Lepidolite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Junho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cristal de lepidolita

Lepidolite ou Lepidolita (KLi2Al(Al,Si)3O10(F,OH)2) é um mineral de cor lilás ou rosa-violeta do grupo dos filossilicatos. Faz parte do grupo das micas, sendo uma fonte secundária de lítio.[1] Ocorre associado com outros minerais portadores de lítio como espodúmena em corpos pegmatíticos. É uma das principais fontes dos raros metais alcalinos rubídio e césio.[2]

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]

Cor: violeta, lilás, rosa pálido a branco, por vezes cinzento ou amarelo.
Brilho: vítreo a nacarado.
Transparência: transparente a translucente.
Sistema de cristalização: monoclínico 2/m.
Hábito cristalino: cristais tabulares a prismáticos com terminação pinacoidal proeminente. Forma "livros" pseudo-hexagonais. Também micáceo ou em massas granulares.
Clivagem: perfeita na direcção perpendicular ao eixo-c.
Fractura: desigual.
Dureza: 2.5
Peso específico: >2.8
Traço: Branco.

Minerais associados: quartzo, feldspato, espodúmena, ambligonite, turmalina.

Ocorrências notáveis: Brasil; Montes Urais, Rússia; Califórnia, Estados Unidos.

Em Portugal pode encontrar-se, por exemplo, nas zonas de Fornos de Algodres e Fundão.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1930, Fred Allison [Nota 1] do Alabama Polytechnic Institute anunciou a descoberta do elemento de número atômico 87 [Nota 2] em amostas dos minerais lepidolite e pelucita. Nesta época, eram conhecidos todos os elementos até o número atômico 92, exceto os de número 85 e 87.[1] Em 1934, H.G. MacPherson da University of California, Berkeley desmentiu esta descoberta.[2]

Notas e referências

Notas

  1. No texto da Popular Mechanics, "dois físicos" descobriram o elemento.
  2. Atualmente designado Frâncio.

Referências

  1. Popular Mechanics, edição de maio de 1930, p.790 [google books]
  2. MacPherson, H. G.. (1934). "An Investigation of the Magneto-Optic Method of Chemical Analysis". Physical Review 47 (4): 310–315. American Physical Society. DOI:10.1103/PhysRev.47.310. Bibcode1935PhRv...47..310M.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. "Manual of Mineralogy, 20th Ed." by Cornelius Hurlbut and Cornelis Klein.
  2. H. Nechamkin, The Chemistry of the Elements, McGraw-Hill, New York, 1968.


Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lepidolite

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

* www.mindat.org - Lepidolite (em inglês)