Recife

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município do Recife
"Veneza Brasileira"
"Florença dos Trópicos"
"Cidade Maurícia"
"Manguetown"
"Capital dos Naufrágios"
"Capital do Nordeste"
Do topo, em sentido horário: vista aérea do bairro de Boa Viagem; Ilha de Antônio Vaz e pontes do Centro do Recife; Marco Zero; "Torre de Cristal" no Parque das Esculturas Francisco Brennand; pôr do Sol com um panorama da cidade; Rio Capibaribe e o bairro da Jaqueira; e Rua da Aurora.

Do topo, em sentido horário: vista aérea do bairro de Boa Viagem; Ilha de Antônio Vaz e pontes do Centro do Recife; Marco Zero; "Torre de Cristal" no Parque das Esculturas Francisco Brennand; pôr do Sol com um panorama da cidade; Rio Capibaribe e o bairro da Jaqueira; e Rua da Aurora.
Bandeira do Recife
Brasão do Recife
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 12 de março
Fundação 12 de março de 1537 (478 anos)
Gentílico recifense
Lema Ut luceat omnibus (traduzido do latim, significa: "Que a luz brilhe para todos")
Prefeito(a) Geraldo Júlio (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização do Recife
Localização do Recife em Pernambuco
Recife está localizado em: Brasil
Recife
Localização do Recife no Brasil
08° 03' 14" S 34° 52' 51" O08° 03' 14" S 34° 52' 51" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Metropolitana do Recife IBGE/2013[1]
Microrregião Recife IBGE/2013[1]
Região metropolitana Recife
Municípios limítrofes Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Olinda.
Distância até a capital 2 220 km[2]
Características geográficas
Área 218,435 km² [3]
População 1 608 488 hab. (PE: 1º/BR: 9º) –  IBGE/2014[4]
Densidade 7 363,69 hab./km²
Altitude 4 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,772 alto PNUD/2010[5]
Gini 0,68 PNUD/2010[5]
PIB R$ 36 821 898 mil (BR: 15º) – IBGE/2012[6]
PIB per capita R$ 23 679,08 IBGE/2012[6]
Página oficial
Prefeitura www.recife.pe.gov.br
Câmara www.recife.pe.leg.br

Recife é um município brasileiro, capital do estado de Pernambuco, localizado na Região Nordeste do país. Pertence à Mesorregião Metropolitana do Recife e à Microrregião do Recife. Detendo uma área territorial de aproximadamente 218 km², é formada por uma planície aluvial, tendo as suas ilhas, penínsulas e manguezais como as principais características geográficas.[3] [7] A cidade é a quarta capital brasileira na hierarquia da gestão federal, após Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, e possui a quarta concentração urbana mais populosa do Brasil, após São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.[8] [9]

O Recife é a metrópole mais rica do Norte-Nordeste e a oitava mais rica do Brasil, e o município-sede possui o décimo quinto maior PIB do país e o maior PIB per capita entre as capitais nordestinas.[10] [11] [12] A cidade é a nona mais populosa do país, e sua região metropolitana, com 3,88 milhões de habitantes, é a sétima mais populosa do Brasil, além de ser a terceira área metropolitana mais densamente habitada do país, superada apenas por São Paulo e Rio de Janeiro.[4] [13] [14] A capital pernambucana desempenha um forte papel centralizador em seu estado e região, abrigando sedes de instituições como a SUDENE, a Eletrobras Chesf, o Comando Militar do Nordeste, dentre muitas outras, e o maior número de consulados estrangeiros fora do eixo Rio-São Paulo.[8] [15] O município é a capital nordestina com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) segundo dados da ONU de 2010, figurando como a capital mais alfabetizada, com a menor incidência de pobreza e a com a maior renda média domiciliar mensal do Nordeste do país.[5]

A cidade do Recife foi eleita por pesquisa encomendada pela MasterCard Worldwide como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo. Apenas cinco cidades brasileiras entraram na lista, tendo o Recife recebido a quarta posição, após São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, e à frente de Curitiba.[16] Segundo a consultoria britânica PricewaterhouseCoopers, o Recife será uma das cem cidades mais ricas do mundo em 2020.[17] [18]

Mais antiga entre as capitais estaduais brasileiras, o Recife surgiu como "Ribeira de Mar dos Arrecifes" no ano de 1537, na principal área portuária da Capitania de Pernambuco, conhecida em todo o mundo comercial da época, graças à cultura da cana-de-açúcar.[19] No século XVII, a cidade ficou vinte e quatro anos sob domínio da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, tendo como um dos administradores da colônia o conde Maurício de Nassau.[20] Após a expulsão dos neerlandeses, feita na Insurreição Pernambucana, o Recife emerge como a cidade mais importante de Pernambuco, tendo uma grande vocação comercial influenciada principalmente pelos comerciantes portugueses, os chamados "mascates".[21] Dentre as suas muitas alcunhas atribuídas, "Veneza Brasileira" é a mais conhecida. O romancista francês Albert Camus esteve no Recife em 1949 e comparou a capital pernambucana a outra cidade italiana ao descrevê-la, em seu livro Diário de Viagem, como a "Florença dos Trópicos".[22]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Arrecife é a forma antiga do vocábulo recife, ambos originários do árabe ár-raçif, que significa calçada, caminho pavimentado, linha de escolhos, dique, paredão, cais, molhe. Em sua forma arcaica, “arracefe”, o vocábulo já era utilizado em 1258, segundo registra o dicionarista José Pedro Machado. Assim, o topônimo da atual cidade do Recife resulta do acidente geográfico, cuja designação é registrada pela primeira vez no Diário de Pero Lopes de Souza, que denominou o seu porto natural de “Barra dos Arrecifes” (1532), e no chamado Foral de Olinda (1537), no qual o primeiro donatário, Duarte Coelho Pereira, nomeia-o “ribeiro do mar dos Arrecifes dos Navios”.[23] No mapa do cartógrafo João Teixeira Albernaz (1618) o local encontra-se registrado como “Lugar do Recife”, menção certa aos primórdios da antiga povoação, depois chamada Vila de Santo Antônio do Recife (1709) e, finalmente, cidade do Recife (1823).[24]

Geralmente, o nome do município dentro de frases é antecedido de artigo masculino, como acontece com os municípios do Rio de Janeiro, do Crato, do Cabo de Santo Agostinho e outros. A esse respeito, muitos intelectuais recifenses e pernambucanos já se pronunciaram, entre eles Gilberto Freyre, em seu livro "O Recife, sim! Recife, não!", em 1960.[25] [26] Por outro lado, o gramático Napoleão Mendes de Almeida afirma, em longo arrazoado, que não se deve usar o artigo definido para fazer referência à cidade, mas apenas ao bairro homônimo: "o bairro do Recife na cidade de Recife".[27]

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros povos e colonização portuguesa[editar | editar código-fonte]

Olinda, primeira capital de Pernambuco e Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, com Recife ao fundo. Recife, mais antiga capital estadual do Brasil, tem sua origem intimamente ligada a Olinda.[19]

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que ocupavam a região da atual cidade do Recife foram expulsos para o interior do continente por povos tupis procedentes da Amazônia.[28]

Quando os portugueses chegaram à região, no século XVI, a mesma era ocupada pelo povo tupi dos caetés.[29] O atual município do Recife tem sua origem intimamente ligada ao município de Olinda. No foral (carta de direitos feudais) de Olinda, concedido por Duarte Coelho em 1537, há uma referência a "Arrecife dos navios", um lugarejo habitado por mareantes e pescadores.[30] O Recife permaneceu português até a independência do Brasil, com a exceção de um período de ocupação holandesa entre 1630 e 1654.[31]

Durante os anos anteriores à invasão da Companhia das Índias Ocidentais, o povoado do Recife existiu apenas em função do porto e à sombra da sede Olinda, local que a aristocracia escolheu para residir devido à sua localização elevada, que facilitava a defesa. Ergueram-se fortificações e paliçadas em defesa do povoado e do porto do Recife, todas elas voltadas para o mar. Os temores voltavam-se para o oceano por conta dos constantes ataques ao litoral da América Portuguesa pela navegação de corso e pirataria. Ainda no final do século XVI, o "povo dos arrecifes" foi atacado e saqueado pelo pirata inglês James Lancaster que, com três navios, derrotou a pequena guarnição responsável pela defesa do porto. Entre os anos de 1620 e 1626, o então governador Matias de Albuquerque procurou estabelecer posições fortificadas no porto do Recife a fim de que se pudesse evitar outro ataque como aquele, bem como dissuadir a Companhia das Índias Ocidentais da ideia empreendida na Bahia em 1624.[32] [33]

Domínio holandês[editar | editar código-fonte]

Vista da Cidade Maurícia em 1645.
Vista da Cidade Maurícia em 1645.
A Kahal Zur Israel, primeira sinagoga do continente americano, está situada a Rua do Bom Jesus (foto), no Recife Antigo.[34]
A Kahal Zur Israel, primeira sinagoga do continente americano, está situada a Rua do Bom Jesus (foto), no Recife Antigo.[34]
Recife foi a mais cosmopolita cidade da América durante o governo de Maurício de Nassau.[35]  Na foto o Marco Zero, cartão postal da cidade.
Recife foi a mais cosmopolita cidade da América durante o governo de Maurício de Nassau.[35] Na foto o Marco Zero, cartão postal da cidade.

Em 1630, a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais invade a Capitania de Pernambuco, então a mais rica capitania do Brasil Colônia e maior produtora de açúcar do mundo.[36] [37] No Recife holandês, foi iniciada a construção de Mauritsstad (Cidade Maurícia, ou Mauriceia). O Recife foi a capital do Brasil Holandês durante 24 anos, tendo sido governada de 1637 a 1644 pelo conde alemão (a serviço da Companhia das Índias Ocidentais - West Indische Compagnie) Maurício de Nassau. O império holandês nas Américas era composto na época por uma cadeia de fortalezas que iam do Ceará à embocadura do rio São Francisco, ao sul de Alagoas. Os holandeses também possuíam uma série de feitorias na Guiné e Angola, situadas no outro lado do Atlântico, o que lhes dava controle sobre o açúcar e o tráfico negreiro, administradas pela Companhia das Índias Ocidentais.[38] [39]

O conde desembarcou na Nieuw Holland, a Nova Holanda, em 1637, acompanhado por uma equipe de arquitetos e engenheiros. Nesse ponto começa a construção de Mauritsstad, que foi dotada de pontes, diques e canais para vencer as condições geográficas locais. O arquiteto Pieter Post foi o responsável pelo traçado da nova cidade e de edifícios como o Palácio de Freeburg, sede do poder de Nassau na Nova Holanda, e do primeiro observatório astronômico do continente americano.[40] [41]

Maurício de Nassau realizou uma política de tolerância religiosa frente aos católicos e calvinistas. Além disso, permitiu a migração de judeus ao Recife e a criação de uma sinagoga, a Kahal Zur Israel, inaugurada em 1642 e considerada o primeiro templo judaico do continente americano.[34]

Nassau era também um entusiasta da ciência e das belas artes. Ao embarcar para o Brasil, trouxe uma plêiade de naturalistas e pintores para retratar e estudar a novo continente. Entre estes destacam-se os pintores Frans Post e Albert Eckhout, que retrataram as paisagens e os exóticos habitantes locais, e o médico Willem Piso e o naturalista Georg Marggraf, que estudaram a fauna e a flora, a farmacopeia local e as doenças tropicais.[42] Durante o seu governo, Recife foi a mais cosmopolita cidade de toda a América.[35] Ele retornou à Holanda em 1644, demitido devido a desentendimentos com as autoridades da Companhia, que não se contentaram com o nível de lucros das possessões brasileiras.[43]

Insurreição Pernambucana[editar | editar código-fonte]

Os novos governantes holandeses, que vieram depois da Nassau, entraram em conflito com a população local. Descontentes com o domínio holandês, 18 líderes insurretos pernambucanos assinaram compromisso para lutar contra o domínio holandês na capitania, depois de uma reunião no Engenho de São João, em 15 de maio de 1645. Com o acordo assinado, foi iniciado o contra-ataque à invasão holandesa, que durava mais de dez anos naquela altura.[44] A primeira vitória importante dos insurgentes aconteceu no Monte das Tabocas (hoje localizado no município de Vitória de Santo Antão), onde 1200 insurretos mazombos armados de armas de fogo, foices, paus e flechas derrotaram numa emboscada 1900 holandeses bem armados e bem treinados.[44]

As Batalhas dos Guararapes, episódios decisivos na Insurreição Pernambucana, são consideradas a origem do Exército Brasileiro.

O sucesso deu ao líder do movimento, Antônio Dias Cardoso, o apelido de Mestre das Emboscadas. Os holandeses que sobreviveram seguiram para Casa Forte, sendo novamente derrotados pela a liança dos mazombos, índios nativos e escravos negros. Eles então recuaram novamente para as casas-forte em Cabo de Santo Agostinho, Pontal de Nazaré, Sirinhaém, Rio Formoso, Porto Calvo e Forte Maurício, sendo sucessivamente derrotados pelos insurretos.[44]

Devido à Primeira Guerra Anglo-Neerlandesa, a República Holandesa não conseguiu auxiliar os holandeses em território brasileiro. Com o fim da guerra contra os ingleses, a Holanda exige a devolução da colônia em maio de 1654. Sob ameaça de uma nova invasão do Nordeste brasileiro, Portugal cede à exigência dos holandeses e paga 4 milhões de cruzados ao longo de um período de 16 anos. Porém, em 6 de agosto de 1661, a Holanda cede formalmente a região ao Império Português através da Paz de Haia.[44]

Com a colônia holandesa tomada pelos portugueses, os judeus receberam um prazo de três meses para partir ou se converter ao catolicismo. Com medo da fogueira da Inquisição, quase todos venderam o que tinham e deixaram o Recife em 16 navios. Parte da comunidade judaica expulsa de Pernambuco fugiu para Amsterdã, e outra parte se estabeleceu em Nova Iorque. Através deste último grupo a ilha de Manhattan, atual centro financeiro dos Estados Unidos, conheceu grande desenvolvimento econômico; e descendentes de judeus egressos do Recife tiveram participação ativa na história estadunidense: Gershom Mendes Seixas, aliado de George Washington na Guerra da Independência dos Estados Unidos; seu filho Benjamin Mendes Seixas, fundador da Bolsa de Valores de Nova Iorque; Benjamin Cardozo, juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos ligado a Franklin Delano Roosevelt; entre outros. A economia açucareira local passou então a enfrentar a competição das Antilhas Holandesas, para onde os holandeses levaram a tecnologia da produção de açúcar.[45] [46] [47]

Movimentos nativistas e separatistas[editar | editar código-fonte]

Revolução Pernambucana, único movimento separatista colonial que ultrapassou a fase conspiratória.[48]

Em 1666 a Capitania de Pernambuco lutava por reconstruir suas duas principais cidades - Recife e Olinda - destruídas com as lutas contra os invasores holandeses. Os senhores de engenho, radicados em Olinda e com reservas quanto ao porto do Recife, acreditavam merecer maiores reconhecimentos da Coroa Portuguesa, pelo contributo na expulsão dos neerlandeses. Portugal, entretanto, mandou para governar a Capitania Jerônimo de Mendonça Furtado, um estranho, contrariando assim os interesses de muitos pernambucanos, que se julgavam merecedores de ocupar a função, e não um estrangeiro. O estopim do movimento, que culminou com a prisão e deposição do governador, foi a estada, no porto do Recife, de uma esquadra francesa, que por ordem da Corte, foram bem tratados. Os insurgentes fizeram divulgar a notícia de que o governador estaria a serviço dos estrangeiros, que preparavam um ataque à província, e seu consequente saque.[49]

Quadro que retrata Frei Caneca, líder e mártir da Confederação do Equador.

Após a invasão holandesa, muitos comerciantes vindos de Portugal - chamados pejorativamente de "mascates" - estabelecem-se no Recife, trazendo prosperidade à vila. O desenvolvimento do Recife foi visto com desconfiança pelos olindenses, em grande parte formada por senhores de engenho em dificuldades econômicas. O conflito de interesses políticos e econômicos entre a nobreza açucareira pernambucana e os novos burgueses deu origem à Guerra dos Mascates, entre os anos de 1710 e 1711, durante a qual o Recife foi palco de combates e cercos.[50] [51] [52] A Guerra dos Mascates é considerada como um movimento nativista, precursor da Independência do Brasil, pela historiografia em história do Brasil.[53]

Em 6 de março de 1817 eclodiu no Recife a chamada Revolução Pernambucana, também conhecida como "Revolução dos Padres". Dentre as suas causas, destacam-se a influência das ideias Iluministas propagadas pelas sociedades maçônicas (sociedades secretas), a crise econômica regional, o absolutismo monárquico português e os enormes gastos da Família Real e seu séquito recém-chegados ao Brasil — o Governo de Pernambuco era obrigado a enviar para o Rio de Janeiro grandes somas de dinheiro para custear salários, comidas, roupas e festas da Corte, o que ocasionava o atraso no pagamento dos soldados, gerando grande descontentamento do povo brasileiro. No regimento de artilharia, o capitão José de Barros Lima, conhecido como Leão Coroado, reagiu à voz de prisão e matou a golpes de espada o comandante Barbosa de Castro. Depois, na companhia de outros militares rebelados, tomou o quartel e ergueu trincheiras nas ruas vizinhas para impedir o avanço das tropas monarquistas. O governador Caetano Pinto de Miranda Montenegro refugiou-se no Forte do Brum, mas, cercado, acabou se rendendo. O movimento foi liderado por Domingos José Martins, com o apoio de Antônio Carlos de Andrada e Silva e de Frei Caneca. Tendo conseguido dominar o Governo Provincial, se apossaram do tesouro da província, instalaram um governo provisório e proclamaram a República. A repercussão da Revolução Pernambucana contribuiu para facilitar o processo de emancipação de Alagoas, que logrou obter autonomia pelo Decreto de 16 de setembro de 1817. O desmembramento da Comarca de Alagoas da jurisdição de Pernambuco foi sancionado por D. João VI.[54] [55]

Exército do Império do Brasil ataca as forças confederadas no Recife, em 1824, no contexto da Confederação do Equador.

Em 1824, a Confederação do Equador, um movimento revolucionário, de caráter emancipacionista (ou autonomista) e republicano, surgiu em Pernambuco e representou a principal reação contra a tendência absolutista e a política centralizadora do governo de D. Pedro I (1822-1831), esboçada na Carta Outorgada de 1824, a primeira Constituição do país. Pernambuco esperava que a primeira Constituição do Império seria do tipo federalista, e daria autonomia para as províncias resolverem suas questões. Como punição a Pernambuco, D. Pedro I determinou, através de decreto de 07/07/1825, o desligamento do extenso território da Comarca do Rio São Francisco (atual Oeste Baiano), passando-o, inicialmente, para Minas Gerais e, depois, para a Bahia.[56] Entre 1848 e 1850, a chamada "Revolução Praieira", um movimento de caráter liberal e separatista, surgiu durante o Segundo Reinado, em Pernambuco. A última das revoltas provinciais está ligada às lutas político-partidárias que marcaram o Período Regencial e o início do Segundo Reinado. Sua derrota representou uma demonstração de força do governo de D. Pedro II (1840-1889).[57]

Panorama do Recife em 1855, por Friedrich Hagedorn.

Início do século XX até os dias atuais[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970 Recife era ainda a terceira maior metrópole do Brasil, e foi um dos principais centros de atuação da Ditadura Militar.[58] [59] Na foto o Monumento Tortura Nunca Mais.

No início do século XX, o Recife era ainda uma cidade muito influente: só perdia em importância político-econômica para o Rio de Janeiro.[60] Nos anos 1910, o Recife pretendia se tornar uma cidade moderna, tal como Paris, através da reforma do porto e construção de largas avenidas, sem preocupação com a preservação dos edifícios históricos, muitos dos quais completamente demolidos. Como em todo o Brasil, o modernismo não afetou as graves diferenças sociais. Iniciou-se então um período de agitação cultural, e a Belle Époque mostrou a busca de novas linguagens para traduzir as velozes mudanças trazidas pelas novas técnicas. Os recifenses tinham até os meados do século uma forte influência cultural francesa.[61]

Em 1934, Pernambuco assumiu posição inovadora ao contratar Burle Marx e o arquiteto Luiz Nunes. O bairro de Boa Viagem tornou-se um local onde a elite recifense possuía casas de veraneio já no início do século.[62]

Na década de 1950, o Recife ganhou seu contorno urbano atual, com o crescimento populacional ocasionado pela migração de pessoas do interior nordestino e a extinção dos mocambos, obrigando a população pobre a viver nos morros. A cidade já buscava mostrar uma perspectiva positiva de si, escondendo as mazelas sociais.[63]

Em 1966, houve um atentado terrorista cujo alvo era o ditador militar e então presidente da República, Arthur da Costa e Silva, enquanto desembarcava no Aeroporto dos Guararapes. Houve mortos e feridos, mas o presidente escapou, chegando ao Recife de carro a partir de João Pessoa.[64] Um dos principais centros de atuação do Regime Militar no país, foi na metrópole pernambucana que se iniciou, em 1983, o movimento "Diretas Já", que se expandiu por todo o país e foi responsável por apressar o fim da ditadura no Brasil.[59] [65]

Em 2009, o Cindacta III, sediado no Recife, coordenou a busca pelos destroços do voo Air France 447, considerado o pior acidente aéreo da história da aviação brasileira.[66]

Panorama do bairro de Santo Antônio em dezembro de 2014.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pontes centenárias sobre o trecho de confluência dos rios Capibaribe e Beberibe. No centro da foto a Praça da República na Ilha de Antônio Vaz.
Pontes centenárias sobre o trecho de confluência dos rios Capibaribe e Beberibe. No centro da foto a Praça da República na Ilha de Antônio Vaz.
Praia de Boa Viagem, Zona Sul.
Pontes sobre a Bacia do Pina, que ligam a Zona Sul ao Centro e Zona Norte do Recife.
Pontes sobre a Bacia do Pina, que ligam a Zona Sul ao Centro e Zona Norte do Recife.

O Recife é a capital do sétimo estado mais populoso do Brasil, Pernambuco,[4] situando-se próximo ao paralelo 8º04'03'' sul e do meridiano 34º55'00'' oeste. Ocupa uma área de 218,435 quilômetros quadrados,[3] e se limita com os municípios de Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Olinda.[67] Sede da Região Metropolitana do Recife (RMR), a capital pernambucana possui a quarta maior rede urbana do Brasil em população, com área de influência direta que abrange os estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte (este último junto com Fortaleza), avançando ainda sobre o norte da Bahia (junto com Salvador).[68]

Geologia e relevo[editar | editar código-fonte]

A cidade do Recife está situada sobre uma planície aluvional (fluviomarinha), constituída por ilhas, penínsulas, alagados e manguezais envolvidos por cinco rios: Beberibe, Capibaribe, Tejipió e braços do Jaboatão e do Pirapama, conferindo-lhe características peculiares. Essa planície é circundada por colinas em arco que se estendem do norte ao sul, de Olinda até Jaboatão.[69]

A altitude média em relação ao nível do mar é de quatro metros, porém há algumas áreas do município que se localizam até dois metros abaixo do nível do mar, segundo o estudioso Fernando Bruce. O município se localiza na latitude de 8º 04' 03'' S e longitude de 34º 55' 00''.[70]

Os limites da cidade são: ao sul, morros com altitudes variadas, a exemplo do Morro dos Guararapes, que se prolongam desde Jaboatão dos Guararapes até Olinda; a leste, o litoral, que é guarnecido por extensos cordões de arenito (arrecifes); e a oeste, os municípios de Camaragibe e São Lourenço da Mata.[69]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Recife é conhecido como "Veneza Brasileira" graças à semelhança fluvial com a cidade europeia de Veneza. Cercado por rios e cortado por pontes, é cheio de ilhas e mangues. Na cidade acontece o encontro dos rios Beberibe e Capibaribe que deságuam no Oceano Atlântico. O município conta com dezenas de pontes, entre elas a mais antiga da América Latina, a Ponte Maurício de Nassau.[71]

Na vasta rede de rios e canais da metrópole pernambucana se destacam as bacias dos rios Capibaribe, Beberibe, Tejipió e um sistema de drenagem composto por uma série de cursos d’água secundários ou canais, afluentes ou interligados à drenagem principal. Sua malha hídrica é composta por cursos d’água como os rios Moxotó, Jangadinha, Jiquiá e Jordão, além de diversos canais, e recebe ainda a contribuição do rio Capibaribe pelo seu "braço morto", e também de corpos d’água de expressão em áreas como a Lagoa do Araçá, o Açude da Várzea e o Açude Jangadinha.[72]

Clima[editar | editar código-fonte]

O Recife tem um clima tropical úmido (tipo As' na classificação climática de Köppen-Geiger), típico do litoral leste nordestino, com temperaturas médias mensais sempre superiores a 18 °C, baixas amplitudes térmicas e precipitações abundantes ao longo do ano.[73] A temperatura média anual é de 25,5 °C,[74] chegando a 30 °C no verão. Tendo em conta o grande número de arranha-céus no Recife, a formação de ilhas de calor é comum, o que contribui para uma diferença de temperatura entre diferentes regiões da cidade. Segundo uma pesquisa da UFPE, em uma mesma ilha de calor no Recife a temperatura pode variar em até 13 °C,[75] sendo que o bairro mais afetado por este fenômeno é Boa Viagem.[76]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas registrados
no Recife (Curado, INMET) por meses (03/1961-presente)[77]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 117 mm 07/01/2000 Julho 176,4 mm 29/07/1990
Fevereiro 123,1 mm 16/02/1983 Agosto 335,8 mm 11/08/1970
Março 145,7 mm 19/03/2003 Setembro 108,9 mm 17/09/2000
Abril 165,3 mm 22/04/1973 Outubro 86,8 mm 14/10/1976
Maio 235 mm 24/05/1986 Novembro 48,2 mm 24/11/1980
Junho 176,4 mm 12/06/1965 Dezembro 141,1 mm 06/12/2005

O tempo médio de insolação é de 2 550 horas/ano,[78] com umidade relativa do ar de 80%.[79] O índice pluviométrico é superior a 2 000 milímetros (mm) anuais, concentrados entre abril e julho (médias mensais superiores a 300 mm), sendo julho o mês de maior precipitação (388 mm).[80] As precipitações acontecem sob a forma de chuvas, que podem vir acompanhadas de raios e trovoadas e serem de forte intensidade,[81] muitas vezes ocasionando em alagamentos.[82] A maior enchente da história do Recife foi registrada em julho de 1975.[83] Nevoeiros são mais comuns nos meses mais úmidos, sendo que um dos mais densos deles ocorreu no dia 30 de outubro de 1998, quando a cidade amanheceu cinzenta devido a uma inversão térmica.[84] Embora bastante raras, chegadas de frentes frias também podem acontecer.[85] Ventanias também são pouco comuns, sendo que uma das mais fortes aconteceu em 18 de fevereiro de 2010, quando uma rajada de 86 km/h destelhou casas.[86]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1961 a menor temperatura registrada na capital pernambucana (estação meteorológica de Curado) foi de 15 °C nos dias 2 de setembro de 1965 e 4 de agosto de 1999,[87] e a maior atingiu 35,1 °C em 21 de março de 1988.[88] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 335,8 mm em 11 de agosto de 1970. Alguns outros grandes acumulados foram 235 mm em 24 de maio de 1986, 185,9 mm em 1º de agosto de 2000, 176,4 mm em 29 de julho de 1990 e 12 de junho de 1965, 165,3 mm em 22 de abril de 1973, 162,8 mm em 29 de junho de 1990, 162 mm em 21 de julho de 1973, 159,7 mm em 10 de junho de 1980 e 154,2 mm em 8 de abril de 1986.[77] O mês de maior precipitação foi abril de 1973, quando foram registrados 770,4 mm.[89] O menor índice de umidade do ar foi registrado em 17 de janeiro de 1998, de 41%.[90]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Recife (Curado) Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 34,7 34,3 35,1 33,5 33 31,9 33,1 32,2 32,7 33,1 32,4 34,5 35,1
Temperatura máxima média (°C) 30,2 30,2 30 29,7 28,9 27,9 27,3 27,5 28,1 29 30,1 30,2 29,1
Temperatura média (°C) 26,5 26,5 26,4 25,9 25,2 24,5 23,9 23,9 24,6 25,5 26,1 26,4 25,5
Temperatura mínima média (°C) 22,4 22,6 22,7 22,6 21,9 21,6 21,1 20,6 20,7 21,4 21,9 22,2 21,8
Temperatura mínima absoluta (°C) 16,8 17,8 17,9 17,1 16,9 17,1 16 15 15 16 16,7 16,4 15
Precipitação (mm) 108,2 148,2 256,9 337,6 318,5 377,9 388,1 204,8 122 63 35,7 56,8 2 417,6
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 10 11 16 18 20 21 22 17 13 9 6 8 171
Umidade relativa (%) 73 77 80 84 85 85 85 85 78 76 74 75 79,8
Horas de sol 246,3 210,8 203,9 185,2 186,3 168,3 157,6 207,1 216,6 247,3 265,8 255,2 2 550,7
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990;[74] [91] [92] [80] [93] [78] [79] recordes de temperatura: 03/1961-presente).[87] [88]

Parques[editar | editar código-fonte]

A Praça de Casa Forte, na Zona Norte, foi o primeiro jardim público concebido por Burle Marx e um dos sete jardins de autoria do paisagista tombados pelo IPHAN no Recife.[94]
A Praça de Casa Forte, na Zona Norte, foi o primeiro jardim público concebido por Burle Marx e um dos sete jardins de autoria do paisagista tombados pelo IPHAN no Recife.[94]
Parque dos Manguezais, maior manguezal urbano da América, situado na Zona Sul. A cidade do Recife foi erguida sobre uma planície estuarina.[95] [96]
Parque dos Manguezais, maior manguezal urbano da América, situado na Zona Sul. A cidade do Recife foi erguida sobre uma planície estuarina.[95] [96]
Parque 13 de Maio, no bairro da Boa Vista, Centro.
Parque 13 de Maio, no bairro da Boa Vista, Centro.

O Recife possui algumas áreas de Mata Atlântica no seu território:[97]

O Parque Dois Irmãos é o maior parque do município. Além de parque, é horto, jardim botânico, zoológico e reserva ambiental. Como um parque, Dois Irmãos oferece uma variedade de diversões e lazer para adultos e crianças incentivando o interesse em conservação do ambiente. De seus 384,42 hectares, o Parque Dois Irmãos apresenta 350,10 hectares de reserva ambiental. O parque e a reserva são separados por arames, e os animais da reserva não podem ser mantidos em cativeiro pelo zoológico.[98]

A Mata do Engenho Uchôa,[99] [100] na Zona Sul, refúgio de vida silvestre de 20 hectares, no nível estadual, e Área de Proteção Ambiental de 192 hectares, no municipal, situada na cidade do Recife, protegida por lei pelo Estado de Pernambuco. Dos 192 hectares, 60 são de manguezal, que pertencem à União. É considerada a mais abrangente unidade de conservação do Recife. Decretada de utilidade pública em 2002, a área da Mata do Engenho Uchoa nunca foi desapropriada porque os proprietários contestaram o valor da indenização.[101] É a única área em Pernambuco que possui os três biomas: mangue, restinga e Mata Atlântica.[102]

Além disso, várias áreas do município são de manguezal. As principais encontram-se próximas ao rio Capibaribe, na Zona Sul e na fronteira com Olinda. Com 215 hectares de área, o Parque dos Manguezais, pertencente à Marinha do Brasil, está situado entre os bairros do Pina, Boa Viagem e Imbiribeira, e é banhado pelos rios Jordão e Pina. Trata-se da maior reserva de mangue em área urbana da América e uma das maiores do mundo, da qual fazem parte a Ilha de Deus, a Ilha de São Simão e a Ilha das Cabras.[95]

O Parque da Jaqueira, localizado no bairro homônimo, área nobre e residencial do Recife, foi inaugurado em 1985, e reúne dois espaços distintos: o do sítio histórico, onde se localiza a Capela de Nossa Senhora da Conceição (Capelinha da Jaqueira), e a parte destinada à prática de esportes, às atividades culturais e contemplativas. A capela foi tombada e restaurada na década de 1970, sendo emoldurada por um jardim de Burle Marx. O parque possui pistas de cooper (1.000 m), patinação (600 m) e bicicross (400 m), ciclovia (1.100 m) e instalações de apoio aos usuários.[103]

O Parque 13 de Maio, localizado entre as ruas da Saudade, João Lira, Princesa Isabel e do Hospício, na Boa Vista, possui pista de cooper, pequeno zoológico, parque infantil e vários monumentos. Em seu entorno estão alguns prédios centenários, como o da Faculdade de Direito do Recife (a primeira do país) e a sede da Câmara de Vereadores. Teve sua construção iniciada em 1892, na gestão do governador Alexandre José Barbosa Lima. Em 1939, foi transformado em parque pelo então prefeito Antônio Novaes Filho.[104]

O Parque das Esculturas Francisco Brennand, situado no molhe do bairro do Recife, de frente à Praça do Marco Zero, foi inaugurado em dezembro de 2000. O espaço foi criado em comemoração aos 500 anos do descobrimento do Brasil, em realização ao projeto da prefeitura do Recife "Eu vi o Mundo... Ele começava no Recife". O museu ao ar livre abriga 90 obras que retratam mistérios do artista plástico pernambucano Francisco de Paula de Almeida Brennand. No local, podem-se observar diversos monumentos de cerâmica, como as sereias, e várias esculturas em bronze, como os pelicanos. O destaque do ambiente é a "Torre de Cristal", construída com 32 metros de altura, composta por argila e bronze.[105]

Outros parques muito frequentados são o Jardim Botânico do Recife, o Parque Santana, o Sítio da Trindade, o Parque Dona Lindu, entre outros.[97]

Problemas ambientais[editar | editar código-fonte]

O rio Capibaribe, considerado o sétimo rio mais poluído do Brasil, é receptor de grande quantidade de esgoto doméstico in natura e efluentes industriais.[106]

Recife foi a terceira cidade da América do Sul a ter rede coletora de esgoto sanitário, após Montevidéu e Rio de Janeiro,[107] porém, nos dias atuais, parte significativa de sua população vive em condições ambientais insalubres, o que repercute na qualidade de vida, sobretudo para aqueles que habitam nas áreas pobres da cidade. Em 2010, a proporção de domicílios com saneamento básico adequado, ou seja, o percentual de domicílios do Recife com abastecimento de água por rede geral, esgotamento sanitário por rede geral ou fossa séptica e lixo coletado diretamente ou indiretamente era de 59,8%; um aumento de exatos 10% em comparação ao percentual registrado em 2000. Já a proporção de domicílios com saneamento semiadequado (entende-se por saneamento básico semiadequado a presença de pelo menos uma forma de saneamento considerada adequada) era de 39,9%; contra 49,3% registrados em 2000. O percentual de domicílios em que todas as formas de saneamento foram consideradas inadequadas foi de 0,4%, ante 0,9% em 2000.[108]

As características peculiares da cidade quanto à sua geomorfologia, aliadas a um processo de urbanização realizado às custas da ocupação do espaço natural das águas apontam para uma crescente dificuldade de escoamento das águas pluviais no território municipal. Esta circunstância sobrecarrega as estruturas do sistema de drenagem e provoca, em muitos casos, inundações indesejáveis, às vezes permanentes, nas áreas mais baixas.[109] Além do mais, a efetividade desse sistema de macrodrenagem ainda é diminuída pela deficiência do sistema de microdrenagem a montante, pelos problemas de assoreamento e deslizamento dos morros e pelas naturais condições da cidade situada ao nível do mar. No caso das encostas dos morros, a ocupação desordenada e realizada à revelia dos princípios básicos da drenagem, contribui para agravar os problemas relativos à macrodrenagem, além de torná-las áreas de risco, sujeitas a desmoronamentos, ameaçando, dessa forma, as vidas de seus moradores.[110]

Destaca-se na reciclagem, estando na quinta posição no ranking das cidades brasileiras com o melhor índice de arrecadação de resíduos sólidos urbanos para a coleta seletiva, com uma média de 1.350 toneladas recolhidas por mês.[111] Os principais elementos da problemática dos resíduos sólidos no Recife ainda são o alto custo da coleta e do destino finale o destino final dos resíduos que fica fora do território municipal no bairro de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, em aterro cuja gestão é compartilhada, ficando sob a responsabilidade do Recife as tarefas operacionais; o destino final de resíduos sólidos especiais; os cadáveres de animais recolhidos no Recife ou sacrificados no Centro de Vigilância Animal da Secretaria Municipal de Saúde que atende também ao Município de Olinda; os resíduos hospitalares provenientes das unidades de saúde municipais, estaduais, federais e privadas localizadas no município.[110]

Incidentes com tubarão[editar | editar código-fonte]

Placas de sinalização sobre o risco de ataque de tubarão na Praia de Boa Viagem.

A maior parte da Praia de Boa Viagem é protegida por uma barreira de recifes naturais, e as autoridades não recomendam o banho além dos recifes, para evitar ataques de tubarões. Além disso, o surfe atualmente é proibido, embora o antigo governador do estado tenha autorizado, no início do ano de 2006, a instalação de uma rede de proteção contra os tubarões. Em 2007, o Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit) iniciou o processo de instalação, nos tubarões capturados, de sensores que possibilitam a monitoração via satélite, visando identificar o momento de aproximação dos animais da costa, numa área que compreende a Praia do Paiva até a Praia do Pina, para então retirar os tubarões da localização de risco. Hoje em dia os ataques são mais raros, porém as restrições permanecem.[112]

Segundo especialistas, os ataques de tubarão no litoral recifense são resultado do impacto ambiental provocado pela construção do Porto de Suape, que exigiu o aterramento de dois estuários onde os tubarões-touro davam à luz.[113] Outros fatos contribuem para o aparecimento de tubarões na área da Praia de Boa Viagem: as correntes marinhas direcionam os animais para esse trecho de 20 quilômetros; e nesse ponto os animais encontram dois canais de águas profundas, e quando o tubarão se desvia da rota migratória comum e entra nesses canais, há grande risco de contato com pessoas. Como o ser humano não faz parte do cardápio alimentar dos tubarões, a maior parte dos ataques acontece por engano: quando a água está turva, o tubarão que está à caça por alimento não consegue perceber a diferença entre uma pessoa e um peixe grande.[114]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 116 671
1890 111 556 -4,4%
1900 113 106 1,4%
1920 238 843 111,2%
1940 348 424 45,9%
1950 524 682 50,6%
1960 797 234 51,9%
1970 1 084 459 36,0%
1980 1 240 937 14,4%
1991 1 296 995 4,5%
2000 1 421 993 9,6%
2010 1 537 704 8,1%
Est. 2014 1 608 488 [4] 13,1%
Fonte: IBGE[115]

Recife foi a quarta cidade brasileira a atingir um milhão de habitantes no censo de 1970, após São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, sendo que a capital mineira ultrapassou a capital pernambucana em população ainda durante a década de 1960. No decorrer dos anos 1970, Recife viu sua taxa de crescimento populacional cair vertiginosamente pelo fato de possuir uma pequena extensão territorial em comparação a outras capitais, perdendo, deste modo, população para municípios de sua região metropolitana, como Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Paulista.[116]

No censo demográfico de 2010, a população do Recife era de 1 537 704 habitantes, todos residentes na zona urbana, sendo o terceiro município mais populoso da região Nordeste e o nono do país, concentrado 17,5% da população estadual e apresentando densidade populacional de 7 037,61 hab./km², a quarta maior dentre as capitais brasileiras, depois de Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro.[115] [117] Desse total, 827 885 habitantes eram mulheres (53,84%) e 709 819 homens (46,16%).[118] Quanto à faixa etária, 1 089 774 tinham entre 15 e 64 anos (70,87%), 322 831 menos de quinze anos (20,99%) e 125 099 mais de 65 anos (8,14%).[119] Para 2014, a estimativa populacional é de 1 608 488 habitantes.[4]

Ainda segundo o mesmo censo, 764 884 habitantes eram pardos (49,74%), 628 735 brancos (40,89%), 125 580 pretos (8,17%), 15 300 amarelos (0,99%) e 3 187 indígenas (0,21%), além de dezoito sem declaração (0,00%).[120] A maioria dos brancos do município é de ascendência portuguesa, com possível contribuição holandesa.[121] Levando-se em conta a nacionalidade da população, 1 534 231 eram brasileiros natos (99,77%), 2 415 estrangeiros (0,16%) e 1 057 naturalizados brasileiros (0,07%).[122] Ao mesmo tempo, 1 419 873 eram naturais de Pernambuco (92,34%), sendo que 1 160 929 haviam nascido no município (75,5%).[123] Dos naturais de outras unidades da federação, os estados com mais habitantes residentes no Recife eram Paraíba, São Paulo, Alagoas, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.[124]

Região Metropolitana do Recife[editar | editar código-fonte]

A Região Metropolitana do Recife (RMR) foi criada no dia 8 de junho de 1973.[125] Naquele ano era o terceiro maior aglomerado urbano do Brasil, após as regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro, com 1 755 083 habitantes recenseados em 1970.[58] No censo de 1980 foi ultrapassada pela Região Metropolitana de Belo Horizonte, e no censo de 1991 perdeu mais uma posição para a Região Metropolitana de Porto Alegre, passando a ocupar a quinta colocação entre as regiões metropolitanas do país.[58] No censo de 2010 se manteve como a quinta maior região metropolitana do Brasil; porém, considerando as regiões integradas de desenvolvimento, perdeu uma posição para a RIDE Distrito Federal e Entorno.[118] [126]

Atualmente é constituída por quatorze municípios: Abreu e Lima, Araçoiaba, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Igarassu, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Itapissuma, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Moreno, Paulista, Recife e São Lourenço da Mata,[127] que, juntos, possuíam segundo estimativa para 2014 do IBGE uma população de 3,88 milhões de habitantes, formando a sétima região metropolitana/RIDE mais populosa do Brasil, além de terceira mais densamente habitada do país, superada apenas pelas regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro.[13] [14]

Religião[editar | editar código-fonte]

De acordo com os dados do censo de 2010 do IBGE, 840 407 habitantes eram católicos (54,65%), nos quais 835 337 católicos apostólicos romanos (54,32%), 4 078 católicos apostólicos brasileiros (0,27%) e 992 católicos ortodoxos (0,06%); 384 303 evangélicos (24,99%), sendo 195 765 pentecostais (12,73%), 106 899 de missão (6,95%); e 54 788 espíritas (3,56%). Outros 224 401 não tinham religião (14,59%), dentre os quais 4 462 ateus (0,29%) e 2 840 agnósticos (0,18%); 32 443 seguiam outras religiões (2,13%) e 1 262 não souberam (0,08%).[128]

Cristianismo

A Igreja Católica inclui o território do município do Recife na Arquidiocese de Olinda e Recife, criada como diocese sufragânea da Arquidiocese de São Salvador da Bahia em 16 de novembro de 1676 e elevada à atual categoria de arquidiocese em 5 de dezembro de 1910, cuja sé arquiepiscopal está na Catedral Sé de Olinda e tendo como cossede a Concatedral São Pedro dos Clérigos, possuindo nove dioceses sufragâneas e mais de cem paróquias.[129]

Os colégios tradicionais recifenses, em sua maioria, são ou eram católicos, como o Colégio Damas da Instrução Cristã, o Colégio Marista São Luís e o Colégio Nóbrega pertencente a congregação dos Jesuítas.[130] [131] Os templos maiores, mais antigos, mais conhecidos e mais visitados pelos turistas são da Igreja Católica, como a Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio, a Concatedral São Pedro dos Clérigos, a Capela Dourada e o Convento e Igreja de Santo Antônio, a Basílica do Carmo, a Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, a Igreja Madre de Deus, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição dos Militares, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, a Igreja de Nossa Senhora do Livramento dos Homens Pardos, a Basílica da Penha, entre outras, o que se trata de um sinal de que o catolicismo romano é a religião mais professada entre os recifenses. Recife está dentro da Arquidiocese de Olinda e Recife, comandada atualmente pelo arcebispo Dom Antônio Fernando Saburido.[132]

A maior minoria religiosa do Recife é a evangélica. Os evangélicos do município são, em sua maioria, pentecostais, que por seguinte, são em sua maioria da denominação Assembleia de Deus. Outras denominações pentecostais e neopentecostais presentes são a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja do Evangelho Quadrangular, a Igreja O Brasil Para Cristo, a Congregação Cristã no Brasil, a Igreja Deus é Amor, a Igreja Cristã Maranata, entre outras.[128] Entre as denominações evangélicas tradicionais, possuem templos na cidade as igrejas de orientação batista (que respondem pela maior parte dos evangélicos de missão no município), a Igreja Adventista do Sétimo Dia, a Igreja Presbiteriana, a Luterana, a Anglicana, a Metodista e a Congregacional.[128]

Outras religiões

Destacam-se os espíritas. Também existem as Testemunhas de Jeová e os Santos dos Últimos Dias (mais conhecidos como mórmons). Os praticantes de Candomblé e Umbanda também são uma minoria relevante, sendo o Terreiro Obá Ogunté, no bairro de Água Fria, o templo afro-brasileiro mais conhecido.[133] Os judeus também estão presentes: algumas das personalidades judias que moraram no Recife foram a escritora Clarice Lispector, o filósofo Luiz Felipe Pondé, o físico Mário Schenberg, o matemático Leopoldo Nachbin, o paisagista Roberto Burle Marx, entre outros.[128] [134] Os budistas, hinduístas e muçulmanos não possuem relevância na população local.[128]

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

Segundo o "Mapa da Violência 2013", Recife e Aracaju foram as únicas capitais nordestinas que obtiveram uma redução de homicídios em 2011.[136] Segundo a mesma pesquisa Recife tinha, naquele ano, uma taxa de 57,1 homicídios por 100 mil habitantes, ou seja, quase 6 vezes a taxa de homicídios considerada aceitável pela ONU (10 homicídios/100 mil habitantes).[137] [138]

Em 2013, a capital pernambucana registrou taxa de 36,82 homicídios para um grupo de 100 mil habitantes, sendo naquele ano a 12ª capital estadual mais violenta do Brasil, após Maceió, Fortaleza, João Pessoa, Natal, Salvador, Vitória, São Luís, Belém, Goiânia, Cuiabá e Manaus.[139]

Em 2014, Recife viu sua taxa de homicídios voltar a crescer, pondo fim a uma sequência de anos de redução. A metrópole pernambucana registrou taxa de 39,05 homicídios para um grupo de 100 mil habitantes naquele ano, subindo para a 29ª posição entre as cidades mais violentas do mundo que não estão em guerra, embora tenha mantido a 12ª posição entre as capitais estaduais brasileiras.[140]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município do Recife é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários, em conformidade ao modelo proposto pela Constituição Federal.[141] O primeiro prefeito eleito do Recife foi Manoel Pinto Damaso, entre 1891 e 1893,[142] e o atual é Geraldo Júlio de Mello Filho (PSB), eleito no primeiro turno das eleições municipais de 2012, com 51,15 % dos votos válidos,[143] [144] tendo como vice Luciano Siqueira (PC do B).[145]

O poder legislativo é constituído pela Câmara Municipal, composta por 39 vereadores eleitos para mandatos de quatro anos.[146] Na atual legislatura, iniciada em 2013, é formada por seis cadeiras do Partido Socialista Brasileiro (PSB), cinco do Partido dos Trabalhadores (PT), três do Partido Trabalhista Nacional (PTN), Partido Trabalhista Cristão (PTC), três do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), três do Partido Humanista da Solidariedade (PHS), duas do Partido Verde (PV), duas do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), uma do Partido Trabalhista do Brasil (PT do B), uma do Partido Social Liberal (PSL), uma do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), uma do Partido Republicano Progressista (PRP), uma do Partido Republicano Brasileiro (PRB), uma do Partido da República (PR), uma do Partido Popular Socialista (PPS), uma do Partido Progressista (PP), uma do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), uma do Partido Democrático Trabalhista (PDT), uma do Partido Comunista do Brasil (PC do B) e uma do Democratas (DEM).[147] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).[141]

O município do Recife se rege por sua lei orgânica, promulgada no dia 3 de abril de 1990,[141] e é sede de uma comarca, com sede no Fórum do Recife.[148] Por ser a capital do estado de Pernambuco, Recife é sede dos poderes executivo (Palácio do Campo das Princesas), legislativo (Assembleia Legislativa de Pernambuco) e judiciário (Tribunal de Justiça de Pernambuco) estaduais.

Gestão federal[editar | editar código-fonte]

Sede do Comando Militar do Nordeste, no bairro do Curado.

Recife desempenha um forte papel centralizador em sua região: é a quarta capital brasileira na hierarquia da gestão federal, atrás somente de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, abrigando grande número de sedes regionais e nacionais de instituições públicas da União, como a SUDENE, o Comando Militar do Nordeste, o Cindacta III, a Eletrobras Chesf, o TRF da 5ª Região, o II COMAR, a SRNE da Infraero, a SRNE do INSS, entre outras.[8]

O Cindacta III, unidade do DECEA/Força Aérea Brasileira sediada na capital pernambucana, controla o tráfego aéreo comercial e militar de uma vasta área do Oceano Atlântico partindo das proximidades de toda a costa brasileira, além do Nordeste do Brasil, e coordenou operações como a busca pelos destroços do voo Air France 447, acidente aéreo de grande repercussão.[149] [150]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Recife tem o maior número de consulados estrangeiros fora do eixo Rio-São Paulo, sendo inclusive a única cidade, com exceção de São Paulo e do Rio de Janeiro, que tem Consulados-Gerais de países como Estados Unidos, China, França e Reino Unido, além de ser uma das quatro cidades que abrigam os Consulados-Gerais da Alemanha no Brasil.[15] [151] O Consulado dos Estados Unidos no Recife, fundado em 1815, é o mais antigo do Hemisfério Sul e um dos mais antigos do mundo.[152]

Cidades-irmãs

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Conforme a lei municipal nº 16 293, de 22 de janeiro de 1997, Recife se divide em seis regiões político-administrativas (RPAs): Centro, Norte, Noroeste, Oeste, Sudoeste e Sul. As RPAs, por sua vez, dividem-se em microrregiões, que agrupam os bairros. Ao todo, são 94 bairros, instituídos pelo decreto municipal 14 452, de 26 de outubro de 1988.[156] Conforme censo de 2010, a RPA Sul era a mais populosa, com 382 650 habitantes, enquanto a RPA Centro era a menos populosa, com uma população de 78 114 pessoas. No mesmo censo, o bairro mais populoso do Recife era Boa Viagem, localizada na RPA Sul, com 122 922 habitantes, e o menos populoso, situado na RPA Noroeste, era Pau-Ferro, com apenas 72 pessoas residentes.[157]

Economia[editar | editar código-fonte]

Atividades econômicas do município do Recife - 2012

O Recife registrou PIB nominal de 36,821 bilhões de reais e PIB nominal per capita de 23.679,08 reais em 2012.[6] Cerca de dois terços do PIB são provenientes de comércio e serviços. No mesmo ano, a Região Metropolitana do Recife atingiu um PIB nominal de 75,889 bilhões de reais, o maior entre as regiões metropolitanas do Norte-Nordeste, e que corresponde a aproximadamente dois terços do PIB total do estado de Pernambuco.[11] Na metrópole pernambucana estão situadas áreas industriais como o Complexo Industrial e Portuário de Suape, que abriga, dentre muitos empreendimentos, o Estaleiro Atlântico Sul, maior estaleiro do Hemisfério Sul.[158] [159] O Recife pertence ao Mercado Comum de Cidades do Mercosul.[160]

O Recife é o mais importante polo médico do Norte/Nordeste e o segundo mais importante do Brasil.[161] Os principais hospitais estão localizados nos bairros do Derby e da Ilha do Leite.[162]

Edifícios empresariais na região do Shopping Recife.
Edifícios empresariais na região do Shopping Recife.
RioMar Shopping. Recife tem a maior concentração de grifes de alto luxo do Norte-Nordeste, abarcando lojas Prada, Gucci, Burberry, Dolce & Gabbana, Valentino, dentre outras.[163]
RioMar Shopping. Recife tem a maior concentração de grifes de alto luxo do Norte-Nordeste, abarcando lojas Prada, Gucci, Burberry, Dolce & Gabbana, Valentino, dentre outras.[163]

Também merece destaque a indústria da construção civil na cidade. Recife possui centenas de arranha-céus residenciais e comerciais, sendo superada neste indicador no país apenas por São Paulo e Rio de Janeiro, que têm áreas municipais mais de cinco vezes superiores à da capital pernambucana.[164]

O Recife foi eleita por pesquisa encomendada pela MasterCard Worldwide em 2008 como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo.[165] Apenas cinco capitais brasileiras entraram na lista: São Paulo, que foi a cidade brasileira mais bem colocada, na 12ª posição; Rio de Janeiro (36ª posição); Brasília (42ª); Recife (47ª); e por último Curitiba (49ª). Xangai e Pequim, na China, ocuparam as duas primeiras posições. Para compor o índice que elegeu as cidades com economia mais avançada nos mercados emergentes, foram considerados o ambiente econômico e comercial, o crescimento e desenvolvimento econômico, o ambiente de negócios, o ambiente de serviços financeiros e conectividade comercial, a conectividade de educação e TI, a qualidade de vida urbana e o risco e segurança.[16]

O RioMar Shopping, localizado na Zona Sul do Recife, é o maior centro de compras do Norte-Nordeste e o terceiro maior do Brasil.[166] Pertence ao Grupo JCPM, conglomerado sediado no Recife, que é proprietário, dentre outros centros comerciais, do Shopping Recife (também localizado na capital pernambucana e sétimo maior do Brasil). Há ainda outros centros de compra importantes no Recife e região metropolitana, como o Shopping Tacaruna, o Plaza Shopping Casa Forte, o Shopping Paço Alfândega, o Shopping Boa Vista e o Shopping Guararapes.[167]

Recife é a cidade com a maior concentração de grifes de alto luxo do Norte-Nordeste, abarcando lojas Prada, Gucci, Burberry, Dolce & Gabbana, Valentino, Emporio Armani, Versace Collection, Hugo Boss, Coach, Diesel, Daslu, Ricardo Almeida, entre outras, além da multimarcas pernambucana Dona Santa/Santo Homem, apelidada pela imprensa nacional de "Daslu do Nordeste" e que trabalha com grifes de alta-costura como Balmain.[168] [169] [170]

Turismo[editar | editar código-fonte]

O Recife atrai turistas de todo o mundo. Destacam-se entre os motivos desta atração as manifestações culturais e as festividades bem como os parques e museus e as igrejas barrocas e construções históricas diversas. O Recife é o portão de entrada do litoral de Pernambuco, de onde partem os turistas que chegam de avião.[171]

O galo na Ponte Duarte Coelho, símbolo do bloco Galo da Madrugada do Carnaval do Recife.

O Centro do Recife é o principal conjunto arquitetônico e cultural do município: os bairros do Recife, de Santo Antônio, de São José, da Boa Vista e de Santo Amaro abrigam galerias, museus e outros espaços culturais. Outras áreas de interesse são Jaqueira, Casa Forte, Poço da Panela, Espinheiro, Ponte d'Uchoa, Graças, Derby, dentre outros bairros.[172] [173]

O Carnaval Recife/Olinda, considerado a folia de momo mais democrática e culturalmente diversa do país, é conhecido por seus característicos bonecos de olinda e pelos ritmos do frevo e do maracatu, como também pelo maior bloco carnavalesco do mundo segundo o Guinness Book 1995, o Galo da Madrugada.[174]

Recife é conhecida como a "Capital Brasileira dos Naufrágios", e atrai mergulhadores de todo o mundo por sua rica vida marinha e suas águas calmas e cristalinas com temperaturas próximas dos 30 graus.[175] [176]

A capital pernambucana é também conhecida como a "Capital das Assombrações", e possui um roteiro turístico chamado "Recife Mal Assombrado", no qual se visita monumentos como a Cruz do Patrão, que segundo a tradição é o local mais mal-assombrado do Recife.[177] [178] Outro dentre os muitos roteiros turísticos da cidade é o "Passeio de Catamarã pelo Rio Capibaribe", no qual se pode visualizar pontos de interesse como o Parque das Esculturas Francisco Brennand, pontes e edifícios históricos do Recife.[179] [180]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, nascida da transferência da Faculdade de Direito de Olinda, é a mais antiga faculdade de Direito do Brasil ao lado do curso de Direito da USP.[181]
A Universidade Federal de Pernambuco é a melhor universidade do Norte-Nordeste.[182] [183] [184]

O Recife conta com importantes universidades públicas e privadas, sendo a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) a única universidade do Norte-Nordeste entre as dez melhores do Brasil segundo o Ranking Universitário Folha, na 10ª posição,[185] embora ocupe a 36ª posição no ranking d'O Globo, que considera a porcentagem de cursos com nota 5 na avaliação do Enade.[186] A UFPE também foi classificada pelo QS World University Rankings, em 2013, como a melhor universidade do Norte-Nordeste e a 8ª melhor universidade federal brasileira, bem como a 15ª melhor universidade do país, tendo ocupado a 43ª posição entre as instituições da América Latina; e embora tenha sido ultrapassada pela Universidade Federal do Paraná com relação ao ano anterior, continua à frente de instituições como a Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidade Federal da Bahia.[182] [183] [184]

A Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco obteve aproveitamento de 78,57% no Exame de Ordem (2011.1), sendo o segundo maior percentual do país, após o curso de Direito da Universidade Federal do Espírito Santo.[187] Nela importantes nomes da história brasileira estudaram, destacando expoentes como Barão do Rio Branco, Castro Alves, Clóvis Bevilaqua, Tobias Barreto, Ruy Barbosa, Joaquim Nabuco, Eusébio de Queirós, Teixeira de Freitas, Raul Pompeia, Nilo Peçanha, Augusto dos Anjos, Marquês de Paraná, Epitácio Pessoa, Assis Chateaubriand, José Lins do Rego, Graça Aranha, Pontes de Miranda, dentre inúmeros outros.

Conta também a cidade do Recife com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), instituição criada em 1912 pelos monges beneditinos no Mosteiro de São Bento em Olinda, tendo medicina veterinária como seu primeiro curso.[188] A Universidade Católica de Pernambuco é um dos maiores complexos de ensino jesuíta do Brasil.[189] Também se destacam o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), que pertence à Rede Federal de Educação Tecnológica, está situada na Cidade Universitária; a ETEPAM (Escola Técnica Estadual); o Ginásio Pernambucano, que funciona como um centro de ensino experimental; o Colégio de Aplicação da UFPE; o Colégio Militar do Recife; o Colégio da Polícia Militar de Pernambuco e o Liceu de Artes e Ofícios de Pernambuco, que funciona no Complexo Nóbrega, localizado no Campus Universitário da UNICAP. O Colégio de Aplicação da UFPE foi três vezes eleito a melhor escola pública do Brasil.[190]

Mais de 144 mil estudantes estão matriculados nas escolas municipais do Recife. No ensino fundamental municipal a matrícula é de quase cem mil crianças, e as duas escolas do Ensino Médio municipais contam com aproximadamente 2 mil estudantes. A Educação de Jovens e Adultos (EJA) possui mais de 25 mil estudantes, a maioria em horário noturno.[191] Apesar de ter havido uma redução, a taxa de analfabetismo de pessoas com mais de 15 anos de idade ainda é alta em comparação com algumas capitais brasileiras. Em 2003, 10,6% das pessoas com mais de 15 anos ainda era analfabeta.[192] Em 2010, esse índice era de 7,13% o que indica uma queda significativa, porém insuficiente para ser considerada uma cidade livre do analfabetismo segundo o MEC.[193] [194]

Embora existam no Recife importantes instituições de ensino, tanto públicas como privadas, há uma falta de infraestrutura evidente. Na cidade só existem três bibliotecas públicas: a Biblioteca Popular de Afogados, a Biblioteca Popular de Casa Amarela e a Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco. Em comparação, a cidade de Montreal, no Canadá, cuja população é bastante semelhante à da capital pernambucana, tem 36 bibliotecas públicas.[195]

Saúde[editar | editar código-fonte]

O Hospital Pedro II, inaugurado em 1861, pertence atualmente ao IMIP.
Recife é o segundo maior polo médico do Brasil, depois de São Paulo.[161] [196] Na foto a Avenida Agamenon Magalhães, onde há grande concentração de hospitais.

Recife possui uma complexa rede de serviços no setor público, ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Existem 118 Unidades básicas de Saúde, estabelecidas na maioria dos bairros da cidade, que ofertam consultas médicas (Criança, Adulto, Idoso), vacinação, pré-natal, planejamento familiar e exame ginecológico. Cerca de metade destas unidades também oferecem consultas odontológicas. As unidades básicas funcionam de 7:30 às 17:00.[197]

Os serviços públicos de urgência 24h realizam atendimento nas áreas de clínica geral, ortopedia e pediatria. São quarenta Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) localizadas em pontos de fácil acesso (Avenida Caxangá, Avenida Abdias de Carvalho, Imbiribeira e Nova Descoberta). Além destas, existem cinco policlínicas 24h que realizam atendimento semelhante e estão localizadas nos bairros de Casa Amarela, Afogados, Parnamirim (apenas pediatria), Campina do Barreto e Ibura. Pessoas com suspeita de infarto ou outro problema cardiológico também podem se dirigir ao Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco (PROCAPE), unidade de atendimento do SUS e segundo maior hospital de cardiologia da América Latina.[198]

Outros hospitais importantes são: Hospital Ulysses Pernambucano, segundo hospital psiquiátrico do Brasil; Hospital da Restauração; Hospital Getúlio Vargas; Hospital Barão de Lucena; Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco; e Hospital Universitário Oswaldo Cruz.[199] O Hospital da Restauração é a maior unidade da rede de saúde pública de Pernambuco e o maior e mais complexo serviço de urgência e trauma do Norte/Nordeste,[200] recebendo pacientes de todo o estado e de estados vizinhos. Referência nas áreas de trauma, neurocirurgia, neurologia, cirurgia geral, clínica médica e ortopedia, possui 482 leitos registrados no Ministério da Saúde (MS), mas, incluindo os extras, funciona com um total de 723 leitos para atender a demanda que lhe é submetida. Desde junho de 2010, a antiga Emergência Geral foi desmembrada em três emergências com entradas e espaços independentes: Emergência Pediátrica, Emergência Traumatológica e Emergência Clínica.[200] Os hospitais particulares do Recife, equipados com máquinas de última geração, fazem da capital pernambucana o segundo maior polo médico e hospitalar do Brasil.[201] Recife também possui o segundo maior número de médicos por grupo de mil habitantes do país – segundo o Conselho Federal de Medicina.[202]

Em 2007, de acordo com a Prefeitura do Recife, a taxa de mortalidade infantil no município era de treze por mil nascidos vivos.[203]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Metrô do Recife, terceiro sistema metroviário mais antigo do Brasil, além de segundo mais extenso do país.[204]
O Aeroporto Internacional do Recife é o melhor aeroporto do Brasil e um dos cinco melhores do mundo segundo a Revista TAM.[205]

Recife foi a primeira cidade do mundo a operar locomotivas a vapor construídas especialmente para rodar nas ruas: a chamada "maxambomba" (do inglês machine pump), sistema inaugurado no ano de 1867.[206] Foi também a primeira cidade da América do Sul com conexão direita (non-stop) para a Europa, especialmente para a Alemanha, por meio de dirigíveis.[207] A capital pernambucana tem a única estação de atracação de dirigíveis do mundo preservada em sua estrutura original, a Torre do Zeppelin.[207]

Atualmente o município possui uma frota de aproximadamente 2.800 ônibus coletivos, que transportam diariamente 2 milhões de pessoas,[208] e um sistema de metrô, que transporta 225 mil passageiros por dia.[209]

A cidade tem sofrido um forte aumento no número de automóveis em circulação, o que tem causado problemas para estacionar aos habitantes.[210] De acordo com o relatório do Detran-PE de Março de 2015, o Grande Recife apresentava uma frota de 1.246.107 veículos.[211] Destes, 43% eram emplacados em outras cidades da RMR, mas circulavam pelo município.

O Porto do Recife, situado no Recife Antigo, foi um dos principais portos do Brasil Colônia. Atualmente, tem sua base operacional centrada na movimentação de granéis sólidos, compreendendo grãos, clínquer, barrilha e carga geral. Diferencia-se dos demais portos por situar-se num centro urbano e conseguir operar sem interferir no município. Além do transporte de cargas e matérias-primas, o Porto do Recife vem consolidando-se como local de atracação de importantes cruzeiros marítimos, impulsionando o turismo.[212]

O Aeroporto Internacional do Recife, com capacidade anual superior a 16 milhões de passageiros,[213] conta com 64 balcões de check-in, 21 posições para aeronaves, sendo 11 dotadas de jetways (conectores climatizados), além de 2.120 vagas de estacionamento e área de compras e lazer com 165 pontos comerciais, seguindo o conceito de "aeroshopping". Segundo a Infraero, é o maior complexo aeroportuário e segundo mais movimentado do Norte-Nordeste do Brasil.[214] O aeroporto foi citado pela Revista TAM como um dos cinco melhores do mundo juntamente com terminais de Madri, Munique, Singapura e Londres, e foi eleito o melhor terminal aeroportuário do Brasil em 2014.[205] [215]

Mídia[editar | editar código-fonte]

A TV Globo Nordeste, situada no Recife, é a única emissora própria da Rede Globo no Norte-Nordeste.

O Recife possui três grandes jornais: o Diario de Pernambuco, o jornal mais antigo em circulação na América Latina, fundado em 7 de novembro de 1825, que atualmente faz parte do grupo Diários Associados, fundado pelo empreendedor Assis Chateubriand;[216] o Jornal do Commercio, líder em circulação de exemplares no Norte/Nordeste, com o maior número de assinantes do Estado de Pernambuco, que faz parte do Sistema Jornal de Commercio de Comunicação, pertencente ao Grupo JCPM;[217] e a Folha de Pernambuco, fundada em 3 de abril de 1998, pertencente ao grupo Empresarial EQM, do empresário Eduardo de Queiroz Monteiro.[218] Também se destaca o AquiPE, jornal de formato tabloide com notícias de cunho popular.[219]

Possui diversas emissoras de rádio, algumas delas de difusão nacional, como a Nova Brasil FM, a Transamérica Pop e a Jovem Pan. Outras emissoras de rádio são: CBN Recife, Rádio Jornal, Rádio Clube, Recife FM, entre outras.A metrópole possui várias emissoras de televisão aberta: Rede Globo Nordeste (única emissora própria da Rede Globo no Norte-Nordeste), TV Jornal, afiliada do SBT; TV Clube, afiliada da Rede Record; a Rede TV! Recife, filial da RedeTV!; TV Tribuna Recife, afiliada da Rede Bandeirantes; TV Universitária, a primeira emissora de televisão educativa do Brasil, fundada em 1968, afiliada da TV Brasil; TV Recife, afiliada da MTV Brasil; e a Rede Estação.[220]

Planejamento urbano[editar | editar código-fonte]

Parque da Jaqueira. A Zona Norte abriga bairros nobres tradicionais do Recife, como Jaqueira, Casa Forte, Espinheiro, Aflitos, dentre outros.[103]
Parque da Jaqueira. A Zona Norte abriga bairros nobres tradicionais do Recife, como Jaqueira, Casa Forte, Espinheiro, Aflitos, dentre outros.[103]
Protesto contra verticalização no Cais José Estelita.
Protesto contra verticalização no Cais José Estelita.
Viela no Morro da Conceição. Recife é a capital mais desigual do Brasil de acordo com o coeficiente de Gini.[5]
Viela no Morro da Conceição. Recife é a capital mais desigual do Brasil de acordo com o coeficiente de Gini.[5]

O espaço público tem sido tratado, muitas vezes, com desatenção. Dessa desatenção resultam espaços qualitativamente pouco expressivos, pobres do ponto de vista urbanístico e, frequentemente, pouco atraentes.[221] [222] Some-se a esses problemas, a poluição visual e sonora.[223] [224] [225] É nos bairros de renda alta e média que estão localizadas as praças em bom e regular estado de conservação.[226] [227]

O processo de verticalização intensificou-se em determinadas áreas da cidade, como nos bairros de Casa Forte, Torre, Madalena e Ilha do Retiro. Apenas em determinadas áreas não há predominância de área construída em imóveis de até dois pavimentos: em Boa Viagem, na margem esquerda do Rio Capibaribe, em parte da margem direita e em parte do Centro Expandido. O grande problema em termos do processo de verticalização e de adensamento construtivo da cidade é que vem se realizando de forma indiscriminada em parte do território da cidade sem, muitas vezes, ocorrer de forma compatível com a paisagem urbana e com a capacidade das estruturas urbanas.[228] [229]

A dinâmica de localização das atividades comerciais, de serviços e industriais, conheceu, ao longo do tempo, profundas transformações. Até a década de 70, o centro abrigava as principais atividades econômicas e institucionais. Com a emergência de um dinâmico mercado imobiliário direcionado às classes médias, os bairros do Espinheiro, Graças e Boa Viagem tornaram-se áreas privilegiadas para esses investimentos imobiliários. Tal processo significou a migração do terciário “nobre” , que se localizava na área central, para esses bairros, particularmente para os seus principais eixos viários.[230]

Ao mesmo tempo, contribuiu para a expansão, na área central e seu entorno, das atividades comerciais e terciárias direcionadas para os segmentos populares. Porém algumas pessoas não observam isso como um problema, e sim, como um sinal de progresso. As pessoas que defendem a teoria da decadência do Centro do Recife diz que o distrito-sede tornou-se bastante desvalorizado e abandonado, fenômeno que também é observado em outras capitais históricas brasileiras, como Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo. Portanto, não existe um consenso (em que todos concordam) sobre a atual situação do centro.[110]

Toda a extensão territorial do município do Recife é considerada Zona Urbana, entretanto ainda existem muitos imóveis rurais[231] [232] cadastrados apenas pelo INCRA, alguns com dezenas, ou outros com centenas de hectares, alguns já loteados, outros que ainda resistem ao parcelamento para fins urbanos. Estão localizados nas proximidades das rodovias BR-101, BR-232 e BR-408 (TIP - Curado), a oeste da BR-101 e nos limites com Jaboatão, Camaragibe (Aldeia) e Paulista. Algumas dessas áreas estão protegidas por legislação estadual de proteção de mananciais e reservas ecológicas, o que implicará em parâmetros mais restritivos de parcelamento, ocupação e uso para fins urbanos. Outras, entretanto, integram a fronteira de conurbação e de transbordamento do tecido viário do município do Recife.

Nas décadas anteriores, existia a omissão do Estado em relação a uma necessária regulação das propriedades urbanas e sua ação direta, por meio de políticas de desenvolvimento urbano e habitacional, se rebateram numa distribuição seletiva dos investimentos públicos, incentivando a retenção especulativa da terra e restringindo o acesso ao solo urbano e à moradia para a população de baixa renda. Esta população só vem tendo, historicamente, acesso à terra urbana e a alternativas habitacionais mediante ações informais e irregulares de ocupação da terra e padrões de baixíssima qualidade na construção da habitação, em áreas pouco infraestruturadas e ambientalmente frágeis, com as piores condições de habitabilidade (margens de córregos, áreas de risco geotécnico, entre outras). Porém, desde a década de 2000 a prefeitura vem fazendo investimentos significativos no setor habitacional.[233]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

O Porto Digital, no Recife Antigo, é o maior parque tecnológico do Brasil e referência mundial na produção de softwares.[234] [235]

Em 1895 foi criada no Recife a Escola de Engenharia de Pernambuco, primeira escola de engenharia fora da região Sudeste.[236] Nela, que logo se destacou como uma das principais instituições científicas do país, surgiu uma leva de grandes cientistas brasileiros, como Mário Schenberg, José Leite Lopes e Leopoldo Nachbin, graças à ação catalisadora do professor Luís Freire, conhecido por participar ativamente de movimentos em favor da criação de escolas aptas a formar pesquisadores em matemática e física. Reconhecida como berço de cientistas destacados e nomes notórios das ciências exatas, a metrópole pernambucana deu origem ainda a nomes como Paulo Ribenboim, Josué de Castro, Joaquim Cardoso, Samuel MacDowell, Aron Simis, Gauss Moutinho Cordeiro, Israel Vainsencher, Cristovam Buarque, Fernando de Souza Barros, Ricardo de Carvalho Ferreira, Leandro do Santíssimo Sacramento, dentre muitos.[237]

Seguindo a sua tradição nas ciências exatas, Recife é atualmente um dos mais importantes polos de tecnologia da informação do país. O Porto Digital, ambiente de negócios da área de TI criado no ano 2000 no centro histórico da cidade, abriga mais de duzentas empresas, entre elas multinacionais como Accenture, Oracle, ThoughtWorks, Ogilvy, IBM e Microsoft, e é reconhecido pela A. T. Kearny como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas.[234] [235] [238] Devido à sua relevância no setor, a capital pernambucana é a única cidade brasileira com exceção de São Paulo que abriga edições do evento de tecnologia Campus Party, que é realizado desde o ano de 2012 nesta metrópole.[239]

A capital de Pernambuco também se destaca no ensino tecnológico. O Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn-UFPE), considerado um dos principais centros acadêmicos em informática da América Latina e responsável pelos cursos de Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Engenharia da Computação, é grande fornecedor de mão de obra especializada em tecnologia para o Porto Digital e para diversas multinacionais do setor de tecnologia, além de gerar sete mil empregos e contribuir com 3,5% do PIB pernambucano.[240] [241] A Universidade Federal de Pernambuco foi uma das cinco instituições de ensino selecionadas em todo o mundo para o programa mundial de pesquisas da Microsoft, o que permitiu o seu acesso ao código-fonte dos componentes do Visual Studio. As outras quatro universidades selecionadas foram a Yale University - Estados Unidos; a Monash University - Austrália; a University of Hull - Inglaterra; além da UNESP, sendo o Brasil o único país que teve duas universidades escolhidas.[242]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cultura recifense é bastante diversificada, uma vez que foi influenciada por indígenas, africanos e europeus.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Livraria Cultura - Paço Alfândega

O marco inicial da literatura do Recife é o livro Historia Naturalis Brasiliae, primeiro tratado de história natural do Brasil, de autoria do médico e naturalista holandês Guilherme Piso, que embora publicado na Holanda foi concebido através da observação do jardim zoobotânico do Palácio de Friburgo, residência de Maurício de Nassau durante o domínio holandês em Pernambuco.[40]

Duzentos e cinquenta anos depois, o abolicionista recifense Joaquim Nabuco estava concluindo Minha Formação, obra clássica da literatura brasileira.[243] Anos mais tarde é lido, na Semana de Arte Moderna, o poema Os Sapos do recifense Manuel Bandeira, considerado o abre-alas do movimento.[244]

Gilberto Freyre, natural do Recife, é um dos mais importantes sociólogos do século XX, e representa um marco na história do Brasil devido ao seu livro Casa-Grande & Senzala, que demonstra a importância dos escravos para a formação do país e que brancos e negros são absolutamente iguais.[245] Outro recifense, Paulo Freire, é um dos pensadores mais notáveis da história da pedagogia mundial e o mais aclamado educador crítico, e foi o brasileiro mais homenageado de todos os tempos, ganhando 41 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades como Harvard, Cambridge e Oxford.[246] [247] [248] João Cabral de Melo Neto, poeta nascido na capital pernambucana, foi o único escritor brasileiro a ser galardoado com o Prêmio Neustadt, tido como o "Nobel Americano", e quando morreu, em 1999, especulava-se que era um forte candidato ao Prêmio Nobel de Literatura.[249] [250] Clarice Lispector, ucraniana naturalizada brasileira que escreveu clássicos como A Hora da Estrela, se declarava pernambucana por ter vivido a maior parte de sua infância e adolescência no Recife.[251] E o recifense Nelson Rodrigues, uma das personalidades mais marcantes da cultura nacional, é considerado o maior dramaturgo do país.[252]

Além dos já citados, a capital de Pernambuco deu origem a muitos outros expoentes da literatura do Brasil, como Martins Júnior, Manuel de Oliveira Lima, Geraldo Holanda Cavalcanti, Olegário Mariano, Adelmar Tavares, Barbosa Lima Sobrinho, Evaldo Cabral de Mello, Josué de Castro, Joaquim Cardoso, João Carneiro de Sousa Bandeira, Carneiro Vilela, Mário Sette, Carlos Pena Filho, Roberto Lira, Fátima Quintas, Antônio Herculano de Sousa Bandeira, Leôncio Basbaum, Vamireh Chacon, Antonio Lavareda, Luiz Felipe Pondé, Ricardo Noblat, Micheliny Verunschk, dentre outros. Muitos deles foram ou são membros da Academia Pernambucana de Letras e da Academia Brasileira de Letras.[253]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Recife é um dos cinco patrimônios barrocos do Brasil, porém, diferentemente de sua vizinha Olinda, não possui o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.[254] Em que pese o fato — atribuído à demolição e descaracterização da maior parte do seu centro histórico —, a capital pernambucana possui exemplares barrocos de excepcional importância, tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).[19] Embora tenham ocorrido grandes destruições do patrimônio histórico recifense em diferentes períodos — a exemplo do Largo do Paraíso e Igreja do Corpo Santo, dentre muitas construções históricas demolidas para a modernização da área central e construção de avenidas como a Guararapes e a Dantas Barreto —, a cidade barroca resiste na sua parte mais pobre e comercial.[255]

Os monumentos e espaços públicos tombados pelo IPHAN no Recife são a Concatedral São Pedro dos Clérigos, a Basílica e Convento de Nossa Senhora do Carmo, a Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, a Capela Dourada, o Convento e Igreja de Santo Antônio, Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição dos Militares, a Igreja Madre de Deus, a Capela de Nossa Senhora da Conceição da Congregação Mariana, a Igreja do Divino Espírito Santo, a Igreja de Nossa Senhora da Assunção, a Igreja de Nossa Senhora do Pilar, a Igreja de Nossa Senhora do Terço, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, a Igreja de Nossa Senhora do Livramento dos Homens Pardos, a Capela da Jaqueira, a Casa de Gilberto Freyre (atual Fundação Gilberto Freyre), a casa natal de Joaquim Nabuco, a casa natal de Oliveira Lima, o prédio da atual Academia Pernambucana de Letras, o prédio da atual Faculdade de Direito do Recife, o Sobrado da Madalena (atual Museu da Abolição), o Edifício Chanteclair, o Teatro de Santa Isabel, dentre outros.[19]

No Recife foi inventado o cobogó, elemento vazado considerado um ícone da arquitetura moderna. Seu nome deriva das iniciais dos sobrenomes dos três engenheiros que o idealizaram: Amadeu Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antônio de Góis.[256] [257] O recifense Joaquim Cardoso, pioneiro da arquitetura moderna, foi o engenheiro responsável pelos cálculos que permitiram a construção de diversas edificações projetadas por Oscar Niemeyer.[258] [259] [260]

Produção artística e folclore[editar | editar código-fonte]

O Frevo, manifestação típica do Recife, foi declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.[261]
O Manguebeat, gênero musical recifense que despontou na cena underground dos anos 1990, revelou e influenciou diversos grupos musicais e artistas pernambucanos, como Chico Science, Lenine, Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, dentre outros.

As manifestações culturais mais relevantes de Pernambuco ocorrem na capital, ressaltando-se o Movimento de Escritores Independentes de Pernambuco, que na década de 1980 reuniu grande número de poetas; o Abril Pro Rock, que surge como revelador do Movimento Manguebeat; entre outros.[262] [263]

O Frevo, um dos principais gêneros musicais e danças do Recife e símbolo do Carnaval Recife/Olinda, se caracteriza pelo ritmo acelerado e pelos passos que lembram a capoeira, expressão cultural que tem em Pernambuco um de seus berços.[264] Esse gênero já revelou e influenciou grandes músicos. Antes da criação da axé music na década de 1980 o frevo era utilizado também no Carnaval de Salvador. Em cerimônia realizada na cidade de Paris, França, no ano de 2012, a UNESCO anuncia que, aprovado com unanimidade pelos votantes, o frevo foi eleito Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.[261]

Nos anos 1990 surgia no Recife o Manguebeat, movimento da contracultura que mistura ritmos regionais, como o maracatu, com rock, hip hop, funk e música eletrônica.[265] [266] O movimento tem como principais críticas o abandono econômico-social do mangue e a desigualdade do Recife.[267] Apesar de ter sido inventado já na década de 1970 pelo guitarrista Robertinho do Recife com os álbuns "Jardim da Infância" (1977), "Robertinho no Passo" (1978) e "E Agora pra Vocês... Suingues Tropicais" (1979), o manguebeat tem como ícone o músico Chico Science, ex-vocalista, já falecido, da banda Chico Science e Nação Zumbi, idealizador do rótulo mangue e principal divulgador das ideias, ritmos e contestações do movimento. Outro grande responsável pelo crescimento do manguebeat foi Fred Zero Quatro, vocalista da banda Mundo Livre S/A, que criou em 1992 o primeiro manifesto sobre o ritmo, intitulado "Caranguejos com cérebro".[267]

O Cinema do Recife é muito respeitado pela crítica: já recebeu inúmeros prêmios nacionais e internacionais e é recordista de indicações e premiações em diversas edições de festivais. Filmes de cineastas e roteiristas pernambucanos como os dramas Baile Perfumado (1996), Amarelo Manga (2002), Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), Febre do Rato (2012), O Som ao Redor (2013), ou mesmo romances e comédias como O Auto da Compadecida (1999), Caramuru - A Invenção do Brasil (2001), A Máquina (2005), Fica Comigo Esta Noite (2006), O Bem Amado (2010), entre muitas outras produções, alcançaram grande projeção. Cineastas como Marcelo Gomes, Kleber Mendonça Filho, Cláudio Assis, Daniel Aragão, Heitor Dhalia, Lírio Ferreira, Gabriel Mascaro, Hilton Lacerda, entre outros tantos realizadores oriundos do estado, atingiram notoriedade internacional. Um dos muitos êxitos recentes foi o filme O Som ao Redor, do recifense Kleber Mendonça Filho, que foi incluído na respeitada lista dos 10 melhores do ano do jornal The New York Times, ao lado de produções como Django Livre de Quentin Tarantino e Lincoln de Steven Spielberg. Heitor Dhalia, por sua vez, teve sua estreia em Hollywood em 2012, com o longa-metragem 12 Horas, estrelado pela atriz norte-americana Amanda Seyfried.[268] [269] [270] [271] [272] Em um período de doze meses, Recife conquistou os principais prêmios dos três maiores festivais nacionais: os filmes Era uma vez eu, Verônica, de Marcelo Gomes, e Eles voltam, de Marcelo Lordello, dividiram o Candango de Melhor Filme no Festival de Brasília; O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, conquistou o Troféu Redentor de Melhor Filme no Festival do Rio; e Tatuagem, de Hilton Lacerda, ganhou o Kikito de Melhor Filme no Festival de Gramado.[273]

Espaços culturais e de lazer[editar | editar código-fonte]

O município abriga vários museus, centros culturais e instituições voltadas para a promoção de ações artísticas, como a Fundação Gilberto Freyre, a Oficina Cerâmica Francisco Brennand, o Instituto Ricardo Brennand, o Museu do Homem do Nordeste, o Museu Cais do Sertão, o Paço do Frevo, a Galeria Suassuna, o Gabinete Português de Leitura, o Museu da Abolição, o Museu do Trem, o Memorial de Justiça de Pernambuco, o Museu da Cidade do Recife, o Museu do Estado de Pernambuco, o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, a Caixa Cultural, o Centro Cultural dos Correios, o Santander Cultural, a Academia Pernambucana de Letras, a Academia de Artes e Letras de Pernambuco, a Fundação Joaquim Nabuco, dentre outros. A cidade também possui centros de compras considerados atrações culturais, como os seus mercados públicos históricos (entre eles o Mercado de São José — o mais antigo do Brasil) e a Casa da Cultura.[274] [275]

O Museu da Cidade do Recife, instalado no Forte das Cinco Pontas, destaca-se por conter em seu acervo documentos iconográficos para preservação da história urbana e social do Recife. A memória cultural é representada por cerca de 150 mil imagens e de peças provenientes de antigas residências e da Igreja dos Martírios.[276]

O Museu do Estado de Pernambuco, criado em 24 de agosto de 1928, possui um grande acervo eclético, com cerca de 12 mil itens abrangendo as áreas de arte, antropologia, história e etnografia. O Centro de Documentação do Espaço Cícero Dias oferece para consulta uma biblioteca de 4 mil volumes que inclui obras raras.[277]

A Fundação Gilberto Freyre, instituída em 11 de março de 1987 e localizada no bairro de Apipucos, Zona Norte do Recife, funciona na casa onde viveu o escritor, sociólogo e pensador Gilberto Freyre, e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento político-social, científico-tecnológico e cultural da sociedade brasileira tendo como referencial a obra freyriana.[278]

O Museu do Homem do Nordeste, localizado no Recife, foi fundado em 1979, e criado a partir dos acervos do antigo Museu do Açúcar, do Museu de Antropologia e do Museu de Arte Popular. Fazendo parte do Instituto de Documentação da Fundação Joaquim Nabuco, sua concepção museológica e museográfica foi inspirada no conceito de museu regional, idealizado pelo sociólogo-antropólogo Gilberto Freyre.[279]

O Museu Cais do Sertão é um museu interativo localizado no antigo Armazém 10 do Porto do Recife, no Recife Antigo. É considerado um dos mais modernos equipamentos culturais do Brasil, e teve como curadora e diretora de criação a socióloga pernambucana Isa Grinspum Ferraz, também autora do Museu da Língua Portuguesa em São Paulo. O museu retrata a cultura do Sertão e a obra do cantor e compositor pernambucano Luiz Gonzaga.[280]

O Instituto Ricardo Brennand (IRB), instituição cultural localizada no bairro da Várzea, é uma das atrações turísticas mais procuradas da capital pernambucana. Fundado em 2002 pelo colecionador e empresário pernambucano Ricardo Brennand, o instituto está sediado em um complexo arquitetônico em estilo medieval, composto por trés prédios: Museu Castelo São João, pinacoteca e galeria, circundados por um vasto parque. Abriga um dos maiores acervos de armas brancas do mundo, além de uma coleção permanente de objetos histórico-artísticos de diversas procedências, abrangendo o período que vai da Baixa Idade Média ao século XXI, com forte ênfase na documentação histórica e iconográfica relacionada ao período colonial e ao Brasil Holandês.[281] [282]

O Teatro de Santa Isabel é um dos principais teatros do Recife, e compõe importante conjunto arquitetônico e paisagístico na Praça da República com o Palácio do Campo das Princesas, o Palácio da Justiça e o Liceu de Pernambuco.[283]

O Instituto Ricardo Brennand abriga um dos maiores acervos de armas brancas do mundo, com mais de 3.000 peças, entre elas 27 armaduras medievais completas.[281] Foi eleito o melhor museu da América Latina pelos usuários do TripAdvisor.[284]

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Recife é o terceiro polo gastronômico do Brasil e a terceira cidade brasileira em número de restaurantes estrelados pelo Guia Quatro Rodas de 2013, atrás somente de Rio de Janeiro e São Paulo.[285] [286] Na foto, restaurante na Rua da Hora, polo gastronômico do Recife.

O Recife é o terceiro maior polo gastronômico do Brasil segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), com cerca de 10 mil estabelecimentos, logo após Rio de Janeiro e São Paulo.[285] [287] A Rua da Hora, no bairro do Espinheiro, Zona Norte, e a Rua Capitão Rebelinho, no bairro do Pina, Zona Sul, vêm se tornando redutos dessa fase da culinária recifense.[288] [289] [290]

Recife é também a terceira cidade brasileira em número de restaurantes estrelados pelo Guia Quatro Rodas de 2013, atrás somente de São Paulo e do Rio de Janeiro. Onze estabelecimentos da cidade, que contam com chefs renomados e que vão da cozinha regional às cozinhas lusitana, italiana, francesa, japonesa e peruana, foram agraciados. Outros três estabelecimentos pernambucanos receberam a classificação.[286]

Recife abriga ainda o restaurante mais antigo do Brasil: o sofisticado Restaurante Leite, fundado em 1882. Pelo tradicional Restaurante Leite passaram nomes como Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Orson Welles e Juscelino Kubitschek. De sua cozinha saem pratos das gastronomia internacional.[291] [292]

Na cozinha pernambucana existem elementos herdados dos povos africanos, indígenas e europeus. Diversas receitas originais provenientes de outros continentes foram adaptadas com ingredientes encontrados com facilidade na região. Existem vários pratos e petiscos típicos e muito apreciados em Pernambuco, como a carne de sol, o queijo coalho, o arrumadinho, o escondidinho, o sururu, a caldeirada, o cozido, o caldinho de peixe ou camarão, a peixada pernambucana, o chambaril, o charque à brejeira, o bredo de coco, o quibebe, a tapioca, o angu, o mungunzá salgado, o sarapatel, a buchada e o feijão de coco, entre outros. Entre as sobremesas típicas do Estado podemos citar o bolo de rolo, o bolo Souza Leão, o bolo pé de moleque, o bolo de macaxeira, o bolo de mandioca, o bolo barra branca, a cartola, o nego bom e o sorvete de tapioca. No São João as comidas de milho estão presentes na pamonha, na canjica, no bolo de milho, no mungunzá doce, dentre outras iguarias.[293]

Esporte[editar | editar código-fonte]

O Náutico é o mandante da Arena Pernambuco, estádio construído para a Copa do Mundo em 2014, e é proprietário do Estádio dos Aflitos.

O esporte mais popular no Recife é o futebol. Pernambuco é líder entre os estados do Norte-Nordeste no ranking das federações da CBF, e o desempenho dos clubes da capital está diretamente ligado ao bom ranqueamento do estado entre as federações.[294] Recife foi uma das seis sedes da Copa do Mundo de 1950 (única do Norte-Nordeste), abrigando uma partida no Estádio da Ilha do Retiro entre Chile e Estados Unidos, com vitória dos chilenos por 5 a 2. Recife também foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.

Graças aos clubes locais, Pernambuco é também o estado do Norte-Nordeste que mais se destaca em outras modalidades esportivas: é o segundo estado brasileiro em número de títulos nacionais de hóquei, tanto no campeonato masculino quanto no feminino, atrás somente de São Paulo, e o Sport Club do Recife um dos dois únicos clubes brasileiros a conquistar um Campeonato Sul-Americano de Hóquei; e é o único estado fora do Centro-Sul com títulos Brasileiro e Sul-Americano de basquete, obtidos pela equipe feminina do Sport entre 2013 e 2014.[295] [296] [297]

O Campeonato Pernambucano de Futebol, um dos principais torneios estaduais do país, é disputado desde 1915, tendo como campeão sempre um time da capital. Os principais times da cidade são: o Sport Club do Recife, o que mais títulos estaduais possui (40);[298] o Santa Cruz Futebol Clube, com 28 títulos pernambucanos;[299] e o Clube Náutico Capibaribe, que detém a marca de mais títulos estaduais consecutivos (hexacampeão) de um total de 21 conquistas.[300]

Outros clubes esportivos importantes no município são o Clube Português e o América Futebol Clube, este último com seis títulos estaduais de futebol e um título regional (Troféu Nordeste).[301] [302]

Os maiores times do Recife possuem estádios próprios. O maior estádio construído é o Estádio do Arruda, pertencente ao Santa Cruz. Destaque ainda para o Estádio Ilha do Retiro, pertencente ao Sport, e para o Estádio dos Aflitos, que pertence ao Náutico, sendo que o Náutico manda os seus jogos atualmente na Arena Pernambuco, um novo e moderno estádio construído em São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife, para a Copa das Confederações de 2013 e para a Copa do Mundo FIFA de 2014, e que terá em seu entorno a Cidade da Copa, primeira cidade inteligente da América Latina.[303] Os quatro estádios da metrópole pernambucana estão entre os cinquenta maiores do Brasil.[304]

O Estádio José do Rego Maciel, popularmente conhecido como Arruda, pertencente ao Santa Cruz Futebol Clube, é o sexto maior estádio de futebol do país, com capacidade para 60 044 pessoas.[304]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Unidade Territorial: 2605 - Metropolitana de Recife-PE IBGE. Visitado em 24 de maio de 2015.
  2. Capitais dos estados Atlas Geográfico do Brasil. Visitado em 1 de janeiro de 2011.
  3. a b c Consulta por Município Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 de 15 de janeiro de 2014 (15 de janeiro de 2013). Visitado em 15 de março de 2014.
  4. a b c d e ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NO BRASIL E UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (28 de agosto de 2014). Visitado em 28 de agosto de 2014.
  5. a b c d Perfil do Município do Recife, PE Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Visitado em 31 de julho de 2013.
  6. a b c Produto Interno Bruto dos Municípios 2012 - Recife IBGE. Visitado em 24 de maio de 2015.
  7. Universidade Federal do Rio de Janeiro (3 de março de 2014). Como anda a Região Metropolitana do Recife. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  8. a b c Gestão do Território - 2014 p. 67. IBGE. Visitado em 3 de março de 2015.
  9. Após São Paulo, maiores concentrações são Rio, BH e Recife Estadão.com.br (25 de março de 2015). Visitado em 29 de março de 2015.
  10. Global Metro Monitor 2014 Brookings Institution. Visitado em 16 de maio de 2015.
  11. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2012. Visitado em 11 de dezembro de 2014.
  12. PIB per capita a preços correntes » comparação entre as capitais IBGE. Visitado em 24 de maio de 2015.
  13. a b IBGE divulga as estimativas populacionais dos municípios em 2014 IBGE (28 de agosto de 2014). Visitado em 24 de maio de 2015.
  14. a b Densidade demográfica - Brasil, Região Metropolitana e Região Integrada de Desenvolvimento IBGE. Visitado em 24 de maio de 2015.
  15. a b Relações bilaterais Ministério das Relações Exteriores. Visitado em 18 de junho de 2015.
  16. a b O Globo (23 de outubro de 2008). Brasil tem 5 cidades entre as emergentes mais desenvolvidas. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  17. Folha Online (7 de março de 2007). São Paulo será 13ª cidade mais rica do mundo em 2020, diz estudo. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  18. City Mayors (11 de março de 2007). The 150 richest cities in the world by GDP in 2020. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  19. a b c d Recife (PE) IPHAN. Visitado em 29 de novembro de 2014.
  20. Prefeitura da Cidade do Recife. Recife e os holandeses. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  21. Historiazine (3 de março de 2014). A Recife Holandesa. Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  22. Há 64 anos, Albert Camus desembarcava no Recife (6 de novembro de 2013). Visitado em 3 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de março de 2014.
  23. Foral de Olinda (1 de março de 2015). Visitado em 1 de março de 2015. Cópia arquivada em 1 de março de 2015.
  24. FONSECA, Homero. Pernambucânia: o que há nos nomes das nossas cidades. Recife: CEPE, 2009.
  25. Sobre a posição correta do artigo masculino antes do topônimo "Recife". Sobre o tema, se pronunciou o historiador pernambucano José Antônio Gonçalves de Melo: "Porque se originou de um acidente geográfico - o recife ou o arrecife - a designação do Recife não prescinde do artigo definido masculino: o Recife e nunca Recife.
  26. José Antônio Gonçalves de Melo, em O Recife e os arrecifes.
  27. MENDES DE ALMEIDA, Napoleão - Dicionário de Questões Vernáculas. São Paulo: Editora Ática, 1996. (p. 464, 465 e 466) ISBN 8508059558
  28. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  29. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição revista. São Paulo. Ática. 2003. p. 18,19.
  30. Prefeitura de Olinda. Foral de Olinda. Visitado em 2 de março de 2015.
  31. Renato Cancian (31 de julho de 2005). UOLInvasão holandesa: Portugal perde Pernambuco para Holanda. Visitado em 1 de março de 2015.
  32. Artimanha.com.br. James Lancaster. Visitado em 23 de junho de 2012.
  33. Universidade Federal de Campina Grande. Mathias de Albuquerque. Visitado em 23 de junho de 2012.
  34. a b Recife também tem Muro das Lamentações Estadão. Visitado em 2 de março de 2015.
  35. a b Maurício de Nassau, o brasileiro Guia do Estudante. Visitado em 5 de abril de 2015.
  36. Despertai!: Recife — cidade que surgiu do açúcar (2005). Visitado em 24 de maio de 2015.
  37. A escravidão que fez e explica o Brasil (1988). Visitado em 2 de março de 2015.
  38. InfoEscola: Invasões Holandesas no Brasil. Visitado em 24 de maio de 2015.
  39. José Antônio Gonsalves de Mello. Tempo dos flamengos: influência da ocupação holandesa na vida e na cultura do norte do Brasil. Topbooks, 2001. ISBN 85-7475-035-2
  40. a b Palácio de Friburgo, Recife, PE Fundaj. Visitado em 8 de junho de 2015.
  41. Sociedade Astronômica do Recife. Padre Polman:Os 60 importantes momentos. Visitado em 2 de março de 2015.
  42. História Brasileria. Brasil Holandês. Visitado em 16 de março de 2012.
  43. UOL Educação. Biografias-Maurício de Nassau. Visitado em 16 de março de 2012.
  44. a b c d José Gerardo Barbosa Pereira. Instituto CamõesA Insurreição pernambucana de 1645. Visitado em 1 de março de 2015.
  45. Do Recife a Manhattan ISTOÉ Independente. Visitado em 24 de maio de 2015.
  46. Conexão Recife - Manhattan Revista Época. Visitado em 24 de maio de 2015.
  47. Cemitério de NY guarda história de judeus do Brasil Estadão. Visitado em 24 de maio de 2015.
  48. Revolução pernambucana: República em Pernambuco durou 75 dias UOL. Visitado em 12 de maio de 2015.
  49. Souto Maior, A.. In: Companhia Editora Nacional. História do Brasil. 6ª ed. ed. São Paulo: [s.n.]. Capítulo: Unidade X: O Sentimento Nativista. , 181-200 p.
  50. Brasil Escola. Guerra dos Mascates. Visitado em 2011.
  51. História Brasileira: Guerra dos Mascates. Visitado em 24 de maio de 2015.
  52. Só História: Mascates. Visitado em 24 de maio de 2015.
  53. História Mais: Guerra dos Mascates. Visitado em 24 de maio de 2015.
  54. Renato Cancian (31 de julho de 2005). Revolução pernambucana: República em Pernambuco durou 75 dias. Visitado em 1 de março de 2015.
  55. Revolução Pernambucana de 1817 InfoEscola. Visitado em 14 de julho de 2015.
  56. Vitor Amorim de Angelo (19 de março de 2009). Confederação do Equador: Movimento extrapolou a simples conspiração. Visitado em 1 de março de 2015.
  57. Renato Cancian (21 de fevereiro de 2006). Revolução Praieira: Democratas pernambucanos pedem fim da monarquia. Visitado em 1 de março de 2015.
  58. a b c Fausto Brito. O deslocamento da população brasileira para as metrópoles SciELO Brasil. Visitado em 13 de julho de 2014.
  59. a b Forças Armadas vão investigar casos de tortura durante o regime militar G1. Visitado em 19 de julho de 2014.
  60. ASFORA, João Sales - Palestinos - A saga de seus descendentes(http://www.anba.com.br/noticia_artes.kmf?cod=7415375&indice=90)
  61. Intg. Recife,A Paris do Nordeste. Visitado em 17 de março de 2012.
  62. Fundação Joaquim Nabuco. Arruando por Boa Viagem.
  63. REZENDE, Antônio Paulo. O Recife:Histórias de uma Cidade. [S.l.]: Prefeitura do Recife, 2002. 123 a 135 p. 85-7044-111-8
  64. Brasil 247. Comissão resgata verdade sobre atentado a bomba. Visitado em 2 de março de 2015.
  65. Votação da emenda da Diretas Já completa 30 anos G1. Visitado em 27 de julho de 2014.
  66. Os piores acidentes aéreos na história da aviação brasileira iG. Visitado em 12 de maio de 2015.
  67. Localização de Recife PE Ache Tudo e Região. Visitado em 12 de maio de 2012.
  68. Regiões de Influência das Cidades - 2007 IBGE. Visitado em 3 de março de 2015.
  69. a b O Recife - Histórias de uma cidade Prefeitura Municipal do Recife. Visitado em 26 de março de 2015.
  70. Mapas do Recife Prefeitura Municipal do Recife. Visitado em 2 de março de 2015.
  71. Brasil Channel. Hidrografia do Recife. Visitado em 21 de abril de 2012.
  72. Caruso Jr Estudos Ambientais e Engenharia. Projeto de Navegabilidade dos rios Capibaribe e Beberibe Agência Estadual de Meio Ambiente - Pernambuco. Visitado em 26 de março de 2015.
  73. OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (CONDEPE/FIDEM). Visitado em 1º de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de março de 2015.
  74. a b Temperatura Média Compensada (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  75. Temperatura pode variar 13 graus em ilhas de calor no Recife, aponta UFPE G1. Visitado em 25 de junho de 2015.
  76. Pesquisa inédita mede temperatura em 11 pontos da capital e cria um ranking do calor Diário de Pernambuco. Visitado em 25 de junho de 2015.
  77. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Recife (Curado) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 24 de março de 2014.
  78. a b Insolação Total (horas) Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  79. a b Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%) Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  80. a b Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  81. Marcelo Pinheiro (7 de abril de 2011). Chuva, raios e trovoadas em Recife - PE Climatempo. Visitado em 13 de setembro de 2014.
  82. Carlos Madeiro (26 de junho de 2014). Chuva alaga principais avenidas do Recife e dificulta acesso de torcedores UOL Recife. Visitado em 4 de março de 2015.
  83. Cobertura da cheia de 1975 no Recife foi marcante nos últimos 40 anos G1 Pernambuco (16 abril de 2012). Visitado em 13 de dezembro de 2012.
  84. Nevoeiro faz Grande Recife ficar cinzento JC Online (30 de outubro de 1998). Visitado em 10 de setembro de 2012.
  85. Josélia Pegorim (9 de abril de 2010). Frente fria chega a Pernambuco. Nordeste continua em alerta. Climatempo. Visitado em 11 de setembro de 2012.
  86. Ventania assusta Grande Recife (19 de fevereiro de 2010). Visitado em 13 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 29 de abril de 2013.
  87. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Recife (Curado) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 24 de março de 2014.
  88. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Recife (Curado) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 24 de março de 2014.
  89. BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Recife (Curado) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 4 de abril de 2014.
  90. BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Recife (Curado) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 4 de abril de 2014.
  91. Temperatura Máxima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  92. Temperatura Mínima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  93. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias) Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  94. Jardins e praças projetados por Burle Marx em Recife são tombados Portal Brasil. Visitado em 29 de março de 2015.
  95. a b Patrimônio do Recife, Parque dos Manguezais está esquecido iG. Visitado em 28 de abril de 2015.
  96. Estudos hidrodinâmicos e hidroquímicos do estuário do Rio Capibaribe e Bacia do Pina, Recife-PE IOUSP. Visitado em 29 de março de 2015.
  97. a b Parques e praças Prefeitura do Recife. Visitado em 3 de junho de 2015.
  98. Governo de Pernambuco: Parque Dois Irmãos. Visitado em 24 de maio de 2015.
  99. NE 10 (12 de Julho de 2011). Audiência pública exige implantação de parque na Mata do Engenho Uchoa Blog Ciência e Meio Ambiente. Visitado em 2011.
  100. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (2011). Mata do Engenho Uchôa. Visitado em 14 de abril de 2012.
  101. Jornal do Comércio: Luta de 35 anos em defesa de parque no Engenho Uchoa (13 de julho de 2014). Visitado em 24 de maio de 2015.
  102. Josemary Santos e Silva Oliveira; Jacicleide Ramos de Souza; Tiago Henrique de Oliveira; Josiclêda Domiciano Galvíncio; Maria Fernanda Abrantes Torres (5 de maio de 2011). Universidade Federal de PernambucoAnálise multitemporal de um fragmento de Mata Atlântica como gerador de ilha de amenidade em área urbana através do IVAS e a Temperatura da superfície, estudo de caso: Mata do Engenho Uchôa, Recife - PE. Visitado em 24 de maio de 2015.
  103. a b Fundação Joaquim Nabuco. Parque da Jaqueira - Fundaj. Visitado em 18 de março de 2015.
  104. Fundação Joaquim NabucoParque 13 de Maio, Recife. Visitado em 1 de março de 2015.
  105. Obras de Brennand serão recuperadas e Parque das Esculturas ganhará reforço na segurança (em português) Prefeitura do Recife. Visitado em 30 de agosto de 2014.
  106. Yahoo! Notícias: Top 10: os rios mais poluídos do Brasil (29 de agosto de 2011). Visitado em 24 de maio de 2015.
  107. Evolução dos Sistemas de Esgotamento UFCG. Visitado em 14 de julho de 2015.
  108. IBGE. Indicadores sociais municipais. Visitado em 6 de abril de 2012.
  109. PE 360 Graus (14 de abril de 2009). Géologa alerta para causas de alagamentos nos grandes centros urbanos. Visitado em 15 de maio de 2012.
  110. a b c Prefeitura do Recife (2001). Plano Diretor do Recife. Visitado em 20 de abril de 2012.
  111. Recife é uma das melhores em coleta seletiva Pernambuco.com. Visitado em 2 de março de 2015.
  112. Cemit vai monitorar tubarões no litoral do Recife
  113. Por que ocorrem tantos ataques de tubarão em Recife?. Visitado em 23 de julho de 2013.
  114. Construção de porto em Recife (PE) pode ter relação direta com ataques de tubarões R7. Visitado em 25 de julho de 2013.
  115. a b Tabela 1287 - População dos municípios das capitais e Percentual da população dos municípios das capitais em relação aos das unidades da federação nos Censos Demográficos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 14 de março de 2015. Cópia arquivada em 14 de março de 2015.
  116. Ipeadata - População residente - total. Visitado em 27 de abril de 2014.
  117. Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  118. a b Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  119. Recife, PE Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (2013). Visitado em 7 de julho de 2015.
  120. Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  121. Pena, Sérgio D. J. et ali (2000). Retrato Molecular do Brasil. Revista Ciência Hoje, nº 156, abril de 2000[1]. Salvo em 21 de dezembro de 2006.
  122. Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  123. Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  124. Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 7 de julho de 2015.
  125. Lei Complementar nº 14, de 8 de junho de 1973 - Presidência da República Diário Oficial da União. Visitado em 13 de julho de 2014.
  126. Ranking das maiores regiões metropolitanas do Brasil - 2010 G1. Visitado em 4 de março de 2014.
  127. Recife - Aspectos gerais Prefeitura do Recife. Visitado em 2 de março de 2015.
  128. a b c d e Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Visitado em 14 de março de 2015.
  129. História Arquidiocese de Olinda e Recife. Visitado em 7 de julho de 2015.
  130. Colégio Damas.
  131. Colégio Marista São Luís.
  132. A Padroeira do Recife CNBB. Visitado em 14 de março de 2015.
  133. Fundação Joaquim Nabuco. Sítio de Pai Adão / Terreiro de Ilê Obá Ogunté. Visitado em 2 de março de 2015.
  134. Genealogia Freire. Judeus em Pernambuco. Visitado em 20 de abril de 2012.
  135. Derby (bairro, Recife) Fundação Joaquim Nabuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  136. Mapa da Violência: Pernambuco é o único estado do Nordeste a apresentar redução Diário de Pernambuco. Visitado em 19 de julho de 2013.
  137. As 300 cidades mais perigosas do Brasil Exame (Brasil). Visitado em 19 de julho de 2013.
  138. Violência urbana: Homicídios no Brasil superam números de países em guerra Vestibular UOL. Visitado em 19 de julho de 2013.
  139. Por tercer año consecutivo, San Pedro Sula es la ciudad más violenta del mundo. Visitado em 30 de março de 2014.
  140. Por cuarto año consecutivo, San Pedro Sula es la ciudad más violenta del mundo Seguridad, Justicia y Paz. Visitado em 19 de julho de 2013.
  141. a b c LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RECIFE Câmara Municipal do Recife. Visitado em 13 de junho de 2014.
  142. [www.recife.pe.gov.br/pr/galeria Galeria dos ex-prefeitos] Prefeitura do Recife. Visitado em 13 de junho de 2014.
  143. Gabinete do prefeito Prefeitura do Recife. Visitado em 13 de junho de 2014.
  144. Apuração 1º turno - Recife G1 Globo (2012). Visitado em 13 de junho de 2014.
  145. Gabinete do vice-prefeito Prefeitura do Recife. Visitado em 13 de junho de 2014.
  146. Recife terá 39 vereadores a partir de 2013 Câmara Municipal do Recife (2012). Visitado em 13 de junho de 2014.
  147. 16ª Legislatura Câmara Municipal do Recife. Visitado em 2 de março de 2015.
  148. Comarca de Recife Tribunal de Justiça de Pernambuco. Visitado em 13 de junho de 2014.
  149. 3º Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo DECEA.gov.br. Visitado em 6 de abril de 2015.
  150. Aeronáutica mantém buscas durante a noite por avião desaparecido Folha de S.Paulo. Visitado em 6 de abril de 2015.
  151. Férias Brasil. Turismo no Recife. Visitado em 20 de abril de 2012.
  152. Roberta Jungmann. Bicentenário Folha de Pernambuco. Visitado em 1 de fevereiro de 2015.
  153. a b c d e f g Geminação de cidades Brasileiras. Visitado em 15 de março de 2013. Cópia arquivada em 20 de julho de 2012.
  154. a b c d Prefeitura do Recife. Secretaria de Gestão Estratégica e Comunicação Social-Coordenadoria de Relações Internacionais. Visitado em 29 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2012.
  155. Os irmanamentos dos concellos en Galicia (em espanhol). Visitado em 15 de março de 2013. Cópia arquivada em 1° de agosto de 2012.
  156. a b Perfil dos bairros Prefeitura do Recife. Visitado em 13 de junho de 2014.
  157. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). População de Recife - PE Brasil Sabido. Visitado em 13 de junho de 2014.
  158. Melhor porto, Suape teve investimento de R$ 7 bilhões Estadão.com.br. Visitado em 8 de março de 2015.
  159. Suape poderá triplicar PIB de Pernambuco iG. Visitado em 8 de março de 2015.
  160. Mapa de Mercociudades Mercociudades.org. Visitado em 8 de março de 2015.
  161. a b Polo médico Jornal do Commercio. Visitado em 8 de março de 2015.
  162. Mudanças à vista no trânsito da Ilha do Leite Diario de Pernambuco. Visitado em 8 de março de 2015.
  163. Grifes internacionais se estabelecem também fora do eixo São Paulo-Rio — e estão se dando muito bem VEJA.com. Visitado em 7 de março de 2015.
  164. Emporis: Recife. Visitado em 24 de maio de 2015.
  165. O GloboBrasil tem 5 cidades entre as emergentes mais desenvolvidas (23 de outubro de 2008). Visitado em 24 de maio de 2015.
  166. ne10.uol.com.br ne10.uol.com.br. Visitado em 19 setembro de 2011.
  167. Confira o abre e fecha desta quarta-feira de cinzas Diario de Pernambuco. Visitado em 8 de março de 2015.
  168. Alto luxo - Maior shopping da região Nordeste será inaugurado na próxima semana no Recife
  169. Made in Italy LeiaJá. Visitado em 16 de setembro de 2013.
  170. O mapa do luxo Folha de S.Paulo. Visitado em 5 de novembro de 2013.
  171. Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre Infraero.gov.br. Visitado em 8 de maio de 2015.
  172. Roteiro pelo centro histórico do Recife mostra riqueza cultural de Pernambuco UOL. Visitado em 8 de maio de 2015.
  173. Uma semana no Recife e arredores Diario de Pernambuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  174. O Galo da Madrugada Fundação Joaquim Nabuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  175. Recife, a capital brasileira de naufrágios Diario de Pernambuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  176. Ep 09 - Taurus e Mercurius Globo.com. Visitado em 8 de maio de 2015.
  177. Recife é considerada a ‘Capital das Assombrações’ Globo.com. Visitado em 8 de maio de 2015.
  178. Cruz do Patrão - Fundaj Fundação Joaquim Nabuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  179. Inscrição para passeios turísticos gratuitos no Recife começa sexta-feira G1. Visitado em 8 de maio de 2015.
  180. Recife Mal Assombrado volta a ser tema de passeio gratuito Diario de Pernambuco. Visitado em 8 de maio de 2015.
  181. Olinda comemora 184 anos de curso de Direito no Brasil Prefeitura de Olinda. Visitado em 8 de março de 2015.
  182. a b As 18 melhores universidades brasileiras em 2014 EXAME.com. Visitado em 8 de março de 2015.
  183. a b Pela 3ª vez, USP lidera ranking das melhores universidades da América Latina. Visitado em 28 de maio de 2013.
  184. a b QS Latin University Rankings 2013. Visitado em 28 de maio de 2013.
  185. Ranking Universitário Folha. Visitado em 20 de setembro de 2012.
  186. O Globo. As melhores universidades do Brasil. Visitado em 16 de março de 2012.
  187. OAB lista faculdades de direito com maior aprovação no exame de ordem G1. Visitado em 8 de março de 2015.
  188. Universidade Federal Rural de PernambucoMemória. Visitado em 24 de maio de 2015.
  189. Universidade Católica de PernambucoNossa História. Visitado em 24 de maio de 2015.
  190. Excelência e qualidade: CAp da UFPE é a melhor escola pública do país. Visitado em 3 de julho de 2013.
  191. Prefeitura do Recife. Rede Municipal de Ensino. Visitado em 16 de março de 2012.
  192. Pernambuco.com (5 de junho de 2003). MEC faz mapa do analfabetismo. Visitado em 14 de abril de 2012.
  193. O Globo (20 de junho de 2007). Governo vai premiar 64 cidades que erradicaram o analfabetismo Brasil. Visitado em 21 de abril de 2012.
  194. Observatório do Recife. [2]. Acesso data: 03 de dezembro de 2011.
  195. Bibliothèques de Montréal. Visitado em 25 de junho de 2015.
  196. Polo médico do Recife atrai estrangeiros
  197. Correio Cidadão (20 de julho de 2011). Secretaria de Saúde do Recife alerta para o prazo final da Campanha de Vacinação. Visitado em 21 de abril de 2012.
  198. Conselho Regional de Medicina de PernambucoProcape reduz atendimento por causa de crise financeira (10 de março de 2007). Visitado em 24 de maio de 2015.
  199. Hospitais SES-PE. Visitado em 14 de julho de 2015.
  200. a b Hospital da RestauraçãoHistória HR. Visitado em 24 de maio de 2015.
  201. Diário de PernambucoConstrução de hospitais, clínicas, e laboratórios consumiu R$ 200 mi (2003). Visitado em 24 de maio de 2015.
  202. Demografia Médica no Brasil 2 (PDF) Conselho Federal de Medicina (CFM) Tabela 7 - Distribuição de médicos registrados (CFM) por 1.000 habitantes, segundo Unidades da Federação - Brasil, 2013. Visitado em 9 de março de 2013.
  203. Prefeitura do Recife: Recife reduz mortalidade infantil e atinge meta da ONU (2 de setembro de 2008). Visitado em 24 de maio de 2015.
  204. SuperinteressanteQual é o maior metrô do Brasil? (dezembro de 2011). Visitado em 24 de maio de 2015.
  205. a b Aeroporto do Recife entre os 5 melhores Diario de Pernambuco. Visitado em 1 de março de 2015.
  206. Allen Morrison. Tramway Pioneers in Latin America (em inglês) Tramway pioneers. Visitado em 14 de julho de 2015.
  207. a b Zepelim Fundaj. Visitado em 14 de julho de 2015.
  208. Empresas de ônibus pedem à Justiça que 70% da frota circule durante greve G1. Visitado em 24 de maio de 2015.
  209. Como chegar aos principais pontos turísticos do Grande Recife Pernambuco.com. Visitado em 2 de março de 2015.
  210. G1. Estacionamento é problema crítico em bairros comerciais do Recife. Visitado em 2 de março de 2015.
  211. DETRAN-PE. Frota na Região Metropolitana do Recife. Visitado em 14 de julho de 2015.
  212. Diário de PernambucoEm operação inédita, Porto do Recife recebe três transatlânticos simultaneamente (19 de janeiro de 2015). Visitado em 24 de maio de 2015.
  213. Aeroporto de Recife está pronto para receber a Copa Portal da Copa. Visitado em 8 de junho de 2014.
  214. Aeroportos de 7 sedes da Copa estão com capacidade acima de 85% G1. Visitado em 14 de julho de 2015.
  215. Aeroporto do Recife ganha título de melhor do Brasil em 2014 EXAME.com. Visitado em 14 de julho de 2015.
  216. La Insignia (agosto de 2005). O mais antigo dos jornais Cultura. Visitado em 2 de julho de 2012.
  217. Meio e Mensagem-Anuário de Mídia. Jornal do Commercio. Visitado em 2 de julho de 2012.
  218. Rolling Stone Brasil. O Verdadeiro Preço do Etanol. Visitado em 11 de novembro de 2013.
  219. Aqui PE. Página oficial. Visitado em 2 de julho de 2012.
  220. Musik City: Rádios de Recife. Visitado em 24 de maio de 2015.
  221. PE 360 Graus (18 de agosto de 2009). Abandono do Parque Santana preocupa moradores de Casa Forte. Visitado em 6 de abril de 2012.
  222. PE 360 Graus (9 de novembro de 2010). Terreno que deveria abrigar o Parque do Caiara abandonado. Visitado em 6 de abril de 2012.
  223. Prefeitura do Recife. Prefeitura inicia fiscalização de combate à poluição visual 30 de julho de 2009. Visitado em 6 de abril de 2012.
  224. Prefeitura do Recife (04/11/08). Dircon intensifica controle á poluição sonora no Recife Serviços Públicos. Visitado em 2011.
  225. PE 360 Graus (16 de setembro de 2009). Poluição sonora motiva fechamento de estabelecimentos no Recife. Visitado em 11 de abril de 2012.
  226. Fundaj. Parque da Jaqueira.
  227. Fundaj. Sítio da Trindade.
  228. JC Online (24 de junho de 2001). Verticalização excessiva descaracteriza o Recife Cidades. Visitado em 14 de abril de 2012.
  229. easyplanner.info (2009). A verticalização do Recife:uma análise do bairro do Prado. Visitado em 2 de março de 2015.
  230. PE 360 Graus (15 de maio de 2008). Abandono de prédios históricos está piorando a paidagem do Centro do Recife. Visitado em 22 de abril de 2012.
  231. Ybitu-catu (14 de março de 2009). [ref>http://ybytucatu.com.br/xoops/modules/extcal/event.php?event=95 Curso Sanitário Seco-Popular-Zona Rural do Recife]. Visitado em 14 de abril de 2012.
  232. JC Online (3 de agosto de 1999). Pau Ferro, o último reduto rural do Recife. Visitado em 14 de abril de 2012.
  233. Prefeitura do Recife. O Recife sem palafitas.
  234. a b Maior parque tecnológico do país, Recife vira a 'Índia brasileira' Folha de S.Paulo. Visitado em 21 de junho de 2015.
  235. a b A cidade do Recife é a capital do conhecimento tecnológico do Brasil Globo.com. Visitado em 21 de junho de 2015.
  236. Observatório da educação em engenharia UFJF. Visitado em 6 de junho de 2015.
  237. Por uma universidade no Rio de Janeiro — Apresentação — Luís Freire Website de Simon Schwartzman. Visitado em 6 de junho de 2015.
  238. Méritos e reconhecimento Porto Digital. Visitado em 21 de junho de 2015.
  239. Marcada para julho, Campus Party Recife foca em cidades inteligentes G1. Visitado em 6 de junho de 2015.
  240. Centro de Informática (CIn) da UFPE: 37 anos de inovação tecnológica Globo Universidade. Visitado em 6 de junho de 2015.
  241. Mais quatro alunos do Centro de Informática da UFPE são selecionados para Microsoft UFPE. Visitado em 17 de abril de 2015.
  242. Unesp e UFPE são escolhidas para fazer pesquisas da Microsoft UOL. Visitado em 17 de abril de 2015.
  243. Joaquim Nabuco e os abolicionistas britânicos — Correspondência, 1880-1905 SciELO. Visitado em 8 de junho de 2015.
  244. PGM 102 - Madrigal Melancólica TV Cultura. Visitado em 8 de junho de 2015.
  245. Gilberto Freyre digital ISTOÉ Independente. Visitado em 18 de abril de 2015.
  246. Paulo Freire, o mentor da educação para a consciência Nova Escola. Visitado em 18 de abril de 2015.
  247. Entrevista Mario Sergio Cortella Educar para Crescer. Visitado em 18 de abril de 2015.
  248. Lei declara Paulo Freire patrono da educação brasileira G1. Visitado em 18 de abril de 2015.
  249. Mia Couto distinguido com prémio internacional de literatura Neustadt Público.pt. Visitado em 18 de abril de 2015.
  250. "Reportagem sobre João Cabral de Melo Neto." O Estado de São Paulo, São Paulo, 10 de outubro de 1999.
  251. Há 36 anos, a literatura brasileira perdia Clarice Lispector EBC. Visitado em 18 de abril de 2015.
  252. Nelson Rodrigues, o maior dramaturgo brasileiro TV Brasil. Visitado em 8 de junho de 2015.
  253. Academia Brasileira de Letras - Membros ABL. Visitado em 6 de junho de 2015.
  254. Arquiteto espanhol expõe desenhos de monumentos barrocos no Recife G1. Visitado em 19 de abril de 2015.
  255. O Recife do século XVIII como cidade barroca CECI/UFPE. Visitado em 19 de abril de 2015.
  256. Cobogó, nascido e criado em Pernambuco O Globo. Visitado em 19 de abril de 2015.
  257. Livro registra história do cobogó, ícone da arquitetura pernambucana G1. Visitado em 19 de abril de 2015.
  258. Joaquim Cardozo - Fundaj Fundação Joaquim Nabuco. Visitado em 19 de abril de 2015.
  259. O engenheiro da poesia PiniWEB. Visitado em 19 de abril de 2015.
  260. A poesia concreta de Joaquim Cardozo VEJA.com. Visitado em 19 de abril de 2015.
  261. a b Frevo é declarado Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco O Globo. Visitado em 14 de julho de 2015.
  262. Abril Pro Rock: Abril Pro Rock. Visitado em 24 de maio de 2015.
  263. Cliquemusic (6 de março de 2012). Abril pro Rock divulga a sua lista para 2002. Visitado em 20 de abril de 2012.
  264. Roda de Capoeira - IPHAN IPHAN. Visitado em 19 de abril de 2015.
  265. Silvio Essinger. Mangue Beat CliqueMusic.
  266. Reinado Caruso. Recife - O 'mangue beat' Folha de São Paulo.
  267. a b O que foi o movimento Manguebeat? Diario de Pernambuco. Visitado em 28 de abril de 2015.
  268. Filme brasileiro entra em lista de melhores do ano no 'New York Times'. Visitado em 12 de maio de 2013.
  269. 25 Favorites From a Year When 10 Aren’t Enough New York Times. Visitado em 12 de maio de 2013.
  270. Festival de Cinema de Brasília divulga participantes de mostra competitiva
  271. Estreia: Cláudio Assis retrata Recife de forma poética em 'Febre do rato'
  272. Estreante em Hollywood, Heitor Dhalia diz que '12 horas' é do produtor. Visitado em 6 de junho de 2013.
  273. Pernambuco conquista Grand Slam do cinema brasileiro (2013). Visitado em 21 de agosto de 2013.
  274. Alexandre Henderson mostra o mercado popular no Hoje é dia de... Globo.com. Visitado em 29 de maio de 2015.
  275. Casa da Cultura, Recife Fundaj. Visitado em 25 de maio de 2015.
  276. Prefeitura de Recife: Museu da Cidade. Visitado em 1 de março de 2015.
  277. Governo de Pernambuco: Museu do Estado de Pernambuco. Visitado em 1 de março de 2015.
  278. Eva Joory (24 de dezembro de 2012). Casa Vogue: Casa-grande e Museu Gilberto Freyre. Visitado em 1 de março de 2015.
  279. Museu do Homem do Nordeste - Fundação Joaquim Nabuco Fundaj.gov.br. Visitado em 17 de novembro de 2013.
  280. Museu Cais do Sertão Caisdosertão.com.br. Visitado em 28 de julho de 2013.
  281. a b Calsavara, Katia. Ricardo Brennand: o senhor das armas Aventuras na História. Visitado em 28 de julho de 2014.
  282. Castelo São João Instituto Ricardo Brennand. Visitado em 28 de julho de 2014.
  283. Prefeitura de Recife: Teatro Santa Isabel. Visitado em 1 de março de 2015.
  284. Brasil tem dois museus entre os melhores do mundo segundo turistas G1. Visitado em 21 de setembro de 2014.
  285. a b Terra (2011). Terceiro pólo gastronômico do País, Recife agrada a todos Vida e Estilo. Visitado em 2011.
  286. a b Chegou o novo Guia Brasil 2013 do Guia Quatro Rodas Abril.com. Visitado em 29 de maio de 2015.
  287. Recife,Pernambuco (2011). Recife Bolos. Visitado em 2011.
  288. JC Online. Hora do Almoço. Visitado em 6 de abril de 2012.
  289. O que fazer em Recife. Rua da Hora.
  290. Duelo de polos gastronômicos no Recife.
  291. Aos 130 anos, restaurante mais velho do País adere ao micro-ondas.
  292. Restaurante Leite completa 130 anos de vida.
  293. Viagem de Férias. Pratos regionais.
  294. Ranking Oficial das Federações da CBF 2014 Campeões do Futebol. Visitado em 28 de maio de 2015.
  295. Sport é campeão sul-americano de hóquei. Visitado em 6 de maio de 2013.
  296. De virada como na primeira partida, Sport bate Americana e é campeão. Visitado em 6 de maio de 2013.
  297. "Leoas" dão bote no fim, e Sport conquista o Sul-Americano feminino. Visitado em 13 de junho de 2014.
  298. Globo EsporteCBF volta a reconhecer Sport como único campeão brasileiro de 1987 (15 de junho de 2011). Visitado em 24 de maio de 2015.
  299. Anderson Aquino marca e leva o Santa Cruz ao seu 28º título pernambucano ESPN. Visitado em 28 de maio de 2015.
  300. Clube Náutico CapibaribeHistória. Visitado em 24 de maio de 2015.
  301. América de Recife. Página oficial do clube. Visitado em 4 de março de 2012.
  302. Clube Português do RecifeClube Português do Recife. Visitado em 24 de maio de 2015.
  303. NE10: Vídeo: A 900 dias do Mundial, maquete da Cidade da Copa é divulgada (27 de dezembro de 2011). Visitado em 24 de maio de 2015.
  304. a b CBF (24 de outubro de 2014). CNEF - Cadastro Nacional de Estádios de Futebol CBF Website. Visitado em 28 de maio de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Prefeitura
Câmara
Outros