Arnaldo Antunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arnaldo Antunes
Arnaldo Antunes no Circo Voador em 2011.jpg
Arnaldo Antunes em 2011
Informação geral
Nome completo Arnaldo Augusto Nora Antunes Filho
Nascimento 2 de setembro de 1960 (54 anos)
Origem São Paulo, São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) MPB/rock/concretismo/pop rock
Instrumento(s) vocal, violão e guitarra
Período em atividade 1981 - atualmente
Gravadora(s) Rosa Celeste
Biscoito Fino
BMG
EMI
WEA
Afiliação(ões) Titãs
Tribalistas
Nação Zumbi
Marisa Monte
Augusto de Campos
Haroldo de Campos
Pequeno Cidadão
Página oficial www.arnaldoantunes.com.br

Arnaldo Augusto Nora Antunes Filho, ou simplesmente Arnaldo Antunes (São Paulo, 2 de setembro de 1960) é um músico, poeta, compositor, ex-VJ e artista visual brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 1960, o quarto de sete filhos.[2]

Em 1978 ingressou na FFLCH da USP, onde seguiria o curso de Linguística, abandonando pelo sucesso dos Titãs.[3]

No dia 13 de novembro de 1985, foi preso, juntamente com o colega de Titãs Tony Bellotto, por porte de heroína. Arnaldo passou 26 dias preso[2] e foi condenado por tráfico de drogas. Desligou-se da banda em 1992, depois de dez anos de grupo, por conta de suas direções artísticas. Apesar de sua saída, Arnaldo continuou compondo com os demais integrantes do grupo e várias dessas parcerias foram incluídas em discos dos Titãs, assim como em seus discos solo.

Em 1997, fez participação especial no álbum Acústico MTV, dos Titãs. Na ocasião, Antunes cantou a faixa "O Pulso", música originalmente gravada no álbum Õ Blésq Blom (1989).

No ano de 2002, formou, em parceria com os amigos Marisa Monte e Carlinhos Brown, o trio Tribalistas, pelo qual lançaram o álbum homônimo. O álbum foi sucesso de público e crítica e vendeu, até 2009, mais de 2.100.000 cópias no Brasil e na Europa. Foi também indicado a cinco categorias do Grammy Latino em 2003, ganhando o prêmio de Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro. O grupo nunca gravou junto novamente, mas segundo Antunes continuam compondo em seus encontros, com o resultado entrando nos trabalhos solo dos três cantores.[4]

Arnaldo ainda atuou como ensaísta na Folha de São Paulo, onde deixou evidente o substrato teórico que transparece no seu trabalho estético. Lançou no final do ano de 2007 o primeiro DVD de sua carreira, o premiado Ao Vivo no Estúdio, que passeia por toda sua carreira e que conta com as participações especiais do ex-titã Nando Reis, do titã Branco Mello, do -Ira! Edgard Scandurra e dos tribalistas Marisa Monte e Carlinhos Brown.

Em 2008 fundou a banda Pequeno Cidadão aonde integrou até 2012, nele incluem filhos e sobrinhos dos criadores da banda, Edgard Scandurra, Taciana Barros e Antonio Pinto.[5]

É conhecido na América do Sul por ser um dos principais compositores da música pop brasileira, respirando de influências concretistas e pós-modernas. Compositor de hits como "Pulso", "Alma", "Socorro", "Não Vou Me adaptar", "Beija Eu", "Infinito Particular", "Vilarejo", "Velha Infância" e "Quem Me Olha Só", já teve suas canções interpretadas por artistas como Jorge Drexler, Marisa Monte, Nando Reis, Zélia Duncan, Cássia Eller, Frejat, Margareth Menezes, Pepeu Gomes, além, claro dos Titãs, banda da qual fez parte até 1992.

O músico foi VJ da MTV Brasil durante o ano de 2011, comandando o mensal Grêmio Recreativo.

Em outubro de 2008, a revista Rolling Stone promoveu a Lista dos Cem Maiores Artistas da Música Brasileira, onde Arnaldo Antunes ocupa o 95° lugar.

Arnaldo Antunes em 2007.

Arnaldo Antunes é compositor e intérprete da canção "Lavar as Mãos", que era exibida no programa educativo Castelo Rá-Tim-Bum, que, por sua vez, é o maior sucesso de audiência da história da TV Cultura.

Colaborou com a banda portuguesa Clã em vários dos seus álbuns (Lustro, Rosa Carne, Vivo, Cintura) e espetáculos.

Em dezembro de 2012, teve seu trabalho contemplado no livro Arnaldo Canibal Antunes, escrito por Alessandra Santos, professora de Letras na Universidade da Colúmbia Britânica, lançado pela editora nVersos.

Fora da música, também já expôs trabalhos em artes plásticas.

Antunes foi casado duas vezes, e tem quatro filhos.[4]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Solo[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao Vivo[editar | editar código-fonte]

com os Titãs[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Com os Tribalistas[editar | editar código-fonte]

Videografia[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em 1985, atuou no filme Areias Escaldantes, um musical brasileiro.[8] Em 2010, atuou no filme Eu e Meu Guarda-Chuva.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Arnaldo Antunes
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arnaldo Antunes