Parnaíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Parnaíba
"Princesa do Igaraçu"
"Capital do Delta"
"Capital do Baixo Parnaíba"
Portos das Barcas

Portos das Barcas
Bandeira de Parnaíba
Brasão de Parnaíba
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 14 de agosto de 1844 (170 anos)
Gentílico parnaibano
Lema Parnaíba, Nossa Cidade, Nosso Orgulho
Prefeito(a) Florentino Neto (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Parnaíba
Localização de Parnaíba no Piauí
Parnaíba está localizado em: Brasil
Parnaíba
Localização de Parnaíba no Brasil
02° 54' 18" S 41° 46' 37" O02° 54' 18" S 41° 46' 37" O
Unidade federativa  Piauí
Mesorregião Norte Piauiense IBGE/2008[1]
Microrregião Litoral Piauiense IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Luís Correia, Bom Princípio do Piauí, Buriti dos Lopes, Ilha Grande e Araioses (MA)
Distância até a capital 336 km
Características geográficas
Área 435,564 km² [2]
População 149 348 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 342,88 hab./km²
Altitude 5[4] m
Clima Tropical Úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,687 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 1 040 166 mil IBGE/2011
PIB per capita R$ 7 088,69 IBGE/2011[6] Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 04 set. 2014.</ref>
Página oficial
Prefeitura www.parnaiba.pi.gov.br

Parnaíba é um município brasileiro do estado do Piauí, possuindo uma população de quase 150 mil habitantes, sendo o segundo mais populoso do estado, perdendo apenas para a capital Teresina. É um dos quatro municípios litorâneos do Piauí (além de Ilha Grande, Luís Correia e Cajueiro da Praia).

Além das belezas naturais, Parnaíba apresenta um grande valor histórico para o Piauí, apresentando principalmente nas proximidades do Porto das Barcas inúmeros imóveis históricos que traduzem a importância de Parnaíba, chegando naquela época a ser mais importante do que a ex-capital Oeiras e tendo até mesmo referências na Europa.

Desde 2013, Parnaíba vem crescendo em ritmo acelerado, tendo no início de 2014, inaugurado o seu primeiro shopping center e retomando os voos em seu aeroporto internacional. A cidade se destaca principalmente pelo seu potencial turístico, sendo uma base de apoio para quem quer conhecer as belezas do litoral do Piauí, Delta do Parnaíba e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do município, na língua tupi-guarani, significa "rio de águas barrentas", em alusão ao Rio Parnaíba. A cidade é banhada por um de seus afluentes, o Rio Igaraçu. Outras prováveis origens para o nome seriam: uma homenagem a Domingos Jorge Velho que nasceu na vila de Parnaíba em São Paulo; e uma alusão a uma faca de retalhar carne, chamada Parnahiba, trazida da Bahia pelos primeiros fazendeiros que se instalaram na Vila.

Carinhosamente, a cidade também é conhecida como a "Capital do Delta", pois é o portal de entrada para quem quer conhecer o único delta em mar aberto das Américas: o Delta do Parnaíba.

História[editar | editar código-fonte]

Dos índios ao status de vila[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada do elemento colonizador, a região do Delta do Parnaíba era ocupada por índios Tremenbés, exímios nadadores conhecidos como “peixes nacionais”. Entre os anos de 1571 e 1614, uma série de excursões chegaram a região, atraídas pelas notícias da grandiosidade do rio que cortava a região. Eram navegadores, aventureiros, jesuítas e pesquisadores que desbravavam a região muito antes dos bandeirantes. Conta-se que um destes navegadores, Nicolau Resende, naufragou na foz do rio e perdeu toneladas de ouro, o que o levou a passar cerca de 16 anos na região em busca de seu tesouro.

Na época por causa da Carta Régia de 1701 que só permitia a criação de gado a uma distância de 10 léguas do litoral, a economia da futura província do Piauí era interiorizada uma vez que a pecuária era sua base. Além disso, essa determinação obrigou comerciantes e contrabandistas a usarem o rio Parnaíba como via transportadora já que era inviável o doloroso trajeto terrestre. Diante disso criou-se um entreposto para a guarda de animais e acondicionamento da carne bovina, a esse local foi dado o nome de Porto Salgado ou das Barcas que acabou propiciando o desenvolvimento de uma indústria charqueadora na região e de um dos núcleos que deram origem a cidade de Parnaíba. O outro núcleo gerador da cidade foi o arraial Testa Branca que anteriormente era uma fazenda de gado que não oferecia chances de desenvolvimento.

Em 20 de setembro de 1759, João Pereira Caldas, o então governador da província do Piauí, fundou a vila de São João da Parnaíba e misteriosamente escolheu como sede o arraial Testa Branca, com a promessa nunca cumprida de que fossem construídas 59 casas o que acabou gerando insatisfação nas comunidades adjacentes do Porto das Barcas.

Em 1769 a Câmara, instalada na região portuária que administrava a vila proibiu a construção de novas edificações em Testa Branca e no ano seguinte, o governador Gonçalo Botelho de castro, transferiu definitivamente a sede para o porto. Foi também em 1770 que iniciou-se a construção da Igreja de Nossa Senhora Mãe da Divina Graça que hoje é uma das poucas catedrais em estilo barroco do Estado e foi fundada no dia 14 de agosto.

Independência[editar | editar código-fonte]

Com o decorrer do tempo a vila ganhou destaque, desenvolveu-se, tornou-se um centro de difusão de cultura e de novas ideias por concentrar uma “elite intelectual” que começava a querer intervir na política nacional. Por vezes as notícias chegavam antes na vila do que na capital e foi neste contexto que Simplício Dias da Silva, rico fazendeiro e homem de prestígio, no dia 19 de outubro de 1822, proclamou adesão da vila a independência da colônia. Por ter sido a primeira Vila do Norte do Brasil a proclamar a Independência, Parnaíba foi agraciada pelo Imperador Dom Pedro I, com o honroso título de “A Metrópole das Províncias do Norte” e Simplício Dias da Silva convidado a ser o primeiro Presidente da Província do Piauí.

Prevendo que o movimento da independência poderia fazer Portugal perder sua mais rica colônia, o monarca mandou o general Fidié e suas tropas para Oeiras para conter tal movimento e caso contrario pelo menos preservar o Norte da colônia. Quando as notícias de que a independência tinha sido proclamada no litoral do Piauí, Fidié e suas tropas deslocaram-se para a vila de S. João da Parnaíba, mas ao chegar os revoltosos haviam se refugiado nas cidades vizinhas e Oeiras agora era quem declarava sua independência.

No percurso de volta a capital as tropas portuguesas foram surpreendidas com populares armados de pedras e paus, evento conhecido como a Batalha do Jenipapo em Campo Maior. Fidié apesar de ter ganho a batalha, tinha suas tropas enfraquecidas e em vez de ir a Oeiras, foi a Caxias para poder reorganiza-las, porém quando chegou nesta cidade foi cercado por tropas a favor da independência e teve que se render. Hoje, no dia 19 de outubro comemora-se o dia do Piauí.

A Confederação do Equador[editar | editar código-fonte]

Outro movimento político ao qual Parnaíba aderiu foi a Confederação do Equador, que ocorreu no dia 25 de Agosto de 1824. De Pernambuco à Parnaíba, o regime, agora, era o republicano. Mas, as forças do Imperador desmontaram essa confederação e os republicanos, em várias Províncias, foram enforcados ou fuzilados. Vários parnaibanos foram presos.

A elevação como cidade[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de agosto de 1844, a vila foi elevada a categoria de cidade pela lei nº 166 promulgada pelo então governador José Idelfonso de Souza Ramos. A essa altura Parnaíba tinha referências na Europa e no mundo.

Praça da Graça[editar | editar código-fonte]

Este logradouro era o maior ponto de encontro da cidade, é nela que se localiza a Casa Grande, residência de Simplício Dias da Silva e a Catedral-Matriz de Nossa Senhora Mãe da Divina Graça, construída em 1770 em estilo barroco, porém hoje descaracterizada pela reforma de 1936, promovida pelo Mons. Roberto Lopes.

Casa Inglesa[editar | editar código-fonte]

A Casa Inglesa, foi dirigida por Paul Robert Singlehurst, o “Paulo Inglês”, que se estabeleceu no Brasil em 1849. Ele foi o primeiro a trazer para o país tratores, motores e jeeps. Mais tarde, em 1884, James Clark tornou-se dono único, este foi responsável por inserir a cera de carnaúba no mercado internacional e por fornecer produtos a base de petróleo, equipamentos e instalação elétrica para 153 municípios do Piauí, Maranhão e Ceará.

Casa Inglesa

Naquela época, o terraço da casa inglesa era famoso pelas festas que concentravam a elite da cidade. Hoje a casa é um hotel totalmente mobiliado com móveis antigos.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A Bandeira Parnaibana foi oficializada pelo Prefeito Dr. Lauro Andrade Correia em 14 de agosto de 1964, escolhida pela comissão de Julgamento do concurso realizado na época e instituída pela Lei Municipal nº258, de sete de setembro de 1963, e realização a 19 de novembro do mesmo ano. A Bandeira da Parnaíba, vitoriosa entre sete desenhos concorrentes, de acordo com as normas do concurso, é de autoria do artista Cristino Felix de Melo, é dele a seguinte afirmação, registrada na Lei n.º300 daquele ano:

Cquote1.svg

Duas listas brancas simbolizam o lugar Testa Branca, que deu origem ao povoado”; “a lista azul representa o céu que cobria o lugar Porto das Barcas”; “a estrela branca simboliza a Vila de São João da Parnaíba, abençoada pela pureza da Virgem da Graça”; “O retângulo ao alto, à esquerda, reprodução das Armas Municipais, simboliza a Cidade da Parnaíba

Cquote2.svg

Geografia[editar | editar código-fonte]

Praia Pedra do Sal, Delta do Parnaíba.

Parnaíba localiza-se na bacia hidrográfica do Rio Parnaíba e é cortada por este que se divide em vários braços formando o famoso Delta do Parnaíba, o único em mar aberto das Américas e o terceiro maior do mundo, só perdendo para o do Nilo no Egito e o do Mekong no sudeste asiático. Um desses braços é o "rio" Igaraçu, onde se localiza o porto das barcase. A maior parte da cidade esta na margem direita do Igaraçu, já a restante esta na Ilha Grande de Santa Isabel, já no delta do rio Parnaíba. A única praia do município é a da Pedra do Sal, ideal para o surf, kite surf e wind surf. Outro manancial da cidade é a Lagoa do Portinho, uma das mais famosas atrações turísticas, que devido ao avanço das dunas pode desaparecer.

A cidade está localizada em terrenos do cenozoico quaternário e possui altitude de cerca de 5 metros nas regiões do centro urbano que é afastado do litoral. Encontra-se na planície litorânea e a topografia é bastante regular.

Predominam na região a vegetação de igarapés e mangues nas margens dos rios e de caatinga, litorânea e da mata dos cocais no restante do território.

Hidrografia

Clima[editar | editar código-fonte]

Predomina em Parnaíba o clima megatérmico e tropical semiúmido, apresentando grande índice de pluviosidade devido à atuação da massa Equatorial Atlântica durante os meses de janeiro a junho.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1971 a 1985, 1990 e a partir de 1993, a menor temperatura registrada em Parnaíba foi de 8,5 ºC em 5 de agosto de 2005,[7] e a maior atingiu 38,2 ºC em 25 de novembro de 1993.[8] O maior acumulado de chuva em 24 horas foi de 170 milímetros em 4 de março de 1980.[9] O maior volume total de chuva em um mês foi registrado em abril de 1974, de 977,1 milímetros.[10]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Parnaíba Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 37,1 36,8 37,2 34,9 35,1 35,3 36,4 37,2 37,8 37,4 38,2 36,9 38,2
Temperatura máxima média (°C) 31,1 30,8 30,1 30,2 30,8 31,3 31,5 31,8 32 32 31,8 31,8 31,3
Temperatura mínima média (°C) 23,5 23 23 23 22,8 22,2 22 22,5 23,4 23,6 23,7 23,8 23
Temperatura mínima registrada (°C) 18,7 19,9 19,9 20,1 19,8 18,6 17,5 8,5 18 20 19,6 20,3 8,5
Precipitação (mm) 142,5 254,8 371,1 405 255,1 72,8 37,4 1,1 3,2 3,4 5,6 43,7 1 596,4
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 8 15 18 18 15 6 4 0 0 1 1 4 90
Umidade relativa (%) 77 81 83 85 83 78 71 72 69 70 70 72 75,9
Horas de sol 209,5 166,4 172 198,5 221,2 255,6 281,8 309,7 299,3 303,1 289,8 249,3 2 956,2
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961 a 1990;[11] [12] [13] [14] [15] recordes de temperatura de 1971 a 1985, 1990 e a partir de 1993).[16] [8]
Fonte #2: National Oceanic and Atmospheric Administration (umidade relativa, 1961-1990).[17]

Demografia[editar | editar código-fonte]

  • Indicadores Sociais[18]
IDH Urbanização Analfabetismo Longevidade Mortalidade infantil Renda Per Capta Proporção de pobres
0,687 97,29% 8,6% 73,98 anos 16,8 (em mil) R$ 479,58 26,51%
  • Evolução populacional

Parnaíba é a segunda maior cidade do Estado com mais de 150 mil habitantes. Encontra-se quase conurbada com a vizinha Luís Correia (30 mil habitantes), também litorânea e fica a 30 km de Buriiti dos Lopes, 20 mil habitantes.

O maior crescimento da cidade ocorreu de 1697, época de fundação da cidade a 1940. Neste período o Porto das Barcas era uma zona de efervescência comercial, foi o momento áureo do surgimento das grandes casas comerciais e da introdução da cera de carnaúba no cenário internacional.

A partir de 1950 até hoje a população quase quadruplica mas, já no final do século XX, observa-se a decadência da cidade em virtude das migrações para a capital Teresina e para o Sudeste do Brasil.

O IBGE estima que a população de Parnaíba seja de 150 mil habitantes em 2014. No entanto, acredita-se que a cidade já ultrapassou esse numero devido a grande quantidade de novos migrantes.

Atualmente, Parnaíba vem recebendo muitas pessoas de todas as partes do Brasil e ate do exterior. Essas pessoas vem para cidade em busca de novas oportunidades e também ter uma qualidade de vida melhor fora dos grandes centros urbanos. Parnaíba e uma terra de oportunidades.

Crescimento Populacional de Parnaíba[19] [20] [21] [22]
1697 1762 1940 1950 1960' 1970 1980 1991 2000 2007 2010
605 12.746 42.062 49.369 62.719 79.216 102.181 127.929 132.282 144.892 145.705
Ano Habitantes
1697 605
1762 12.746
1940 42.062
1950 49.369
1960 62.719
1970 79.216
1980 102.181
1991 127.929
2000 132.282
2007 144.892
2010 145.705

Economia[editar | editar código-fonte]

Segunda cidade do estado do Piauí, Parnaíba destaca-se pela bela paisagem, marcada pelos carnaubais, e pela relativamente moderada atividade comercial e industrial.

A cidade de Parnaíba está localizada à margem direita do "rio" Igaraçu, que na verdade constitui o braço mais meridional do delta do rio Parnaíba. Situada próxima ao litoral, a 13m de altitude, dista 366 km de Teresina, capital do estado.

A principal atividade econômica de Parnaíba é a exportação de cera de carnaúba, óleo de babaçu, gordura de coco, folha de jaborandi, castanha de caju, algodão e couro. O município dispõe ainda de indústrias de produtos alimentícios e perfumaria. Por exemplo, Vegeflora, Cooperativa Delta, Leite Longa, Cobrasil, Q-Odor reciclagem, Curtume Romao, Q-Odor e PVP SA.

Parnaiba foi agraciada com uma zona de processamento de exportação (ZPE).

O agronegocio vem ganhando destaque devido o perímetro irrigado tabuleiros litorâneos onde são cultivados diversos tipos de culturas.

Em 2009, Parnaíba foi considerada a cidade mais dinâmica do estado, a 5º da região Nordeste e a 32º do Brasil.[23]

Em 2011, Parnaíba foi a cidade com maior crescimento do Brasil, registrando índice de 229%. A cidade investiu R$ 34 milhões no ano de 2011 contra os R$ 10,3 milhões que foram aplicados no ano de 2010.[24]

O turismo também vem contribuindo muito para crescimento do município, pois a cada ano vem se profissionalizando mais, atraindo assim mais visitantes de todas as partes do Brasil e do mundo. Novos hotéis e resort estão sendo construídos.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Os principais pontos turísticos são:

Dunas do Delta do Parnaíba

Delta do Parnaíba está situado entre os estados do Maranhão e Piauí, formado pelo Rio Parnaíba, que tem 1.485 km de extensão, o Delta do Parnaíba abre-se em cinco braços, envolvendo 73 ilhas fluviais, sua paisagem exuberante, cheia de dunas, mangues e ilhas fluviais, garante o cenário paradisíaco dessa região do Maranhão e Piauí.

Praia da Pedra do Sal é uma praia do estado do Piauí, sendo a única situada na cidade de Parnaíba, localizando-se a 15 km da sede do município parnaibano, se encontra na Ilha Grande de Santa Isabel, ilha fluvial do Delta do Parnaíba. O acesso está disponível pela rodovia PI-116. A Pedra do Sal é dividida em duas partes: o lado Manso e o lado Bravo. O lado Manso tem poucas ondas, é de baixa movimentação e boas condições para pescaria e descanso. O lado Bravo é útil para esportes radicais como surf e asa delta.

Lagoa do Portinho é uma das mais belas paisagens do Piauí e com a vantagem de que as águas azuis podem ficar verdes, dependendo da luz do sol, as dunas cercam um balneário de águas doces no litoral do Piauí, ideal para a prática de desportos aquáticos na banana boat , jet ski e windsurf

Porto das Barcas e a origem da cidade de Parnaíba está diretamente conectado, localizada as margens do Rio Igaraçu braço do Rio Parnaíba, o Porto fica à direita da ponte que liga a cidade à Ilha Grande de Santa Isabel. Construções do século 18 desempenhou um papel preponderante na economia da região, foi construído grandes armazéns utilizados para estocagem de mercadorias importadas e de exportação, especialmente o comércio com Portugal, Espanha, Inglaterra e Alemanha.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Os centros de educação de Parnaíba destacam-se principalmente nos níveis médio e superior, atraindo pessoas das cidades da região. Dentre os maiores centros, podem-se citar:

  • Universidade Federal do Piauí - UFPI, o Campus de Parnaíba oferece 900 vagas por ano, nos seguintes cursos: Turismo, Engenharia de Pesca, Ciências Econômicas, Administração de Empresas, Fisioterapia, Psicologia, Ciências Contábeis, Biologia, Biomedicina, MEDICINA, Matemática e Pedagogia. Além de oferecer mestrados em Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Matemática e Museologia.
  • Universidade Estadual do Piauí - UESPI, esta universidade oferece 290 vagas por ano, nos seguintes cursos: História, Agronomia, Pedagogia, Biologia, Enfermagem, Direito, Odontologia, Letras- Português, Letras- Inglês e Ciências da Computação, Filosofia e Sociologia.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFPI, este instituto oferece cursos de técnicos e superiores. Os superiores são: Lic. Química e Lic. Física.
  • Faculdade Maurício de Nassau/Faculdade Piauiense - FAP, esta faculdade oferece aproximadamente 600 vagas ao ano, nos seguintes cursos: Fisioterapia, Enfermagem, Nutrição, Direito, Pedagogia, Administração de Empresas, Contabilidade, Sistemas de Informação. Esta faculdade está em expansão e novos cursos já foram solicitados juntos ao MEC.
  • Faculdade de Teologia do Brasil - FATEB
  • Instituto de Ensino Superior do Vale do Parnaíba - IESVAP
  • Instituto Superior de Teologia Aplicada - INTA, esta faculdade oferece os seguintes cursos: História e Serviço Social.
  • Faculdade de Tecnologia Intensiva - FATECI, esta faculdade oferece cursos técnicos, cursos de graduacao e pos-graduacao. Os cursos de graduação são: Psicologia, Radiologia e Gastronomia.
  • Academia de Policia Militar
  • Instituto Superior de Educação Antonino Freire - ISEAF (Escola Normal)

As mais importantes bibliotecas da região norte do estado estão em Parnaíba, destacando:

  • Biblioteca pública municipal de Parnaíba, foi originalmente criada em 1937, é denominada "Biblioteca Municipal Mirocles Veras".
  • Biblioteca do SESC, localizada na avenida Presidente Vagas
  • Biblioteca estadual, localizada na avenida São Sebastião.
  • Biblioteca da UFPI, localizada na avenida São Sebastião
  • Biblioteca da UESPI, localizada na avenida Nossa Senhora de Fátima

Institutos federais de educação e aprendizagem[editar | editar código-fonte]

  • 3 unidades do SENAI/FIEPI (Serviço Nacional da Aprendizagem Industrial)
  • SENAC (Serviço Nacional da Aprendizagem Comercial)
  • SESI (Serviço Social da Indústria)
  • 2 unidades do SESC
  • Fecomercio

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Parnaíba conta com um centro de pesquisas, EMBRAPA Meio-Norte, que realiza pesquisas em fruticultura, aquicultura e bovinocultura.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Na saúde, Parnaíba tem a maior rede de clínicas e hospitais do norte piauiense, apesar da grande importância na região, o município sofre ainda com falta de infraestrutura pública hospitalar. Os principais centros de saúde da cidade são, na rede pública: hospital Nsª de Fátima, maternidade Marques Bastos, Santa Casa de Misericórdia, com destaque Hospital Estadual Dirceu Arcoverde - HEDA, maior na região, e na rede particular: Pro-Médica, Hospital de olhos Assis Costa, Clínica Diagnóstico, entre outras. A partir do segundo semestre de 2014, a UFPI começou oferecer 40 vagas para curso de medicina semestralmente. A Capital do Delta também possui uma clinica de oncologia e em breve vai contar com uma clinica para tratar dependentes químicos.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Ônibus[editar | editar código-fonte]

O município de Parnaíba tem seu transporte coletivo feito através da Cooperativa de Transportes Alternativos (Coopertranp), com vans e micro-ônibus sua frota antiga e sucateada, é apontada como um dos principais problemas da cidade, com isso a licitação dos transportes é muito aguardada pela população, principalmente pelos estudantes, maiores usuários.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Internacional de Parnaíba

O Aeroporto Internacional de Parnaíba - Prefeito Dr. João Silva Filho, localizado em uma área privilegiada, entre os municípios de Camocim e Jericoacoara (ambos no Ceará), o Delta do Rio Parnaíba (no Piauí), e os Lençóis Maranhenses (no Maranhão), o aeroporto é a porta de entrada para uma região em que o turismo tende a crescer, chamada Rota das Emoções. O aeroporto esta a 67 km da famosa praia de Barra Grande, 13 km da Praia de Atalaia, 20 km Coqueiro, Macapa, Peito de Moca, Carnaubinha e outras do litoral piauiense. O terminal de passageiros é inspirado na arquitetura modernista do Aeroporto Santos-Dumont, no Rio de Janeiro. A pista de pouso e decolagem, com 2.500 metros de comprimento, está preparada para receber voos internacionais, fretados ou regulares. A Infraero estuda agora dotar o aeroporto da mais moderna infra-estrutura aeroportuária. Nos próximos anos deverão ser realizados investimentos para melhorias no terminal de passageiros, pista, pátio de aeronaves e auxílio à navegação aérea. Com a consolidação de mais uma porta de entrada para o Nordeste, a tendência é atrair turistas e impulsionar a economia da região. Empresas aéreas demonstraram interessem em operar rotas regulares e os operadores em atrair vôos fretados internacionais para o aeroporto, porém única ação concreta realizada através parceria interestadual foram os 10 voos da Air Italy oriundos de Verona (Itália) para Parnaíba realizados no período de dezembro de 2006 a fevereiro de 2007. O Aeroporto tem condições de operar com aeronaves do tipo Boeing 767-300 que tem capacidade para transportar 300 passageiros e carga. Entretanto, se encontra com sua capacidade subutilizada com movimento de pequenos táxis aéreos e aeronaves particulares. Em dezembro de 2013, Azul Linhas aéreas publicou em sua pagina na internet que Parnaiba-PI vai ser o seu 104o destino. Atualmente, a Azul esta fazendo o trecho Fortaleza-Parnaiba 3 vezes por semana, e Parnaíba-Teresina 2 vezes por semana. A partir de dezembro de 2014, azul começa a oferecer voos durante as sextas-feira, aumenta assim pra uma freqüência de 4 voos semanais para Fortaleza, (CE).

Malha viária[editar | editar código-fonte]

As vias de maior importância em Parnaíba são:

  • Avenida Pinheiro Machado - é a mais movimentada da cidade, trecho urbano da BR 343;
  • Avenida São Sebastião - Cruza a avenida Pinheiro Machado, e se caracteriza por ser um importante corredor gastronômico da cidade;
  • Avenida Presidente Getúlio Vargas - Principal via do Centro, tem seu termino na ponte Simplício Dias, que dá acesso a praia da Pedra do Sal.

A cidade é entrecortada por duas rodovias:

  • BR-402 - Liga Parnaíba a Fortaleza; Esta rodovia esta em otimo estado de conservacao. Parnaiba esta a 430km do Porto do Pecem.
  • BR-343 - Liga Parnaíba a Teresina.

Úsina eólica[editar | editar código-fonte]

Usina Eólica da Pedra do Sal

A cidade apresenta um parque eólica chamado "Complexo Delta",na localidade da praia da Pedra do Sal.Os 20 aerogeradores da Usina Éólica. da empresa Tractebel Energia, instalados na praia da Pedra do Sal podem ser vistos a quilômetros de distância e são responsáveis pela produção de 18 megawatts, suficientes para o abastecimento de 70 mil pessoas, 40% da população de Parnaíba.A Usina Eólica da Pedra do Sal de 250 hectares, começou a funcionar em fevereiro de 2009, após investimentos de R$ 105 milhões e atualmente está expansão. Recentemente, o complexo delta foi inaugurado com capacidade de produção de 70 MW, esse tem capacidade de abastecimento de 200 mil residências.

Saneamento Basico

Aproximadamente 80 % da zona urbana de Parnaiba tem cobertura de esgotamento sanitario

Teatros

A cidade possui dois teatros: Teatro do SESC e Teatro Saraiva

Shoppings

Parnaiba Shopping e Dunnas Shopping

Cinemas

Multicine Cinemas e Cine Delta

Esporte[editar | editar código-fonte]

Estádios esportivos[editar | editar código-fonte]

  • Estádio Petrônio Portela, considerado o berço do futebol parnaibano, a história do estádio Petrônio Portela se confunde com a história do Parnahyba. Construído na décado de 1920, pela Casa Inglesa, foi batizado originalmente por Estádio Internacional. Seu estilo arquitetônico semelhante aos estádio ingleses da época, único no Brasil, era símbolo do glamour das disputas do Campeonato Parnahybano no século passado.
  • Estádio Mão Santa, conhecido como Piscinão, tem capacidade para 4.700 pessoas.
  • Estádio Verdinho, estádio de propriedade da Federação das Industrias do Piaui (FIEPI), tem capacidade de 4.500 pessoas.
  • Vila Olimpica esta sendo construida e vai contar com um estadio, varias quadras de tenis, basquetebol e voleibol e piscinas.

Times de futebol[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Folguedos[editar | editar código-fonte]

Os folguedos correspondem às festas juninas,figurando atualmente como um dos maiores festivais juninos do Piauí.Ocorrem no mês de Julho,e a cada ano atraem mais turistas devidos ao recebimento de atrações de âmbito nacional,é realizado na praça de eventos Mandu Ladino,com grande infra-estrutura e exalta apresentações de quadrilhas,bumba-meu-boi,teatro e música.

Carnaval[editar | editar código-fonte]

No carnaval da cidade, o ponto alto são os desfiles de escolas de samba, blocos carnavalescos, entre outras atrações [25] . tendo entre as escolas de samba: Unidos da Ponte, Nova Parnaíba e Império do Cais.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Estações de rádios[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem das rádios que são captadas em Parnaíba:

Emissoras de TV[editar | editar código-fonte]

Consulte abaixo a listagem dos canais de televisão que são captadas em Parnaíba:

Ex-prefeitos[editar | editar código-fonte]

Alguns ex-prefeitos (a completar)[26] [27]

  • Fernando Osório Zoroastro Delbão Elvas (transitório 1891/2)
  • Feliciano Gomes de Farias Veras
  • Sebastião Hermes de Seixas
  • Joaquim Atonio dos Santos
  • Francisco Severiano de Morais Correia Filho
  • Jonas de Morais Correa
  • Luís Antonio de Morais Correia
  • Constantino de Morais Correia
  • José Alexandre Caldas Rodrigues
  • Veridiano Borges
  • Nestor Gomes Veras
  • Eurípedes Clementino de Aguiar
  • José Narsiso da Rocha Filho
  • Carlos de Morais Picanço
  • Samuel Antonio dos Santos
  • Ademar Gonçalves Neves
  • Mirocles de Campos Veras
  • Joaquim Antono Gomes de Almeida
  • Candido de Almeida Athayde
  • Raimundo Martins Delbão Rodriues
  • Acrísio de Paiva Furtado
  • Darcir Furtado de Mavignier
  • Alberto Tavares Silva
  • João Orlando de Morais Correia
  • José Alexandre Caldas Rodrigues
  • José Quirino Memória
  • Lauro Andrade Correa
  • João Tavares da Silva Filho
  • Carlos Furtado de Carvalho
  • Elias Ximenes do Prado
  • João Batista Ferreira da Silva
  • João Tavares da Silva Filho
  • Francisco de Assis Moraes Sousa (Mão Santa)
  • Antônio José de Moraes Souza Filho
  • Paulo Eudes Carneiro
  • José Hamilton Furtado C. Branco.
  • Florentino Alves Veras Neto (atual)

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa populacional 2014 IBGE Estimativa populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.
  4. Portal de dados municipais do Governo Estadual. Visitado em 9 de Julho de 2008.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 29 de julho de 2013.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_PIB
  7. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas TempM.C3.ADnINMET_Parna.C3.ADbaPI
  8. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Parnaíba Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014.
  9. BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Parnaíba Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014.
  10. BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Parnaíba Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014.
  11. Temperatura Máxima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  12. Temperatura Mínima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  13. Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Visitado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  14. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias) Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  15. Insolação Total (horas) Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  16. BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Parnaíba Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa Instituto Nacional de Meteorologia. Visitado em 7 de agosto de 2014.
  17. Station Name: Parnaíba National Oceanic and Atmospheric Administration (1961-1990). Visitado em 28 de outubro de 2014.
  18. Título não preenchido, favor adicionar.
  19. Dados IBGE 2007 IBGE.
  20. Teresina – processo de estruturação e expansão urbana e suas influências ambientais na Zona Sul Brasil Escola.
  21. Morais Brito Viagens & Turismo Morais Brito Viagens & Turismo.
  22. Título não preenchido, favor adicionar.
  23. http://www.florenzano.com.br/empresa/300maisdinamicos.htm
  24. Parnaíba, no Piauí, é a cidade com maior crescimento do Brasil
  25. Pedro Santiago, para o G1-Piauí (23/01/2013). Programação oficial do carnaval em Parnaíba tem 10 dias de folia 17:07. Visitado em 16/03/2013.
  26. Lista de prefeitos de Parnaíba
  27. "Galeria de ex-Prefeitos" - Parnaíba/PI. Portal de Parnaíba, Estado do Piauí. (acesso em 15/05/2011)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SELBACH, Jeferson Francisco. LEITE, José Roberto de Souza Almeida (orgs.). Meio ambiente no Baixo Parnaíba: olhos no mundo, pés na região. São Luis/MA: EDUFMA, 2008, 216p. il. [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]