Palmares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Município de Palmares
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 9 de junho
Fundação 9 de junho de 1879
Gentílico palmarense
Prefeito(a) Prof. João Bezerra (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Palmares
Localização de Palmares em Pernambuco
Palmares está localizado em: Brasil
Palmares
Localização de Palmares no Brasil
08° 40' 58" S 35° 35' 31" O08° 40' 58" S 35° 35' 31" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Mata Pernambucana IBGE/2008[1]
Microrregião Mata Meridional Pernambucana IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Bonito(N), Joaquim Nabuco(E e NE), Xexéu(S), Catende(W)e Água Preta(SE)
Distância até a capital 128 km
Características geográficas
Área 336,838 km² [2]
População 61 731 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 183,27 hab./km²
Altitude 125 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,622 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 500 705 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 8 371 18 IBGE/2011[5]
Página oficial

Palmares é um município brasileiro do estado de Pernambuco. Localiza-se na região Mata sul do estado de Pernambuco. É conhecida como Terra dos Poetas, ou Atenas Pernambucana por ter sido berço de renomados e importantes poetas Pernambucanos. Trata-se de uma cidade bastante tradicional e muito importante na história do estado de Pernambuco. Seu nome é também uma homenagem ao Quilombo dos Palmares, que se instalou na região durante muito tempo.

História[editar | editar código-fonte]

Origem do nome Palmares[editar | editar código-fonte]

Palmares é uma das divisões geobotânicas do nordeste do Brasil. Os palmares constituem originalidade da vegetação nordestina. Altos, densos, geralmente puros e de uma só espécie de palmeiras de natureza xerófila ou higrófila. Outros existem com mistura de três ou quatro espécies de árvores de porte alto. Dentre as palmeiras que vegetam nessa região, sobrelevam-se a carnaúba (Copernica cerifica), a buriti (Mauritia vinifera), a buritana (Mauritia axulenta), a bacaba (Denocarpus distichus), o babaçu (Orbignia martiana), etc. Tais zonas se desenvolvem na Bahia, Piauí, Maranhão, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe.

Palmares já existia antes do século XVIII[editar | editar código-fonte]

A região era habitada primitivamente pelos índios Trombetas.

Com a formação do quilombo dos Palmares no interior pernambucano e alagoano, dirigido pelo valente Zumbi, tomou impulso, fama e ganhou o nome que hoje tem, batizado que foi pelos negros, que chamavam seus habitantes de palmarinos. Não sabemos como era denominada a região dos palmares antes dos negros, num território de 260 quilômetros de extensão por 132 de largura, em faixa paralela à costa, onde se distribuíam cerca de 50 mil habitantes, cuja faixa territorial situava-se entre o Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, e a parte norte do curso inferior do Rio São Francisco, no estado de Alagoas.

De 1848 a 1873 Palmares é denominado POVOADO DOS MONTES porque as terras pertenciam à família Montes que construiu uma capela, hoje a Catedral de Nossa Senhora da Conceição dos Montes, TROMBETAS devido à lenda de que um soldado teria perdido uma trombeta durante uma passagem pelo local, POVOADO DO UNA em homenagem ao rio que banha a região e, finalmente, PALMARES, triunfando assim a denominação dos negros, por força da abundância de palmeiras que vicejavam na região, principalmente babaçu, carnaúba, pindoba, ouricuri e dendê.

Em 13 de maio de 1862 é criada a Comarca dos Palmares, por força da Lei Provincial nº 520.

Em 1868 Palmares é elevado à categoria de Distrito, por força da Lei Provincial nº 844, de 28 de setembro.

Em 1873, por força da Lei Provincial n° 1083, de 24 de maio, é criado o município autônomo, que tomou o nome de município dos Palmares.

9 de junho de 1879 – Palmares emancipa-se do município de Água Preta, por força da Lei Provincial n° 1458, adquirindo foros de cidade.

Palmares tem muita história para contar. Além de grandes poetas, o município possui o primeiro teatro a funcionar no interior de Pernambuco e o terceiro mais antigo do Estado, além de abrigar a primeira loja maçônica de Pernambuco.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08º41'00" sul e a uma longitude 35º35'30" oeste, estando a uma altitude de 125 metros. Sua população estimada em 2004 era de 60 794 habitantes.

A sede do município dista 104 km em linha reta e 118 km pela BR-101 de Recife, a capital do estado; 105 km de Garanhuns e 123 de Maceió, a capital do estado de Alagoas.

Situa-se a 125 metros acima do nível do mar.

Limita-se ao norte com o município do Bonito, a nordeste e leste com Joaquim Nabuco, ao sul com Xexéu, a sudeste com Água Preta e a oeste com Catende.

Vegetação e Geologia[editar | editar código-fonte]

O município insere-se na unidade geoambiental das superfícies retrabalhadas. O relevo é, em sua quase totalidade, moldado em rochas do pré-cambriano, predominantemente granito, gnaisses e xistos. A parte sedimentar é representada por argilas variegadas, arenitos e cascalhos. Predomina o latossolo vermelho-amarelo.

A topografia, predominantemente ondulada, caracteriza-se por um conjunto de morros e colinas com altitudes não superiores a 120 m e pediplanos resultantes do alargamento do vale do rio Una (Pernambuco) e seus afluentes.

Sua flora é composta por restos da vegetação primitiva da Mata Atlântica, algumas espécies arbóreas de alto valor econômico podem ser ainda encontradas testemunhando o que foi a floresta nativa. Entre outras, pode-se detectar a presença da urucuba, louro, ipê amarelo, jatobá, pau-ferro, jacarandá mimoso e rosa, maçaranduba, pau d'arco, oiticica, camaçari rosa e branco, sucupira roxa e branca, etc.

O município dos Palmares faz parte da microrregião homogênea denominada Mata Meridional Pernambucana, contida totalmente na Bacia do Rio Una.

Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Palmares
J F M A M J J A S O N D
 
 
47
 
33
22
 
 
67
 
34
22
 
 
160
 
33
23
 
 
192
 
32
21
 
 
261
 
29
20
 
 
252
 
27
19
 
 
194
 
24
18
 
 
117
 
25
17
 
 
65
 
26
18
 
 
37
 
28
19
 
 
26
 
31
19
 
 
34
 
32
20
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: LAMEPE (Temp. Máxima) LAMEPE (Temp. Mínima) Tempo Agora (Temperatura e precipitação)

Segundo dados do Lamepe, a temperatura mínima já registrada em Palmares foi de 14,1ºC, ocorrida no dia 28 de julho de 1923. Já a máxima foi de 38,5ºC, observada dia 18 de fevereiro de 2006. O maior acumulado de chuva já registrado na cidade em 24 horas foi de 235,8 mm, em 3 de maio de 2011.[6]

O clima da cidade é o tropical, do tipo As'. Com máximas entre 26°C e 37°C, e mínimas entre 20°C e 23°C no verão, e mínimas entre 15°C e 18°C, com máximas entre 22°C e 27°C no inverno.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Além da carga histórica da cidade, há também um lado mais bucólico. Existem vários atrativos naturais para os visitantes. O município é cercado por muitas águas. Ideal para quem deseja relaxar e tomar banhos de cachoeiras e corredeiras.

Outras opções são as cachoeiras do Caritó e Véu de Noiva. Para chegar lá, no entanto, é preciso muita disposição, já que o caminho é feito entre bambuzais e bananeiras. A Véu de Noiva possui três quedas, sendo a mais alta com 5 metros. A Corredeira do Oratório é formada pelas águas do Rio Una. Contam os moradores de Palmares, que o nome da corredeira foi dado porque os senhores de engenhos matavam seus inimigos às margens, dando-lhes permissão a uma última oração.

Economia[editar | editar código-fonte]

Palmares tem como principal atividade econômica a agroindústria açucareira. Além da cana-de-açúcar destacam-se também na agricultura: batata-doce, mandioca, banana, laranja e abacaxi. Em Palmares há uma grande variedade de indústrias de transformação. O comércio no município é um setor em expansão com estabelecimentos de pequeno, médio e grande porte, com destaque para usina norte sul, Frinscal Atacado, supermercados e lojas de material de construção, autopeças e confecção.

Hoje 59% dos moradores de Palmares têm atividades ligadas ao comércio. Compradores de várias cidades vizinhas vão até Palmares para fazerem suas compras. Esses visitantes têm uma participação econômica no comércio de cerca de 40%.

Com o término, duplicação da BR-101, de Natal a Palmares, esta deve ganhar importância como trevo rodoviário, trazendo crescimento econômico à cidade.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na educação da cidade, destaca-se a Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul (FAMASUL), com cursos de Formações de Professores nas áreas: Licenciatura em História, Matemática, Letras, Química, Geografia e Biologia. Ainda há a Faculdade de Ciências dos Palmares (FACIP), dispondo, hoje, apenas do curso de Administração. Sendo as duas administradas pela AEMASUL - Autarquia Educacional da Mata Sul.

Destacam-se, ainda, a Escola Referência de Ensino Médio Monsenhor Abilio Americo Galvão (EREMAG), Escola de Referência em Ensino Médio (EREM - antigo CEEPA) e a Escola Técnica Estadual de Palmares(antiga Escola Agrícola). A cidade ainda conta com escolas particulares de alto nivel, destacando-se entres elas o colégio Cenecista Prof. Ivon Ferreira Lins, Instituito Educacional Peter Pan, Colégio Dimensão, Colégio São José, Colégio & Curso Real, Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, Escola Crescer entre outros. No canério municipal tem o Colegio Municipal Fernando Augusto Pinto Ribeiro (Ginásio Municipal), uma das escolas de maior tradição da cidade, mas que, infelizmente, teve seu prédio parcialmente destruído pela enchente ocorrida em 18 de junho de 2010. Hoje, o Ginásio Municipal, funciona precariamente no mesmo terreno na parte do prédio que ficou de pé.

Política[editar | editar código-fonte]

Lembrado pelo povo palmarense como "O MITO": LUIS PORTELA DE CARVALHO, "PORTELA" como era conhecido pelo povo palmarense tornou-se tal e desde sua gestão é tido até os dias atuais como um referencial de boa administração pública. PORTELA durante sua gestão promoveu intensamente a cidade de PALMARES. Eleito pela primeira vez em 1951, Portela teve a dura missão de conciliar a elite e os desejos da população, reordenou o arranjo urbano da cidade com padrões considerados moderníssimos para época.

Em 1955 - foi eleito deputado estadual Em 1959 - volta a Prefeitura e: Constrói a nova sede da Prefeitura, Após golpe militar em 1982 candidata-se e mais uma veZ é eleito Prefeito de Palmares e redesenha o traçado da cidade criando viadutos, praças, rodoviárias, fórum, mercados, teatro, casa da cultura e o estádio batizado como "PORTELÃO". Que já não existe mais.

Faleceu em 1990 deixando seu nome cravado na história do povo Palmarense

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2013. Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (outubro de 2013). Página visitada em 29 de outubro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 01 de outubro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 18 dez. 2013.
  6. Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (Agritempo). Dados Meteorológicos - Pernambuco - INMET/LAMEPE/ITEP. Página visitada em 29 de agosto de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.