Década de 1970

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Anos 1970)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde maio de 2011). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Séculos: Século XIX - Século XX - Século XXI
Décadas: 1940 - 1950 - 1960 - 1970 - 1980 - 1990 - 2000 - 2010 - 2020 - 2030 - 2040
Anos: 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979

A década de 1970, ou simplesmente década de 70 ou ainda anos 70 foi o período de tempo entre 1 de janeiro de 1970 e 31 de dezembro de 1979.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Marcha a favor de Salvador Allende no Chile.
Leonid Brejnev, no controle do maior exército do mundo e com um potente arsenal em suas mãos, foi um dos homens mais poderosos da década de 1970, comandando a União Soviética durante seu auge político.
Richard Nixon foi presidente dos Estados Unidos durante quase toda a primeira metade da década de 1970.
Mural dedicado à Revolução dos Cravos em Portugal.

Foi a época em que aconteceu a crise do petróleo, o que levou os Estados Unidos, o Brasil, a Suécia e o Reino Unido à recessão, ao mesmo tempo que economias de países como o Japão e Alemanha, na época Alemanha Ocidental começavam a crescer. Nesta época também surgia a defesa do meio ambiente, e houve também um crescimento das revoluções comportamentais da década anterior. Muitos a consideram a "era do individualismo". Eclodiam nesta época os movimentos musicos das discotecas e também do experimentalismo na música erudita.

Pela televisão, o mundo se tornou infinitamente menos secreto. Richard Nixon, o presidente americano deposto pelo caso Watergate, foi uma "personalidade" típica das telas de televisão dos anos 70. Sua saída do governo foi festejada pela população dos Estados Unidos e o resto do mundo acompanhou todo o escândalo "de perto", através da tela da televisão.

Guerras e política[editar | editar código-fonte]

Dá-se a Revolução dos Cravos em Portugal (25 de Abril de 1974) e a independência das então colónias portuguesas em África: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Timor-Leste também proclamou a sua independência em 1975, mas foi imediatamente invadido pela Indonésia, uma ocupação que durou até 1999.

Na União Soviética, sob a gestão neo-stalinista de Brejnev, a economia caminhava progressivamente, o que permitiu tornar o exército vermelho o mais poderoso e influente no mundo, atemorizando os norte-americanos, que preferiram tomar o caminho da paz, nas gestões de Richard Nixon, Gerald Ford e Jimmy Carter.

Neste período, as corridas espacial e armamentista se encerraram, dando lugar a um progresso humanístico, que visava não o interesse individual das potências, mas sim da humanidade, o período da chamada humanidade progressista.

Em Angola e Moçambique estalaram guerras civis (a guerra civil de Angola e a Guerra de desestabilização de Moçambique) com grande envolvimento de outros países, dentro do contexto da guerra fria. Ao mesmo tempo, intensificavam-se as lutas de libertação da Rodésia (que ascendeu à independência em 1980) e da Namíbia, que só se libertou da África do Sul com a derrocada do regime do apartheid na África do Sul, em 1990.

Em vários estados democráticos, especialmente no Japão, na França e na Suecia, mas também naqueles em que vigiam regimes ditatoriais, Espanha, Grécia e países do Cone Sul, os anos 1970 foram marcados por violência política, luta armada e terrorismo de esquerda e de direita, bem como pelo endurecimento do aparato repressivo estatal.

Termina a Guerra do Vietname, com a derrota dos Estados Unidos e reunificação do país.

Leonid Brejnev e Richard Nixon, durante a década de 1970, uma distensão entre a União Soviética e os Estados Unidos gerou um clima de paz e levou a corrida espacial e armamentista ao seu término

Economia[editar | editar código-fonte]

Ausência de combustíveis em 1973-74, durante a crise do petróleo.

A economia mundial, e particularmente a dos Estados Unidos, entra em recessão após a crise do petróleo de 1973, quando a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) triplica o preço do barril de petróleo. Tal fato ocorreu como retaliação dos países árabes, maioria dos constituintes da OPEP, aos Estados Unidos por estes terem apoiado Israel na Guerra do Yom Kippur, neste mesmo ano.

O Brasil, ainda sob impulso do milagre econômico e alçado para a posição de 9ª economia do mundo, posterga os efeitos desta primeira crise do petróleo utilizando reservas cambiais e, em seguida, empréstimos internacionais para equilibrar sua deficitária balança comercial. Porém o milagre econômico começa a declinar.

Em 1979 uma nova crise do petróleo preocupa o Ocidente, desta vez motivada pela queda do Xá do Irã, Mohammad Reza Pahlavi, então aliado dos Estados Unidos. A queda do Xá permite a ascensão ao poder do Aiatolá Komeini, líder muçulmano xiita e inimigo declarado de Israel. Mais uma vez, agora por pressão do Irã, o petróleo é usado como arma e tem seu preço duplicado em detrimento dos Estados Unidos, maior consumidor mundial e histórico aliado de Israel.

Na União Soviética, aproveitando-se da crise do petróleo, a economia chega ao seu auge, permitindo aos cidadãos, um conforto material relativamente alto.

O Brasil sofrerá com muito mais intensidade os reflexos desta segunda crise do petróleo, tendo a inflação gradualmente acelerado seu ritmo de crescimento, por conta dos seguidos aumentos dos preços dos combustíveis no mercado interno.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Donna Summer foi uma das cantoras mais marcantes na música popular da década de 1970

Foi a última década do período classic rock. É também conhecida como a "década da discoteca", devido ao surgimento da dance music. Surge também o movimento punk.

No dia 6 de abril de 1971 morre o compositor, pianista e maestro russo Ígor Stravinski.

No dia 16 de Agosto de 1977 morre o cantor Elvis Presley. Em 1973, o seu concerto "Aloha from Hawaii" tem uma audiência estimada em mais de 14 milhões de telespectadores.

A incorporação de instrumentos de música erudita no rock já havia se iniciado dos anos 60, mas só ganhou ares de movimento (também derivado da psicodelia sessentista) no início dos anos 70, no que é conhecido como rock progressivo. Diversos artistas se reuniram na proposta, sendo os de grande destaque Pink Floyd, com The Dark Side of the Moon, John Lennon, Genesis, Yes, Jethro Tull, Emerson, Lake & Palmer, King Crimson, Mike Oldfield, Van Der Graaf Generator, Gentle Giant, no terreno britânico. Também caíram no gosto bandas germânicas (Can, Faust, Neu!, Tangerine Dream, Amon Düül e Kraftwerk) e italianas (Le Orme, Formula Tre e Premiata Forneria Marconi). Canadá (Rush), Bélgica (Univers Zéro) e Holanda (Focus) também dão sua contribuição.

No Brasil, destaque para os trabalhos de O Terço, O Som Nosso de Cada Dia, A Barca do Sol, Rita Lee & Tutti Frutti, Casa das Máquinas e Sagrado Coração da Terra. A banda baiana Doces bárbaros, idealizada por Maria Bethania, Gilberto Gil, Gal Costa e Caetano Veloso.

Surge o glam rock, onde o chique e o glamour faziam parte do virtual. David Bowie, com o seminal disco The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders From Mars é o maior expoente. Outros ícones do estilo são Marc Bolan e seu grupo T.Rex, Mott the Hoople e principalmente Elton John com o álbum Goodbye Yellow Brick Road que tinha como marca registrada, os grandes óculos, roupas rigidamente enfeitadas e coloridas, além das botas de plataforma e das calças boca-de-sino.

A aceleração e distorção do blues, dando origem ao hard rock, também havia se iniciado ainda nos anos 60, mas foi na década de 70 que ela surgiu com toda a força. Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple eram as bandas que lideravam o estilo. Outros destaques são Kiss e Aerosmith. No sul dos Estados Unidos, o hard rock ganha uma sonoridade característica, conhecida como southern rock, onde os grupos Allman Brothers e Lynyrd Skynyrd são os mais bem lembrados. Na relação rock e blues, os Rolling Stones têm a sua fase mais criativa no início da década.

A música voltava a ser popular e tudo acabava nas pistas de dança, por exemplo, através do "clássico" da disco music Os Embalos de Sábado à Noite, estrelado por John Travolta. Quando o ator vestiu seu terno branco e jogou o braço para o alto, a discothéque estava vivendo um período de iminente decadência, mas voltou a ser moda. Símbolo incontestável da disco music, o filme lançou um novo verbo conjugado internacionalmente: travoltear.

Este fenômeno trouxe um novo balanço para a música pop, assim como gênios da música eletrônica, cujo maior expoente da época foi Giorgio Moroder (responsável pela descoberta da "rainha das discotecas", Donna Summer).

No Brasil, a discotéque e o pop dançante serviram de base para uma geração de ídolos populares tidos como "cafonas", "exuberantes" e até "pornográficos" (Sidney Magal, Gretchen, As Patotinhas, Harmony Cats, Dudu França). Explorando outros universos da música brasileira, surgia uma nova geração influenciada pelos consagrados nos festivais da década anterior, como Belchior, Gonzaguinha, Djavan e Ivan Lins.

A música sertaneja e o samba vivíam momentos de desgaste, sendo que a primeira alcançava êxito apenas nas áreas rurais e o segundo nos subúrbios. Em compensação, aparecem rádios e programas de TV dedicados exclusivamente e esses gêneros.

Mais engajado que a disco music, o punk rock, derivado da cena de Nova York blank generation (que reúne artistas tão diversos como Patti Smith, Television, New York Dolls e vários outros) investia contra o sistema. A Inglaterra enfrentava uma de suas maiores crises. A recessão corria solta e o punk pregava a anarquia através dos grupos Sex Pistols e The Clash, que dividiam o trono do movimento com os nova-iorquinos dos The Ramones. O rock voltava à sua forma primitiva, emergente das garagens e dos porões dos submundos inglês e americano.

Como se fosse um hiato entre a disco music e o punk rock, surgiu a new wave. Contrária ao punk, a nova onda celebrava o brilho do início da década. Algumas vezes a new wave chegou até a flertar com a disco music através do Blondie, com Deborah Harry em seu hit 'disco' Heart of Glass. A new wave foi perdendo seu ímpeto rapidamente; os famosos Sex Pistols se dissolveram, entre outros. Mesmo assim o punk sobreviveu até o final da década.

Na música pop, a importância das palavras foi substituída pelo ritmo. Importava o balanço e a quantidade de decibéis, coisa que propiciou a aparição de dezenas de grupos e estrelas de sucesso fulminante e rápido desaparecimento. O efêmero e o descartável foram campeões em todas as paradas de sucesso.

A discoteca, o esporte: atalhos para a celebridade efêmera prevista pelo artista pop Andy Warhol ("No futuro, todos serão famosos durante 15 minutos", ele disse).

Michael Jackson lança seus primeiros quatro álbuns em carreira solo: Got to Be There e Ben em 1972 e Music & Me em 1975, mas o sucesso vem mesmo com seu primeiro álbum em fase adulta: Off the Wall, em 1979 que já vendeu cerca de 20 milhões de cópias.

Depois de sete bem sucedidos anos, se separa a banda de rock The Beatles, cujos membros vão fazer bem sucedidas carreiras solo.

Cantores e bandas internacionais[editar | editar código-fonte]

Cantores, compositores, instrumentistas e bandas brasileiras

Séries no Brasil[editar | editar código-fonte]

Telenovelas Brasileiras[editar | editar código-fonte]

Séries internacionais[editar | editar código-fonte]

Moda[editar | editar código-fonte]

  • Moicano;
  • Cabelo Black Power bem crespo e muito encarapinhado;
  • Jeans e calças militares usadas com enormes bocas de sino, tachinhas, bordados e muitos brilhos
  • Camurças com franjas;
  • Estilo safári;
  • Colares de contas miçangas, bijuterias étnicas africanas;
  • Saias e calças de cintura baixa com cintos largos ou de penduricalhos;
  • Estampas florais,
  • Roupas artesanais, materiais naturais e tinturas caseiras;
  • Botas de camurça e sandálias de plataforma.
  • Saias longas, estampadas, estilo cigana e muita interferência de brilhos e plumas nas roupas.
  • se vestiam tipo hippies
  • Glam Rock ou Glitter Rock

Drogas[editar | editar código-fonte]

O ecstasy (sintetizado em 1914) teve seu uso como entorpecente iniciado na década de 1970 nos Estados Unidos. A cocaína também era popular.

Pessoas[editar | editar código-fonte]

Andy Warhol em 1977

Desporto[editar | editar código-fonte]

Olimpíadas de Munique em 1972
Olimpíadas de Montreal em 1976

Artistas[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]