Planalto da Borborema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Planalto da Borborema
Ponte da BR-232, rodovia que corta de leste a oeste o Planalto no Estado de Pernambuco
Localização
Localização Alagoas
Pernambuco
Paraíba
Rio Grande do Norte
País(es)  Brasil
Características
Altitude máxima 1,260 m
Cumes mais altos Pico do Papagaio e Pico do Jabre
Comprimento 400km (norte—sul)

O Planalto da Borborema, também conhecido como Serra da Borborema ou Serra das Russas ou, antigamente, como Serra da Copaoba, é uma região montanhosa brasileira no interior do Nordeste. Medindo aproximadamente 4000 km em linha reta de norte a sul, localiza-se nos estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Esse sistema equivale ao setor mais oriental do planalto Atlântico e um dos dois mais setentrionais, sendo divisor de águas entre as bacias do São Francisco e as bacias propriamente "borborêmicas" (a integração do São Francisco visa justamente interligar essas bacias vencendo a muralha geológica dentre elas; neste caso a maior bacia do setor leste no eixo oriental e as duas maiores bacias do setor norte no eixo setentrional) no setor norte e leste; o maior rio do setor leste é o Paraíba (PB) seguido pelo Capibaribe(PE) e Mamanguape (PB), já as maiores bacias do setor norte são a do Piranhas-Açú (PB-RN) e Jaguaribe (CE).

O termo Serra da Borborema é utilizado para indicar as várias porções do planalto nos estados onde estão suas serras e seus vales. No Estado da Paraíba, onde o planalto cobre todo o agreste paraibano, Serra da Borborema e Planalto da Borborema são sinônimos. Borborema vem do tupi porapora-eyma, que significa "sem habitantes".[1]

Os solos em geral são pouco profundos e de fertilidade natural bastante variada, com predominância de fertilidade média e alta.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Vista da cidade de Gravatá.

O rebordo oriental da Borborema é escarpado, domina a baixada litorânea com um desnível de 300m, o que confere ao topo uma altitude de 500m. Para o interior, o planalto ainda se alteia mais e alcança média de 800m em seu centro, onde passa a baixar até atingir 600m junto ao rebordo ocidental. Diferem consideravelmente as topografias da porção oriental e da porção ocidental.

A leste erguem-se sobre a superfície do planalto cristas de leste para oeste, separadas por vales, que configuram parcos relevos de 300 m. Aproximadamente no centro-sul do planalto eleva-se o maciço dômico de Garanhuns, que supera a altitude de 1 000 m.

Com altitude média de 200 m, podendo chegar a mais de 1 000 m — como é o caso do Pico do Jabre, de 1 197 m e do Pico do Papagaio, de 1 260 m — em seus pontos extremos (serras), o planalto está encrustado no agreste do Nordeste Oriental, espalhando-se de norte a sul e tendo como fronteira natural as planícies do litoral (região úmida) e a depressão sertaneja (região semi-árida). Constitui uma área de transição entre a mata atlântica e a caatinga, possuindo vegetação variada que vai desde a caatinga propriamente dita até resquícios de mata atlântica (matas de brejo) nos pontos mais altos das serras, como ocorre na Unidade de Conservação Estadual Mata de Goiamunduba, na Paraíba.

Clima[editar | editar código-fonte]

Com amplitude térmica mais acentuada que o litoral, por conta da continentalidade, normalmente passando dos 30°C durante o dia e cerca de 20°C à noite, chegando a cair algumas vezes para 13°C à noite em alguns locais mais elevados.[2] Nessa unidade de paisagem, existem ainda áreas de microclimas com pluviosidades bem mais elevadas, com trechos de floresta perenifólia, subcaducifólia e caducifólia. O potencial de águas subterrâneas também é baixo, com predominância de águas salinas. O planalto influi no clima de grande parte do Nordeste, pois funciona como uma barreia para os ventos úmidos que sopram do Oceano Atlântico, causando as secas nas áreas a sotavento do sertão nordestino.

Turismo e cultura[editar | editar código-fonte]

O Planalto da Borborema vem se constituindo em uma região de forte atração turística, principalmente para os habitantes da área litorânea, que são atraídos pelas paisagens e o clima mais ameno que apresenta, nomeadamente nas vizinhanças de Chã Grande, Gravatá e Garanhuns (Pernambuco), Araruna, Lagoa Seca, Campina Grande, Bananeiras, Areia e Solânea (Paraíba). Outros motivos de interesse são os festejos juninos, as feiras, a culinária e o artesanato.

O ecoturismo também vem pouco a pouco se desenvolvendo, como é o que vem ocorrendo no Parque Estadual Pedra da Boca, situado no município de Araruna recentemente criado.

Demografia[editar | editar código-fonte]

No Planalto da Borborema localizam-se importantes cidades, com Campina Grande (Paraíba), Caruaru, Garanhuns, Gravatá, Santa Cruz do Capibaribe, Belo Jardim e Caetés (Pernambuco), Arapiraca e Palmeira dos Índios (Alagoas) e Santa Cruz (Rio Grande do Norte).

Referências

  1. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Volume 6. [S.l.]: Instituto histórico e Geográfico de São Paulo, 1902.
  2. Prefeitura de Garanhuns. Turismo. Página visitada em 2010-01-05.