Cuiabá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Cuiabá
"CBA"
"Cidade Verde"
"Capital da Amazônia Meridional"
Vista panorâmica de Cuiabá.

Vista panorâmica de Cuiabá.
Bandeira de Cuiabá
Brasão de Cuiabá
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 8 de abril
Fundação 8 de abril de 1719 (295 anos)
Emancipação 17 de setembro de 1818 (195 anos)
Gentílico cuiabano
Padroeiro(a) Bom Jesus
Prefeito(a) Mauro Mendes (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Cuiabá
Localização de Cuiabá no Mato Grosso
Cuiabá está localizado em: Brasil
Cuiabá
Localização de Cuiabá no Brasil
15° 35' 45" S 56° 05' 49" O15° 35' 45" S 56° 05' 49" O
Unidade federativa  Mato Grosso
Mesorregião Centro-Sul Mato-Grossense (1.090.512) habitantes. IBGE/2013[1]
Microrregião Cuiabá IBGE/2008[1]
Região metropolitana Vale do Rio Cuiabá
Municípios limítrofes Rosário Oeste (N), Chapada dos Guimarães (NE), Campo Verde (E), Santo Antônio do Leverger (S), Várzea Grande (SW), Acorizal (NW), Rondonópolis (SE)
Distância até a capital 1 133 km[2]
Características geográficas
Área 3 538,167 km² (BR: 428º)[3]
Área urbana 126,9 km² (BR: 18º) – est. Embrapa[4]
Distritos Coxipó da Ponte, Coxipó do Ouro, Guia e Sede[5]
População 569 830 hab. (BR: 35º/MT: 1º) –  estatísticas IBGE/2013[6]
Densidade 161,05 hab./km²
Altitude 125 m
Clima tropical quente Aw
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,785 alto PNUD/2010[7]
Gini 0,480 est. IBGE 2003[8]
PIB R$ 9 014 928,982 mil (BR: 46º) – IBGE/2008[9]
PIB per capita R$ 20,044 67 IBGE/2010[9]
Página oficial
Prefeitura www.cuiaba.mt.gov.br
Câmara www.camaracba.mt.gov.br

Cuiabá é a capital e o mais populoso município do estado de Mato Grosso, no Brasil. Situa-se na margem esquerda do rio de mesmo nome e forma uma conurbação com o município vizinho, Várzea Grande. Segundo estimativas de 2013 feitas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Cuiabá é de 569 830 habitantes, enquanto que a população da conurbação se aproxima de 820 000; já sua região metropolitana possui 863 509 habitantes e o colar metropolitano quase 1 milhão; sua mesorregião possui 1 100 512 habitantes, o que faz de Cuiabá uma pequena metrópole no centro da América do Sul. A cidade é umas das 12 sedes da Copa do Mundo FIFA de 2014, representando o Pantanal (a cidade se situa a cerca de 100 quilômetros da região pantaneira).

Fundada em 1719, ficou praticamente estagnada desde o fim das jazidas de ouro até o início do século XX. Desde então, apresentou um crescimento populacional acima da média nacional, atingindo seu auge nas décadas de 1970 e 1980.

Nos últimos 15 anos, o crescimento diminuiu, acompanhando a queda que ocorreu na maior parte do país. Hoje, além das funções político-administrativas, é o polo industrial, comercial e de serviços do estado. É conhecida como "cidade verde", por causa da grande arborização.

Já o Estado de Mato Grosso, alcançou um superavit de 3,5 bilhões de dólares estadunidenses no primeiro quadrimestre de 2012, valor 32 por cento superior ao registrado no mesmo período do ano anterior, quando chegou a 2,65 bilhões de dólares estadunidensesw. Os valores acumulados com as exportações até abril foram de 3,93 bilhões de dólares estadunidenses, num incremento de 26,8 por cento sobre o montante de 3,1 bilhões obtido entre janeiro e abril de 2011. O saldo comercial no período foi favorecido pela redução de 5,3 por cento nas importações, que caíram de 450,224 milhões de dólares estadunidenses no acumulado dos 4 primeiros meses de 2011 para 426,379 em 2012. Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior demonstram que o saldo da balança comercial mato-grossense foi o quarto maior do país, superado apenas por Minas Gerais (6,650 bilhões de dólares estadunidenses), Rio de Janeiro (4,980 bilhões de dólares estadunidenses) e Pará (3,858 bilhões de dólares estadunidenses).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Região do Coxipó

Há várias versões para a origem do nome "Cuiabá":

  • Uma delas diz que o nome tem origem na palavra bororo ikuiapá, que significa "lugar da ikuia" (ikuia: flecha-arpão, flecha para pescar, feita de uma espécie de cana brava; : lugar). O nome designa uma localidade onde os bororos costumavam caçar e pescar com essa flecha, o córrego da Prainha, afluente da esquerda do rio Cuiabá.[10] [11]
  • Outra explicação possível é a de que Cuiabá seria uma aglutinação de kyyaverá (que em guarani significa "rio da lontra brilhante") em cuyaverá, depois cuiavá e finalmente cuiabá.[11]
  • Uma terceira hipótese diz que a origem da palavra está no fato de existirem árvores produtoras de cuia à beira do rio, e que "Cuiabá" seria "rio criador de vasilha" (cuia: vasilha e abá: criador).[11] Martius traduz o vocábulo como "fabricante ou fazedor de cuias". Teodoro Sampaio interpreta, seguindo a origem tupi, como "homem da farinha", o farinheiro. De cuy: farinha e abá: homem.
  • O tupinólogo Eduardo de Almeida Navarro propõe que o nome vem do termo tupi kuîaba, que designa uma variedade de cuia.[12]
  • O nome pode se referir, também, aos índios bororos, que também são conhecidos como "cuiabá"[13] .

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros indícios dos bandeirantes paulistas na região onde hoje fica a cidade datam de 1673 e 1682, quando da passagem de Manoel de Campos Bicudo. Ele fundou o primeiro povoado da região, onde o rio Coxipó deságua no Cuiabá, batizado de São Gonçalo.

Em 1718, chegou ao local, já abandonado, a bandeira do sorocabano Pascoal Moreira Cabral. Em busca de indígenas, Moreira Cabral subiu o Coxipó, onde travou uma batalha com os índios coxiponés. Como perderam a batalha, os bandeirantes voltaram e no caminho encontraram ouro, deixando, assim, a captura de índios para se dedicar ao garimpo.

Em 1719, Pascoal Moreira foi eleito, em uma eleição direta em plena selva, comandante da região de Cuiabá.

Vista do Centro de Cuiabá

Em 8 de abril de 1719, Pascoal assinou a ata da fundação de Cuiabá no local conhecido como Forquilha, às margens do Coxipó, de forma a garantir os direitos pela descoberta à Capitania de São Paulo. A notícia da descoberta se espalhou e a imigração para a região tornou-se intensa.

Em outubro de 1722, índios escravos de Miguel Sutil, também bandeirante sorocabano, descobriram às margens do córrego da Prainha grande quantidade de ouro, maior que a encontrada anteriormente na Forquilha. O afluxo de pessoas tornou-se grande e até mesmo a população da Forquilha se mudou para perto deste novo local. Em 1723, já estava erguida a igreja matriz dedicada ao Senhor Bom Jesus de Cuiabá, onde hoje é a basílica.

Já em 1726, chega, à Cuiabá, o capitão-general governador da Capitania de São Paulo, Rodrigo César de Menezes, como representante do Reino de Portugal. Em 1º de janeiro de 1727, Cuiabá foi elevada à categoria de vila, com o nome de Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá.

Tem-se confundido muito a fundação do arraial da Forquilha por questões ideológicas. Estudos historiográficos há muito já traçaram a diferença entre uma e outra fundação, alegando-se que o 1° de janeiro seria a data de elevação do arraial da Forquilha à categoria de vila, o que é um contrassenso, pois não se pode fundar um município num lugar que só viria a ser descoberto anos depois. Porém, a data de 8 de abril se firmou como data do município, desejosa de ser a primeira do oeste brasileiro. Logo, contudo, as lavras se mostraram menores que o esperado, o que acarretou um abandono de parte da população.

Cuiabá foi elevada à condição de cidade em 17 de setembro de 1818, tornando-se a capital da então província de Mato Grosso em 28 de agosto de 1835 (antes a capital era Vila Bela da Santíssima Trindade). Entretanto, nem mesmo a mudança da capital para o município foi suficiente para impulsionar seu desenvolvimento. Com a Guerra do Paraguai (1864-1870), Mato Grosso foi invadido. Várias cidades foram atacadas, mas as batalhas não chegaram à capital. A maior baixa se deu com uma epidemia de varíola trazida pelos soldados que retomaram dos paraguaios o município de Corumbá. Metade dos cerca de 12 mil habitantes morreu infectada.[14]

Somente após a Guerra do Paraguai e o retorno da navegação pelas bacias dos rios Paraguai, Cuiabá e Paraná é que o município voltou a crescer. A economia nesse período tinha suas bases na produção da cana-de-açúcar e no extrativismo. Esse momento produtivo não duraria muito e o município voltou a ficar estagnado, desta vez até 1930. A partir daí, o isolamento foi encerrado com as ligações rodoviárias com Goiás e São Paulo e a aviação comercial. A explosão no crescimento deu-se depois da década de 1950, com a transferência da Capital Federal e o programa de povoamento do interior do país.

Nas décadas de 1970 e 1980, o município cresceu muito, mas os serviços e a infraestrutura não acompanharam este ritmo. O agronegócio expandiu-se pelo estado e o município começou a modernizar-se e industrializar-se. Após o ano de 1990, a taxa de crescimento populacional diminuiu e o turismo começou a ser visto como fonte de bons rendimentos.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Cuiabá faz limite com os municípios de Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Santo Antônio do Leverger, Várzea Grande, Jangada e Acorizal. É um entroncamento rodoviário-aéreo-fluvial e o centro geodésico da América do Sul, nas coordenadas 15°35'56",80 de latitude sul e 56°06'05",55 de longitude oeste.[15] Situado na atual praça Pascoal Moreira Cabral, foi determinado por Marechal Cândido Rondon, em 1909 (o correto ponto do centro geodésico já foi contestado, mas cálculos feitos pelo Exército Brasileiro confirmaram as coordenadas do marco calculadas por Rondon).[15]

O quadro geomorfológico do município é, em grande parte, representado pelo Planalto da Casca e pela Depressão Cuiabana. Predominam os relevos de baixa amplitude com altitudes que variam de 146 a 250 metros na área da própria cidade.[16]

O município é cercado por três grandes biomas: a Amazônia, o Cerrado e o Pantanal; está próximo a Chapada dos Guimarães e ainda é considerado a porta de entrada da floresta amazônica. A vegetação predominante no município é a do cerrado, desde suas variantes mais arbustivas até as matas mais densas à beira dos cursos d'água.

Cuiabá é abastecida pelo rio Cuiabá, afluente do Rio Paraguai e que divide a capital da vizinha Várzea Grande. O município se encontra no divisor de águas das bacias Amazônica e Platina e é banhado também pelos rios Coxipó-Açu, Pari, Mutuca, Claro, Coxipó, Aricá, Manso, São Lourenço, das Mortes, Cumbuca, Suspiro, Coluene, Jangada, Casca, Cachoeirinha e Aricazinho, além de córregos e ribeirões.

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas
registrados em Cuiabá por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 124,3 mm 22/01/2007 Julho 67 mm 18/07/1972
Fevereiro 124,6 mm 12/02/1966 Agosto 79,2 mm 25/08/2009
Março 134,3 mm 16/03/1995 Setembro 86 mm 09/09/2006
Abril 88,5 mm 11/04/1975 Outubro 118,2 mm 20/10/2009
Maio 103,5 mm 23/05/1983 Novembro 115,1 mm 18/11/1970
Junho 66,8 mm 30/06/1999 Dezembro 112,7 mm 21/12/1972
Fonte: Rede de dados do INMET. Período: 01/01/1961 a 31/12/2013.[17]

O clima é tropical e úmido. As chuvas se concentram de outubro a abril, enquanto que no resto do ano, entre maio e setembro, as massas de ar seco sobre o centro do Brasil inibem as formações chuvosas. Quando as frentes frias se dissipam, o calor, associado à fumaça produzida pelas constantes queimadas nessa época, faz com que a umidade relativa do ar caia a níveis impressionantes, às vezes abaixo de 15%, aumentando a ocorrência de doenças respiratórias. A precipitação média gira em torno de 1 300 milímetros anuais, com intensidade máxima em janeiro, fevereiro e março.[18] A temperatura máxima pode chegar aos 40 °C nos meses mais quentes.[18] A mínima média em julho, o mês mais frio, é de 16,6 °C.[18]

Cuiabá é famosa por seu forte calor, apesar de a temperatura no outono e inverno poder cair esporadicamente abaixo de 10 °C, devido principalmente às frentes frias que vêm do sul, podendo isso durar apenas um dia ou até uma semana, para logo voltar ao calor habitual. A temperatura média em Cuiabá gira em torno dos 26 °C. É bom mencionar que as temperaturas mais baixas são registradas enquanto o sol não aparece, pela madrugada.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), de 1961 e 2013, a menor temperatura já registrada em Cuiabá foi de 3,3 °C em julho de 1975, nos dias 18 e 19,[19] e a maior atingiu 42,3 °C em 17 de setembro de 2010.[20] Os dez maiores acumulados de chuva em 24 horas foram de 134,3 milímetros em 16 de março de 1995, 127,9 milímetros em 19 de março de 2013, 124,6 milímetros em 12 de fevereiro de 1966, 124,3 milímetros em 22 de janeiro de 2007, 124,1 milímetros em 17 de janeiro de 1974, 118,9 milímetros em 3 de fevereiro de 2011, 118,2 milímetros em 20 de outubro de 2009, 115,1 milímetros em 18 de novembro de 1970, 112,7 milímetros em 21 de dezembro de 1972 e 107 milímetros em 30 de março de 1974.[17] O maior acumulado mensal foi de 506,9 milímetros em fevereiro de 1968.[21]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Cuiabá Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 38,2 37,7 37,6 38,1 36,4 37 38,4 40,4 42,3 41,6 40 39 42,3
Temperatura máxima média (°C) 32,6 32,6 32,9 32,7 31,6 30,7 31,8 34,1 34,1 34 33,5 32,5 32,8
Temperatura média (°C) 26,7 26,5 26,5 26 24,4 23 22,8 25 26,6 27,4 27,2 26,9 25,8
Temperatura mínima média (°C) 23,2 23,1 23,1 22,6 20,5 18,1 17 19 21,4 22,8 23,2 23,2 21,4
Temperatura mínima registrada (°C) 18,4 18,4 18,2 10,8 7 6,8 3,3 6 10,2 13,3 14,7 16,2 3,3
Chuva (mm) 214,7 208,6 169,5 125,2 51,1 13,7 12,3 13,7 55,5 116,9 160,1 201 1 342,3
Dias com chuva 15 15 13 9 4 1 1 2 5 8 11 14 98
Umidade relativa (%) 80,7 81,6 81 79,5 74,2 73,7 65,4 57,3 61,8 69,6 74,2 78,5 73,1
Horas de sol 171,1 157,5 193,2 213,2 233 235,5 247,1 230,1 190,6 216,5 196,3 182,1 2 465,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (médias climatológicas de 1961 a 1990;[22] [23] [24] [25] [26] [27] [28] recordes de temperatura de 1961 a 2013).[19] [20]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Periferia de Cuiabá.

Sua população é de 561 329 habitantes de acordo com estimativa de população realizada em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O número de eleitores em maio de 2012 era de 402 751, representando 18,596% do total de eleitores do estado.

O município viveu tranquilamente até a década de 1960, quando um fluxo de imigrantes começou a vir para o estado, principalmente nas décadas de 1970 e 1980. Nesse período, a população passou de 56 204 habitantes em 1960 para 100 865 em 1970, 213 151 em 1980, 402 813 em 1991 e 483 346 em 2000, caracterizando 19,3% da população total do estado.

No ano de 2009, foi criada a Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, somando mais de 1 000 000 de habitantes, com o objetivo de desenvolver integradamente os municípios da região, que, com exceção da capital e de Várzea Grande, permaneciam estagnados economicamente devido à proximidade com o maior centro urbano do estado.

Economia[editar | editar código-fonte]

Mercado do Porto em Cuiabá
Arte num Edifício da cidade
Arte nas ruas de Cuiabá
Exportações de Cuiabá - (2012)[29]
Atividades econômicas em Cuiabá - (2012)[30]

A economia de Cuiabá, hoje, está concentrada no comércio e na indústria. No comércio, a representatividade é varejista, constituída por casas de gêneros alimentícios, vestuário, eletrodomésticos, de objetos e artigos diversos. O setor industrial é representado, basicamente, pela agroindústria. Muitas indústrias, principalmente aquelas que devem ser mantidas longe das áreas populosas, estão instaladas no Distrito Industrial de Cuiabá, criado em 1978. Na agricultura, cultivam-se lavouras de subsistência e hortifrutigranjeiros.

O município, com um produto interno bruto de 6,67 bilhões de reais em 2005, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, respondeu por 21,99% do total do produto interno bruto estadual, ocupando a primeira posição no ranking mas ainda estando a baixo de Campo Grande e Goiânia .

Cuiabá gera boa parte da energia elétrica consumida pelo estado. Próximo ao Distrito Industrial, funciona a Usina Termelétrica de Cuiabá. Concluída em 2002 e abastecida com gás natural boliviano, através de um ramal do Gasoduto Brasil-Bolívia. Esta usina possui potência instalada de 480 megawatts, respondendo em 2005 por 23,13 por cento,[31] do total da potência instalada do estado.

Quanto a sua pauta de exportações ela foi, em 2012, baseada principalmente em soja (37,04%), milho (25,77%), farelo de soja (14,70%), algodão cru (8,83%) e carne bovina congelada (5,66%)[29] .

Centros Comerciais[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com excelentes centros comerciais, como o calçadão no centro histórico e alguns shoppings.[32] [33]

Calçadão em Cuiabá
  • Goiabeiras Shopping
  • Pantanal Shopping
  • Shopping 3 Américas
  • Shopping Popular Cuiabá
  • Florais Mall
  • Shopping China Cuiabá
  • Shopping CPA
  • Itália Center
  • Galeria GG

Foi lançado recentemente o mais novo Shopping da cidade, localizado na Av. Miguel Sutil entre o trevo do Santa Rosa e do Circulo Militar, com nome Cuiabá Plaza Shopping, num investimento de Trezentos Milhões de Reais que será voltado para a classe A e B. Outro Shopping já em construção será na cidade vizinha Várzea Grande, onde no dia 16/05/2012 foi realizado o lançamento da construção do Várzea Grande Shopping, próximo ao aeroporto.[34] O Shopping Goiabeiras foi reformado e largamente ampliado, tendo seu tamanho triplicado e passando de três andares para nove, além também do aumento da capacidade do estacionamento. O Goiabeiras é conhecido como sendo o Shopping da elite cuiabana.[33]

Em uma parceria inédita na região a união das empresas Ginco Empreendimentos Imobiliários, Construtora São Benedito e o Grupo City Lar, lançam o 1º complexo multiuso da Região Centro-Oeste localizado na Av Fernando Correa da Costa (atual central de aptos decorados Plaenge), um mega empreendimento na região mais valorizada da cidade serão investidos mais de Quinhentos milhões de reais, em um Novo Shopping Center, um edifícil residêncial de 40 andares, estacionamento para 5 mil veículos, cinemas, teatros e salas multiuso. Trata-se de um negócio que alavancará de vez Cuiabá ao crescimento.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Catedral, no centro da cidade.

Cuiabá tem diversos atrativos turísticos por estar situada em uma região de variadas paisagens naturais, como a Chapada dos Guimarães e o Pantanal, e por ser um município muito antigo, com um patrimônio histórico importante. O turismo de eventos também é crescente no município.

A arquitetura da área urbana inicial de Cuiabá, como em outras cidades históricas brasileiras, é tipicamente colonial,[35] com modificações e adaptações a outros estilos (como o neoclássico e o eclético) com o tempo. Ela foi bem preservada até meados do século XX, mas, depois dessa época, o crescimento demográfico e o desenvolvimento econômico afetaram o patrimônio arquitetônico e paisagístico do centro histórico. Vários prédios foram demolidos, entre eles a antiga igreja matriz, demolida em 1968 para dar lugar à atual.

Somente na década de 1980 ações para a preservação desse patrimônio foram tomadas. Em 1987, o centro foi tombado provisoriamente como patrimônio histórico nacional pelo IPHAN e, em 1992, esse tombamento foi homologado pelo Ministério da Cultura do Brasil. Desde então vários prédios foram restaurados, entre os quais estão as Igrejas do Rosário e São Benedito, do Bom Despacho e do Nosso Senhor dos Passos, o Palácio da Instrução (hoje museu histórico e biblioteca), o antigo Arsenal da Guerra (hoje centro cultural mantido pelo SESC), o mercado de peixes (atualmente Museu do Rio Cuiabá) e um sobrado onde hoje funciona o Museu da Imagem e do Som de Cuiabá (o MISC). A área tombada pelo IPHAN é a que mais preserva as feições originais. As antigas ruas de Baixo, do Meio e de Cima (hoje, respectivamente, as ruas Galdino Pimentel, Ricardo Franco e Pedro Celestino) e suas travessas ainda mantêm bem preservadas as características arquitetônicas das casas e sobrados.

Além dos locais já citados, há vários outros para se visitar, como o zoológico, o Museu Rondon (com artefatos indígenas) e o Museu de Arte e Cultura Popular, no campus da Universidade Federal de Mato Grosso, o obelisco e o marco do centro geodésico da América do Sul, a atual Catedral Metropolitana, a Igreja de São Gonçalo no bairro do Porto, a Mesquita de Cuiabá, os parques Mãe Bonifácia, Massairo Okamura, Zé Bolo Flô e o Parque Urbano da Vila Militar, com áreas para exercícios físicos e pistas de caminhada e ciclismo, o Horto Florestal, na confluência do rio Cuiabá com o Coxipó e o Estádio José Fragelli, conhecido como Verdão.

É possível também visitar as comunidades ribeirinhas, onde se pode conhecer o modo de vida da população local e os artesanatos fabricados por eles, bem como os rios e baías frequentados para banho e pesca.

Pontos históricos[editar | editar código-fonte]

  • Centro histórico

Fundada em 1719 , com a descoberta de ouro em abundância, Cuiabá transformou-se em uma das maiores cidades do Brasil em menos de duas décadas. Mas, passada a corrida do ouro, a verde capital do velho oeste brasileiro teve que resistir a longos anos de solidão nesses sertões.

Rua do meio, de baixo, beco do candieiro… Cuiabá guarda em suas ruelas muitas relíquias do período colonial. No centro histórico também situa-se os famosos calçadões que a exemplo da cidade de Curitiba ha projetos para revitalização e funcionamento 24H.

  • Centro geodésico da América do sul

Demarcado pela Comissão Rondon , em 1909 , o centro geodésico da América do Sul fica no antigo campo do Ourique - hoje a praça Moreira Cabral, onde também fica a Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

O local já foi uma praça de enforcamento de condenados e também um campo de touradas.

  • Arsenal de Guerra

Foi criado em 1818, por ordem de dom João VI. Foi construído para ser "um estabelecimento militar para conserto e fabricação de armas", conforme definiu a carta-régia.

  • Catedral Metropolitana

Inaugurada em 1973, a atual catedral foi construída sobre os escombros da antiga, uma joia do período colonial que foi demolida num episódio até hoje não esclarecido.

  • Igreja do Bom Despacho

A "Notre Dame Cuiabana" é, ao menos externamente, a mais bela igreja da cidade. Seu estilo gótico, inédito em boa parte do país, foi definido por um arquiteto francês que teve toda a liberdade para ousar. Inaugurada em 1919, a igreja ainda está inacabada.

  • Igreja do Rosário e Capela de São Benedito

Esta é a única igreja barroca de Cuiabá. Foi fundada por escravos em 1764. É local da tradicional festa de São Benedito, que acontece sempre no mês de julho.

  • Casa do Artesão

A Casa do Artesão tem uma bela amostra da cultura mato-grossense. Há um Museu do Artesanato com exposição permanente de peças caboclas e indígenas onde o turista pode comprar suvenires.

  • Parque Estadual Mãe Bonifácia

77 hectares de área verde e diversas espécies da flora e vegetação típica do cerrado, com diversas pistas para caminhada.

Localizado na Avenida Miguel Sutil - Zona Oeste - a 10 minutos do Centro de Cuiabá.

  • Parque Massairo Okamura

7 hectares de área verde, vegetação e flora típica do cerrado, com diversas pistas para caminhada.

Localizado na Av Historiador Rubens de Mendonça - CPA - Zona Leste.

  • Parque Zé Bolo Flô

Áreas verdes, com vegetação e flora típica do cerrado. Localizado no Coxipó da Ponte, Zona Sul - Coophema, acesso pela Avenida Fernando Correia.

  • Parque Zoológico

localizado na universidade de Mato grosso, possui animais típicos da fauna mato-grossense e do pantanal. situada na Avenida Fernando Correa da Costa.

  • Águas Termais
  • Parque Tia Nair
  • Horto Florestal
  • Parque Morro da Luz
  • Parque Aquático Sesi Park

Museus, Teatros e Cinemas[editar | editar código-fonte]

Museu Histórico de Mato Grosso
SESC Arsenal
  • Museu do Morro da Caixa D'Água
  • Museu da Imagem e do Som
  • Museu do Rio Cuiabá e Aquário Municipal
  • Museu da Educação
  • Museu de Arte Sacra de Cuiabá
  • Museu da História do Mato Grosso
  • Museu Marechal Rondon
  • Museu Couto Magalhães
  • Museu das Pedras
  • Museu de Antropologia Mato-grossense
  • Museu do Índio
  • Museu do Coxipó
  • Museu do Ouro
  • Museu Barão de Melgaço
  • Museu do Pantanal
  • Cine Teatro Cuiabá e Museu do Cinema
  • Teatro do Sesc Arsenal
  • Teatro da UFMT
  • Anfiteatro do Liceu Cuiabano
  • Anfiteatro do Pres. Médici
  • Multiplex Pantanal (Shopping Pantanal)
  • Cinépolis (Shopping Três Américas)
  • Cinemark (Shopping Goiabeiras)

Igrejas e templos religiosos[editar | editar código-fonte]

A cidade possui uma diversidade muito grande de igrejas antigas tombadas pelo patrimônio histórico e cultural.

  • Igreja Nossa Senhora do Rosário e Capela de São Benedito (Padroeiro da Cidade);
  • 1ª Igreja Presbiteriana do Centro-Oeste Brasileiro;
  • Igreja Nossa Senhora da Guadalupe (“Fabricada” na França e doada pelo governo Francês. Vinda em blocos de navio e “montada” em Cuiabá);
  • [[Igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho (Cuiabá)|Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho(inspirada na Notre Dame de Paris);
  • Igreja São Gonçalo;
  • Basílica Catedral Metropolitana Senhor Bom Jesus de Cuiabá;
  • Igreja Nossa Senhora Maria Auxiliadora;
  • Igreja Nossa Senhora da Boa Morte;
  • Igreja Nossa Senhora da Guia;
  • Igreja Senhor dos Passos;
  • Igreja Nossa Senhora da Boa Esperança;
  • Grande Templo da Igreja Assembleia de Deus (maior templo religioso do Brasil);
  • Igreja Presbiteriana Betânia;
  • Igreja Presbiteriana do Tijucal;
  • Primeira Igreja Batista;
  • Igreja Batista Nacional do Cristo Rei.
  • Igreja Batista Nacional Morada da Serra
  • Mesquita de Cuiabá: localizada no Morro da Luz no Bairro Bandeirantes, é o templo de oração dos muçulmanos.

Política[editar | editar código-fonte]

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Cuiabá possui três símbolos oficiais: brasão, bandeira e hino.

O brasão foi oficializado pela Lei 592, de 13 de setembro de 1961, assinada pelo prefeito Aecim Tocantins, a partir do original, criado em Lisboa quando da sua fundação em 1º de janeiro de 1727. Segue inscrição extraída da Ata de Fundação do município: "declarou que sejam as Armas, de que usasse, um escudo dentro com campo verde e nele um morro ou monte todo salpicado com folhetos e granetos de ouro; e, por timbre, em cima do escudo, uma fênix".

A bandeira foi criada pelo Sr. Nilton Benedito de Santana, que contou com o apoio do jornalista Pedro Rocha Jucá, e oficializada pelo prefeito José Villanova Torres, através do Decreto nº 241, de 29 de Dezembro de 1972, que diz no Artigo 1º: "Fica oficializada a Bandeira Municipal de Cuiabá, com as seguintes características: a- um retângulo verde e branco; b- em primeiro plano, com as bordaduras ou círculo na cor amarelo ouro, com a inscrição em letras vermelhas: "Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá - 1719". c- no centro, o marco estereotipado na cor verde, representando o centro geográfico da América do Sul: logo abaixo, geometricamente triangulado, os vértices do marco representando um monte de ouro, símbolo da riqueza mineral de Cuiabá".

O hino foi oficializado pela Lei 633, de 10 de abril de 1962. O seu artigo segundo, que nem sempre é cumprido, diz: "Será obrigatório em todas as solenidades da Prefeitura Municipal que houver participação musical, quando o encerramento se der com o toque do Hino de Cuiabá".

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Mídia[editar | editar código-fonte]

Os principais meios de comunicação são a internet, as rádios, os jornais impressos, a televisão e as companhias de telefonia fixa e móvel.

As principais empresas responsáveis pela telefonia fixa na capital mato-grossense são a Embratel, GVT e a Oi. Já a telefonia móvel fica a cargo da Vivo, a Tim, a Claro e a Oi.

Existem emissoras afiliadas. As principais são:

Ana. Dig. Emissora Afiliação
02 -* TV Universidade UFMT TV Brasil
04 36 TV Centro América Rede Globo
05 45 TV Rondon SBT
08 40* TV Brasil Oeste CNT
10 38 TV Record Cuiabá Rede Record
12 41 Band MT Rede Bandeirantes
14* 15* TV Aparecida TV Aparecida
17 18* TV Estrela TV Cultura
19 20* TV Liberdade Rede Gazeta
22 21 TV Pantanal RedeTV!
25 -* Ideal TV Ideal TV
27 -* TV Mato Grosso TV Esporte Interativo
30 30.2 TV Assembleia Legislativa TV Assembleia
33 34* TV Canção Nova TV Canção Nova
39 - Rede Gênesis Rede Gênesis
43 44 Rede Vida Rede Vida
47 46* TV Cuiabá Rede Brasil
51 50* Record News Cuiabá Record News
53 52* RIT TV Mato Grosso RIT TV
56 30.3 TV Senado TV Senado
59 -* Rede Boas Novas Rede Boas Novas
- 30.1 TV Câmara TV Câmara

*Em Implantação.

Os principais jornais, por ordem cronológica de fundação, são: Diário de Cuiabá, A Gazeta, Folha do Estado e outros de menor circulação como: Correio Várzea-grandense Página Única, Tribuna da Cidade, Correio da Semana, Extra e os jornais on-line Rede Matogrossense de Televisão, site www.cadeianeles.com.br, Jornal 24 Horas News, Mídia News, Olhar Direto e Grande Cuiabá.

As principais rádios FM de Cuiabá são:

Freq. Nome
89,5 Câmara FM Cuiabá
93,3 Jovem Pan Cuiabá
94,3 Mix FM Cuiabá
95,9 Mega 95 FM
99,1 Centro América FM
99,9 Gazeta FM Cuiabá
101,1 Band FM Cuiabá
101,9 Rede Aleluia Cuiabá
102,5 Rádio Senado
105,7 Rádio Comunitária
105,9 Rádio Comunitária CPA FM
107,9 Rádio Evangélica Nazareno FM

Transporte[editar | editar código-fonte]

Uma das avenidas da cidade à noite

O transporte público é feito por ônibus coletivos e táxis, além de micro-ônibus e moto-táxi, já regulamentados pela Câmara Municipal. A cidade conta com uma frota de cerca de 400 ônibus e 80 micro-ônibus. No seu aglomerado urbano junto com o município de Várzea Grande, possui emtorno de 600 ônibus, com 15 a 20% deles com ar-condicionado e rampa de acessibilidade (fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=424459), além de vários ônibus com motorização traseira que eleva ainda mais a qualidade do transporte. A cidade ainda não dispõe de ônibus articulado, mas recentemente fizeram testes em Cuiabá com um modelo que sera implantado na cidade no novo sistema de transporte, serão duas linhas de veículo leve sobre trilhos, uma ligando o aeroporto até a região do CPA, numa extensão de 15 km e outra ligando o a região do Coxipó ate o Centro, numa extensão de 7 km podendo ser ampliado até o Distrito Industrial, obras essa que tem previsão de inicio em 2012. Também existe o Terminal Rodoviário de Cuiabá que liga a cidade aos demais estados através de ônibus.

Segundo o Detran do Mato Grosso, a frota de Cuiabá e Várzea Grande é composta por um total de 284 498 veículos (195 053 e 89 445 respectivamente), sendo que 183 252 são automóveis (141 807 e 41 445 respectivamente) e 77 274 são motocicletas/motonetas (53 246 e 24 028 respectivamente) (2009).Ficam de fora as caminhonetes que se somados as duas cidade dão um total de 30 925 caminhonetes, 23 630 e 7 295 respectivamente, que somados ao total de veículos é de aproximadamente 315 423 veículos.

.

Localizado no município vizinho de Várzea Grande, Cuiabá usufrui do Aeroporto Internacional Marechal Rondon (Marechal Rondon), que foi recentemente modernizado, e no ano de 2009 teve fluxo de 1 671 704 passageiros.

Atualmente, o complexo conta com um terminal de passageiros, com dois pisos, praça de alimentação, lojas, Serviço de Taxi ,juizado de menores, câmbio, terraço panorâmico, Correios, locadoras, lanchonetes, elevadores, escadas rolantes e climatização. Há também o terminal de logística de carga, o TECA, que movimentou cerca de 5 111 304 toneladas em 2009. Grande parte deve ao grande fluxo de turistas que visitam as belezas naturais e culturais da capital e do estado.

Apesar de recentemente modernizado, o Aeroporto Internacional Marechal Rondon ainda padece de muitas deficiências para que possa suportar o fluxo de passageiros previsto durante a realização da Copa do Mundo de Futebol de 2014 - para a qual a cidade foi escolhida para ser uma das sub-sedes.A primeira parte que foi entregue ja esta saturada, ha projetos para que até 2014 o aeroporto tenha capacidade para 2.6 milhões de passageiros. Há um projeto do governo do estado para que seja construído outro terminal na mesma área.

Educação[editar | editar código-fonte]

Cuiabá é um importante centro educacional de nível médio e superior do estado do Mato Grosso. A cidade é sede do IFMT (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso), que oferece cursos tecnólogos (superior), técnicos e de nível médio, e da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso).

Instituições de ensino superior

Cultura[editar | editar código-fonte]

Arte nas ruas de Cuiabá
Vendedor de pequi, nas ruas de Cuiabá

Boa parte das tradições cuiabanas se deveu, em parte, ao isolamento sofrido pelo município com a decadência econômica.[36] Outro fator que explica parte das características das manifestações culturais é o convívio de várias culturas desde a fundação de Cuiabá, como os índios que ali viviam, os bandeirantes paulistas e os negros levados para lá como escravos.[37] Todos esses fatores se refletem na gastronomia, nas danças, no modo de falar e nos artesanatos.

Ainda hoje, permanecem traços característicos da culinária tradicional, cuja base são os peixes, pescados nos rios da região (pacu, pintado, caxara, dourado e outros) e consumidos de várias maneiras, acompanhados de farinha de mandioca, abóbora e banana, em pratos como a maria isabel, a farofa de banana e o pirão. Talvez o mais típico prato local seja a mujica, prato à base de peixe.A culinária cuiabana assim como a brasileira, tem suas raízes nas cozinhas indígenas, portuguesa, espanhola e africana.

A diferença está na incorporação de ingredientes da flora e da fauna nativas, nas combinações e modo s de preparo originais que lhe asseguram sabores, cheiros, e aspectos inesquecíveis e sedutores ao paladar, ao olfato e aos olhos.

Aqui, frutos como o exótico e saboroso pequi – de sabor e aroma peculiares – dão cor e enriquecem pratos a base de arroz e frango, a mandioca, a manga e o caju, o charque, peixes frescos ou secos, são ricamente combinados pelas mãos hábeis e criativas de tradicionais quituteiras em suas residências, peixarias ou restaurante especializado em comida típica.

Situadas nas bordas do Pantanal, onde a prodigalidade em seus peixes nobres faz analogias á fé cristã no milagre da multiplicação, a cidade de Cuiabá e o município de Várzea Grande têm como referenciais gastronômicos mais marcantes ou pratos à base de pescado.

Pacu assado, piraputanga na brasa, mojica de pintado, arroz com pacu seco, moqueca cuiabana, caldo de piranha, ventrecha de pacu frita, dourado ou piraputanga na folha de bananeira e caldeirada de bagre, são pratos nascidos nas barrancas do rio Cuiabá e nas baias do Pantanal por obra da inventividade dos ribeirinhos. Nos restaurantes das cidades, ganham toques de gourmet e conquistam os mais exigentes e sofisticados paladares.

E tem ainda a maria isabel, a original farofa de banana da terra, prato exclusivo da culinária local, a paçoca de pilão feita com carne de charque e farinha de mandioca temperada, o furundu, doce preparado com mamão verde, rapadura e canela, o pixé elaborado com milho torrado e socado com canela e açúcar, o bolo de arroz cuiabano, o francisquito, os doces de caju e manga, o inigualável licor de pequi e o afrodisíaco guaraná de ralar que substitui, nas famílias mais tradicionais cuiabana o cafezinho brasileiro.Pratos doces e salgados, típicos da culinária Cuiabana.

Carnaval[editar | editar código-fonte]

Entre as principais agremiações carnavalescas de Cuiabá, estão a escola de samba Imperatriz da Portuária e bloco carnavalesco Banana da Terra.[38] Alem disso, foi enredo da Mangueira no carnaval 2013.[39]

Copa de 2014[editar | editar código-fonte]

A Arena Pantanal, palco da Copa em Cuiabá.

Cuiabá foi anunciada como sede da Copa do Mundo FIFA 2014, em 31 de Maio de 2009, representando o Pantanal. As obras da Arena Pantanal começaram em Abril de 2010. Em 2011 começaram as obras de mobilidade urbana, dentre elas a da duplicação da Ponte Mário Andreazza, em 2012 o município consegue aprovar o Modal de Transporte Urbano, a cidade implantará metrô de superficíe, modelo VLT (Veículo Leve sobre trilhos) estimado em mais de 1 bilhão de reais. Cuiabá recebeu quatro jogos, todos da fase de grupos.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CONTE, Cláudio Quoos; FREIRE, Marcus Vinícius De Lamônica. Centro histórico de Cuiabá, patrimônio do Brasil. Cuiabá: Entrelinhas, 2005. ISBN 85-87226-25-8
  • CUIABÁ. Prefeitura. Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Urbano. Perfil socioeconômico de Cuiabá. Cuiabá: IPDU, AS&M, Central do Texto, 2004. Vol. 2
  • FREIRE, Júlio De Lamônica. Por uma poética popular da arquitetura. Cuiabá: EdUFMT, 1997. ISBN 85-327-0055-1
  • GIANEZINI, Kelly. O processo de expansão do ensino superior em Mato Grosso. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFRGS, 2009.
  • JUCÁ, Pedro Rocha. Os Símbolos Oficiais de Cuiabá. Cuiabá: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – Secretaria Municipal de Educação, 1990.
  • MATO GROSSO. SEPLAN. Anuário estatístico de Mato Grosso - 2003. Cuiabá: SEPLAN-MT, Central de Texto, 2004. ISBN 85-88696-23-1, ISSN 01003429.
  • PIAIA, Ivane Inêz. Geografia de Mato Grosso. 3.ed. rev. e ampl. Cuiabá: EdUNIC, 2003 ISBN 85-86914-11-8
  • PÓVOAS, Lenine C. Sobrados e casas senhoriais de Cuiabá. Cuiabá: Fundação Cultural de Mato Grosso, 1980.
  • SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. História de Mato Grosso: da ancestralidade aos dias atuais. Cuiabá: Entrelinhas, 2002. ISBN 85-87226-14-2

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cuiabá

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais (19 de julho de 2013). Divisão Territorial do Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  2. Capitais dos estados. Atlas Geográfico do Brasil. Página visitada em 1 de janeiro de 2011.
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011.
  4. Urbanização das cidades brasileiras. Embrapa Monitoramento por Satélite. Página visitada em 30 de julho de 2008.
  5. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). Cuiabá - Histórico. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Página visitada em 27 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2013.
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data em 1º de julho de 2013. Página visitada em 9 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2013.
  7. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Página visitada em 9 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2013.
  8. Indice GINI. Cidade Sat. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000). Página visitada em 6 de agosto de 2011.
  9. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  10. IBGE. Mato Grosso: Cuiabá - histórico. Disponível em:<http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/matogrosso/cuiaba.pdf>. Acesso em 28 de outubro de 2006
  11. a b c CUIABÁ, 2004, p. 25.
  12. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 558.
  13. http://pib.socioambiental.org/pt/povo/bororo
  14. CUIABÁ, 2004, p. 23.
  15. a b MATO GROSSO. Assembleia Legislativa. Instituto Memória. Centro geodésico da América do Sul. Disponível em<http://www.al.mt.gov.br/v2008/memoria/arquivo/centro_geodesico.asp>. Acesso em 27 de outubro de 2006
  16. CUIABÁ, 2004, p. 53.
  17. a b Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Cuiabá. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  18. a b c Médias calculadas com base em dados de 1970 a 2002 do 9º Distrito de Meteorologia. Fonte: Universidade Federal de Mato Grosso. Departamento. de Geografia. Laboratório de Climatologia. Citado por: CUIABÁ, 2004, p. 63.
  19. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Cuiabá. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  20. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - Cuiabá. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  21. Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  22. Temperatura Média Compensada (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  23. Temperatura Máxima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  24. Temperatura Mínima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  25. Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  26. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  27. Insolação Total (horas). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  28. Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  29. a b Exportações de Cuiabá (2012). Plataforma DataViva. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  30. Atividades econômicas em Cuiabá (2012). Plataforma DataViva. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  31. ANEEL. Banco de Informações de Geração: Capacidade Instalada por Estado, Capacidade Instalada no País. Disponível em<http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/ResumoEstadual/ResumoEstadual.asp>. Acessado em 27 de outubro de 2006
  32. Agência da Notícia com 24Horas News (10 de novembro de 2012). Video mostra bandido gritando e agonizando após ser baleado após assalto (em inglês). Página visitada em 9 de fevereiro de 2013.
  33. a b Cafeicultura (30 de maio de 2009). Shoppings de Cuiabá atraem 2 milhões de pessoas a cada mês (em inglês). Página visitada em 9 de fevereiro de 2013.
  34. Diário de Cuiabá (11 de agosto de 2012). Novo shopping em Cuiabá vai exigir nova via na Miguel Sutil (em inglês).
  35. CONTE; FREIRE, 2005, p. 47
  36. FREIRE, 1997, p. 107.
  37. PIAIA, 2003, p. 130.
  38. MT OnLine (18/02/2010). Imperatriz Portuária e Banana da Terra vencem Carnaval 2010 em Cuiabá. Página visitada em 29 de abril de 2012.
  39. SRZD-Carnaval (07/05/2012). Prefeitura de Cuiabá doa R$ 3,6 milhões à Mangueira. Página visitada em 07 de maio de 2012.