Paranaguá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Paranaguá
"Berço da civilização paranaense"
"Mãe do Paraná"
"Grande mar redondo"
Porto de Paranaguá

Porto de Paranaguá
Bandeira de Paranaguá
Brasão de Paranaguá
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 29 de Julho
Fundação 29 de julho de 1648 (365 anos)
Gentílico parnanguara
Prefeito(a) Edison Kersten[1] (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Paranaguá
Localização de Paranaguá no Paraná
Paranaguá está localizado em: Brasil
Paranaguá
Localização de Paranaguá no Brasil
25° 31' 12" S 48° 30' 32" O25° 31' 12" S 48° 30' 32" O
Unidade federativa  Paraná
Mesorregião Metropolitana de Curitiba IBGE/2008[2]
Microrregião Paranaguá IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Antonina, Guaraqueçaba, Morretes, Guaratuba, Pontal do Paraná, Matinhos
Distância até a capital 91 km
Características geográficas
Área 826,652 km² (BR: 1661º)[3]
População 148 232 hab. (PR: 10º) –  Estimativa IBGE/2013[4]
Densidade 179,32 hab./km²
Altitude 5 m
Clima Subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,750 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 7 107 174,928 mil (BR: 52º) – IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 51 223,62 IBGE/2008[6]
Página oficial
Prefeitura www.paranagua.pr.gov.br
Câmara www.paranagua.pr.leg.br
Commons
O Commons possui multimídias sobre Paranaguá

Paranaguá é a principal cidade do litoral paranaense, localizada no litoral do estado do Paraná, no Brasil. É a cidade mais antiga do estado. Segundo a estimativa de população realizada em 2011 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, possui 142 452 habitantes, sendo a décima mais populosa cidade do Paraná e a 31ª mais populosa da Região Sul do Brasil. Detém um produto interno bruto de 7 107 175 000 reais (2008)[6] , que é o quinto maior do estado. Seu porto é sua principal atividade econômica.

Cidade histórica e turística fundada na primeira metade do século XVII, tem, com sua principal atividade econômica, a de porto escoador da produção do Paraná, interligando o estado às demais regiões do país e do exterior. A construção de suas docas data de 1934, quando passou a figurar entre os principais portos do Brasil, com a denominação de Porto Dom Pedro II. Testemunha de mais de 400 anos de história, guarda, ainda, vestígios da época da colonização portuguesa em seus casarios de fachada azulejada, em suas ladeiras de pedra e em suas igrejas. O município foi criado através da Lei 5, de 29 de julho de 1648, e instalado na mesma data, tendo sido desmembrado do estado de São Paulo.

Os habitantes naturais do município de Paranaguá são denominados parnanguaras. Está localizado a uma distância de 91 km da capital do estado, Curitiba.

História[editar | editar código-fonte]

Séculos XVI a XVII[editar | editar código-fonte]

Paranaguá tem a prerrogativa de ser o primeiro município fundado no Paraná, fato que se deu através de Carta Régia, de 29 de julho de 1648.[7] Antes que se organizasse o núcleo, que deu origem à sociedade parnanguara, há milênios, neste mesmo litoral, habitou o Homem do Sambaqui, tratando-se de uma raça extinta,[8] sem que pouco ou quase nada se saiba sobre ele.

Mais tarde, foi a vez do povo Carijó,[7] do grupo Tupi-Guarani, que a exemplo da anterior, é raça também extinta: desta feita, pelas mãos do desbravador português, que os capturou para trabalho escravo. Com o tempo, os que sobraram miscigenaram-se com brancos e negros africanos,[9] resultando em outro elemento étnico, o caiçara.

Desde 1549, a costa litorânea paranaense já era conhecida e habitada pelo branco europeu.[10] Pelo menos é o que consta no relato do náufrago alemão Hans Staden, registrado em livro. Foi-se efetivando uma povoação, e em 1578, segundo consta, existia uma pequena capela sob a invocação de Nossa Senhora do Rosário.[11]

Em 1614, Diogo de Unhate, tabelião em São Vicente, obteve a primeira sesmaria em terra paranaense, localizada entre os rios Ararapira e Superagui.[12] Em 1640 Gabriel de Lara, que passou para a história como o "capitão-povoador", chegou a Paranaguá,[13] sendo que após seu estabelecimento, fez erguer o Pelourinho em 6 de janeiro de 1646, símbolo máximo da justiça e do poder lusitano.[14] Neste mesmo ano Gabriel de Lara anunciou descobrimento de ouro em Paranaguá.[10]

Porto de Paranaguá no fim do século XIX, por Alfredo Andersen

Com esta notícia, iniciou-se oficialmente o ciclo da mineração aurífera no Paraná,[15] e até mesmo do Brasil Colônia, e antes que se iniciasse regularmente a procura pelo ouro vil, o Governador-Geral do Rio de Janeiro nomeou um "... Administrador e Provedor para o seu desenvolvimento, pesquisa de novas jazidas e defesa fiscal dos quintos reais", em nome d'El Rey. A presença de tantas autoridades nesta região, acabou despertando a atenção e o interesse de muita gente que afluiu em busca de riqueza fácil, iniciando diferente atividade sertanista.

A partir do núcleo Paranaguá, outras regiões foram atingidas: Tagassaba, Serra Negra, Faisqueira e os rios do Pinto, Guarumbi, Cubatão e outros lugares. Posteriormente a cata ao ouro transpôs a serra e foi ter no planalto. Até os dias de hoje historiadores discutem qual o resultado final da cata do ouro, pelo menos com a significância desejada. No entanto foi a ilusão do ouro que ajudou a fundar o Paraná.

Paranaguá cresceu tanto que, no ano de 1660, foi transformada em capitania, sendo Gabriel de Lara nomeado ouvidor, alcaide-mor e capitão-mor.[16] A Capitania de Paranaguá foi extinta em 1710, e anexada à de São Paulo,[10] sendo que por Provisão de 21 de agosto de 1724, foi nomeado o primeiro ouvidor pós Capitania, o dr. Antônio Alves Lanhas Peixoto.[17]

A ouvidoria de Paranaguá compreendia todo o sul do Brasil, até o Rio da Prata (inclusive a República Oriental do Uruguai), estando sob sua jurisdição as vilas de Iguape, Cananeia, São Francisco, Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis), Laguna e Nossa Senhora da Luz dos Pinhais de Curitiba.

A 20 de novembro de 1749, iniciou-se a desagregação do imenso território parnanguara, com a criação da ouvidoria de Santa Catarina.[18]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Em 1812, foi criada a comarca de São Pedro do Rio Grande do Sul,[19] , sendo que, nesta mesma data, a sede da ouvidoria de Paranaguá foi transferida para Curitiba. A partir de 29 de novembro de 1832, as ouvidorias foram extintas,[20] sendo que neste período iniciava-se a tomada efetiva de povoamento dos Campos Gerais do Paraná.

A localização geográfica permitiu, ao longo de sua existência, que Paranaguá participasse de ações militares, tanto é que foi construída a Fortaleza da Ilha do Mel,[21] sem que no entanto, fosse acionada para fins bélicos, pelo menos a contento. É dos pontos turísticos mais visitados do município.[22]

Um duro golpe na população parnanguara veio por conta da Revolução Federalista, em 1894.[23] Nesta ocasião os Federalistas (insurretos gaúchos contrários ao governo legal), que haviam tomado de assalto o estado de Santa Catarina, atacaram simultaneamente o estado do Paraná em três frentes, Tijucas do Sul,[24] Lapa[25] e Paranaguá,[23] que ficou em mãos dos Federalistas por três meses e sete dias, só saindo dali no dia 24 de abril de 1894.

Registra-se que não houve violência contra a comunidade, ao contrário do que ocorreu, por exemplo, na Lapa e em Tijucas do Sul, localidades onde ocorreram muitas baixas. Mas o resultado para a cidade foi, de certa forma, bem trágico: ao retomar o poder, a militária paranaense, por vingança, executou, no quilômetro 65, pessoas consideradas contrárias ao poder legal, dentre as quais Prisciliano Correia e Ildefonso Pereira Correia — o Barão de Serro Azul, filhos de Paranaguá. Governava o Paraná nesta época Vicente Machado.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1902, foi inaugurada a iluminação elétrica,[26] em 1908 foi instalado o serviço telefônico[26] e em 1914 o serviço de abastecimento de água[26] e rede de esgotos.[26] Em 1934 foram construídas as docas do Porto Dom Pedro II, com 450 metros de cais acostáveis, posteriormente este mesmo porto foi modernizado, tornando-se um dos mais importantes do Brasil.[26] É a maior fonte de renda municipal, exportando produtos vindos, tanto pela moderna rodovia que liga o litoral à Curitiba, quanto pela linha férrea, cujos trilhos de aço, colocados nos contrafortes da serra ainda no século passado, deu o pontapé inicial, para transformar o Paraná provincial no estado moderno de hoje.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Paranaguá" é uma palavra de origem tupi, variando sua etimologia segundo os diferentes autores:

Geografia[editar | editar código-fonte]

A sede municipal está compreendida entre as seguintes coordenadas geográficas: 25°31'12" de latitude sul e 48°30'32" de longitude oeste do Meridiano de Greenwich. Limita ao norte com Antonina e Guaraqueçaba através da Baía de Paranaguá; ao sul com Guaratuba e Matinhos; a leste com Pontal do Paraná e a oeste com Morretes. O município ocupa uma área de 826,652 quilômetros quadrados.

Geologicamente, os terrenos do município são de origem quaternário-holocênica, terciário-miocênica, arqueano-proterozoica e mesozoico-jurássico-cretácea. Os tipos de solos existentes no município são espodossolo cárbico hidromófico, argissolo vermelho-amarelo distrófico, cambissolo háplico também distrófico, gleissolo sálico, cambissolo háplico também distrófico, latossolo vermelho-amarelo e afloramento de rocha. Entre os tipos de solos predomina o espodossolo cárbico hidromófico. Na sede municipal a altitude é de 5 m. O relevo do município apresenta altitudes médias que oscilam entre 0 m e 1.000 m. Paranaguá está localizada na Baixada Litorânea Paranaense.

Paranaguá possui diversos acidentes geográficos entre os quais se destacam os seguintes: os rios Itiberê e Guaraguaçu, ambos navegáveis; as ilhas do Mel, da Cotinga, Rasa da Cotinga e das Pedras; a baía de Paranaguá; a gruta das Encantadas situada na parte meridional da Ilha do Mel e numerosas praias ao redor da ilha.

O município faz parte da Bacia Hidrográfica do Litoral Paranaense. Seus principais rios são: Itiberê e Guaraguaçu, ambos navegáveis. A vegetação predominante do município é a Floresta Ombrófila Densa, que inclui dunas, restingas e manguezais.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Paranaguá é subtropical-Cfa, que segundo a classificação climática de Köppen, denomina-se Cfa característica de verão quente, úmido e com ocorrência de precipitação todos os meses do ano.

Centro de Paranaguá.

As estações são bem definidas, pois apresentam variações bruscas de temperatura entre o inverno e verão. O período de transição entre estas denominadas outono e primavera são marcadas por essas variações, como exemplo, o dia ser ensolarado e quente, e a noite ser relativamente fresca. Sua umidade relativa é sempre elevada, pois Paranaguá se localiza próxima do Oceano Atlântico.

A estação de inverno caracteriza-se por um clima ameno, por situar-se na planície do litoral do Paraná, e devido a sua proximidade com o Oceano Atlântico. Isto é, quando não está sob influência da massa de ar polar conhecido como frente fria, vinda do sul do continente americano que modifica grandemente os dias amenos, registrando temperatura mínima de até 5 °C. Em média, o mês de julho apresenta máximas de 20 a 21 °C e mínimas de 12 a 13 °C. Nessa estação também podem ocorrer dias quentes, parecidos com os de verão, mas predominado na maioria dos dias o clima característico da estação.

Rua da Praia - Paranaguá

No verão, o clima é muito quente na maioria dos dias, e as máximas ultrapassam os 30 °C facilmente durante as primeiras horas da tarde. Devido a esse fator, é comum no final da tarde chover, consequência da intensa evaporação ocorrida durante o dia, embora o regime de precipitação não esteja ligado somente às chuvas de verão. As noites por sua vez podem ser muito quentes, podendo as temperaturas mínimas variarem muito, ficando em torno dos 20 a 23 °C. Pode também apresentar mínimas consideráveis uma vez que a cidade localiza-se num clima temperado.

Demografia[editar | editar código-fonte]

De 140 469 habitantes, sendo 69 306 homens e 71 163 mulheres, era a população existente, por ocasião do censo demográfico de 2010. Em 2000, segundo a cor — 96 572 brancos, 25.026 pardos, 3.439 negros, 874 amarelos e 317 indígenas; o estado civil — (10 anos ou mais de idade) — 38.785 casados, 2.111 divorciados, 4.991 viúvos, 2.691 desquitados e 51.659 solteiros; a religião — 68.010 católicos romanos, 35120 evangélicos, 933 mórmons, 800 russelitas, 968 espíritas, 84 umbandistas, 53 cambombleístas, 26 judeus, 443 muçulmanos, 370 budistas, 29 esoteristas, 226 messiânicos e 18.391 ateus. A densidade demográfica era de 169,92 habitantes por quilômetro quadrado; 135.386 estavam localizados na zona urbana e 5.083 na zona rural.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Paranaguá, considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, é de 0,782, sendo o 58° maior de todo estado do Paraná (em 399 municípios); 502° de toda Região Sul do Brasil (em 1666 municípios) e o 1003° de todo Brasil (entre 5 507 municípios). Considerando apenas a educação, o índice é de 0,897 (elevado), enquanto que o do Brasil é 0,849. O índice de longevidade é de 0,720 (o brasileiro é 0,638) e o de renda é de 0,728 (o do país é 0,723). A cidade possui a maioria dos indicadores médios e parecidos com os da média nacional, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social é de 0,42, sendo que 0,41 é o pior número e 0,44 é o melhor. A incidência da pobreza, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 27,92 por cento, o limite inferior da incidência de pobreza é de 23,36 por cento, o superior é de 32,47 por cento e a incidência da pobreza subjetiva é de 27,92 por cento.

Política[editar | editar código-fonte]

As principais autoridades atualmente em exercício são: o prefeito Edson de Oliveira Kersten (Partido do Movimento Democrático Brasileiro - PMDB) ; os vereadores Antonio Ricardo dos Santos (Partido Progressista - PP), Benedito Nagel (Partido Social Democrático - PSD), Eduardo Francisco Costa de Oliveira (Partido da Social Democracia Brasileira, Sandra Regina das Neves (PDT)- PSDB), Jozias de Oliveira Ramos (Partido Democrático Trabalhista - PDT), Marcus Antonio Elias Roque (Partido do Movimento Democrático Brasileiro - PMDB),Sandra Luzia Lopes dos Santos Souza (Partido Progressista - PP) e Marcio Costa (Partido Republicano Progressista - PRP). No dia 24/06/2013, assume interinamente a Prefeitura Municipal de Paranaguá, em virtude do afastamento do prefeito Mario Manoel das Dores Roque para tratamento de saúde o vice-prefeito Edison de Oliveira Kersten, também do PMDB. Na madrugada do dia 01/07/2013, em decorrência de complicações após intervenção cirúrgica vem a falecer o prefeito municipal Mario Manoel das Dores Roque, que exercia seu terceiro mandato a frente do Executivo Municipal, causando grande comoção em toda a cidade, assumindo em definitivo seu vice Edison de Oliveira Kersten para cumprir o mandato até 31/12/2016.

A comarca, criada em 10 de fevereiro de 1725, é a primeira do Paraná, compreendendo apenas o distrito da sede. Na cidade, funcionam a Junta de Conciliação e Julgamento de Paranaguá, o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, a Vara de Família, o Cartório do Registro de Imóveis de Paranaguá, o 1º Tabelionato Pacheco e o 2º Tabelionato Costa.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Paranaguá é dividida em distritos:, mas também há os bairros. Cidade de Paranaguá (zona urbana), zonas Sul, Norte, Leste, Oeste e Central. e Alexandra (zona rural). Em 1995, Paranaguá perde mais uma parte de seu território, para a criação do município de Pontal do Paraná, conforme plebiscito pela participação da população da região. O bairro mais populoso é o Parque São João, com cerca de 20 000 habitantes, enquanto o menos populoso é a Vila Santa Helena, com cerca de 800. Os bairros mais nobres são: Costeira, Tuiuti, Palmital, Raia. E os mais pobres são: Vila Garcia, Vale do Sol, Jardim Esperança e Porto Seguro.

Economia[editar | editar código-fonte]

Os "transportes e comunicações" constituem as principais atividades econômicas da população de Paranaguá. Isto resulta de estar localizado no município o Porto de Paranaguá que, em consequência do desenvolvimento da cafeicultura paranaense, ocupa lugar de destaque na vida econômica brasileira.

Rua Rodrigues Alves - Bairro Centro Histórico sentido Bairro Costeira

Contribuem, ainda, para a economia municipal: a agricultura, a produção do pescado e a indústria. O valor da produção agrícola prevista para 2007 foi o seguinte: arroz — 486 000 reais, banana — 3 827 000 reais, cana-de-açúcar — 432 000 reais, mandioca — 416 reais, feijão — 14 000 reais, maracujá — 23 000 reais, milho — 51 000 reais, tangerina — 70 000 reais e tomate — 85 000 reais.

Paranaguá pode ser considerado o primeiro município pesqueiro do Paraná. Em 2000, 1 465 pessoas ativas agrupavam-se no setor de "agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e pesca". Tal ramo vem se desenvolvendo acentuadamente face a procura, consumo e exportação do pescado, para todo o Estado e para o Estado de São Paulo.

A indústria é constituída de 171 estabelecimentos, dos quais 44 ocupam 188 funcionários em suas tarefas. Os principais ramos são: extração de minerais, metalúrgica, mecânica, química e produtos alimentícios.

Revelam dados estatísticos que 5 539 pessoas estão ocupadas no ramo "transportes e comunicações", seguindo-lhe 33 235 empregos no ramo "Agricultura, silvicultura, criação de animais, extração vegetal e pesca". A indústria em 2008 ocupou cerca de 4 703 pessoas economicamente ativas atingiu o valor adicionado bruto de 1 869 921 reais.

A exportação total de Paranaguá em 2010 totalizou 4 140 138 980 dólares estadunidenses. Como principais produtos exportados (na sua maioria através do porto), figuram: grão de soja, frango, milho em grão, carne bovina e suína desossadas e óleo de soja.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Por ser a primeira cidade do Paraná, Paranaguá conta com um centro histórico bem diversificado, com o Museu de Arqueologia e Etnologia de Paranaguá e o Museu do Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá, além dos casarios antigos, das igrejas (Catedral Diocesana), bem como as ilhas da Cotinga, do Mel, entre outras atrações. Fato que, estas atratividades turísticas oferecidas aos visitantes, também colaboram para o movimento da economia no município.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Televisão Aberta[editar | editar código-fonte]

Jornais[editar | editar código-fonte]

Rádios AM[editar | editar código-fonte]

  • Rádio Globo (1570 kHz)
  • Rádio Difusora (1460 kHz)

Rádios FM[editar | editar código-fonte]

  • Rádio Aliança FM (98,3 MHz)
  • Rádio Ilha do Mel FM (90,3 MHz)
  • Rádio Litoral Sul FM (95,9 MHz)
  • Rádio Massa FM (103,5 MHz)

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Abastecimento de água[editar | editar código-fonte]

A CAB Águas de Paranaguá opera os serviços de tratamento da água e esgoto da parte urbana do município desde 2008 e, em março de 2012, passou a operar também o bairro de Alexandra e a Ilha do Mel. O sistema de abastecimento de água inclui unidades de captação, adução, tratamento, reservação e distribuição. A cidade de conta com quatro estações de tratamento, a Estação de Tratamento de Água Colônia (ETA Colônia), Estação de Tratamento de Água Alexandra, Estação de Tratamento de Água Brasília e Encantadas, sendo que essas últimas na Ilha do Mel.

Educação[editar | editar código-fonte]

Em Paranaguá, encontram-se as seguintes instituições de graduação e formação técnica:

Rede pública[editar | editar código-fonte]

FAFIPAR - Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Paranaguá - (Graduação)

IFPR - Instituto Federal Paraná, Câmpus Paranaguá - (Curso Técnico)

Rede privada[editar | editar código-fonte]

ISULPAR - Instituto Superior do Litoral do Paraná (Graduação e Ensino Médio)

UNINTER - Unidade Paranaguá (Graduação à distância)

UNIVERSIDADE Positivo - Polo Paranaguá (Graduação à distância)

SENAI - Unidade Paranaguá (Curso Técnico)

CECAP - Centro de Capacitação Profissional de Paranaguá (Curso Técnico)

Transportes[editar | editar código-fonte]

Rodoviário[editar | editar código-fonte]

  • BR 277

Rodovia Federal que passa pelo trecho da Serra do Mar e suas belas paisagens. A rodovia é pedagiada e duplicada. É o principal corredor de acesso ao Porto de Paranaguá.[29]

  • PR-407

Rodovia estadual que faz a ligação de Paranaguá com município de Pontal do Paraná. Esta rodovia recebe a assistência da concessionária Ecovia. Pode-se também fazer conexão com as rodovias PR-412, principal acesso ao ponto de embarque para a Ilha do Mel e PR-407 que faz a ligação do município de Pontal do Paraná com o município de Matinhos.

  • PR-508

Rodovia estadual que faz a ligação do distrito de Alexandra com o município de Matinhos. Esta rodovia também recebe a assistência da concessionária Ecovia. Pode-se também fazer conexão com a rodovia PR-412 que dá acesso ao Ferry-boat, principal ligação com o município de Guaratuba e rodovia SC-415 que dá acesso aos municípios de Santa Catarina como: Itapoá, Garuva, Joinville, etc.

Fluvial[editar | editar código-fonte]

Porto de Paranaguá

Permite-se o acesso a Paranaguá pelo Canal da Galheta ao Porto de Paranaguá, pela Ilha do Mel, Ilha do Superagui e diversos rios que desembocam no oceano como o Rio Guaraguaçu e o Rio Itiberê que dão acesso ao centro histórico de Paranaguá.

Ferroviário[editar | editar código-fonte]

A Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba, criada em 1880, é hoje uma das mais famosas do Brasil. Construída sobre a Serra do Mar, teve de vencer grandiosos obstáculos do relevo que pareciam

Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá

ser impossíveis de se realizar para construção de sua linha férrea.

Seu primeiro trecho foi inaugurado em 1883 e já em 1885 estava concluída, sendo então, a primeira ferrovia do estado do Paraná. Mais tarde continuou se expandindo até 1892 quando alcançou o porto de Antonina.

A linha ainda hoje, em seus 110 quilômetros de extensão que descem os 900 metros da serra, guarda alguns trechos originais daquele tempo, o que perpetua a comprovação do arrojado projeto do século passado.

Nos primeiros 22 quilômetros de trilhos, o trem atravessa dois municípios muito bonitos da região metropolitana de Curitiba. Trata-se de Pinhais e Piraquara. Logo depois, em mais alguns minutos de passeio, chega-se até o Túnel de Roça Nova, o primeiro de outros 13 túneis que se encontram no percurso e atravessam a maciça rocha da grandiosa serra. Com 457 metros, o Roça Nova, é o maior deles e se localiza no ponto mais elevado do trajeto. Nesse ponto, as fotos não podem faltar.

Logo em seguida, a linha segue em direção à Casa Ipiranga, que serviu de meio de hospedagem para figuras ilustres da nossa história. O Imperador Dom Pedro II, o então presidente da Província do Paraná Carlos de Carvalho, sem esquecer, é claro, do famoso pintor paranaense Alfredo Andersen. Aproveite para observar a passagem do Rio Ipiranga que corta toda essa área dando um charme especial à construção. O Ponto de Partida para a viagem até Paranaguá é a estação rodoferroviária de Curitiba e para ir até Curitiba, a estação ferroviária de Paranaguá

Cidades Irmãs[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Aquário de Paranaguá[editar | editar código-fonte]

O Aquário de Paranaguá[32] expõe aos seus visitantes aproximadamente 200 espécies, divididas em 23 tanques de água doce e salgada. Os visitantes poderão ver de perto pinguins, raias, tubarões, recifes de coral, manguezal e outras representações aquáticas. Além disso, existem dois tanques de toque, nos quais serão possíveis ter experiências sensoriais com animais invertebrados e raias.

Biblioteca Pública Mário Lobo[editar | editar código-fonte]

A Biblioteca Pública Mário Lobo (BPML)[33] , localizada em Paranaguá, iniciou suas atividades em agosto de 2013. Primeira sucursal da Biblioteca Pública do Paraná no Estado, a BPML foi instalada em um edifício histórico, que até 2007 abrigava a Santa Casa da cidade. O novo espaço recebeu um acervo de 10 mil volumes, que inclui livros de Literatura, Artes Visuais, História e Geografia, entre outras aéreas do conhecimento. O prédio foi completamente reformado, ganhou mobiliário, equipamentos para informática, auditório e espaço para exposições. A biblioteca possui área interna de 850 m² e foi concebida para ser um espaço de convivência, leitura, pesquisa e interação com a comunidade. Para isso, disponibiliza o "Espaço Cidadão", que oferece aos usuários serviços de referência digital. Possui ainda uma sala com títulos infantojuvenis e uma hemeroteca (jornais e revistas atuais).

Cinema[editar | editar código-fonte]

Atualmente, Paranaguá conta com uma rede de Cinema[34] com duas salas, com localização anexa ao Hipermercado Condor, próximo a região central da cidade.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Eventos com completa infra-estrutura, segurança e shows agitam multidões na Praça 29 de Julho em Paranaguá. O turismo de eventos no município conta com uma programação fixa como a tradicional Festa Nacional da Tainha, Feira das Nações, Encontro Internacional de Motociclistas e Aniversário da cidade. O turismo de negócios é importante para divulgação de serviços, fidelização de clientes e geração de renda. Entre as principais atividades nesse setor está a Exposafra que acontece no mês de maio, no Pátio de Triagem de Caminhões.

Museu de Arqueologia e Etnologia de Paranaguá (MAEP)[editar | editar código-fonte]

O MAEP[35] é uma importante referência acadêmica e turística, com seu rico acervo composto por mais de 25.000 peças, incluindo as coleções de arqueologia, cultura popular e etnologia

indígena, além de vasta documentação textual, sonora e visual.Tombado em 1938, por ser considerado Patrimônio Artístico e Cultural, é o Antigo Colégio dos Jesuítas, um monumento da arquitetura do século XVIII. Levou muitos anos para ser construído e sua fundação oficial foi em 1755. Destinou-se ao estudo dos filhos dos aristocratas do sul, até os jesuítas serem banidos do reino pelo Marquês de Pombal.

Museu do Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá (MIHGP)[editar | editar código-fonte]

O MIHGP[36] foi fundado em 1931 e possui em seu importante acervo jornais, porcelanas, armas, moedas, instrumentos de trabalho e peças de mobiliário dos séculos XVII e XVIII, que representam diferentes momentos da nossa história. Da coleção, destaca-se a imagem de Nossa Senhora das Vitórias e o canhão corsário francês, que naufragou na ponta da Ilha da Cotinga em 1718, encontrado em 1963, por membros da Sociedade Geográfica Brasileira. Está localizado na Rua XV de Novembro ao lado do MAEP, no centro histórico.

Oficina de Música[editar | editar código-fonte]

Na Casa Brasílio Itiberê[37] , quem quiser aprender algum instrumento musical, tem acesso às aulas de música gratuitas, a Fundação Municipal de Cultura oferece 11 oficinas musicais que abordam a teoria e a prática. Com as oficinas gratuítas, muitos talentos já foram descobertos entre os adultos e também entre as crianças. Atualmente, os cursos oferecidos são: Teoria Musical, Piano, Teclado, Flauta, Técnica vocal, Violão, Violino, Sopro, Prática de Coral, Flauta doce, Flauta transversal. E para as oficinas de Fandango: Rabeca, Viola e Adufo.

Turismo Religioso[editar | editar código-fonte]

Fé, história e tradição são as relíquias do Turismo Religioso em Paranaguá. O visitante busca estar em locais onde a fé vive-se intensamente e conta com um calendário fixo, como a Festa da Padroeira do Santuário Estadual Nossa Senhora do Rocio[38] . A festividade acontece na primeira quinzena de novembro e recebe a visita de peregrinos de todo o Brasil.

A cidade tem outros principais atrativos religiosos: A Igreja de Nossa Senhora do Rosário, construída por escravos libertos devotos de Nossa Senhora, foi edificada em 1578. É o marco central do povoado e da Vila de Paranaguá, que cresceu ao seu redor. A Igreja de São Benedito e a Igreja de Nossa Senhora das Mercês, na Ilha da Cotinga. O turista poderá conhecer também as festividades com datas fixas como a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, com procissão marítima, Festa de São Pedro, Via Sacra e o Congresso de Missões e Evangelismo.

Teatro Municipal Rachel Costa Pereira[editar | editar código-fonte]

O antigo casarão da família Veiga foi construído a partir de pedras retiradas de uma demolição da Igreja do Bom Jesus dos Perdões, em 1938. Após ficar abandonado, conservada apenas a fachada e o frontispício, o imóvel foi adquirido pela Prefeitura de Paranaguá e, após ser restaurada, parte da construção nova , ergueu-se o Cine Teatro “ Rachel Costa Pereira”[39] , com 530 lugares, sedia cursos, apresentações, concertos e apresentações teatrais e ainda propõe-se à exibição de filmes populares e culturais.

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Amanhecer ensolarado em Paranaguá
Praias da Ilha do Mel
  • Cine Teatro
  • Estação Ferroviária
  • Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba
  • Fonte Velha ou Fontinha
  • Catedral de Paranaguá
  • Monumentos Históricos
  • Museu de Arqueologia e Etnologia de Paranaguá (MAEP)
  • Palácio Visconde de Nácar
  • Casa Elfrida Lobo
  • Palácio Carijó
  • Museu do Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá (MIHGP)
  • Alfândega da Receita Federal
  • Aquário de Paranaguá
  • Edifício Palácio do Café
  • Igreja de Nossa Senhora do Rocio
  • Igreja da Ordem de São Francisco das Chagas
  • Igreja de São Benedito
  • Praça 29 de julho
  • Mercado do Artesanato
  • Mercado Municipal
  • Palácio Mathias Böhn
  • Casa Cecy
  • Porto Dom Pedro II
  • Praças
  • Rua da praia
  • Gigante do Itiberê
  • Palácio do Esdras
  • Aeroparque
  • Farol das Conchas
  • Ilha do Mel
  • Gruta das Encantadas
  • Rua da Praia
  • Palco Tutóia
  • Praça Fernando Amaro
  • Casa Monsenhor Celso (Casa da Cultura)
  • Instituto de Educação Dr. Caetano Munhoz da Rocha
  • Mercado Municipal Brasílio Abud
  • Mercado Municipal do Café
Vista panorâmica da beira-mar na área do Centro Antigo de Paranaguá
Vista panorâmica da beira-mar na área do Centro Antigo de Paranaguá

Fandango[editar | editar código-fonte]

O fandango é uma dança típica da região de Paranaguá. Chegou ao Paraná por volta de 1750. A dança consiste em "bater os pés" no ritmo da música sem perder a harmonia. Hoje em dia, o fandango voltou a ser exibido em praças da cidade e no antigo Mercado Municipal, uma vez ao mês.

Barreado[editar | editar código-fonte]

Barreado, um prato típico do litoral paranaense (com a sua tradiconal receita) dava seus primeiros passos há 300 anos, nos primórdios da colonização de origem portuguesa da cidade. Posteriormente, foi adotada por Morretes e Antonina.

Seu preparo consiste em carne de porco e farinha (entre outros ingredientes). É feito tradicionalmente em uma panela de barro, onde é cozido por 13 horas. Pode ser acompanhada com banana e arroz.

Ilha do Mel[editar | editar código-fonte]

A Ilha do Mel é uma ilha pertencente a cidade de Paranaguá. É um dos pontos turísticos mais visitados do Brasil e do mundo.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Emblema do Rio Branco

Paranaguá possui um dos mais antigos times de futebol do estado, o Rio Branco, mais conhecido como "Leão da Estradinha", e também o Seleto, vice-campeão paranaense em 1964, que hoje

encontra-se no amadorismo, entre outros clubes que participaram do Campeonato Paranaense de Futebol em outras épocas[40] . Além disso, existem times de futsal e

atletas paraolímpicos (um deles esteve nas Olimpíadas de Pequim, em 2008).

A cidade possui dois estádios de futebol. Um deles encontra-se abandonado: o Estádio Nelson Medrado Dias, patrimônio do Rio Branco. O principal estádio da cidade é o Gigante do Itiberê, com capacidade para 11 000 espectadores.


Referências

  1. Morre prefeito de Paranaguá, Mário Roque. Bem Paraná (2013-07-01). Página visitada em 2013-07-02.
  2. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  4. http://oglobo.globo.com/pais/arquivos/POP2011_DOU.pdf Estimativa Populacional 2011. Estimativa Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 6 de setembro de 2011.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  6. a b c Produto Interno Bruto dos Municípios 2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  7. a b História de Paranaguá (em português). Prefeitura Municipal de Paranaguá. Página visitada em 21 de janeiro de 2009.
  8. GODOLFIM, Luiz Roberto. O Homem do Sambaqui (em português). Grupo de Antropologia Ibero-Americana. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  9. Os Povos no Brasil - Miscigenação (em português). Cola da Web. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  10. a b c História do Paraná (em português). Secretaria de Estado da Cultura do Paraná. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  11. Pontos turísticos de Paranaguá (em português). Prefeitura Municipal de Paranaguá. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  12. SILVEIRA, Ari (28 de novembro de 2009). As novas descobertas de Superagui (em português). Jornal Gazeta do Povo. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  13. História de Guaraqueçaba (em português). Pousada Flor da Serra. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  14. Stela 15.40 Coordenadoria da Taquigrafia (em português). Deputado Roque (3 de agosto de 2009). Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  15. LICCARDO, Antonio; SOBANSKI II, Arnoldo; CHODUR, Nelson Luiz. O Paraná na história da mineração no Brasil do século XVII (em português). Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  16. Terra, cultura e poder: a arqueologia de um estado (em português). Paraná da Gente. Página visitada em 21 de janeiro de 2009.
  17. Notícias (em português). Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  18. PAULI, Evaldo. História da Capitania de Santa Catarina (em português). Enciclopédia Simpozio. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  19. SILVA, Agathe Elsa Schmidt da (3 de março de 2008). Discurso proferido pela Desembargadora Agathe Elsa Schmidt da Silva, por ocasião de sua posse no cargo (em português). Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  20. Conheça mais sobre a história do Ombudsman (em português). OMD: Soluções para ouvidorias. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  21. Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres de Paranaguá (em português). Coordenadoria do Patrimônio Cultural do Paraná. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  22. Pontos turísticos de Paranaguá (em português). Prefeitura Municipal de Paranaguá. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  23. a b WACHOWICZ, Ruy Christovam. História do Paraná: A República no Paraná e a Revolução Federalista (em português). 7ª ed. Curitiba: Vicentina, 1995. 160-161 p. 1 vol. vol. 1.
  24. WACHOWICZ, Ruy Christovam. História do Paraná: A República no Paraná e a Revolução Federalista (em português). 7ª ed. Curitiba: Vicentina, 1995. 161 p. 1 vol. vol. 1.
  25. WACHOWICZ, Ruy Christovam. História do Paraná: A República no Paraná e a Revolução Federalista (em português). 7ª ed. Curitiba: Vicentina, 1995. 161-162 p. 1 vol. vol. 1.
  26. a b c d e História de Paranaguá (em português). City Brazil. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  27. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. Terceira edição revista e aperfeiçoada. São Paulo. Global. 2005. p. 30.
  28. FERREIRA, João Carlos Vicente. Municípios paranaenses: Origens e significados de seus nomes (em português). Paraná da Gente. Página visitada em 21 de janeiro de 2010.
  29. Ecovia.
  30. Comitiva japonesa chega a Paranaguá nesta quarta-feira, dia 24 (em pt). Prefeitura Municipal de Paranaguá. Página visitada em 12 de dezembro de 2012.
  31. Baka vê na Ucrânia grandes possibilidades de negócios (em pt). Prefeitura Municipal de Paranaguá. Página visitada em 12 de dezembro de 2012.
  32. http://www.aquariodeparanagua.com.br/
  33. http://www.bpp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=54
  34. http://www.cinesystem.com.br/paranagua/programacao/
  35. http://www.paranagua.pr.gov.br/conteudo/guia-turistico/pontos-turisticos/museus
  36. http://www.paranagua.pr.gov.br/conteudo/guia-turistico/pontos-turisticos/museus
  37. http://www.fumcul.com.br/projetos/oficinas-de-musica/#.U1HzMFdQUiM
  38. http://santuariodorocio.com/site/index.php
  39. http://www.fumcul.com.br/institucional/patrimonio-cultural/teatro-municipal-rachel-costa-pereira/#.U1Hz0VdQUiM
  40. http://www.rsssfbrasil.com/tablesfq/pr1915.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Turismo e lazer
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Paranaguá