Iporá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Iporá
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 19 de novembro
Fundação Arraial de Pilões, 1748
Gentílico iporaense
Prefeito(a) Danilo Gleic (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Iporá
Localização de Iporá em Goiás
Iporá está localizado em: Brasil
Iporá
Localização de Iporá no Brasil
16° 26' 31" S 51° 07' 04" O16° 26' 31" S 51° 07' 04" O
Unidade federativa  Goiás
Mesorregião Centro Goiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Iporá IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Amorinópolis, Arenópolis, Diorama, Israelândia, Ivolândia, Jaupaci e Moiporá
Distância até a capital 216 km
Características geográficas
Área 1 026 384 km² [2]
População 31 274 hab. (GO: 34º) –  Censo IBGE/2010[3]
Densidade 30,47 hab/km²
Altitude 600 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,859 muito alto PNUD/2008 [4]
PIB R$ 211 486,763 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 6 608,55 IBGE/2008[5]
Página oficial

Iporá é um município do estado de Goiás, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Iporá teve sua origem, oficialmente, na fundação do arraial de Pilões, na margem direita do Rio Claro, em 1748.

História de Iporá, um município brasileiro localizado no interior do estado de Goiás, especificamente ao sul deste, é iniciada em 1832, com a vinda da família de desbravadores de João Crisóstomo de Oliveira, vindos de Ouro Preto, em Minas Gerais. Na data específica, esta região do sudoeste goiano era completamente desabitada.1

A família fixou-se na região entre o Córrego de Água Limpa e o Rio São Francisco, tomando posse de vasta extensão de terras, onde fixaram-se e construíram uma enorme fazenda.

A expressiva produção de diamantes e o desenvolvimento rápido do arraial provocaram a extinção do povoado "Comércio Velho", às margens do mesmo rio, atraindo seus habitantes para as minas de Rio Claro. Assim, em 5 de julho de 1833, Rio Claro passou à categoria de distrito, mantendo-se a denominação primitiva e pertencente ao município de Goiás (Vila Boa).Depois desse primeiro momento das explorações dos diamantes, Pilões passou a ser um entreposto comercial entre Vila Boa de Goiás e Cuiabá. Já no Império do Brasil, por decreto provincial de 5 de julho de 1833, foi elevado a distrito de Vila Boa, com nome de Rio Claro, e a igreja teve o nome mudado para Paróquia de Nossa Senhora do Rosário (e continua até hoje em Iporá). O povoado permaneceu como Rio Claro até ser transferido para as margens do córrego Tamanduá, pelo Decreto-lei 557, de 30 de março de 1938, com o novo nome de Itajubá, oficializado pelo Decreto-lei 1 233, de 31 de outubro do mesmo ano, e posteriormente rebatizado por Iporá ("Rio Bonito", traduzido da língua tupi)[6] , pelo decreto-lei 8 305, de 31 de dezembro de 1943.

Em 1938, o Distrito de Rio Claro passou a denominar-se "Itajubá", topônimo de origem tupi que significa "braço de pedra", pela junção de itá (pedra) e îybá (braço)[7] . Em 1942, Joaquim Paes Toledo e família doaram uma área de 100 alqueires goianos de terras para a edificação da Cidade. Em 1943, por Decreto-Lei Estadual nº 8 305, de 31 de dezembro , passa a denominar-se Iporá, também de origem indígena. Pela Lei Estadual nº 249, de 19 de novembro de 1948, foi elevado à categoria de município, instalando em 1º de janeiro de 1949, desmembrado do Município de Goiás.

Impulsionado pela agricultura e a pecuária, Iporá se desenvolveu rapidamente. Dez anos após a mudança, o povoado foi elevado de Distrito de "Goiás Velho" a município, pelo decreto-lei estadual de nº 249, de 19 de novembro de 1948, sendo a Prefeitura instalada em 01 de janeiro de 1949, quando, então, tomou posse, como Prefeito nomeado, o Ten. Luiz Alves de Carvalho, e que administrou a cidade até o dia 16 de março do mesmo ano, data em que foi empossado o primeiro Prefeito eleito, Israel de Amorim e ainda os sete Vereadores da primeira legislatura municipal, Antônio Mendes da Silva, Elpídio de Souza Santos, Daniel Tomás de Aquino, Itamar da Silva Meio, Antônio José da Costa, Joaquim Lopes Pedra (todos do PR), e Esmerindo Pereira (UDN).

Desde então, Iporá continua com sua vida de cidade emancipada, sempre progredindo, a cada dia se firmando como pólo econômico, sociocultural e político do oeste goiano. Pela Lei Estadual de nº 700, de 14 de novembro de 1952, foi elevado a comarca, passando a ter o seu próprio foro.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

"Iporá" é um termo de origem tupi que significa "rio bonito", através da junção dos termos 'y (rio) e porang (bonito)[8] .

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

Distrito criado com a denominação de Rio Claro, pelo decreto de 05-07-1833, subordinado ao município de Goiás. Em divisão Administrativa referente ao ano de 1911, o distrito figura no município de Goiás. Assim permanecendo em divisões territoriais de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 1 233, de 31 de outubro de 1938, o distrito de Rio Claro passou a denominar-se Itajubá. No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o distrito de Itajubá ex-Rio claro, figura no município de Goiás. Pelo decreto-lei estadual nº 8 305, de 31-12-1943, o distrito de Itajubá passou a denominar-se Iporá.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944 a 1948, o distrito de Iporá (ex-Itajubá) permanece no município de Goiás. Elevado à categoria de município com a denominação de Iporá, pela lei estadual nº249, de 19 de novembro de 1948, desmembrado de Goiás. Sede no antigo distrito de Iporá. Constituído do distrito-sede. Instalado em 1 de janeiro de 1949. Em divisão territorial datada de 1 de julho de 1950, o município de Iporá é constituído do distrito- sede.[9] .

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população foi estimada em 2014 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 31.274 habitantes.

Município de Iporá se situa na região oeste de Goiás, o maioria da vegetação nativa de Iporá é o cerrado, o município possui o Morro do Macaco com um desnível de 450 metros de altitude, Serra do Santo Antônio, Ribeirão Santo Antônio, Córrego Tamanduá que passa dentro do perímetro urbano da cidade. Iporá faz fronteiras com seguintes municípios:

  • Amorinópolis;
  • Arenópolis;
  • Diorama;
  • Israelândia;
  • Ivolândia;
  • Jaupaci;
  • Moiporá;

Distâncias das cidades citadas em relação à Iporá;

  • Goiânia (GO) - 215 KM;
  • Brasília (DF) - 440 KM;
  • Anápolis (GO) - 280 KM;
  • Rio Verde (GO) - 170 KM;
  • Barra do Garças (MT) - 185 KM;

Economia[editar | editar código-fonte]

Iporá tem um comércio forte, referência para toda região oeste de Goiás, outro fator que tem grande participação na economia de Iporá é a pecuária leiteira, e a cidade conta com cinco agências bancárias:

  • Banco do Brasil;
  • Bradesco;
  • Caixa Econômica Federal;
  • Itaú;
  • Sicoob - Sistema de Cooperativas de Créditos do Brasil;

Principais eventos em Iporá[editar | editar código-fonte]

  • Janeiro - Encontro dos Muladeiros;
  • Fevereiro/Março - Carnaval do Lago Pôr do Sol;
  • Maio - Festa da Nossa Senhora Auxiliadora, popularmente conhecida como Festa de Maio;
  • Julho - Exposição Agropecuária;
  • Outubro - Motoshow;
  • Dezembro - Reveillon no Lago Pôr do Sol.

Turismo[editar | editar código-fonte]

  • Lago Pôr do Sol, o mesmo tem pista de caminhada, quadras de esportes, campos de futebol, academia ao ar livre, quiosques padronizados;
  • Morro do Macaco, o mesmo tem 450 metros de altitude que serve para a prática de parapentes;
  • Festa da Nossa Senhora Auxiliadora, conhecida popularmente como a Festa de Maio, a segunda maior festa religiosa do Estado de Goiás, que atrai pessoas de todo o Centro-Oeste do Brasil;

Educação[editar | editar código-fonte]

Ensino Superior ou Técnico;

  • IFGoiano (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano) - Campus - Iporá;
  • UEG (Universidade do Estado de Goiás) - Campus - Iporá;
  • FAI - Faculdade de Iporá;
  • Unopar;
  • Uni-Anhanguera virtual;
  • Senac - Iporá;

Rede Pública:

  • Escola Estadual Joaquim Berto (ensino fundamental);
  • Escola Estadual Dom Bosco (ensino médio e supletivo);
  • Escola Estadual Evangélica Betel (ensino fundamental);
  • Escola Estadual Israel de Amorim (ensino fundamental);
  • Centro de Educação e Convivência Juvenil Elias Araújo Rocha (cursos profissionalizantes);
  • Colégio Estadual de Aplicação (ensino fundamental);
  • Colégio Estadual Odilon José de Oliveira (ensino fundamental);
  • Colégio Estadual Osório Raimundo de Lima (ensino fundamental e médio);
  • Colégio Estadual Ariston Gomes da Silva (ensino fundamental e médio);

Rede Privada:

  • Colégio Exato (ensino fundamental e médio);
  • Colégio Engemed (ensino médio);
  • Colégio Integração (ensino fundamental);
  • Colégio Balão Mágico (ensino fundamental);
  • Colégio Transdisciplinar (cursos pré-vestibular, concursos);
  • Virtus Aprimoramento Intelectual (cursos pré-vestibular, concursos);
  • LFG - Iporá (cursos pré-vestibular, concursos);

Unidades Militares[editar | editar código-fonte]

  • Sétimo Comando Regional e Décimo Segundo Batalhão da Polícia Militar do Estado de Goiás;
  • Terceiro Pelotão da Polícia Militar Ambiental do Estado de Goiás;
  • Sétimo Pelotão do Corpo de Bombeiros do Estado de Goiás;
  • Tiro de Guerra (TG) 11-012 - do Exército Brasileiro;

Religião[editar | editar código-fonte]

Iporá conta com várias igrejas ou templos, veja as principais da cidade:

  • Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora;
  • Igreja Assembléia de Deus - sede (centro de Iporá);
  • Igreja Cristã Evangélica;
  • Igreja Batista;
  • Igreja Presbiteriana do Brasil;
  • Centro Espírita Ismael;
  • Centro Espírita Seara de Luz;
  • Congregação Cristã no Brasil;

Saúde[editar | editar código-fonte]

Rede Pública:

  • Hospital Municipal de Iporá;
  • Samu de Iporá;
  • Hemocentro de Iporá;
  • ESF - Centro;
  • ESF - Vila Nova;
  • ESF - Jardim Arco Íris;
  • ESF - Vila Águas Claras;
  • ESF - Jardim Monte Alto;
  • ESF - Vila Brasília;
  • ESF - Vila Itajubá;
  • ESF - Bairro Umuarama;
  • CEO - Centro de Especialização Odontológica;
  • SER - Serviço de Reabilitação de Iporá;

Rede Privada:

  • Hospital Evangélico de Iporá;
  • Hospital São Paulo;
  • Clínica de Hemodiálise Nefrocenter;
  • CSI - Clínica da Saúde de Iporá;
  • Clínica Plenitude;
  • Policlínica Iporá;

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Emissoras de rádio locais:

  • Rádio Rio Claro AM - 760 ;
  • Rádio Comunitária Nova Onda FM - 87,9;
  • Rádio Felicidade FM - 97,9;
  • Rádio Educativa FM - 101,5;

Canais de televisão em Iporá;

  • TV Anhanguera (TV Globo) - Canal 58 UHF Analógico;
  • TV Serra Dourada (SBT) - Canal 32 UHF Analógico;
  • TV Brasil Central (TV Cultura) - Canal 42 UHF Analógico;
  • TV Canção Nova - Canal 15 UHF Analógico;

Telefonia;

  • Oi, telefonia fixa e móvel 2G e 3G;
  • Vivo, telefonia móvel 2G;
  • Claro, telefonia móvel 2G;
  • Tim, telefonia móvel 2G;

[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  6. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  7. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  8. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  9. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/goias/ipora.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]