Diretas Já

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Diretas Já
Manifestação em Brasília, diante do Congresso Nacional.
Participantes Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Leonel Brizola, Miguel Arraes, André Franco Montoro, Dante de Oliveira, Mário Covas, Gérson Camata, Iris Rezende, Orestes Quércia, Luiz Inácio Lula da Silva, Eduardo Suplicy, Roberto Freire, Fernando Henrique Cardoso e muitos outros.
Localização Maiores cidades do Brasil
Data Março de 1983 - Abril de 1984
Resultado Eleição indireta de Tancredo Neves e aprovação de uma Assembleia Constituinte.

Diretas Já foi um movimento civil de reivindicação por eleições presidenciais diretas no Brasil ocorrido em 1986-1989. A possibilidade de eleições diretas para a Presidência da República no Brasil se concretizaria com a votação da proposta de Emenda Constitucional Dante de Oliveira pelo Congresso. Entretanto, a Proposta de Emenda Constitucional foi rejeitada, frustrando a sociedade brasileira. Ainda assim, os adeptos do movimento conquistaram uma vitória parcial em janeiro do ano seguinte quando Tancredo Neves foi eleito presidente pelo Colégio Eleitoral.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A ideia de criar um movimento a favor de eleições diretas foi lançada em 1983, pelo então senador Teotônio Vilela no programa Canal Livre da TV Bandeirantes.

Passeata no centro de São Paulo, em 16 de abril de 1984. Foto: Jorge H. Singh.

A primeira manifestação pública a favor de eleições diretas ocorreu no recém emancipado município de Abreu e Lima,[2] em Pernambuco, no dia 31 de março de 1983. Organizada por membros do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) no município, a manifestação foi noticiada pelos jornais do estado. Foi seguida por manifestações em Goiânia, em 15 de junho de 1983 e em Curitiba em novembro do mesmo ano.

Posteriormente, ocorreu também uma manifestação na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, no dia 27 de novembro de 1983 na cidade de São Paulo. Com o crescimento do movimento, que coincidiu com o agravamento da crise econômica (em que coexistiam inflação,[1] fechando o ano de 1983 com uma taxa de 239%, e uma profunda recessão), houve a mobilização de entidades de classe e de sindicatos. A manifestação contou com representantes de diversas correntes políticas e de pensamento, unidas pelo desejo de eleições diretas para presidente da República.[3]

A repressão aumenta, mas o movimento pela liberdade não retrocede e os democratas intensificam as manifestações por eleições diretas. Na televisão, o general Figueiredo classificava como 'subversivos' os protestos que começavam a acontecer em todo o país.

No ano seguinte, o movimento ganhou massa crítica e reuniu condições para se mobilizar abertamente. E foi em São Paulo que a investida democrata ganhou força com um evento realizado no Vale do Anhangabaú, no Centro da Capital, em pleno aniversário da cidade de São Paulo – dia 25 de janeiro. Mais de 1,5 milhão de pessoas se reuniram para declarar apoio ao Movimento das Diretas Já. O ato é liderado por Tancredo Neves, Franco Montoro, Orestes Quércia, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, Luiz Inácio Lula da Silva e Pedro Simon, além de outros artistas e intelectuais engajados pela causa.[3]

A essa altura, a perda de prestígio do regime militar junto à população era grande. Militares de baixo escalão, com seus salários corroídos pela inflação, começavam a pressionar seus comandantes - que também estavam descontentes.

Lideranças e Personalidades[editar | editar código-fonte]

Protesto parte das Diretas Já em São Paulo em 16 de abril de 1984.

O movimento agregou diversos setores da sociedade brasileira. Participaram inúmeros partidos políticos de oposição ao regime ditatorial, além de lideranças sindicais, civis, artísticas, estudantes e jornalísticas. Dentre os políticos, destacaram-se Tancredo Neves, Leonel Brizola, Miguel Arraes, José Richa, Ulysses Guimarães, André Franco Montoro, Dante de Oliveira, Mário Covas, Gérson Camata, Orestes Quércia, Carlos Bandeirense Mirandópolis, Luiz Inácio Lula da Silva, Eduardo Suplicy, Roberto Freire, Luís Carlos Prestes, Fernando Henrique Cardoso, Vander Ramos, Marcos Freire, Fernando Lyra, Jarbas Vasconcelos e dentre personalidades em geral destacaram-se Sócrates (futebolista), Christiane Torloni, Mário Lago, Gianfrancesco Guarnieri, Fafá de Belém, Chico Buarque, Martinho da Vila, Osmar Santos, Juca Kfouri entre outros.

Comícios[editar | editar código-fonte]

A cantora paraense Fafá de Belém participou ativamente no movimento das Diretas Já a partir do comício de 16 de Abril de 1984. Fafá se apresentou gratuitamente em diversos comícios e passeatas, cantando de forma magistral e muito original, de entre outros temas, o "Hino Nacional Brasileiro", gravado no seu álbum Aprendizes da Esperança, lançado no ano seguinte. A célebre interpretação diante das câmeras para uma multidão que clamava pela redemocratização do país foi muito contestada pela Justiça, mas ao mesmo tempo foi ovacionada e aclamada pelo público. A partir daí, Fafá passou a ser conhecida como a "Musa das Diretas". Numa entrevista dada ao jornal Folha de S. Paulo em 2006, Fafá declarou que Montoro e outros políticos do PMDB não queriam sua participação no movimento e que ela só passou a se apresentar por insistência de Lula. Na mesma entrevista, Fafá declarou ter sido muito próxima a políticos do PT, mas que sua relação com estes se definhou após ela ter declarado seu apoio a Tancredo Neves, a cuja candidatura o partido se opôs.[4] Fafá foi de suma importância para o comício realizado em 10 de abril de 1984, pois foi ela quem conseguiu fazer com que Dante de Oliveira subisse ao palco do evento, alegando para os policiais presentes que ele era o percussionista de sua banda.[5]

Lista de comícios e passeatas:
Ano Data Cidade Estado Nº de participantes Notas
1983 31 de março Abreu e Lima Pernambuco 100 Por ser o primeiro ato público, não houve uma grande quantidade de participantes, pois o povo temia retaliação dos militares.[6]
15 de junho Goiânia Goiás 5.000 Ocorreu na Praça Cívica.
26 de junho Teresina Piauí aproximadamente 3.000 pessoas Ocorreu em frente ao Palácio Karnak.
12 de agosto Pernambuco Ocorreu em diversas cidades do estado simultaneamente.
27 de novembro São Paulo São Paulo 15.000 Nesta data faleceu o senador Teotônio Vilela.
9 de dezembro Ponta Grossa Paraná 1.000
1984 5 de janeiro Olinda Pernambuco
12 de janeiro Curitiba Paraná 40.000 Este comício teve a participação de Juan Carlos Quintana, suposto representante do presidente argentino Raul Alfonsin. Depois descobriu-se que era um agente da ditadura infiltrado a fim de dar a impressão de que o movimento era uma influência internacional.[7]
15 de janeiro Camboriú[8] Santa Catarina 5.000[9]
20 de janeiro Salvador Bahia 15.000
21 de janeiro Vitória Espírito Santo 10.000
21 de janeiro Campinas São Paulo 12.000 Ocorreu no Largo do Rosário.
25 de janeiro São Paulo São Paulo 300.000 Ocorreu na Praça da Sé.
26 de janeiro João Pessoa Paraíba 10.000
27 de janeiro Olinda Pernambuco 30.000
29 de janeiro Maceió Alagoas 20.000 Ocorreu na Praia da Pajuçara.
16 de fevereiro Belém Pará 60.000
16 de fevereiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro 60.000 Foi a primeira passeata das Diretas. Percorreu da Igreja da Candelária até a Cinelândia.
17 de fevereiro Recife Pernambuco 12.000 Passeata
18 de fevereiro Manaus Amazonas 6.000
19 de fevereiro Capão da Canoa Rio Grande do Sul 50.000 Passeata
19 de fevereiro Osasco São Paulo 25.000
19 de fevereiro Rio Branco Acre 7.000
20 de fevereiro Cuiabá Mato Grosso 15.000
24 de fevereiro Belo Horizonte Minas Gerais 400.000 Ocorreu na Praça da Rodoviária, no início da Avenida Afonso Pena, recorde de público do movimento até então.
26 de fevereiro São Paulo Manifestação conjunta em 300 municípios.
26 de fevereiro Aracaju Sergipe 30.000
29 de fevereiro Juiz de Fora Minas Gerais 30.000
8 de março Anápolis Goiás 20.000
21 de março Rio de Janeiro Rio de Janeiro 200.000 Novamente é feita uma passeata da Candelária até a Cinelândia.
22 de março Campinas São Paulo 20.000 Foi apenas um concerto musical, sem qualquer discurso político.
23 de março Uberlândia Minas Gerais 40.000
24 de março Campo Grande Mato Grosso do Sul 40.000
29 de março Florianópolis Santa Catarina 20.000 Em frente a catedral onde 4 anos antes ocorreu a Novembrada.
2 de abril Londrina Paraná 50.000
6 de abril Natal Rio Grande do Norte 50.000
7 de abril Petrolina Pernambuco 30.000
10 de abril Rio de Janeiro Rio de Janeiro 1.000.000 Comício da Candelária - maior manifestação pública da história do Brasil até então.
12 de abril Goiânia Goiás 300.000 Ocorreu na Praça Cívica.
13 de abril Porto Alegre Rio Grande do Sul 200.000
16 de abril São Paulo São Paulo 1.500.000 Uma passeata saiu da Praça da Sé até o Vale do Anhangabaú, onde ocorreu o comício. Maior manifestação pública da história do Brasil.

A emenda[editar | editar código-fonte]

Eleito pelo PMDB em 1982 e empossado em 1º de fevereiro de 1983, o deputado federal Dante de Oliveira empenhou-se em coletar as assinaturas para apresentar o projeto de emenda constitucional que estabelecia eleições diretas (170 assinaturas de deputados e 23 de senadores). No dia 2 de março de 1983 finalmente apresentou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) n° 5.[3]

Em 25 de abril de 1984, sob grande expectativa dos brasileiros, a emenda das eleições diretas foi votada, obtendo 298 votos a favor, 65 contra e 3 abstenções. Devido a uma manobra de políticos aliados ao regime, não compareceram 112 deputados ao plenário da Câmara dos Deputados no dia da votação.[3] A emenda foi rejeitada por não alcançar o número mínimo de votos para a sua aprovação.[1]

Às vésperas da votação, o Distrito Federal e alguns municípios goianos foram submetidos às Medidas de Emergência do Planalto. No dia 25, houve no final da tarde, um blecaute de energia em parte das regiões sul e sudeste do País, causando apreensão na população que esperava acompanhar a votação pelo rádio. O apagão durou cerca de duas horas e foi, segundo a Eletrobrás (empresa estatal que controlava todo o sistema elétrico nacional na época), causado por problemas técnicos na rede de transmissão.[1] Em Brasília, tropas do Exército ocuparam parte da Esplanada dos Ministérios e posicionaram-se também em frente ao Congresso Nacional. Oficialmente estariam ali posicionados para proteger os prédios públicos de atos de desobediência civil. Para a oposição, estes fatos foram mecanismos intimidatórios aplicados pelo governo militar para evitar possíveis surpresas na votação.

Percebendo-se que o poder mudaria de mãos em pouco tempo, iniciou-se um período de mudança de partidos entre parlamentares e políticos em geral. Muitos, que eram convictamente de situação, repentinamente iniciaram uma campanha ferrenha contra a ditadura militar. Essa dissidência era liderada principalmente pelos insatisfeitos do PDS (Arena), que não conseguiram indicar seu candidato para a sucessão por via indireta e não concordavam com a candidatura de Paulo Maluf. Entre os insatisfeitos estavam José Sarney e Aureliano Chaves (Vice Presidente).[1] Conseguiram fazer de José Sarney, então "cacique" do PDS, o novo Presidente do Brasil, após a morte de Tancredo Neves. Dava-se continuidade, assim, ao exercício do poder pelos políticos do PDS/ARENA.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Para reprimir as manifestações populares, durante o mês de abril de 1984, o então presidente João Figueiredo aumentou a censura sobre a imprensa e ordenou prisões, ocorrendo violência policial. Apesar da rejeição da Emenda Dante de Oliveira na Câmara dos Deputados, o movimento pelas "Diretas Já" teve grande importância na redemocratização do Brasil.[1] Suas lideranças passaram a formar a nova elite política brasileira e o processo de redemocratização culminou com a volta do poder civil em 1985 na aprovação de uma nova Constituição Federal de 1988 e com a realização das eleições diretas para Presidente da República em 1989.

Notas

  1. a b c d e f Lidiane Duarte (22 de agosto de 2007). Diretas Já (em português) InfoEscola. Página visitada em 09 de novembro de 2012.
  2. Diretas Já: quando o povo cansou de esperar Jornal do Senado. Senado.gov.br (11 de setembro de 2006). Página visitada em 25 de novembro de 2009.
  3. a b c d Rainer Sousa. Diretas Já (em português) R7. Brasil Escola. Página visitada em 09 de novembro de 2012.
  4. Delgado, Malu (9 de setembro de 2006). Fafá de Belém diz que PT não pode mais sustentar imagem de 'santa no bordel' Site da Folha de S. Paulo. Página visitada em 1 de agosto de 2008.
  5. Diretas Já e sempre" Jornal do Brasil. Página visitada em 1 de agosto de 2008.
  6. http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2014/04/votacao-da-emenda-da-diretas-ja-completa-30-anos.html
  7. Mas em janeiro? Jornal Gazeta do Povo - edição comemorativa de n° 30.000. Gazetadopovo.com.br. Página visitada em 8 de dezembro de 2012.
  8. [1] Agenciabrasil.ebc.com.br.
  9. "A força da indireta", Revista Veja, 1 de fevereiro de 1984, p. 21.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]