Tefé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tefé
"Princesinha do Rio Solimões"
Bandeira de Tefé
Brasão de Tefé
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1759
Gentílico tefeense
Prefeito(a) Antenor Moreira Paz (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Tefé
Localização de Tefé no Amazonas
Tefé está localizado em: Brasil
Tefé
Localização de Tefé no Brasil
03° 21' 14" S 64° 42' 39" O03° 21' 14" S 64° 42' 39" O
Unidade federativa  Amazonas
Mesorregião Centro Amazonense IBGE/2008[1]
Microrregião Tefé IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Uarini; Alvarães; Coari; Tapauá.
Distância até a capital 575 km
Características geográficas
Área 23 704,426 km² [2]
População 62 662 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 2,64 hab./km²
Altitude 75 m
Clima equatorial Am
Fuso horário UTC-4
Indicadores
IDH-M 0,639 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 270 933,815 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 4 187,35 IBGE/2008[5]
Página oficial

Tefé é um município brasileiro do interior do estado do Amazonas, Região Norte do país. Pertencente à Mesorregião do Centro Amazonense e Microrregião de mesmo nome, sua população, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2012, era de 61 000 habitantes. Sua área territorial é de 23.808 km, sendo o quadragésimo oitavo maior município do Brasil em área e o vigésimo terceiro do Amazonas.

Está distante 523 km de Manaus, capital do estado, e 2.304 km de Brasília, capital nacional.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

A área em que hoje pertence ao atual município de Tefé era, nos primórdios, habitada pelos índios, predominantemente as tribos Tupebas ou Tapibas. O nome Tefé, origina-se destas tribos.[7]

O padre Samuel Fritz foi enviado para o Amazonas a serviço da Espanha, onde ele fundou as primeiras missões jesuíticas para catequisar os índios. Essas missões também eram responsáveis por prestar serviços sociais à comunidade indígena.[7] Os portugueses, desrespeitando o Tratado de Tordesilhas, subiram o Rio Solimões, vindos do Grão-Pará, com a finalidade de conquistar o Amazonas e dominar as terras dos espanhóis, o que resultou em um grande conflito entre as duas nações, quando estes chegaram à região.[7]

O governador do Grão-Pará enviou tropas comandadas pelo Capitão Correia de Oliveira, em 1708, para expulsar os espanhóis. Assim sendo, o padre Sana promulgou que Samuel Fritz deveria deixar a região do Amazonas, conforme ordem da Coroa Portuguesa. Samuel Fritz se retirou e foi até o Peru em busca de apoio para combater os portugueses. Muitos indígenas que lutavam em apoio aos portugueses morreram vítimas do confronto, e novamente os espanhóis voltaram a dominar a região, conforme já estava estabelecido pelo Tratado de Tordesilhas.[7]

Em 1709, portugueses e espanhóis voltaram a entrar em confronto. Novamente, Portugal sai vitorioso, o que leva os índios a uma fuga em massa para o interior das matas e para a cabeceira do Rio Tefé, onde atualmente está a área do município de Tefé.[7]

Colonização portuguesa[editar | editar código-fonte]

Pouco tempo depois, o Frei André da Costa chega à região com a finalidade de tomar contas das missões da Ilha dos Veados e Parauari. A partir de 1718, Frei André da Costa, temendo novos ataques dos espanhóis, subiu a cabeceira do Rio Tefé, onde encontrou um lago, fixando-se na margem direita deste com seus seguidores peregrinos.[7] [8]

O Tratado de Madrid foi assinado alguns anos depois, pelos reis de Espanha e Portugal. O tratado visava dar fim às lutas entre os dois países pela posse das terras do norte brasileiro, e procurava delimitar o território de domínio dos dois países na região. A área de Tefé passou a ser usada como limite territorial do domínio das duas Coroas, mas ainda assim, nenhuma das duas nações mostrava-se disposta a ceder a região de Tefé, o que causava enorme discussão à época. Apesar da tensão, Portugal mantinha predominantemente sua influência sob Tefé.[7] [8]

Tefé foi elevada à categoria de vila em 1709, título concedido pelos portugueses. A vila passou a chamar-se Vila de Ega, e fazia parte da Capitania de São José do Rio Negro.[9] A discussão sobre os limites territoriais sob domínio espanhol continuava, até que uma expedição demarcadora, comandada por D. Francisco de Requena, foi enviada pela Espanha. A expedição ocupou todo o Solimões até as proximidades da Vila de Ega. Em 1787, os português Manoel Lobo d’Almada assumiu a capitania de São José do Rio Negro e deu início à expulsão dos espanhóis.[7]

Tefé foi desmembrada em 1817, quando uma de suas vilas, Olivença, recebeu status de muncípio, com território desmembrado de Tefé. Entretanto, tempos depois o município de Olivença foi suprimido e seu território retornou ao de Tefé. Nessa época, a comarca do Alto Amazonas, que compreendia o atual estado do Amazonas, era formado por apenas quatro municípios, sendo que um deles era Tefé. Em relação à área territorial, Tefé chegou a ser o maior município do mundo em território, abrangendo vastíssima região, superior a 500.000 km², equivalente ao território atual da Tailândia.[8]

Em 1833 o governo da província do Grão-Pará obtém o controle de Ega, devido a delimitação territorial feita entre Portugal e Espanha. O Grão-Pará ignorou a denominação Vila de Ega e restituiu o nome da região para Tefé.[7] Em 1850, o Amazonas à desmembrado do Grão-Pará e elevado à categoria de província, sendo que Tefé passou a fazer parte da nova província. Cinco anos depois, em 1855, o Governo da Província do Amazonas elevou Tefé à categoria de cidade.[10]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a temperatura mínima registrada em Tefé foi de 14,9 °C, ocorrida no dia 19 de julho de 1975. Já a máxima foi de 38,2 °C, observada dia 9 de outubro de 2010. O maior acumulado de chuva registrado na cidade em 24 horas foi de 174,0 mm, em 24 de abril de 1971.[11]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do município, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2013 era de 62 885 habitantes, sendo o 6º mais populoso do estado e apresentando uma densidade populacional de 2,65 habitantes por km².[12] Segundo o censo de 2010, promovido pelo mesmo orgão estatístico, 50,7% da população eram homens (31 518 habitantes), 49,3% (29 945 habitantes) mulheres, 88% (50 069 habitantes) vivia na zona urbana e 12% (11 384 habitantes) na zona rural.[13]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Os traços culturais, políticos e econômicos herdados dos portugueses são notáveis e marcantes no município de Tefé. Desenvolveu-se assim, entretanto, voltando um pouco atrás na história, não se pode esquecer a importância dos ameríndios no quesito contribuição étnica. Foram os ameríndios que iniciaram a ocupação humana no Brasil.[14]

Na sua formação histórica, a demografia tefeense é o resultado da miscigenação das três etnias básicas que compõem a população brasileira: o índio, o europeu e o negro, formando, assim, os mestiços da região. Mais tarde, com a chegada dos imigrantes, formou-se um caldo de cultura singular, que caracteriza a população tanto da cidade quanto do estado, seus valores e modo de vida. Entretanto, é muito notável a predominância da influência do indígena brasileiro no município, trantando-se principalmente do fato deste estar situado no estado com a maior população indígena no país. Outra etnia marcante no município é o caboclo (também chamado mameluco), resultado da miscigenação do índio com o branco.[15] [16]

Segundo o censo demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Tefé está composta por: pardos (79,78% ou 15 944 habitantes); brancos (15,66% ou 3 233 habitantes); indígenas (1,48% ou 378 habitantes); pretos (2,49% ou 952 habitantes) e amarelos (0,60% ou 214 habitantes).[17] O município possui um dos maiores percentuais de população branca no estado.[18]

Religião[editar | editar código-fonte]

Tal qual a variedade cultural verificável em Tefé, são diversas as manifestações religiosas presentes. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, tanto devido à colonização quanto à imigração — e ainda hoje a maioria da população da cidade declara-se católica, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes, assim como a prática do candomblé, das religiões orientais, das religiões cristãs restauracionistas, do espiritismo, entre outras. Nos últimos anos, as denominações protestantes, principalmente de cunho pentecostal e neopentecostal, têm crescido bastante na cidade.[19] De acordo com dados de 2000, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de Tefé está composta por: católicos (46.541 habitantes); protestantes (15.146 habitantes); pessoas sem religião (1.351 habitantes); espíritas (755 habitantes); umbandistas e candomblecistas (10 habitantes) e religiões orientais (7 habitantes). Entre as igrejas protestantes, destacam-se a Assembleia de Deus e Igreja Universal do Reino de Deus. Entre as denominações cristãs restauracionistas, destacam-se A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e as Testemunhas de Jeová. Não houve registro de tradições esotéricas. Pessoas com outras religiosidades eram 738 habitantes.[20]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade de Tefé é o municipio polo da região do Triângulo Jutaí – Solimões - Juruá, é a cidade com maior numero de Instituições Educacionais da região possuindo universidades, centros técnicos e grande rede de escolas e instituiçoes de ensino particulares.

As escolas estaduais de ensino fundamental e médio na área urbana de Tefé, são as seguintes: Governador Gilberto Mestrinho, Professor Isidoro Gonçalves de Souza, Alcijara de Queiroz, Amélia Lima, Antidio Borges Façanha, Corintho Borges Façanha, Eduardo Ribeiro, Eduardo Sá, Madre Maria das Merces, Nossa Senhora das Graças, Frei André a Costa, Madre São José e Santa Teresa.

As escolas municipais de ensino fundamental na área urbana da cidade são as seguintes: Helyon De Oliveira, Eduardo Santos, Santa Teresa, Flora Agrícola, Augustinho de Castro, Bom Jesus, Deus é Amor, Henrique Lima, Imaculada Conceição, Doroteia Bezerra dos Santos, Indígena Santa Cruz, Wenceslau de Queiroz, Indígena Padre Augusto Cabrolier, Rei Davi, Samuel Fritz, Santo Isidoro, Santa Clara, Santa Maria, Indígena Pacáia, São Paulo, Santa Luzia, Nossa Senhora Aparecida, São Luiz e Santa Maria.

Tefé possui quatro instituições de ensino superior, sendo uma de caráter público e três de caráter privado: Centro de Estudos Superiores de Tefé, Universidade Aberta Brasil (UAB), Universidade Paulista (UNIP) e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Além destas instituições, outras duas possuem ensino de nível técnico: Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (CETAM) e Instituto Federal do Amazonas (IFAM).

Economia[editar | editar código-fonte]

A prefeitura do município de Tefé, segundo dados do (IBGE) em 2010, arrecada em média anualmente uma receita bruta de aproximadamente 55.000.000 milhões de reais e possui despesas que somam aproximadamente 47.000.000 milhões de reais. Estes valores são originados de arrecadação de impostos, tarifas, projetos, convênios municipais e prestação de contas.

Fabricas e Indústrias - é um setor pouco diversificado, não existem médias ou grandes indústrias em Tefé. Neste município encontramos apenas pequenas fábricas de material cerâmico para construção civil, móveis, metalúrgicas e vidraçarias.

Agricultura – É basicamente de produtos de subsistência como hortaliças e frutas regionais produzidas apenas para atender as necessidades locais. A maioria dos produtos agrícolas são comprados das regiões Sul e Sudeste do Brasil. O município possui grandes áreas de cultivo da mandioca para produção de farinha, Tefé divide com o município de Uariní a produção da farinha mais valorizada do Estado do Amazonas, conhecida como a “Farinha do Uariní”, são produzidas toneladas de farinha de mandioca para abastecer a cidade de Manaus.

Pecuária – A criação de rebanhos é pouco desenvolvida, o gado em sua maioria é comprado de outras regiões da Amazônia, pois o município é localizado em terra-firme, imprópria para cultivo de pastagens e criação de rebanhos.

Pesca - A produção de pescado possui grande destaque na economia local. A cidade de Tefé fica localizada próxima às maiores áreas de pesca do Amazonas, devido a isso, é grande a quantidade de pequenas empresas instaladas em flutuantes relacionadas à venda e compra de pescado, principalmente peixes lisos, tambaqui e pirarucu, que é vendido tanto para mercado interno (Tefé/Manaus) como externo (Colômbia/Peru e Ásia).

Comércio – É o setor mais desenvolvido da economia do município, pois existem uma grande quantidade de pequenas lojas dos setores de vestuário, calçados, eletrodomésticos, móveis, eletroeletrônicos, material de construção, armarinhos, tecidos, estivas e bebidas.

Setor de Serviços - Existe no município de Tefé um grande fluxo diário de pessoas, devido o fato de a cidade ser sede dos principais Bancos e Instituições Financeiras que não são encontradas nos municípios vizinhos, possui também quartéis militares das Forças Armadas, instituições de ensino superior e de saúde, Policia Federal, ONGs e entidades de preservação do meio ambiente e do índio, sede do Poder Judiciário e Político Administrativo do Amazonas. É o principal porto fluvial e rota de passagem de grandes embarcações que navegam no rio solimões e também possui um Aeroporto administrado pela Infraero de médio porte equipado para receber medias e grandes aeronaves da região. A cidade de Tefé exerce forte influencia econômica sobre as cidades de Alvarães, Uarini, Fonte Boa, Maraã, Jutaí, Carauari, Eirunepé, São Paulo de Olivença, Santo Antônio do Içá e Tabatinga.[21]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2014 Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2014). Página visitada em 30 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. DISTÂNCIA TEFÉ City.com. Página visitada em 23 de novembro de 2013.
  7. a b c d e f g h i História de Tefé (AM) Ache Tudo e Região. Página visitada em 24 de outubro de 2013.
  8. a b c Tefé, Amazonas Eco Viagem - UOL (22 de outubro de 2011). Página visitada em 23 de dezembro de 2013.
  9. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Hist.C3.B3ria_de_Tef.C3.A9
  10. Tefé, Amazonas - AM Histórico Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (27 de dezembro de 2010). Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  11. Sistema de Monitoramento Agrometeorológico (Agritempo). Dados Meteorológicos - Amazonas. Página visitada em 8 de dezembro de 2011.
  12. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_Pop_2013
  13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Censo demográfico 2010: Sinopse. Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  14. Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) (2013). REDE URBANA DO AMAZONAS: TEFÉ COMO CIDADE MÉDIA DE RESPONSABILIDADE TERRITORIAL NA CALHA DO MÉDIO SOLIMÕES. Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  15. Curiosidades do Censo sobre raça no Brasil - Amazonas tem a maior população indígena UOL Notícias. Página visitada em 08 de agosto de 2013.
  16. Síntese dos Indicadores Sociais 2010 (PDF) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Tabela 8.1 - População total e respectiva distribuição percentual, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2009. Página visitada em 19 set. 2010.
  17. Etnias no Brasil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  18. Amazonas » Tefé » censo demográfico 2010: resultados da amostra - características da população » pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, cor ou raça branca, conta própria - cartogramas Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  19. @Cidades. Amazonas » Tefé » censo demográfico 2010: resultados da amostra - religião Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  20. @Cidades. Religião no Brasil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 20 de dezembro de 2013.
  21. @Cidades - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Amazonas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.