José Dirceu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde novembro de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
José Dirceu
Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil Brasil
Mandato 1 de janeiro de 2003
até 21 de junho de 2005
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a) Pedro Parente
Sucessor(a) Dilma Rousseff
Deputado federal por São Paulo São Paulo
Mandato 15 de março de 1991
até 1 de dezembro de 2005
Deputado estadual de São Paulo São Paulo
Mandato 15 de março de 1987
até 14 de março de 1991
Vida
Nascimento 16 de março de 1946 (68 anos)
Passa Quatro, MG
Dados pessoais
Alma mater Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
Partido Partido dos Trabalhadores
Profissão Advogado

José Dirceu de Oliveira e Silva (Passa Quatro, 16 de março de 1946) é um advogado e político brasileiro com base em São Paulo.

Foi líder estudantil entre 1965 e 1968, ano em que foi preso em Ibiúna, no interior de São Paulo, durante uma tentativa de realização do XXX Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE). Em setembro de 1969, com mais quatorze presos políticos, deportados do país, em troca da libertação do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick,foi deportado para o México. Posteriormente exilou-se em Cuba. Fez plásticas e mudou de nome para não ser reconhecido em suas tentativas de voltar ao Brasil após ser exilado, e voltou definitivamente ao país em 1971, vivendo um período clandestinamente em São Paulo e em algumas cidades do Nordeste. No entanto, quando teve novamente sua segurança ameaçada, retornou a Cuba, retornando ao Brasil em 1975, estabelecendo-se clandestinamente em Cruzeiro do Oeste, no interior do Paraná.

Em janeiro de 2003, após tomar posse na Câmara dos Deputados, licenciou-se para assumir o cargo de Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República, onde permaneceu até junho de 2005, quando deixou o Governo Federal acusado, por Roberto Jefferson, de ser o mentor do Escândalo do Mensalão.

Teve seu mandato de Deputado Federal cassado em 2005 pelo suposto envolvimento no Mensalão montado pelo PT, que distribuía recursos provenientes de um fundo privado em troca de votos no Congresso Nacional, tornando-se inelegível até 2015.

Em 12 de novembro de 2012 foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal à pena de dez anos e dez meses de prisão pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha neste caso.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

José Dirceu iniciou sua militância política no movimento estudantil em 1965, ano em que iniciou seus estudos de Direito na PUC-SP, sendo vice-presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) no período de 1965-66. Ainda em 1966 rompeu com o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e ajudou na formação paulista das chamadas "Dissidências", em São Paulo a sigla era "DI-SP" (esta organização acabou tendo enorme afinidade política com o grupo de Carlos Marighella, que mais tarde viria formar a Ação Libertadora Nacional). No entanto, Dirceu nunca fez parte dos quadros da ALN. Em 1967 Dirceu, que era conhecido pelo codinome de "Daniel", presidiu a União Estadual de Estudantes (UEE), firmando-se como líder estudantil. Em 1968 foi preso em Ibiúna, no interior de São Paulo, durante uma tentativa de realização do XXX Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE).

José Dirceu (o segundo em pé, da esquerda para a direita), junto com os demais prisioneiros políticos libertados em troca do embaixador norte-americano. Fotografia efetuada antes do embarque do grupo para o exílio.

Em 1969 os grupos guerrilheiros marxistas-lenistas conhecidos como MR-8 e ALN seqüestraram o embaixador dos Estados Unidos, Charles Burke Elbrick. Os revolucionários exigiram a libertação de uma lista de prisioneiros políticos, entre eles José Dirceu. O incidente do seqüestro do embaixador foi contado no livro "O Que É Isso, Companheiro?" (1979), de autoria do deputado Fernando Gabeira (PV), posteriormente transformado em filme (Bruno Barreto, 1997). Em 2007, o diretor Silvio-Da-Rin lançou o documentário "Hércules 56", onde os protagonistas relatam em detalhes sobre o episódio do sequestro e da libertação dos 15 presos. O filme dá voz também a todos os que foram trocados pelo embaixador norte-americano e que ainda estão vivos.

Os presos trocados pelo embaixador, deportados do Brasil, seguiram para o México, a bordo do avião da Força Aérea modelo C-130 Hércules, matricula 2456. De lá seguiram para Cuba e Paris. Dirceu foi para Cuba. Durante o exílio, trabalhou, recebeu treinamento militar e estudou na ilha.

Retorno ao Brasil[editar | editar código-fonte]

Retornou ao Brasil em 1971, vivendo clandestino em São Paulo e em algumas cidades do Nordeste. Em 1975, em Cuba, alterou sua aparência através de uma cirurgia plástica e retornou ao Brasil, com o nome falso de "Carlos Henrique Gouveia de Mello", instalando-se na cidade de Cruzeiro do Oeste, no Paraná. Lá casou-se com sua primeira esposa, Clara Becker, e passou a viver em total clandestinidade, omitindo seu passado e sua verdadeira identidade até mesmo de sua esposa. Em Cruzeiro, reservadamente, acompanhava os acontecimentos políticos do país.

Em uma das ocasiões em que José Dirceu voltou do exílio de Cuba, segundo sua biografia[2] , junto com outros integrantes do Movimento de Libertação Popular, ele teria participado do assassinato de um sargento da Polícia Militar em São Paulo, em 1972.

Em 1979, com a anistia, retornou a Cuba, desfez a cirurgia plástica e, em dezembro de 1979, voltou definitivamente para o Brasil, onde passou a participar das atividades políticas em curso, que deram origem ao PT.

Participações políticas[editar | editar código-fonte]

Em 1986 foi eleito deputado estadual constituinte em São Paulo pelo PT, exercendo mandato entre 1987 e 1991. No período, notabilizou-se por exercer forte oposição ao governo Orestes Quércia (PMDB).

Em 1992, no exercício do mandato de deputado federal eleito em 1990, foi o co-autor — ao lado do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) — do pedido para a instalação da CPI do PC, que levou o então presidente Fernando Collor a ser destituído. Dois anos depois foi o candidato petista ao governo de São Paulo, mas acabou ficando em terceiro lugar atrás de Mário Covas (PSDB) e Francisco Rossi (então no PDT).

Em 1995 foi indicado por Lula para disputar o encontro nacional do partido e ganhar a presidência nacional do Partido dos Trabalhadores, cargo para o qual se reelegeria em 1997 e 2001 (esta por eleições diretas entre filiados do PT).

Apogeu e queda[editar | editar código-fonte]

José Dirceu foi Ministro-Chefe da Casa Civil no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de 1 de janeiro de 2003 até 16 de junho de 2005, quando pediu demissão do cargo de ministro, e voltou a seu antigo cargo de deputado federal por São Paulo (era até então deputado licenciado) do Partido dos Trabalhadores.

Ocupou o principal posto da coordenação política do governo, sendo tratado pela imprensa e por oposicionistas do governo como o homem forte da administração federal, a quem caberiam efetivamente as decisões – um super-ministro ou "primeiro-ministro".

À época, era considerado o sucessor natural de Lula na Presidência da República.

Sua demissão ocorreu em meio à crise política que surgiu após denúncias de corrupção nos Correios e em outras empresas estatais, vindas à tona após acusações do deputado Roberto Jefferson. Reassumiu, então, o seu mandato de deputado federal. Com seu afastamento do primeiro escalão, seu lugar no governo Lula foi ocupado por Dilma Roussef, também militante antiga do Partido, que acabou ocupando também a atribuição de continuidade dos projetos de governo do Partido, antes pertencente a Dirceu.

Embora a oposição tenha diversas vezes afirmado que o presidente tenha demitido Dirceu por reconhecer a sua culpa, Lula nunca assumiu publicamente a hipótese.

Aproximadamente à meia-noite e meia de 1 de dezembro de 2005, Dirceu teve o seu mandato cassado por quebra de decoro parlamentar. O placar da votação foi 293 votos a favor da cassação e 192 contra; com isso, Dirceu ficou inelegível até 2015. O relator do processo de sua cassação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados foi Júlio Delgado.

No dia 30 de março de 2006, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) quarenta pessoas, entre políticos e empresários, participantes do esquema do mensalão. O procurador indiciou por crimes graves, como corrupção ativa, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e peculato os ex-ministros José Dirceu (Casa Civil), Anderson Adauto (Transportes) e o ex-ministro dos transportes Luiz Gushiken (Comunicação Estratégica). Dirceu saiu do governo federal por ser insustentável a sua permanência na Casa Civil, pressão esta exercida pelo escândalo em que estava envolvido. O relator do caso no Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa (nomeado por Lula), atribuiu a liderança no esquema do "mensalão" a Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares e Sílvio Pereira. À época da investigação, ficou famosa sua frase no conselho de ética: "Estou cada vez mais convencido de minha inocência".

Condenação por corrupção e prisão[editar | editar código-fonte]

José Dirceu
Nascimento 16 de março de 1946 (68 anos)
Passa Quatro, MG
Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Crime(s) corrupção ativa e formação de quadrilha[3]
Pena 10 anos e 10 meses[3]
Situação cumprindo pena no Complexo Penitenciário da Papuda[4]

Em 9 de outubro de 2012 foi condenado por corrupção ativa no processo conhecido como Mensalão do PT, junto com José Genoíno e Delúbio Soares, pelo Supremo Tribunal Federal, colocando um hiato em sua carreira política.

Em 22 de outubro de 2012 foi condenado por formação de quadrilha pelo Supremo Tribunal Federal, por 6 votos a 4.

Já no dia 12 de novembro de 2012 foi condenado a 10 anos e 10 meses de prisão, devendo cumprir a pena em regime fechado, por conta da sua participação no esquema do mensalão. Ele também foi condenado pela corte a pagar multa no valor de R$ 676 mil.[5] .

Recentemente foi envolvido em outro escândalo de corrupção e de tráfico de influência devido a sua proximidade com a Rosemary Noronha, pivô do escândalo.[6]

No dia 15 de novembro de 2013, depois de o STF expedir mandado de prisão contra 12 réus do mensalão (ação penal 470), se entregou à Polícia Federal, em São Paulo.

Referências

  1. Título não preenchido, favor adicionar.
  2. Revista Veja
  3. a b Camila Campanerut (12 de novembro de 2012). José Dirceu é condenado a 10 anos e 10 meses e cumprirá pena na prisão Uol. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  4. Matheus Leitão, Severino Motta, Mariana Haubert, Mariana Schreiber e Johanna Nublat (16 de novembro de 2013). Condenados do mensalão estão no presídio da Papuda, em Brasília Folha de São Paulo. Página visitada em 16 de novembro de 2013.
  5. Dirceu é condenado a quase 11 anos de prisão por crimes no mensalão
  6. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José Dirceu
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre José Dirceu


Precedido por
Pedro Parente
Ministro chefe do Gabinete Civil
2003 — 2005
Sucedido por
Dilma Rousseff