Margareth Menezes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Margareth Menezes
Margareth em 2011.
Informação geral
Também conhecido(a) como "Maga"
Nascimento 13 de outubro de 1962 (52 anos)
Origem Salvador, BA
País  Brasil
Gênero(s) Axé, MPB, pop, samba-reggae, samba-rock, afrobeat, worldbeat
Ocupação(ões) Cantora, compositora e produtora musical
Instrumento(s) Vocal e violão[1]
Extensão vocal Contralto[carece de fontes?]
Período em atividade 1977-Presente[2]
Outras ocupações Atriz e diretora teatral
Gravadora(s) Universal Music, EMI Music, Som Livre, Mango, Tratore, Dubas Música, RBM, MZA Music, Island Records, Warner Music Brasil e Polydor Records
Afiliação(ões) Angélique Kidjo, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Ivete Sangalo, Elba Ramalho, Daniela Mercury, Luís Represas, Carlinhos Brown, Marisa Monte, Jimmy Cliff, Alcione, Lenine, Cláudio Zoli Sandra de Sá e Dominguinhos
Influência(s) Aretha Franklin, Gilberto Gil, Clara Nunes, Tina Turner, Bob Marley, David Byrne, Clementina de Jesus, Silas Henrique, Dorival Caymmi, Milton Nascimento e Luiz Gonzaga
Página oficial MargarethMenezes.com.br

Margareth Menezes (Salvador, 13 de outubro de 1962) é uma cantora, compositora, produtora, atriz e empresária brasileira.

Margareth conquistou dois troféus Caymmi, dois troféus Imprensa, quatro troféus Dodô e Osmar, além de ser indicada para o GRAMMY Awards e GRAMMY Latino. Conhecida por interpretar a canção "Dandalunda", a cantora soma 21 turnês mundiais, e é considerada pelo jornal estadunidense Los Angeles Times, como a "Aretha Franklin brasileira".

Ainda pequena, Margareth, começou a cantar no coral da igreja local e, após conhecer Silas Henrique inicia sua carreira artísticas, inicialmente como atriz, ganhando em 1985, o prêmio de "melhor intérprete", em "Banho de Luz". Posteriormente, a cantora começou a se envolver com a música, apresentando-se em bares da cidade, até que é ovacionada por um público de 1 500 pessoas pessoas, ao lado da Orquestra do maestro Vivaldo da Conceição. Em 1987, grava o seu primeiro single, lançado como LP, ao lado de Djalma de Oliveira, "Faraó (Divindade do Egito)", vendendo mais de 100 mil cópias. Após isso, Menezes deu início a sua carreira bem-sucedida, lançando quatorze álbuns, sendo que dois desses, Ellegibô e Kindala, alcançaram o topo da Billboard Word Albums, enquanto Pra Você e Brasileira Ao Vivo: Uma Homenagem Ao Samba-Reggae, receberam indicações ao GRAMMY Latino e GRAMMY Awards, respectivamente.

Menezes lançou recentemente Naturalmente Acústico, álbum que mostra um lado mais pop da cantora. Ela ainda lidera o movimento "Afropop Brasileiro", que visa preservar e promover a cultura afro-brasileira, e criou a "Fábrica Cultural", uma organização não-governamental que ajuda crianças e adolescentes carentes. Todos os anos, a cantora leva sua trio elétrico, um dos mais tradicionais, às ruas de Salvador.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Menezes nasceu em Boa Viagem, região pobre de Salvador. Filha de Dona Diva, uma costureira e doceira, que veio da Ilha de Maré, e Adelício Soares da Purificação,[3] motorista, falecido em maio de 2009, é a mais velha de cinco irmãos[4] e, em 1977, aos quinze anos, ganhou uma guitarra e começou a cantar no coral da Igreja da Congregação Mariana da Boa Viagem, em Salvador.[5]

Morava na península Itapagipana e, desde pequena, foi cercada pelo conjunto histórico da cidade de Salvador, como Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, e recebeu forte influência artística da própria família, pois, a mãe gostava muito de samba de roda e, os eventos na Ilha da Maré eram realizados na casa da avó da cantora, que desempenhava um papel de "produtora cultural".[6]

Carreira artística[editar | editar código-fonte]

Em 1980, a cantora conheceu o músico e compositor Silas Henrique, com quem iniciou sua carreira de atriz, apresentando-se com a peça "Ser ou Não Ser Gente", no Teatro Vila Velha, em Salvador.[7] No ano seguinte, estreia a peça "Máscaras", de Menotti Del Picchia, sob a direção de Reinaldo Nunes. Posteriormente, atua na peça do teatrólogo russo Nikolai Gogol, "Inspetor Geral", que contou com a direção de Paulo Conde e a participação do grupo "Troca de Segredos em Geral" e ficou um ano em cartaz.[5]

Três anos depois, o grupo teatral, ao lado de Menezes,[6] montou uma lona de circo na Praia de Ondina, esse espaço cultural ficou conhecido como circo "Troca de Segredos". O local abrigou apresentação de peças teatrais, adultos e infantis, além de receber apresentação de grupos musicais dos mais diversos gêneros.[8] Paralelamente à sua carreira de atriz, Margareth Menezes começa a se apresentar em bares da cidade, sem pretensões de se tornar uma grande cantora.[6] Ao lado da Orquestra do maestro Vivaldo da Conceição, apresentou-se para um público de 1 500 pessoas, sendo ovacionada pela primeira vez.[9] É então, que passa a se apresentar, ao lado de Silas Henrique, nos "Centros Sociais Urbanos", espaço onde as comunidades participam de ações sócioeducativas e projetos de fortalecimento da cidadania e desenvolvimento social.[10]

Margareth Menezes participou da elaboração e idealização da peça "O Menino Maluquinho", de Ziraldo. A atriz ficou responsável por operar o som e por gerenciar a técnica vocal. Isso, deu à baiana mais intimidade com a música, fazendo com que ela recebesse o convite para se apresentar em São Paulo com a peça "Colagens e Bobagens", em 1985. "Banho de Luz", foi o primeiro espetáculo solo de Margareth Menezes, que também participou da produção e direção, ao lado de Silas Henrique; a façanha rendeu um Troféu Caymmi de "melhor intérprete" para Margareth Menezes.[11] [12] Em 1987, "Beijo de Flor", recebeu um Troféu Caymmi de "melhor show do ano".[5]

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1986, Margareth Menezes dá, enfim, início a sua carreira musical, interpolando entre a música e o teatro, apesar de já ter trabalho anteriormente com a primeira. Depois de um pequena turnê no interior da Bahia, a atriz passa a apresentar-se no Teatro Castro Alves, através do "Projeto Pixinguinha". Além de participar de bloco carnavalesco e inúmeros projetos musicais.[5] No ano seguinte, a intérprete participa como vocalista do bloco "20 Vê", que se apresentava no "Projeto Astral", em Salvador, para cerca de cinco mil pessoas, ao lado de Geraldo Azevedo, Gerônimo, entre outros. Menezes recebe, a partir dai, o convite para se apresentar no "VIII Festival de Música do Caribe", realizado em Cartagena, na Colômbia, ao lado de Pepeu Gomes, representando o Brasil. Os dois foram eleitos os melhores do festival.[5] De volta ao Brasil, recebe o convite de Djalma Oliveira, em 1987, para fazer uma participação em seu single, lançado como LP, onde interpretaram o primeiro samba-reggae gravado no Brasil, "Faraó (Divindade do Egito)", música de Luciano Gomes, que vendeu mais de 100 mil cópias.[13]

Do primeiro álbum à turnê mundial[editar | editar código-fonte]

Margareth Menezes recebe convidados no trio 'Afropop Brasileiro' durante o Carnaval 2010, na Barra.

Após o lançamento de seu primeiro single, Margareth Menezes assinou um contrato com a gravadora PolyGram do Brasil, que lança seu primeiro álbum autointitulado, em novembro de 1988.[1] O registro fonográfico rendeu dois troféus Imprensa de "melhor disco" e "melhor cantora", contando com uma turnê que percorreu o Brasil e a Argentina, onde Margareth já havia se apresentou anteriormente. A canção "Elegibô (Uma História de Ifá)", de Rey Zulu e Ythamar Tropicália, se tornou uma das principais canções do álbum e, da carreira da cantora, sendo que posteriormente, Menezes lançou um álbum intitulado Ellegibô.[13] Em 1989, dá início à criação e desenvolvimento de seu segundo álbum, Um Canto Pra Subir. Enquanto isso, a baiana apresenta-se ao lado de Gilberto Gil e Dominguinhos, em uma série de espetáculos através do projeto "Bast Chrome Music", dirigido por Milton Nascimento e por Gil.[14] Por volta de 1990, Menezes assina um contrato com a gravadora estadunidense Mango/Island Records, com o objetivo de lançar um álbum nos Estados Unidos, Canadá e México, onde já havia se apresentado com certa regularidade,[5] sendo convidada por David Byrne, líder do grupo Talking Heads, para fazer o espetáculo de abertura de sua turnê mundial, além de fazer participações especiais. No Brasil, a cantora lança Um Canto Pra Subir, que contou com a produção e arranjos de Ramiro Musotto e Pedro Giorlandinni.[13] A canção "Ifá (Um Canto Pra Subir)", foi destaque do álbum, sendo que foi dessa faixa que retirou-se o nome do álbum.[5]

Menezes já se apresentou ao lado de grandes cantores brasileiros e internacionais como Marisa Monte, Carlinhos Brown, Jimmy Cliff e entre outros. A convite do diretor cinematrográfico estadunidense Zalman King, a cantora fez parte da trilha sonora do filme Orquídea Selvagem, estrelada por Mickey Rourke e Jacqueline Bisset. Enquanto que, no Brasil, ela grava o videoclipe de "Ifá (Um Canto Pra Subir)", para o programa "Fantástico", da Rede Globo, voltando, posteriormente, a continuar sua turnê pela América do Sul, América do Norte, sul dos Estados Unidos, Finlândia e Rússia (na época União Soviética), ao lado de David Byrne.[15]

Ellegibô e sucesso comercial[editar | editar código-fonte]

Devido a sua bem-sucedida carreira na América do Norte, a gravadora inglesa Polydor Records, contratou Menezes, visando o lançamento de um álbum em toda a Europa. Ellegibô, reuniu as principais canções do primeiro e segundo álbum da cantora, tais como "Elegibo (Uma História de Ifá)", "Tenda do Amor (Magia)" e "Ifá (Um Canto Pra Subir)". O álbum, que também foi lançado pela Mango, nos Estados Unidos e no Japão, recebeu destaque da imprensa mundial. O site AllMusic, publicou uma crítica de John Storm Roberts, falando que Menezes recebe forte influência de "sua veia afro-americana" ressaltando o seu "ecletismo" e dizendo que a cantora "faz isso melhor do que muitos".[16] O álbum ainda gerou um videoclipe da canção "Tenda de Amor", lançada exclusivamente na Inglaterra. E em 8 de setembro de 1990, Ellegibô, chega ao topo da Billboard World Albums, nos Estados Unidos, ficando por lá durante onze semanas[17] e deixando para trás álbuns como Puzzle of Hearts, de Djavan e o álbum de estreia do Barefoot, por exemplo.[18] Além disso, a revista Rolling Stone, elegeu o álbum como um dos cinco melhores da "world music", em todo o mundo.[19] Ele foi base para Margareth Menezes iniciar sua primeira turnê internacional, apresentando-se, inicialmente, em Nova Iorque, onde foi ovacionada pelo público e crítica,[1] e repetindo o sucesso em países visitados, entre eles França, Itália, Canadá e Bélgica.[13] O álbum vendeu mais de 10 mil cópias, apenas nos Estados Unidos.[17]

Kindala, que em Yorubá quer dizer "lábios grandes", foi lançado como terceiro álbum em 1991 e, assim como seu antecessor, Ellegibô, atingiu o topo da Billboard World Albums, ocupando o segundo lugar da parada em 8 de fevereiro de 1992 e ultrapassando as dez mil cópias na França.[17] O sucesso comercial dos dois álbuns deram à Margareth vários convites, entre eles o da rádio italiana "Della Svizzera", que convidou a cantora para se apresentar no programa "Tambola", na Suíça (o programa era transmitido ao vivo em ambos países).[17] A convite do presidente da PolyGram em Portugal, a cantora inicia um processo de divulgação do álbum, através das rádios, revistas e programas televisivos de Lisboa. Depois de ser capa da revista The Beat, ao lado de Milton Nascimento e Gilberto Gil, retorna ao Brasil e inicia a turnê de Kindala em São Paulo, com um grande espetáculo no Palace, dirigido pela própria cantora e por Elba Ramalho. A turnê passou pelos Estados Unidos, Europa e Japão, retornando ao Brasil no mesmo ano.[1] Kindala ainda rendeu à Margareth Menezes, indicação ao Grammy de "melhor álbum de música do mundo".[13]

Consolidação artística[editar | editar código-fonte]

Menezes se apresenta na Fifa Fan Fest, em Taguatinga, DF, 2014 (foto: Reila Maria/ComCopa).

Depois de percorrer o mundo em turnês, solo ou ao lado de David Byrne, Menezes "estacionou-se" no Brasil para dar início a produção de mais um álbum. Luz Dourada, chegou às lojas do Brasil em 1993, através da PolyGram, e levou a cantora para a Inglaterra, Itália e Argentina, com uma turnê diferente das demais, agora, Menezes apresentava um espetáculo mais acústico, contando apenas com um violão e uma percussão. Com o fim do contrato com a gravadora, a baiana continuou a realizar espetáculos pelo país, além de apresentar-se no tradicional Carnaval na Bahia, em seu próprio trio elétrico.[5] O álbum, Luz Dourada, vendeu mais de duas mil cópias em apenas dois meses de lançamento na Suíça.[17] Rapidamente, foi contrata pela Continental e, lança o álbum Gente de Festa, que conta com a participação de Maria Bethânia e Caetano Veloso. Através de sua produtora, "MM Produções Artísticas", a cantora realiza mais uma turnê internacional que a levou para a Europa, mas, a fez regressar ao Brasil devido ao carnaval. O trio elétrico de Menezes fora projetado por Bel Barbosa artista plástico baiano, exclusivamente para a apresentação.[1]

Todos os anos, a baiana é destaque no carnaval de Salvador, tendo comandado, além de seu próprio trio, inúmeros outros blocos, como o "Bloco da Cidade", idealizado pela prefeitura de Salvador em homenagem ao artista Jorge Amado, que ao lado de Gilberto Gil e Caetano Veloso, marcaram grande momento do Carnaval de 1996.[5] Menezes apresentou-se no "Bahia com H", recebendo vários artistas nacionais e internacionais, como, Jimmy Page e Ron Wood, que vieram ao Brasil prestigiar a cantora. Em 1997, Margareth participou do "Ópera Lídia de Oxum", evento ao ar livre dirigido pelo autor, poeta e letrista Ildásio Tavares, que contou com a presença de 20 mil pessoas.[5] Ao lado de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Gal Costa, Daniela Mercury, Araketu, entre outros intérpretes e bandas, lança a coletânea Tropicália: 30 anos, onde gravou "Domingo no Parque", de Gil.[17] No ano seguinte, ela produz a "Noite MPB", uma série de apresentações de artistas brasileiros e, no mesmo ano, inicia mais uma turnê internacional passando por doze países.[1] A convite de Gil, Menezes participa do "Festival Percurssivo Perc Pan",[20] em 2000,[21] onde canta, pela primeira vez, ao lado de Daniela Mercury e Ivete Sangalo.[5]

Independência artística[editar | editar código-fonte]

Durante cinco anos, a cantora esteve sem gravadora, foi então, que resolveu criar seu próprio selo, "Estrela do Mar"[4] e sob a produção de Carlinhos Brown e Alê Siqueira, é lançado o álbum Afropopbrasileiro. Ele conta com onze faixas, entre elas uma das principais canções da carreira de Margareth Menezes, "Dandalunda", que fora composta por Brown e considerada a melhor música do carnaval de 2001, rendeu à cantora um Troféu Dodô e Osmar, em 2003, de "melhor música" e de "melhor cantora do carnaval baiano do ano". O projeto ainda contou com a participação de Lenine e composições de Zeca Baleiro, Paulo César Pinheiro e da própria Margareth.[13] Ainda em 2001, a cantora participa do álbum dos Tribalistas, interpretando a canção "Passe em Casa", de sua autoria em parceria com Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes.[5] A coletânea Do Lundo ao Axé: 100 Anos de Música Baiana, contou com a participação de Menezes e de diversoso nomes da música baiana, como Gilberto Gil, Edil Pacheco, Paulinho Boca de Cantor e Carlinhos Brown, por exemplo.[5] Ao lado do bloco-afro Ilê Aiyê, participou do encerramento da "VI Festival do Mercado Cultural da Bahia", apresentando "Missa do Rosário dos Pretos". Participou do documentário sobre o samba, "Moro no Brasil", dirigido pelo cineasta finlandês, Mika Kaurismaki. No iníco de 2002, a cantora viaja ao Timor-Leste e se apresenta em uma festival nacional de comemoração de independência do país. De volta ao Brasil, é jurada do "Prêmio Sharp", e inicia a parte de idealização de seu novo álbum, que seria lançado pela "Estrelha do Mar".[13]

No ano seguinte, ela organizou o "Margareth Menezes Convida", um espetáculo no Canecão, Rio de Janeiro, onde recebeu as cantoras Alcione, Elba Ramalho, Ivete Sangalo e Sandra de Sá. Além disso, Menezes foi convidada para cantar ao lado de Gilberto Gil, Alcione e Toni Garrido, no Centro Cultural da Rocinha, para o lançamento do espaço. No exterior, ocorreu o lançamento de uma caixa com cinco álbuns, We Are Bahia: We Are the World of Carnaval, contendo vinte anos de axé. Margareth participou do projeto, com "Elegibô".[5] Tete a Tete Margareth, foi lançado, sendo o primeiro álbum ao vivo da cantora, e entre os convidados estavam Carlinhos Brown e a banda Cidade Negra. O DVD foi gravado na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador e, reuniu mais de onze mil pessoas. O jornal Los Angeles Times, publicou uma crítica do álbum, dizendo que o evento era uma "noite brasileira em Hollywood Bowl".[5] Mas, foi após o lançamento do Ao Vivo no Festival de Verão de Salvador, em 2004, que contou com a participação da bateria da Mangueira e de Alcione, que Margareth foi consagrada a "Aretha Franklin brasileira", pelo jornal. O álbum ainda recebeu ótimas críticas dos periódicos The New York Times e Washington Post, nos Estados Unidos, e Le Monde, na França.[13] O DVD vendeu mais de cinquenta mil cópias e, recebeu disco de ouro no Brasil.[13]

Homenagem ao samba-reggae e mudança de gênero[editar | editar código-fonte]

Consagrada como deusa do "afro-pop",[17] Menezes lança Pra Você, gerando um estranhamento, pois, o álbum não trazia o ritmo frenético do gênero que a consagrou, mas, revela um lado pop da cantora. O projeto contou com a participação de Ivete Sangalo e Cláudio Zoli e a produção de Moogie Canazio, que já trabalhara com Maria Bethânia e Caetano Veloso. Em 2005, participa do "Ano do Brasil na França" e da "Copa da Cultura", em Berlim. Em agosto de 2006, Menezes volta ao Teatro Castro Alves, para homenagear o samba-reggae e gravar o DVD Brasileira ao Vivo: Uma Homenagem ao Samba-Reggae. Nesse, ela faz releituras de grandes sucessos de sua carreira, contando com a participação de Carlinhos Brown, Mateus Aleluia e Saul Barbosa. O álbum gerou duas indicações ao Grammy.[13]

Margareth Menezes apresentando-se na comemoração de 22 anos da Fundação Cultural Palmares.

Naturalmente, foi lançado em 2008 e, segundo a própria cantora, "levou a um mergulho interno, a resgatar as origens". Margareth Menezes realizou algumas apresentações antes do lançamento do álbum, todas as quintas-feiras, no espaço carioca "Mistura Fina". O novo projeto, que contém canções de Nando Reis, Arnaldo Antunes e Marisa Monte, por exemplo, contou com a produção de Marco Mazzola e, com a participação de Gilberto Gil e Luís Represas.[22] Já em 2010, ela lança um projeto acústico que resultou em um disco compacto, disco digital de vídeo e blu-ray.[23] Intitulado Naturalmente Acústico, o projeto contou com a produção e co-produção da "Estrela do Mar" e do Canal Brasil, respectivamente. Em partes filmado no estúdio "Ilha dos Sapos", de Carlinhos Brown,[24] e em locais imporantes de Salvador para a cantora, como a Pria da Ribeira, onde nasceu, e a Feira de São Joaquim,[23] teve a direção de Wiland Pinsdorf, que priorizou a apresentação vocal de Margareth, e, como o álbum anterior, foi lançado pela MZA Music, gravadora de Marco Mazzola, que também produziu o projeto. O DVD ainda conta com depoimentos de familiares e amigos de cantora.[23] O Canal Brasil trasmitiu o DVD em 30 de abril de 2010, mas, o acústico só fora lançado em outubro de 2010, tendo como primeiro single "Amor Ainda", com a participação de Carlinhos Brown.[25]

Retorno às origens, 25 anos e Voz Talismã[editar | editar código-fonte]

Em 4 de dezembro de 2010 o jornalista Marrom, do jornal Correio, publicou uma nota informando que Menezes está se preparando para gravar um novo DVD em 2011, que deverá ser lançado pelo selo de Ivete Sangalo, Caco de Telha, no ano seguinte. Marrom ainda fala que este projeto contará com a particpação de artistas internacionais e que "Fábio Almeida e Alexandre Lins, os bambambãs da TAG prometem uma mega produção".[26] O novo projeto seria gravado em 19 e 20 de outubro no Teatro Tom Jobim, na cidade do Rio de Janeiro,[27] no entanto, ocorreram mudanças e a gravação está prevista para 2012. Em dezembro de 2011, a cantora lançou "Bonapá", canção composta por Carlinhos Brown e produzida por Gerson Silva.[28] Em 13 de abril de 2012, a cantora lança "Lambadinha da Riberia".[29]

Em 3 de dezembro de 2013, a cantora lança o DVD Voz Talismã, álbum comemorativo dos 25 anos de carreira que mescla canções dos doze trabalhos lançados pela artista até hoje[30] [31] .

Discografia[editar | editar código-fonte]

Durante sua trajetória, Margareth Menezes lançou dez álbuns de estúdio, três álbuns ao vivo e um acústico. Em seus primeiros álbuns, ela se consagrou como a "diva do afropop", sendo elogiada por publicações em todo o mundo como a Billboard e a Rolling Stone.[32]

O primeiro single da cantora, ainda lançado no formato LP, foi "Faraó (Divindade do Egito)", com Djalma Oliveira, o primeiro samba-reggae gravado no Brasil que, vendeu mais de 100 mil cópias. Em seu primeiro álbum auto-intitulado ela interpreta canções com ritmos bem baianos, influenciado pela descendência africana e a presença da cultura afro-brasileira. O segundo álbum, Elegibô, foi premiado pela Billboard e, vendeu mais de dez mil cópias nos Estados Unidos, sendo considerado um dos cinco melhores álbuns de 'música do mundo'.[32] Em 1989, lança Um Canto pra Subir, que recebeu grande influência pop, traduzido em samba, funk e samba-reggae.[32] O álbum sucessor, Kindala, trouxe ritmos dançantes[32] em 1991, vendendo 10 mil cópias na França.[32] Em Luz Dourada, a cantora obteve grande sucesso na Suíça, onde, em apenas duas semana após o lançamento, o álbum vendeu mais de 2 mil cópias.[32]

Tete a Tete Margareth e Brasileira ao Vivo: Uma Homenagem ao Samba-Reggae seguiam a linha dos demais álbuns, apenas samba-reggae e ritmos mais africanos. Pra Você, que recebeu indicações ao Grammy, trouxe Menezes mais voltada para ritmos calmos, como o pop, soul e balada. Naturalmente, lançado em 2008, fez com que a cantora mergulhas em seu interior, e mostra-se seu lado mais íntimo, trazendo regravações de grandes canções da música popular brasileira, o álbum não apresenta nenhuma canção de gênero afro-pop, axé ou samba-reggae. Em 2010, Menezes apresenta Naturalmente Acústico, um projeto lançado nos formatos de disco compacto, disco digital de vídeo e blu-ray, baseado em seu último álbum. Esse apresenta apenas um samba-reggae e uma canção em castelhano.[33] Em agosto, o site Terra Sonora disponibilizou o álbum para download digital e streaming, o que fez com que o álbum recebesse destaque no site, como um dos mais ouvidos pelos usuários.[34]

Em 2012, foi convidada pelo músico Zeca Baleiro, e assim fez uma participação especial na canção Último Post, do CD O Disco do Ano do cantor e compositor maranhense.[35] Seu mais recente álbum [[Voz Talismã]], lançado pela gravadora [[Coqueiro Verde]], foi lançado no final de 2013.

1987 - Faraó (Single)

1988 - Margareth Menezes

1989 - Um Canto Pra Subir

1991 - Kindala

1993 - Luz Dourada

1996 - Gente De Festa

2001 - Maga AfropopBrasileiro

2003 - Tete A Tete Margareth

2004 - Ao Vivo No Festival De Verão

2005 - Pra Você

2006 - Brasileira: Uma Homenagem Ao Samba-Reggae

2008 - Naturalmente

2010 - Naturalmente Acústico

2013 - Voz Talismã

Características musicais[editar | editar código-fonte]

A revista musical estadunidense Spin chama a cantora de "paixão brasileira", enfocando o seus voz e carisma que "emocionam multidões em todo o mundo". Em entrevista à revista, em fevereiro de 1990, David Byrne disse que "muitas vezes, [Margareth Menezes] roubou a cena quando fizemos turnês juntos em outono de 89… A bela cantora emana uma força".[36] Os escritores Simon Broughton, Mark Ellingham e Richard Trillo, dizem lamentar que a cantora tivesse passado pelos "terríveis" 1980, quando o rock começou a ganhar força, pois, Menezes "tem uma voz eletrizante e uma força tremenda".[37] A Rolling Stone diz que ela "faz parte deste grupo de poucos, principalmente porque canta com um sorriso, encara a música com paixão e não como obrigação", dizendo que o "habitat" da cantora é o palco, onde se destaca pela competência e qualidade, em uma terra de talentos, musicalidade e sonoridade.[38]

Arquivo original do álbum lançado em 1988, onde Margareth Menezes canta o refrão

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Clarence Bernard Henry, em seu livro sobre a música africana, axé e pop no Brasil, diz que a cantora é uma das inovadoras do axé-music e, que influenciou a nova geração da música afro-brasileira, citando um exemplo da inovação musical feita por Margareth em "Ifá (Um Canto Pra Subir)". Segundo Clarence, Menezes adicionou a sua música a ritmica ijexá e a batida de vários agogôs que se repetem durante toda a canção. Além disso, ela utiliza uma extensa lista de instrumentos musicais, entre eles a conga, os timbales, os tambores, o trompete, o trombone, o surdo, o teclado e os saxofones, e ainda incorpora sons digitalizados.[39] Para o escritor Peter Winn, Margareth Menezes revoluciou o rock brasileiro incorporando a esse os ritmos caribenhos, além disso, o autor diz que ela recebeu forte influência de Caetano Veloso e Gilberto Gil.[40]

Temas sagrados do Candomblé, podem ser encontrados nas músicas dos cantores mais contemporâneos de axé, afropop e samba-reggae, como Margareth Menezes. Em Elegibô, a cantora invoca a religião africana, na canção que dá nome ao álbum, escrita pelo grupo afro Ara Ketu, e que também possui simbologia e traços nas raízes do Candomblé e da herença afro-brasileira. Menezes interpreta a letra que conta a lenda das cidades míticas "Elegibô" e "Ifá", que floresceu na África Ocidental, próximas a batalhas entre o bem e o mal. A canção faz nítida referência à nação Ketu e seus anos de fome e seca. Após superar esse momento difícil de sua história, o povo celebra com uma oferta especial ao espírito dos ancestrais.[39] Putumayo, disse em matéria à revista Vibe, que a canção "Tenda do Amor", apresenta-se como uma música sobre o orgulho racial e feminino, com a mistura de ritmos tradicionais, batizado de "afro-brasileiro".[41] Para Charles Perrone e Christopher Dunn, autores do livro Brazilian Popular Music & Globalization, a cantora, com Elegibô, deu à música afro-brasileira um momento chave para o marketing internacional.[42]

Movimento Afropop Brasileiro[editar | editar código-fonte]

O Movimento Afropop Brasileiro, fundado em 2005 pela cantora Margareth Menezes,[43] é um movimento cultural que reúne exposições fotográficas e artísticas, manifestações, apresentações de bandas, grupos e cantores independentes, e tem a participação de jovens de organizações não-governamentais de Salvador. Além disso, o projeto une ritmos de raízes afro-brasileiras com a sonoridade mundial, como o rock, reggae, o funk, entre outros.[44] Com o apoio de grandes blocos afros, como o Ilê Aiyê, Muzenza, Cortejo Afro, Filhos de Gandhy e Malê Debalê, o movimento costuma reuniar duas mil pessoas por edição. Em 2006, o evento foi realizado na Praça Tereza Batista, em Salvador e, contou com a presença do Muzenza, além da participação de vocalistas dos demais blocos integrantes do Movimento,[44] que festeja a cultura negra no Brasil.[45] A primeira exposição fotográfica foi do fotógrafo Januário Garcia, referência em retratar afrodecendentes.[46]

Em 2009, Margareth comandou o movimento ao lado de Chido, do Malê Debalê, Altair, do Ilê Aiyê, Isaac - do Filhos de Gandhy -, e Nen Tatuagem, da banda Muzenza, que passou com o projeto pelo circuito Barra-Ondina, em 23 de fevereiro, onde prestou homenagens aos grupos afros.[47] Durante o percurso, o movimento passou em frente à Varanda Elétrica do Expresso 2222, onde Menezes cantou "Andar Com Fé", ao lado de Gilberto Gil; Mariene de Castro também participou do movimento interpretando sambas do recôncavo.[47] Recebendo 1.500 convidados, o movimento teve a presença do ator Fabrício Boliveira, Luís Miranda e Maria Mayara, que disse "tinha que ver Margareth. Ela é linda", enquanto dançava.[47]

Margareth Menezes O Movimento AfroPop Brasileiro nasceu de um sonho ousado de compartilhar e expandir o universo musical de matriz africana que se desenvolve na cena contemporânea de Salvador. E é para sempre, porque condensa o comportamento de uma geração que independente de cor, raça ou credo, traduz um jeito de ser, pensar e viver o Brasil Margareth Menezes

 — Margareth Menezes, para a Fundação Cultural Palmares, do Ministério da Cultura[46]

Em 2010, o projeto contou com o patrocínio da Fundação Palmares, foram realizadas quatro edições, em 7, 21 e 28 de Janeiro e em 4 de Fevereiro, no "Cais Dourado", no Comércio, em Salvador. No dia 20 de Janeiro, Menezes levou o movimento para a Concha Acústica, no Festival de Verão de Salvador[48] e, posteriormente, recebeu Ney Matogrosso, Moraes Moreira, Pepeu Gomes, Arnaldo Antunes, Elba Ramalho, Alcione entre outros. A direção artística é da cenógrafa e diretora carioca, Bia Lessa, que, pela primeira vez assina um projeto na Bahia.[46]

O movimento ainda proveu um centro de debates, o Giro Cultural, que ocorreu no dia 22 de Janeiro às 10h ba sede do Projeto Adolescente Aprendiz (IBCM), na escola municipal Marques de Maricá, em Pau Miúdo, Salvador, e reunirá cerca de 200 jovens e adolescentes.[49] O tema do ano foi "Sexualidade sem Preconceito".[49] Além de Margareth, compareceram o presidente da Fundação Palmares, Zulu Araújo, a atriz e diretora de teatro Andréa Elia, e a pedagoga e especialista em educação sexual Maria Paquelê. Além de discussões, o "Giro", mistura música e fotografia, com a troca de experiência entre os jovens e os convidados.[49]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Durante toda a carreira, grandes publicações referem-se à cantora e compositora Margareth Menezes como uma referências para os novos artistas do axé-music, afropop e samba-reggae, bem como da música popular brasileira. Segundo a revista Billboard, a cantora é umas dos onze artistas extrangeiros mais conhecidos pelo público estadunidense.[32] Além disso, Charles Perrone e Christopher Dunn, disseram em seu livro, "Brazilian Popular Music & Globalization", que a cantora fora responsável pelo marketing internacional do estilo afro-baiano,[42] que, segundo outros autores, foi inovado por Menezes através da introdução de instrumentos africanos, antes não utilizados.[39]

Margareth é considerada uma das rainhas da música popular baiana[50] e, ao lado de Gilberto Gil, influenciaram e apoiaram o talento de grandes artistas da atualidade, como Daniela Mercury. Larry Crook, diz que graças ao apoio dos dois artistas, Mercury alcançou uma carreira de sucesso do cenário internacional.[51] Para Lauro de Freitas, político brasileiro, a cantora é "um símbolo da mulher negra, que representa a música baiana em todo o país e também no exterior".[52]

Engajamento político[editar | editar código-fonte]

Em 2002, a cantora representou o Brasil, na festa de comemoração da independência do Timor-Leste, que reuniu cantores de língua lusófona. Cantando para cerca de 250 mil pessoas, Margareth interpretou suas canções, ao lado de artistas como Anito Matos, do Timor-Leste, Luís Represas, de Portugal. O evento ainda contou com a uma mostra de filmes e documentários sobre a trajetória do Timor-Leste.[53]

Em 27 de Setembro de 2010, ao lado de Sarajane e outras cantoras, a cantora declarou apoio público à candidatura de Dilma Rousseff para presidência do Brasil. Segundo a cantora, o apoio à candidata, apoiada pelo atual governo, se dá, pois "houve uma valorização da cultura nos oito anos de mandato de Lula e nos quatro anos do governo Jaques Wagner (na Bahia). Houve mais investimentos e uma mudança de concepção que deu a devida importância à cultura negra".[52] Em 18 de Outubro, a cantora foi questionada sobre o apoio à candidata e declarou que "Dilma representa a competência da mulher brasileira. Além disso, representa também, a história de uma pessoa que tem vitórias em sua vida. Uma pessoa que passou pelo que ela passou, que ariscou a integridade física por amor ao nosso país, enfim, eu me sinto muito representada pela força e pela competência dela. Tenho confiança de que ela vai fazer um governo maravilhoso. É a vez da mulher e, nós não podemos deixar passar uma oportunidade dessa".[54]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Margareth Menezes fundou em 2004 a 'Fábrica Cultural' que, através de um convênio de parceria firmado com a Secretaria Municipal da Educação e Cultura, da Prefeitura de Salvador, iniciou o "Programa Circulando Arte", além de outros projetos no campo da arte, educação e cultura.[55] A organização não governamental, atua desde 2008, na Ribeira - bairro onde Margareth Menezes nasceu - e outros bairros da Península de Itapagipe,[56] oferecendo cursos profissionalizantes para jovens e oficinas de arte-educação para crianças.[55]

Em 14 de Julho de 2010, a organização, que desenvolveu o projeto "Na Trilha da Cidadania", formou 500 jovens, através de um cerimônia que contou com a presença de Menezes. O projeto formou alunos nas áreas de produção musical, comunicação, estamparia. criação em costura e designer gráfico. Durante o evento, a cantora disse que fica feliz com a formatura, pois, "logo na primeira turma que estamos formando, é muito claro o valor, a energia e a qualidade desses jovens. É animador poder, juntamente com todo o pessoal da Fábrica, ajudar a proporcionar essa oportunidade".[57] A cerimônia contou com a presença de Fátima Mendonça, primeira-dama do estado, e Arany Santana, secretária do Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza,[57] que declarou: "O que estava faltando a esses jovens era acesso às ferramentas. Unindo isso ao querer e à competência desses meninos, com certeza eles vão construir um momento novo para cada um e para a Bahia".[58]

Com sede no Clube Cabana do Bogary,[57] a organização oferece cursos à jovens de 16 à 24 anos, cuja renda familiar não ultrapasse meio salário minímio, por pessoa. Além disso, o aluno deve cursar o ensino fundamente e médio da rede pública. São oferecido 250 vagas por período e os alunos são contemplados com uma bolsa-auxílio.[59]

Além de sua própria organização, Menezes participa de projetos e iniciativas filantrópicas e sociais. Ao lado de Daniela Mercury, a cantora participou da campanha "Carnaval Sem Fome". Um jingle, foi gravado pela cantora, Daniela Mercury, Carlinhos Brown, Olodum e Luiz Caldas, para promover a campanha organizada promovida pelas Voluntárias Sociais em parceria com o comitê baiano da ONG Ação Cidadania Contra a Fome, Miséria e pela Vida. O objetivo era arrecadar alimento não perecíveis para seis mil famílias atingidas pela enchente do Rio São Francisco, em 2007.[60]

Em 2009, ao lado dos vocalistas das bandas Chiclete com Banana e Asa de Águia, Bell Marques e Durval Lelys, a cantora participou da campanha do Ministério Público baiano contra a violência sexual. A campanha "Violência Sexual: Quem Não Denuncia Também Violenta", foi lançada em 4 de Fevereiro, às 14:30h, na sede do Ministério, em Salvador. Os artistas não cobraram cachê pelo trabalho e, durante as gravações, afirmaram promover o assunto durante seus apresentações no Carnaval.[61] No ano seguinte, 2010, a cantora participou do projeto "Lê Pra Mim?", que ocorreu em 12 de Outubro de 2010, no Centro Cultural Correios, do Pelourinho. A cantora leu um livro infantil para cinquenta crianças assistidas por instituições filantrópicas. Em entrevista, Margareth disse que "o projeto é lindo e merece toda a atenção. A literatura é um mundo mágico que com certeza vai fazer muito bem a essas crianças". Carlinhos Brown, Fernando Guerreiro, Licia Fabio e Luiz Miranda, também participaram da iniciativa.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Trabalho Categoria Resultado
1985 Troféu Caymmi "Banho de Luz" Melhor intérprete[5] Venceu[11] [12]
1986 "Beijo de Flor" Melhor show do ano[5] Venceu[5]
1988 Troféu Imprensa Margareth Menezes (álbum) Melhor disco Venceu[13]
Margareth Menezes Melhor cantora Venceu[13]
1993 Grammy Awards Kindala Melhor álbum de 'World Music' Indicado[13]
2000 Troféu Dodô e Osmar Margareth Menezes Melhor cantora Venceu[2]
2003 "Dandalunda" Melhor música Venceu[17]
Margareth Menezes Melhor cantora[2] Venceu[5]
2004 Melhor cantora Venceu[2]
2006 Grammy Latino Pra Você (álbum) Melhor álbum brasileiro de pop Indicado
2007 Grammy Awards Brasileira Ao Vivo: Uma Homenagem Ao Samba-Reggae Melhor álbum de 'World Music' Indicado[13]
Melhor álbum de música regional brasileira[62] Indicado[13]
2010 Troféu Axé de Turismo Margareth Menezes Destaque artístico Venceu[63]
2011 Prêmio de Música Brasileira Melhor cantora Indicada[64]

Referências

  1. a b c d e f Biografia - Margareth Menezes Site oficial. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  2. a b c d Azevedo, Ricardo. Axé-music: O verso e o reverso da música que conquistou o planeta (em português). [S.l.: s.n.]. Seção Nossa gente. 183 pp. p. 157. Visitado em 21 de outubro de 2010.
  3. Luto: Morre o pai da cantora Margareth Menezes « Nem Te Conto Nem Te Conto (5 de Março de 2009). Visitado em 2 de Novembro de 2010.
  4. a b "O Que Eu Nunca Disse pra Você": Margareth Menezes - Parte 3 - Band Vídeos - Prazer em ver (Vídeo) TV Bandeirantes Márcia (29 de outubro de 2010). Visitado em 2 de novembro de 2010.
  5. a b c Saraiva Conteúdo Saraiva. Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  6. SILVA, Robson (7 de janeiro de 2009). Margareth Menezes em novo projeto - AXEZEIRO.COM - Um axé pra você! Axezeiro.com. Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  7. GABIAN, Leticia (28 de novembro de 2006). Som &Tom: Uma homenagem a um tempo bom Blogger. Visitado em 16 de outubro de 2010.
  8. CASTRO, Roberto Luis (2 de Dezembro de 2009). Linha do Tempo da Invenção Musical: Maestro Vivaldo Ladislau Conceição. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  9. Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza - Centros Sociais urbanos - Governo do Estado da Bahia Governo do Estado da Bahia. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  10. a b FLOSI, Lorena (7 de janeiro de 2009). Notícias - Prefeitura de Praia Grande Prefeitura de Praia Grande. Visitado em 16 de outubro de 2010.
  11. a b Cliquemusic : Artista : Margareth Menezes CliqueMusic. Visitado em 16 de outubro de 2010.
  12. a b c d e f g h i j k l m n o Margareth Menezes - Discografia Site oficial. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  13. Mello, Zuzu Homem de. A Era dos Festivais: Uma Parábola (em português). 1°. ed. São Paulo: Editora 34, 2003. Seção Sobre o Autor. 508 pp. 3 vols. ISBN 85.7326.272.9. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  14. Margareth Menezes » AllMusic (em inglês) AllMusic. Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  15. ROBERTS, John Storm. Elegibô - Margareth Menezes » AllMusic (em inglês) All Music Guide. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  16. a b c d e f g h Margareth Menezes - 96Fm0 de Natal. Visitado em 17 de Outubro de 2010.
  17. World Albums » Billboard.com (em inglês) Billboard (8 de Setembro de 1990). Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  18. Margareth Menezes Biography YouMix.co.uk. Visitado em 16 de Outubro de 2010.
  19. O DIA Online - Festival Perc Pan chega à 15ª edição com shows no Rio e em Salvador O Dia Online (11 de Setembro de 2008). Visitado em 17 de Outubro de 2010.
  20. Perc Pan > História Site oficial. Visitado em 17 de Outubro de 2010.
  21. REIS, Sérgio Rodrigo (24 de Setembro de 2008). Divirta-se Notícia - Margareth Menezes lança o disco Naturalmente Coluna 'Divirta-se', do portal "UAI". Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  22. a b c SARAIVA, Érica (28 de Abril de 2010). PROGRAMA CIRCULANDO: Canal Brasil apresenta especial sobre Margareth Menezes Programa Circulando. Visitado em 12 de Setembro de 2010.
  23. Margareth Menezes – Naturalmente Acústico Cultura Baiana (23 de outubro de 2010). Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  24. Novo “single” disponível « Margareth Menezes (15 de setembro de 2010). Visitado em 28 de janeiro de 2011.
  25. Marrom (4 de dezembro de 2010). Blog do Marrom » Margareth vai gravar novo DVD que terá atração internacional Correio. Visitado em 6 de fevereiro de 2011.
  26. Rebouças, Danile (5 de agosto de 2011). Margareth Menezes entrega prêmio a Sidney Quintela por seu trabalho como arquiteto - Notícias - Contigo! Contigo!. Visitado em 15 de agosto de 2011.
  27. CORREIO » O QUE A BAHIA QUER SABER: Margareth Menezes lança nova música assinada por Brown, 'Bonapá' (13 de dezembro de 2011). Visitado em 24 de dezembro de 2011.
  28. http://www.radiometropole.com.br/noticias/index_noticias.php?id=VDBSVmVVOUVXVDA9
  29. http://www.margarethmenezes.com.br/noticia.aspx?id=625
  30. http://liciafabio.com.br/margareth-menezes-o-lancamento-de-voz-talisma/
  31. a b c d e f g Margareth Menezes Biography & Awards (em inglês) Billboard. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  32. FORNI, Antonio (3 de Setembro de 2010). Gli incantesimi della “Maga” di Bahia » Musibrasil (em Italiano) Music Brasil. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  33. Margareth Menezes/Naturalmente Acústico - Músicas - Terra Sonora Terra Networks (18 de Agosto de 2010). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  34. catracalivre.folha.uol.com.br
  35. SPIN (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC, 1990. 92 pp. p. 85. ISSN 0886-3032. Visitado em 21 de outubro de 2010.
  36. BROUGHTON, Simon; ELLINHAM, Mark; TRILLHO, Richard. In: Mark Ellingham, Orla Duane, James McConnachie. World Music: Latin and North America, Caribbean, India, Asia and Pacific (em inglês). Londres: SPIN Media LLC, 2000. 673 pp. p. 346. vol. 1. ISBN 1-85828-636-0. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  37. FARIAS, Ivy. Guia - DVDs - Rolling Stone Brasil Rolling Stone. Visitado em 24 de outubro de 2010.
  38. a b c Henry, Clarence Bernard. Let's make some noise: axé and the African roots of Brazilian popular music (em inglês). Mississippi: University Press of Mississipi, 2008. 234 pp. p. 85. ISBN 978-1-60473-082-1. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  39. Winn, Peter. Americas: the changing face of Latin America and the Caribbean (em inglês). Califórnia: University of California Press, 1999. Capítulo 646. p. 427. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  40. Putumayo. Vibe (em inglês). 2. ed. [S.l.]: Vibe Media Group, 1996. Seção Nossa gente. 136 pp. p. 129. 4 vols. ISSN 1070-4701. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  41. a b PERRONE, Charles A.; DUNN, Christopher. Brazilian popular music & globalization (em inglês). Nova Iorque: Vibe Media Group, 2002. 288 pp. p. 28. ISSN. Visitado em 24 de Outubro de 2010.
  42. Margareth Menezes: Movimento Afropopbrasileiro Blogger (Outubro de 2007). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  43. a b Movimento Afropopbrasileiro fecha o ano no ensaio do Muzenza Carnasite (28 de Dezembro de 2006). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  44. Margareth Menezes - Afropop Site oficial. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  45. a b c III FESTIVAL MUNDIAL DAS ARTES NEGRAS – Programação brasileira – Palmares Ministério da Cultura (Brasil) Fundação Palmares (23 de janeiro de 2011). Visitado em 21 de dezembro de 2010.
  46. a b c Carnaval Salvador - Margareth Menezes reúne blocos afros no Movimento Afropopbrasileiro (24 de fevereiro de 2009). Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  47. Margareth Menezes leva o Movimento AfroPopBrasileiro para o Festival de Verão « Nem Te Conto Nem Te Conto (12 de Janeiro de 2010). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  48. a b c Movimento AfroPop Brasileiro começa hoje a esquentar os tambores do carnaval baiano – Palmares Ministério da Cultura (Brasil) Fundação Cultural Palmares (6 de janeiro de 2010). Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  49. PALMERLEE, Danny; BAO, Sandra; BEECH, Charlotte. South America on a shoestring (em inglês). [S.l.]: Lonely Planet, 2004. 1116 pp. p. 331. 1 vols. ISBN 1-74104-163-5. Visitado em 24 de Outubro de 2010.
  50. Crook, Larry. Brazilian music: northeastern traditions and the heartbeat of a modern nation (em inglês). Santa Barbara: ABC-CLIO, 2005. 377 pp. p. 297. 1 vols. ISBN 1-57607-287-8. Visitado em 24 de Outubro de 2010.
  51. a b Cantora Margareth Menezes declara apoio a Dilma « Mulheres com Dilma - #dilmanarede Dilma na Rede (29 de Setembro de 2010). Visitado em 23 de janeiro de 2011.
  52. Relatório da Deslocação a Timor-Leste da Secretaria Executiva da CPLP (PDF) Conselho de Ministros da CPLP (20 de Maio de 2002). Visitado em 24 de Outubro de 2010.
  53. Video: Depoimento de Margareth Menezes (18 de outubro) : Presidente Dilma (19 de Outubro de 2010). Visitado em 24 de Outubro de 2010.
  54. a b FARIAS, Cida. Revista Afro » Margareth Menezes Revista Afro. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  55. Margareth Menezes assina proposta para a Fábrica Cultural - Blog do Myspace Margareth Menezes de « Blog Margareth Menezes MySpace (17 de Setembro de 2008). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  56. a b c Margareth Menezes festeja formatura da Fábrica Cultural Carnasite (13 de Julho de 2010). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  57. FERNANDES, Vitor (21 de Agosto de 2010). Teixeira News - O seu Jornal em tempo real. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  58. O QUE A BAHIA QUER SABER - ONG de Margareth Menezes oferece cursos Correio da Bahia (25 de Junho de 2009). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  59. Daniela e Margareth apóiam campanha contra a fome Carnasite (10 de Fevereiro de 2007). Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  60. FIGUEIREDO, Fernanda (29 de Janeiro de 2009). Bell, Durval e Margareth em campanha contra a violência sexual - Notícias - Holofote. Visitado em 21 de Outubro de 2010.
  61. Complete list of Latin Grammy nominees & winners - theenvelope.latimes.com (em inglês). Visitado em 20 de Outubro de 2010.
  62. Margareth Menezes recebe troféu em Salvador Carnasite (30 de Novembro de 2010). Visitado em 1 de Dezembro de 2010.
  63. Folha.com - Ilustrada - Prêmio da Música Brasileira terá disputa entre Zeca Pagodinho e Pato Fu - 02/06/2011 Folha de S. Paulo (2 de junho de 2011). Visitado em 3 de junho de 2010.