Triunfo (Pernambuco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Triunfo
"Oásis do Sertão"
Teleférico em Triunfo

Teleférico em Triunfo
Bandeira de Triunfo
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Fundação 13 de junho de 1884
Gentílico triunfense
Prefeito(a) Luciano Fernando de Sousa (PR)
(2013–2016)
Localização
Localização de Triunfo
Localização de Triunfo em Pernambuco
Triunfo está localizado em: Brasil
Triunfo
Localização de Triunfo no Brasil
07° 50' 16" S 38° 06' 07" O07° 50' 16" S 38° 06' 07" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Sertão Pernambucano IBGE/2008[1]
Microrregião Pajeú IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes estado da Paraíba (norte), Flores (leste], Calumbi (sul), Santa Cruz da Baixa Verde (leste)
Distância até a capital 355 3 km
Características geográficas
Área 191,516 km² [2]
População 15 280 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 79,78 hab./km²
Altitude 1.010 m
Clima Mesotérmico Cw'a
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,670 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 75 159 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 5 011 57 IBGE/2011[5]
Página oficial

Triunfo é um município brasileiro do estado de Pernambuco.

História[editar | editar código-fonte]

Em fins do século XVIII a serra da Baixa Verde, que teve como habitantes primitivos os índios Cariris, era arrendada a Domingos Pereira Pita que depois se tornou proprietário. Nessa época, em data incerta, chegou a Baixa Verde o missionário capuchinho frei Vidal de Frescolero, conhecido por frei Vidal da Penha, que fixou residência no sítio Baixa Verde, em um pequeno terreno que conseguiu com o senhor Domingos Pereira Pita, onde fez o aldeamento dos índios que com ele vieram. Em novembro de 1803 retirou-se para Cabrobó, tendo logo depois assumido o seu lugar o missionário frei Ângelo Maurício Niza, o qual fez construir na Baixa Verde uma capelinha que serviu de matriz durante muito tempo, sob a invocação de Nossa Senhora das Dores. Em seguida, tratou de legalizar a posse do terreno dos índios, requerendo ao governador-geral da Capitania, Dr. Caetano Pinto de Miranda Montenegro, meia légua quadrada de terra, a qual foi concedida em sesmaria, a 8 de outubro de 1812; os marcos foram fincados nos lugares denominados Aquiraz, Jaleco, Água Branca e Jardim. O aldeamento, que nesse tempo era um arraial de casas esparsas, foi se transformando pouco a pouco em um núcleo de população e de casas alinhadas. Assim, cabe a Frei Ângelo os foros da fundação da cidade onde ele permaneceu até falecer, em 7 de junho de 1824. Outros habitantes foram chegando sucessivamente, atraídos pelas excepcionais condições de solos, fontes perenes e vegetação sempre verde, fazendo com que a povoação fosse crescendo com rapidez.

Cine Teatro Guarany.

O nome de Triunfo originou-se de uma luta ocorrida entre a poderosa família dos Campos Velhos, da cidade de Flores, e os habitantes da povoação da Baixa Verde, os quais, querendo ver o progresso da localidade, começaram com a criação de uma feira, com o que os Campos Velhos não ficaram satisfeitos, procurando acabá-la por diversas vezes, até mesmo com prejuízo de vidas, mas não conseguiram. Tal fato fez com que os habitantes da Baixa Verde tratassem de sua independência, a fim de se libertar dos Campos Velhos. Para isso, um abaixo-assinado solicitou da Assembléia Provincial e do Diocesano que a povoação fosse transformada em freguesia e elevada à categoria de vila, o que de fato ocorreu em 2 de junho de 1870, através da Lei Provincial nº. 930, que criou a freguesia de Nossa Senhora das Dores, desmembrada da freguesia de Flores, e elevou a povoação de Baixa Verde à categoria de vila, com a denominação de Triumpho. Em 13 de junho de 1884 através da Lei Provincial nº. 1.805, foi criada a comarca de Triunfo e com isso a vila da Baixa Verde foi elevada à categoria de cidade.

Economia[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados do IBGE do ano de 2010, o PIB era estimado em R$69,200 mil, sendo sua maior riqueza as atividades no setor de serviços, seguido pela agricultura e pecuária, quase empatadas. O PIB per capita era de R$ 4.611,46.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município de Triufo está localizado na parte setentrional do Vale do Pajeú. Está situado nas seguintes coordenadas: 9.133.558kmN e 598.763kmE.

Limites[editar | editar código-fonte]

  • Norte: Estado da Paraíba
  • Sul: Calumbi
  • Oeste: Santa Cruz da Baixa Verde
  • Leste: Flores

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município está inserido na bacia do Rio Pajeú. Não existem, na cidade, açudes com capacidade superior a 100.000m³.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O município está localizado no Planalto da Borborema, numa altitude média de 1010m. Seu ponto culminante é o Pico do Papagaio, com 1.260m. O relevo é predominante montanhoso.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação é composta por floresta subcaducifólia, e pela caatinga hiperxerófila.

clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Triunfo é o mesotérmico[6] , do tipo Cw'a, com temperatura média anual de 21 ºC (mínima de 17 ºC e máxima de 26 ºC)[7] e precipitação média de 1 400 milímetros (mm) anuais.[8] A umidade relativa do ar é de 73 %[9] e o tempo de insolação de aproximadamente 2 800 horas anuais.[10]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1971, 1973 a 1985 e 1993 a 2013, a menor temperatura registrada em Triunfo foi de 11,1 ºC em 26 de outubro de 1994,[11] e a maior atingiu 33,3 ºC em 6 de janeiro de 2003 e em dezembro de 1997, nos dias 5 e 6 do referido mês.[12] O maior acumulado de chuva observado em 24 horas foi de 126,8 mm em 28 de janeiro de 1962. Outros grandes acumulados foram 120 mm em 7 de maio de 1969, 115,2 mm em 20 de janeiro de 1974, 105,8 mm em 1º de julho de 1962, 105,4 mm em 16 de abril de 1975, 104,1 mm em 28 de fevereiro de 1970, 103,8 mm em 5 de março de 1978, 102,2 mm em 23 de março de 1965, 102 mm em 15 de abril de 2013, 101,6 mm em 15 de abril de 1997 e 100 mm em 9 de fevereiro de 1969.[13] Em janeiro de 1985 foi registrado o maior volume de chuva em um mês, de 486 mm.[14]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Triunfo Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 33,3 33,1 32,9 31,9 31,4 29,1 29,1 31 32,5 33,2 32,9 33,3 33,3
Temperatura máxima média (°C) 28 26,7 26,4 25,4 24,3 23,5 23,5 25 27,1 28,6 29 28,6 26,3
Temperatura média (°C) 22,6 21,9 21,5 21 20,1 19 18,4 19,2 20,8 22,5 23,1 23 21,1
Temperatura mínima média (°C) 17,7 17,7 17,8 17,7 16,8 15,9 15,1 14,8 15,5 16,5 17,2 17,9 16,7
Temperatura mínima registrada (°C) 14,8 12 13,4 14,2 14 11,3 11,4 11,9 11,6 11,1 14 14,2 11,1
Chuva (mm) 161,6 190,5 226,3 219,8 166,5 131,4 132,1 40,3 24 28,9 25,2 63,4 1 409,8
Dias com chuva (≥ 1 mm) 8 11 14 14 13 12 11 5 3 3 3 5 102
Umidade relativa (%) 67,4 72,9 79,2 83 82,9 84,1 81,3 72,4 65,9 60 60 62,7 72,7
Horas de sol 244,1 219,2 203,7 199,4 199,1 187,1 197,4 258,2 259 283,5 268,6 258,8 2 778,1
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (médias climatológicas de 1961 a 1990;[7] [15] [16] [8] [17] [10] [9] recordes de temperatura de 1961 a 1971, 1973 a 1985 e 1993 a 2013).[11] [12]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Poucos municipios têm o privilégio de reunir tantos atrativos, a começar pelo clima, que contradiz a aridez do sertão nordestino, com temperaturas oscilantes entre 8ºC no inverno e 28ºC no verão. O município pernambucano de Triunfo, distante 399 km de Recife e a uma altitude de 1.004m, tem vegetação diferente da que predomina na região e uma variedade de lugares a se visitar sem similar em todo Sertão nordestino. Com tudo isso Triunfo passou a ser conhecida como “O Oásis no Sertão”.

Tudo em Triunfo parece ter sido talhado com primor: as ruas cheias de ladeiras e calçadas com paralelepípedos, o casario singelo, as antigas construções datadas do século XIX, os seculares e tradicionais convento e igrejas, as edificações em pedra bruta, a história do cangaço que nos faz voltar no tempo, os mirantes, cachoeiras, grutas, a belíssima visão do Pico do Papagaio, ponto mais alto de Pernambuco com 1.260 m, de onde é possível avistar seis cidades do Vale do Pajeú, os caretas com seus trajes que deixam os visitantes curiosos e deslumbrados com tamanha beleza com mais de um século de existência.

O famoso açude João Barbosa Sitônio localizado no centro da cidade, adornado pela presença do Cine Teatro Guarany inaugurado em 1922 e construído com rocha e óleo de baleia para dar sustentabilidade aos três pavimentos do prédio que é uma das 20 Maravilhas de Pernambuco segundo votação realizada pela Fundarpe e sem esquecer do teleférico que tem seus assentos movidos por cima das serras de Triunfo passando sobre as águas do açude.

Todos que visitam Triunfo têm uma verdadeira aula de arquitetura, história e cultura. Cidade de um povo hospitaleiro, rodeada de serras e vegetação sempre verde.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (27 de outubro de 2013). Página visitada em 27 de outubro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 18 dez. 2013.
  6. [1]
  7. a b BDMEP - Temperatura Média Compensada (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  8. a b BDMEP - Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  9. a b BDMEP - Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  10. a b BDMEP - Insolação Total (horas). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  11. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Triunfo. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014.
  12. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Triunfo. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014.
  13. BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Triunfo. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014.
  14. BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Triunfo. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014.
  15. BDMEP - Temperatura Máxima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  16. BDMEP - Temperatura Mínima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  17. BDMEP - Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.