Luziânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Luziânia
Bandeira de Luziânia
Brasão de Luziânia
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 13 de dezembro de 1746 (267 anos)
Gentílico luzianiense
Prefeito(a) Cristóvão Vaz Tormin (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Luziânia
Localização de Luziânia em Goiás
Luziânia está localizado em: Brasil
Luziânia
Localização de Luziânia no Brasil
16° 15' 10" S 47° 57' 00" O16° 15' 10" S 47° 57' 00" O
Unidade federativa  Goiás
Mesorregião Leste Goiano IBGE/2008[1]
Microrregião Entorno do Distrito Federal IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Alexânia, Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso de Goiás, Novo Gama e Cidade Ocidental ao Norte; Orizona ao Sul; Cristalina a Leste e Silvânia a Oeste
Distância até a capital 196 km
Características geográficas
Área 3 961,536 km² [2]
População 188 181 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 47,5 hab./km²
Altitude 930 m
Clima Tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,701 alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 2,040 bilhão IBGE/2009[5]
PIB per capita R$ 9 715,27 IBGE/2009[5]
Página oficial

Luziânia é um município brasileiro do estado de Goiás. É a quinta maior cidade do estado, com uma população estimada em 188 181 habitantes [6] , ficando atrás apenas da capital Goiânia, e das cidades de Aparecida de Goiânia, Anápolis e Rio Verde. No entanto, é mais conhecida por ser integrante da região do entorno do Distrito Federal, devido à sua proximidade com a Capital Federal (58 km).

Seu nome é uma homenagem à santa padroeira do município, Luzia, a quem foi erguido um cruzeiro em 1746.

História[editar | editar código-fonte]

À procura de novas minas de ouro, o bandeirante Antônio Bueno de Azevedo partiu de Paracatu. Em 13 de dezembro de 1746, enquanto descansava sentado às margens de um córrego, notou que no leito do rio havia pepitas de ouro. No dia seguinte ergueu festivamente um cruzeiro e dedicou as minas e o futuro povoado a Santa Luzia. As minas atraíram tanta gente que em menos de um ano o arraial contava com mais de 10.000 pessoas.[7]

A primeira missa foi celebrada em 1746, pelo padre Luiz da Gama Mendonça e assistida por mais de 6.000 garimpeiros. Elevada à categoria de Comarca Eclesiástica em 6 de dezembro de 1758, seu primeiro vigário foi o padre Domingos Ramos.

Em abril de 1758 iniciou-se a construção de um rego, denominado Saia Velha, para facilitar a garimpagem. O rego tinha 42 quilômetros de extensão e foi feito em dois anos por milhares de escravos negros.

O primeiro núcleo de povoamento já era chamado de Arraial de Santa Luzia em fins do século XVIII.

O arraial foi elevado à categoria de vila em 1º de abril de 1833 e à de cidade em 5 de outubro de 1867. Contudo, foi somente a partir de 31 de dezembro de 1943 que passou a se denominar "Luziânia".

Em Luziânia também foi executado o último homem livre do Brasil antes da abolição da pena de morte. José Pereira da Silva foi enforcado na chácara São Caetano na "Forca da Mangueira", então vila de Santa Luzia, em 30 de outubro de 1861.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Segundo estimativa do IBGE, de 1º de julho de 2013, a população de Luziânia é de 188.181 habitantes. Em termos demográficos, é uma das maiores cidades do estado de Goiás, embora venha indicando estagnação ou mesmo um decréscimo sutil de sua população, especialmente a partir de 2005/2006. O fenômeno da diminuição populacional é de ordem socioeconômica, sendo percebido, nos últimos anos, em diversas regiões do Brasil. Fator preponderante desse declínio demográfico deve-se, sobretudo, ao maior acesso à informação por parte da população brasileira. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=521250

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade de Luziânia está localizada no estado de Goiás, região Centro-Oeste do Brasil. Fica a 200 km de Goiânia e aproximadamente 60 km de Brasília. A mistura de modernidade e história é o que melhor define essa cidade.

A Igreja Nossa Senhora do Rosário, remanescente do século XVIII, guarda imagens de madeira daquela época e sinos de bronze. O Morro da Canastra, o Palácio das Andorinhas e a Cachoeira de Saia Velha são atrações do turismo ecológico de Luziânia.

O bandeirante Antônio Bueno de Azevedo, em 13 de dezembro de 1746, encontrou ouro onde seria o povoado de Santa Luzia. As minas ali existentes atraíram mais de 10.000 migrantes.

O município de Luziânia, antes denominado Santa Luzia, originou-se da mineração. No século XVIII, essa atividade despertou o interesse de vários sertanistas, os quais tinham a intenção de desbravar as terras centrais do Brasil.

A primeira penetração no território deve-se ao paulista Antônio Bueno de Azevedo. Em fins de 1746, acompanhado de amigos e inúmeros escravos, partiu de Paracatu, rumo noroeste, até alcançar o Rio São Bartolomeu, onde construiu roças e alguns ranchos. Três meses depois, seguiu viagem, rumo oeste, aportando, em 1746, às margens do Rio Vermelho, nome decorrente da cor que adquiriu durante as atividades de extração de ouro, abundante em seu leito. Satisfeitos com os vales férteis e auríferos do planalto, ali mesmo acamparam, construíram as primeiras residências e erigiram a cruz, em nome de Santa Luzia, marco da povoação que nascia sob a proteção da Santa. A notícia da descoberta das minas de Santa Luzia atraiu contingentes de pessoas livres e escravos das mais longínquas regiões.

No final do século XVIII, a mineração começou a declinar e muitas famílias se transferiram para a zona rural, dedicando-se à lavoura e à criação de gado. O arraial foi elevado à condição de vila em 1833 e, logo depois, à categoria de cidade em 1867. O atual nome, Luziânia, surgiu após o decreto-lei estadual nº 8305, de 31 de dezembro de 1943.

Desde sua fundação, no século XVIII, até 1960, data da inauguração de Brasília, Luziânia não obteve grandes marcos de forma geral. Entretanto, após ceder parte de seu grande território para a construção do que seria então a capital federal, Luziânia passou a ter um surto de desenvolvimento, beneficiada sobretudo pela BR-040 e BR-050, sendo a rodovia BR-040 a que oferece o acesso até Brasília. Com um crescimento populacional acelerado, foi necessário que se avaliasse a legislação do uso do solo do Distrito Federal, definindo previamente as áreas para expansão urbana, além da especulação imobiliária, o que acabou levando parte da população da nova capital brasileira a procurar alternativas de localização e moradia, tanto em Luziânia quanto em outras cidades do Entorno do Distrito Federal.

Economia[editar | editar código-fonte]

Em 2005, foi implantado em Luziânia o Programa de Desenvolvimento Econômico de Arranjo Produtivo Local (APL) de Fruticultura. Neste município, o programa APL está promovendo assessoria técnica e tecnológica em 91 propriedades locais rurais e 120 pessoas participaram de cursos de informática básica, que faz parte de um trabalho de inclusão digital junto aos filhos dos agricultores.

Além disso, o programa APL promoveu um plano de desenvolvimento sustentável para Luziânia e região e um estudo de pré-viabilidade econômica da plataforma comercial de fruticultura para o município.Uma visita técnica com 33 produtores rurais ao APL de fruticultura irrigada de Juazeiro e Petrolina também foi realizada.

O programa APL é uma iniciativa do Ministério da Integração Nacional, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Senai e Instituto Euvaldo Lodi com apoio da Central de Associações de Produtores Rurais, Agência Rural, Sebrae, Secretaria de Planejamento e prefeitura de Luziânia. O projeto conta com recursos da ordem de R$ 330 mil, para atender 40 associações rurais que representam mais de 2 mil produtores rurais.

Indicadores socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

PIB municipal (2008)
[5] R$ 1,805 bilhão
PIB per capita (2008)
[5] R$ 8.859,35
Composição do PIB (2008)[8]
  • Valor adicionado bruto da agropecuária: R$ 0,169 bilhão
  • Valor adicionado bruto da indústria: R$ 0,596 bilhão
  • Valor adicionado bruto dos serviços: R$ 0,865 bilhão
  • Impostos sobre produtos líquidos de subsídios: R$ 0,173 bilhão

Comércio[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui um dos comércios mais dinâmicos e promissores do Entorno. Com a inauguração do "Luziânia Shopping", em 31 de maio de 2012, o comércio na região cresceu consideravelmente. Com um novo espaço de entretenimento, a população poderá usufruir de maior comodidade, praticidade e lazer no próprio município, sem a necessidade de se deslocar para outras cidades, especialmente a capital federal, Brasília.[9]

Segurança[editar | editar código-fonte]

A cada mil jovens de 12 a 18 anos do município, 5,4 morrem assassinados (o maior Índice de Homicídios na Adolescência da Região Centro-Oeste) e apenas 10,7% dos homicídios e latrocínios registrados pela polícia do município de janeiro de 2009 a fevereiro de 2010 foram solucionados.[10] .

Em 2010, a cidade foi atingida por um grande número de desaparecimentos de jovens. Revelou-se que o pedreiro Adimar de Jesus Silva era o "serial killer (assassino em série) de Luziânia". O pedreiro foi encontrado morto em sua cela no dia 18 de abril de 2010 com um lençol amarrado ao pescoço, indicando ter cometido suicídio. O caso tornou clara a fragilidade da Justiça ao conceder progressão de pena para criminosos com problemas psicológicos irreversíveis e os cuidados na carceragem.[11]

Em abril de 2014, dois outros casos deixaram a população de Luziânia estarrecida: dois rapazes, Cleyton de Macianis (funcionário de uma casa lotérica) e Paulo Henrique (empresário), foram covardemente assassinados. Cleyton vítima de dois assaltantes na casa lotérica em que trabalhava, mesmo sem demonstrar nenhum tipo de reação, o jovem acabou recebendo um disparo na cabeça, não resistiu ao ferimento e morreu a caminho do hospital. Já Paulo Henrique foi surpreendido ao sair de uma agência bancária, após ter sacado aproximadamente R$ 16.000,00, ocasião na qual dois assaltantes o aguardavam. Os sujeitos o perseguiram e lhe tomaram todo o dinheiro, fugindo logo em seguida numa moto. No entanto, Paulo Henrique não aceitou o fato e resolveu então persegui-los com o seu próprio carro. Tendo logo depois, inclusive, colidido com a moto conduzida pelos criminosos. Porém o jovem acabou sendo alvejado fatalmente por um dos bandidos. Após o atropelamento, os dois assaltantes roubaram um carro Strada de cor branca e seguiram pela BR 040. Houve perseguição policial e troca de tiros. Um dos criminosos morreu e outro, Jhonnatan Sousa Saraiva, foi preso em flagrante. <<http://noticias.r7.com/distrito-federal/empresario-de-26-anos-morre-apos-reagir-a-assalto-em-luziania-03042014>> <<http://noticias.r7.com/distrito-federal/faxineiro-e-morto-com-tiro-na-cabeca-enquanto-trabalhava-12042014>> 

Irrompe-se, tanto nas redes sociais quanto por meio de passeatas, o movimento "Luziânia Pede Paz", como um mecanismo de forte impacto reivindicatório, surge como uma forma de protestar contra as atrocidades constantemente ocorridas na cidade. Passeatas cujo objetivo é, acima de tudo, lutar contra o caos instaurado no cotidiano dos cidadãos luzianienses, vítimas de um sistema decadente de proteção estatal. Cleyton e Paulo Henrique são apenas alguns exemplos da instabilidade e da falta de segurança existente em Luziânia. O reflexo da escassez de amparo político e social é latente, não restando outra opção senão um investimento progressivo, principalmente por parte do governo do estado de Goiás, na segurança pública e, acima de tudo, na educação. É, pois, pertinente a frase cunhada pelo filósofo Pitágoras: "Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos".

Em suma, Luziânia ainda é considerada uma cidade violenta, sobretudo nas áreas mais afastadas do centro da cidade (onde o policiamento é menos ostensivo). Contudo, houve considerável melhoria com a entrada da Força Nacional no município, diminuindo, mesmo que de modo incipiente, o índice de violência. Ainda assim há muito a se fazer, e, neste processo, é mister o aumento e o treinamento sistemático do contingente policial; além, é claro, de uma presença mais eficaz dos órgãos relacionados à segurança pública, conforme já ressaltado. Estas ações, seja na área de segurança ou no âmbito educacional, têm papel fundamental na consolidação de Luziânia como um município promissor na região .[12]

Educação[editar | editar código-fonte]

No que tange ao ensino superior, possui um campus da Universidade Estadual de Goiás, que oferece os cursos de Administração e Pedagogia, além do Unidesc (Centro Universitário de Desenvolvimento do Centro-Oeste), sendo o Unidesc uma entidade privada. Possui também um campus do Instituto Federal de Goiás, o IFG, que proporciona cursos técnicos integrados ao Ensino Médio nas seguintes áreas: mecânica, química e informática para internet. Além disso, o IFG detém a autarquia de uma faculdade, fornecendo cursos superiores de Licenciatura em Química e Bacharelado em Sistemas de Informação.

No que se refere ao ensino médio e ao ensino fundamental, destacam-se os colégios públicos CEMAS (Colégio Estadual Maria Abadia Salomão), Colégio Estadual Dona Torinha, Colégio Cônego Ramiro, Colégio Estadual Alceu de Araújo Roriz e Escola Municipal São Caetano, cujas notas no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foram as mais satisfatórias do município, embora ainda distantes do ideal. Igualmente, colégios particulares de reconhecida qualidade pedagógica são o Vovó Olívia e o Santa Luzia.


Esporte[editar | editar código-fonte]

Luziânia possui um clube profissional de futebol, a Associação Atlética Luziânia, que disputa a 1ª divisão do Campeonato Brasiliense de Futebol. A principal praça de esportes da cidade é o estádio "Serra do Lago", cuja capacidade é de 21.564 pessoas. Feito inédito alcançado pela equipe azulina, como é carinhosamente chamada por seus torcedores, foi a conquista do Campeonato Brasiliense 2014, após derrotar o Brasília Futebol Clube em pleno estádio Mané Garrincha, deixando, dessa forma, sua marca na história do campeonato. Com o título bravamente conquistado, agora o time luzianiense ingressa na série D do Campeonato Brasileiro. Esta vitória da Associação Atlética Luziânia pode ser apenas a primeira de muitas que ainda virão, tendo em vista que a comissão técnica tem colocado em prática mudanças significativas na equipe, valorizando, sobretudo, os jogadores da categoria de base.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2013 (PDF) Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (01/07/2013). Página visitada em 23/10/2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de julho de 2013.
  5. a b c d Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_Pop_2010
  7. www.jornalreporter.com.br
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de Dados: Cidades
  9. Luziânia shopping é inaugurado.
  10. Vizinhos do pedreiro ficaram chocados com a revelação de que ele teria matado os seis jovens - Correio Brasiliense, 12 de abril de 2010 (visitado em 12-4-2010)
  11. Folha de S.Paulo. (19 de abril de 2010). Morte revela total descaso, afirma a OAB
  12. Luziânia força nacional faz prevenção à criminalidade.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luziânia