Argila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Historicamente, em geologia e ciência do solo, o termo argila corresponde aos minerais que apresentam tamanho inferior a 2 µm em uma rocha. Essa definição granulométrica é uma herança dos estudos petrográficos efetuados pela microscopia óptica no fim do século XIX, quando os cristais que apresentavam tamanho inferior a 2 µm não podiam ser distinguidos, sendo classificados pela denominação genérica "argila".[1] Hoje, a denominação argila difere em função dos campos de estudo. Assim, em geotecnia, na qual o que interessa é sobretudo o comportamento mecânico dos solos, designa-se argila os materiais de granulometria inferior a 4 µm. Em mineralogia, argila não se refere simplesmente a partículas definidas por um determinado tamanho, mas a certos minerais. O termo é, nesse caso, usado para descrever os filossilicatos, e mais particularmente, aos argilo-minerais.

Mineralogia[editar | editar código-fonte]

Argilominerais
Argila do período quaternário (400.000 anos), Estônia.
Categoria Filossilicatos
Cor Branco, vermelho, café.
Fórmula química Al2O3 · 2SiO2 · H2O
Propriedades óticas
Transparência Opaco

Formada pela alteração de rochas, como as que contêm feldspato, a argila pode ser encontrada próxima de rios, muitas vezes formando barrancos nas margens. Apresenta-se em diversas cores (branca, amarelada ou avermelhada) e constitui uma família de minerais filossilicáticos hidratados aluminosos de baixa cristalinidade e diminutas dimensões (partículas menores do que 1/256 mm ou 4 µm de diâmetro), como a caolinita, esmectita, montmorillonita, illitas, etc. Geralmente, apresenta-se estável nas condições termodinâmicas e geoquímicas da superfície terrestre ou de crosta rasa.

No solo, a fração de argila, componente comum das lamas ou barros, como são conhecidos popularmente, é constituída de minerais desse grupo das argilas aos quais se agregam hidróxidos coloidais floculados e diversos outros componentes cristalinos ou amorfos.

Origem e transformação[editar | editar código-fonte]

A argila origina-se da desagregação de rochas feldspáticas, por ataque químico (por exemplo, pela água ou pelo ácido carbônico) ou físico (erosão, vulcanismo), que produz a fragmentação em partículas muito pequenas.

Normalmente as jazidas são formadas pelo processo de depósito aluvial, ou seja, as partículas menores (e, portanto, mais leves), partículas inferiores a 2 micra (0.002mm), são levadas pela corrente de água e depositadas no lugar onde a força hidrodinâmica já não é suficiente para mantê-las em suspensão. Esses locais são os chamados depósitos argilíticos.

As argilas assim geradas são chamadas de secundárias, já que a argila primária permanece no local onde se originou, sendo este o caso da formação das jazidas de caulino.

Num processo inverso, de litificação, a argila pode se transformar em rocha sedimentar se um depósito de argila for desidratado e submetido a compactação (normalmente pela pressão de camadas superiores), dando origem a rochas clásticas mais finas (lutitos ou pelitos) cujos exemplos podemos citar: os folhelhos, que se apresentam bem estratificados, e os argilitos, que possuem pouca ou nenhuma estratificação.

Minerais do grupo das argilominerais:

Granulometria[editar | editar código-fonte]

Dentro da classificação granulométrica das partículas do solo, a argila ocupa o seguinte lugar:

Classificação Diâmetro dos Grãos
Argila < 0,002 mm
Silte 0,06 - 0,002 mm
Areia 2,0 - 0,06 mm
Seixo > 2,0 mm

Entretanto, a classificação USCS que é utilizada habitualmente em engenharia usa os limites de tamanhos máximos de 4,75 mm para a areia e de 0,075 mm para a argila e silte.

Dispersão de Argilas[editar | editar código-fonte]

As argilas fazem parte da constituição mineralógica de partículas físicas dos solos, junto com as partículas de silte e areia. No solo essas partículas estão intimamente misturadas. Para podermos quantificar o teor de argila, silte e areia de um solo, devemos proceder a separação dessas partículas. A separação da argila que constitui os solos dá-se pelo processo de dispersão, mais conhecido por dispersão de argilas.

Emprego[editar | editar código-fonte]

Trabalhando argila, vulgarmente chamada barro, na Roda de Oleiro.

As argilas possuem inúmeros usos, inclusive medicinais. Por sua plasticidade enquanto úmida e extrema dureza depois de cozida a mais de 800ºC, as argilas são largamente empregadas na cerâmica para produzir vários artefatos, que vão desde tijolos até semicondutores utilizados em computadores.

Ver[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Argila

Referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bruce Velde; Alain Meunier. The Origin of Clay Minerals in Soils and Weathered Rocks (em en). [S.l.]: Springer, 2008. ISBN 3540756337