Bebeto (cantor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bebeto
Bebeto na TV Brasil, 2012.
Informação geral
Nome completo Paulo Roberto Tadeu de Sousa
Nascimento 6 de agosto de 1953 (61 anos)
Origem São Paulo, SP
País  Brasil
Gênero(s) Samba-rock, MPB
Instrumento(s) voz, violão
Período em atividade 1975presente
Influência(s) Paulo Roberto
Página oficial http://paulorobertoshowtv.blogspot.com

Bebeto, nome artístico de Paulo Roberto Tadeu de Sousa (São Paulo, 6 de agosto de 1953) é um cantor, compositor e violonista brasileiro, considerado um dos grandes nomes do samba-rock no Brasil.

Bebeto começou sua carreira artística em sua terra natal, cantando em diversos locais grandes sucessos da MPB. Teria começado a compor suas primeiras canções durante esse período.

Conviveu com alguns nomes fundamentais no samba-rock e no swing em geral, entre eles o cantor, compositor e guitarrista gaúcho Luís Vagner e o percussionista paulista Branca di Neve.

Chamou a atenção da gravadora Som e foi contratado, lançando vários LPs sob o selo Copacabana.

Lançou seu disco de estréia em 1975, "Bebeto", e nesse disco já define bem seu estilo: um som muito pontuado pelos arranjos de metais, pela sessão de percussão e pelo violão, que toca até hoje. Há letras bem curiosas como "Adão, você pegou o barco furado" e "Poderoso Thor", ambas de sua autoria. Ainda nesse disco, ele gravou um de seus maiores sucessos, "Segura a nêga", redescoberto nos dias de hoje por DJs e grupos de samba-rock do século XXI, música que registra sua primeira parceria com Luís Vagner. Nesse mesmo disco, aparece "Esse crioulo por você se fez poeta", composição do cantor e compositor mineiro Wando, até então um desconhecido sambista.

Em 1977, seu segundo disco, "Esperanças mil", traz composições de uma dupla que seria constante em seus LPs e fornecedora de sucessos imortais: Bedeu e Alexandre, egressos do grupo Pau Brasil. "Nega Olívia" até hoje é uma das mais pedidas pelo público. Outros bons momentos de Bebeto são "Princesa negra de Angola" e "Você é paz que me acalma" (ambas com o cantor, compositor e violonista paulista Dhema, futuro "rei do suíngue"), "Hei cara" (c/Joãozinho), "Deus Salve Jorge" (homenagem de J. Velloso e Andó a Jorge Ben) e a canção "Na galha da mutamba" (c/Lobo), uma das mais belas de sua carreira. A partir desse disco, outras duas marcas registradas de suas canções surgiriam: o arranjos de cordas e as backing vocals bem características.

Em 1978, com o disco "Cheio de razão", começou a se popularizar especialmente no Rio de Janeiro. A faixa "A beleza é você, menina" (c/Rubens), que abre o disco, é seu maior sucesso e sua música mais conhecida e executada até hoje, inclusive por bandas de baile como Devaneios e Copa 7. "Minha preta" é outra faixa de sucesso de Bedeu e Alexandre, também muito pedida nos shows. Com esse disco, ele começa a ser conhecido pelos inúmeros shows em bailes suburbanos.

"Malícia", de 1980, música que dá nome ao disco, é parceria de Bebeto e Ney Velloso. Neste disco, Bebeto, violão, e Ney Velloso, guitarra, tocam juntos todas as faixas. Esse disco também traz outro compositor que forneceria mais hits para Bebeto: o hoje cultuado Serginho Meriti, que emplacou "Neguinho Poeta". Mais uma grande composição de Bedeu e Alexandre, "Hey Neguinha", faz sucesso nos bailes.

Em 1981, Bebeto grava dois grandes discos:

Primeiro, o disco "Bebeto", seu último trabalho pela Copacabana e um dos mais marcantes por conter o hit que o imortalizaria como o rei dos bailes de subúrbio. Trata-se de "Menina Carolina", sucesso absoluto de Bedeu, com Leleco Telles (outro egresso do grupo Pau-Brasil). Outros grandes momentos do disco são "Manda ver menino" (c/Cláudio Fontana), "Preto velho" (com Célio CM), "Casa grande" (c/Lourival) e duas composições de Luís Vagner, "Como?", a mais famosa, regravada por muitos artistas desde a década de 70, e "Embrulheira".

O segundo, "Batalha maravilhosa", trabalho mais autoral de Bebeto (100% das faixas são dele) e gravado pela RCA (atual Sony BMG), é pontuado pela participação de Serginho Meriti em 11 das 12 faixas, com destaque para "Monalisa". O maior êxito, no entanto, foi composto com Adilson Silva, "Praia e sol", música que até hoje é a mais associada a Bebeto, ao lado de "Menina Carolina".

Nesse mesmo período, foi considerado um imitador de Jorge Ben, algo que o acompanha ainda hoje, embora se constate que seu som hoje é muito diferente do que o atual Jorge Benjor faz.

Em 1982, Bebeto grava o disco "Guerreiro", que traz como sucesso único o suíngue "Arigatô Flamengo", homenagem ao título mundial interclubes do Clube de Regatas do Flamengo conquistado em 1981 no Japão.

Depois de uma série de sucessos, seus discos posteriores soaram redundantes e com destaques esparsos.

Em 1983, "Simplesmente Bebeto" traz apenas "Salve ela" (c/Luiz Comanche) e "Fio da navalha" (Gil Gerson), ambas resgatadas em seu CD ao vivo e seu DVD.

Em 1984, grava "Magicamente".

Em 1985, grava "Fases" cuja música "Com você sou" (c/Dhema e Serginho Meriti) fez algum sucesso.

Em 1986, saiu da RCA e assinou com a gravadora Polygram. Lançou em 1986 "Vem me amar" e em 1987 "Tempo's", que o trouxe às rádios com a música "Chega de charme".

Em 1989, retorna à Copacabana e grava o disco "Sorte". Em 1991, grava "20", que contém outro grande hit de sua carreira, "Jéssica", do compositor paulistano Tatá, que também foi gravada pelo músico paulista Biro do Cavaco.

Depois viveu um período de ostracismo com um disco esparso na RGE, "Bebeto" de 1992, que trouxe a regravação de "Como é grande o meu amor por você", de Roberto Carlos.

Logo em seguida, Bebeto voltou à mídia, de gravadora nova (Warner). O disco "Nos bailes da vida", produzido pelo compositor e violonista Roberto Menescal, é na verdade uma revisão de seus anos de estrada e seus maiores hits foram relembrados, além de regravações de nomes como Tim Maia e Jorge Ben.

No ano 2000, entra para o time de artistas da gravadora MZA, grava seu primeiro disco ao vivo e novamente ganha destaque na mídia, relembrando seus maiores sucessos.

Em 2001, compõe "Só vejo a crioula" para o disco de estréia da banda paulistana Clube do Balanço e participa na faixa, tocando violão e cantando.

Em 2002, lança o disco "Swinga Brasil", um apanhado de seus sucessos com nova roupagem, e alguns artistas dos dias de hoje fazem participação especial.

Em 2005, lança seu primeiro e único DVD "Pra balançar", onde além de relembrar seus sucessos e resgatar "Na corda bamba" (rebatizada de "Caramba"), do disco "Cheio de razão", ele conta com a participação especial de seus colegas de gravadora como Zeca Baleiro ("Praia e Sol") e Zélia Duncan ("Como?"), além de Seu Jorge ("Eu bebo sim") e Davi Moraes (a inédita "Viva o sol").

Atualmente, está na ativa, fazendo shows pelo país e participará do evento Virada Cultural, em São Paulo (SP).

Bebeto prepara o lançamento do seu novo trabalho "Prazer, eu sou Bebeto" http://www.bebetocantor.com.br/ http://bebetocantor.blogspot.com/ http://twitter.com/BebetoCantor

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Em 1973 gravou 3 compactos sendo 2 simples e 1 duplo.

(Canto de Iemanjá, Zé do tamborim e Falando de Rosas)

  • 1975 Bebeto
  • 1977 Esperanças mil
  • 1979 Cheio de razão
  • 1980 Malícia
  • 1981 Bebeto
  • 1981 Massagem
  • 1981 Batalha maravilhosa
  • 1982 Guerreiro
  • 1983 Simplesmente Bebeto
  • 1984 Magicamente
  • 1985 Fases
  • 1986 Vem me amar
  • 1987 Tempo's
  • 1989 Sorte
  • 1991 20
  • 1992 Bebeto
  • 1993 Nos bailes da vida
  • 1995 Garra, sangue e raça
  • 1998 Espelho meu
  • 2000 Ao vivo
  • 2002 Suinga Brasil!
  • 2006 Pra balançar
  • 2010 Prazer, sou Bebeto
Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.