Universidade Estácio de Sá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Unesa
Universidade Estácio de Sá
Estácio Participações S.A.
ESTACIO-DE-SA-LOGO.png
Fundação 1970.
Tipo de instituição Privada
Docentes 5.400
Total de estudantes 270.000 (aproximadamente)
Reitor(a) Paula Caleffi
Vice-reitor(a) Erico Coelho Ribeiro
Estado Brasão do estado do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro (sede)
Página oficial portal.estacio.br
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

A Universidade Estácio de Sá é uma instituição de ensino superior privada brasileira. Com quarenta anos de atuação em ensino, a Estácio é uma das maiores redes privadas de ensino superior do Brasil, integrando universidade, centros universitários e faculdades. Conta atualmente com mais de 330 mil alunos e está presente em 19 estados do Brasil com mais de 70 unidades.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1970 por João Uchôa Cavalcanti Netto, com a implantação do curso superior de Direito, tendo-se convertido em universidade no ano de 1988.[1] Seu nome é em homenagem ao militar português fundador da cidade do Rio de Janeiro e primeiro-governador geral da capitânia do Rio de Janeiro.

Ela é controlada pelos seu sócios administradores e pelo grupo GP Investments. É parceira da Ecóle Hôtelière de Lausanne e Lausanne Hospitality Consulting (Hotelaria na Suíça), Alain Ducasse Formation (Gastronomia na França), Universidade de Coimbra (Direito em Portugal), Universidade da Carolina do Norte em Greensboro e The Walt Disney World Company (Turismo nos EUA), entre outras.[2]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos a Universidade Estácio de Sá foi pivô de diversas polêmicas e denuncias publicados nos jornais:

  • Em março de 2001 uma passarela do novo campus Barra, desaba ferindo entre 30 e 45 pessoas que prestariam um concurso público no local. Após o acidente o concurso foi adiado. Posteriormente a prefeitura do Rio afirmou não ter autorizado a abertura do campus.[3] [4]
  • Em outubro de 2001, seu fundador, João Uchôa Cavalcanti Netto, concede uma entrevista polêmica ao jornal Folha Dirigida, onde afirma, entre outras coisas, que pesquisa é uma inutilidade pomposa, Na cúpula da Estácio quem tem mestrado e doutorado não entra. Isso é uma regra, Eu não me interessei pela educação e nem acho que eu seja uma pessoa muito interessada em educação. Eu sou interessado na Estácio de Sá, isso é que é importante.[5]
  • Em dezembro de 2001, ficou conhecida nacionalmente após matería do programa Fantástico denunciar a aprovação de um semianalfabeto para seu curso de Direto no vestibular 2002. O padeiro Severino da Silva, semianalfabeto, respondeu somente alternativas A e B em todas as questões da prova, além de não fazer a redação. O então diretor da Unesa, Marcelo Campos, atribuiu o desempenho de Silva a uma questão de sorte, já que o candidato havia escolhido cursar Direito no período vespertino em uma turma que contava com vinte vagas, porém somente 9 candidatos se inscreveram e assim Severino Silva se classificou em 9º lugar. Após o mal-entendido, a realização da redação se tornou obrigatória.[6]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Interior de um campus da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro.

A Estácio tem ampla estrutura de ensino, e oferece cursos de graduação e pós-graduação lato sensu e stricto sensu em diversas áreas do conhecimento. Também é conhecida pela oferta de Cursos de Férias abertos à comunidade, nos meses de julho e janeiro.

A Universidade Estácio de Sá também oferece, a formação internacional nas áreas de Hotelaria e Gastronomia, sem a necessidade de sair do país, através de parcerias com escolas européias.

Além do investimento em ensino, também administra um time de futebol profissional, o Estácio de Sá Futebol Clube, atualmente na segunda divisão do Campeonato Carioca. Este time é atendido esportivamente e clinicamente na Fisiobarra, rede de fisioterapia formada na própria universidade.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]