The Omen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Omen
O Génio do Mal (PT)
A Profecia (BR)
 Reino Unido/ Estados Unidos
1976 • cor • 111 min 
Direção Richard Donner
Roteiro David Seltzer
Elenco Gregory Peck
Lee Remick
David Warner
Billie Whitelaw
Gênero Terror, Suspense
Idioma inglês
Edição Stuart Baird
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Reino Unido 6 de junho de 1976
Estados Unidos 25 de junho de 1976
Página no IMDb (em inglês)

The Omen (no Brasil, A Profecia e em Portugal, O Presságio) é uma série de filmes que se iniciou em 1976, no filme homônimo baseado no livro de David Seltzer e estrelado por Gregory Peck, Lee Remick, David Warner, Harvey Stephens, Billie Whitelaw, Patrick Throughton, Martin Benson e Leo McKern.

A Profecia[editar | editar código-fonte]

O primeiro filme conta a infância de Damien Thorn (Harvey Spencer Stephens), trocado após o seu nascimento pelo filho natimorto de Robert Thorn (Gregory Peck), embaixador americano no Reino Unido. Damien agora tem 5 anos de idade. O que o diplomata e sua família não sabem é que ele é na verdade filho de Satã, nascido de um chacal na sexta hora do sexto dia do sexto mês, e destinado a ser o Anticristo. Um padre que sabe da verdade sobre Damien alerta um cético Robert sobre o que seu filho realmente é. Robert só começa a acreditar no aviso do padre após uma série de mortes bizarras de pessoas ligadas de alguma forma à Damien - a começar pela sua primeira babá, o próprio padre em questão e a esposa de Robert.

Auxiliado pelo fotógrafo Keith Jennings, que tem motivos para acreditar em ser a provável próxima vítima de Damien, Robert vai à Israel para pegar com um certo Bugenhagen, como havia indicado o padre, a única coisa que pode destruir o Anticristo - sete adagas sagradas. Atordoado pelo dever de matar seu próprio filho, ele só se decide após ver a morte de Jennings se confirmar. De volta à sua casa, Robert confirma suas suspeitas após cortar um pouco do cabelo de Damien, enquanto este dorme, e ver a marca da besta, o número 666, no couro cabeludo. Robert, entretanto, é impedido de matar Damien pela nova babá deste, Mrs. Baylock - revelada como uma apóstola de Satã.

Após matar Baylock, o embaixador foge com Damien em direção à uma igreja, para matá-lo em um altar, como Bugenhagen havia lhe aconselhado. Entretanto, a alta velocidade de seu carro atrai a polícia. Os policiais chegam à igreja no momento em que Robert vai desferir a adaga contra Damien. Ao verem tal cena, atiram em Robert, matando-o antes que ele pudesse assassinar seu filho, que termina o filme de mãos dadas com o presidente dos Estados Unidos e sorrindo.

Um remake deste primeiro filme foi lançado intencionalmente no dia 6 de junho de 2006 (666), com Damien sendo interpretado por Seamus Davey-Fitzpatrick. Esta primeira versão foi exibida no Brasil no final da década de 80 pela Rede Record de Televisão.

Damien: A Profecia II[editar | editar código-fonte]

Título em Portugal: O Presságio 2: Damien
Lançado em 1978, a sequência se passa sete anos após os acontecimentos do original. Um prólogo, entretanto, ocorre cronologicamente poucos dias após o final do primeiro filme. Bugenhagen, ao saber da morte de Robert Thorn, pretende avisar o novo responsável de Damien, que é Richard Thorn, irmão de Robert e dono de uma empresa de alimentícios. Como não tem condições de viajar até os EUA, Bugenhagen pede à seu amigo Michael Morgan levar uma carta esclarecedora dele à Richard, de quem Michael também é amigo. Como Michael se mostra incrédulo, Bugenhagen leva-o até as ruínas de um muro onde uma pintura identificada como o Anticristo tem o rosto idêntico ao de Damien. Ao chegarem no local, entretanto, acabam morrendo soterrados com o desabamento das ruínas, provocado por Satã.

Sete anos depois, Damien (interpretado por Jonathan Scott-Taylor, ator inglês nascido em São Paulo), agora um adolescente prestes a completar 13 anos de idade, vive com seu tio Richard (William Holden), seu primo Mark (filho do primeiro casamento de Richard), que possui mesma idade, e Ann, a segunda esposa de Richard. Aos poucos, pessoas que desconfiam ou sabem da real identidade do Anticristo procuram revelar tudo à Richard, como sua mãe, Marion; a arqueóloga Joan Hart, assistente de Bugenhagen; e o doutor Kane, que descobre a peculiar estrutura celular de Damien - similar à de um chacal. Entretanto, todos estes, além de outros, acabam mortos nas mãos de animais e outras pessoas, aliadas de Satã: um corvo maligno; Paul Buher, alto funcionário da empresa Thorn; e Daniel Neff, sargento da escola militar em que Damien e Mark estudam. É Neff quem revela à Damien a real natureza que ele tem. Num primeiro momento, o garoto se desespera; mas, depois, aceita seu destino.

Charles Warren, outro alto funcionário das empresas Thorn, entretanto, descobre a verdade por trás de Damien após examinar a carta de Bugenhagen e o muro que mostra o garoto como o Anticristo. Charles conta tudo à Richard, que não consegue acreditar. Mark acaba escutando tudo e, acreditando, foge de seu primo. Damien assume à Mark a sua real identidade e lhe pede diversas vezes que se junte a ele, pois o ama como um irmão. Mark recusa, e Damien, arrasado, não vê outra alternativa senão matá-lo, utilizando seus poderes para provocar um aneurisma nele.

Richard é chamado por Charles para ver o muro que contém o rosto de Damien. Ao constatar isso, para logo depois ver Charles morrer empalado entre dois vagões de trem, o empresário passa a acreditar que seu sobrinho é realmente o filho do demônio. Richard conta tudo à sua esposa, Ann, que reluta em aceitar a história e impede que seu marido pegue as adagas sagradas - guardadas na sala onde Charles descobriu a carta de Bugenhagen. Ao ordenar que sua esposa lhe entregue as adagas, Richard acaba apunhalado com duas delas por Ann, que lhe revela ser outra serva de Damien, que presencia a cena. Ann, entretanto, acaba morta na explosão que o garoto provoca no local.

A Profecia III - O Conflito Final[editar | editar código-fonte]

Em Portugal: O Presságio 3: A Batalha Final
Lançado em 1981, nele há uma grande passagem de tempo: os acontecimentos mostram um Damien já adulto (interpretado por Sam Neill), totalmente consciente de sua real identidade, aos 32 anos de idade e dono das empresas Thorn, agora a maior multinacional do mundo.

Damien pressente que seu rival, a reencarnação de Jesus Cristo, está voltando. Os sete anos previstos em que o diabo governaria a Terra - que são os sete anos em que Damien está à frente de suas empresas - estão prestes a se completarem; o mesmo evangelho afirma que Jesus renascerá em uma ilha, que Damien interpreta ser a Grã-Bretanha. Para ficar mais próximo de seu inimigo, ele convence o presidente dos EUA a lhe tornar o novo embaixador americano no Reino Unido (assim como seu pai adotivo, Robert), já tendo feito o embaixador anterior se suicidar para o cargo ficar vago.

Um alinhamento de três estrelas da constelação de Cassiopeia causam a criação de uma segunda estrela de Belém, simbolizando a nova vinda do Salvador. Como o fenômeno se deu nas primeiras horas do dia 24 de Março, Damien ordena a seus numerosos asseclas que matem todos os bebês britânicos nascidos neste dia - similarmente ao que Herodes havia feito. Paralelamente à isso, ele também se envolve com uma repórter da BBC, Kate Reynolds, chegando a tomar o filho dela, Peter, como discípulo. E sete padres que conhecem a identidade de Damien preparam-se para matá-lo, após reaverem as adagas sagradas.

Um a um, entretanto, bem como os britânicos recém-nascidos no dia 24 de Março, os padres vão sendo mortos, até restar somente o padre DeCarlo. Ele informa Kate sobre Damien, trazendo-lhe um dossiê sobre este. Mesmo com todos os bebês em questão mortos - inclusive o filho de seu assistente, Dean - Damien continua a se sentir enfraquecido, o que seria um sinal de que o filho de Deus ainda estaria entre os homens. Ao saber que Peter também se tornou um servo do mal encarnado, Kate implora à Damien que ele devolva seu filho a ela. Em troca disto, ela lhe revelaria o local onde a reencarnação de Cristo estaria, e Damien concorda, apesar do alerta de Peter de que eles serão emboscados.

A emboscada acaba realmente acontecendo. Peter, entretanto, protege seu mestre e leva em seu lugar a facada desferida por padre DeCarlo, que depois é golpeado por Damien. Este, porém, realmente sente a presença divina no local e ordena que Ele se revele. Distraído, o Anticristo acaba apunhalado pelas costas por Kate, que foge. Uma aparição luminosa de Cristo surge diante de Damien. Antes de tombar morto, ele diz suas últimas palavras: "Nazareno...você ganhou...nada".

O filme termina com a transcrição de uma passagem do Apocalipse que esclarece que o Messias não retornaria à Terra como uma criança, "mas como Rei dos Reis, para governar em força e glória eternamente".

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • No livro que inspirou a série, o nome do pai adotivo de Damien não é Robert Thorn, e sim Jeremy Thorn, assim como o nome do jornalista que auxilia Thorn em sua investigação não é Keith Jennings e sim Haber Jennings.
  • Uma "maldição" teria ocorrido com pessoas envolvidas no primeiro filme, durante as filmagens: aviões em que se encontravam o escritor David Seltzer e o ator Gregory Peck foram atingidos por raios; um hotel onde estava o diretor, Richard Donner, sofreu um atentado à bomba pelo IRA; Gregory Peck cancelou uma viagem à Israel, e o avião que tomaria se acidentou, matando todos a bordo; um funcionário do safári onde realizou-se uma cena foi atacado e morto por um leão no dia seguinte após o set deixar o local; cães Rottweiler escalados para o filme para serem servos de Damien atacaram seus treinadores. O filho do ator principal Gregory Peck cometeu suicídio pouco antes das gravações. O responsável pelos efeitos especiais, Jonh Richardson, sofreu um acidente de carro que acabou cortando seu assistente ao meio pela roda dianteira. Quando ele desceu do carro avistou uma placa que dizia Ommen 66,6.[1]
  • Pelo primeiro filme, Jerry Goldsmith levou seu único Oscar, como compositor da trilha sonora, com seus cânticos Versus Christus Ave Satani (contra Cristo, salve Satã).
  • William Holden foi chamado para ser Robert Thorn, no primeiro filme da série. Acabou recusando quando soube tratar-se de um filme sobre o demônio, e Gregory Peck foi escolhido em seu lugar. Após o enorme sucesso alcançado pelo primeiro A Profecia, Holden aceitou fazer Richard Thorn, no segundo filme da série.
  • A música "The Number of the Beast", do grupo Iron Maiden, teria sido inspirada num pesadelo que o líder da banda, Steve Harris, teve com o segundo filme da série.
  • Há um quarto filme da série, feito especialmente para a TV. O protagonista é a filha de Damien, fruto de sua relação com a repórter Kate Reynolds, no terceiro filme.
  • Os intérpretes de Damien e Kate no terceiro filme, Sam Neill e Lisa Horrow, respectivamente, namoraram durante as filmagens e tiveram um filho, Tim.
  • Todos os atores que interpretaram Damien Thorn nos três filmes originais da série tiveram seus cabelos pintados de preto para as filmagens.
  • Damien é parodiado num episódio homônimo do desenho South Park. Ele aparece com seu pai (Satã) e Jesus.
  • Apesar de soar parecido com "Demon" (em português, "demônio"), o nome Damien não tem relação etimológica com a palavra, sendo até associado com figuras santas, como São Cosme e Damião.
  • A "profecia" que dá título à série, desvendada no primeiro filme por Robert Thorn e Keith Jennings, é a seguinte: quando os judeus retornarem à Sião (a criação do estado de Israel) / e um cometa varar o céu / o Sagrado Império Romano (que seria a União Europeia) se erguerá / e você e eu iremos morrer. / Do mar eterno (interpretado como o mundo da política) ele se ergue / criando exércitos em ambas as costas / virando o homem contra seu irmão / até o homem deixar de existir.


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]