Chã Grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Chã Grande
"A Terra do Chuchu"
"A Terra das Palmeiras"
"A Cidade da Graviola"
Bandeira de Chã Grande
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 20 de dezembro
Fundação 1878
Gentílico changrandense
Prefeito(a) Daniel Alves (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de Chã Grande
Localização de Chã Grande em Pernambuco
Chã Grande está localizado em: Brasil
Chã Grande
Localização de Chã Grande no Brasil
08° 14' 16" S 35° 27' 43" O08° 14' 16" S 35° 27' 43" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Mata Pernambucana IBGE/2008[1]
Microrregião Microrregião de Vitória de Santo Antão IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes norte: Gravatá, sul: Amaraji e Primavera, a leste com Pombos e a oeste com Gravatá.
Distância até a capital 82 km
Características geográficas
Área 70,192 km² [2]
População 21 142 hab. estatísticas IBGE/2014[3]
Densidade 301,2 hab./km²
Altitude 470 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,599 baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 119 445 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 5 892 72 IBGE/2011[5]
Página oficial

Chã Grande é um município brasileiro do estado de Pernambuco, distante a 82 km da capital pernambucana Recife. O município é composto pelo distrito sede e pelos povoados Vila de Santa Luzia, Malhadinha, Beatriz Alves e Posto Rodoviário.

História[editar | editar código-fonte]

O povoamento de Chã Grande se deu entre os anos de 1875 e 1878, quando pessoas provenientes de outras cidades, principalmente da cidade de Vitória de Santo Antão, começaram a povoar as terras que futuramente formariam a vila por nome de Mumbucas, de propriedade de Joaquim Amaro.

A vila, que mais tarde passou a pertencer a José Machado, foi rebatizada, recebendo o nome de Chã das Palmeiras, por estar localizada em uma chã (terreno plano no alto de um morro) repleta de palmeiras. As palmeiras foram sendo dizimadas em face à povoação e a vila passa a ser conhecida por Chã Grande – nome atual – por estar localizada em uma chã consideravelmente grande.

O município foi instalado em 15 de março de 1964 e criado pela Lei Estadual nº 4961 em 20 de dezembro de 1963, sendo desmembrado da cidade de Gravatá.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome do município tem sua origem no acidente geográfico onde se localiza o município. Chã significa terreno plano no alto de um morro.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08º14'18" sul e a uma longitude 35º27'42" oeste, estando a uma altitude de 470 metros. Sua população estimada em 2010 era de 20.020 habitantes.

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[7] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico inferior a 800 mm, o índice de aridez até 0,5 e o risco de seca maior que 60%.

O município de Chã Grande faz parte das Superfícies Retrabalhadas, formada por áreas com retrabalhamento intenso, de com relevo bastante dissecado e vales profundos, que antecedem o Chapada da Borborema.

A precipitação média anual é de 1309,9 mm. O município de Chã Grande encontra-se nos domínios da Bacia Hidrográfica do Rio Ipojuca.

A vegetação nativa é do tipo Floresta Subperenifólia, com partes de Floresta Hipoxerófila.

Meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Belas paisagens podem ser vistas no município devido à cadeia de montes, destacando-se as paisagens do Vale dos Caldeirões, um lugar que fica a mais ou menos cinco minutos do centro da cidade, e que enche de prazer o visitante pelo belo espetáculo da natureza que esculpiu as belas imagens nas rochas durante anos. O clima ameno, frio, úmido e agradável é atraente para o turista que busca sossego diante do stress cotidiano das grandes cidades.

Bairros[editar | editar código-fonte]

Evolução demográfica[editar | editar código-fonte]

Evolução demográfica de Chã Grande.

Economia[editar | editar código-fonte]

Tem como principal fonte de renda o chuchu. Entre as frutas, destacam-se a graviola, banana, o maracujá e a manga, além das culturas de cana-de-açúcar, fumo em folha, limão, tomate, batata doce, mandioca e mamão.

A cidade de Chã Grande possui um solo apropriado ao cultivo permanente de culturas agrícolas, sendo esta a principal atividade econômica do município. Atualmente, Chã Grande é responsável pela produção de culturas que variam entre o chuchu (principal cultura do município), folhosas (cultura secundária) e o cultivo da graviola. Nos últimos anos recebeu fortes investimentos na área do agro-negócio, escoando sua produção pela BR-232 para as cidades de Vitória de Santo Antão, Caruaru e principalmente para Recife. No município se encontram grandes receptores da produção agrícola do município, como o Bompreço, Carrefour e distribuidores de produtos agrícolas na CEASA.

As atividades econômicas secundárias do município de Chã Grande são o comércio e a indústria, esta ainda em pequena escala, contando apenas com indústrias manufatureiras.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Vizinha a cidade de Gravatá, começa a ser invadida por "turistas recifenses" que adoram o clime ameno do inverno, na área rural.

O turismo começa a aflorar, com pequenas granjas sendo alugadas por temporadas, e com a implantação de um hotel, o Highlander.

Um ponto turístico de interesse é o Mosteiro da Escuta do Senhor, dos monges beneditinos. Localizado na região rural de Chã Grande, na Vila de Santa Luzia, os ofícios e as missas são celebrados com cantos gregorianos. A Igreja da Matriz de São José, que fica no centro da cidade, também faz parte do roteiro turístico.

Há grandes manifestações populares, típicas do nordeste brasileiro. Em Chã Grande é comemorado o carnaval com o desfile de blocos tradicionais como "As Catraias do Atelier" [carece de fontes?], que é uma versão do bloco das Virgens de Olinda e é uma das principais atrações no período carnavalesco, tendo se apresentando em 2004 pelo décimo ano consecutivo.

A festa de São João também é comemorado de forma típica, conforme ordena o bom figurino nordestino, com apresentação de quadrilhas da própria cidade e das cidades circunvizinhas. O ponto alto desta festa junina é a apresentação da quadrilha "nem oito nem oitenta" idealizada por Maria do Carmo Neto, atual secretária de Finanças do Município, que assim como o bloco retro citado vem se apresentando há dez anos nos festejos juninos da cidade. Além disso acontece no patio de eventos da cidade o Festival de Quadrilhas Juninas de Chã Grande, que tem como mais recente campeã a Quadrilha Junina Flor da Chã da própria cidade. Vale salientar, que após a apresentação das quadrilhas, o changrandense se diverte ao som do bom forró pé-de-serra no palhoção idealizado pela Prefeitura Municipal no centro da cidade.

Além das tradicionais festas de São Sebastião (em janeiro) e São José (em março), onde além da programação religiosa, a cidade pára para se divertir com os badalados shows na praça pública, a cidade de Chã Grande tem comemorações típicas como as comemorações do dia do trabalhador em 1º de maio, onde ocorre campeonato de futebol, corrida de bicicletas, culminando na Tradicional Corrida de Jericos. Em sua primeira versão, temos o Eco-Festival em Chã Grande, com oficinas de reciclagem, palestras sobre o meio ambiente, entre outras e os shows de pastoril, maracatu, entre outras manifestações culturais de Pernambuco e por fim um show de Voz e Violão em plena praça pública.

Destaca-se ainda o Grande Festival Nordestino do Agricultor, realizado todos os anos em outubro/novembro na cidade, onde por uma semana inteira a cidade se diverte ao som das mais famosas bandas do momento (Saia Rodada, Limão com Mel, etc.), em shows, na avenida principal da cidade, patrocinados pela Prefeitura e comércio local. Neste festival acontece o desfile para a escolha da Garota Agricultura e em sua mais recente versão, o mesmo desfile escolheu também o garoto agricultor [carece de fontes?].

Natureza[editar | editar código-fonte]

A natureza foi muito gentil com a cidade de Chã Grande. Belas paisagens podem ser vistas no município devido à cadeia de montes, destacando-se as paisagens do Vale dos Caldeirões, um lugar que fica a mais ou menos cinco minutos do centro da cidade, e que enche de prazer o visitante pelo belo espetáculo da natureza que esculpiu as belas imagens nas rochas durante anos. O clima ameno, frio, úmido e agradável é atraente para o turista que busca sossego diante do stress cotidiano das grandes cidades.

Atrativos[editar | editar código-fonte]

Vale Dos Caldeirões: muito perto da cidade, andando cerca de 20 a 30 minutos você vai estar no ponto mais bonito do Rio Ipojuca com diversas formações rochosas, revela muito o nosso passado.

Mosteiro da escultura do Senhor: localizado no sítio da Vila de Santa Luzia.

Hotel Highlander:Um hotel de uma beleza enorme, com várias acomodações e fica localizado no morro chamado Highlander no sítio de Água Fria.

Praça Monsenhor João Inácio: é a Praça do centro da cidade,que foi reformada é um ponto muito atrativo e bonito.

Cachoeira de Vertentes: esta cachoeira esta a 30 minutos do centro da cidade, muito acessível e além de ser muito bonita.

Pedra da Onça: perto do Sítio Muntuns, está a pedra mais famosa da cidade, além de uma vista panorâmica.

Serra do Lampião: bem pertinho da Pedra da Onça, está a Serra do Lampião próxima a divisa com a cidade de Pombos esta este lugar que serviu de ponto estratégico nas batalhas que aconteceram em Pernambuco.

Casarões de Chã Grande: a cidade tem muita história, além de ter belas paisagens tem patrimônios que foram construídos pelos senhores de engenhos há vários anos.

Capela de Mutuns: capela que foi construída há pouco tempo e um lugar turístico.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Esportes[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com um estádio de futebol profissional, o Estádio Municipal Ewerson Simões Barbosa, popularmente conhecido como Barbosão. Inaugurado em 2010, é utilizado pelo Chã Grande. Que no ano de 2013 irá jogar o Campeonato Pernambucano da Série A1.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010.
  3. Estimativa Populacional 2014 Estimativa Populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (agosto de 2014). Página visitada em 29 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 01 de outubro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 18 de dezembro de 2013.
  6. Homero Fonseca. Página Pernambucânia, acessada em 1 de janeiro de 2010
  7. Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]