Mandioca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Macaxeira deverá ser fundido aqui. (desde julho de 2014)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Como ler uma caixa taxonómicaMandioca
Raízes de mandioca após colheita

Raízes de mandioca após colheita
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malpighiales
Família: Euphorbiaceae
Género: Manihot
Espécie: M. esculenta
Nome binomial
Manihot esculenta
Crantz


Mandioca (do tupi mãdi'og[1] , mandi-ó ou mani-oca que significa "casa de Mani"[2] ), mandioca-brava ou mandioca-amarga são termos brasileiros para classificar a espécie Manihot esculenta (sinônimo M. utilissima)[3] que possui elevada toxicidade porém são igualmente consumidos após um preparo especial e das quais se produz a maior parte das farinhas e bebidas.[4]

A denominação de "aipim"[5] ou "macaxeira"[5] entre outras são usadas para os tipos com baixa toxicidade e que podem ser consumidos n natura.[6] [7]

O nome dado ao caule do pé de mandioca é maniva, o qual, cortado em pedaços, é usado no plantio. Trata-se de um arbusto que teria tido sua origem mais remota no oeste do Brasil (sudoeste da Amazônia) e que, antes da chegada dos europeus à América, já estaria disseminado, como cultivo alimentar, até a Mesoamérica (Guatemala, México). Espalhada para diversas partes do mundo, tem hoje a Nigéria como seu maior produtor[8] .


Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Mandioca" origina-se do termo tupi mãdi'og[9] , mandi-ó ou mani-oca que significa "casa de Mani"[10] , sendo Mani a deusa benfazeja dos guaranis que se transforma em mani-oca. "Aipim" origina-se do termo tupi ai'pi'[11] .

"Maniva" origina-se do termo tupi mani'iwa[12] . Como encontra-se em Casa Grande e Senzala, ao chegarem ao Brasil, os primeiros europeus se espantaram com a fartura da farinha de mandioca, muito mais abundante e fácil de ser obtida que a farinha de trigo europeia.

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Espécie[editar | editar código-fonte]

O termo "mandioca" e demais é atribuído à planta Manihot esculenta descrita por Crantz, tanto as mandiocas de uso industriais e tóxicas quanta as de uso doméstico estão enquadradas nessa especíe. especiação.[13]

Economia[editar | editar código-fonte]

Processamento de mandioca - Hanoi, Vietnã

Em 2010, o rendimento médio foi de 12,5 toneladas por hectare de cultura da mandioca em todo o mundo. As fazendas de mandioca mais produtivas em todo o mundo estavam na Índia, com uma produtividade média nacional de 34,8 toneladas por hectare em 2010.[14]

O Brasil ocupa a segunda posição na produção mundial de mandioca, com 12,7% do total.[15] Em 2014, os preços recebidos pelos produtores paulistas de mandioca industrial são os mais elevados dos últimos cinco anos, refletindo a grave estiagem que assola a região Nordeste do país há mais de um ano.[16]

A mandioca desempenha um papel vital na segurança alimentar das economias rurais dos países da África subsariana, devido à sua resistência à seca, baixa fertilidade do solo e pragas.[17]

Utilização[editar | editar código-fonte]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Mandioca frita - Guiana
Pudim de mandioca - Belize

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil Colônia, foi um dos principais alimentos utilizados pelos colonos. Em forma de farinha, integrava vários pratos, como bolo, beiju, sopa, angu e, às vezes, misturada apenas com água ou com feijão e carne, quando havia.[18]

Os tipos de farinhas comuns na região Norte do Brasil:[19]

  • Farinha-d'água
  • Farinha de tapioca
  • Farinha do uarini
  • Farinha suruí

Colômbia[editar | editar código-fonte]

A carimañola é um prato típico colombiano e consiste em um tipo de bolinho de mandioca em forma de torta. Mandioca Breda foi preparado por membros do povo de Saliva na província de Casanare, Colômbia, no início de 1856.[20]

Filipinas[editar | editar código-fonte]

Nas Filipinas, o bolo de mandioca ou Kakanin é uma das sobremesas caseiras mais populares e apreciadas. É feito a partir de mandioca ralada (Kamoteng Kahoy), misturado com leite de coco, ovos e manteiga e coberto com uma mistura de leite cremoso. É também chamado de cassava bibingka.[21]

O uso da mandioca pelos nativos do Novo Mundo[editar | editar código-fonte]

Para sustento destes meninos, a farinha de pau era trazida do interior, da distância de 30 milhas. Como era muito trabalhoso e difícil por causa da aspereza do caminho, ao nosso Padre (Padre Manuel da Nóbrega) pareceu melhor no Senhor mudarmo-nos para esta povoação de índios, que se chama Piratininga.(...) Por isso, alguns dos irmãos mandados para esta aldeia no ano do Senhor de 1554, chegamos a ela a 25 de janeiro e celebramos a primeira missa numa casa pobrezinha e muito pequena no dia da conversão de São Paulo, e por isso dedicamos ao mesmo nome esta Casa[22] .

Mandioca - Muito utilizada como alimento pelos nativos do Brasil até o México

A mandioca tinha uma enorme importância para a alimentação dos índios e dos primeiros colonizadores do Brasil e, como se vê acima no trecho de carta do Padre José de Anchieta de 1554, foi o motivo para a fundação da Cidade de São Paulo[23] .

Os Cinta Larga do Mato Grosso e Rondônia obtinham a raiz de maneira peculiar: ao invés de arrancar o pé inteiro, como quase todos os outros índios faziam, suas mulheres cavavam o solo e removiam apenas as raízes grandes, deixando as menores se desenvolverem[24] .

Os Tupinambá da Bahia faziam a giroba, um tipo de cauim, que também servia como alimento. A mandioca era descascada, cortada em pedaços, cozida, socada em pilão, cozida novamente com mais água e colocada em vasilhame para fermentar. A massa cozida não era mastigada como na maioria dos cauins, sendo amassada no pilão e mesmo assim ocorria o processo de fermentação. As mães alimentavam crianças pequenas com a giroba que, segunda a crença, permitia que se desenvolvessem em adultos fortes e saudáveis[25] .

Os Arara do Pará, que eram nômades não cultivavam mandioca[26] . Os Omágua do Alto Amazonas colhiam a mandioca e a enterravam deixando apodrecer parcialmente e assim a consumiam. Os Kamaiurá do Mato Grosso, para virar [beiju]], talhavam na madeira a , que apresentava a extremidade semi circular[23] .

Os Caiabi do Mato Grosso assavam a mandioca com casca na brasa, descartavam a casca e deixavam-na de molho na água. No outro dia a mandioca era amassada e comida fria[27] . Algumas tribos não conheciam o tipiti como os Parakanã, do Pará. Faziam a farinha cortando a mandioca, cozendo-a e espremendo-a em uma esteira para remover a parte líquida. As bolas de mandioca eram secas em um jirau, desfeitas, peneiradas e torradas[28]


Da mandioca os ameríndios obtinham uma grande variedade de derivados:


Arumbé: Massa de mandioca com pimenta[29]


Beiju: O pão de mandioca é feito em farelos e aspergido com água, resultando em uma massa grudenta que é espalhada sobre uma chapa quente, sendo continuamente virada de um lado e do outro[30] .

Os Caiabí do Mato Grosso faziam o beiju deixando a mandioca brava de molho por uns dias. Depois ela era descascada e bem seca ao sol. Ela era socada no pilão, umedecida e assada de um só lado. Os Txukahamãe ou Megaron da mesma região envolviam a massa de mandioca em forma de quadrado em folha de bananeira e a colocavam entre pedras aquecidas, cobriam-na com mais folhas e terra e a deixavam assar por horas Os Xirianá de Roraima assavam não só o beiju nos largos discos de argila, como também carnes de caça[31] .

Um modo diferente de preparar o beiju era praticado pelos Haló’ T´é Sú do Mato Grosso. Removiam as cinzas e brasas do fogo e no local colocavam a farinha, que era comprimida até formar os beijus. As cinzas e brasas eram sobre eles colocadas, que ficavam assados em quinze minutos. As brasas eram removidas com uma vareta e os beijus batidos para a remoção das cinzas[32] .

Os nativos das Américas preparavam vários tipos de beijus e outros pratos derivados da mandioca:

Aaru - beiju de massa de mandioca com tatu moqueado e moído[33] .

Beiju-açu - beiju de massa de mandioca peneirada e torrada[34] .

Beiju-cambraia - feito com massa de tapioca, alvo, tenro e quase transparente[31] [34] .

Beiju-carimã - beiju utilizado para se fazer caxiri, na festa da puberdade das moças[31] [34] .

Beiju-cica - de massa de mandioca fresca, cortado e torrado, com aparência de um folhado[31] [34] .

Beiju-curua - de massa de mandioca, sal e castanha ralada, envolto em folha de bananeira e assado[31] [34] .

Beiju-curucaua - grande e chato, feito de tapioca granulada com castanha de caju ou castanha-do-pará ralada[31] [34] .

Beiju-curuba - semelhante ao beiju curucaua, mas a castanha de caju ou a castanha-do-pará são adicionadas em pedaços e não raladas[31] [34] .

Beiju-enrodilhado beiju normal, mas que é enrolado ao invés de dobrado em dois[31] [34] .

Beiju-mambeca - um tipo de beiju mole, que não era torrado, apenas aquecido para a massa aglutinar[31] [34] .

Beiju-marapatá - envolto em folhas de bananeira e assado sobre cinzas[31] [34] .

Beiju-peteca - pequeno beiju comprido de massa de mandioca puba, castanha e gordura[31] [34] .

Beiju-pixuna - usado em viagens, é grande e escuro[31] [34] .

Nativa do Novo Mundo fazendo beiju

Beiju-poqueca - assado envolto em folha de bananeira, contendo apenas massa de mandioca e sal[31] [34] .

Beiju-teica - de polvilho fresco de mandioca com farinha d’água[31] [34] .

Beiju-ticã - de massa de mandioca puba seca e socada[31] [34] .

Beiju tinin - seco ao sol até endurecer[31] [34] .

Beiju-tininga - muito durável e feito de polvilho de mandioca puba, que é pilada depois de torrada[31] [34] .

Beiju-tipioca - de polvilho peneirado e torrado; outro tipo de beiju sem nome específico era feito com massa de mandioca com carne de caça previamente torrada e pilada[31] [34] .

Beijusicica - Mingau de polvilho feito pelos Crichaná de Roraima[35]

Caxiri - A massa de mandioca é cozida com bastante água e a fermentação é causada pela adição de sobras de beiju velho ou pela mastigação da massa[36] .

Cauim de amendoim - Um tipo de mingau feito com farinha de mandioca, amendoim torrado e moído e, às vezes, farinha de milho[27] .

Chibé - Bebida não alcoólica feita pela mistura de farinha de mandioca com água[30] [29]

Curada – Semelhante ao beiju, porém mais rico em polvilho e mais espesso[23] .

Farinha de mandioca - Misturava-se a massa ralada da mandioca fresca com a da puba. Mandioca puba é a deixada por alguns dias de molho na água. A massa era espremida com a mão e depois com o auxílio do tipiti, para liberar a maior parte do seu líquido, que era aproveitado para se fazer o tucupi. A massa era torrada em recipiente circular de borda rasa e feita de barro[31] [30] . Algumas tribos faziam a farinha apenas com a mandioca fresca[37] . Produziam mais dois tipos de farinha, a de guerra que continha apenas mandioca fresca e era muito cozida e a farinha mole feita de mandioca puba[37] . A primeira era também chamada de farinha seca e a segunda farinha d’água[38] . Tanto missionários como militares necessitados de farinha induziram os indígenas a produzir para eles, de certa forma obrigando-os a fazer cada vez roças maiores de mandioca[23] .

Idizinho - Mingau de mandioca dos Kalapalo do Mato Grosso[33] .

Kanapé - Os Caiabí do Mato Grosso faziam um tipo de pão redondo recheado de amendoim, por eles chamado do kanapé. Para fazê-lo socava-se mandioca ralada no pilão, passava-a pela peneira e a cozinhava com amendoim torrado inteiro e um pouco de mandioca doce. Quando atingia o ponto certo a massa era deixada para esfriar e com ela eram feitos pães redondos que eram assados no moqueador. Na hora de comê-los os pães eram esquentados no borralho, ficando torrados[27] .

Ki-pú – Líquido preparado com folhas de mandioca que eram deixadas para envelhecer por três ou quatro dias, sendo depois fervidas[23] .

Mandioca assada Os índios também assavam a mandioca mansa inteira para comer[37] .

Maniaca – Caldo venenoso que sai da mandioca espremida. Depois de fervido vira o tucupi[33] .

Manicuera ou manipuera Era o líquido obtido quando se espremia a mandioca ralada e deixado em repouso por alguns dias ou esquentado para eliminar substâncias tóxicas. Era muito apreciado puro ou no caxiri. Com a adição de cará, batata doce ou frutas fazia-se uma sopa rala[29] .

Mingau Os Cayabí ou Kaiabí do Mato Grosso preparavam o mingau cortando a mandioca-doce em dois ou três pedaços sem descascar, ralando-a, espremendo-a e cozendo o sumo por um longo período. Depois polvilho era acrescentado para engrossar. Outra maneira de o fazerem era ralando a mandioca doce e cozinhando-a em seu próprio líquido, onde era acrescentada [[farinha de milho[[ ou de mandioca, além de batata-doce e cará cozidos e amassados[27] .

Mingau de tapioca A tapioca era cozida em água até formar uma substância gomosa, onde era acrescentado sal, açúcar ou suco de frutas. Os Tukano da Amazônia ingeriam este mingau pela manhã[29] .

Pão de mandioca Os Crichaná de Roraima faziam um pão de mandioca que era assado no moqueador e depois comido dissolvido na água[35] .

Pão-de-guerra Feito por índios de Itacoatiára, do Amazonas, o pão-de-guerra cuja matéria prima era a farinha de mandioca apresentava a superfície esverdeada devido aos fungos e algas que nela se desenvolviam quando era armazenado[31] .

Paparuto - Bolo salgado feito de macaxeira (mandioca-doce) e carne de caça dos Timbira do Maranhão, Pará e Tocantins. Sobre o centro de folhas de bananeira brava dispostas em cruz espalha-se a macaxeira ralada. Sobre esta, pedaços de carne de caça com cerca de duzentas gramas são colocados e cobertos com macaxeira ralada. Os braços da cruz são dobrados sobre a massa, formando um quadrado de um metro de lado e alguns centímetros de espessura, que é amarrado com embira. Pedregulhos bem quentes, por terem ficado sobre a lenha de uma fogueira, são espalhados pelo chão e o pacote com a massa é colocado sobre eles. O pacote recebe outros pedregulhos quentes por cima e tudo é recoberto com folhas de bananeira brava e acima delas são depositadas folhas de palmeira. Por fim, tudo é recoberto com terra, assim permanecendo toda a noite. O paparuto pode ser feito com outro tipo de carne ou com peixe e a massa pode ser de milho ou favas[39] .

Pisaregue – Pão de mandioca dos Kalapalo do Mato Grosso[33] .

Polvilho O líquido que escorre da massa] da mandioca é deixado decantar, formando um fino no fundo do recipiente[30] . Quando o era cozido, tornava-se um alimento semelhante ao beiju[30] .

Tapioca O polvilho é lavado, decantado várias vezes, em seguida é secado e passado em chapa quente, quando forma grânulo[30] [27] .

Tucupi - Líquido que escorria da massa prensada da mandioca puba, que depois era fervido até tornar-se uma substância xaroposa e escura, sendo chamado de tucupi preto. Quando o líquido era temperado com sal, pimenta e alho e exposto ao sol, era chamado tucupi simples e quando fervido moderadamente, de tucupi cozido. Servia de molho para todo tipo de carne[30] [34] [29]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

LOPES, Sônia (1999), Bio Introdução ao estudo dos seres vivos, Editora Saraiva. ISBN 4. ed., pág 200

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 077
  2. CALDAS TIBIRIÇÁ, L., Dicionário Guarani Português. Editora Traço, ISBN 85-7119-017-8, 174 páginas, 1989.
  3. Embrapa. Mandioca Embrapa Mandioca e Fruticultura. Página visitada em 27/7/2014.
  4. Sheila Moura Hue; Angelo Augusto Santos; Ronaldo Menegaz (2009). Delícias do descobrimento: a gastronomia brasileira no século XVI. Zahar. p. 60. ISBN 978-85-378-0106-2.
  5. a b Peter Schröder (2003). Economia indígena: situação atual e problemas relacionados a projetos indígenas de comercialização na Amazônia legal. Editora Universitária UFPE. p. 39. ISBN 978-85-7315-195-4.
  6. Almir Dias Alves da Silva e Elton Oliveira Santos (2008). Cultura da mandioca Instituto Agronômico de Pernambuco. Página visitada em 27/7/2014.
  7. Enciclopédia agrícola brasileira: I-M. EdUSP. 1995. p. 394. ISBN 978-85-314-0719-2.
  8. Variedade Híbrida de Mandioca, por Antônio Abrantes, artigo sobre Nagib Nassar (acessado em fevereiro de 2009)
  9. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 077
  10. CALDAS TIBIRIÇÁ, L., Dicionário Guarani Português. Editora Traço, ISBN 85-7119-017-8, 174 páginas, 1989.
  11. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.71
  12. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 081
  13. Julio Seabra Inglez Souza (1995). Enciclopédia agrícola brasileira: E-H. EdUSP. p. 101. ISBN 978-85-314-0584-6.
  14. Food and Agriculture Organization: FAOSTAT: Production, Crops, Cassava, 2010 data (2011).
  15. Cultivo da Mandioca para o Estado do Pará EMBRAPA (Jan/2003). Página visitada em 27/82014.
  16. José Roberto Da Silva (27/05/2013). Produção Nacional de Mandioca: 2013 IEA - Instituto de Economia Agrícola. Página visitada em 27/82014.
  17. Dziedzoave, N.T.; Abass, A.B.; Amoa-Awua, W.K.A.; Sablah, M. Quality management manual for production of high quality cassava flour. IITA. pp. 2–. ISBN 978-978-131-282-3.
  18. Lima, Cláudia. Tachos e panelas: historiografia da alimentação brasileira. Recife: Ed. da autora, 1999. 2ª Ed. 310p. ISBN 8590103218
  19. Bruna Trevisani. A Cozinha Amazônica. Editora Melhoramentos. p. 6. ISBN 85-06-06224-1.
  20. Paz, Manuel María. Saliva Indian Women Making Cassava Bread, Province of Casanare. World Digital Library.
  21. Emily Shaw (2014). Recipes from Around the World, Volume 2. Bookpubber. p. 324. GGKEY:G7YNB0CUAZ4.
  22. ANCHIETA, Padre José de (1534-1597) (2004). Carta do quadrimestre de maio a setembro de 1554, dirigida por Anchieta ao Santo Ignácio de Loyola, Roma. (Certidão de Nascimento de São Paulo). p. 140-158. In: Minhas Cartas por José de Anchieta. 158 p. São Paulo, Associação Comercial de São Paulo. Os textos das cartas de Anchieta e as notas de rodapé foram extraídas do livro “Cartas, correspondência ativa e passiva” do padre Hélio Abranches Viotti, S. J., Edições Loyola, SP, 1984.
  23. a b c d e CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  24. POVOS INDÍGENAS DO BRASIL (S/DATA). Cinta Larga. Ciclos de produção e produção de ciclos. Disponível em http://pib.socioambiental.org/pt/povo/cinta-larga/425 Consulta em 07/09/2012
  25. VIEGAS, Susana de Matos (2006). Nojo, prazer e persistência: Beber fermentado entre os Tupinambá de Olivença (Bahia). In: Revista de História 154 (1º - 2006), 151-188. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rh/n154/a07n154.pdf Consulta em 26/10/2012
  26. BATES, Henry Walter (1825-1892). Um naturalista no rio Amazonas. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1979, 300p.
  27. a b c d e RIBEIRO, Berta G. (1924-1997). Diário do Xingu. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1979, 265 p.
  28. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Comportamento social dos Parakanã. P. 26-33. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 19, 64p.
  29. a b c d e SILVA, Alcionilio Bruzzi Alves da (1901-1987). A civilização indígena dos Uaupés. São Paulo, Linográfica Editora. 1962, 496 p.
  30. a b c d e f g GALVÃO, Eduardo (1921-1976). Encontro de sociedades: Índios e brancos do Brasil. Prefácio de Darci Ribeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1979, 300 p.
  31. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t PEREIRA, Nunes (1892-1985). Panorama da alimentação indígena: Comidas, bebidas & tóxicos na amazônia brasileira. Rio de Janeiro, Livraria São José. 1974, 412 p.
  32. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Haló’ Té Sú. A difícil transição cultural. p. 41-48 In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 16, 64p.
  33. a b c d BASTOS, Abguar (1987). A pantofagia ou as estranhas práticas alimentares da selva: Estudo na região amazônica. São Paulo, Editora Nacional; Brasília DF, INL. 1987, 153 p
  34. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s PEREIRA, Manuel Nunes (1892-1985). Moronguêtá: um Decameron indígena. 2ª Ed.; vol. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1980, 2ª Ed.; vol. 1. P. 1-434
  35. a b RODRIGUES, João Barbosa (1885). Rio Jauapery, pacificação dos crichanás. 286p. Rio de Janeiro: Impr. Nac. Disponível em http://archive.org/stream/riojauaperypaci00rodrgoog#page/n10/mode/1up. Consulta em 23/02/2012
  36. GALVÃO, Eduardo (1921-1976). Encontro de sociedades: Índios e brancos do Brasil. Prefácio de Darci Ribeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1979, 300p.
  37. a b c LÉRY, Jean de (1534-1611). Viagem à terra do Brasil. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo.1980, 303 p.
  38. DANIEL, João (1722-1776). Tesouro descoberto no máximo rio Amazonas. Rio de Janeiro, Contraponto. 2004, Vol. 1, 600 p.
  39. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Paparuto – Bolo que alimenta uma aldeia. P. 33-36 In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1977, ano I, nº 6, 64p.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mandioca
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Mandioca