Rubiataba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Município de Rubiataba
"Rainha do Vale"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 12 de outubro de 1953
Gentílico rubiatabense
CEP 76350-000
Prefeito(a) Jakes Rodrigues de Paula (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Rubiataba
Localização de Rubiataba em Goiás
Rubiataba está localizado em: Brasil
Rubiataba
Localização de Rubiataba no Brasil
15° 09' 50" S 49° 48' 10" O15° 09' 50" S 49° 48' 10" O
Unidade federativa  Goiás
Mesorregião Centro Goiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Ceres IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes A leste: Ceres e Ipiranga de Goiás; a norte; Itapaci, Nova América; a oeste, Morro Agudo de Goiás e a sul, São Patrício.
Distância até a capital 220 km
Características geográficas
Área 748,273 km² [2]
População 19,747 hab. (GO: 55º) –  Censo IBGE/2010[3]
Densidade 0,03 hab./km²
Altitude 632 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,719 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 147 480,271 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 7 936,30 IBGE/2008[5]
Página oficial

Rubiataba é um município brasileiro do estado de Goiás. Situado na região do Vale do São Patrício, a 220 quilômetros de Goiânia e tem, segundo estimativa do IBGE em 2014, 19.747 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Criação do Município

Em 1940, por iniciativa do Governo do Estado de Goiás desejoso de criar uma colônia agrícola estadual às margens do Rio São Patrício, propõe uma divisão de partes da terra, a qual já está ordenadamente sendo dividida pelos agricultores numa região situada à margem direita do Rio Novo, entre os córregos “Barra Funda”, “Cipó” e “da Serra”, geograficamente bem situada, plana e circulada de matas, córregos e rios. Para tal fim designou-se uma área de 7.000 hectares na qual, foi projetada a futura cidade rural, circundada de pequenas áreas para chácaras destinadas ao abastecimento local de hortaliças, frutas, leite e ovos, distanciando do perímetro pequenas propriedades rurais.

Alguns pequenos produtores, percebendo que um núcleo urbano poderia transformar-se em “Centro Popular” do processo de ocupação já iniciado, reúnem-se na casa sede da Gleba no ano de 1947. Presentes mais de uma dezena de produtores rurais, Alvino Luiz da Silva explicou que o motivo da reunião era a discussão da possibilidade de se “fundar um povoado na região do Rio Novo” para facilitar o abastecimento das famílias que, até então, se deslocavam a longas distancias para comprar uma simples caixa de fósforo, um quilo de açúcar ou sal, sendo escolhida para a fundação do povoado a área de João Tavares – a parte desmatada. Povoado este que em 1951 contava com mais de 20 mil pessoas.

A existência de cultivos de café na região da cidade sugere a ideia de que, no passado, outras gerações por ali passaram, entre eixos de explorações e rotas regionais de café do nordeste, tais como Bahia e Pará, o que, com o tempo, levou ao reconhecimento do café como produto nativo no Estado. Daí então surge escolha do nome para a nova cidade: Rubiataba (de Rubiácea), família botânica que pertence ao café, e de (taba) que no idioma tupi significa aldeia de índios, o que caracteriza a região Centro-Oeste.

Emancipação da Cidade[editar | editar código-fonte]

O município de Rubiataba foi criado pela lei nº. 807, de 12 de outubro de 1953, assinada pelo Dr. Pedro Ludovico Teixeira, naquela época Governador do Estado de Goiás, instalando-se a 1º de janeiro de 1954.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização

Rubiataba está a cerca de 220 quilômetros da capital do estado, seguindo pela GO-080 / Nerópolis / Petrolina de Goiás / São Francisco de Goiás / BR-153 / Jaraguá / Rianápolis / Rialma / GO-434 / Nova Glória.

Distritos

Waldelândia

Povoados

Bragolândia, Cruzeiro e Goiataba.

Municípios desmembrados

Da área territorial de Rubiataba foi desmembrado o município de Morro Agudo de Goiás.

Aspectos Naturais[editar | editar código-fonte]

Clima

Tropical semi-úmido. Com duas estações climáticas, são:

  • Seca de maio a outubro;
  • Chuvosa de novembro a abril.
Hidrografia

Vários rios e córregos compõem o sistema hidrográfico do município de Rubiataba em destaque estão os rios: Rio São Patrício, que faz linha divisória com Nova América e Itapaci. O Rio Novo, que nasce no município de Rubiataba, próximo de Waldelândia, correndo de oeste para leste e desaguando no Rio São Patrício na região denominada de Cravarí, limitando-se os córregos: Grande, Patrona, Água Fria, e outros.

Relevo

O município é quase por inteiro composto de terras planas e a altitude varia de 610 à 680 metros. Mas nas regiões serranas a altitude pode variar de 700 à 900 metros.

Vegetação

Os diferentes tipos de vegetação são: cerrado e reduzidas matas.

Economia[editar | editar código-fonte]

Varias indústrias de moveis, além de uma importante "cooperativa agrícola" (Cooper-Rubi), na produção de álcool, vem movimentando a economia do Município, que conta ainda com criação de gado, produção de leite e produtos lácteos.

Produção Agropecuária
  • Milho, arroz, feijão, mandioca, citrus, banana, tomate, cana-de-açúcar e hortaliças.
  • Bovinos de corte, bovinos de leite.
Principais indústrias
Comércio

Comércio Atacadista, Comércio Varejista, Feira Livre e Feira do Produtor rural.

Turismo
  • Rio Seco - o Rio Novo vem em seu leito normal e de repente desaparece, reaparecendo a uns 600 metros, ficando o seu leito vazio neste percurso.
  • Turismo religioso ao Santuário Mãe de Deus, conhecido como "pedrona", onde foi construído uma capela no alto de uma enorme pedra.
  • Temos a maior Aldeia Indígena do Estado formada pelos Índios Tapuias na reserva do carretão.
  • As cachoeiras do Córrego Grande.
  • O Carnaval com grandes blocos que se tornou tradição, sendo um dos melhores do interior do Estado.
  • A Festa do Réveillon também faz da cidade uma ótima opção na passagem de ano.

Educação e cultura[editar | editar código-fonte]

Escolas públicas[editar | editar código-fonte]

  • Colégio Estadual Ângela Pimentel, Distrito de Waldelândia
  • Colégio Estadual Gilvan Sampaio, Aeroporto
  • Colégio Estadual Levindo Borba, Rubiatabinha
  • Colégio Estadual Raimundo Santana Amaral, Centro
  • Escola Estadual Bernardo Sayão, Bela Vista
  • Escola Estadual José Custódio, Vila Santa Fé
  • Escola Estadual Oscar Campos, Vila Operária
  • Escola Estadual Pedro Alves de Moura, Centro
  • Escola Municipal Rivaldo Santana Sampaio, Centro
  • Núcleo Municipal de Ensino Fundamental Monsenhor Lincoln Monteiro Barbosa, Bouganville

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Na cidade se encontra a sede da Diocese de Rubiataba-Mozarlândia, tendo como Bispo Adair José Guimarães.

Há dois Centros Espíritas, Centro Espírita Renúncia e Centro Espírita Paulo de Tarso.

Em Rubiataba situa-se a Subsecretaria Regional de Educação, subsecretaria esta que abrange os seguintes municípios: Rubiataba e Nova América.

Se encontra as instalações do Fórum da Comarca de Rubiataba, que abrange os municípios de Morro Agudo de Goiás e Nova América.

No município ainda, encontra a comunidade indígena Tapuias.

A cidade conta com duas estações de rádio.

Lista de Prefeitos e Vice-prefeitos do Município[editar | editar código-fonte]

  • 1972/1975 - José Levindo Borba / José Joaquim Alves
  • 1976/1982 - Onofre Andrade Pereira / Milton Martins de Azevedo
  • 1983/1988 - Otacílio Ferreira de Paiva / Eunilson A.Cavalcante
  • 1989/1992 - Ubiratan Carneiro da Silva / Daniel Augusto Goulart
  • 1993/1996 - Agmar Ribeiro dos Santos / Alvino Ferreira da Silva
  • 1997/2000 - Teodoro Ribeiro de Araujo / Marçal Ferreira Vitória
  • 2001/2004 - Agmar Ribeiro dos Santos / Marcos Aurélio Lucena Santana
  • 2005/2008 - Jose Luiz Fernandes / Heli Mario Neto
  • 2009/2012 - Jose Luiz Fernandes / Miguel Augusto da Silva
  • 2013/2016 - Jakes Rodrigues de Paula / Marcos Aurélio Tolentino

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]