuários, entre os quais a estadounidense Kelli Roman, mãe que teve uma foto que a mostrava alimentando a filha removida pelo Facebook.

Roman é uma das administradoras de uma petição online intitulada "ei, Facebook, amamentação materna não é obscenidade", que foi ganhando mais força, depois das manifestantes organizarem uma "amamentação de protesto" no Facebook e realizaram uma pequena manifestação diante da sede da empresa, em Palo Alto, Califórnia.

A petição já obteve mais de 80 mil assinaturas e mais de 10 mil comentários, e redespertou um velho debate sobre os prós e os contras da amamentação em locais públicos.

História

Origem

Mark Zuckerberg, co-fundador e CEO do Facebook

Mark Zuckerberg fundou, juntamente ao brasileiro Eduardo Saverin e os estadunidenses Dustin Moskovitz e Chris Hughes, o The Facebook em fevereiro de 2004, enquanto frequentava a Universidade de Harvard, com o apoio de Andrew McCollum e Eduardo Saverin. Até o final do mês, mais da metade dos estudantes não-graduados em Harvard foi registrada no serviço. Naquela época, Zuckerberg se juntou a Dustin Moskovitz e Chris Hughes para a promoção do site e o Facebook foi expandido à Universidade de Stanford, à Universidade Columbia e à Universidade Yale. Esta expansão continuou em abril de 2004 com o restante das Ivy League, entre outras escolas. No final do ano letivo, Mark e Dustin se mudaram para Palo Alto, Califórnia, com Andrew que havia conseguido um estágio de verão na Electronic Arts. Eles alugaram uma casa perto da Universidade de Stanford, onde se juntaram a Adam D'Angelo e Sean Parker. Andrew McCollum decidiu deixar a EA para ajudar em tempo integral no desenvolvimento do Facebook e do site "irmão" Wirehog. Em setembro, Divya Narendra, Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss, proprietários do site HarvardConnection, posteriormente chamado ConnectU, entraram com uma ação judicial contra o Facebook alegando que Mark Zuckerberg teria utilizado código fonte ilegalmente do HarvardConnection, do qual ele tinha acesso. A ação não procedeu.[16] [17] Também nessa altura, o Facebook recebeu aproximadamente US$500.000 do co-fundador do PayPal Peter Thiel, como um angel investor. Em dezembro a base de usuários ultrapassou 1 milhão.

Década de 2000

Uma página de perfil no Thefacebook em 2005.

Em maio de 2005, o Facebook recebeu 12,8 milhões de dólares de capital da Accel Partners.[18] Em 23 de agosto de 2005, o Facebook compra o domínio facebook.com da Aboutface por US$200.000,00 e descarta definitivamente o "The" de seu nome. A esta data, o Facebook foi "repaginado" recebendo uma atualização que, segundo Mark, deixou mais amigável aos usuários. Também neste mês, Andrew McCollum retornou a Harvard, mas continuou atuando como consultor e retornando ao trabalho em equipe durante os verões. Como antes, Chris Hughes permaneceu em Cambridge, enquanto exercia sua função como representante da empresa. Então, em 2 de setembro, Mark Zuckerberg lançou a interação do Facebook com o ensino secundário. Embora inicialmente definido para separar as "comunidades" para que os usuários precisassem ser convidados para participar, dentro de 15 dias as redes escolares não mais exigiam uma senha para acessar (embora o cadastro no Facebook ainda exigisse). Em outubro, a expansão começou a atingir universidades de pequeno porte e instituições de ensino pós-secundário (junior colleges) nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, além de ter expandido a vinte e uma universidades no Reino Unido, ao Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey no México, a Universidade de Porto Rico em Porto Rico e toda a Universidade das Ilhas Virgens nas Ilhas Virgens Americanas. Em 11 de dezembro de 2005, universidades da Austrália e Nova Zelândia aderiram ao Facebook, elevando sua dimensão para mais de 2 mil colégios e mais de 25 mil universidades em todo o Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Irlanda.[19]

Em 27 de fevereiro de 2006, o Facebook passou a permitir que estudantes secundaristas adicionassem estudantes universitários a pedido dos usuários. Um mês depois, em 28 de março, a revista BusinessWeek noticia que uma potencial aquisição estava em negociação. O Facebook declaradamente recusou uma oferta de US$750 milhões, e estimou seu preço em US$2 bilhões.[20] Em abril, Peter Thiel, Greylock Partners e Meritech Capital Partners investiram um adicional de US$25 milhões no site.[21] Em maio, a rede do Facebook se expandiu à Índia, no Instituto Indiano de tecnologia (IIT) e no Instituto Indiano de gestão (IIG). No mês seguinte, o Facebook ameaçou pedir até US$100.000,00 ao Quizsender.com por violação de direitos autorais por copiar a ferramenta "visual e sensação" do Facebook.[22] [23] Em 25 de junho, novos recursos foram adicionados ao site para potencialmente atrair receitas adicionais. Foi feita uma promoção em parceria com a iTunes Store onde membros da Apple Students iriam receber gratuitamente 25 músicas de amostra em vários gêneros musicais por semana até 30 de setembro. A promoção propunha deixar os estudantes mais entusiasmados e familiarizados com os serviços.[24] Em meados de agosto, o Facebook adicionou universidades na Alemanha e colégios em Israel à sua rede. Em 22 de agosto o Facebook introduz o Facebook Notes, um recurso de blog com sistema de tags, imagens embutidas, entre outros recursos também permitindo a importação dos serviços de blogs Blogger, Xanga e LiveJournal. Este recurso ganhou posteriormente a possibilidade de comentar as postagens comuns nos sistemas "concorrentes". Em 11 de setembro o Facebook foi aberto para cadastro para todo o público.[25]

Em 10 de maio de 2007, o Facebook anuncia um plano para adicionar classificados grátis em seu website.[26] Este recurso ganhou vida em 14 de maio e foi chamado Facebook Marketplace. Também em maio, o Facebook lança sua API, chamada Facebook Plataform, para desenvolvimento de aplicações para serem usadas no site.[27] Em junho, a parceria com a iTunes Store foi continuada oferecendo amostras de músicas grátis para o grupo Apple Students. Em julho o Facebook anuncia sua primeira aquisição: Parakey, Inc, de Blake Ross e Joe Hewitt. Em agosto, a companhia foi capa da edição especial anual "College" da Newsweek[28] Em 25 de setembro surge um rumor de que a Microsoft teria interesse em comprar parte do Facebook; rumor este confirmado um mês depois com a compra de 1.6% do Facebook por US$240 milhões.[29] Uma venda completa do Facebook é no momento, improvável, diz Mark Zuckerberg. Em 7 de novembro de 2007, o Facebook anuncia o Facebook Ads, uma iniciativa de marketing que inclui um sistema de sites parceiros para permitir aos usuários compartilhar informações sobre suas atividades neles com amigos no Facebook (Facebook Beacon); a possibilidade de empresas hospedarem páginas no Facebook de várias marcas, produtos e serviços (Facebook Pages); um sistema de veiculação de anúncios baseado no perfil do usuário e de seus amigos e em dados de atividade (Facebook Social Ads); e um serviço de fornecimento de publicidade com empresas fornecendo dados analíticos incluindo métricas de desempenho (Facebook Insights). No que diz respeito à privacidade, o Facebook afirma que "nenhuma informação pessoal identificável é partilhada com o anunciante ao criar a Social Ad" e que "usuários do Facebook apenas verão os Social Ads à medida que os amigos compartilharem informações com eles". O Facebook Ads substitui o programa anterior Facebook Flyers. Em 30 de novembro de 2007 o bilionário chinês Li Ka-Shing investe US$60 milhões no Facebook.

No ano de 2008, a rede social Twitter rejeita uma oferta milionária que o jovem Mark Zuckerberg (dono do Facebook) lhe propôs, Biz Stone disse que "rede social de microblogs queria, na realidade, não virar um site popular e sim uma autêntica empresa geradora de lucros, e por isso não tinha interesse em se fundir com outra companhia. Criamos algo que as pessoas acham que tinha valor, mas ainda não fizemos disso um negócio, e nós gostaríamos muito de fazer isso", explicou Stone."[30] Segundo o jornal Financial Times, o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, não conseguiu fazer nenhuma oferta que interessasse aos três proprietários do Twitter, Biz Stone, Evan Williams e Jack Dorsey.[31]

Em 13 de junho de 2009 o Facebook introduziu o recurso "Nome de usuário" em que as páginas podem ser acessadas em URLs mais simples escolhidas pelo próprio usuário.[32]

Década de 2010

Em 18 de maio de 2010, o Facebook juntamente com a operadora de celular TIM do Brasil, lançaram o serviço de acesso grátis ao site 0.facebook.com através do próprio aparelho celular. Apesar do serviço ser grátis para todos os planos como Pré e Pós-pago, o serviço causou muitos transtornos por estar fazendo cobranças indevidas aos usuários Pré-pagos.[33] A população brasileira na internet saltou de 33,3 milhões em 2009 para 40 milhões em 2010, segundo os dados da comScore, fazendo do Brasil o 8º país com o maior número de internautas no mundo.[34] Em abril de 2010, 41,6% da população estadunidense tinha uma conta no Facebook. No entanto, o crescimento de mercado do Facebook começou a estabilizar em algumas regiões, sendo que o site perdeu 7 milhões de usuários ativos nos Estados Unidos e no Canadá em maio de 2011.

Em fevereiro de 2011,[35] o Facebook criou o aplicativo Calendário para marcar eventos, permitindo a extração de dados para usuários dos próprio calendário ou aplicativos de mapeamento.

Desde abril de 2011,[36] os usuários do Facebook tiveram a capacidade de fazer chamadas de voz ao vivo via Facebook Chat, que permite aos usuários conversar com outras pessoas de todo o mundo. Esse recurso, que é fornecido gratuitamente através do serviço novo T-Mobile Bobsled, permite ao usuário adicionar voz ao Chat do Facebook atual, bem como deixar mensagens de voz no Facebook. Em 6 de julho de 2011, o Facebook lançou seus serviços de chamadas de vídeo usando o Skype como seu parceiro tecnológico. Ele permite transmissão de vídeo da Webcam de um usuário para o Facebook do outro (vice-versa).

Em 14 de setembro de 2011,[37] o Facebook lançou um botão Assinar. O recurso permite aos usuários acompanhar as atualizações públicas de seus amigos.

Em junho de 2011, o Ministério da Justiça do Brasil cobrou esclarecimentos sobre a ativação do serviço de reconhecimento facial, devido à exposição inadequada que isto pode gerar aos usuários.[38] A empresa também foi processada por uma empresa chamada Timeline, por conta do uso indevido da marca.[39]

Em julho de 2011, autoridades da Alemanha começaram a discutir a proibição de eventos marcados pelo site. A decisão está baseada em diversos casos de superlotação ou recepção de pessoas não convidadas a eventos particulares.[40] [41] No evento do 16º aniversário de uma garota em Hamburgo, que foi acidentalmente configurado como público, 1500 "convidados" compareceram à festa, e após relatos de distúrbios na sobrelotação, mais de uma centena de policiais tiveram de ser destacados para controlar a multidão. Um policial ficou ferido e onze participantes foram detidos por agressão, danos materiais e resistência às autoridades.[42] Em outro evento com superlotação inesperada, 41 jovens foram detidos e pelo menos 16 ficaram feridos.[43]

Ocorreu uma brecha na segurança do Facebook permitiu que vazassem na Internet fotos que Mark Zuckerberg configurou como sendo privadas.[44] [45] As imagens mostram Zuckerberg cozinhando, recebendo amigos e dormindo com o cachorro.[46] [47] [48] [49]

No início de 2012 o Facebook se tornou a maior rede social no Brasil e na América Latina, ultrapassando o Orkut, Tumblr, Twitter. Durante o mês de dezembro de 2011, segundo dados da comScore divulgados em janeiro. Pesquisa da companhia mostrou que a rede fundada por Mark Zuckerberg atraiu 36,1 milhões de visitantes durante o período, superando os 34,4 milhões registrados pela rede social do Google.[50]

Em 13 de janeiro de 2012, o Facebook lançou a funcionalidade que permite que o usuário escute uma música que o amigo está ouvindo.[51]

Em 29 de fevereiro o Facebook lança a linha do tempo também para Fan Pages.[52] Pouco depois, o Facebook anunciou que uma nova ferramenta que permite que o usuário escute uma música que seu amigo esteja escutando ao mesmo tempo. Também é possível escutar a mesma música em um grupo, permitindo que seu amigo brinque de DJ.[53] Quando seu amigo estiver escutando uma música, uma nota musical aparecerá ao lado do seu nome. Para escutar a música, basta apenas você clicar no nome do seu amigo, que aparecerá uma janela com um botão escrito “Listen with” (escute com em português), clique no botão e você ouvirá música com seu amigo, como mostra a figura acima. Além de escutar você poderá comentar sobre a música.[54]

Em 9 de abril de 2012, Mark Zuckerberg anuncia em seu perfil a aquisição do aplicativo Instagram pelo valor de aproximadamente 1 bilhão de dólares.[55]

Após lançar ações na bolsa, estima-se que o Facebook atingirá o valor de 100 bilhões de dólares ainda no primeiro semestre de 2012.[56] Na estreia da sua oferta pública de ações, em 17 de maio de 2012, o Facebook levantou 16 bilhões de dólares, tornando-se a terceira maior captação da história dos EUA (apenas à frente da AT&T Wireless e atrás da General Motors e Visa).[57] [58] No total, a empresa registrou 421,2 milhões em ações vendidas, e devido a grande procura, aumentou o valor de uma ação de 34 dólares para 38 dólares, atingindo o máximo esperado. A oferta inicial informada era de 484,4 milhões, podendo arrecadar até 18,4 bilhões. A empresa será listada na bolsa da Nasdaq sob a sigla FB. A oferta de ações da rede social tornou-se a maior oferta de uma empresa de tecnologia, sendo também a 10ª maior dos últimos 25 anos.[59]

Após o lançamento na bolsa, o Facebook perdeu cerca de 50% do seu valor. Alguns sites publicaram uma possível saída de Mark Zuckerberg do posto de CEO do Facebook.[60]

Na manhã do dia 4 de outubro, Marc Zuckerberg informou que havia já mais de mil milhões de utilizadores ativos do Facebook.[61]

Em março de 2013 o Facebook anunciou mudanças em sua Linha do Tempo dos usuários. O novo design adiciona livros que o usuário leu ou gosta, filmes e músicas. A área fica ao lado das fotos pessoais e dos amigos. Quem gosta de assistir a filmes pode adicionar as produções favoritas e usar aplicativos como o Netflix para compartilhar o que se está assistindo no momento. A mudança vem acontecendo aos poucos, mas até o segundo semestre de 2013 todos os usuários já estarão com sua Linha do Tempo atualizada. Até o Google quis comprar o Facebook, mas Mark Zuckerberg não quis vender.[62]

No dia 19 de fevereiro de 2014 a empresa anunciou que comprou o aplicativo WhatsApp por 16 bilhões de dólares. O valor é o mais alto já pago por um aplicativo móvel, desde que a própria rede social comprou o Instagram. Também é a maior aquisição do site de Mark Zuckerberg. O acordo também prevê um pagamento adicional de 3 bilhões de dólares aos fundadores e funcionários do WhatsApp que poderão comprar ações restritas do Facebook dentro de quatro anos. Além disso, o presidente-executivo e cofundador do WhatsApp, Jan Koum, tomará lugar no conselho administrativo do Facebook.[63]

Recursos

Mural

O Mural é um espaço na página de perfil do usuário que permite aos amigos postar mensagens para os outros verem. Ele é visível para qualquer pessoa com permissão para ver o perfil completo, e posts diferentes no mural aparecem separados no "Feed de Notícias". Muitos usuários usam os murais de seus amigos para deixar avisos e recados temporários. Mensagens privadas são salvas em "Mensagens", que são enviadas à caixa de entrada do usuário e são visíveis apenas ao remetente e ao destinatário, bem como num e-mail. Em julho de 2007 o Facebook, que só permitia posts de textos, passou a permitir postagem de anexos no mural.[64]

Presentes

Em fevereiro de 2007 o Facebook adicionou um novo recurso de "Presentes" (gifts) em seu site. Amigos podem dar presentes — pequenas imagens desenhadas por Susan Kare, ilustradora que desenha os ícones da Apple Inc. — a outros escolhendo um da loja de presentes virtuais do Facebook e adicionando uma mensagem. Os presentes enviados aparecem no mural de outros usuários com a mensagem enviada, a menos que o doador queira dar o presente privadamente, nesse caso o nome do doador e a mensagem não são exibidos aos outros usuários. Além disso, todas os presentes, incluindo os privadas, são exibidas em uma caixa no perfil chamada caixa de presentes (gift box), junto do nome do doador ou da palavra Privado para presentes privados.

Assim que se registram no site, os usuários do Facebook ganham uma presente gratuito para dar a quem quiser. Cada presente adicional pode ser comprado na loja de presentes virtuais do Facebook por 1 dólar. A primeira seleção de presentes disponíveis teve como tema o dia dos namorados e 50% da receita líquida recebida em fevereiro de 2007 foi doada à instituição de caridade Susan G. Komen for the Cure. Após fevereiro, a doação deixou de ser feita. Pouco depois, o Facebook passou a disponibilizar novos presentes a cada dia, a maioria das quais tinham quantidade limitada de tempo e venda.

Com a chegada das Aplicações, surgiu uma nova forma de presentear com os presentes sem a necessidade de se pagar 1 dólar, porém, as da aplicação "presentes gratuitos", criadas por Zachary Allia,[65] não são semelhantes às oficiais, além de serem exibidas de maneira diferente.

Botão "Curtir"

O botão de "curtir" é um recurso onde os usuários podem gostar de certos conteúdos, tais como atualizações de status, comentários, fotos, links compartilhados por amigos, e propagandas. É também uma característica da Facebook Plataform, que permite aos sites participantes a exibirem um botão que permitem o compartilhamento de conteúdo do site com os amigos.[66] O recurso é criticado por especialistas que dizem que as curtidas podem ser falsificadas.[67]

Marketplace

Em maio de 2007, o Facebook introduziu o Facebook Marketplace, permitindo aos usuários publicar classificados gratuitamente dentro das seguintes categorias: For Sale (à venda), Housing (imóveis), Jobs (emprego) e Other (outros); e podem ser postados em diferentes formatos.[68]

Cutucar/Toque

O Facebook adicionou um recurso chamado "Cutucar" (Brasil) ou "Toque" (Portugal) (em inglês: Poke) para que os usuários enviem "cutucadas" uns aos outros. Segundo o FAQ do Facebook, uma cutucada é "uma forma de você interagir com seus amigos no Facebook. Quando criamos o cutucar, nós achamos que seria legal ter um recurso sem qualquer finalidade específica. As pessoas interpretam a cutucada em muitas maneiras diferentes, e nós encorajamos que você venha com seu próprio significado". A princípio, ele se destina a servir como uma forma de atrair a atenção de outro usuário. No entanto, muitos usuários utilizam-o como uma forma de dizer "olá",[14] e alguns como uma "investida sexual". Há muitas aplicações, tais como X Me" e SuperPoke!, que permitem ao usuário enviar qualquer ação no lugar da palavra "poke".

Status

O recurso "status" permite aos usuários informar a seus amigos e a membros de sua comunidade coisas que acha interessante, como vídeos, fotos e links. Atualizações de status estão disponíveis na sessão atualizações recentes de toda sua lista de amigos.

Eventos

Os Eventos são uma maneira para que os membros informem seus amigos sobre os próximos eventos em sua comunidade, para organizar encontros sociais ou simplesmente para dizer o que está sentindo no momento.[69]

Aplicativos

Em 24 de maio de 2007, o Facebook lança o Facebook Plataform, na qual prevê o framework para desenvolvedores criarem aplicações que interajam com os recursos internos do Facebook. Até jogos como xadrez e scrabble estão disponíveis. Em 5 de dezembro de 2007, mais de 10.000 aplicações já estavam disponíveis.[70] Em 4 de julho de 2007 surge a Altura, primeira empresa do mundo de capital de risco voltada ao Facebook. Em 29 de agosto de 2007, o Facebook alterou a forma com que a popularidade das aplicações são medidas a fim de dar mais atenção às aplicações mais envolventes, seguindo críticas de que um ranking de aplicações apenas por número de usuários gerava vantagem para as absolutamente virais.[71] Os desenvolvedores usam uma API baseada na interface REST que utiliza HTPP, permitindo grande interação de informação entre o aplicativo e os perfis dos membros. Os desenvolvedores utilizam o Facebook Query Language (FQL), derivado do SQL, e também o Facebook Markup Language (FBML), derivado do HTML.[72]

Facebook Vídeo

Enquanto o Facebook lançava sua plataforma, ele também lançou uma aplicação[73] onde se pode partilhar vídeos dentro do Facebook. Os usuários podem adicionar vídeos por meio de um arquivo do computador, adicionando diretamente do telefone celular através do Facebook Móvel ou utilizando um recurso de gravação direta de uma webcam. Além disso, pode-se "taggear" seus amigos nos vídeos. Este recurso surgiu devido à concorrência com o MySpace. No entanto, o Facebook Vídeo não permite compartilhar vídeos fora do Facebook nem baixar ou exportar os vídeos enviados. Para suprir a necessidade de baixar os vídeos, um texto para Greasemonkey publicado no Userscripts.com, cumpre esta função.

Facebook Móvel Grátis

Em 2010, o Facebook juntamente com a operadora de celular TIM do Brasil, lançaram o serviço de acesso grátis ao site Facebook.com através do próprio aparelho celular. Apesar do serviço ser grátis para todos os planos como Pré e Pós-pago, o serviço causou muitos transtornos por estar fazendo cobranças indevidas aos usuários Pré-pagos.

Facebook Messenger

Em 9 de agosto de 2011 o Facebook lançou o Facebook Messenger para celulares Android e iOS, com uma atualização em 11 de outubro do mesmo ano para BlackBerry. Sua funcionalidade foi desagregada do Facebook oficial para aplicação móvel, permitindo conversar mensagens a serem enviadas e recebidas com notificações. O Facebook Messenger para Windows Desktop foi "oficialmente", lançado em 5 de março de 2012 para Windows 7 O teste do software começou entre um grupo limitado de beta-testers em 21 de novembro de 2011; No entanto, um link que vazou para a beta estágio software foi publicamente revelado para blogueiros de tecnologia por TechIT blogue israelense. Facebook respondeu no mesmo dia, ao anunciar a disponibilidade do link através do seu Centro de Ajuda.

Estatísticas

Estatísticas do Facebook em agosto de 2011[74]
Usuários ativos Mais de 1 bilhão de usuários
Média de amigos por usuário 135 pessoas
Média de uso por mês 750 minutos por usuário
Buscas Mais de 900 milhões por mês[75]
Maiores países  Estados Unidos
 Reino Unido
 Portugal
 Brasil
 Índia
 Turquia
 França
 Itália
 Canadá
Filipinas
 Espanha
 México
Acessos ao Facebook Móvel 180 milhões
Compartilhamentos 80 milhões

Críticas

Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Stencil Graffiti Berlin, Alemanha, Mark Zuckerberg; a legenda se refere a novela Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, por George Orwell

Facebook tem recebido inúmeras críticas principalmente por denuncias de que teria colaborado com o programa de vigilância eletrônica conhecido como PRISM, da Agência de Segurança Nacional estadunidense conhecida como NSA.[76] [77] [78] [79]

Apesar dos documentos revelados por Edward Snowden comprovarem a participação tanto do Facebook como de outras empresas, nos programas de vigilância, elas negam que hajam colaborado. A Microsoft, por exemplo, afirmou que só cede dados ao governo sob ordem judicial.[80] . Apesar dos documentos revelados apontarem para a colaboração das empresas, apos as denuncias, a mesma resposta da Microsoft foi dada pelas outras empresas envolvidas. Elas alegam também que apenas fornecem informação de seus usuários através de ordem judicial.[81]

Todas as empresas como Google e Facebook negaram que tenham colaborado com a coleta de dados para o Prism, o programa secreto de monitoramento de e-mails, chats e buscas da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos.

O jornalista estadunidense Glenn Greenwald, que tem acesso a todos os documentos secretos que revelaram um complexo mecanismo de espionagem dos usuários dos serviços de nove grandes empresas estadunidenses afirmou que não usa Facebook, e sim o Skype somente em casos de extrema necessidade, quando não há alternativa. Segundo Greenwald, apos avaliar os documentos, ele prefere não se arriscar.[82]

O programa com o qual Facebook teria colaborado[83] faz parte dos programas de Vigilância global executados pela Agência de Segurança Nacional estadunidense, NSA e revelados por Edward Snowden e inicialmente publicados pelo jornalista Glenn Greenwald no jornal britânico The Guardian.

O Prism permitiria ainda que os dados dos usuários das empresas participantes, no caso usuários do Facebook, fossem armazenados indefinidamente nos computadores da NSA nos Estados Unidos, sendo estrangeiros os principais alvos, mas incluindo também estadunidenses estando ou não nos Estados Unidos. O programa denominado PRISM fornece à NSA diversos tipos de mídia dos usuários do Facebook e de outras empresa . Entre os dados coletados estão correio eletrônico, conversas por áudio e por vídeo, vídeos, fotos, conversações usando voz sobre IP, transferências de arquivos, notificações de login e outros detalhes pertinentes a redes sociais.A participação do Facebook no programa tem sido alvo de criticas mundiais.[84]

Os documentos da NSA que vieram a público através de Edward Snowden, apontam para nove das grandes corporações estadunidenses e serviços de Internet como participantes do vigilância com a NSA: Yahoo!, Apple, YouTube, AOL, Paltalk e Skype são participantes dos programas da Agência de Segurança Nacional estadunidense, NSA.

O jornal The Washington Post apontou ainda que documento vazado por Edward Snowden mostra que o programa PRISM é "fonte primária de inteligência usada nos relatórios de análise da NSA".[85] Outro programa da NSA, o XKeyscore, é o programa mais abrangente do serviço secreto estadunidense, que permite interceptar qualquer atividade online.[86]

Com relação ao Facebook, controvérsias também resultam de inúmeras outras questões também ligadas a privacidade dos usuários do Facebook, incluindo questões ligadas a roubo de identidade, segurança de crianças que podem ser facilmente vigiadas por predadores tendo acesso inclusive a fotos. Ha também casos de indivíduos usando falsas identidades para intimidar, chantagear, obter dados de pessoas e outros casos semelhantes. Criticas se expandem também sobre a incapacidade de encerrar contas sem que Facebook mantenha os dados pessoais do usuário para a companhia Facebook, mesmo quando o usuário apaga sua conta. Em 2008, muitas empresas removeram sua publicidade do site. O Facebook também foi processado várias vezes. [87]

Em 2010, a Electronic Frontier Foundation demonstrou que qualquer pessoa poderia ter acesso a informações salvas em um perfil no Facebook, mesmo que a informação não se destinassem a ser pública.[88]

Facebook tem fornecido voluntariamente informações de seus usuários em resposta a solicitações de governos e autoridades locais, estaduais e federais, para investigar pessoas, crimes, determinar localização de indivíduos, provar ou refutar álibis e revelar comunica coes.[89]

Vigilância global

Além do relacionamento da empresa Facebook com os órgãos de vigilância inicialmente mostrado através dos documentos revelados por Edward Snowden,[90] , em março de 2014, documentos sobre o programa de vigilância mostram que a NSA, desde 2009, vem deliberadamente implantando malware em milhares de computadores ao redor do globo com o objetivo de ter acesso as informações pessoais dos usuários.[91]

Para alcançar seus objetivos de hack, a agência utiliza vários métodos. Há casos em que a NSA se disfarçou como um servidor do Facebook, usando o site de mídia social como uma plataforma de lançamento para infectar o computador de seus alvos. A ilustração no artigo que se segue como referência mostra como a infecção dos computadores vem sendo feita. [92]

Estas recentes revelações publicadas por Glenn Greenwald e Ryan Gallagher no The Intercept parecem ter sido perturbadoras para Mark Zuckerberg que teme que sua empresa Facebook acabe sendo afetada pelas revelações. Em 13 de Março de 2014, Zuckerberg escreveu em seu blog que fez uma ligação telefônica para Barack Obama reclamando da utilização do Facebook para infectar computadores.[93] [94] Facebook conta com cookies que lhe da a capacidade de armazenar as páginas visitadas por mais de 800 milhões de indivíduos ao redor de todo o mundo, fazendo da rede social uma ferramenta poderosa em coleta de dados para os programas de vigilância da NSA, que tem acessado os servidores de nove empresas de internet, incluindo Facebook, Google, Microsoft e Yahoo, para monitorar comunicações online através do program Prism, um dos seus muitos programas de vigilância.[95]

Controvérsia sobre vídeo explícito

Um vídeo de uma mulher sendo decapitada, foi publicado em abril de 2013, por um usuário no Facebook. O vídeo ganhou uma grande polêmica entre os usuários da rede social, pelo o fato de muitos estarem vendo uma cena desta, explícita, pela primeira vez e outros por estar circulando na rede social sem nenhuma restrição da empresa. O Facebook se posicionou perante o vídeo publicado, dizendo que "as pessoas comentam e compartilham o vídeo para condená-lo e que, por isso, não pode removê-lo", a empresa ainda complementou, "Da mesma forma como programas jornalísticos na televisão usam imagens inquietantes mostrando atrocidades, as pessoas podem compartilhar vídeos inquietantes no Facebook com o objetivo de aumentar o conhecimento sobre ações ou causas, embora o vídeo seja chocante, nossa postura está fundamentada na preservação dos direitos das pessoas de descrever, representar e comentar sobre o mundo em que vivem".[96] Informações concretas sobre o vídeo ainda não foram reveladas, mas na descrição do mesmo, no Facebook diz que foi no México, e que a gangue chamada Zetas matou a mulher para dar informações, e que não foi a única pessoa que eles mataram.

Ver também

Referências

  1. a b c d 10-K Annual Report (em inglês) SEC Filings Facebook (31 de janeiro de 2014). Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  2. a b SEC (1 de fevereiro de 2012). S-1 Registration Statement. Visitado em 1 de fevereiro de 2012.
  3. Alexa Top 500 Global Sites (em inglês) Alexa Internet. Visitado em 04 de outubro de 2014.
  4. Eldon, Eric (18 de dezembro de 2008). 2008 Growth Puts Facebook In Better Position to Make Money VentureBeat. Visitado em December 19, 2008.
  5. FOLHA DE SÃO PAULO (04 de outubro de 2012). Facebook mostra o raio-x de 1 bilhão de usuários Folha de São Paulo. Visitado em 04 de outubro de 2012.
  6. Information For Parents and Educators. Visitado em 22 de novembro de 2011.
  7. Carlson, Nicholas (5 de março de 2010). At Last – The Full Story Of How Facebook Was Founded Business Insider.
  8. Five million Facebook users are 10 or younger ConsumerReports.org (10 de maio de 2011). Visitado em 15 de maio de 2011.
  9. Kazeniac, Andy (9 de fevereiro de 2009). Social Networks: Facebook Takes Over Top Spot, Twitter Climbs Compete Pulse blog. Visitado em 17 de fevereiro de 2009.
  10. Geier, Thom; Jensen, Jeff; Jordan, Tina; Lyons, Margaret; Markovitz, Adam; et al.. (11 de dezembro de 2009). "THE 100 Greatest Movies, TV Shows, Albums, Books, Characters, Scenes, Episodes, Songs, Dresses, Music Videos, and Trends that entertained us over the 10 Years".
  11. a b Wells, Roy (8 de agosto de 2010). 41.6% of the U.S. Population has a Facebook account Social Media Today. Visitado em 6 de janeiro de 2011.
  12. Is Facebook growth stalling in North America?. Visitado em 24 de fevereiro de 2012.
  13. Facebook libera publicidade nos feeds e chama de "destaques" tecnologia.terra.com.br. Visitado em 19 de abril de 2012.
  14. a b c 85% of College Students use FaceBook techcrunch.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  15. Apple surpasses beer on college campuses (em inglês) CNN (8 de junho de 2006). Visitado em 9 de maio de 2014. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2014.
  16. Lawsuit Threatens To Close Facebook www.thecrimson.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  17. TheFacebook.com faces lawsuit - The Daily Princetonian www.dailyprincetonian.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  18. Accel web.archive.org. Visitado em 19 de abril de 2012. Cópia arquivada em 03 de novembro de 2005.
  19. Teens hang out at MySpace (em inglês) USA Today. Visitado em 19 de abril de 2012.
  20. Facebook's on the Block www.businessweek.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  21. Investors Add $25M to Facebook’s Coffers thecrimson.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  22. McCallum, Zoe. Facebook sends out its lawyers - News - The Oxford Student - Official Student Newspaper Oxford Student. Visitado em 19 de abril de 2012. Cópia arquivada em 21 de junho de 2006.
  23. Facebook threaten legal action web.archive.org. Visitado em 19 de abril de 2012. Cópia arquivada em 17 de junho de 2006.
  24. Apple and Facebook partner up for back-to-school iTunes promo arstechnica.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  25. eWoss News: Facebook to Open to All Internet Users web.archive.org. Visitado em 19 de abril de 2012. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2009.
  26. Facebook to Offer Free Classifieds - New York Times www.nytimes.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  27. Facebook's plan to hook up the world - May. 24, 2007 money.cnn.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  28. Facebook Grows Up: Can It Stay Relevant? - Kaplan College Guide - MSNBC.com msnbc.msn.com. Visitado em 19 de abril de 2012. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2007.
  29. Microsoft compra participação de US$ 240 milhões no Facebook - Negócios - COMPUTERWORLD computerworld.uol.com.br. Visitado em 19 de abril de 2012.
  30. Twitter recusou fusão com Facebook em 2008, diz jornal. metagov.com.br. Página visitada em 9 de maio de 2014.
  31. Twitter rejeitou em 2008 uma oferta milionária de compra do Facebook
  32. DiPersia, Blaise (9 de junho de 2009). Coming Soon: Facebook Usernames. Visitado em 13de junho de 2009.
  33. Facebook lança site móvel gratuito; parceria com TIM tecnoblog.net. Visitado em 19 de abril de 2012.
  34. Facebook cresce 258% no Brasil em 2010 - Facebook - EXAME.com exame.abril.com.br. Visitado em 19 de abril de 2012.
  35. Parar de adicionar eventos do Facebook ao aplicativo do calendário - Guia do usuário - Facebook para smartphones BlackBerry - 1.9 docs.blackberry.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  36. Faça chamadas de vídeo e voz no Facebook usando o IM+ Video iTouch BR. Visitado em 19 de abril de 2012.
  37. Facebook lança botão Assinar para websites www.midiassociais.net. Visitado em 19 de abril de 2012.
  38. Ministério da Justiça exige explicações ao Facebook Tecnoblog (9 de junho de 2011). Visitado em 10 de junho de 2011. "O Facebook começou a ativar automaticamente o reconhecimento facial nas contas dos usuários. [...] Claro que, mais uma vez, a privacidade dos internautas é colocada em questão. Pior de tudo é que o Facebook habilitou o reconhecimento facial em diversas contas de usuários sem pedir permissão. Pum, está ativado. O órgão de defesa do consumidor do Ministério da Justiça não gostou muito dessa história e solicitou que o Facebook se explique sobre a ativação automática do recurso. "O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, notificou o Facebook a prestar esclarecimentos sobre um novo sistema que reconhece pessoas automaticamente. A ferramenta possibilita aos usuários identificar seus amigos em fotos postadas no álbum pessoal, aumentando potencialmente a exposição da imagem dos usuários da rede.""
  39. Facebook é processado por uso da marca Timeline. Terra Tecnologia. Terra Networks. Página visitada em 9 de outubro de 2011.
  40. Alemanha: Festas convocadas pelo Facebook são “ameaça à ordem pública” www.ptjornal.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  41. Alemanha pode proibir festas combinadas pelo Facebook Destak Jornal. Visitado em 19 de abril de 2012.[ligação inativa]
  42. Alemanha quer proibir festas através do Facebook - Especiais - DN www.dn.pt. Visitado em 19 de abril de 2012.
  43. Alemanha pretende acabar com eventos via Facebook MTV Universo Online. Visitado em 19 de abril de 2012.[ligação inativa]
  44. Hackers aproveitam-se de falha no Facebook para publicarem fotos privadas de Zuckerberg - Tecnologia - PUBLICO.PT Publico PT. Visitado em 19 de abril de 2012.
  45. Fotos privadas de Mark Zuckerberg caem na web Yahoo! Notícias Yahoo!. Visitado em 19 de abril de 2012.
  46. Hacker invade Facebook de Mark Zuckerberg e divulga fotos Folha.com F5. Visitado em 19 de abril de 2012.
  47. Fotos de Mark Zuckerberg vazam após falha na segurança do Facebook - Notícias - UOL Celebridades UOL Celebridades Universo Online. Visitado em 19 de abril de 2012.
  48. Fotos de Zuckerberg vazam após falha na segurança do Facebook Terra Tecnologia Terra Networks. Visitado em 19 de abril de 2012.
  49. Brecha no Facebook expõe fotos privadas de Zuckerberg O Dia Internet Group. Visitado em 19 de abril de 2012.
  50. Facebook passa Orkut e vira maior rede social do Brasil, diz pesquisa. G1 Tecnologia. G1. Página visitada em 9 de maio de 2014.
  51. Facebook lança nova ferramenta que permite escutar música com os seus amigos Mundo Interativo. Visitado em 19 de abril de 2012.
  52. Facebook Lança Linha Do Tempo Para Fan Pages Nuvem SO. Visitado em 19 de abril de 2012.
  53. Olhar Digital: Nova ferramenta do Facebook permite ouvir músicas junto com seus amigos Olhar Digital Universo Online. Visitado em 19 de abril de 2012.
  54. Facebook lança ferramenta para ouvir música com seus amigos Techtudo Globo.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  55. Facebook anuncia compra do Instagram por R$ 1,8 bilhão - Empresas - iG economia.ig.com.br. Visitado em 19 de abril de 2012.
  56. Facebook vale até 95 bilhões de dólares Primeira Edição. Visitado em 14 de maio de 2012.
  57. Evelyn M. Rusli and Peter Eavis (Acessado em 18 de maio de 2012). Facebook Raises $16 Billion in I.P.O. The New York Times. Visitado em 9 de maio de 2014.
  58. Bernard Condon. Questions and answers on blockbuster Facebook IPO Associated Press. Visitado em 18 de maio de 2012.
  59. Facebook levanta 16 bilhoes em estreia na nasdaq. Portal Imprensa. Página visitada em 9 de maio de 2014.
  60. Mark Zuckerberg pode renunciar posto de CEO do Facebook. NoteShared. Página visitada em 9 de maio de 2014.
  61. http://www.ionline.pt/mundo/facebook-ultrapassa-os-mil-milhoes-utilizadores-todo-mundo | Informação da Agência Lusa publicada no Jornal I
  62. http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2013/03/linha-do-tempo-do-facebook-tem-mudancas.html
  63. Rede Globo (19 de fevereiro de 2014). Facebook compra o aplicativo WhatsApp por U$ 16 bilhões. Visitado em 19 de fevereiro de 2014.
  64. Facebook is off-the-wall blog.facebook.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  65. Free Gifts one-ups Facebook using their own platform Inside Facebook. Visitado em 19 de abril de 2012.
  66. Arrington, Michael (March 25, 2010). Facebook To Release a "Like" Button For the Whole Darn Internet TechCrunch. Visitado em 29 de dezembro de 2011.
  67. Tavakoli, Janet (26 de fevereiro de 2012). Facebook: Soaring Fraud and Decelerating User Growth 'Tavakoli Structured Finance'. Visitado em 13 de fevereiro de 2014.
  68. Facebook Adds 'Marketplace' of Classified Ads phys.org. Visitado em 19 de abril de 2012.
  69. Facebook Central de ajuda www.facebook.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  70. Aplicativos www.facebook.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  71. Facebook www.facebook.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  72. Como Tudo Funciona.
  73. Facebook Video Launches: YouTube Beware! mashable.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  74. Facebook's latest news, announcements and media resources - Fact Sheet - Facebook newsroom.fb.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  75. (1) Do we really need to write our own search engine? blog.facebook.com. Visitado em 19 de abril de 2012.
  76. NSA capta dados de rede social para traçar perfil de americanos. Agência do governo dos EUA reúne informações telefônicas e bancárias. "New York Times" obteve novos documentos de Edward Snowden G1 (28 de setembro de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  77. EUA têm acesso direto aos servidores de Google, Facebook e Apple, dizem jornais Carta Capital (06 de junho de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  78. Google, Facebook e outras teriam dado acesso indireto à NSA Jornal do Brasil (07 de junho de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  79. Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA G1 (02 de julho de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  80. Microsoft colaborou com espionagem dos EUA, diz 'Guardian' O Globo (11 de julho de 2013). Visitado em 14 de Marco de 2014.
  81. Microsoft acusada de ajudar espionagem americana. Documentos fornecidos por Snowden e divulgados pelo Guardian indicam que empresa colaborou com NSA e FBI na intercepção e descodificação de comunicações PÚBLICO (12 de julho de 2013). Visitado em 15 de março de 2014.
  82. Jornalista que obteve papéis secretos evita usar o Facebook Observatório da Imprensa (11 de julho de 2013). Visitado em 14 de Marco de 2014.
  83. Google, Facebook e outras teriam dado acesso indireto à NSA Jornal do Brasil (07 de junho de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  84. NSA instalou softwares em mais de 100 mil computadores Jornal do Brasil (15 de Janeiro de 2014). Visitado em 14 de Março 2014.
  85. NSA slides explain the PRISM data-collection program (em inglês) The Washington Post (06 de junho de 2013).
  86. EUA podem espionar quase tudo que internauta faz, revelam documentos. Com base em dados fornecidos por Edward Snowden, jornal inglês mostra como funciona o XKeyscore, programa mais abrangente do serviço secreto estadunidense, que permite interceptar qualquer atividade online sem autorização Carta Capital (31 de julho de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  87. Em Inglês - Sue Facebook for quick cash and fun. International Business Times. Página visitada em 28 de junho de 2011.
  88. A Handy Facebook-to-English Translator. Electronic Frontier Foundation. Página visitada em 28 de abril de 2011.
  89. Lynch & Jenny Ellickson, U.S. Dept. of Justice, Computer Crime and Intellectual Property Section, Obtaining and Using Evidence from Social Networking Sites: Facebook, MySpace, LinkedIn, and more. Página visitada em 11 de junho de 2013.
  90. CPI da Espionagem vai ouvir Google, Facebook e empresas de telefonia Senado Federal do Brasil (24 de setembro de 2013). Visitado em 14 de Março de 2014.
  91. How the NSA Plans to Infect ‘Millions’ of Computers with Malware (em inglês) The Intercept (12 de março de 2014). Visitado em 15 de Março de 2014.
  92. (Em Ingles) Compare the NSA’s Facebook Malware Denial to its Own Secret Documents The Intercept (12 de Março de 2014). Visitado em 15 de Março de 2014.
  93. Zuckerberg telefona a Obama para se queixar de efeitos da espionagem na Internet Jornal de Negócios (14 de março de 2014). Visitado em 15 de março de 2014.
  94. Criador do Facebook critica Obama Correio da Manhã (Portugal) (14 de Março de 2014). Visitado em 15 de Março de 2014.
  95. spionagem: como as agências de inteligência coletam dados BBC (31 de outubro 2013). Visitado em 15 de março de 2014.
  96. http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2013/04/facebook-mostra-video-de-mulher-sendo-decapitada-e-nao-o-retira-do-ar.html

Ligações externas