MTV Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
MTV Brasil
Abril Radiodifusão S.A.
Tipo Rede de televisão comercial
País  Brasil
Fundação 20 de outubro de 1990
por Grupo Abril e MTV Networks
Extinção 30 de setembro de 2013
Proprietário Abril Radiodifusão (Grupo Abril)
Cidade de origem São Paulo São Paulo
Sede Av. Professor Alfonso Bovero, 52
Sumaré, São Paulo
Estúdios Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Slogan A música não para
Formato de vídeo 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Canais irmãos BRZ
Cobertura Brasil
Emissoras afiliadas Ver lista completa
Nome(s) anteriore(s) TV Abril (1989-1990)
MTV: Music Television (1990-2006)

A MTV Brasil foi uma emissora de televisão brasileira pertencente ao Grupo Abril dedicada ao público jovem. Nasceu no dia 20 de outubro de 1990 como a primeira rede de televisão aberta segmentada, sendo a versão nacional da MTV.[1] Foi a terceira versão da MTV a ser lançada no mundo e a primeira a ser lançada em TV aberta.

A sede da emissora ficava em São Paulo, na Avenida Professor Alfonso Bovero, 52, no bairro Sumaré, onde foi anteriormente a sede da Rede Tupi. Este edifício foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (Condephaat), sendo o primeiro da capital do estado de São Paulo a ser tombado.[2]

No começo da década de 2010, era considerada a maior rede jovem e a sétima maior rede de televisão do Brasil, sendo considerada ainda pelo jornal Meio & Mensagem como a quinta emissora de TV mais admirada do país.[3] .[4] Além disso foi a primeira TV segmentada do país dedicada ao público jovem,[5] [6] além de ter sido a primeira emissora de TV brasileira a transmitir a sua programação 24 horas por dia (sem ficar fora do ar na madrugada).[7]

O canal encerrou suas operações em 30 de setembro de 2013, sendo substituído por um novo canal operado pela Viacom na TV paga. Seu sinal na TV aberta, por sua vez, passou a ser ocupado pela Ideal TV.[8]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A MTV, sigla de Music Television,[9] surgiu nos Estados Unidos no dia 1º de agosto de 1981[10] sob o controle da Warner-Amex Satellite Entertainment. Hoje possuído pela Viacom, o canal pago revolucionou a indústria musical mundial através da popularização dos videoclipes,[11] que eram guiados por pessoas conhecidas como video jockeys.[12] No Brasil, a empresa formou parcerias com a Rede Bandeirantes para a transmissão de eventos como premiações.[13]

Os vídeos musicais chegaram ao território brasileiro através do dominical Fantástico, da Rede Globo. O programa foi o único a produzir e veicular este tipo de produto até o início da década de 1980, quando surgiu um desejo das produtoras independentes de fugir do Padrão Globo de Qualidade. Nesta mesma época, houve o surgimento da MTV norte-americana. Ao longo da década, surgiram outros programas dedicados à exibição de telediscos, como o Clip Trip, na Gazeta, Som Pop, na TV Cultura, FMTV e Manchete Clip Show da extinta Rede Manchete e o Clip Clip, que era também exibido na Rede Globo.[14]

História[editar | editar código-fonte]

Pré-estreia[editar | editar código-fonte]

Anúncio da estreia da MTV Brasil na edição de 17 de outubro de 1990 da revista Veja.

Em 1989, o Grupo Abril lançou sua área de radiodifusão, sob o título de TV Abril.[nota 1] No mesmo ano, o grupo de comunicação brasileiro formou uma sociedade com a Viacom para lançar a MTV no país. Porém, somente no ano seguinte as negociações foram confirmadas à imprensa.[19] Entretanto, ao contrário do esquema em seu país de origem, o canal brasileiro seria transmitido em TV aberta.[20] No total, o grupo desembolsou 16 milhões de dólares de investimento em equipamentos sofisticados e com uma potência dez vezes maior que os usados pela maior emissora brasileira em faturamento e audiência, a Globo. A Abril prometeu, à época, uma "revolução" na televisão brasileira.[21] Para marcar a chegada, a emissora organizou no pavilhão do Projeto SP, em São Paulo, uma feira destinada "primordialmente a publicitários e anunciantes, interessados nesse veículo inédito para suas propagandas".[19]

Para a escolha dos video jockeys, foi aberto um concurso. Na primeira fase, foram selecionadas cem pessoas para testes de locução e câmera.[22] A primeira equipe de VJ era formada por Astrid Fontenelle, Cuca Lazzarotto, Daniela Barbieri, Gastão Moreira, Maria Paula, Rodrigo Leão, Thunderbird, Zeca Camargo e Renata Netto. Em geral, eles tinham pouca ou nenhuma experiência na televisão.[23] Em julho de 1990, Roberto Civita, até então presidente da empresa, fechou um contrato com a Embratel para a utilização do satélite Brasilsat A2, o que fez com que o sinal da MTV fosse captado por antenas parabólicas. Para tal feito, o grupo teria de repassar US$ 1,3 milhões por ano. Dessa forma, a captação do sinal foi expandida de um raio de 100 km, que alcançava por UHF desde Sumaré, para um total de 420 mil domicílios que faziam uso de parabólica.[24]

Dois meses antes da estreia, em 17 de agosto de 1990, a TV Abril firmou um contrato de afiliação com a TV Corcovado, do Rio de Janeiro.[25] Nele, as partes fizeram um acordo com duração de três anos e o grupo brasileiro tinha que pagar uma porcentagem da receita publicitária da veinculação dos programas à emissora carioca. Em entrevista, Marcos Amazonas disse: "Para a audiência que visamos, o mercado carioca é uma prioridade básica".[26] Inicialmente, a TV Corcovado não transmitiu o áudio em estéreo, "mas a nossa intenção é fazer com que todas as filiadas transmitam em estéreo", consoante Roger Karman, vice presidente corporativo da Abril.[27]

Início e primeiros anos[editar | editar código-fonte]

A primeira imagem exibida pela MTV Brasil.

Inicialmente, a Abril planejou que a estreia ocorresse em 28 de abril de 1990.[28] Entretanto, a programadora adiou diversas vezes a inauguração e impôs que MTV Brasil tivesse sua estreia entre 1º de julho e 30 de setembro de 1990 na Grande São Paulo.[29] A data foi adiada novamente para 6 e 20 de outubro. Porém, o dia 20 foi quase adiado novamente devido à demissão do diretor-geral Marcos Amazonas, mas o novo profissional, Roger Karman, manteve a data prevista.[28] Por fim, a emissora teve sua primeira transmissão em 20 de outubro de 1990, exatamente ao meio-dia, no canal 32 UHF em São Paulo e 9 VHF[30] pela TV Corcovado, em Rio de Janeiro. Sua primeira imagem foi uma color bar com a inscrição Rede Abril, seguida por vinhetas institucionais. A primeira video jockey a aparecer na tela foi Astrid Fontenelle, que disse: "Oi, eu sou Astrid e é com o maior prazer que eu estou aqui para anunciar para vocês que está no ar a MTV Brasil!".[23]

O primeiro vídeo musical exibido pela MTV foi o remix de "Garota de Ipanema" na voz de Marina Lima.[31] Entretanto, no Rio, o som falhou por cerca de 60 minutos e a TV Corcovado colocou no ar o som de "Walk of Life",[32] do grupo Dire Straits, enquanto as imagens eram do clipe "Garota de Ipanema".[33] A MTV também foi responsável por grande parte dos videoclipes exibidos naquela época. Victor Civita Neto, até então diretor de programação, explicou: "A qualidade dos poucos clipes produzidos no Brasil é ainda muito ruim. Por isso decidimos partir para a produção própria". Os primeiros vídeos custaram em média 25 mil dólares, de acordo com a revista Veja.[34] Um repórter para a Folha de S. Paulo avaliou que faltaram ideias na concepção dos mesmos: "De fato, os clips mostram grande evolução técnica; sob o lustro, porém, nota-se o bolor da falta de ideias". Em seguida, ele concluiu que "[os vídeos] nacionais são exercícios sobre o nada com alto poder de dissuasão."[35]

Alguns programas distribuídos pela MTV norte-americana foram reeditados e vendidos para a MTV brasileira, dentre eles o Saturday Night Live.[27] A primeira trasmissão da emissora foi na rua Corupé, em São Paulo.[36] Devido às inundações e a falta de ar condicionado, a TV Abril mudou a sede para o número 52 da rua Alfonso Bovero, no bairro Sumaré, que anteriormente funcionava como matriz da TV Tupi São Paulo. O prédio recebeu investimentos em todos os 14 andares para receber a MTV. No mesmo edifício localiza-se a torre de transmissão do canal, a Torre Victor Civita.[37]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

A década de 2000 foi marcada por contratações e demissões. No ano homônimo à década, Cazé Peçanha, Chris Couto e Babi Xavier saíram da MTV, mas foram contratados Didi Wagner,[38] Marcos Mion, Luana Piovani e Ludmila Rosa[39] e houve o retorno do ex-VJ Luiz Thunderbird após quatro anos longe da emissora.[40] Na grade de programação, estrearam Contato MTV, Babá MTV, Central MTV, Data Clipe, Fanático MTV, Fim de Semana Especial, Nação MTV e Seletrônica.

Crise e devolução da marca[editar | editar código-fonte]

A MTV Brasil passa por problemas financeiros desde o final de 2009, quando começou a perder seu faturamento.[41] O problema se agravou em 2012, o que fez que os jornalistas especializados em mídia especulassem a venda da emissora e/ou a devolução da marca MTV a sua detentora mundial, a Viacom.

Daniel Castro, do portal R7, publicou em seu blog em 13 de abril de 2012 que a então News Corporation (Fox), o apóstolo Valdemiro Santiago e o grupo português Ongoing estavam interessados na compra da emissora.[42] No mês seguinte, o programa Comédia MTV ao Vivo exibiu um clipe com a paródia da música Roda Viva, de Chico Buarque.[43] A música, intitulada Indiretas Já, fala sobre a atual situação da televisão em geral de forma indireta, como sugere o título.[43] No clipe, os humoristas também debocham dos rumores de venda da MTV.[43]

Keila Jimenez, do jornal Folha de S. Paulo, publicou em sua coluna de 16 de agosto de 2012 que o Grupo Abril havia iniciado as negociações de venda do canal e a devolução da marca MTV para Viacom.[44] No mesmo dia, em nota, o grupo negou que haviam negociações para a venda da emissora.[45] [46] [47] Após a publicação dessa notícia, os programas Furo MTV e Trolalá reagiram com piadas a respeito da venda.[48] No Trolalá, o humorista Paulo Serra passou um trote para a portaria da própria MTV, fingindo ser um representante de Eike Batista, que estaria interessado na compra do canal.[49]

Em 15 de maio de 2013, Keila Jimenez publicou na sua coluna "Outro Canal" da Folha de S. Paulo que Grupo Abril, não pretendia manter a emissora musical no ar além deste ano. O canal, mesmo com forte redução de gastos, continua com as contas no vermelho. Sem compradores interessados no momento, o Grupo Abril estaria analisando dois novos projetos de gestão para o canal manter-se no ar. Os dois projetos envolvem a devolução da marca MTV Brasil para sua proprietária, a programadora norte-americana Viacom. O nome MTV Brasil é um licenciamento pago anualmente pela Abril à Viacom. Uma das ideias é manter o canal no ar, já com outro nome, apostando apenas em produções de humor ao estilo atual. O outro projeto, com custo bem menor, era manter a emissora sem produções nacionais, exibindo apenas documentários e videoclipes. A Viacom, que pode receber a marca MTV Brasil de volta, já até estaria programando o relançamento do canal no país.[50]

Em 12 de junho de 2013, Keila Jimenez publicou em sua coluna que o Grupo Abril devolveria a marca MTV para a Viacom, e lançaria um novo canal de televisão em seu lugar, e a Viacom, por sua vez, relançaria a MTV somente na TV por assinatura.[51] Isso foi confirmado em seguida pelo blog da colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo.[52] No dia seguinte, o programa Acesso MTV foi encerrado e os apresentadores Titi Müller, Juliano Enrico e Pathy DeJesus foram dispensados.[53] [54] [55] Os programas MTV sem Vergonha e A Hora do Chay também foram encerrados.[53] [55] Em outras áreas, ocorreram corte de pessoal, resultando na demissão de vários profissionais.[56]

Na semana seguinte, em entrevista ao jornalista Daniel Castro, Zico Góes, diretor de programação da emissora, confirmou que a MTV seria devolvida a Viacom, sem dar mais detalhes.[57] O canal seguirá lançando novas atrações até setembro de 2013, quando a marca MTV será devolvida para a Viacom.[58] [59] [60]

Em 29 de julho, a Viacom International Media Networks (VIMN The Americas), divisão internacional da Viacom, anunciou que o canal será relançado na TV paga no dia 1º de outubro.[61] A empresa pretende que a nova MTV alcance 75% dos assinantes de TV paga, o que representa um alcance maior do que a atual cobertura do canal da Abril.[62] A programadora pretende produzir mais de 350 horas de conteúdo nacional até dezembro de 2014, com versões brasileiras de programas como o MTV World Stage, Guy Code e Pranked, além de programas diários, séries, esportes radicais e realities.[63] [64] Versões dubladas de programas da matriz americana ocuparão a maior parte da grade.[65]

Com a devolução da marca para a Viacom, a MTV Brasil deixa de ser operada pelo Grupo Abril no dia 30 de setembro, data em que será exibido um especial de despedida do canal da TV aberta.[66] [67] [68] A partir de outubro o canal abandona a denominação "Brasil", passando a se chamar apenas MTV.[69]

Após a entrega da marca para a Viacom, a Abril pretende se desfazer de sua rede de radiofusão e da cessão do sinal UHF que usava para transmitir seu canal, já que não tem intenção de lançar novo canal e nem seguir no ramo televisivo. O grupo pretende prosseguir com a exibição de reprises, porém outras produções para segurar a concessão do canal enquanto ocorrem as negociações para a venda de sua infraestrutura.[70] Seu acervo totalmente digitalizado de imagens e programas também estava sendo negociado, devendo ser transferido para a Viacom.[71] Já o nome deixou de ser utilizado juntamente a entrega da marca para Viacom, com isso o canal passou a se chamar Ideal TV umas das propriedades da Abril, já foi noticiado que a Abril não tem interesse de manter o canal, um dos motivos foram queda de audiência e da internet, trazendo aos prejuizos para o grupo.

Venda do canal[editar | editar código-fonte]

Em 18 de dezembro de 2013 num comunicado oficial, Fábio Colletti Barbosa, presidente do Grupo Abril, anunciou a venda da concessão da TV aberta ao Grupo Spring que edita a revista Rolling Stone Brasil no país entre outras revistas.[72] Este grupo pertence ao ex-vice-presidente do SBT e Band, José Roberto Maluf. Os valores da transação não foram divulgados, mas especula-se que gire em torno dos R$ 200 milhões e também supostamente a Abril recusou um valor maior que isso oriundo do religioso R. R. Soares, fazendo assim, que o futuro da nova emissora está em mãos e provavelmente, uma programação laica.[73] Tudo isso ainda tem que ser aprovado pelo Ministério das Comunicações e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).[74]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

TV aberta e online[editar | editar código-fonte]

Além da transmissão aberta, a MTV Brasil também era disponível na TV por assinatura e através do site via streaming.

Fim da transmissão[editar | editar código-fonte]

A última imagem exibida pela MTV Brasil.

Em seus derradeiros dias, a MTV Brasil apresentou uma programação nostálgica cheia de reprises dos melhores momentos registrados ao longo do seu ciclo de vida. Além dos últimos programas da série My MTV com ex-VJs, o canal mostrou, ainda, em parceria com a Mídia Ninja, um último programa envolvendo um passeio pelas dependências do prédio onde ficava sua sede, acompanhado de uma virtuosa discussão sobre o passado, presente e futuro das mídias de comunicação. A programação foi finalizada no dia 30 de setembro de 2013, às 23h59. O último programa exibido foi O Último Programa do Mundo, com Daniel Furlan e Juliano Enrico, em seguida o VJ Thunderbird apresentou sua despedida. Em sentido oposto ao da inauguração do canal, a ex-VJ Cuca Lazarotto apresenta o último videoclipe - "Maracatu Atômico" da banda brasileira de manguebeat Chico Science & Nação Zumbi[75] [76] [77] , possivelmente como forma até mesmo de auto-afirmação do nome Brasil que compunha seu nome. A também ex-VJ Astrid Fontenelle encerra a programação, uma vez que foi a mesma quem abriu as transmissões há quase 23 anos atrás, encerrando-se, assim, o ciclo de transmissões da MTV Brasil do Grupo Abril de Televisão[78] . A última vinheta transmitida foi uma seleção de imagens de funcionários da emissora, com a canção "Ôrra Meu", da cantora brasileira Rita Lee, de fundo musical. Por fim, surge na tela uma logomarca da MTV estilizada com as cores da bandeira brasileira sobre um fundo preto. A sua logomarca foi diminuindo e desaparecendo nesse fundo preto. Essa foi a última imagem da MTV Brasil. [79]

Como parte das atividades necessárias para devolução da marca, o endereço mtv.com.br também deixou de funcionar às 22h30 do dia 30 de setembro[80] , sendo redirecionado para endereços de propriedade da Viacom.

Videoclipes[editar | editar código-fonte]

Primeiro formato e VJs[editar | editar código-fonte]

Na concepção original, a MTV estava destinada a exibir videoclipes e focar em um público jovem de 12 a 35 anos. Quatro meses antes de sua estreia, a MTV abriu um concurso para seus apresentadores, que seriam conhecidos como video-jockeys ou simplesmente VJs. Eram homens e mulheres jovens que teriam a função de serem os "anfitriões" dos programas. A primeira equipe de VJs era formada por Astrid Fontenelle,[81] Cuca Lazzarotto, Daniela Barbieri, Gastão Moreira, Maria Paula, Rodrigo Leão, Thunderbird e Zeca Camargo. Em geral, os VJs tinham pouca ou nenhuma experiência na televisão.

No início, a MTV Brasil exibia muitos clipes de rock e música pop, em sua maioria internacionais. Porém, nesta época também houve a influência do grunge, com destaque para bandas como Nirvana e Alice in Chains. Outros artistas tiveram destaque no mesmo período como foi o caso do Skank, Paralamas do Sucesso, Madonna, Michael Jackson e Guns N' Roses.

Programas segmentados[editar | editar código-fonte]

Exibição de videoclipe na MTV Brasil em 2013

Logo em seu início, a MTV criou programas para vários segmentos musicais como foi o caso do Yo!, destinado ao hip-hop e rap; Lado B voltado para o universo alternativo e o Fúria Metal, dedicado ao heavy metal e hard rock. Porém, esses programas eram exibidos em horários menos destacados como a madrugada.

O Lado B e o 121, versão brasileira do 120 Minutes, eram voltados para um universo mais alternativo mostrando um pop e um rock que não seguiam as tendências do momento. O Lado B durou de 1990 a 2000, apresentado por Fábio Massari e o 121, comandado por Thunderbird, de 1991 a 1994.

Já o Yo!, que era a versão brasileira do Yo! MTV Raps, tentou inicialmente cobrir o cenário do rap/hip-hop internacional, porém pela dificuldade e por pressão dos telespectadores, o Yo! passou a cobrir mais o cenário nacional.

Em meados de 1991, a MTV Brasil criou dois programas voltados ao rock pesado, o Fúria Metal, versão brasileira do Headbangers Ball, e o Gás Total, ambos apresentados pelo VJ Gastão Moreira.

Houve também programas destinados à dance music e música eletrônica como o Dance MTV, Beat MTV e o AMP. Programas como Tutti Dani, Hits MTV e Non-Stop exibiam os maiores sucessos do momento.

Disk MTV (1990–2006)[editar | editar código-fonte]

Criado em 1990, o Disk MTV era a versão brasileira do Dial MTV (precursor do TRL), com a ideia de exibir os dez clipes mais votados do dia através do telefone. Inicialmente o programa foi apresentado por Astrid Fontenelle e, além de exibir os dez clipes mais pedidos, levava ao ar entrevistas com artistas e bandas. Astrid deixou o comando do programa em 1994, sendo substituída por Cuca Lazarotto. Cuca, por sua vez, foi substituída por Sabrina Parlatore em 1996. Sabrina deixou o programa em 2000 quando se transferiu para a Rede Bandeirantes. O Disk foi temporariamente apresentado por Chris Nicklas entre julho e agosto de 2000.

Após dois meses, Sarah Oliveira assumiu o comando do Disk MTV. Ao mesmo tempo que exibia a parada musical, o programa trazia artistas no estúdio do programa para entrevistas. Em pouco tempo o Disk se tornou o principal programa da MTV Brasil e um dos mais assistidos em seu horário. Sarah deixou o programa em 2005 para apresentar o Jornal da MTV ao lado de Rafael Losso.

Após a saída de Sarah, o Disk passou a ter apresentadoras que ficavam no comando do programa no máximo um ano, como foi o caso de Carla Lamarca, entre 2005 e início de 2006, as gêmeas Keyla Boaventura & Kênya Boaventura, entre março e novembro, e por último Luisa Micheletti, entre novembro e dezembro. Em 2006, a MTV comunicou que iria focar menos na música e isso culminou no fim do programa, o que provocou revolta entre os fãs do programa.

Em 2008, a MTV Brasil criou uma nova versão do Disk MTV, o Top 10 MTV, apresentado originalmente por Sophia Reis aos sábados e foi exibido até 20 de dezembro daquele ano. Em 2009, surgia o MTV Lab Disk, uma seção sem apresentadores reservada aos 15 clipes mais votados pelo publico. Em janeiro de 2010, o Top 10 voltou ao ar e passou a ser diário, com apresentação de Vanessa Hadi. O programa foi exibido até o dia 1º de agosto de 2013.

Em fevereiro de 2014, o ex-diretor de programação da MTV Brasil Zico Góes, afirmou em entrevista que as votações do programa Disk MTV eram manipuladas pela emissora.

Video Music Brasil (1995–2012)[editar | editar código-fonte]

Em 1995, foi ao ar o primeiro MTV Video Music Brasil, ou VMB, sendo a versão nacional do já consagrado Video Music Awards. Sob o comando de Marisa Orth, ele originalmente era intitulado de Video Music Awards Brasil. A estatueta entregue na premiação geralmente era um cachorro.

Em 2007, a premiação sofreu uma reformulação e passou a focar menos nos videoclipes e mais nos artistas.[82]

O programa foi anualmente transmitido até 2012. Em 2013, o evento não foi realizado devido à devolução da marca MTV para a Viacom. A nova MTV que estava avaliando a viabilidade em realizar o evento[83] [84] decidiu não realizar a premiação em 2014 por priorizar produções como EMA, VMA e o World Stage.[85]

Outros programas[editar | editar código-fonte]

Programas roteirizados (1999-2013)[editar | editar código-fonte]

Um dos programas mais lembrados da emissora é o Hermes & Renato que teve início em 1999. O mesmo grupo de humoristas também foi responsável por outros programas como Sinhá Boça (2006) e Tela Class (2007). Outros programas de destaque foram 20 e Poucos Anos (2000), Descolados (2009), A Menina Sem Qualidades (2013) e Overdose (2013).

Programas animados (2003-2013)[editar | editar código-fonte]

O Megaliga MTV de VJs Paladinos foi o primeiro desenho animado da emissora, que estreou em 2003 e contava as histórias com narração da própria equipe de apresentadores naquela época. Em 2005, estreou o Fudêncio e Seus Amigos que atualmente foi o desenho que mais rendeu temporadas a MTV.

Mudanças na grade[editar | editar código-fonte]

Por suas diversas reformulações, quase sempre anuais, e maior produção de programas sobre comportamento jovem, muitos telespectadores passaram a sentir falta de uma programação basicamente musical na MTV. Em resposta a essas reclamações, a emissora passou a exibir, em março de 2006, programas focados especialmente na exibição de videoclipes e discussões sobre música, em que os telespectadores podiam interagir com a programação através de mensagens de texto e pela internet.

No entanto, em dezembro de 2006, foi anunciado pelo diretor de programação, Zico Góes, que em 2007 a MTV passaria a exibir videoclipes somente durante a madrugada. Segundo ele, o fácil acesso a conteúdos audiovisuais na internet (leia-se YouTube e MTV Overdrive), levou o telespectador a não querer esperar para ver um videoclipe na programação. Essa reestruturação culminou na extinção de um dos mais tradicionais programas da casa, o Disk MTV.

No dia 3 de março de 2008, a MTV teve seu primeiro relançamento com novas atrações e passou a ter alguns programas focados na música, além de séries da MTV americana e programas de comportamento, e 12 horas de apenas videoclipes.

Marketing[editar | editar código-fonte]

Naquela época, um dos slogans mais conhecidos pela MTV era I want my MTV,[nota 2] que era dito por vários artistas, inclusive no lançamento do canal na TV a cabo. A MTV brasileira decidiu não usar esta marca no país, já que segundo Paulo Ghirotti, da área de criação da DPZ, que desenvolveu a marca no país, induz a solitariedade de um jovem trancado em um quarto. Já Adélia Franceschini, diretora de marketing da TV Abril, disse que "[o slogan teria] que ser mais blasé".[86] Em 23 salas de cinema localizadas em shopping centers de São Paulo, foram divulgados artistas pronunciando o slogan brasileiro, Te vejo na MTV, e também eram incluídas algumas vinhetas da matriz norte-americana.[87] Com uma meta inicial de faturamento de US$ 500 mil mensais,[88] seu lucro começou a crescer a partir do final de 1990, quando ocorreu o início da comercialização de espaços na emissora e quando obteve uma receita de US$ 3 milhões. Consoante Meio & Mensagem, a previsão era que em 1991 o canal rendesse entre US$ 10 e 12 milhões,[89] o que foi alcançado.[90]

No mesmo ano, o canal investiu US$ 100 mil em campanhas publicitárias realizadas pela DPZ para o público carioca, que por sua vez, acompanhava a programação através do canal 9. Por ficar no ar apenas após o meio-dia,[nota 3] o lema da campanha era: "Depois do meio-dia, o canal 9 fica do jeito que o diabo gosta". Tal lema fez com que um jornalista do Jornal do Brasil dissesse que o lema "promete desagradar a Cúria Metropolitana do Rio de Janeiro". Em outra ocasião, a mesma publicação comparou: "No ano passado, por muito menos, uma marca de biquínis teve que retirar seus outdoors por exigência, precisamente, da Cúria".[91] A campanha, por sua vez, foi publicada em jornais e revistas, além de outdoors e menções na rádio. Sua estreia deu-se em 15 de março de 1991.[92] Por ser uma rede de televisão segmentada ao público jovem, diversas empresas apostaram em publicidade na MTV, tais quais o Banco Bamerindus, Basf, Samello e Warner Lambert,[88] fabricante da bala Halls.[nota 4]

Marca[editar | editar código-fonte]

Logos[editar | editar código-fonte]

Slogans[editar | editar código-fonte]

  • 1990: Te vejo na MTV
  • 1990 - 1992: sem slogan
  • 1992 - 1994: sem slogan
  • 1994 - 1996: sem slogan
  • 1996 - 1997: sem slogan
  • 1997 - 1998: MTV, a sua casa
  • 1998 - 1999: sem slogan
  • 1999 - 2002: "MTV Brasil, na sua língua"
  • 2002 - 2004: Música e atitude
  • 2004 - 2006: sem slogan
  • 2006 - 2007: sem slogan
  • 2007 - 2008: sem slogan
  • 2008 - 2009: Transformação pela raiz
  • 2009 - 2010: Você está aqui
  • 2010 - 2011: "MTV: O canal dos ovos de ouro"
  • 2011: Música para tudo
  • 2011 - 2013: A música não para
  • 2013: "A televisão tem futuro?"

Programas[editar | editar código-fonte]

Apresentadores[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. É importante ressaltar, entretanto, que a Abril Radiodifusão só foi criada em 1999, para cuidar de assuntos relacionados à radiodifusão, como a operadora de TV por assinatura TVA.[15] [16] [17] Somente em 2004, a MTV Brasil Ltda., novo nome da TV Abril, fundiu-se com a área.[18]
  2. Em tradução livre, eu quero a minha MTV.
  3. Antes do meio-dia, a programação constituía de produções da Rede Record e do Sistema Brasileiro de Televisão.[19]
  4. A Warner Lambert foi comprada pela Pfizer, em seguida pela Cadbury e a 2010 pela Kraft Foods.[93] Depois, esta última passou por uma reestruturação e foi criada a Mondelēz International, atual fabricante.[94]

Referências

  1. Parente, Edianez (21 de maio de 2013). De onde veio e para onde vai a MTV Brasil Observatório da Imprensa. Visitado em 8 de junho de 2013.
  2. Condephaat tomba sede da extinta TV Tupi R7 (13 de março de 2012). Visitado em 21 de março de 2012.
  3. José Paulo Sant’Anna (5 de dezembro de 2011). Veja, Globo e CBN na liderança entre os mais admirados Meio & Mensagem. Visitado em 20 de abril de 2012.
  4. Donos da Mídia. As redes de TV. Visitado em 07/10/2011.
  5. MTV Publiabril. Visitado em 07/10/2011.
  6. Trajetória pioneira Abril (18 de janeiro de 2012). Visitado em 28/05/2010.
  7. [1]
  8. Possebon, Samuel (20 de setembro de 2013). No lugar da MTV, TV Abril terá programas de negócios e carreiras Tela Viva Converge Comunicações. Visitado em 20 de setembro de 2013.
  9. MTV drops 'Music Television' from the network logo Los Angeles Times (2010-02-08). Visitado em 2012-06-21.
  10. 80Music.about.com 80Music.about.com (1981-08-01).
  11. Bahiana, Ana Maria. (21 de outubro de 1990). "O mundo (quase) perfeito da MTV". O Globo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  12. MTV changed the music industry on August 1, 1981 CNN (31 de julho de 1998). Visitado em 5-6-2009.
  13. (24 de dezembro de 1989) "Atrações da Rede Bandeirantes". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  14. Paulo Cunha (Outubro de 2009). O Videoclipe não morreu. Visitado em 06/02/2011.
  15. Fernanda Duarte. Traços da mundialização no videoclipe brasileiro (em português) Academia.edu. Visitado em 13 de fevereiro de 2014.
  16. Daniel Castro (1 de fevereiro de 1998). Emissoras de TV se associam a grupos internacionais TVFolha Folha de S. Paulo. Visitado em 21 de março de 2013.
  17. Billboard - Google Books (em inglês) Billboard. Visitado em 13 de fevereiro de 2014.
  18. (04 2005) "Abril Radiodifusão S.A.". O Estado de S. Paulo Economia: 38. Visitado em 5 de agosto de 2013.
  19. a b c (29 de abril de 1990) "Na reta de chegada". Veja. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  20. (8 de março de 1990) "TV Abril faz acordo com MTV". Jornal do Brasil. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  21. Ayne, Regina. (12 de março de 1990). "Abril promete revolução na televisão brasileira". Meio & Mensagem. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  22. (28 de junho de 1990) "MTV brasileira abre concuso de vídeo-jóqueis". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  23. a b Ramalho, Anna (17 de agosto de 2012). Astrid Fontenelle lamenta boataria sobre fim da MTV Brasil Universo Online Jornal do Brasil. Visitado em 17 de agosto de 2012.
  24. Martinho, Maria Ester. (10 de junho de 1990). "MTV poderá ser captada por satélite fora de SP". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  25. "Pauleira". Jornal do Brasil. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  26. Comodo, Roberto (22 de agosto de 1990). ABRIL FAZ MTV COM A CORCOVADO Jornal do Brasil PUC-Rio. Visitado em 2 de agosto de 2013.
  27. a b ABRIL FAZ PRÉVIA DA SUA MTV Jornal do Brasil PUC-Rio (28 de agosto de 1990). Visitado em 2 de agosto de 2013.
  28. a b , Nelson de. (15 de outubro de 1990). "Às pressas, MTV entra sábado no ar para ser a emissora dos jovens". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  29. Marsia, Ângelo. (8 de março de 1990). "TV Abril estréia clips da MTV até setembro". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  30. (12 de outubro de 1990) "MTV vai ao ar no Rio pela TV Corcovado". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  31. Nina Lemos (17 de agosto de 2012). A MTV pode acabar? Sim, as coisas mudam Agência Estado Estadão. Visitado em 19 de agosto de 2012.
  32. Xexéo, Artur. (23 de dezembro de 1990). "Faltou som na estréia da MTV". Jornal do Brasil. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  33. (21 de outubro de 1990) "MTV estréia sem som no Rio de Janeiro". Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  34. (31 de outubro de 1990) "Som e alegria no ar". Veja. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  35. (4 de novembro de 1990) "Faltam idéias à produção de clips nacionais". Folha de S. Paulo. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  36. Jansson, Larissa. Pseudoconscientização Canal da Imprensa. Visitado em 2 de agosto de 2013.
  37. Mocarzel, Evalodo (12 de outubro de 1990). MTV VAI AO AR NO RIO PELA TV CORCOVADO O Estado de S. Paulo PUC-Rio. Visitado em 2 de agosto de 2013.
  38. Sallum, Erika. MTV começa ano 2000 de cara nova Folha de S. Paulo. Visitado em 12 de fevereiro de 2014.
  39. Sallum, Erika. "Atriz cabeça" substitui Babi no "MTV erótica" Folha de S. Paulo. Visitado em 12 de fevereiro de 2014.
  40. Sallum, Erika. Thunder volta dos 10 anos da MTV Folha de S. Paulo. Visitado em 12 de fevereiro de 2014.
  41. Keila Jimenez (16 de setembro de 2012). Para ex-diretor, internet é algoz da MTV Ilustrada Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de julho de 2013.
  42. Daniel Castro (13 de abril de 2012). Apóstolo milionário, Fox e portugueses tentam comprar MTV Blog do Daniel Castro R7. Visitado em 10 de julho de 2013.
  43. a b c Mauricio Stycer (25 de maio de 2012). “Comédia MTV” faz bom resumo da TV brasileira em “Indiretas Já” Blog do Mauricio Stycer UOL. Visitado em 11 de junho de 2013.
  44. Keila Jimenez (16 de agosto de 2012). MTV Brasil pode ser vendida e extinta no país Outro Canal Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de julho de 2013.
  45. Leandro Meireles (16 de agosto de 2012). MTV Brasil não está sendo negociada, diz Grupo Abril Portal MTV UOL. Visitado em 10 de julho de 2013.
  46. Abril nega negociação para venda da MTV Folha Mercado Folha de S. Paulo (17 de agosto de 2012). Visitado em 10 de julho de 2013.
  47. Melissa Cruz (16 de agosto de 2012). Grupo Abril, dono da marca MTV no Brasil, nega venda da emissora Globo.com O Globo. Visitado em 17 de agosto de 2012.
  48. Cristina Padiglione (16 de agosto de 2012). Programas da MTV debocham da notícia sobre o seu fim Blog da Cristina Padiglione O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de julho de 2013.
  49. Mauricio Stycer (23 de agosto de 2012). “Quanto tá a MTV?” Blog do Mauricio Stycer UOL. Visitado em 10 de julho de 2013.
  50. mtv brasil pode perder o mone e virar outroFolha de S. Paulo.
  51. Keila Jimenez (23 de agosto de 2012). Viacom relançará MTV Brasil só na TV paga Outro Canal Folha de S. Paulo. Visitado em 10 de julho de 2013.
  52. Patrícia Kogut (12 de junho de 2012). Abril devolve MTV Brasil à programadora americana Viacom Blog da Patrícia Kogut O Globo. Visitado em 11 de julho de 2013.
  53. a b Fernando Oliveira (13 de junho de 2013). MTV Brasil dispensa VJs e põe fim a programas Blog na TV iG. Visitado em 10 de julho de 2013.
  54. Demitida da MTV, Titi Muller chora no ar ao se despedir R7 (14 de junho de 2013). Visitado em 15 de junho de 2013.
  55. a b Falcheti, Fabrício (13 de junho de 2013). Crise na MTV Brasil aumenta e programas são cancelados NaTelinha UOL. Visitado em 14 de junho de 2013.
  56. Cristina Padiglione (14 de junho de 2013). MTV realiza novos cortes e devolve marca Sem Intervalo O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de julho de 2013.
  57. Daniel Castro (24 de junho de 2013). ‘A vida está dura e difícil, mas a MTV não vai morrer’, diz diretor Blog do Daniel Castro R7. Visitado em 10 de julho de 2013.
  58. Abril deixará de usar marca MTV em 2014; Viacom tenta viabilizar nova MTV no país Tela Viva (11 de junho de 2013). Visitado em 15 de junho de 2013.
  59. Fabrício Falcheti (20 de junho de 2013). Em meio a demissões, MTV Brasil lança programas inéditos até setembro NaTelinha UOL. Visitado em 11 de julho de 2013.
  60. Falcheti, Fabrício (15 de maio de 2013). Grupo Abril estuda devolver a marca MTV e começar uma nova emissora NaTelinha Universo Online/Ne10. Visitado em 8 de junho de 2013.
  61. Silvana Arantes (29 de julho de 2013). MTV ressuscitará na TV paga tentando atrair 'geração milênio' Ilustrada Folha de S. Paulo. Visitado em 29 de julho de 2013.
  62. Lena Castellón (29 de julho de 2013). A nova MTV: TV paga e nome global Meio&Mensagem. Visitado em 29 de julho de 2013.
  63. Jornal: MTV será transferida para a TV paga em outubro Terra Networks (29 de julho de 2013).
  64. Viacom assume a MTV Brasil, que migrará para a TV paga Revista Época (30 de julho de 2013).
  65. MTV Brasil muda de comando, vira canal pago e terá nova programação Revista da TV O Globo (29 de julho de 2013). Visitado em 30 de julho de 2013.
  66. Detonator come morcego no palco do AET Agora É Tarde Band.com.br (9 de julho de 2013). Visitado em 11 de julho de 2013.
  67. Serra, Paulinho. Entrevista com Dudu Schechtel. Programa Graffite. 98 FM Belo Horizonte. 27 de Junho de 2013. Visitado em 11 de Julho de 2013.
  68. Camila Juliotti (30 de julho de 2013). MTV se despede da TV aberta com especial Diário de S. Paulo. Visitado em 30 de julho de 2013.
  69. "MTV passa a ser TV por assinatura e deixa de pertencer ao Grupo Abril". PortalImprensa, 29 de julho de 2013
  70. Glasberg, Rubens (1 de agosto de 2013). Sem MTV, Abril quer sair do negócio de televisão Tela Viva Converge Comunicações. Visitado em 2 de agosto de 2013.
  71. "Sem a marca, MTV exibirá reprises até ser vendida". Folha de S. Paulo, 3 de agosto de 2008
  72. Ribeiro, Igor (18 de dezembro de 2013). Abril vende espólio da MTV a Spring Meio & Mensagem. Visitado em 19 de dezembro de 2013.
  73. Possebon, Samuel (18 de dezembro de 2013). Abril vende outorgas de TV para ex-VP da Band e do SBT Tela Viva Converge Comunicações. Visitado em 19 de dezembro de 2013.
  74. Castro, Daniel; Pacheco, Paulo (18 de dezembro de 2013). Abril vende canal da MTV para editora da revista Rolling Stone Notícias da TV Universo Online. Visitado em 19 de dezembro de 2013.
  75. "Velha" MTV Brasil encerra transmissão tocando "Maracatu Atômico" UOL Entretenimento. Visitado em 1 de outubro de 2013.
  76. Com Chico Science, MTV Brasil encerra suas transmissões OCNet. Visitado em 2 de outubro de 2013.
  77. “Maracatu Atômico”, de Chico Science & Nação Zumbi, foi o último videoclipe da MTV Brasil RD1. Visitado em 2 de outubro de 2013.
  78. "Tenho a honra de anunciar o fim da MTV Brasil" Na TV - iG Colunistas. Visitado em 2 de outubro de 2013.
  79. "A relação da MTV com a música pernambucana".Diário de Pernambuco, 30 de setembro de 2013
  80. "O site da MTV Brasil foi o primeiro a ser desligado. Agora aguardem o novo!".Twitter @MTVBrasil, 30 de setembro de 2013
  81. Ramalho, Anna (17 de agosto de 2012). Astrid Fontenelle lamenta boataria sobre fim da MTV Brasil Universo Online Jornal do Brasil. Visitado em 17 de agosto de 2012.
  82. Thiago Ney (13/9/2007). Sm clipes, VMB focaliza os artistas Folha de São Paulo. Visitado em 25 de agosto de 2013.
  83. Confira detalhes da programação da nova MTV, que vai ao ar a partir desta terça Segundo Caderno Zero Hora (1 de outubro de 2013). Visitado em 6 de outubro de 2013.
  84. Sem VJs, MTV estreia nova programação em 1º de outubro Arte & Agenda Correio do Povo (25 de setembro de 2013). Visitado em 6 de outubro de 2013.
  85. Vaquer, Gabriel (26 de dezembro de 2013). Viacom bate o martelo e nova MTV Brasil não fará o "VMB" NaTelinha Universo Online; NE10. Visitado em 27 de dezembro de 2013.
  86. Peluso, Luciana (19 de julho de 1990). ABRIL TROCA O 'I WANT MY MTV' POR 'TE VEJO NA MTV' Folha de S. Paulo PUC-Rio. Visitado em 2 de agosto de 2013.
  87. Fucuta, Brenda. (20 de outubro de 1990). "A MTV começa sua cantada no brasileiro jovem". O Estado de S. Paulo. Visitado em 10 de fevereiro de 2014.
  88. a b Assef, Andréa. (28 de maio de 1991). "MTV lança nova campanha". Jornal do Brasil. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  89. (28 de janeiro de 1991) "Comercialização da MTV supera expectativas". Meio & Mensagem. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  90. Lobo, Tereza. (12 de agosto de 1991). "MTV inova e fatura $10 milhões em 91". Jornal do Brasil. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  91. (10 de março de 1991) "Pontos de vista". Jornal do Brasil. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  92. (14 de março de 1991) "MTV investe em publicidade". Jornal do Brasil. Visitado em 11 de fevereiro de 2014.
  93. "Cadbury agrees Kraft takeover bid", BBC News, BBC, 19 de janeiro de 2014. Página visitada em 11 de fevereiro de 2014.
  94. Ayres, Marcela (5 de outubro de 2012). Divisão de guloseimas da Kraft Foods vira Mondelēz Exame Editora Abril. Visitado em 12 de fevereiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]