Marina Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marina Silva
Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima
Marina em 2010.
Senadora pelo  Acre
Período de governo 1.º1º de fevereiro de 1995
até 31 de janeiro de 2003
2.º1º de fevereiro de 2003
até 31 de janeiro de 2011
(Licenciada entre 1º de janeiro de 2003 e 13 de maio de 2008 e de 29 de abril de 2010 a 17 de junho de 2010)[1]
Ministra do Meio Ambiente do  Brasil
Período de governo 1 de janeiro de 2003
até 13 de maio de 2008
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a) José Carlos Carvalho
Sucessor(a) Carlos Minc
Deputada estadual do  Acre
Período de governo 1 de janeiro de 1991
até 31 de dezembro de 1994
Vereadora de Rio Branco
Período de governo 1 de janeiro de 1989
até 31 de dezembro de 1990
Vida
Nascimento 8 de fevereiro de 1958 (56 anos)
Rio Branco, Acre,  Brasil
Dados pessoais
Alma mater Universidade Federal do Acre
Cônjuge  ? (1980-1985)
Fábio Vaz de Lima (1986presente)
Partido PT (1986–2009)
PV (2009–2011)
PSB (2013–presente)
Rede Sustentabilidade -projeto de partido ainda não reconhecido- (2013-presente)
Religião Catolicismo (1958-1997)
Protestantismo (1997-presente)
Profissão Licenciada em História

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima[2] , nascida Maria Osmarina Silva de Souza[3] (Rio Branco, 8 de fevereiro de 1958) é uma historiadora, professora,[4] psicopedagoga,[5] [6] ambientalista,[7] [8] e política brasileira filiada ao Partido Socialista Brasileiro.[9]

Iniciou sua carreira política em 1984 como vice-coordenadora da Central Única dos Trabalhadores no Acre. No ano seguinte, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores. Foi eleita pela primeira vez a um cargo público nas eleições de 1988, quando foi a vereadora mais votada de Rio Branco. Nas eleições de 1990, foi eleita deputada estadual, novamente com a mais expressiva votação. Nas eleições gerais de 1994, foi eleita senadora, aos 36 anos, tendo sido reeleita no pleito de 2002. Nomeada Ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva em 1º de janeiro de 2003, ficou no cargo até 13 de maio de 2008.

Foi candidata à Presidência da República em 2010 pelo Partido Verde (PV), obtendo a terceira colocação no primeiro turno, com mais de 19 milhões dos votos válidos (19,33% da porcentagem total).[10] Voltou a ser candidata em 2014 pelo PSB, ficando novamente em terceira colocada com mais de 22 milhões de votos.[11]

Sua atuação pela preservação do meio ambiente lhe rendeu reconhecimento internacional, tendo recebido uma série de prêmios internacionais, como o "Champions of the Earth" da Organização das Nações Unidas, por sua luta para proteger a Floresta Amazônica.[3] Pela criação do Programa de Áreas Protegidas da Amazônia Regional, Marina foi premiada com o The Duke of Edinburgh's Award da ONG internacional WWF. Um ano mais tarde, recebeu em Oslo, na Noruega, o prêmio Sophie, da Sophie Foundation. Marina foi lembrada pela Fundação Príncipe Albert II de Mônaco e recebeu o Prêmio sobre Mudança Climática, também por causa de sua atuação na área e pelas iniciativas para criar um desenvolvimento sustentável.[12] Em 2013, foi eleita pela Revista Época, uma das 100 personalidades mais influentes do Brasil[13] e foi incluída em uma lista de 10 brasileiros que foram notícias no mundo naquele ano, elaborada pela BBC Brasil.[14] Foi chamada pelo jornal The New York Times de "ícone do movimento ambientalista".[15]

Biografia

Marina Silva nasceu pelas mãos de sua avó,[16] que era parteira, na localidade de Breu Velho, em Rio Branco, capital do estado do Acre, em 8 de fevereiro de 1958. Descendente de africanos e portugueses,[17] foi registrada com o nome de Maria Osmarina Silva de Souza,[3] sendo filha do seringueiro cearense[16] Pedro Augusto da Silva e da dona de casa[18] Maria Augusta da Silva.[3] O nome Marina, decorrente de um apelido dado por uma tia, foi acrescentado por ocasião da eleição de 1986, quando os candidatos ainda não podiam usar alcunhas nos nomes oficiais (um processo semelhante ao que aconteceu com Luiz Inácio Lula da Silva).

À frente, Marina, liderando um "empate" na fazenda Bordon,[19] em Xapuri no Acre.

Durante sua infância e parte de sua adolescência, Marina viveu com sua família em uma palafita chamada Breu Velho, no seringal Bagaço, a 70 km do centro de Rio Branco.[20] Seus pais tiveram onze filhos, dos quais oito sobreviveram.[16] Em 1967, a família deixou o seringal em Bagaço para ir a Manaus abrir uma taberna, mas durou pouco tempo. Cinco meses depois, eles foram a Santa Maria no Pará, onde a situação era ainda pior. Em 1969, a família voltou para o seringal com a passagem paga pelo ex-patrão do pai de Marina. Aos 10 anos, Marina Silva começou a trabalhar no seringal para pagar a dívida que a família contraiu com o patrão.[21]

Quando Marina tinha quinze anos, a mãe Maria Augusta faleceu vítima de inúmeras doenças adquiridas pela falta de infraestrutura no local onde viviam.[3]

Aos quinze anos, foi viver na zona urbana de Rio Branco, para tratar de sua saúde. Havia contraído hepatite, porém os médicos atestaram ser malária.[3] Na mesma época, duas de suas irmãs faleceram, uma vítima de sarampo e outra vítima de malária. Fixou-se definitivamente em Rio Branco em 1974, recebendo os cuidados do então bispo do Acre, Dom Moacyr Grechi, que a acolheu na casa das irmãs Servas de Maria.

Em Rio Branco, seu primeiro trabalho foi de empregada doméstica, abandonando seu plano inicial de ser freira. Ao longo de sua adolescência e juventude, Marina Silva teve inúmeros problemas de saúde, tais como malária, contaminação por mercúrio e leishmaniose.[22]

Seu primeiro casamento ocorreu em 1980 e resultado em dois filhos: Shalon e Danilo. A união terminou em 1985. No ano seguinte, em 1986, casou-se com Fábio Vaz de Lima, técnico agrícola que assessorava os seringueiros de Xapuri. Desse casamento, que dura até hoje, Marina teve Moara e Mayara.[16]

Marina, em Xapuri no Acre, diante da foto de Chico Mendes.

Apesar de ter sido educada no catolicismo, professa o cristianismo evangélico, desde 1997, sendo membro da Assembleia de Deus.[23]

Em 2010, ano de sua candidatura, a jornalista Marília de Camargo César lançou uma biografia com reportagens e momentos da vida de Marina. O livro, "Marina, a Vida por uma Causa", foi prefaciado por Fernando Meirelles e publicado pela editora Mundo Cristão.

Em 2011, foi anunciado que a editora Mundo Cristão fechou contrato com a Cineluz Produções, da cineasta Sandra Werneck, cedendo os direitos de adaptação do livro em filme. A longa-metragem está em projeto e a produção não tem data definida para iniciar as filmagens, porém estava previsto para que fosse rodado em 2012.[24] [25] Em 2014 Werneck divulgou que as filmagens foram adiadas pela falta de patrocínios.[26] Desde do início do projeto, Marina declarou que não quer que a obra cinematográfica tenha cunho político.[27]

Na abertura dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012 carregou a bandeira com os anéis olímpicos juntamente com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o maestro argentino Daniel Barenboim e prêmios Nobel. O convite foi realizado pelo Comitê Olímpico Internacional como reconhecimento pelo seu trabalho na proteção do meio ambiente.[28]

Educação e formação

Analfabeta, Marina foi matriculada no Mobral, projeto de alfabetização do regime militar, alfabetizando-se aos dezesseis anos.[3]

Após concluir sua alfabetização, estava apta para seguir com os estudos e já sonhava em uma graduação, optou por fazer vestibular, decidindo cursar História e formando-se em 1984, aos vinte e seis anos, na Universidade Federal do Acre.[3]

Mais tarde fez especialização em teoria psicanalítica[5] na Universidade de Brasília (UnB),[6] e outra em psicopedagogia na Universidade Católica de Brasília (UCB).[6] Marina estava terminando outra especialização em psicopedagogia na Argentina, interrompeu em 2010 pelo motivo de dedicação à campanha eleitoral, porém logo pretende retornar.[6]

Trajetória política

Ingressou no Partido Revolucionário Comunista (PRC), organização marxista que se abrigava no Partido dos Trabalhadores, então sob o comando do deputado José Genoíno.[29] [30]

Foi professora na rede de ensino secundário e engajou-se no movimento sindical. Foi companheira de luta de Chico Mendes e com ele fundou a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Acre, em 1985, da qual foi vice-coordenadora até 1986. Nesse ano, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) e candidatou-se a deputada federal, junto com Candidatos do PT nas eleições de 1986:[31] Hélio Pimenta, candidato a Governador, Chico Mendes, candidato a deputado estadual, Matias, candidato a Senador. Obtendo o apoio de Chico Mendes. Marina e Chico Mendes não foram eleitos.[3]

Vereança

Em 1988, foi a vereadora mais votada do município de Rio Branco, conquistando a única vaga da esquerda na câmara municipal.[32] No mesmo ano, ocorreu o assassinato de Chico Mendes, amigo pessoal de Marina.[3] Nesse cargo, combateu diversos privilégios dos vereadores e devolveu para os cofres da Câmara os benefícios financeiros a que eles, inclusive ela própria, tinham direito. Com essas ações, muitos adversários políticos foram criados, contudo a sua popularidade cresceu.[33]

Assembleia Legislativa do Acre

Exerceu seu mandato de vereadora até 1990, quando candidatou-se a deputada estadual e obteve novamente a maior votação, tendo sido eleita.[32] Logo no primeiro ano do novo mandato descobriu-se doente: havia sido contaminada por metais pesados quando ainda vivia no seringal, como consequência do tratamento da leishmaniose, de três hepatites e de cinco malárias.[16]

Senado

Em 1994, foi eleita senadora da República, pelo estado do Acre, com a maior votação, sendo a pessoa mais jovem a ocupar o cargo de senador no Brasil.[32] Foi Secretária Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do Partido dos Trabalhadores, de 1995 a 1997.[30]

Em 2002 foi reeleita, com projeção de cumprimento de mandato até 31 de janeiro de 2011.

Entre as mais de 100 proposições apresentadas pela senadora, desde o primeiro mandato, destacam-se 54 projetos de lei, dentre eles, o texto propondo a criação do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito FederalFPE – para as unidades da Federação que abrigarem em seus territórios unidades de conservação da natureza e terras indígenas demarcadas.

Em 2008 retornou ao Senado,[34] após longo período exercendo o Ministério no governo Lula, Marina foi a primeira voz a defender, na Casa, a importância de o Governo Federal assumir uma postura em relação a redução das emissões de gases de efeito estufa.[35] Em 2009, o Governo anunciou, finalmente, a adoção dessas metas. Não sendo ainda suficientemente, a senadora também cobrou do Governo e do Congresso Nacional a inclusão de uma meta brasileira, com os percentuais para a redução das emissões de gases do efeito estufa até 2020, no Plano Nacional de Mudanças Climáticas, que seria aprovado e sancionado pelo Presidente da República antes da realização da Conferência de Clima (COP15), realizada em dezembro de 2009 em Copenhague.

Ministério do Meio Ambiente

Marina ao lado de Rousseff, quando as duas eram ministras do governo Lula.

Em 2003, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, foi nomeada ministra do Meio Ambiente. Desde então, enfrentou conflitos constantes com outros ministros do governo, quando, de acordo com a mesma, os interesses econômicos se contrapunham aos objetivos de preservação ambiental. Uma das notáveis divergências envolvendo Marina e outro Ministério, ocorreu em 2008, quando a mesma se desentendeu com Roberto Mangabeira Unger, então Ministro da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, devido ao fato da Coordenação do Plano Amazônia Sustentável (PAS) ter sido destinado à Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos,[36] com quem manteve divergências durante sua administração no Ministério do Meio Ambiente.[37] Em dezembro de 2006, enfraquecida por uma disputa com a Casa Civil, que a acusava de atrasar licenças ambientais para a realização de obras de infra-estrutura, a ministra avisara que não estaria disposta a flexibilizar a gestão da pasta para permanecer no governo.[37]

Em 2007, Marina negou divergências com Dilma, sobre concessão de licenças ambientais.[38] Afirmou, ainda, que o Ibama estava seguindo os padrões legais necessários para as providências em concessão de licenças ambientais. Defendeu a ideia de que o Brasil tem de aprender a impor seus limites, buscando o desenvolvimento sustentável, sem acabar com a biodiversidade e com a vida. "A discussão entre conservação do meio ambiente e desenvolvimento para mim é um falso dilema. Ainda que na prática tenha que ser superada, não é possível advogar pelo desenvolvimento sem promover a conservação ambiental. As duas questões fazem parte da mesma equação", declarou ela.[38]

Marina Silva discursa durante o lançamento do Plano Amazônia Sustentável, em 8 de maio de 2008.

Em 2008, agravaram-se as divergências com a ministra Dilma Rousseff, do Ministério da Casa Civil em decorrência da demora na liberação das licenças ambientais, pelo Ibama, para as obras no rio Madeira, em Rondônia. Essa demora e o rigor na liberação dos documentos foram considerados como um bloqueio ao crescimento econômico.[39]

Durante sua administração no Ministério do Meio Ambiente, Marina Silva acabou perdendo a luta histórica contra os transgênicos, contra a usina nuclear de Angra III e não conseguiu aprovar uma Comissão Técnica nacional de Biossegurança (CNTBio), de caráter ambientalista, uma de suas metas formais.[3] Entretanto, algumas medidas adotadas pelo Governo Lula nos últimos anos foram de sua autoria ou contou com sua participação e articulação política, como a proteção maciça a todas as espécies de peixes do Rio Madeira, a redução em oito vezes do tamanho do lago do Rio Madeira e a redução da vazão de água na transposição do Rio São Francisco.[3]

Marina Silva também denunciou pressões dos governadores de Mato Grosso, Blairo Maggi, e de Rondônia, Ivo Cassol, para rever as medidas de combate ao desmatamento na Amazônia.[40]

Em 13 de maio de 2008, cinco dias após o lançamento do Plano Amazônia Sustentável (PAS), cuja administração foi atribuída a Roberto Mangabeira Unger, Marina Silva entregou sua carta de demissão[41] ao Presidente Lula, em razão da falta de sustentação à política ambiental, e voltou ao exercício do seu mandato no Senado Federal.[42] Sobre a saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente, o Presidente Luís Inácio Lula da Silva declarou:

Cquote1.svg O importante é que tenha alguém isento para tocar esse plano (PAS). A Marina não é isenta; o Stephanes não é isento. Por isso, será o Mangabeira Unger Cquote2.svg
Presidente Lula em reunião no Palácio do Planalto para o lançamento do PAS em 8 de maio de 2008.[43]

Candidatura às Eleições de 2010

Marina Silva durante a oficialização da candidatura em 2010.
Pré-candidatura

Em 2007, um movimento apartidário de cidadãos, denominado "Movimento Marina Silva Presidente", iniciou a defesa pública de sua candidatura à presidência da República. A repercussão internacional deste movimento fez com que o Partido Verde Europeu influenciasse o Partido Verde do Brasil a convidá-la para afiliar-se em seus quadros.[44] Assim, desde agosto de 2009, Marina foi cogitada a ser candidata à presidência da República pelo Partido Verde (PV).

Candidatura
Marina Silva em campanha em 2010.

Em 11 de junho de 2010, anunciou oficialmente sua candidatura à Presidência da República, em uma convenção do Partido Verde na qual afirmou pretender ser a primeira mulher, negra e de origem pobre a governar o Brasil.[45]

No início de setembro, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, a candidata contava com 10% das intenções de voto, contra 50% de Dilma Rousseff e 28% de José Serra, número inferior aos votos nulos e brancos, que à época somavam 11%.[46] Um dia antes do pleito, o instituto previa 16% do total de votos favoráveis à Marina, uma variação de 6% em menos de um mês.[47] De acordo com o Ibope, em pesquisa do início do mês de setembro, Marina Silva teria 8% dos votos totais, contra 51% de favoráveis à Dilma Rousseff e 27% favoráveis à José Serra.[48] Na pesquisa da véspera das eleições, o mesmo instituto previa para Marina 16% do total de votos, uma evolução de 8% em um período de um mês.[49] O crescimento de Marina Silva no primeiro turno das Eleições brasileiras de 2010 foi denominado pela imprensa como "onda verde".[50]

Resultado

Ao final do primeiro turno das Eleições Presidenciais de 2010, em 3 de outubro, Marina Silva obteve 19.636.359 votos, o que correspondeu a 19,33% dos votos válidos, ocupando assim, o terceiro lugar na disputa que seguiu para o segundo turno entre Dilma Rousseff e José Serra.[51] O resultado foi maior do que previam as últimas pesquisas de intenção de votos. Os institutos Datafolha e Ibope, por exemplo, calculavam 17% dos votos válidos para Marina e chegavam a prenunciar a vitória de Dilma ainda no primeiro turno.[52]

Marina Silva obteve vitória sobre os outros candidatos em algumas capitais, como Brasília (41% dos votos válidos), Belo Horizonte (39% dos votos válidos) e Vitória (37% dos votos válidos). Ocupou a segunda colocação em estados como Rio de Janeiro (31% dos votos válidos), Amapá (29% dos votos válidos), Amazonas (25% dos votos válidos) e Pernambuco (20% dos votos válidos).[51]

Marina na cidade de Rio Branco, no dia das eleições de 2010.

Marina se tornou a candidata mais votada da história na legenda,[53] tornando-se destaque internacional em aliados do PV pelo mundo, principalmente na América do Sul e Europa, onde o partido vem ganhando força na última década. Marina foi lembrada pela Federação dos Partidos Verdes das Américas (FPVA) pela força que conquistou,[53] segundo o copresidente da FPVA, o mexicano Leonardo Álvarez, ela se tornou um ícone da legenda, tornando-se uma referência juntamente com Antanas Mockus, da Colômbia, que transformou o PV na segunda força eleitoral daquele país.[53]

Em relação ao resultado final das eleições, Marina usou de humildade e parabenizou a candidata eleita pela maioria, “Parabenizo a ministra Dilma por ter sido eleita presidente, e a primeira mulher presidente do Brasil”, disse.[54] A senadora desejou “boa sorte” a Dilma e afirmou que a nova presidente deve ter no cargo “a simplicidade dos pombos e a sagacidade das serpentes”.[54] [55] Marina que se declarou "independente" em relação ao segundo turno, obteve sua neutralidade e não revelou o voto. Ainda pelo Twitter, Marina reforçou a parabenização dizendo: “a ministra Dilma era a candidata de uma parte dos brasileiros. A partir de agora, é a presidente eleita de todos nós nos próximos quatro anos."[54]

Corrida presidencial de 2014

Oficialmente confirmada como pré-candidata à reeleição, Dilma Rousseff tinha entre seus principais adversários o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos que faleceu em um acidente aéreo em 13 de agosto de 2014, restou então até a confirmação de Marina Silva como candidata, o senador do PSDB por Minas Gerais, Aécio Neves como principal adversário.[56]

Em outubro de 2013, após ter o registro do seu partido negado pelo TSE, Marina abdica de sua candidatura à presidente, e resolve se aliar ao PSB e à Eduardo Campos. Os dois firmaram uma aliança programática. A dupla confirmou a pré-candidatura da chapa que tinha Campos como candidato a presidente e Marina na vice, durante evento realizado em Brasília, em 14 de abril de 2014.[57] [58]

Aécio Neves também confirmou a sua pré-candidatura pelo PSDB. O senador e ex governador de Minas Gerais só anunciou o nome do vice em 14 de junho, durante a convenção nacional do partido que oficializou sua candidatura.

Após a morte de Eduardo Campos, ocorrida no dia 13 de agosto de 2014, o irmão de Eduardo, Antônio Campos, defendeu que Marina deveria encabeçar a chapa de disputa à presidência.[59]

O presidente do PSB Roberto Amaral e demais dirigentes confirmaram no dia 16 de agosto de 2014[60] que Marina Silva estaria mantida na chapa e que ela seria candidata, superando todo tipo de divergências no partido.[61] As negociações pelo nome de Marina foram iniciadas informalmente após ela ter dado aval ao partido sobre sua possível candidatura e evitou um pronunciamento público em respeito ao luto pela morte de Eduardo Campos.[62] No dia 20 de agosto de 2014, o PSB, em reunião na sua sede em Brasília oficializou a candidatura de Marina Silva e Beto Albuquerque como sendo os nomes da legenda para a corrida presidencial o mesmo possuía prazo até o dia 23 de agosto de 2014 como estipulado na forma da lei em razão da morte de Eduardo Campos para registrar a nova chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). [63] [64] A chapa foi registrada um dia antes do final do prazo.[65]

Cquote1.svg Quero, primeiramente, agradecer a Deus por estar nos ajudando a fazer essa travessia difícil, após a perda daquele que havíamos escolhido para nos guiar nessa difícil tarefa de mudar o Brasil. Mudar com a visão de que se começa o novo no novo, corrigindo os equívocos praticados e encarando os desafios desse início de século. Cquote2.svg
Marina, durante a oficialização da candidatura à presidência para as eleições de 2014 pelo PSB.[66]

Uma das promessas de campanha, é que se fosse eleita, faria um mandato de apenas quatro anos, pois declarou ser contra a reeleição para presidente.[67]

No dia 5 de outubro de 2014, após o encerramento da apuração de votos, Marina Silva ficou em colocado com 22.154.707 de votos.[11]

Sua candidatura recebeu apoio de artistas e intelectuais como Caetano Veloso[68] , Marco Nanini[69] , Ferreira Gullar[70] , Gilberto Gil[71] , Thiago de Mello[72] e Moraes Moreira[73] . No segundo turno manisfestou apoio ao candidato do PSDB à presidência da República Aécio Neves[74] .

Partidos políticos

Partido dos Trabalhadores

Marina Silva com o teólogo e líder católico Leonardo Boff.

Início, filiação e auge

Marina foi militante do Partido dos Trabalhadores (PT) por três décadas,[75] num movimento que ajudou a construir, participando das articulações políticas, defendendo as causas sociais e direitos humanos, porém ainda não era filiada de início. Encorajada principalmente por Chico Mendes, ela atende os pedidos de amigos e ingressa oficialmente na sigla, registrando-se em 1985 e logo disputando as eleições do ano seguinte. Foi no PT que Marina conseguiu embasamento para caracterizar seu perfil político e formar uma estrutura consolidada em aspectos que a levava a conquistar o seus objetivos. Durante esse longo período elegeu-se vereadora, deputada e senadora.[75]

Saída do PT

No dia 19 de agosto de 2009, Marina Silva anunciou sua desfiliação do Partido dos Trabalhadores (PT).[75] Afirmou que a decisão foi taciturna e a comparou com o fato de ter deixado a casa dos pais há 35 anos num seringal rumo a uma cidade grande.

Cquote1.svg Não se trata mais de fazer embate dentro de um partido em que eu estava há cerca de 30 anos, mas o embate em favor do desenvolvimento sustentável. Cquote2.svg
Marina Silva, após anunciar sua desfiliação do Partido dos Trabalhadores.[76]

Certo é que desde 1997, Marina já propunha essa forma de desenvolvimento.[77]

Partido Verde

Em 29 de junho de 2011, o jornal Correio do Brasil publicou uma nota informando que Silva estava prestes a se desfiliar do Partido Verde (PV). Segundo a reportagem, Marina autorizou seus aliados a buscarem abrigo temporário em outras legendas, enquanto a própria ex-candidata à presidência recebeu convites do Partido Popular Socialista (PPS).[78]

Em 7 de julho de 2011, no evento "Encontro por uma nova política", realizado na Zona Oeste de São Paulo, anunciou oficialmente sua saída do Partido Verde (PV).[79] "Manter a coerência e seguir em frente, é o sentido de nosso gesto." disse Marina. Ela ressaltou também que a saída do partido não tem motivação eleitoral.

Cquote1.svg Não é hora de ser pragmático, é hora de ser sonhático e de agir pelos nossos sonhos. Cquote2.svg
No discurso de desfiliação do PV.[79]

Rede

Marina se filia ao PSB de Eduardo Campos em 2013.

No dia 29 de junho de 2011, com os rumores que ela poderia se retirar do Partido Verde,[79] publicaram que Marina não descartava a possibilidade da criação de uma nova legenda, juntamente com os demais que se desfiliassem.[79] No dia 16 de fevereiro de 2013, foi lançado a "Rede Sustentabilidade", projeto para um novo partido liderado por Marina Silva.[80] Seria a legenda pela qual a ex-senadora pretendia concorrer pela segunda vez à presidência, nas eleições de 2014, mas o partido não conseguiu registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral para disputar esse pleito, por não ter atingido o número mínimo de assinaturas exigidas para sua oficialização.[81] Para conseguir o registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a legenda precisaria de cerca de 492 mil assinaturas de apoiantes — 0,5% do total de votos válidos da última eleição. Entretanto, 95 mil assinaturas foram invalidadas por cartórios eleitorais. Apesar de Marina ter entrado com recurso para conseguir a validação e dos ministros do TSE — que votaram sobre a possibilidade de criação do partido — terem destacado a certeza da lisura da ex-senadora no processo, o Rede Sustentabilidade não conseguiu se oficializar.[carece de fontes?]

Partido Socialista Brasileiro

No dia 5 de outubro de 2013, Marina filiou-se ao Partido Socialista Brasileiro e manifestou apoio ao presidente do partido, o então governador de Pernambuco, Eduardo Campos, um dos pré-candidatos à disputa pela presidência em 2014.[82]

Prêmios e honrarias

Marina Silva anunciando a criação do Instituto Chico Mendes em 2007.

Em 1996, Marina Silva recebeu o Prêmio Goldman do Meio Ambiente pela América Latina e Caribe, nos Estados Unidos.[83] Onze anos depois, em 2007, por meio da Medida Provisória nº 366, ocupando o cargo de Ministra do Meio Ambiente, Marina desmembrou o Ibama e repassou a gestão das unidades de conservação da natureza federais para o Instituto Chico Mendes. No mesmo ano, recebeu o maior prêmio da Organização das Nações Unidas (ONU) na área ambiental — o Champions of the Earth (Campeões da Terra) — concedido a seis outras personalidades: o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore; o príncipe Hassan Bin Talal, da Jordânia; Jacques Rogge, do Comitê Olímpico Internacional; Cherif Rahmani, da Argélia; Elisea Gillera Gozun, das Filipinas, e Viveka Bohn, da Suécia.[84] [85]

Em 2008 recebeu o Eco & Peace Global Award, entregue durante a ECO 2008 — Conferência Mundial sobre Meio Ambiente e Cultura da Paz, realizada em Brasília. Outras personalidades também receberam honrarias, como Michael Kramer (pelo Comitê Internacional da Cruz VermelhaSuíça); Pauli Gunter Pauli, da Bélgica, fundador da ZERI (Zero Emissions Research & Initiatives); Zilda Arns, também brasileira, fundadora da Pastoral da Criança; Washington Novaes, jornalista especializado em Meio Ambiente e Paulo Nogueira Neto, ex-ministro de Meio Ambiente.[86] Em 1 de abril de 2009, recebeu o prêmio norueguês Sofia, de 100 mil dólares, por sua luta em defesa da floresta amazônica. O motivo maior da homenagem recebida por Marina Silva, segundo a Fundação Sofia, foi a redução do desmatamento para o segundo nível mais baixo em vinte anos.[87] [88]

Em 10 de outubro de 2009, recebeu o prêmio Mudanças Climáticas, oferecido pela Fundação Príncipe Albert II de Mônaco.[89] Foi considerada um dos 100 maiores protagonistas do ano de 2009 pelo jornal espanhol El País.[90] Foi considerada também pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009[91] e 2010.[92]

Em março de 2011, O perfil no Twitter de Marina, ganhou o prêmio Shorty Awards, considerado pelo estadunidense The New York Times como o "Oscar dos twitters". Entre os brasileiros, teve como indicados os perfis da presidente Dilma Rousseff e da Agência Senado, entre outros.[93]

Em 2013 voltou para a lista dos 100 mais influentes do Brasil da Revista Época. O que se repetiu em 2014.[94]

Em 2014 o jornal britânico Financial Times elegeu Marina como a mulher do ano (Women of 2014), apontando-a como a personalidade mais influente em 2014.[95] O jornal destacou a origem humilde de Marina, a trajetória política e a sua ideologia.[96]

Opinião, postura e críticas

Ao longo de sua trajetória política, Marina envolveu-se em polêmicas políticas e sociais. Defendeu o direito das escolas adventistas de ensinarem o criacionismo — como ela própria esclareceu depois, desde que também se ensinasse a teoria da evolução [97] Segundo ela:

Marina sendo entrevistada.
Cquote1.svg No espaço da fé, a ciência tem todo o acolhimento. Eu gostaria que a fé tivesse o mesmo acolhimento da ciência. Cquote2.svg
Marina Silva[3]

Em 2010, Marina também posicionou-se contra as pesquisas com células-tronco embrionárias, tendo defendido a utilização de células-tronco adultas,[98] e contra a descriminalização do aborto,[3] embora seja favorável à realização de um plebiscito no Brasil para tratar do tema.[99]

Em 2010, disse ser contrária ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, embora tenha se posicionado favorável à união civil 'de bens' entre homossexuais.[100] Também diz ser contra a legalização de drogas ilícitas, como a maconha, apesar de também defender uma consulta popular sobre o tema.[101] Em 2013 ela se declarou a favor da união civil homoafetiva[102] , embora evite usar o termo "casamento" neste caso. Em 2014, seu programa de governo foi alterado 24 horas após ser divulgado, tendo optado por uma termos menos explícitos.[103] 

Durante sua campanha em 2010, foi criticada por Silas Malafaia, pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, por sua opinião em relação ao aborto, em defender um plebiscito[carece de fontes?]. Além disso, Marina, enquanto senadora, não teria apreciado como relatora o projeto de lei da Câmara nº 16 de 2009, de autoria do deputado federal Filipe Pereira, que obrigaria todas as bibliotecas públicas brasileiras a colocar à disposição um exemplar da Bíblia em seu acervo[104] .

Cronologia sumária

Referências

  1. Marina Silva se licencia do Senado (em português) Portal de Notícias do Senado Federal (29 de abril de 2010). Visitado em 20 de agosto de 2014.
  2. Perfil da senadora (em português) Senado Federal do Brasil (15 de outubro de 2010). Visitado em 15 de novembro de 2010.
  3. a b c d e f g h i j k l m n Veja a história de Marina Silva (em português) Estadão.com.br. Visitado em 14 de outubro de 2010.
  4. Após 31 anos, Marina Silva é exonerada do quadro de professores estaduais (em português) Gazeta do Povo (20 de dezembro de 2013). Visitado em 14 de agosto de 2014.
  5. a b Não, eu não me orgulho de tido um presidente semianalfabeto Veja (2 de julho de 2011). Visitado em 14 de agosto de 2014.
  6. a b c d Marina Silva: "Eu nunca paro de estudar" Oriobranco.net (1º de novembro de 2010).
  7. Brasil deve liderar discussões sobre mudança climática, defende Marina G1 (9 de dezembro).
  8. A necessidade de uma ambientalista de se reinventar mais uma vez (em português) O Globo (14 de agosto de 2014). Visitado em 14 de agosto de 2014.
  9. Marina diz que Partido Verde (PV) deve levantar bandeira da ética na política (em português) Terra Networks (30 de agosto de 2009). Visitado em 15 de novembro de 2010.
  10. Marina diz que apoio do segundo turno será debatido (em português) Gombata, Marsílea Último Segundo (3 de outubro de 2010). Visitado em 15 de novembro de 2010.
  11. a b Após ficar em 3º, Marina Silva diz que Brasil votou pela "mudança" (em português) Yahoo (5 de outubro de 2014). Visitado em 5 de outubro de 2014.
  12. Marina Silva deixa o PV após dois anos no partido R7. Visitado em 5 de junho de 2014.
  13. Evangélicos Marina Silva, Marco Feliciano e Neymar são colocados pela revista Época na lista dos 100 mais influentes do Brasil
  14. Dez brasileiros que foram notícia no mundo em 2013
  15. SIMON ROMERO (15 de outubro de 2010). A Newcomer Is Shaking Up Brazil’s Vote The New York Times. Visitado em 21 de agosto de 2014.
  16. a b c d e Marina Silva: A filha da floresta (em português) Ana Flor, Folha de São Paulo Site da Folha de S. Paulo (2 de junho de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  17. Marina Silva deixa o PT (português)
  18. A trajetória de Marina Silva em cinco momentos (em português) Zero Hora (20 de agosto de 2014). Visitado em 21 de agosto de 2014.
  19. Pronunciamentos - Texto integral - Marina Silva Senado Federal - Portal Atividade Legislativa (14 de novembro de 1996). Visitado em 23 de agosto de 2014.
  20. Marina Silva: A filosofia na prática WWF Brasil (15 de outubro de 2010).
  21. "Veja a história de Marina Silva" Estadao. Visitado em 31 de Janeiro de 2014.
  22. Herdeira de Chico Mendes, Marina tenta repetir Lula iG Último Segundo IG (15 de maio de 2010).
  23. Cristãos devem apoiar Marina Silva, diz evangélico (em português) Bernardo Mello Franco, Folha de São Paulo Site da Folha de S. Paulo (1 de abril de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  24. Biografia de Marina Silva vai virar filme (em português) Site da Folha de S. Paulo (29 de março de 2011). Visitado em 16 de abril de 2011.
  25. Os sonhos e o tempo particular de Marina (em português) Diário do Pará Diariodopara.diarioonline.com.br (3 de abril de 2011). Visitado em 16 de abril de 2011.
  26. Sem patrocínio, filme sobre vida de Marina Silva é adiado (em português) Folha de S.Paulo (15 de janeiro de 2014). Visitado em 15 de agosto de 2014.
  27. "Não quero que usem esse filme politicamente", diz Marina Silva sobre filme que vai retratar sua vida (em português) Cinema UOL (30 de novembro de 2011). Visitado em 15 de agosto de 2014.
  28. Marina Silva carrega bandeira olímpica na Abertura das Olimpíadas AFP Uol Esporte (27 de julho de 2012). Visitado em 29 de julho de 2012.
  29. Conheça a trajetória de Marina Silva, candidata à Presidência pelo PV (em português) Universo Online – Eleições 2010 Eleicoes.uol.com.br (26 de maio de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  30. a b Marina Silva (PV) Diário do Comércio Dcomercio.com.br (14 de outubro de 2010).
  31. [1] Bibliotecadafloresta.ac.gov.br.
  32. a b c Marina Silva foi eleita em 1994 a mais jovem senadora da República (em português) O Globo Globo.com (13 de maio de 2008). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  33. Personalidade: Marina Silva candidata a presidente do Brasil Dourado News Douradosnews.com.br (2 de setembro de 2010). Visitado em 23 de outubro de 2010.
  34. Suplente sinaliza que Marina volta ao Senado e contesta divergências da pasta Site da Folha de S. Paulo (13 de maio de 2008).
  35. Governo já fala em novo plano do clima Bol Notícias Noticias.bol.uol.com.br.
  36. Desafeto de Marina Silva, Mangabeira nega divergências Estadão.com.br (13 de maio de 2008). Visitado em 2 de novembro de 2010.
  37. a b Briga paralisante entre as ministras Marina e Dilma perde força e as obras, finalmente, parece que vão andar (em português) Alexandre Oltramari, VEJA Veja (17 de novembro de 2004). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  38. a b Marina nega divergência com Dilma sobre concessão de licenças ambientais Site da Folha de S. Paulo (26 de abril de 2007). Visitado em 2 de novembro de 2010.
  39. Marina Silva tinha um histórico de embates desde o início do governo Lula (em português) Globo Online Globo.com. Visitado em 16 de maio de 2008.
  40. Destaque: Perfil de Marina Silva (em português) Diário do Comércio Dcomercio.com.br. Visitado em 10 de outubro de 2010.
  41. Marina Silva pede demissão do Meio Ambiente e alega falta de sustentação à política ambiental (em português) Uol Noticias.uol.com.br (13 de maio de 2008). Visitado em 2 de novembro de 2010.
  42. Leia a carta de Marina ao presidente Lula (em português) Universo Online Noticias.uol.com.br (13 de maio de 2008). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  43. O abate e o fogo (em português) Miriam Leitão, O Globo Online Globo.com (15 de maio de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  44. Sobre o Movimento (em português) Movimento Marina Silva Movmarina.com.br. Visitado em 10 de outubro de 2010.
  45. Marina: 'Quero ser a 1ª mulher negra a governar o País' (em português) Eugênia Lopes e João Domingos, O Estado de S. Paulo Estadão.com.br (11 de junho de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  46. Dilma e Serra oscilam e diferença fica em 22 pontos (em português) Datafolha Site da Folha de S. Paulo (6 de setembro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  47. Na véspera da eleição, Dilma tem 50% dos votos válidos (em português) Datafolha Site da Folha de S. Paulo (2 de outubro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  48. A vantagem de Dilma sobre Serra se estabiliza em 24 pontos percentuais e canditada do PT ainda teria 59% dos válidos (PDF) (em português) Ibope Eleicoes.ibope.com.br (3 de setembro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  49. Crescimento de Marina Silva gera incerteza sobre vitória de Dilma no 1º turno ou realização de 2º turno entre Dilma e José Serra (PDF) (em português) Ibope Eleicoes.ibope.com.br (2 de outubro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  50. Crescimento de Marina Silva na reta final anima correligionários (em português) Alice Maciel, Correio Braziliense Correiobraziliense.com.br (29 de setembro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  51. a b UOL - Eleições 2010 - Apuração (em português) Universo Online Placar.eleicoes.uol.com.br. Visitado em 10 de outubro de 2010.
  52. Ibope e Datafolha divulgam últimas pesquisas de intenção de voto (em português) Terra Noticias.terra.com.br (2 de outubro de 2010). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  53. a b c Federação do PV na América destaca votação de Marina Silva Terra Networks Noticias.terra.com.br (5 de novembro de 2010).
  54. a b c Marina parabeniza Dilma e considera "terceira via" política ainda um embrião Redebrasilatual.com.br (31 de outubro de 2010).
  55. Marina Silva recomenda a Dilma a 'sagacidade das serpentes' G1 (31 de outubro de 2010).
  56. Eleições 2014 – A Quarta Agenda da Democracia Brasileira (Ou: o que 2013 Trouxe) - Interessenacional, abril-junho 2014, por Renato Janine Ribeiro
  57. Eleições 2014: as maiores probabilidades
  58. Felipe Néri e Filipe Matoso (14 de abril de 2014). PSB anuncia Eduardo Campos e Marina Silva para disputa presidencial G1. Visitado em 14 de abril de 2014.
  59. Em carta, irmão de Campos defende candidatura de Marina Silva G1 (14 de agosto de 2014). Visitado em 14 de agosto de 2014.
  60. Dirigentes do PSB confirmam indicação de Marina Silva Zero Hora (16 de agosto de 2014). Visitado em 16 de agosto de 2014.
  61. PSB sela acordo para lançar Marina Silva no lugar de Eduardo Campos Folha de S.Paulo (16 de agosto de 2014). Visitado em 16 de agosto de 2014.
  62. Marina dá aval para que PSB consulte dirigentes sobre sua candidatura à presidência Folha de S.Paulo (16 de agosto de 2014). Visitado em 16 de agosto de 2014.
  63. PSB oficializa chapa presidencial com Marina Silva e Beto Albuquerque G1 (20 de agosto de 2014). Visitado em 20 de agosto de 2014.
  64. Marina dá aval a candidatura; decisão oficial do PSB sai na quarta G1 (16 de agosto de 2014). Visitado em 16 de agosto de 2014.
  65. PSB registra no TSE candidatura de Marina Silva e Beto Albuquerque G1 (22 de agosto de 2014). Visitado em 12 de agosto de 2014.
  66. Precisamos mudar o Brasil, afirma Marina (em português) Exame (20 de agosto de 2014). Visitado em 20 de agosto de 2014.
  67. ‘Meu mandato será de 4 anos’, diz Marina Silva (em português) Diário do Grande ABC (23 de agosto de 2014). Visitado em 23 de agosto de 2014.
  68. Caetano Veloso declara apoio a Marina Silva e é criticado nas redes sociais O Globo (30/8/2014). Visitado em 23/10/2014.
  69. Marco Nanini: ‘É uma mulher que me inspira muita confiança. Vou votar na Marina” Site Oficial da Campanha de Marina Silva (29/09/2014). Visitado em 23/10/2014.
  70. "A continuação do PT no poder é um desastre" IstoÉ Independente (17/10/2014). Visitado em 23/10/2014.
  71. Ao lado de artistas, Gilberto Gil canta jingle que compôs para Marina G1 (17/09/2014). Visitado em 23/10/2014.
  72. Comício de Marina Silva em Manaus exibirá vídeo de apoio do poeta Thiago de Melo Janaína Andrade A Notícia (20/09/2014). Visitado em 16 de novembro de 2014.
  73. Um Sonho Chamado Marina Moraes Moreira ( —). Visitado em 23/10/2014.
  74. Marina diz que Aécio "acende uma luz na escuridão da campanha" Simone Iglesias O Globo (22/10/2014). Visitado em 23/10/2014.
  75. a b c Marina Silva anuncia saída do PT e deve se filiar ao PV (em português) G1 (19 de agosto de 2009). Visitado em 7 de julho de 2011.
  76. PV já articula apoio à candidatura de Marina Silva (em português) G1 (14 de agosto de 2009). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  77. Amazônia: Era Uma Vez o Futuro? (em português) Marina Silva Filosofiaesoterica.com (1997). Visitado em 10 de outubro de 2010.
  78. De saída do PV, Marina libera aliados para migrar a outras siglas Correio do Brasil (29 de junho de 2011). Visitado em 29 de junho de 2011.
  79. a b c d 'Não é hora de ser pragmático', diz Marina Silva ao anunciar saída do PV (em português) G1 (7 de julho de 2011). Visitado em 7 de julho de 2011.
  80. Novo partido de Marina Silva vai se chamar Rede Sustentabilidade G1 (16 de fevereiro de 2013).
  81. Por 6 votos a 1, TSE rejeita criação da Rede, partido de Marina Silva UOL (3 de outubro de 2013).
  82. Fabiano Costa e Felipe Néri (5 de outubro de 2013). Marina Silva se filia ao PSB e diz que apoia candidatura de Campos G1. Visitado em 22 de janeiro de 2014.
  83. Goldman Prize Marina Silva. Brazil. Forests. Goldmanprize.org.
  84. Champions of the Earth. Laureates 2007. (em inglês) Unep.org.
  85. Heroes of the Environment 2008 (em inglês) TIME.
  86. Notícia sobre a ECO 2008 – Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente e Cultura da Paz Agsolve.com.br.
  87. Marina Silva ganha prêmio da Noruega por proteção à Amazônia, por John Acher Reuters Abril.com.br (1 de abril de 2009).
  88. Sophie Prize Winners. 2009. Sophieprize.org.
  89. Marina Silva recebe o Prêmio Mudanças Climáticas O Globo Online Globo.com (8 de outubro de 2009). Visitado em 16 de outubro de 2009.
  90. Hombres y mujeres iberoamericanos que han marcado 2009 - El grito del Amazonas (em espanhol) El País. Visitado em 11 de fevereiro de 2010.
  91. NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2009 Época. Visitado em 20 de dezembro de 2009.
  92. Época: Marina está entre os 100 brasileiros mais influentes (em português) marinasilva.org.br (13 de dezembro de 2010). Visitado em 14 de dezembro de 2014.
  93. Perfil de Marina Silva vence "Oscar" do Twitter por sua atuação nas eleições (em português) Universo Online Portal Imprensa - Uol. Visitado em 16 de Abril de 2011.
  94. Os mais influentes do Brasil em 2014 (em português) Época (12 de dezembro de 2014). Visitado em 14 de dezembro de 2014.
  95. Marina Silva é uma das mulheres do ano, aponta o Financial Times (em português) Valor Econômico (13 de dezembro de 2014). Visitado em 14 de dezembro de 2014.
  96. Marina Silva é eleita 'mulher do ano' pelo 'Financial Times' (em português) G1 (13 de dezembro de 2014). Visitado em 14 de dezembro de 2014.
  97. [2]" estricto senso de ciência, criacionismo certamente não se enquadra como teoria científica, pois suas ideias transcendem em muito o método científico (ver Design inteligente e o caso Kitzmiller v. Dover Area School District). Entretanto nem todas as escolas particulares parecem compreender ou seguir a legislação.] Site da Folha de S. Paulo.
  98. 'Lula não deu satisfação ao povo, apenas defendeu sua candidata', diz Marina sobre escândalo da Receita O Globo (9 de setembro de 2010). Visitado em 16 de outubro de 2010.
  99. Marina Silva defende plebiscito sobre descriminalização do aborto Globo.com O Globo (14 de outubro de 2010).
  100. Marina se declara contra casamento gay Estadão.com.br (14 de outubro de 2010).
  101. Marina Silva foge de polêmica e defende consulta sobre aborto e legalização da maconha R7.com r7 (15 de outubro de 2010).
  102. Em resposta a Jean Wyllys, Marina Silva diz que é a favor do casamento gay.
  103. Campanha de Marina tira do programa apoio a casamento gay.
  104. PLC - PROJETO DE LEI DA CÂMARA, Nº 16 de 2009.

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Precedido por
José Carlos Carvalho
Ministra do Meio Ambiente do Brasil
20032008
Sucedido por
Carlos Minc